A família continua sendo o melhor modelo de Sociedade.



A família não é um modelo antiquado e os católicos deveriam defendê-la não só das estruturas de pecado hostis a ela que colocam em dúvida a tradicional cultura familiar e muitas vezes a destrói,

assinalou o Relator Geral do Sínodo dos Bispos, Cardeal Peter Erdo na sua “Relatio ante disceptationem”.



seguro-total-santander364326


Postado em 8 de outubro de 2014

O Cardeal dividiu este documento que introduz os trabalhos do Sínodo em quatro partes: O Evangelho da Família no Contexto da Nova Evangelização, o Evangelho da família e a pastoral familiar, as situações pastorais difíceis, e a família e o Evangelho da vida.

Do mesmo modo, na conferência de imprensa de ontem, 6 de outubro, o Cardeal indicou que foram levadas em consideração as respostas dadas ao questionário preliminar que foi enviado às conferências episcopais, assim como as intervenções enviadas pelos padres sinodais.

O Arcebispo de Budapeste (Hungria) também compartilhou com os jornalistas que a renovação da metodologia do sínodo se expressa também no fato de que já está sendo elaborada “a relação posterior à discussão, sobre a base das intervenções escritas dos padres sinodais, embora ainda temos que considerar o que sai do debate”.

Por sua parte, o Secretário Geral do Sínodo, Dom Bruno Forte, explicou aos jornalistas que “houve uma maturação no caminho sinodal ao longo dos anos”. Acrescentou que “como os temas mais importantes do Concílio Vaticano II foram discutidos no meio das sessões, as não formais, espero que os resultados mais importantes do sínodo dos bispos cheguem das discussões livres, que o Papa Francisco quer que sejam francas”.

O texto, lido pelo Cardeal Erdo, ofereceu também alguns dos temas a serem tratados durante estas duas semanas:

Educação

O documento indica que “a família certamente hoje encontra muitas dificuldades; mas não é um modelo antiquado, pelo contrário, entre os jovens em geral se constata um novo desejo de família”.

De acordo com o Cardeal “entre os cristãos católicos a substância do ensinamento do Novo Testamento e do Catecismo da Igreja Católica sobre o matrimônio parece ser bastante conhecida. Entretanto, os aspectos específicos da doutrina e do Magistério da Igreja sobre o matrimônio e a família nem sempre são suficientemente conhecidos entre os fiéis”.

Nesse sentido, destacou muitas vezes a necessidade de uma educação mais integral no ensino católico, fazendo-se eco das observações do “Documento de trabalho do sínodo dos bispos”. “Resulta especialmente útil oferecer aos pastores das comunidades locais diretrizes claras para ajudar todos aqueles que vivem em situações difíceis”, adiciona o documento.

Do mesmo modo, alerta as comunidades locais para que evitem “as improvisações de uma ‘pastoral caseira’, que acaba fazendo mais difícil que se aceite do Evangelho da família”.

O documento também assinala que “é preciso acompanhar os noivos prometidos para que tenham uma clara consciência do que é o matrimônio no intuito do Criador, aliança que entre os batizados sempre tem a dignidade sacramental”.

A misericórdia não se anula com a verdade

Dado que “o tema da misericórdia está cada vez mais em primeiro plano como um ponto de vista importante no anúncio do Evangelho”, a relação destacou que a misericórdia “não elimina a verdade e não a relativiza, mas leva a interpretá-la corretamente no contexto da hierarquia das verdades”.

“A misericórdia, portanto, tampouco anula os compromissos que nascem das exigências do vínculo matrimonial. Estes continuam subsistindo inclusive quando o amor humano se debilitou ou cessou”, assinala o texto.


Coração ferido


Divorciados em nova união, coabitação e matrimônios civis

Além disso, o documento aborda situações como a coabitação, os matrimônios civis, assim como os divorciados em nova união.

As duas primeiras, indicou, representam uma nova dimensão de cuidado pastoral e “a Igreja não pode não reconhecer inclusive em situações a primeira vista afastadas de critérios que respondam ao Evangelho, uma oportunidade para acompanhar as pessoas, para que cheguem a uma decisão consciente, verdadeira e justa a respeito de sua relação”.

No que diz respeito aos divorciados em nova união, o documento indica que a resposta a estas questões mostra que este tema tem diferentes matizes em diversas partes do mundo, mas que não põem em questionamento “a palavra de Cristo e a verdade da indissolubilidade do matrimônio, nem faz com que já não estejam em vigor”.

