Temas relacionados à Família


Familia_obama_Cristo


PRINCIPAIS TEXTOS.


O Plano de Deus


Família_projeto_de_Deus

Família, Projeto de Deus.


HARMONIA CONJUGAL


Semana_da_Familia

Semana da Família.


Vinho_Novo

Bodas de Caná.

O Vinho Novo.


Paraíso_Adão_Eva_Eden

A Família Segundo a Bíblia.


ORAÇÃO Diversos


O Casal Cristão no Mundo de Hoje


Encontro de casais com Cristo ECC

Temas para palestras de Encontro para Casais


Temas de Reflexão

Sobre Maria.


Outras indicações para reflexão e dinâmica


Dinâmicas para

Meditação.

Aplicação em Palestras


Parábolas

& Reflexões



Encontro de Casais com Cristo_ECC

ALGUMAS INDICAÇÕES:


Casa_sobre_a_rocha

Construindo uma

Casa Sobre a Rocha


Família_Conduzida_3

A Família Conduzida pelo Espírito Santo.


adc3a3o-e-eva[1]

Poesia da Criação do Homem e da Mulher.


Eu e minha Casa Serviremos ao Senhor.

Eu e Minha Casa Serviremos ao Senhor

Josué 24:15b


As duas Faces do Amor.

Experimente clicar nestes Link’s Abaixo.


Sexo entre quatro paredes

vale tudo?


Matrimônio

no desígnio de Deus.


Não se Ama

Quem não se Conhece.


Amalgama

 Dinâmica do Amalgama com Durepoxi.


LISTA DOS TEMAS:


Título

Visualizações

Página inicial / Arquivos   10/01/2015 706.500
O Casal Cristão no Mundo de Hoje. (ECC) 69.850
Dia Das Mães. 63.594
A Família Segundo a Bíblia. 62.850
O Plano de Deus. 41.150
Padre Leo Conta a estória do Papagaio Marrom. 164.197
Vinho, muito vinho, O primeiro Milagre de Jesus foi totalmente dedicado ao Matrimônio. 39.500
Deus Criou uma Mãe Com Coração de Mãe. 36.237
O Sentido da Vida. 29.500
Semana Nacional da Família. 56.780
 O plano de Deus para a família é um aprofundamento constante. 19.900 
 Semana Nacional da Família – 2014. 13.270
 Reflexões para a Semana Nacional da Família. 9.177 
 A família cristã no mundo de hoje ! 9.050 
 A Espiritualidade cristã na Família. 8,687 
 Semana Nacional da Família – 2008. 7.388 
 Wallpaper’s e papel de parede da Sagrada Família. 6.760 
 A família que reza unida, permanece unida. 6.354 
 Oração da Família. 5.750 
 Abençoa Minha Família.  5.562
 Semana Nacional da Família – 2013. 4.485 
 A proposta de Deus para as Famílias de Hoje. 4.404
 Família, espaço do encontro. 3.653
A PARÓQUIA E A FORMAÇÃO DE VALORES NA FAMÍLIA. 3.643
Apresentação da Semana da Família. 3.441
 Semana Nacional da Família – 2010. 3.050
 Valores na Família. 2.997
 Família, Santuário da Vida. 2.864
 Família e Virtudes Sociais. 2.794
 A Família é um Projeto de Deus. 2.643
 FAMÍLIA: Valores a Descobrir e Redescobrir. 2.446
 A Família Conduzida pelo Espírito Santo. 2.396
 A família deve educar a sexualidade dos filhos. 2.295
 Desafios da Educação da Fé no contexto Familiar. 2.129
 HORA DA FAMÍLIA 2011. 1.756
 A Família é o Maior Tesouro do Mundo. 1.717 
 O futuro da humanidade passa pela família. 1.713
 A Família, Primeira e Principal Transmissora da Fé. 1.650
 A Graça da Família. 1.510
 A Família, “patrimônio da humanidade”. 1,443
 Educação cristã dos Filhos – Desafio à Família. 1.357
Família Restaurada. – Palestra de Padre Léo. 1.285
Padre Robson Oliveira. 36.669
36.237
Novena de Natal – CNBB. 36.162
O Milagre de um Embrião. 35.895
Semana Santa. 35.075
 Dinâmica do Sonrisal. 35.053 
 Pentecostes a Festa do Espírito Santo.  34.860
Civilizações precolombianas na América. 33.627
Amor sempre Amor, Mensagens e Cartões para. 33.594
RCC. 31.751 
Carta a Nicodemos. 31.730
Pirâmide de Chichén Itzá, Capital do Império Maya. 30.100
O Sentido da Vida. 29.500
Vós Sereis Batizados no Espírito Santo Dentro de Poucos Dias… 29.462
 O que é Grupo de Oração Carismático? 29.372
Os Frutos do Espírito Santo 28.480
Apresentação. 28.072
O que é Repouso no Espírito ? 27.500


