Um conselho de S. Francisco de Assis.



MORRER NÃO É O FIM




Texto mais abrangente:

Não percas de vista o final da vida. Não esqueças o teu propósito e destino como criatura de Deus. O que tu és à vista Dele é o que tu és, e nada mais.

Não permitas que as preocupações e ansiedades do mundo ou as pressões do ofício varram a vida divina dentro de ti ou calem a voz do Espírito de Deus que guia a tua grande missão de conduzir a humanidade à completude.

Se abrires o coração a Deus e gravares o Seu plano profundamente no coração, Deus abrir-se-á a ti.

Lembra-te de que quando deixares esta terra não poderás levar contigo nada que recebeste – sinais efémeros de honra, paramentos do poder -, mas apenas o que soubeste dar: um coração pleno enriquecido por trabalho honesto, amor, sacrifício e coragem.



“Quem ler e entender o Evangelho em Espírito e Verdade, encontrará nele Deus e o céu, os Anjos e o próprio paraíso, tudo a nos esperar, aguardando que façamos a nossa parte, para recebermos o prêmio da felicidade.” S. Francisco


Oração_abre_as_portas_para_a_presença_de_Deus
Oração_não_eh_uma_Varinha_magica_Papa_Francisco



O Alpinista Extraordinário.



alpinista_pendurados


UM TESTE DE FÉ.



2. Você Cofia em Deus ?

4. Conta-se que havia um extraordinário alpinista que estava desesperado por conquistar uma altíssima montanha. 

5. Depois de anos de preparação . . . Enfim chegara o grande dia, 6. iniciou então sua grande escalada

7. Como queria a glória só para si, resolveu subir sem companheiros.

8. Ele para ganhar tempo decidiu por não acampar. 9.  Durante a subida Foi ficando tarde… 10. e mais tarde, 11.  sendo que continuou subindoe por fim ficou escuro. 12. A noite era muito densa naquele ponto da montanha, 13. e não se podia ver absolutamente nada. Tudo era negro, visibilidade zero. 14. A lua Tão Bonita e as Estrelas extremamente belas haviam desaparecido completamente. 15. Estavam completamente encobertas pelas nuvens.

16. Ao subir por um caminho estreito, a apenas poucos metros do topo, 17. escorregou e precipitou-se pelos ares, caindo a uma velocidade vertiginosa.

18. O alpinista via apenas velozes manchas escuras passando por ele e sentia a terrível sensação de estar sendo sugado pela gravidade.

19. Já Pensava na proximidade da morte, sem Solução ….

20. De repente, sentiu um fortíssimo solavanco, causado pelo esticar da corda na qual estava amarrado e presa nas estacas cravadas na montanha.

21. Nesse momento de silêncio e solidão, suspenso no ar, não havia nada que se pudesse fazer, então  gritou com todas as suas forças:

22. MEU  DEUS, ME  AJUDA !!!

23. De repente, 24. uma voz grave e profunda vinda dos céus lhe Respondeu:

25. QUE QUERES QUE EU TE FAÇA ? Salva-me meu DEUS !!!

26. – Com toda certeza Senhor !!! REALMENTE CRÊS QUE EU POSSO SALVÁ-LO ?

– Com toda certeza SENHOR!

27. ENTÃO CORTE A CORDA NA QUAL ESTÁS AMARRADO

28. Houve um momento de silêncioEntão o homem agarrou-se ainda mais fortemente à corda

29. – PORQUE DUVIDAS?

NÃO CRÊS QUE SOU DEUS E POSSO SALVA-LO?  

– Sim Senhor, Eu creio

– SE CRERES VERÁS A GLORIA DEUS.

30. Conta a equipe de resgate, que no outro dia encontraram o alpinista morto, congelado pelo friocom as mãos agarradas fortemente à corda … 

A APENAS DOIS METROS DO SOLO…

31.  E Você? Cortaria a sua corda

Às vezes precisamos tomar decisões que testam nossa em Deus. E nós, que estamos tão agarrados às cordas?

Será que a cortaríamos?

