Não existe pecado que Deus não possa perdoar!



Não existe nenhum pecado que Deus não possa perdoar, afirma o

Papa Francisco



Jesus Misericordioso,

– “Somos ministros da misericórdia graças à misericórdia de Deus. Nunca devemos perder este olhar sobrenatural que nos torna realmente humildes, acolhedores e misericordiosos para com todo irmão e irmã que pede para se confessar”.

O Papa Francisco explicou assim a missão do sacerdote no Sacramento da Reconciliação durante seu discurso aos membros da Penitenciaria Apostólica.  Este organismo da Santa Sé se encarrega também da administração das indulgências.

O Santo Padre disse em seu discurso que “não podemos nos esquecer seja como penitentes seja como confessores que não existe nenhum pecado que Deus não possa perdoar! Somente aquilo que é escondido à divina misericórdia não pode ser perdoado, como quem se oculta do sol não pode ser iluminado nem receber calor”.

“Os sacramentos, como sabemos, são o lugar da proximidade e ternura de Deus pelos homens. Eles são a maneira concreta que Deus pensou para vir ao nosso encontro, para nos abraçar, sem se envergonhar de nós e do nosso limite”.

O Santo Padre aludiu à Reconciliação como o sacramento que “mostra com especial eficácia o rosto misericordioso de Deus: o concretiza e o manifesta continuamente”.

O Papa destacou que este Sacramento é “um dom de Deus” e destacou três exigências: “viver o Sacramento da Penitência como meio para educar para a misericórdia, deixar-se educar por aquilo que celebramos e manter o olhar sobrenatural”.

Sobre o primeiro ponto, explicou que significa “ajudar os nossos irmãos a fazerem experiência de paz e compreensão humana e cristã”.

Assim, a confissão “não deve ser uma tortura. Todos devem sair da confissão com a alegria no coração, com o rosto radiante de esperança, mesmo se às vezes, como sabemos, molhado pelas lágrimas da conversão e alegria”.

Sobre a missão do confessor, Francisco destacou que “não deve se tornar um interrogatório pesado, incômodo e invasor”. Pelo contrário, “deve ser um encontro libertador e rico de humanidade, através do qual educar para a misericórdia que não exclui, mas inclui o justo compromisso de corrigir o mal cometido”.

“Assim, o fiel se sentirá convidado a se confessar frequentemente e aprenderá a fazê-lo da melhor maneira possível, com aquela delicadeza da alma que faz tanto bem ao coração, até mesmo ao coração do confessor. Nesse sentido, nós sacerdotes cresçamos na relação pessoal com Deus a fim de que se dilate nos corações o seu Reino de amor e paz”.

Sobre deixar-se educar pelo Sacramento, o Pontífice ressaltou que em muitas ocasiões os sacerdotes escutam confissões que lhes edificam, “irmãos e irmãs que vivem uma autêntica comunhão pessoal e eclesial com o Senhor e um amor sincero pelos irmãos”. Trata-se de “almas simples, almas de pobres em espírito, que se abandonam totalmente ao Senhor, que confiam na Igreja e também no confessor”.

Também, muitas vezes, “presenciamos autênticos milagres de conversão”. “Pessoas que há meses ou anos estão sob o domínio do pecado e que, como o Filho Pródigo, caem em si e decidem se levantar e retornar à casa do Pai para implorar o seu perdão”.

O Papa também se referiu à possibilidade de “aprender da conversão e do arrependimento de nossos irmãos” que muitas vezes “nos convidam a fazer um exame de consciência”.

Francisco aconselhou que quando escutarem as confissões dos fiéis, “é preciso manter sempre um olhar interior dirigido ao céu, ao sobrenatural. Devemos primeiramente reavivar em nós a consciência de que ninguém é colocado em tal ministério por si mesmo, nem por suas competências teológicas ou jurídicas, nem por sua feição humana ou psicológica”.

“Fomos constituídos ministros da reconciliação somente pela graça de Deus, gratuitamente e por amor, por misericórdia”.

Sobre a atitude a ter quando se escutarem os pecados, o Papa indicou que “também deve ser sobrenatural, respeitosa pela dignidade e história pessoal de cada um, a fim de que se possa compreender o que Deus quer dele ou dela”.


VATICANO, 12 Mar. 15 / 02:26 pm (ACI/EWTN Noticias).-



Jesus

MISERICÓRDIA

MAIS IMAGENS


Tende_Misericordia_Senhor Jesus é Misericordioso





Não recuses a misericórdia de Deus e seu perdão, duas histórias e dois finais. 


Presépio criança

Dois Remos, Fé e Ação!



FÉ  &  AÇÃO


“Porque, assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta”

(S. Tiago 2,26).