INDICAÇÕES DE POST’S MAIS RECENTES


Sete_dons Qual o Melhor presente de Natal
Vamos_acabar_com_a_família_tradicional

.


A família continua sendo o melhor modelo de Sociedade.



A família não é um modelo antiquado e os católicos deveriam defendê-la não só das estruturas de pecado hostis a ela que colocam em dúvida a tradicional cultura familiar e muitas vezes a destrói,

assinalou o Relator Geral do Sínodo dos Bispos, Cardeal Peter Erdo na sua “Relatio ante disceptationem”.



seguro-total-santander364326


Postado em 8 de outubro de 2014

O Cardeal dividiu este documento que introduz os trabalhos do Sínodo em quatro partes: O Evangelho da Família no Contexto da Nova Evangelização, o Evangelho da família e a pastoral familiar, as situações pastorais difíceis, e a família e o Evangelho da vida.

Do mesmo modo, na conferência de imprensa de ontem, 6 de outubro, o Cardeal indicou que foram levadas em consideração as respostas dadas ao questionário preliminar que foi enviado às conferências episcopais, assim como as intervenções enviadas pelos padres sinodais.

O Arcebispo de Budapeste (Hungria) também compartilhou com os jornalistas que a renovação da metodologia do sínodo se expressa também no fato de que já está sendo elaborada “a relação posterior à discussão, sobre a base das intervenções escritas dos padres sinodais, embora ainda temos que considerar o que sai do debate”.

Por sua parte, o Secretário Geral do Sínodo, Dom Bruno Forte, explicou aos jornalistas que “houve uma maturação no caminho sinodal ao longo dos anos”. Acrescentou que “como os temas mais importantes do Concílio Vaticano II foram discutidos no meio das sessões, as não formais, espero que os resultados mais importantes do sínodo dos bispos cheguem das discussões livres, que o Papa Francisco quer que sejam francas”.

O texto, lido pelo Cardeal Erdo, ofereceu também alguns dos temas a serem tratados durante estas duas semanas:

Educação

O documento indica que “a família certamente hoje encontra muitas dificuldades; mas não é um modelo antiquado, pelo contrário, entre os jovens em geral se constata um novo desejo de família”.

De acordo com o Cardeal “entre os cristãos católicos a substância do ensinamento do Novo Testamento e do Catecismo da Igreja Católica sobre o matrimônio parece ser bastante conhecida. Entretanto, os aspectos específicos da doutrina e do Magistério da Igreja sobre o matrimônio e a família nem sempre são suficientemente conhecidos entre os fiéis”.

Nesse sentido, destacou muitas vezes a necessidade de uma educação mais integral no ensino católico, fazendo-se eco das observações do “Documento de trabalho do sínodo dos bispos”. “Resulta especialmente útil oferecer aos pastores das comunidades locais diretrizes claras para ajudar todos aqueles que vivem em situações difíceis”, adiciona o documento.

Do mesmo modo, alerta as comunidades locais para que evitem “as improvisações de uma ‘pastoral caseira’, que acaba fazendo mais difícil que se aceite do Evangelho da família”.

O documento também assinala que “é preciso acompanhar os noivos prometidos para que tenham uma clara consciência do que é o matrimônio no intuito do Criador, aliança que entre os batizados sempre tem a dignidade sacramental”.

A misericórdia não se anula com a verdade

Dado que “o tema da misericórdia está cada vez mais em primeiro plano como um ponto de vista importante no anúncio do Evangelho”, a relação destacou que a misericórdia “não elimina a verdade e não a relativiza, mas leva a interpretá-la corretamente no contexto da hierarquia das verdades”.

“A misericórdia, portanto, tampouco anula os compromissos que nascem das exigências do vínculo matrimonial. Estes continuam subsistindo inclusive quando o amor humano se debilitou ou cessou”, assinala o texto.