32. Devemos, diariamente exercitar nossa confiança em Deus lembrando-nos sempre que “ O Senhor nosso Deus nos segura pela mão e nos diz: Não temas, Eu te ajudo”  (Isa. 41:13)

33. Se esta mensagem lhe foi útil, compartilhe-a com alguém. Deus te abençoe…

34. Esta é uma estória fictícia, sem nomes e nem locais definidos, mas não significa que não seja um fato verídico.  

Inclusive existem vários testemunhos são muito semelhantes:

Veja um acontecimento recente …

35. Em “2003” um acidente que foi gravado e documentado pela própria vítima.  O testemunho dele foi registrado no filme “127 horas” que foi fiel aos fatos onde o personagem acidentado ficou preso em uma fenda na montanha após uma enorme rocha ter se deslocado e prendido seu braço direito. Ele se salvou porque foi capaz de cortar o próprio braço que estava preso.



36. Este é um fato recente e posterior à existência deste texto.   A aplicação  da lição foi literal segundo o evangelho (S. Mateus 18, 9)  e muito além de nossas expectativas, enquanto que muitas pessoas perdem a Vida e a Salvação por coisas muito mais banais e insignificantes. Porque não são capazes de desapegar e renunciar seus pecados e nem do dinheiro ou objetos fúteis que nada significam para a Salvação, a VIDA e a Felicidade.

37. “Egoísmo não traz felicidade, a melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros,” 


Link’s para outras Mensagens


Presentepravoce.wordpress.com.br quarta-feira, 28 de setembro de 2016 3:50:55 Link’s para outras Mensagens



Anel_Valor
O_equilibrista_e_a_Fé o-maior-tesouro-do-mundo

BAIXE O SLIDE EM POWER POINT PARA VISUALIZAR OS EFEITOS



O maior tesouro do mundo.



o-maior-tesouro-do-mundo


O Diamante. adaptação


2. Um homem era muito rico e muito apegado ao que possuía, vivia sempre preocupado em acumular mais e mais riquezas …

3. Um dia muito cansado, pegou no sono  enquanto apreciava um pouco da sua fortuna …

… Sonhou  que um andarilho estava passando por sua cidade e que estaria numa praça perto de sua casa  …

4. Esse andarilho tinha um presente para lhe dar que seria o maior tesouro do mundo, a coisa mais valiosa que alguém poderia possuir …

5. Ao acordar, não perdeu tempo saiu em busca da realização de seu sonho …

6. Um velho e sábio Senhor viajava de cidade em cidade compartilhando a sua sabedoria e vivendo da caridade e bondade  daqueles  que o ouviam …

7. Ao chegar naquela cidade se instalou numa praça e estava a descansar quando … O homem chegou e deduzindo ser ele o andarilho do sonho lhe disse …

8. Esta noite eu tive um  sonho que nesta praça eu encontraria um andarilho, que apesar de sua miserável aparência me daria um tesouro de valor inestimável e que isto mudaria completamente a minha vida.

9. Quando vi você percebi de imediato que era o homem que eu procurava. Por favor, me dê o meu tesouro”.

10. O andarilho olhou para ele sem falar nada, enfiou a mão em um alforge de couro bem desgastado e em seguida estendeu a mão para o homem, dizendo:

11. –“Deve ser isto então!”

Entregando-lhe um diamante enorme.

12. O outro levou um  grande susto e exclamou: –“Mas! Esta pedra deve ter um valor incalculável”

13. – “É mesmo? Pode ser.  Eu a encontrei no bosque a poucos dias.”  – Disse o andarilho.

14. –“Muito bem, quanto devo dar por ela?

15. –“Nada! Para mim ela não serve.  

Não preciso dela. Se ela lhe serve, leve-a. Não foi isto que você viu no seu sonho?”. 

16. “Sim, foi isto mesmo que vi em meu sonho.” Obrigado. Muito confuso, o homem guardou a pedra e foi embora.

17. – O homem não conseguiu dormir naquela noite e apesar do alto valor da pedra, ele chegou à conclusão que aquele enorme DIAMANTE  não seria o maior TESOURO que poderia existir no mundo.

18. –No outro dia bem cedinho voltou correndo até a praça procurando pelo andarilho.   Ao encontrá-lo. Disse-lhe:

19. –“Tome o seu Diamante!”  E me dê o TESOURO mais valioso do mundo!