A Fé & Ação CRER & AGIR


2.  Assim também a FÉ : se não tiver OBRAS é morta em si mesma. Mas alguém dirá: Tu tens FÉ, e eu tenho OBRAS. Mostra-me a tua FÉ sem AS OBRAS e eu te mostrarei a minha FÉ pelas minhas OBRAS. Crês que há um só Deus? Também os demônios crêem e tremem.”

São Tiago: 2,17.


Um viajante ia caminhando às margens de um grande lago. Seu destino era a outra margem. Suspirou profundamente enquanto tentava fixar os olhos no horizonte.

A voz de um homem coberto de idade, um barqueiro, quebrou o silêncio, oferecendo-se para transportá-lo.

O pequeno barco envelhecido, no qual a travessia seria realizada, era provido de dois remos de madeira de carvalho.

Logo seus olhos perceberam o que pareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés empoeirados dentro do barco, o viajante pôde observar que se tratava de duas palavras, num deles estava entalhada a palavra ACREDITAR e no outro AGIR.

Não podendo conter a curiosidade, o viajante perguntou a razão daqueles nomes originais dados aos remos. O barqueiro respondeu pegando o remo chamado ACREDITAR e remou com toda força. O barco, então, começou a dar voltas sem sair do lugar em que estava. Em seguida, pegou o remo AGIR e remou com todo vigor. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir adiante.

Finalmente, o velho barqueiro, segurando os dois remos, remou com eles simultaneamente e o barco, impulsionado por ambos os lados, navegou através das águas do lago chegando ao seu destino. Na outra margem, o barqueiro disse ao viajante:

– Esse porto se chama autoconfiança. Simultaneamente, é preciso ACREDITAR e também AGIR para que possamos alcançá-lo!


Fonte Livro: “Jovem, Levata-te”


14. Curiosidade: Saiba porque as vezes mesmo remando corretamente não conseguimos Sair do lugar …

Link na foto abaixo:






BAIXE O ARQUIVO NO SLIDESHARE PARA VER O TEXTO COMPLETO E OS EFEITOS.




O Poder da Cruz de Cristo.



Por ocasião da festa da Exaltação da Santa Cruz de Cristo.



O Império Romano, depois do imperador Diocleciano, foi conduzido com grandes contendas e divisões, à medida que imperadores e vice-imperadores do Ocidente e do Oriente lutavam pelo poder.   Entre eles estava Flavius ​​Valerius Constantinus, conhecido também como Constantino, o Grande, que foi nomeado César ou vice-imperador do Ocidente pelo sucessor de Diocleciano, Galério.    Constantino estava no controle da Grã-Bretanha e da Gália, enquanto seu cunhado Maxêncio, levantou-se e travou uma guerra contra Galério e fez incursões bem-sucedidas na Itália e em Roma.

Quando Galério morreu (311 dC), Constantino trouxe suas campanhas de guerra para a Itália e, conseqüentemente, venceu batalhas em Turim e Verona e avançou ainda mais para Roma, que estava militarmente sob o comando de Maxêncio.   Maxêncio, sob forte desafio, saiu para combater Constantino, mas foi derrotado na ponte de Milvian.    A batalha da ponte de Milvian foi produtiva de uma sucessão de vitórias que, por volta de 324 dC, Constantino passou a ser o mestre de todo o Império Romano.

Esta vitória de Constantino sobre Maxêncio na Ponte de Milvian foi rodeada com inúmeros detalhes históricos intrigantes, relacionados à CRUZ.   Uma história do que aconteceu foi registrada por Eusébio de Cesaréia, um estudioso das escrituras e historiador que escreveu a primeira biografia detalhada de Constantino logo após sua morte.    Obviamente, ele conhecia Constantino muito bem e mencionou que recebeu a história diretamente do imperador.    Constantino era um imperador pagão e um devoto do deus do sol; Sol Invictus, o sol não conquistado. No entanto, antes da batalha da Ponte da Milvânia, ele e seu exército viram uma CRUZ de luz no céu acima do sol com palavras em grego que geralmente são traduzidas para o latim como ” In hoc signo vinces ” (‘Neste sinal se conquista’).   Naquela noite, Constantino teve um sonho em que Cristo lhe disse para usar o sinal da cruz contra seus inimigos.   Ele ficou tão impressionado que tinha o símbolo cristão marcado nos escudos de seus soldados e, quando a batalha da Ponte da Milvânia lhe deu uma vitória esmagadora, ele a atribuiu ao sinal da CRUZ que lhe foi revelada.