Coração ferido


Divorciados em nova união, coabitação e matrimônios civis

Além disso, o documento aborda situações como a coabitação, os matrimônios civis, assim como os divorciados em nova união.

As duas primeiras, indicou, representam uma nova dimensão de cuidado pastoral e “a Igreja não pode não reconhecer inclusive em situações a primeira vista afastadas de critérios que respondam ao Evangelho, uma oportunidade para acompanhar as pessoas, para que cheguem a uma decisão consciente, verdadeira e justa a respeito de sua relação”.

No que diz respeito aos divorciados em nova união, o documento indica que a resposta a estas questões mostra que este tema tem diferentes matizes em diversas partes do mundo, mas que não põem em questionamento “a palavra de Cristo e a verdade da indissolubilidade do matrimônio, nem faz com que já não estejam em vigor”.

“Os divorciados recasados civilmente pertencem à Igreja” e têm direito a receber o cuidado de seus pastores, afirmou o Cardeal. “Por isso a necessidade de ter em cada Igreja particular pelo menos um sacerdote, devidamente preparado, que possa prévia e gratuitamente aconselhar as partes sobre a validez de seu matrimônio”, acrescentou.

“Com efeito, muitos esposos não são conscientes dos critérios de validez do matrimônio e menos ainda da possibilidade da invalidez. Depois do divórcio, é preciso realizar esta verificação, em um contexto de diálogo pastoral sobre as causas do fracasso do matrimônio anterior, averiguando as possíveis causas de nulidade. Ao mesmo tempo, evitando a aparência de um simples cumprimento burocrático ou de interesses econômicos. Se tudo isso for realizado com seriedade e buscando a verdade, a declaração de nulidade produzirá uma libertação das consciências das partes”, indicou.

As instâncias de uma “mentalidade do divórcio” na celebração do sacramento do matrimônio faz acreditar que muitos casamentos celebrados na Igreja poderiam ser inválidos.

“Para verificar a possível nulidade do vínculo de maneira eficaz e ágil”, indicou, muitos sentem que os procedimentos precisam ser revisados. Para isso, o Papa Francisco nomeou uma comissão especial que reforme o processo de nulidade de matrimônios.

Homossexualidade

O documento também aborda o tema da homossexualidade e assinala que há “um amplo consenso em relação ao fato que as pessoas de tendência homossexual não devem ser discriminadas”, mas ao mesmo tempo emerge “com igual clareza que de parte da maioria dos batizados —e da totalidade das Conferências episcopais— não se espera uma equiparação destas relações com o matrimônio entre homem e mulher”.

“As formas ideológicas das teorias de gênero tampouco geram um consenso entre a grande maioria dos católicos”, acrescenta.

“Muitos querem, em contrapartida, superar os tradicionais róis sociais, condicionados culturalmente, e a discriminação das mulheres, que continua presente, sem negar com isso a diferença natural e criatural entre os sexos e sua reciprocidade e complementariedade”.

O Evangelho da vida

Em conclusão, a relação assinala a importância do Evangelho da vida. Quer dizer a abertura à vida não alheia ao amor conjugal. “O amor esponsal, e mais em geral a relação, nunca deve construir-se como um círculo fechado”, além disso, “a acolhida da vida não se pode pensar como limitada unicamente à concepção e ao nascimento. Se completa na educação dos filhos, no sustento que se oferece ao seu crescimento”.

O documento também recorda que “a acolhida da vida, assumir as responsabilidades em ordem à geração da vida e ao cuidado que esta requer, só é possível se a família não for concebida como um fragmento isolado, mas se perceber inserida em uma trama de relações”.

Nesse sentido, a Igreja está chamada a proclamar e ser testemunha da dignidade suprema da pessoa humana, “por isso, é preciso cuidar de modo particular da educação da afetividade e da sexualidade”.

Para isso, a relação aponta à necessidade de propor novamente a mensagem de Paulo VI em sua encíclica Humanae Vitae sobre o controle da natalidade.

Conclusão

Finalmente, o texto conclui que o desafio do Sínodo é “propor de novo ao mundo de hoje, em certos aspectos tão parecido ao dos primeiros tempos da Igreja, o atrativo da mensagem cristã em relação ao matrimônio e à família, destacando a alegria que dá, mas ao mesmo tempo dar respostas reais e impregnadas de caridade aos numerosos problemas que especialmente hoje tocam a existência da família. Destacando que a autêntica liberdade moral não consiste em fazer o que se sente, não vive só de emoções, mas se realiza somente adquirindo o verdadeiro bem”.