20. – “Não tenho mais nada para lhe dar”.    Disse o velho sábio.

21. – TEM SIM:  “Mais VALIOSO que um Diamante desse tamanho é ter a capacidade de abrir mão dele e entregá-lo a alguém que você nunca viu antes!

22. – Quero que me ensine como ter esse total  DESAPEGO

23. Ficou algum tempo com ele até tomar posse definitivamente do seu verdadeiro tesouro: O DESAPEGO

25. O Reino dos céus é também semelhante a um tesouro escondido num campo. Um homem o encontra, mas o esconde de novo. E, cheio de alegria, vai, vende tudo o que tem para comprar aquele campo.”  (S. Mateus 13,44)

26. O Reino dos céus é ainda semelhante a um negociante que procura pérolas preciosas. 46. Encontrando uma de grande valor, vai, vende tudo o que possui e a compra.”              (S. Mateus 13,45-46)


26. CRÉDITOS:

TEXTO:…………………….. O Diamante
FONTE: Livro “História da tradição Sufi”  Edições Dervish 1993
IMAGENS: Obtidas na Internet MÚSICA: “Astrakan Café”
Adaptação e Formatação: Presentepravoce



Anel_Valor Empurre_a_vaquinha_no_precipicio
O_rico_e_o_pobre Tende_Misericordia_Senhor


BAIXE O SLAID EM POWER POINT PARA VISUALIZAR OS EFEITOS



Jesus, eu confio em vós.


Presentepravoce_Misericordia_bg2


“Confiança! Não temas!”

Este texto vai aumentar a SUA confiança em Deus


Barco_dos_discipulos_tempestade_Jesus_caminha_sobre_o_Mar




gr_266055_3278575_470451[1] jesus-misericordioso-lk

DEPOIMENTO


Jesus Cristo nos convida à Confiança.

Voz de Cristo, voz misteriosa da graça que ressoais no silêncio dos corações, vós murmurais no fundo de nossas consciências palavras de doçura e de paz. Às nossas misérias presentes repetis o conselho que o Mestre dava, frequentemente, durante sua vida mortal:

Confiança, confiança!”.

À alma culpada, oprimida sob o peso de suas faltas, Jesus dizia: “Confiança, filha, teus pecados te serão perdoados!”. “Confiança”, dizia à doente abandonada que só dEle espera a cura, “tua fé te salvou”.

Quando os apóstolos tremiam de pavor vendo-O caminhar, de noite, sobre o lago de Genesaré, Ele os tranquilizava por esta expressão pacificadora: “Tende confiança! Sou Eu, nada temais!”.

E na noite da Ceia, conhecendo os frutos infinitos do seu Sacrifício, lançava Ele, ao partir para a morte, o brado de triunfo: “Confiança! Confiança! Eu venci o mundo!…”.

Esta palavra divina, ao cair de seus lábios adoráveis, vibrante de ternura e de piedade, operava nas almas uma transformação maravilhosa.

Um orvalho sobrenatural lhes fecundava aridez, clarões de esperança lhes dissipavam as trevas, uma calma serenidade delas afugentava a angústia. Pois as palavras do Senhor são “espírito e vida”. Bem aventurados os que a ouvem e a põe em prática.

Como outrora aos seus discípulos, é a nós, agora, que Nosso Senhor convida à confiança. Por que recusaríamos atender à sua voz?

Muitas almas têm medo de Deus

Poucos cristãos, mesmo entre os fervorosos, possuem essa confiança que exclui toda ansiedade e toda hesitação. Várias são as causas desta deficiência.

O Evangelho narra que a pesca miraculosa aterrou São Pedro. Com impetuosidade habitual, ele mediu de relance a distância infinita que separava da sua própria pequenez a grandeza do Mestre. Tremeu de terror sagrado, e prosternando-se a face contra a terra: “Afastai-vos de mim, Senhor, exclamou, que sou um pecador!”.

Certas almas têm, como o Apóstolo, esse terror. Elas sentem tão vivamente a própria indigência e as próprias misérias, que mal ousam aproximar-se da Divina Santidade.