 

Alguns anos após a vitória na Ponte de Milvian, a mãe de Constantino, que se converteu ao cristianismo e que mais tarde se tornou Santa Helena, foi a Jerusalém em busca da cruz na qual Jesus Cristo foi crucificado. Escavações extensas foram feitas no local do enterro do Senhor até que três “cruzes” foram recuperadas. Havia confusão sobre qual era a Cruz de Cristo, pois havia dois ladrões crucificados em ambos os lados de Cristo no Calvário. Para determinar qual das três era a Cruz de Cristo, pedia-se a uma pessoa doente que tocasse nas três cruzes em intervalos diferentes e se a pessoa se recuperasse instantaneamente com o toque em uma delas, essa seria a CRUZ verdadeira.   Essa cruz em particular também efetuou muitos outros milagres e foi assim confirmada, aclamada e exaltada como a Cruz de Cristo. No local da descoberta, uma igreja foi erguida e foi dedicada como uma basílica com o nome de Igreja do Santo Sepulcro em 14 de setembro de 335. Esta é a razão remota por trás da festa de hoje.



A Primeira Leitura de hoje (Números 21, 4b-9) forneceu um pano de fundo para a Cruz. Disseram-nos que quando o povo de Israel ficou impaciente no deserto e blasfemou contra Deus e Moisés, Deus enviou serpentes ardentes entre o povo que os morderam e muitos morreram. Diante desse flagelo, o povo veio a Moisés pedir perdão e Deus pediu a Moisés que fizesse uma serpente ardente e a colocasse em um estandarte, e qualquer um que olhasse para ele depois de ser mordido não morreria.

Qualquer pessoa atenta gostaria de saber por que Deus escolheu punir o povo por meio de picadas de cobra e também decidiu salvá-las por meio da imagem de uma serpente de fogo presa no alto de um poste. Na história bíblica, a primeira menção real de uma serpente foi no Jardim do Éden (Gênesis 3, 1 e seguintes) e foram as insinuações da serpente que fizeram Adão e Eva pecarem contra Deus, o que também aconteceu pela árvore no meio. do jardim. Aquela árvore estava alta como o estandarte de Moisés.

Significativamente, Deus permitiu que as serpentes as mordessem, lembrando-as da fonte original do fracasso humano; a serpente junto à árvore no meio do jardim. No momento em que ele queria salvá-los, ele usava a imagem de uma serpente que, ao contrário das outras, não mordia e estava presa em um poste ao contrário das outras que estavam pelo chão abaixo do poste.   Agora a vida consistia em olhar para cima e para o alto na serpente presa no poste.  É como dizer às pessoas “nisso reside a sua salvação”. Assim como foi dito a Constantino “neste sinal você conquistará”!



A expressão completa do poder da cruz pode ser encontrada na cruz de Cristo. Agora há um contraste entre a árvore do Éden e a cruz do Calvário. Pela árvore do Éden, falhamos e perdemos nossa amizade com Deus, mas pela árvore (cruz) do Calvário fomos levantados e recuperamos nossa amizade com Deus. Pela árvore do Éden fomos condenados, mas pela árvore (cruz) do Calvário fomos salvos. Assim como ninguém que fora mordido pelas serpentes poderiam se recuperar sem olhar para a serpente ardente no alto do poste, ninguém pode ser salvo sem a Cruz do Calvário.

Nosso Senhor na Leitura do Evangelho deste dia da festa da Santa Cruz (João 3, 13-17) disse a Nicodemos que, assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim DEVE ser levantado o Filho do homem e quem n’Ele crer não deve perecer, mas terá a vida eterna. A serpente foi levantada em um estandarte e nosso Senhor foi levantado na cruz.   A cruz é, portanto, um sinal e símbolo da salvação. Na cruz há vida eterna para quem quer que acredite.

O ensaio de nossa compreensão do fenômeno da cruz será muito apropriado aqui. Para a maioria das pessoas, a cruz é simplesmente um fardo, mas isso não é verdade. Um olhar atento a uma cruz revela que é um sinal adicional (+). Portanto, há ganhos na cruz e não perdas (-) menos.   Além disso, a cruz pode servir como uma escada para nos ajudar a escalar obstáculos quando a colocamos contra qualquer obstáculo. Mais ainda, a cruz também pode ser uma chave ou uma espada quando a colocamos na posição horizontal.

A cruz também é um instrumento de exaltação. Com sua posição de pé, ele nos aponta para o céu; isso nos aponta para uma altura maior. É sobre esse fundamento que São Paulo, na Segunda Leitura (Filipenses 2, 6-11), estabeleceu que nosso Senhor Jesus Cristo, além de ter igualdade com Deus, se humilhou para pegar a Cruz por nossa causa, sendo humilde até morte. Com base nisso, Deus o levantou (o exaltou) e lhe deu um nome que está acima de qualquer outro nome. A cruz, sem dúvida, fornece as estruturas para sermos elevados ou exaltados. Nosso Senhor Jesus Cristo prometeu que, quando fosse levantado, atrairia todos para si mesmo (João 12,32). É bom notar que, sendo levantado, ele está levando todas as pessoas a uma posição exaltada.