“Os divorciados recasados civilmente pertencem à Igreja” e têm direito a receber o cuidado de seus pastores, afirmou o Cardeal. “Por isso a necessidade de ter em cada Igreja particular pelo menos um sacerdote, devidamente preparado, que possa prévia e gratuitamente aconselhar as partes sobre a validez de seu matrimônio”, acrescentou.

“Com efeito, muitos esposos não são conscientes dos critérios de validez do matrimônio e menos ainda da possibilidade da invalidez. Depois do divórcio, é preciso realizar esta verificação, em um contexto de diálogo pastoral sobre as causas do fracasso do matrimônio anterior, averiguando as possíveis causas de nulidade. Ao mesmo tempo, evitando a aparência de um simples cumprimento burocrático ou de interesses econômicos. Se tudo isso for realizado com seriedade e buscando a verdade, a declaração de nulidade produzirá uma libertação das consciências das partes”, indicou.

As instâncias de uma “mentalidade do divórcio” na celebração do sacramento do matrimônio faz acreditar que muitos casamentos celebrados na Igreja poderiam ser inválidos.

“Para verificar a possível nulidade do vínculo de maneira eficaz e ágil”, indicou, muitos sentem que os procedimentos precisam ser revisados. Para isso, o Papa Francisco nomeou uma comissão especial que reforme o processo de nulidade de matrimônios.

Homossexualidade

O documento também aborda o tema da homossexualidade e assinala que há “um amplo consenso em relação ao fato que as pessoas de tendência homossexual não devem ser discriminadas”, mas ao mesmo tempo emerge “com igual clareza que de parte da maioria dos batizados —e da totalidade das Conferências episcopais— não se espera uma equiparação destas relações com o matrimônio entre homem e mulher”.

“As formas ideológicas das teorias de gênero tampouco geram um consenso entre a grande maioria dos católicos”, acrescenta.

“Muitos querem, em contrapartida, superar os tradicionais róis sociais, condicionados culturalmente, e a discriminação das mulheres, que continua presente, sem negar com isso a diferença natural e criatural entre os sexos e sua reciprocidade e complementariedade”.

O Evangelho da vida

Em conclusão, a relação assinala a importância do Evangelho da vida. Quer dizer a abertura à vida não alheia ao amor conjugal. “O amor esponsal, e mais em geral a relação, nunca deve construir-se como um círculo fechado”, além disso, “a acolhida da vida não se pode pensar como limitada unicamente à concepção e ao nascimento. Se completa na educação dos filhos, no sustento que se oferece ao seu crescimento”.

O documento também recorda que “a acolhida da vida, assumir as responsabilidades em ordem à geração da vida e ao cuidado que esta requer, só é possível se a família não for concebida como um fragmento isolado, mas se perceber inserida em uma trama de relações”.

Nesse sentido, a Igreja está chamada a proclamar e ser testemunha da dignidade suprema da pessoa humana, “por isso, é preciso cuidar de modo particular da educação da afetividade e da sexualidade”.

Para isso, a relação aponta à necessidade de propor novamente a mensagem de Paulo VI em sua encíclica Humanae Vitae sobre o controle da natalidade.

Conclusão

Finalmente, o texto conclui que o desafio do Sínodo é “propor de novo ao mundo de hoje, em certos aspectos tão parecido ao dos primeiros tempos da Igreja, o atrativo da mensagem cristã em relação ao matrimônio e à família, destacando a alegria que dá, mas ao mesmo tempo dar respostas reais e impregnadas de caridade aos numerosos problemas que especialmente hoje tocam a existência da família. Destacando que a autêntica liberdade moral não consiste em fazer o que se sente, não vive só de emoções, mas se realiza somente adquirindo o verdadeiro bem”.

“Em concreto nos pede acima de tudo nos colocar ao lado dos nossas irmãs e irmãos com o espírito do bom Samaritano: estar atentos a sua vida, em particular estar perto daqueles aos que a vida feriu’ e esperam uma palavra de esperança, que nós sabemos que só Cristo pode nos dar. O mundo necessita a Cristo. O mundo também nos necessita, porque pertencemos a Cristo”, concluiu.


Espiritualidade


O QUE É ESPIRITUALIDADE?




      Atualizado em 26/11/2014




Cartões de Natal em Branco.


Crie seus próprios cartões de Natal personalizados utilizando molduras, fundos e imagens com temas Natalinos. Também podem ser usados como fundos de tela, montagens de anúncios, Banners, Faixas, Cartões, Mensagens, Plotters, adesivos e etc.