Parece-lhes que um Deus assim puro deveria sentir repulsão ao inclinar-Se para elas. Triste impressão, que lhes dá a vida interior uma atitude contrafeita, e, por vezes, a paralisa completamente.

Como se enganam essas almas!

Logo aproximou-Se Jesus do Apóstolo assustado: “Não temas!” disse-lhe, e o fez levantar-se…

Vós também, cristãos, que do seu amor tantas provas recebestes, nada temais! Nosso Senhor receia acima de tudo que tenhais medo dEle.

Vossas imperfeições, vossas fraquezas, vossas faltas mesmo graves, vossas reincidências tão frequentes, nada O desanimará, contanto que desejeis sinceramente converter-vos. Quanto mais miseráveis sois, mais Ele tem compaixão de vossa miséria, mais deseja cumprir, junto a vós, sua missão de Salvador…

Não foi sobretudo para os pecadores que Ele veio à terra?


Leão e Menina

A outras almas falta a fé…

A outras almas falta a fé. Elas têm certamente essa fé comum, sem a qual trairiam a graça do Batismo. Creem que Nosso Senhor é todo-poderoso, bom e fiel a suas promessas; mas não sabem aplicar essa crença às suas necessidades particulares.

Não são dominadas pela convicção irresistível de que Deus, atento às suas provações, para elas Se volve a fim de socorrê-las.

Jesus Cristo pede-nos, no entanto, essa fé especial e concreta. Ele a exigia outrora como condição indispensável dos seus milagres; espera-a ainda de nós, antes de nos conceder os seus benefícios…

Se podes crer, tudo é possível àquele que crê”, dizia ao pai do pequenino possesso. E, no convento de Paray-le-Monial, empregando quase os mesmos termos, repetia a Santa Margarida Maria: “Se puderes crer, verás o poder do meu Coração na magnificência do meu amor…”.

Podeis crer? Podereis chegar a esta certeza tão forte que nada a abala, tão clara que equivale à evidência? Isso é tudo. Quando chegardes a esse grau de confiança vereis maravilhas realizaram-se em vós…

Pedi ao Mestre Divino que aumente a vossa fé. Repeti-Lhe com frequência a prece do Evangelho: “Eu creio, Senhor, mas ajudai a minha incredulidade”…

Esta desconfiança de Deus lhes é muito prejudicial.

A desconfiança, sejam quais forem suas causas, nos traz prejuízo, privando-nos de grandes bens.

Quando São Pedro, saltando da barca, se lançou ao encontro do Salvador, caminhou, a princípio, com firmeza sobre as ondas. Soprava o vento com violência. As vagas ora levantam-se em turbilhões furiosos ora cavavam no mar abismos profundos…

A voragem abria-se diante do Apóstolo. Pedro tremeu… hesitou um segundo, e, logo, começou a afundar…

Homem de pouca fé, disse-lhe Jesus, por que duvidaste?”

Eis a nossa história. Nos momentos de fervor, ficarmos tranquilos e recolhidos ao pé do Mestre. Vindo a tempestade, o perigo absorve a nossa atenção. Desviamos então os olhares de Nosso Senhor para fitá-los ansiosamente sobre os nossos sofrimentos e perigos. Hesitamos… e afundamos logo!

Assalta-nos a tentação. O dever se nos torna enfadonho, a sua austeridade nos repugna, o seu peso nos oprime. Imaginações perturbadoras nos perseguem. A tormenta ruge na inteligência, na sensibilidade, na carne…

E perdemos pé; caímos no pecado, caímos no desânimo, mais pernicioso do que a própria falta. Almas sem confiança, por que duvidamos?

A provação nos assalta de mil maneiras. Ora os negócios temporais periclitam, o futuro material nos inquieta. Ora a maldade ataca-nos a reputação.

A morte quebra os laços de afeições das mais legítimas e carinhosas. Esquecemos, então, o cuidado maternal que tem para nós a Providência… Murmuramos, revoltamo-nos, aumentamos assim as dificuldades e o travo doloroso do nosso infortúnio.

Almas sem confiança, por que duvidamos?