Hoje não há mensagem maior do que a mensagem da cruz. São Paulo observaria que a mensagem da cruz é LOUCURA para os que estão perecendo, mas para nós que estamos sendo salvos é o poder de Deus (1 Cor. 1, 18). Portanto, para aqueles que estão sendo salvos, isso nos diz que pode haver lágrimas à noite, mas a alegria vem pela manhã (Salmo 30, 5). Diz-nos para não nos preocuparmos que nosso Senhor tenha vencido o mundo (João 16,33) e nos diz para não permitir que nossos corações sejam perturbados. Que devemos confiar em Deus (João 14, 1).

Ao celebrarmos a exaltação da cruz, lembremo-nos de que nossa própria exaltação está na mesma cruz de Jesus Cristo. Portanto, devemos estar prontos para carregar e defender nossa cruz onde quer que nos encontremos, porque seremos exaltados pelas mãos atenciosas de Deus e pelo coração amoroso.


Feliz comemoração

Pe. Bonnie

(fatherbonny@hotmail.com)


.


Jesus é Rei e Senhor
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

 



A águia e a serpente.



A águia e a serpente



O embate entre serpentes e Águias é muito comum, pois as serpentes são um dos petiscos favoritos das águias, já que a principal defesa de uma serpente seria completamente inútil contra suas garras afiadas e por outro lado, as serpentes não possuem uma boa visão à longa distância, pelo contrário este inimigo em particular possui uma das melhores visões á longa distância entre os animais e que pode perceber o minimo movimento a quilômetros de distância e assim ela consegue chegar de surpresa em alta velocidade caindo literalmente do céu.  Porém, as defesas da serpente não podem ser totalmente desprezadas, por isso o grande e poderoso pássaro precisa de muita habilidade e esperteza para vencer esta disputa pela vida.

Hoje estaremos exatamente comentando e meditando esta atitude que pode nos deixar muitos ensinamentos, veja o depoimento a seguir:




Hermes C. Fernandes

Hoje assisti in loco e ao vivo” a um duelo entre uma águia e uma serpente. Fui levar minha esposa ao trabalho, e na volta, enquanto aguardava o sinal abrir, eu, minha filha Revelyn e meu sobrinho Pedrinho assistimos à cena inusitada. A águia veio descendo velozmente com as garras projetadas para frente, e quando pousou sobre a serpente, foi recebida com um bote. A luta continuou depois que o sinal abriu e não sabemos o resultado. Presumo que a águia tenha vencido, como geralmente acontece. É muito difícil para uma cobra, mesmo peçonhenta, resistir ao poder das garras daquela ave.

Águias e serpentes são abundantes aqui na Flórida. Recentemente, nosso quintal recebeu a visita de uma cobra. Mas desde que flagrei uma águia pousada no mesmo lado onde avistamos o tal réptil, nunca mais a cobra deu o ar de sua graça. Provavelmente, virou comida de águia.

Assistir àquele embate me fez passar o dia refletindo.

A cobra é um réptil rasteiro de sangue frio, enquanto a águia é uma ave de sangue quente que voa em alturas inatingíveis para qualquer outro animal. Enquanto a cobra troca de pele, a águia troca sua penagem. O poder da águia está na envergadura de suas asas e na força de seu bico e suas garras. Já o poder da serpente está em seu veneno.

– Enquanto o povo de Deus é desafiado a ser como uma águia, renovando constantemente sua força (*) em Deus, os ímpios são comparados à prole da serpente. As Escrituras cristãs estão repletas de imagens que sugerem esta comparação.

A águia é símbolo de renovação, de confiança, de destreza, de majestade. Mas a serpente é símbolo de traição, de astúcia, de malignidade.

A serpente é traiçoeira e mantém-se sempre escondida. Seu bote sempre acontece sem aviso prévio, com exceção da cascavel com seu chocalho. Já a águia avisa que está chegando desde que avista a presa, dando-lhe chance de escapar. O som que emite, juntamente com a envergadura de suas asas, não a deixam passar despercebida.

Os hipócritas e traidores são verdadeiras serpentes que trocam sua pele de acordo com a conveniência. Esperam a hora certa de dar o bote. São calculistas e frios. Ainda que pareçam agir pela emoção do momento, suas atitudes são planejadas e têm como objetivo derrubar quem está em seu caminho. Trocam seu discurso como a serpente troca de pele.