“Em concreto nos pede acima de tudo nos colocar ao lado dos nossas irmãs e irmãos com o espírito do bom Samaritano: estar atentos a sua vida, em particular estar perto daqueles aos que a vida feriu’ e esperam uma palavra de esperança, que nós sabemos que só Cristo pode nos dar. O mundo necessita a Cristo. O mundo também nos necessita, porque pertencemos a Cristo”, concluiu.


Espiritualidade


O QUE É ESPIRITUALIDADE?




      Atualizado em 26/11/2014




A vivência da sexualidade dentro do matrimônio.



A vivência conjugal dentro

do matrimônio cristão”.

Palestra para encontro de Casais.

Professor Felipe Aquino



AMOR-CONJUGAL[1]


Fundamentação Bíblica:

(Gênesis 1, 31). Deus contemplou toda a sua obra, e viu que tudo era muito bom.


Formação: Harmonia conjugal e sexual do casal cristão


Casal_amoroso



4. Respondeu-lhes Jesus: Não lestes que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse:  5Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne? 6. Assim, já não são dois, mas uma só carne. Portanto, não separe o homem o que Deus uniu.



A vida sexual do casal é importante para que marido e mulher se completem e sejam felizes. O despreparo nesse campo leva muitos casais à separação. O que falta na verdade, por parte dos casais, é o conhecimento exato do sentido e do fim da vida sexual.

A maioria das pessoas não recebeu educação sexual sadia e, muitas vezes, aprendeu sobre sexo de maneira inadequada: nos filmes, com a prostituta nas revistas pornográficas, com pessoas despreparadas ou, o que é pior, maliciosas… Não há legítima vida sexual sem a vivência do amor. Assim como você dá uma flor, um presente, um beijo, para manifestar o seu carinho à sua esposa, vocês se doam fisicamente para manifestar um ao outro o seu amor e se multiplicarem. Sem as dimensões unitiva e procriativa o sexo perde o seu sentido.

Hoje, mais do que nunca o sexo é vilipendiado, explorado, vendido e corrompido. A mulher se deixa usar e vender como simples mercadoria de consumo e de prazer. Basta olhar para os anúncios comerciais. Por causa de toda essa destruidora exploração sexual, muitos se casam com o objetivo quase exclusivo de obter sexo “oficializado” e permanente. Grande ilusão que rapidamente se desfaz. A vida sexual do casal, se não for manifestação intensa de todo o seu amor, em pouco tempo poderá ser motivo de desilusão e até de separação do casal. Conheço casais que, com menos de um ano de casados, já estavam desiludidos com a vida sexual. Para que o casal tenha um saudável ajustamento sexual, é preciso que vença três obstáculos: a ignorância, o medo e o egoísmo.

Antes de tudo, o casal deve se conscientizar de que o sexo é belo e legítimo no casamento, enquanto manifestação do amor conjugal. Não existe nada mais deplorável do que um casal que expõe seu relacionamento sexual aos amigos, como se isso fosse vantagem.

O ato conjugal só pertence ao casal e a sua intimidade deve ser inviolável. O que é válido no ato sexual do casal? Aquilo que é natural. (ou seja: aquilo que é realizado como a natureza dos corpos sugere)

É legítimo que o marido prepare a mulher com as carícias que ela precisa, o importante é que o ato sexual seja consumado de maneira natural, normal, com a possibilidade de estar aberto a uma nova vida.

O casal não precisa ir para um motel para viver bem a vida sexual; ali é um lugar de pecado (adultério e fornicação) e o casal cristão não pode frequentar esses lugares e fomentar a sua propagação.

São Paulo diz: “O marido cumpra o seu dever para com a sua esposa e ela da mesma forma também a esposa o cumpra para com o marido. A mulher não pode dispor de seu corpo: ele pertence a seu marido. E da mesma forma o marido não pode dispor de seu corpo ele pertence à sua esposa. Não vos recuseis um ao outro, a não ser de comum acordo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração e depois retornai novamente um para o outro, para que não vos tente Satanás por vossa incontinência” (I Cor 7,3-5).