Cartão_natal_dourado

Cartão_natal_dourado

 



Semeando a cultura de Pentecostes


Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal
Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal

Enfeites_sinos_natal_A3 Natal_etiqueta_enfeite_A38 Presente_natal_A56 NATAL_FITA-laço

Cartão_Natal_Bola Cartão_natal Cartão_natal
Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal

Natal_sino_fita_A1 Enfeites_Natal_A16 Enfeites_natalA19 Enfeites_natal_noel

Cartão_Natal_Sino



Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal
Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal

Jesus

Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal
Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal

Cartão_natal_em_branco_ (3) Cartão_natal_F3

Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal
Cartão_natal Cartão_natal Cartão_natal

Natal_flores1


Cartão Feliz Natal_fe
Cartão Feliz Natal 2 Cartão_natal_moldura Arvore_natal_15

Jesus

Natal_Papai_noel_treno


Jesus Jesus

Natal

Outras indicações



Dom da Fortaleza.


Dons do Espírito Santo:


O Dom da Fortaleza


Dom Fortaleza

Já aprendemos que os dons do Espírito Santo aperfeiçoam as virtudes. As virtudes abandonadas a si mesma não podem chegar a grandes alturas. A nossa razão, mesmo iluminada pela fé, é ainda imperfeita para perceber toda a realidade espiritual. Só os dons do Espírito Santo elevam o homem às alturas da própria dignidade.

O Dom do “Temor de Deus” aperfeiçoa a virtude da Esperança.

Há várias espécies de temores: o temor mundano, o temor servil a Deus e o temor filial a Deus. Destes, só o último é o Temor de Deus.

1) O temor humano é o medo que se sente com relação a criaturas ou situações mundanas. São temores humanos o medo de pessoas, como a mulher que teme o marido ou o marido que teme a esposa, os filhos que temem o pai ou a mãe, os alunos que temem os professores… São temores às situações mundanas, por exemplo, o medo de andar de elevador, o medo do escuro, o medo de tempestades, etc. Incluem-se ainda nesta classe os medos supersticiosos, como o medo de passar embaixo de uma escada, o medo de ver um gato preto cruzar o caminho, o medo do dia 13… Os temores ou medos mundanos originam-se de traumas. Podem desaparecer pela oração de cura interior ou por tratamentos psicológicos adequados.

2) O temor servil é principalmente o medo de ser castigado por Deus, de ir para o inferno. Esse temor é gerado pela idéia de um Deus que nos vigia constantemente, pronto a nos castigar pelas nossas faltas. E isso nos inquieta, agita, deprime. O temor servil pode afastar-nos do pecado, mas é um temor imperfeito, porque não se baseia no amor de Deus.

3) O temor de Deus é filial. É o temor de nos afastar do Pai que nos criou e que nos ama, de ofender a Deus que, por amor, sempre nos perdoa. O filho que ama o pai não quer ficar longe dele nem fazer algo que o possa magoar. É um temor nobre que brota do amor. Um temor filial, perfeito e amoroso.

O temor de Deus é um dom do Espírito Santo que nos inclina ao respeito filial a Deus e nos afasta do pecado. Este compreende três atitudes principais:

1 – O vivo sentimento da grandeza de Deus e extremo horror a tudo o que ofenda sua infinita majestade;

2 – Uma viva contrição das menores faltas cometidas, por haverem ofendido a um Deus infinito e infinitamente bom, do que nasce um desejo ardente e sincero de as reparar;

3 – Um cuidado constante para evitar ocasiões de pecado.


Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

TÍTULO AUTOR
Catequese com o Papa: o dom da Sabedoria Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Entendimento Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Conselho Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Fortaleza Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Ciência Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Piedade Vera Lúcia

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

http://www.nadateespante.com/products/o-dom-da-profecia/

O Padeiro Espanhol.



Historia real que faz parte do texto de abertura do livro Ide e evangelizai os Batizados de Jose H. Prado Flores demonstrando que os Cristãos Batizados de hoje não tem um conhecimento pleno do significado desta palavra “BATISMO” e nem das consequências deste Batismo em nossas vidas. Nosso objetivo é redescobrir o significado deste primeiro anuncio do evangelho “O Kerigma” que culmina na preparação para o primeiro Sacramento da Igreja e a integração de cada um de nós como “VERDADEIROS” filhos e herdeiros de Deus. 


Rodrigo Lombardi

Rodrigo Lombardi – Padeiro


O Padeiro Espanhol.


Objetivo do tema: Crer e experimentar o amor pessoal e incondicional de Deus, que é nosso Pai.


Durante a guerra civil espanhola, muitos espanhóis emigraram para o México.  Entre eles veio um jovem de 18 anos, Venâncio Fernandez.   O único problema que Fernando não teve durante a penosa travessia foi ter que pagar excesso de bagagem.  Trazia apenas duas camisas e uma calça remendada.