Se nos tivéssemos apegado ao divino Mestre com uma confiança tanto maior quanto mais desesperada parecesse a situação, nenhum mal desta nos adviria…

Teríamos caminhado calmamente sobre as ondas; teríamos chegado, sem tropeços, ao golfo tranquilo e seguro, e, breve, teríamos achado a plaga hospitaleira que a luz do Céu ilumina…

Os santos lutaram com as mesmas dificuldades… muitos dentre eles cometeram as mesmas faltas. Mas estes, ao menos, não duvidaram…

Ergueram-se sem tardanças, mais humildes após a queda, não contando, desde então, senão com o socorro do Alto…

Conservaram no coração a certeza absoluta de que, apoiados em Deus, tudo poderiam. Não foram iludidos nessa confiança!

Tornais-vos, pois, almas confiantes. Nosso Senhor a isso vos convida; e o vosso interesse assim o exige. Tornar-vos-eis, ao mesmo tempo, almas iluminadas, almas de paz.

*   *   *

Fonte: retirado do “Livro da Confiança” do Rev. Pe. Thomas de Saint-Laurent.


CONFIAR-EM-DEUS3[1]


Aqueles_que_Confiam


terco-da-misericordia-11[1]


Jesus_misericórdioso_Rosto


Repouso_no_Espírito_2


      Atualizado em 20/09/2014





Estoria em 3D

Trocando as Pilhas


Parábolas

& Reflexões


O Clube 99!


(O Que viria a ser o clube 99?)


(Ser feliz não é possuir tudo. Mas ser grato a Deus por tudo o que possui.)


Hoje conheci uma estória que agora transcrevo para sua meditação, compare-a com seu cotidiano. Caso haja alguma semelhança com o seu dia a dia, não será mera coincidência, mas sim, uma realidade.

Claro, lógico e evidente que se trata de uma história fictícia, porém, seu conteúdo pragmático deve ser observado em todos os sentidos da vida.

Vejamos o que ela diz:

Existia um rei muito rico, tão rico que esse monarca era invejado por todos os demais reinos existentes em seu redor. Esse rei tinha tudo o que se pudesse imaginar. Terras, muito dinheiro, poder, conforto e centenas de súditos e escravos. Ainda assim, não era uma pessoa feliz. Um dia, ao andar por seu luxuoso palácio, num determinado instante, cruzou com um de seus servos, que assobiava alegremente, e ao mesmo tempo cantarolava uma música muito alegre, enquanto esfregava o chão com uma vassoura. O rei ficou intrigado: como ele, um soberano supremo do reino, poderia andar tão cabisbaixo, enquanto um humilde servente parecia desfrutar de tanto prazer e felicidade?

– “Por que você está tão feliz?”, perguntou o rei ao servo.

– “Majestade, sou apenas um serviçal. Para passar o tempo, trabalho, e para fazer o meu serviço com muito amor, assim procedo. Canto e assobio para não desviar meu sentido daquilo que estou fazendo. Eu não necessito muito mais do que possuo. Tenho um teto para abrigar minha família, uma comida quente para aquecer nossas barrigas”.

O rei não conseguia entender a felicidade de seu servo. Chamou, então, ao seu gabinete, o conselheiro do reino, a pessoa em que mais confiava, e narrou-lhe o que estava acontecendo. Que não era um homem feliz, apesar de todo seu poder, enquanto seu serviçal demonstrava ser uma pessoa feliz. “Majestade, creio que o servente não faça parte do Clube 99” respondeu. “Clube 99? O que é isso?”, perguntou o rei a seu fiel conselheiro. “Para que vossa majestade possa compreender o que é o Clube 99, ordene ao tesoureiro do reino que deixe num pequeno saco, 99 moedas de ouro na porta da casa do seu fiel servente”. E assim foi feito.

Quando o pobre criado chegou à sua casa e encontrou o saco de moedas na sua porta, ficou radiante. Não podia ser uma realidade! Acreditar em tamanha sorte. Um saco cheio de moedas de ouro. Jamais imaginara tamanha sorte em sua vida. Nem em sonhos tinha visto tanto dinheiro. Esparramou as moedas sobre a mesa e começou a contá-las. “Uma, duas, três, quatro… 96, 97, 98… 99”. Achou estranho ter tão somente 99 moedas de ouro. Pensou que poderia ter perdido uma delas, talvez. Provavelmente, eram 100. Voltou a recontá-las de novo e nada. Eram 99.