São Paulo deixa claro a legitimidade e a importância da vida sexual no casamento. É interessante notar que ele diz que o corpo do marido pertence à mulher, e vice-versa; ele não diz que o corpo da namorada pertence ao namorado ou da noiva pertence ao noivo. Quantos jovens, no namoro brincam com o sexo e depois abortam o próprio filho!

Quantos maridos se emporcalham com as prostitutas e depois vêm trazer suas doenças venéreas para a esposa! Quantas crianças são abandonadas nos orfanatos pela irresponsabilidade de um ato sexual fora do casamento! Pegue o jornal e verá as conseqüências do sexo fora do casamento. E essa lista poderia ser mais ampliada ainda. Veja a Aids… Não se iluda: fora do plano de Deus, o sexo se torna um vício como outro qualquer, e como todo viciado é insaciável, também o marido viciado em sexo não se satisfará apenas com uma mulher.

Vivendo a vida sexual apenas com sua esposa você nunca terá a consciência pesada por ter prostituído uma mulher, ou gerado uma mãe solteira e um filho que não conhecerá o pai. Com a sua esposa, você nunca contrairá uma terrível sífilis, blenorragia ou cancro, e nem estará correndo o risco de levar um tiro por estar adulterando com a mulher do próximo.

Não é à toa que Jesus ensina a cortar o mal pela raiz, isto é, na intenção do olhar “Todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração” (Mt 5, 28). Se você deseja ser fiel a seu cônjuge, exercite desde já a fidelidade do pensamento e do olhar.

O leito do casal é o único lugar em que o sexo é vivido legitimamente. “Vós todos considerai o matrimônio com respeito, e conservai o leito conjugal imaculado, porque Deus julgará os impuros e os adúlteros” (Hb 13,4).

É necessário um verdadeiro aprendizado para o ajustamento sexual do casal. Como em tudo, o sexo na mulher é diferente do sexo no homem, e ambos se completam. Um amigo meu dizia que o homem é como o “fogão a gás”, a qualquer hora se acende rapidamente, enquanto a mulher é como o “fogão à lenha”, gasta mais tempo e paciência para ser aceso. Deus quis assim com a Sua sabedoria e amor.

O impulso sexual no homem é vulcânico e estimulado pelo olhar, enquanto que a mulher reage a atos, a palavras gentis e às carícias. As emoções da mulher são menos eruptivas que as do homem, mas, depois de algum tempo, são igualmente intensas e têm a capacidade de “queimar” durante mais tempo e de alcançar o clímax mais devagar, extinguindo-se mais lentamente.

Agora quero falar a você, esposa. A frigidez, na maioria das vezes, é de origem psicológica. Por um processo de reeducação, você pode aprender a vencer suas inibições. Você precisa afastar de sua mente qualquer preconceito prejudicial ou que a leva a considerá-lo como algo mau. Por causa da reação negativa da esposa, muitos maridos acabam caindo nos braços de outra mulher. Não destrua o seu casamento por causa do comodismo e má vontade.

Nos dias em que você não tem realmente condições para o ato sexual, seja franca e diga a seu marido, mas não se negue a ele constantemente. Saiba conversar com ele francamente sobre esse assunto. Se você sentir que seu relacionamento se torna apenas uma obrigação, sem alegria, procure a orientação de um conselheiro cristão. Deus tem coisas melhores para você.

Agora gostaria de falar um pouco a você, marido. Uma coisa que você precisa exercitar é o autocontrole, no esforço de tornar verdadeiramente profunda e enriquecida a sua relação conjugal. Você pode obter satisfação física de forma bem simples, mas se a sua esposa não experimentar essa satisfação, então o seu casamento não alcançará o ajustamento. As mulheres reagem ao sentimento carinhoso e às palavras gentis. Inicie a preparação do ato conjugal desde o café da manhã, manifestando o seu amor pela sua esposa. Ao chegar do trabalho, não deixe de cumprimentá-la com um beijo carinhoso. O ato conjugal é preparado durante todo o dia. Há maridos que maltratam as esposas durante o dia todo e à noite querem ter um perfeito ato conjugal com ela. É claro que ela vai dizer não. Lembre-se: o sexo é manifestação do amor. Procure levar sua esposa em vez de somente satisfazer seus próprios desejos. À medida que você a satisfizer criará nela um maior desejo pelo ato e assim, ao dar amor, você receberá amor de volta. Prepare pacientemente sua esposa para o ato conjugal. Enquanto ela não manifestar que está preparada, não concretize o ato. Depois, não se apresse em se afastar dela. Para ela, faz parte da satisfação a proximidade física com o marido.