Chegou a Vera Cruz, onde começou a trabalhar em uma tenda de conterrâneos de um tio seu.   Anos após, casou-se e montou uma padaria na cidade de Puebla.   Com muito sacrifício, esforço e economias conseguiu juntar um pouco de capital e transferiu-se para a cidade do México com toda a sua família, onde continuou com seu trabalho de padeiro.   As pessoas já não mais o chamavam “Venâncio”.  Agora era “Senhor Venâncio”: pessoa honrada e respeitada que fumava um grosso charuto e poupava o máximo possível.

Ao completar 20 anos de sua chegada ao México, uma agência de viagens mostrou-lhe como seria econômico levar sua família até a Espanha de navio.  Havia uma promoção especial para famílias e ele não podia perder esta oportunidade.


Promoção_Viagem_famiulia_navio


A esposa do Senhor Venâncio, que aproveitava todas as ofertas, convenceu seu marido a gastar algumas economias em uma tranquila excursão pela Espanha.

Entretanto o Senhor Venâncio pretendendo economizar o mais possível no trajeto marítimo, antes de embarcar em Vera Cruz fez, na sua padaria, alguns pães bastante grandes, comprou uns 15 quilos de queijo e embarcou rumo a terra de seus antepassados.

No primeiro dia, todos comeram, com satisfação, o pão fresquinho com fatias de queijo novinho.  No dia seguinte, tão satisfeitos estavam que não fizeram qualquer restrição em repetir o mesmo cardápio de pão com queijo.   Depois, comeram queijo com pão, e, depois ainda pão com queijo.   No quinto dia, comeram pão, queijo e pão, e, no outro dia, pão e queijo.  No fim da semana, seus rostos tinham uma cor amarelada de queijo.  Ninguém chegava perto deles, crendo que estivessem com hepatite.

Por fim, no dia em que chegavam ao porto espanhol, deram-se conta de que o esforço para comer aquele pão mais os enfraquecia do que fortalecia.  A esposa do senhor Venâncio convenceu-o, então, de que deveriam celebrar a sua chegada à Espanha com um jantar delicioso e farto no restaurante de primeira classe do navio.  De uma coisa estavam certos; nessa noite não comeriam nem pão e nem queijo.

- Onde seria o restaurante da primeira classe?  Perguntou o senhor Venâncio ao comandante da tripulação.

- Permita-me ver sua passagem – pediu o oficial.

- Puxa! – reagiu o senhor Venâncio.  – Eu vou pagar, que para isso tenho me matado de trabalhar nesses vinte anos.

- Desculpe – respondeu o oficial.  – Mas no restaurante de primeira classe só podem entrar passageiros com bilhete de primeira classe.

Com o mau humor característico de um espanhol quando é contrariado, e com o rosto ainda mais amarelo, o senhor Venâncio tirou do fundo do bolso uma passagem toda amarrotada,  e que, ao ser desdobrada, soltou um forte cheiro de queijo.

O oficial leu-o lentamente: “Venâncio Fernández”.

E Depois, com uma cara de espanto, exclamou!

- Puxa! Senhor Venâncio, sua família tem uma passagem maravilhosa.

- Sua passagem inclui três refeições diárias no restaurante de primeira classe durante toda a viagem!


Primeira classe 2 Primeira classe

Conclusão:

O mesmo acontece conosco, Cristo já pagou para que tenhamos direito a uma Vida Nova.   Temos a “passagem” do Batismo bem guardado, e não vivemos como reis, sacerdotes e profetas, como deveríamos,  e é a isso que essa passagem nos dá direito.  Ao contrário, temos feito nossa parte: a mistura do pão duro da tristeza com o queijo da amargura e da monotonia, não aproveitando que Cristo já pagou por nós, com seu sangue precioso.  E, o pior, é isso que damos à nossa família e a todos que nos rodeiam, ignorando o nosso bilhete formidável.

Nossas Considerações:

“Tudo que é meu, é teu…”

Simples assim… disse a seu filho mais velho o Pai do filho pródigo quando ele se recusava a entrar em casa quando seu irmão festejava seu retorno para a casa do Pai.  Mas, qual era o motivo pelo qual o filho mais velho se recusava a festejar com seu irmão perdido?

- Ele respondeu: O Senhor jamais me deu um cabritinho sequer para que eu festejasse com meus amigos!

A quem pertencia este cabritinho?