Os visionários são como águia, capazes de vislumbrar o futuro. Mesmo quando pegos de surpresa pelo bote da serpente, não recoam, mas mantém os olhos fitos no alvo. Renovar as penas não é como trocar de pele. O discurso continua o mesmo. Antes de ser leal aos que o cercam, é fiel à visão que Deus lhe deu. E justamente daí vem sua lealdade para com aqueles que nele confiam. Ser fiel a Deus e leal aos amigos acaba resultando numa consciência tranquila e forças renovadas.


17 de setembro de 2017



A águia não luta com uma serpente no chão.

Ela a agarra e a transfere para um outro campo de batalha: o céu. Depois de levá-la para o alto, a solta em direção ao chão.

Uma cobra não tem nenhuma resistência, nenhum poder, nenhum equilíbrio no ar. Ali revela-se inútil, fraca e vulnerável.

No chão, é mortal, sábia e poderosa.

Como uma águia, não limite-se a lutar no reino físico do inimigo.

Leve a luta para o seu domínio, que é o céu:  A ORAÇÃO!

O diabo aqui na Terra é forte, astuto, enganador, envolvente, e muitas vezes mortal. Mas no céu, assim como esta serpente revela-se inútil, fraco e vulnerável.

Busque as coisas do alto!!!   Reze mais.   A cabeça da serpente já foi pisada. Tomemos posse da graça de Deus. As decisões que mudam as coisas aqui na terra são tomadas lá no Céu.



NOSSAS MENSAGENS NO PINTEREST




OUTRAS INDICAÇÕES SEMELHANTES




POWER POINT – SLAIDSHARE

Baixe o slide para melhor visualização dos efeitos.






O Elefante Amarrado.




Um enorme e forte elefante ficava acorrentado no picadeiro de um circo em uma estaca tão pequena que até uma criança poderia arrancar, no entanto ele não se soltava.  E o pior de tudo é que mesmo sendo ameaçado por terceiros ele mal se movia e jamais tentava arrancar a pequena estaca para fugir.

Para quem ouve esta afirmativa pela primeira vez e imagina a cena no local fica com uma grande interrogação!


.

? 


??? Por que o enorme elefante não arranca a estaca e foge?



Quando eu era mais jovem me lembro que de vez em quando meu Pai viajava para São Paulo para fazer cursos e voltava cheio de estorias novas, isto ele devia ouvir dos expositores dos cursos e dos companheiros de outros estados que também lá se reuniam.  Esta foi uma das estórias que ele nos contava, o problema é que ele fazia um grande mistério e demorava muito a elucidar o final da estória e assim a curiosidade acabava por gravar a moral da história mais profundamente no coração.

Também não irei lhes desvendar o segredo agora, mas vou lhes contar a estoria original na integra.





O Elefante acorrentado.


Uma Parábola De Jorge Bucay Para Refletir


Quando eu era pequeno, adorava circos, e o que mais gostava nos circos eram animais.

Fiquei especialmente impressionado com o elefante que, como aprendi mais tarde, também era o animal preferido de outras crianças.

Durante o espetáculo no picadeiro, o enorme animal ostentava um peso, um tamanho e uma enorme força… mas depois de sua performance até pouco antes de retornar para o fora, o elefante sempre permanecia amarrado no chão com uma corrente aprisionando suas pernas.

No entanto, a estaca era apenas um pequeno pedaço de madeira mal enterrado alguns centímetros no chão. E, embora a corrente fosse grossa e poderosa, me pareceu óbvio que um animal capaz de arrancar uma árvore com a sua força poderia facilmente se libertar da estaca e fugir.

O mistério ainda parece óbvio para mim. O que impede o elefante de fugir então?

Quando eu tinha cinco ou seis anos, ainda confiava na sabedoria dos anciãos. Então perguntei a um professor, a um pai e a um tio sobre o mistério do elefante. Alguns deles me explicaram que o elefante não escapou porque foi treinado.

Então fiz a pergunta óbvia: “Se ele é treinado, por que está acorrentado?

Não me lembro de ter recebido uma resposta coerente!

Com o tempo, esqueci o mistério do elefante e da estaca, e só me lembrei disso quando conheci outras pessoas que também se fizeram essa pergunta uma vez.

Há alguns anos, descobri que, felizmente para mim, alguém foi sensato o suficiente para encontrar a resposta:


O elefante de circo não escapa porque foi amarrado a uma estaca semelhante, desde que era muito pequeno.


Fechei os olhos e imaginei o indefeso elefantinho preso à estaca.