Procurou por debaixo da mesa e nada. Refez o caminho de sua casa ao palácio e nada encontrou. Procurou, procurou e nada! Eram tão somente 99 moedas. Por algum motivo, aquela moeda que faltava ganhou uma súbita importância. Com apenas mais uma moeda de ouro, uma só, ele completaria 100. Um número de 3 dígitos! Uma fortuna de verdade. Ficou obcecado por completar seu recente patrimônio com a moeda que faltava. Decidiu que faria o que fosse preciso para conseguir mais uma moeda de ouro. Trabalharia dia e noite, se preciso fosse. Afinal, estava muito, muito, muito, perto de ter uma fortuna de 100 moedas de ouro. Seria um homem rico, com 100 moedas de ouro. Daquele dia em diante, a vida do servente mudou. Passava o tempo todo pensando em como ganhar uma moeda de ouro. Estava sempre cansado e resmungando pelos cantos. Tinha pouca paciência com a família. Seus serviços, outrora, quase que perfeitos passaram por um desleixo. A desídia tomou conta e seu contentamento do passado, inexplicavelmente desaparecera. Só pensava em como e o que era preciso fazer para conseguir a centésima moeda de ouro. Parou de assobiar, cantarolar e a felicidade desapareceu de seu semblante, enquanto varria o chão. O rei, percebendo a mudança súbita de comportamento de seu serviçal, chamou novamente o seu conselheiro ao escritório do palácio e narrou-lhe a mudança comportamental de seu súdito.

“Majestade, agora o servente faz, oficialmente, parte do Clube 99”. E continuou: “O Clube 99 é formado por pessoas que têm o suficiente para serem felizes, mas mesmo assim não estão satisfeitas. Estão constantemente correndo atrás dessa moeda que lhes falta. Vivem repetindo que se tivessem apenas essa última e pequena coisa que lhes falta, aí sim, poderiam ser felizes de verdade. Majestade, na realidade é preciso muito pouco para ser feliz. Porém, no momento em que ganhamos algo maior ou melhor, imediatamente surge a sensação de que poderíamos ter mais. Com um pouco mais, acreditamos que haveria de fato, uma grande mudança. Só um pouco mais. Com isso, perdemos o sono, nossa alegria, nossa paz e machucamos as pessoas mais queridas que estão a nossa volta. E o pouco mais, sempre vira… um pouco mais. O pouco mais é o preço do nosso desejo.” E concluiu: – “Isso, majestade, é o Clube dos 99”. Assim é a vida. Quanto mais temos, mais queremos ter. Nunca estamos satisfeitos com o que temos e possuímos.

(Um Desafio Para Mim e para Você)

Todos os dias nos deparamos com situações de vida semelhantes a estas e por mais que trabalhemos neste mundo não conseguimos alcançar tudo que almejamos e talvez como demonstra esta estória seja porque já temos tudo o suficiente para sermos felizes, mas a unica moedinha que nos falte sempre nos impedirá de desfrutar desta Felicidade.   A verdade é que a ultima moeda jamais será a centésima moeda, pois sempre buscaremos algo a mais que nos complete definitivamente, mas este algo jamais poderá ser preenchido por algo material, poses, sexo, dinheiro ou poder, pois este algo que procuramos sem saber o que seria só poderá ser preenchido por Deus que é o que realmente falta na vida de cada um de nós.

A história do homem no paraíso não é apenas uma analogia comparativa para criancinhas ou iniciantes na fé, mas é uma verdade absoluta que principalmente os mais sábios e crescidos na Fé ainda não conseguem compreender totalmente, pois o homem só se sentira plenamente feliz quando estiver na presença de Deus e para isso ele não precisará possuir e nem ter nada em seu nome nesta terra, pois tudo pertence ao Pai e Tudo o que é do Pai me pertence é o que nos afirma Jesus quando compara a busca desenfreada pela felicidade do filho Pródigo nas coisas do mundo e a atitude egoísta do filho mais velho que não tem a capacidade de amar e perdoar o seu irmão.