- De acordo com a resposta do Pai no destaque acima, este “cabritinho” ou aquele Boi cevado, a casa e toda a propriedade pertenceria a seu filho mais velho e ele teria pleno poder de decisão sobre qualquer bem que ali existisse, e, neste caso ele poderia ter matado o cabritinho ou até mesmo aquele boi cevado para comemorar e se alegrar com seus amigos e ele nunca sequer teve coragem de tomar essa atitude ou de pedir a seu Pai que lhe concedesse essa graça e a pergunta que permanece no ar seria:

Por que o filho mais velho jamais usufruiu dos benefícios de seus bens materiais?

Ninguém saberia esta resposta, tanto porque, esta resposta não cabe ao filho mais velho pronuncia-la e sim a você!

Sim…

A você que vive triste e abatido, mendigando uma migalhinha de pão que cai da mesa de seu Senhor ou a você rico e poderoso que mesmo possuindo a melhor padaria da cidade jamais experimentou um pedaço de pão, ambos são iguais em um único ponto, a falta de pão em sua mesa, por motivos diferentes, mas o mesmo problema em comum.

Pelo primeiro ou pelo segundo motivo ambos os filhos precisavam do amor e da misericórdia de seu Pai para completarem o vazio e a necessidade que possuíam em suas vidas, assim como também na história do Padeiro Espanhol, mesmo ele comprando um pacote de viagem maravilhoso para sua Família não usufruiu de seus direitos por falta de conhecimento e por falta de generosidade para com sua Família e neste caso em particular o que mais lhe faltou foi mesmo a generosidade, pois se tivesse levado a sua Família ao restaurante de primeira classe no primeiro dia teria descoberto os seus direitos e os teria usufruído a viagem toda, sendo assim, precisamos abrir nossos olhos para entender o que Deus pede de nós ou simplesmente nos revela neste texto, para que possamos a partir de agora começar a usufruir os verdadeiros Dons de Deus em nossas vidas, sejam eles materiais ou espirituais, porque “Nem só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”.

Presentepravoce.


Seminário de Vida no Espirito
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

ide_evangelizai José H. Prado Flores Ide e Evangelizai 17
Kerigma

PRADO FLORES

Loyola

 

Padre Fábio de Melo se defende sobre críticas a respeito de Maria e crendices populares.



Padre Fabio de Melo é considerado ex Padre por criticar Maria.

Manchete ainda bombando como viral na net até hoje…

PENSEI QUE ESSE ASSUNTO FOSSE PAGINA VIRADA, TANTO QUE HAVIA JÁ PREPARADO ESTE POST MAS NÃO CHEGUEI A DIVULGA-LO, PORÉM, EIS QUE ENCONTREI HOJE UM POST COM ALTA AUDIÊNCIA QUE ABORDAVA ESTE ASSUNTO COMO SE TIVESSE OCORRIDO ONTEM, O QUE ACHEI MAIS GRAVE NO TEXTO DA MANCHETE FOI A DECLARAÇÃO DE QUE FÁBIO DE MELO AGORA É EX PADRE E QUE CHOROU AMARGAMENTE QUANDO LEU AS CRÍTICAS A SEU RESPEITO ADICIONANDO UMA FOTO DE PADRE FÁBIO ÀS LÁGRIMAS, MAS NA VERDADE UMA FOTO JÁ BEM MAIS ANTIGA QUE FOI TIRADA POR OCASIÃO DO FALECIMENTO DE UM AMIGO.

Este assunto já havia sido esclarecido por uma declaração pública de Padre Fábio a qual esta copiada abaixo:

Deixei um comentário na pagina em questão sobre este assunto onde já havia uma grande polêmica, porém aqueles que acusam Padre Fábio de Melo de erro doutrinário e desprezo à Virgem Maria são os mesmos que o perseguem dia e noite o criticando até mesmo por um espirro fora de hora, mas a resposta para esses perseguidores foi escrita por São João já a 2000 anos atrás:


“Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 – Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.” (João 3, 16)




http://www.genizahvirtual.com/2014/01/padre-fabio-melo-criticou-idolatria.html


Outros titulos com Fabio de Melo

Queridos amigos,

Em virtude da polêmica que envolveu minha fidelidade à Ortodoxia Católica, venho esclarecer alguns pontos.

Em nenhum momento da minha vida atentei contra a sacralidade da Igreja Católica Apostólica Romana. Sou Mestre em Teologia Dogmática e zelo muito para que minha pregação esteja de acordo com os ensinamentos da Igreja. Este é o credo que professo: “Creio na Santa Igreja Católica Una, Santa, Católica e Apostólica.” Nunca inventei uma crença particular, ou um modo diferente de compreender esta profissão de fé.