Tenho certeza de que, naquele momento, o pequeno elefante empurrou, puxou e suou tentando se soltar. E, apesar de seus esforços, ele não teve sucesso, porque era muito difícil para ele.

Imaginei que ele adormeceu exausto e no dia seguinte eu tentou novamente, e no dia seguinte, e no outro… Até que, um dia, um dia terrível para a sua história, o animal aceitou sua impotência e seu destino e deixou de tentar se libertar.

Aquele enorme e poderoso elefante que vemos no circo não escapa porque ele acha que não pode.

Tem a memória da impotência que ele sentiu logo após o nascimento. E o pior é que ele nunca questionou seriamente essa memória novamente.

Nunca, ele nunca tentou colocar sua força para o teste novamente…



Somos todos um pouco como o elefante do circo: andamos pelo mundo atados a centenas de estacas que nos privam da liberdade.

Vivemos pensando que “não podemos” fazer muitas coisas, simplesmente porque uma vez, algum tempo atrás, quando éramos pequenos, tentamos e não conseguimos.

Nós então fizemos o mesmo que o elefante, e registramos em nossa memória esta mensagem: Eu não posso, eu não posso e eu nunca poderei.

Nós crescemos carregando essa mensagem que impusemos a nós mesmos e é por isso que nunca tentamos nos libertar da estaca novamente.

Quando sentimos as algemas e sacudimos as correntes, olhamos com desconfiança para a estaca e pensamos: Eu não posso e eu nunca posso.

Jorge Bucay


 Prado Flores exemplifica em seu Livro, “Ide e evangelizai os Batizados” que um passarinho não alçará voo se estiver amarrado pelo pé, mesmo que seja um delgado fio de seda, pois ao perceber que foi acorrentado não irá tentar o impulso de voar.

É assim que os domesticadores de aves de rapina agem, amarram seus falcões e águias em suas luvas de couro para que eles voem só quando estiverem livres, ou quando receberem o comando de voz para voar que claramente neste momento estarão desamarrados e livres.



A intensão desta afirmação é a nossa observação em relação às correntes e amarras que nos prendem nas coisas materiais deste mundo, por mais que o homem diga que é livre, sempre descobrirá que está amarrado em algum vício ou pecado, pois as amarras que nos prendem espiritualmente não são cordas ou correntes enormes visíveis aos olhos e sim delgados fios de seda invisíveis aos olhos que nos oprimem e convencem que jamais seremos capazes de voar ou nos libertar desta estaca de madeira.

Mas hoje podemos identificar a voz do Senhor nos dando a ordem de voar, significando que não existem mais correntes, amarras, âncoras, estacas de madeira, fios de aço ou de seda que nos amarram e prendem, seja materialmente ou espiritualmente já que Jesus morreu por nossos pecados e nos libertou. Creia nesta verdade e não se prenda mais por achar que você é incapaz ou porque não é digno de receber a graça de Deus.

A palavra de Deus afirma que Jesus morreu por todos aqueles que o aceitarem de coração e não apenas por aqueles 12 discípulos que o seguiam e que até obras maiores do que as que Ele fez seriamos capazes de realizar.

O que nos impediria então de realizar estas grandes obras?

O que nos impediria de arrancar esta mísera estaca de madeira e nos libertar?

Você não é uma pessoa qualquer…

Você é filho do Deus todo poderoso…

Você é herdeiro do Pai de todas as graças e poderes… Você está LIVRE, não existem mais amarras inquebráveis, não existem mais muros que nos dividem, não existem mais abismos  que nos separam, porque Cristo é a nossa Paz e a nossa reconciliação.


“Lembrai-vos de que naquele tempo estáveis sem Cristo, sem direito da cidadania em Israel, alheios às alianças, sem esperança da promessa e sem Deus, neste mundo. Agora, porém, graças a Jesus Cristo, vós que antes estáveis longe, vos tornastes presentes, pelo sangue de Cristo. Porque é ele a nossa paz, ele que de dois povos fez um só, destruindo o muro de inimizade que os separava,* abolindo na própria carne a Lei, os preceitos e as prescrições. Desse modo, ele queria fazer em si mesmo dos dois povos uma única humanidade nova pelo restabelecimento da paz,* e reconciliá-los ambos com Deus, reunidos num só corpo pela virtude da cruz, aniquilando nela a inimizade.”  Efésios, 2, 12-16


“A Renovação da Águia”

Uma metáfora que nos ajuda a se libertar de velhos costumes decadentes e receber uma roupagem nova e revigorada.





media 6 – até 27/08/19

 

Cada um deve carregar a sua Cruz.


Para compreendermos melhor este texto vamos acompanhar uma pequena metáfora que conta a estória de um matuto chamado Zé, creio até que você já conhece a figura ou alguém parecido.