O importante é lembrar sempre que o ato conjugal é a celebração do amor. Sem uma vida amorosa, um casal nunca terá harmonia sexual. Na liberdade do amor tudo poderá ser vivido, respeitando-se a natureza, a dignidade do outro e a lei de Deus.



Professor Felipe Aquino



Um Casal em Harmonia só terá Alegrias mesmo nas Dificuldades e muitos motivos para comemorar a Felicidade da sua Família.


harmonia - Dinner_couple

HARMONIA

CONJUGAL

E SEXUAL


TEMAS COMPLEMENTARES AO TEMA ANTERIOR


As duas Faces do Amor.

Experimente clicar nestes Link’s Abaixo.


Sexo entre quatro paredes

vale tudo?


Matrimônio

no desígnio de Deus.


Não se Ama

Quem não se Conhece.





A Vivência do Sacramento do Matrimônio.


A VIVÊNCIA DO SACRAMENTO

DO MATRIMÔNIO.

Tema preparado para apresentação em encontro de Casais.


Vivencia_matrimonio


Trabalhar a vivência do Matrimônio é muito importante para o fortalecimento do convívio do casal ajudando no aperfeiçoamento do Amor e a superação de todas os desentendimentos, intrigas, problemas e dificuldades do casamento no dia a dia.


O Sacramento do Matrimônio é Indissolúvel.

A nossa preparação deve ser planejada para um futuro distante e não apenas para uns dias de férias da minha vida antiga, é um passo sem retorno e que o nosso futuro dependerá de cada atitude que tomarmos a partir de agora.

(Dinâmica Opcional 1) *

(C.I.C. 1614). Na sua pregação, Jesus ensinou sem equívocos o sentido original da união do homem e da mulher, tal como o Criador a quis no princípio: a permissão de repudiar a sua mulher, dada por Moisés, era uma concessão à dureza do coração (119): a união matrimonial do homem e da mulher é indissolúvel: foi o próprio Deus que a estabeleceu: «Não separe, pois, o homem o que Deus uniu»         (Mt 19, 6).


Indissolubilidade_matrimônio


- 21. Sujeitai-vos uns aos outros no temor de Cristo.

22. As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor, 23. pois o marido é o chefe da mulher, como Cristo é o chefe da Igreja, seu corpo, da qual ele é o Salvador. 24.Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. 25.Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela, 26. para santificá-la, purificando-a pela água do batismo com a palavra, 27. para apresentá-la a si mesmo toda gloriosa, sem mácula, sem ruga, sem qualquer outro defeito semelhante, mas santa e irrepreensível. 28. Assim os maridos devem amar as suas mulheres, como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo. 29. Certamente, ninguém jamais aborreceu a sua própria carne; ao contrário, cada qual a alimenta e a trata, como Cristo faz à sua Igreja 30. porque somos membros de seu corpo. 31. Por isso, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois constituirão uma só carne (Gn 2,24). 32. Este mistério é grande, quero dizer, com referência a Cristo e à Igreja. 33. Em resumo, o que importa é que cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.        (Efésios 5, 21 a 33) 


O Sacramento do Matrimônio começa no altar na solenidade do Casamento da Igreja.

É quando dizemos “SIM” um ao outro.

É quando livremente declaramos que desejamos viver um com o outro por toda a vida, na alegria e na tristeza, nos momentos bons e nos momentos difíceis.  Naquele momento solene, revestido de muita pompa se dá o começo de nosso casamento.  Ele vai durar a vida toda, pois é indissolúvel e sua continuidade é fundamental.

JOÃO PAULO II NA CARTA AS FAMÍLIAS

Diz que: “A Família é o Santuário da Vida.”

SANTUÁRIO SIGNIFICA LUGAR DE DEUS, LUGAR SAGRADO.

É neste ambiente que surge o casal, não mais homem e mulher, mas um casal, uma só carne que deve crescer e multiplicar-se.   O crescimento pertence aos dois, ambos devem cooperar um com o outro para que atinjam uma maturidade capaz de produzir de maneira estável a felicidade um do outro.