A expressão que usei no programa de “De frente com Gabi”, “Jesus queria o Reino de Deus, mas nós demos a Ele a Igreja” é uma expressão muito usada nos bastidores acadêmicos que frequentei em minha vida, e está distante da proposta herética que ela já representou em outros tempos. O significado evoluiu.

Nossa Fundação é Santa, pois fomos instituídos pelo Cristo. “A Igreja é um corpo, em que nós somos os membros e Jesus Cristo é a cabeça (Col 1,18; I Cor 12,27). Na cabeça o Reino já está estabelecido. Em Cristo, o Reino já está plenamente manifestado. Mas os membros do corpo ainda estão no contexto da busca, pois continuamos arrastando as consequências adâmicas do nosso pecado. E por isto, mesmo que em Cristo o Reino já esteja plenamente manifestado, em nós, Igreja, povo de Deus, ele continua sendo a meta que nunca deixamos de buscar.

O Concílio Vaticano II, através de sua Constituição Dogmática Lumen Gentium, enfatizou que a Igreja é povo de Deus. O povo é errante, pois apesar de estar mergulhado nas graças do batismo, ainda sofre as consequências da fragilidade que o pecado lhe deixou. O mesmo Concílio declarou “O Reino de Cristo já presente em mistério, cresce visivelmente no mundo pelo poder de Deus…” (LG 3).

Presente em mistério. Isto é, cabe a nós, membros deste corpo, apressar a sua chegada. A Igreja é triunfante, mas também é peregrina, penitente, pois que carrega em sua carne a fragilidade de seus membros.

Sim, a Igreja é santa, mas comporta em seu seio os pecadores que somos nós. E por isso dizemos, também com o perigo da imprecisão teológica: “A Igreja é Santa e pecadora”. Bento XVI sugeriu modificar a expressão. “A Igreja é Santa, mas há pecado na Igreja”. Notem que ele salvaguarda a santidade na essência.

Mas o pecado existe na Igreja. Por isto rezamos nas liturgias diárias pelo Santo Padre, pelos bispos, pelo clero, pelo povo de Deus. Clamamos por purificação, luzes em nossas decisões, pois sabemos que é missão do Espírito encaminhar na terra a Igreja que ainda não é Reino de Deus (porque maculada pelos nossos pecados), e que ao Cristo damos diariamente. Mas nós caminhamos na esperança. Sabemos que um dia todas as partes do corpo estarão agindo em perfeita harmonia com a cabeça. Seremos a “Jerusalém Celeste”.

Eu assumo que errei ao usar a expressão. Eu não estava numa sala de aula, lugar onde a Ortodoxia convive bem com a dialética. Não considerei que muitos telespectadores poderiam não entender o contexto da comparação. E por isso peço desculpas. E junto às desculpas, faço minha retratação. Nunca tive problema em assumir meus equívocos. Usei uma expressão que carece ser contextualizada com outras explicações, para que não pareça irresponsável, nem tampouco herética.

Repito. Eu não nego nem neguei a definição dogmática expressa na Lumem Gentium, Número 5.

“O mistério da santa Igreja manifesta-se na sua fundação. O Senhor Jesus deu início à Sua Igreja pregando a boa nova do advento do Reino de Deus prometido desde há séculos nas Escrituras: «cumpriu-se o tempo, o Reino de Deus está próximo» (Mc. 1,15; cfr. Mt. 4,17). Este Reino manifesta-se na palavra, nas obras e na presença de Cristo. A palavra do Senhor compara-se à semente lançada ao campo (Mc. 4,14): aqueles que a ouvem com fé e entram a fazer parte do pequeno rebanho de Cristo (Luc. 12,32), já receberam o Reino; depois, por força própria, a semente germina e cresce até ao tempo da messe (cfr. Mc. 4, 26-29). Também os milagres de Jesus comprovam que já chegou à terra o Reino: «Se lanço fora os demônios com o poder de Deus, é que chegou a vós o Reino de Deus» (Luc. 11,20; cfr. Mt. 12,28). Mas este Reino manifesta-se sobretudo na própria pessoa de Cristo, Filho de Deus e Filho do homem, que veio «para servir e dar a sua vida em redenção por muitos» (Mt. 10,45).”