A historia do Zé.

O Zé era uma dessas pessoas que vive fugindo das dificuldades. Procurava sempre o caminho mais cômodo. Era mestre em encontrar atalhos. Nem sempre suas soluções eram as melhores.

Mas sempre estavam de acordo com seus próprios interesses. Sofrimento era uma palavra que simplesmente não existia no dicionário do Zé. Tudo o que pudesse provocar algum tipo de desconforto era imediatamente descartado e ficava em segundo plano. Coisas como: solidariedade, amor desinteressado, humildade e perdão… Hummm!!! nem pensar…

Um dia…  Zé morreu inesperadamente.

Apesar de tudo, o Zé não era um homem mal e seguiu o bom caminho, ao morrer, seguiu para o céu e encontrou São Pedro em frente à grande porta celestial com uma imensa cruz de mais ou menos cinco metros de altura.

Saudou o Santo com a intimidade de um velho conhecido, do jeito que costumava fazer com os amigos nos “bares da vida”, quando queria pedir algum favor.

Depois lhe perguntou discretamente:

Qual o caminho mais curto para chegar lá… no céu?

São Pedro respondeu:

– Seja bem vindo, Zé! A entrada é por aqui mesmo. Entre!

O Zé entrou e viu uma longa estrada, bastante estreita, ingrime, cheia de ondulações e pedregosa.

Perguntou imediatamente, como fazia nos velhos tempos:

– Não tem aí… um atalhinho mais fácil… e mais curto?

São Pedro respondeu com ternura e autoridade:

– Não Zé! O Único caminho é esse mesmo!

Todos os que vão para o céu passam por aqui.

E tem mais. Você deverá levar esta cruz até lá.

São apenas cinco quilômetros de caminhada.

O Zé olhou para a cruz e pensou com seus botões: “vou dar um jeitinho”. Agradeceu o Santo e seguiu com sua cruz em direção ao paraíso celestial.   Caminhou um quilometro sem a menor dificuldade. Foi então que viu ali no chão um serrote esquecido.



Olhou ao redor. Não viu ninguém espiando. Não resistiu a tentação e… Cortou um pedacinho da cruz.

Continuou o seu caminho e levou junto o serrote é claro. Andou mais um quilometro e lá se foi menos um metro da Cruz.   Mais um Km de caminhada e outro metro foi subtraído.

Quando faltavam apenas cem metros para chegar ao seu destino só restava um metro de cruz. E lá ia o Zé carregando seu pedaço de cruz sem a menor dificuldade, como fez durante toda a sua vida.

Aconteceu então o inesperado. O Zé deu de cara com um imenso precipício de uns 5 metros de largura, Para chegar ao outro lado, seria necessário atravessá-lo. Como?  O Zé podia ver apenas lá no fundo do precipício um lago de fogo que borbulhava. Faltou lhe coragem. Ele não seria capaz de saltar tão longe assim.

Desanimado, então sentou-se no pedaço de cruz que ainda lhe restava. Lembrou então a oração do Anjo da Guarda que aprendera com sua avó. Começou a rezar.

Seu anjo da guarda lhe apareceu e perguntou:

– Ei, Zé…   O que você esta esperando? A festa no céu esta um maravilha. Você não esta escutando a musica e as danças?

Por que você ainda esta aí sentado?

O Zé respondeu:

– Cheguei até aqui, mais tenho medo de pular este precipício.

O anjo, então, exclamou:

– Ora, Zé, use a ponte!

Que ponte? – perguntou o Zé…

– Aquela que São Pedro lhe deu lá na entrada! Onde está a sua ponte, Zé?

Ele compreendendo o seu grande erro respondeu:

– Eu cortei!



Moral da história


Nada nesta vida é por acaso ! Muitas vezes queremos nos livrar da “cruz”  que nos é dada.  Mas para tudo tem um ‘para quê‘ e um ‘por quê‘… Deus nunca nos manda algo que não possamos suportar… E se formos abreviar estes caminhos, certamente teremos problemas !

Ser cidadão do céu é uma conquista individual com identidade coletiva.


Alguém deixou um comentário em uma postagem anterior questionando o final da estória, no que diz respeito à solução da travessia do abismo dizendo que os outros poderiam ter lhe emprestado a cruz, ou que pudesse ter retornado até a entrada e buscado outra cruz inteira e etc.