“Explicou-lhe o pai:

Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. (São Lucas 15,31)

O Nosso desafio é este mesmo, “Como ser Feliz sem depender das coisas materiais deste mundo?” e “Como usufruir das coisas materiais e Espirituais que pertencem ao Pai sem tomar posse delas tirando a felicidade de nossos irmãos?”.

Quando atingirmos este objetivo seremos plenamente felizes.

Que Deus nos Abençoe

Presentepravoce – Sizenando





EM BUSCA DA FELICIDADE.

Um Filme baseado em fatos reais


Dinâmica da Pipoca

SAL DA TERRA


Um teste de Fé!


Você soltaria a corda?

Todos os dias de nossas Vidas passamos por momentos tão difíceis que pensamos ser o fim, mas uma voz sempre nos diz lá no fundo do coração.

“Creia em Deus e espera com confiança n’Ele e Ele atenderá o seu clamor e as suas necessidades…”

Um famoso alpinista, certa vez experimentou uma situação semelhante em sua própria pele !



Um Bom alpinista é aquele que: metodicamente observa todos os detalhes de Segurança.

Dica número 1: Isto vale a sua Vida.

Mantenha sua corda bem conservada

O primeiro passo para manter sua corda bem conservada é mantê-la limpa. A limpeza é fundamental para prolongar sua vida útil e sua resistência. Mantenha a corda longe do contato com o solo sempre que possível, pois a poeira e partículas de sujeira têm um efeito bastante abrasivo sobre ela. Evite pisar no equipamento, pois isso pressionará as partículas abrasivas para o interior da corda.

Lavagem da corda – use sabão neutro e água fria, enxague bem e deixe secar à sombra. Nunca use máquinas de lavar e secadoras.

Não enrole a corda para guardar, guarde-a solta e sem nós. A corda pode criar “pontos fracos” se permanecer sempre dobrada nos mesmos pontos e permanecer assim. Também não é aconselhável o uso da corda para outras atividades, fora da escalada.

Nunca marque a corda com canetas que não sejam específicas para este fim, os produtos químicos da tinta podem danificá-la.

Verifique o equipamento regularmente, procurando pontos danificados ou sinais de fadiga. Se encontrar algum, como nos casos em que a alma da corda estiver aparecendo, corte a corda no ponto danificado, usando uma lâmina quente. Queime a ponta boa rapidamente e aperte-a com os dedos.


Olha a Situação do desprevenido.


por-um-fio.jpg


Não existe meia fé.


O Alpinista em Power Point Com Fotos

Esta é a história de um alpinista que sempre buscava superar mais e mais os desafios. Ele resolveu, depois de muitos anos de preparação, escalar o Aconcágua. Mas ele queria a glória somente para ele e resolveu escalar sozinho, sem nenhum companheiro para dividir, o que seria natural no caso de uma escalada dessa dificuldade.

Ele começou a subir e foi ficando cada vez mais tarde. Porém, ele não havia se preparado para acampar e resolveu seguir a escalada decidido a atingir o topo. Escureceu e a noite caiu como um breu nas alturas da montanha e não era possível mais enxergar um palmo à frente do nariz. Não se via absolutamente nada. Tudo era escuridão, zero de visibilidade, não havia lua e as estrelas estavam cobertas pelas nuvens. Subindo por uma “parede” a apenas 100 metros do topo ele escorregou e caiu.

Caía a uma velocidade vertiginosa e somente conseguia ver a terrível sensação de ser sugado pela força da gravidade. Ele continuava caindo… e nesses angustiantes momentos, passaram por sua mente todos os momentos felizes e tristes que ele havia vivido em sua vida. De repente, ele sentiu um puxão forte que quase o partiu pela metade. Como todo alpinista, havia cravado estacas de segurança com grampos a uma corda comprida que fixou em sua cintura.