E quando Jesus, tendo sofrido pelos homens a morte da cruz, ressuscitou, apareceu como Senhor e Cristo e sacerdote eterno (cfr. Act. 2,36; Hebr. 5,6; 7, 17-21) e derramou sobre os discípulos o Espírito prometido pelo Pai (cfr. Act. 2,33). Pelo que a Igreja, enriquecida com os dons do seu fundador e guardando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade e de abnegação, recebe a missão de anunciar e instaurar o Reino de Cristo e de Deus em todos os povos, e constitui o germe e o princípio deste mesmo Reino na terra. Enquanto vai crescendo, suspira pela consumação do Reino e espera e deseja juntar-se ao seu Rei na glória.”

Agradeço pela prece dos que me acompanharam neste momento tão sofrido.

Com minha benção,

Padre Fábio de Melo.





Posições para violão

http://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/11/cifra-club-lk.jpg?w=313&h=117


HISTÓRIAS DO PADRE LEO
Outros titulos com Fabio de Melo
http://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/12/sag-fam-lk.jpg?w=130&h=120&h=120

Feliz Ano de 2015.



Feliz 2015, feliz Ano Novo e adeus 2014 ano velho.


2014-2015-calendar


Fotos decorativas para final de ano e entrada do ano que vai nascer para usar como “Fundo de Tela”, parte de mensagens, confecção de faixas, banner’s e cartazes acolhendo o ano novo que vem chegando.


Para ampliar é só clicar na foto.


OBS. As amostras de imagens não estão posicionadas de acordo com a miniatura proporcional à foto original, mas ao clicar e abrir a imagem original ela abrirá nas suas dimensões originais.



Temas Comemorativos para a virada do Ano.


2014-2015 2014-2015 2014-2015
2014-2015 2014-2015 Fim de Ano Globo

Outras Opções Jesus Jesus Jesus

2015-10 2014-2015 2014-2015
2014-2015 2014-2015 2014-2015

Outras Opções Jesus Jesus Jesus

Boas Festas
banner taças

Outras Opções Qual o Melhor presente de Natal Jesus

2015_22 o-presente-de-deus-ao-mundo1[1] Neujahr 2015
Boas_festas  Champagne For New Year's Happy%2BNew%2BYear%2B2015%2BWallpapers[1]

2015 2015 2015
2015 2015  2015-feliz%2Bano%2Bnovo-112[1]

Outras Opções Qual o Melhor presente de Natal Jesus

Boas Festas
 Taças_longo  mhc-newyearseve-1

Jesus Jesus Jesus
 

Semeando a cultura de Pentecostes


Qual o Melhor presente de Natal


OUTROS TEMAS RELACIONADOS


Natal

Novena de natal cnbb 2014


 

Halloween?



Nos últimos anos tem surgido no Brasil uma data comemorativa anormal para nossas tradições locais chamada Halloween.

É uma comemoração muito comum nos Estados Unidos proveniente dos descendentes Ingleses e Irlandeses que na verdade ficou por muitos anos um pouco apagada e agora ganha força e muitos acréscimos novos não originais devido ao comércio e a propaganda.   No Brasil esta data tem entrado através da inculturação Americana exportada através de filmes e pelos professores de inglês que dizem estar ensinando a língua no ambiente americano.

A Igreja não concorda e não abona esta tradição que foi amplamente combatida no passado devido as suas origens duvidosas e praticas contrarias ao Cristianismo.   Hoje a tradição perdeu quase tudo do que era no passado, mas as novas tendências e adereços da tradição tem mais uma vez incomodado e preocupado a Igreja e até mesmo os próprios Pais das crianças que se vestem de monstros para terem que participar da tradição, sendo também que os filmes americanos acabam explorando o lado macabro e criando ficções em cima da tradição que nos levam a pensar duas vezes se realmente a tradição merece ser defendida em nome de alguns doces para as crianças, melhor seria talvez algo salutar psicologicamente que não fizesse tanto medo e provocasse traumas nas crianças.




Hoje a Igreja continua contestando esta tradição e mantendo a comemoração do dia de todos os Santos no dia 01/11 e no dia 02/11 o dia de Finados “Dia dos mortos”, mas as festas pagãs não são ligadas à Igreja e adotaram o dia anterior a Todos os Santos 31/10 como o dia das Bruxas ou simplesmente o “Halloween” que continuaram através dos séculos se modificando muito de como eram realizadas no passado.      