Certamente existem diversas opções de solução para nosso candidato ao céu, mas para qualquer outra opção, primeiro é preciso constatar o pecado, “ERRO“, ou o fracasso para se buscar outra chance. “conversão sincera” 

Você pode perceber que a metáfora não termina com um final e sim é interrompida para possibilitar que você crie em sua mente uma opção que solucione o impasse de nosso amigão Zé.  Enquanto estamos a caminho do céu precisamos analisar bem essas opções porque afinal de contas também nós estamos nesta caminhada e não queremos nos atrasar para a grande festa como o irmão do filho pródigo, portanto é preciso ter cuidado com os atalhos e os desvios para que não escorreguemos caindo naquele precipício.




Cada um renuncie a si mesmo, pegue a sua Cruz e siga-me.



PARÁBOLAS E MENSAGENS EM POWER POINT PARA REFLEXÃO



DEUS AMA O PECADOR

MAS ODEIA O PECADO

Com Deus não se Brinca, parte II.


Pesando na balança do Entendimento



Não, esse não é mais um daqueles textos que relata frases de personalidades que “satirizaram” a Deus e logo após vieram a sofrer arduamente e/ou falecer depois das suas declarações polêmicas. Não, esse não é mais um daqueles textos que descreve o incrível caso que aconteceu aqui na RMC (Região Metropolitana de Campinas-SP) da menina que faleceu num acidente no qual o porta-malas do carro ficou inteiro com uma caixa de ovos intacta. Não, esse não é mais um daqueles textos que tem o intuito de aterrorizar as pessoas para que sigam a risca os mandamentos de Deus e para que jamais ousem a questionar o seu poder e autoridade.



Esse texto tem apenas um objetivo muito simples: refletir sobre os possíveis equívocos e más interpretações que são assimiladas em larga escala pelas pessoas que, em algum momento, mesmo sem querer, distorcem o real sentido de alguns trechos bíblicos baseadas em alguns versículos, vale lembrar que a Bíblia é muito mais complexa e que em muitos casos uma leitura meramente superficial não nos traz o real compreendimento da Palavra que nos é dita e desmistificar esse lance de que há assuntos intocáveis e que “com Deus não se brinca”.

Há muito tempo circula pela internet uma série de montagens com SUPOSTAS frases de personalidades que “desafiaram Deus” e logo vieram a sofrer com as consequências. Geralmente, no final dessas mensagens é utilizado um versículo bíblico do livro da Gálatas que é este aqui:

“Não vos enganeis: de Deus não se zomba. 
O que o homem semeia, isso mesmo colherá.”(Gal 6,7)

No primeiro momento ao isolarmos esse versículo do texto original podemos compreender que não se pode em hipótese alguma fazer “gracinhas” com a Palavra do Senhor, pois quem o fizer irá pagar com a própria boca. Porém, ao ler o Capítulo inteiro é fácil perceber que essa interpretação é errônea.

Na época em que Paulo escreveu essa carta aos Gálatas ele tinha o objetivo de transmitir uma mensagem de resistência aos cristãos que viviam numa sociedade judaica de valores falidos. Para aqueles judeus apenas os circuncisos obteriam a Salvação, entretanto, Paulo pregava que a verdadeira Salvação seria alcançada com a mudança de postura interior dos homens. Ele criticava fervorosamente a sociedade judaica por sua hipocrisia e falta de compromisso com aquilo que pregava, e, assim entendia que os judeus “zombavam” de Deus ao ter esse tipo de comportamento. 
O “zombar” de Paulo tem a função de alertar os cristãos para que não caiam na armadilha de tentar enganar à Deus e acabar enganando a si próprios ao não honrar a cruz que Jesus havia carregado por eles mesmos. Ou seja, não tem nada relacionado com se referir a Deus ou a sua Palavra com sarcasmo, tem a ver com hipocrisia.
Talvez, em algum outro lugar da Bíblia haja algo que se refira ao modo como se deve dirigir a Deus, mas nesse trecho ficou claro para mim que essa interpretação popular está errada!
Por isso, antes de sairmos disseminando qualquer tipo de mensagem pela internet é interessante fazermos uma breve pesquisa do conteúdo que estamos oferecendo aos nossos amigos para evitarmos esse tipo de constrangimento. É sempre bom lembrar que em slide de Power Point pode se escrever qualquer coisa, mas cabe a nós ter o bom senso de acreditar, ou não.



Nota Presentepravoce: Considerei o texto acima bastante sóbrio e nos ajuda a afastar o fantasma do medo, afinal de contas temer a Deus não significa ter “MEDO” de Deus.   Devemos sim amar a Deus e quem ama não tem medo daquele que ama.



“18. No amor não há temor. Antes, o perfeito amor lança fora o temor, porque o temor envolve castigo, e quem teme não é perfeito no amor.”  (I São João, 4,18) – Bíblia Católica Online




Basfêmia Presépio criança
O_pai_das_misericordias_CN