Nesses momentos de silêncio, suspenso nos ares da completa escuridão e não sobrou para ele nada além do que gritar. E gritando só conseguia ouvir seu próprio eco, então rogou a Deus: “Óh meu Deus, ajude-me!!!”. De repente uma voz grave e profunda vinda do céu, respondeu: “O que você quer de mim, meu filho?” – Me salve meu Deus, por favor!! E Deus lhe respondeu: “Você realmente acredita que Eu possa te salvar?” E o alpinista respondeu: “Eu tenho certeza meu Deus!!”. E Deus respondeu: “Então corte a corda que te mantém pendurado…

Houve um momento de silêncio e reflexão. O homem se agarrou mais ainda à corda e refletiu que se fizesse isso certamente morreria…



O pessoal do resgate conta que no outro dia encontrou o alpinista congelado, morto, agarrado com força, com as duas mãos a uma corda… a tão somente dois metros do chão

Esta é uma história real e a dedução feita no diálogo com Deus é feita porque o alpinista foi encontrado há apenas dois metros do chão.

Não existe meia fé.

VAMOS AO TESTE:

E VOCÊ OBSERVOU BEM AS DICAS DO BOM ALPINISTA?

Está Bem amarrado e segurando firmemente sua corda?

POR QUE VOCÊ NÃO A CORTA?

Por que não a solta e se joga nos braços de Deus?

É pelo medo de nos desapegarmos de certas situações que aparentemente nos oferecem segurança que deixamos de alcançar maiores conquistas. A mesma corda que lhe dá segurança pode também ser o seu fim.

Pense nisso!


 

Para visualizar a animação e o som baixe o Slaid em Power Point.


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg?w=130&h=120 MILAGRE DE LANCIANO


Confiança Absoluta.


CONFIAR-EM-DEUS3[1]


Já coloquei anteriormente um texto sobre este assunto, na 3ª Montanha, quando falei do confiar em Deus. Há ali um texto completo, com amostras e exemplos do confiar, mas por algum motivo meu coração me manda escrever sobre o Salmo 61: Confiança Absoluta! Parece, então que aquele primeiro “Confiar” ainda não foi suficientemente claro. E então peço a Deus que me ilumine neste mais profundo e perfeito confiar, de modo absoluto, porque sinto isso em meu coração. Realmente é coisa de raiz que se aprofunda cada vez mais, à medida que vem a tempestade. E quanto mais ligados em Deus, menos dores…


Vejam: quem não teme uma tempestade? Com seus raios fulminantes, seus ribombos vibrantes e estremecedores! Até os mais corajosos tremem as pernas, e se arrepiam quando ouvem o som de algum trovão. A primeira particularidade interessante é que a gente teme e treme diante do trovão, mas o trovão não faz mal a ninguém. Ora, quem mata é o raio. E este assusta só um pouco a gente, mas quem o ouve já não precisa temer o trovão, porque está vivo, não é verdade? Quem vê o raio e não ouve o trovão, ou é surdo, ou já era, como se diz. Ou seja, muitas vezes os homens temem a coisa errada, e dão valor maior a aquilo que é inofensivo. Um simples ribombar de trovão!

Mas insisto no trovão, no raio fulminante, como forças demonstrativas do poder de nosso Bom Deus. E me pergunto: como pode Alguém ser tão infinitamente poderoso, e ao mesmo tempo tão terno, com tom até de humildade? Quem pode com um raio? Nem o mais poderoso dos homens, nem a mais perfeita das máquinas o pode conter. Ambos – homem ou máquina – se acertados em cheio por um deles, se reduzem a simples fumaça e pó. São pulverizados. Mesmo assim está dito: Ao fragor de Vosso trovão, os povos fogem e quando Vós vos ergueis, as nações se dispersam (Is 33, 3). Ou seja, em Deus, até mesmo aquilo que é inofensivo assusta, sim aos que têm o Santo Temor.

Mas, embora poderoso e terrível, que é um simples raio, diante da Onipotência infinita de Deus? Ainda que você multiplique por bilhões o poder de e a força demolidora de um raio, ainda assim, isso será simples sombra diante da força do Altíssimo. Muitos outros exemplos eu já dei do poder de Deus, de Sua força, entretanto nada me parece suficiente para explicar a realidade, até porque Deus é inexplicável. Então porque falo nesta Força Inaudita, neste Poder Supremo? Porque definitivamente, nós estamos em suas bondosas e carinhosas mãos. Os extremos infinitos, se tocam num só, e mesmo Senhor.

http://www.paideamor.com.br/diversos/deus/deus9.htm


Jesus é Misericordioso http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/oracao.jpg?w=130&h=120&h=120 MILAGRE DE LANCIANO