O dia de “Halloween”, por exemplo é uma união de diversas crendices e festas pagãs que acabaram se transformando na maior festividade Americana, satisfazendo muito mais a propaganda de Marketing e comércio capitalista do que qualquer outro motivo ou significado religioso, mas por suas ligações com raízes duvidosas no passado com rituais de bruxaria, que muitos juram que nunca existiram, é uma comemoração não muito bem aceita nos países que não tenham raízes com os antepassados de Língua Inglesa. Muitos elementos que foram introduzidos na famosa festa americana, principalmente as fantasias de monstros e bruxas estão sendo reavaliadas pelas famílias americanas porque acreditam que acabam prejudicando a formação psicológica de suas crianças, fato esse que podemos observar neste ano que a fantasia mais vendida, esta sendo mesmo a da candidata a vice-presidência Sarah Palin, provando que a  comemoração atual segue tendências divergentes da antiga tradição e se moldando a padrões fictícios modernos.

Tudo isto nos leva realmente a não abonar a introdução deste folclore comercial Americano em nossa cultura já tão descaracterizada do nosso passado.



A Igreja Comemora um dia posterior a esta mesma data como o Dia de Todos os Santos:

Se seu nome ou o nome do seu Santo não constarem no calendário dos Santos da Igreja, não se preocupe, pois, em 1º de novembro é Dia de Todos os Santos.




Este dia é um feriado cristão, quando iniciou a expansão do cristianismo pelos países Europeus, a Igreja de deparou com milhares de crendices e costumes pagãos que em muitos casos se contrapunham ao evangelho de Cristo, veio então  a necessidade de criar métodos que não entrassem em choque direto com os recém convertidos, buscando uma maneira de conduzi-los nos caminhos do Senhor sem uma quebra abrupta com o passado, por outro lado era necessário abolir as práticas e rituais pagãos que já eram acostumados a realizar e que não condiziam com o Cristianismo.

Mas como e quando esse dia foi dedicado a todos os Santos ?

No ano 313, o Imperador Constantino legalizou o cristianismo, haviam muitos “pagãos”, que acreditavam em ídolos e  praticavam rituais de bruxaria que Igreja desaprovava completamente, entre os quais havia ainda muitas pessoas que adoravam “amhain”, o cavalheiro da morte dos Celtas ou “pomona”, a deusa dos frutos, dos romanos, estes que inspiraram o dia de Halloween Americano de hoje.

Como os cristãos acreditavam em um só Deus e Jesus Cristo mandou anunciar o evangelho a todos os povos, querendo que todos se tornassem filhos de Deus, era preciso porém, abandonar todo e qualquer tipo de idolatria o que gerava muitos conflitos com os costumes seculares dos povos Europeus, para evitar estes conflitos, procurou-se uma forma de implantar um feriado Cristão com um motivo semelhante para transformar uma tradição secular pagã em uma festa com motivos Cristãos, ao mesmo tempo, preservando a tradição do culto dos mortos de maneira diferente do que fizeram os “druidas” e surgiu então a ideia de se recordar todos os Santos que tinham morrido como mártires pelo evangelho e que permaneciam no anonimato.

Assim, no ano 615 D.C. O Papa Bonifácio IV transformou um panteão romano, em um templo dedicado aos cristãos e a “Todos os Santos” e  criou a festa em honra de todos os Santos que foi comemorada inicialmente no dia 13 de maio.     Mais tarde, o Papa Gregório III no ano 741 D.C. alterou a data e instituiu o dia 1º de Novembro como “Dia de Todos os Santos”, se aproximando da data já comemorada no passado se ligando ao “Halloween de hoje” e ao Dia dos Mortos Santos, também conhecido como o dia de Todas as Almas.

Ao longo do tempo, em países como Inglaterra que  falam Inglês, o dia recebeu o nome de “all Hallow Day”, que significa “Dia de Todos os Santos” e, portanto, a noite anterior ao dia de todos os Santos, isto antes de ter sido chamado de “Dia das Bruxas ” , “Ou” “Hallows-noite”, que ao longo do tempo e pelas contrações que são utilizados no idioma Inglês, a palavra se tornou “Halloween”, que significa” a véspera de Todos os Santos.” ou “Dia das Bruxas”, que significa “a noite anterior de todos os santos”.     Então, no ano 998, Santo Odilon, abade do mosteiro de Cluny, no sul da França, instituiu a comemoração do 2 de novembro como a Festa do “Dia dos mortos Fiéis da Igreja Católica.” Isto, obviamente, para satisfazer as pessoas que não queriam abandonar os seus costumes “dead.Day” e festas baseado no culto dos mortos.

Bertha Sola – Fonte EsMas.comTexto original em Espanhol e ou Inglês.

Tradução: Sizenando

http://www.pvmirror.com/artculture/162-allsaintsday-ing.html


http://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/03/presente-verm.jpg?w=130&h=120 http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg?w=130&h=120 CORPO DE DEUS

NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 69.599 outros seguidores