A vida humana surge como de uma nascente sagrada e é cultivada e formada.

Tem continuidade ao longo do futuro através das sucessões familiares.

O Concílio Vaticano II, na constituição Dogmática sobre a Igreja, começa dizendo no N. 11 que Ela é o povo de Deus, e declara que a Família é a Igreja Doméstica.

ISTO SIGNIFICA:

“LUGAR ONDE DEUS RESIDE, É ADORADO, AMADO E SERVIDO.”

“A Salvação da pessoa e da sociedade humana estão intimamente ligadas à condição da feliz comunidade conjugal e Familiar”.

A FAMÍLIA SE CONSTITUI O FUNDAMENTO DA SOCIEDADE.

Jesus habita de maneira muito especial na Família Cristã nascida e vivenciada no Sacramento do Matrimônio.  Ele revela muito bem sua presença no evangelho das Bodas de Caná da Galileia.  Quer estar com a Família ajudando-a a vencer todos os desafios de falta de vinho, isto é, o que faltar para a alegria e a felicidade plena de um casal.

Deus quando os criou homem e mulher à sua imagem e semelhança Ele os quis em Família onde impera o amor.

O ser humano é semelhante a deus na medida em que desenvolve a capacidade de amar seu semelhante, a começar pelo seu próximo mais próximo que no Matrimônio Cristão é o seu conjuge.

Criou todos os seres dotados de tudo, somente o homem, no sexto dia Ele afirmou, “CRESCEI E MULTIPLICAI, DOMINAI A TERRA.” Homem e mulher são chamados a continuar a obra de Deus, a construção mútua e do universo.

O ser humano possui a capacidade de criar, não só de seus filhos, mas de si mesmos.

Ao final deste encontro já teremos uma consciência nítida que temos uma tarefa nova e gostosa pela frente.  Devemos cultivar nosso amor e construir o Reino de Deus em nosso lar.

Temos um campo bem definido de atuação, que é nossa casa no âmbito familiar, se cada lar for um jardim de felicidade, o mundo seria exuberante, a beleza e a paz alimentarão todos os corações.  esta tarefa deve ser feita por uma livre escolha de cada um.

Nossas obrigações conjugais e familiares instintivamente devem ser prazerosas e plenas de realização.

O catecismo da Igreja Católica diz que a Família é “O VESTÍGIO E IMAGEM DA COMUNHÃO DO PAI DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO. SUA ATIVIDADE PROCRIADORA E EDUCADORA É O REFLEXO DA OBRA CRIADORA DO PAI”.

Isto mostra que a Família é a unica imagem de Deus Trindade esculpida por Ele.  Não é uma imagem estática, mas dinâmica e viva como Deus é VIVO  e Dinâmico. DEUS não criou e abandonou sua obra, Ele continua agindo e nos faz seus cooperadores, responsáveis pela continuação de sua obra pelo seu aperfeiçoamento. Desde o começo da humanidade existe a família e ninguém jamais pode ou poderá destruir, pelo fato de que ela é Divina e foi instituída por Deus.  Como ensina o catecismo da Igreja Católica, “A FAMÍLIA É A CÉLULA ORIGINÁRIA DA VIDA SOCIAL.” É a sociedade natural na qual o homem e a mulher são chamados ao dom de si no amor e no dom da vida”.



A Família é o eixo da humanidade, é a sua pedra angular.

“O FUTURO DA HUMANIDADE PASSA PELA FAMÍLIA.”

É na família que pais e filhos devem encontrar a felicidade.

Quem não experimenta o amor na família será difícil encontrá-lo noutro lugar.

É na família que desde a infância se assimilam os valores morais, a forma de conduta e a hierarquia de valores.

É na família que as crianças devem aprender a amar a Deus, a respeitar a seus pais, a usar sua liberdade de dentro dos limites da disciplina familiar.

É na família que os filhos aprendem a se valorizar por ter uma obrigação, um dever a cumprir, exercícios escolares a realizar.

Quando os filhos crescem nunca se esquecem dos preceitos familiares nem dos conselhos de seus pais, mesmo que os testem na adolescência e se afastem deles por algum tempo.

Os valores humanos e evangélicos plantados uma vez no coração das crianças, não morrem, mesmo que eles aparentemente os reneguem, uma força interior os conduz para a justiça e para o desejo de amar e ser amados.

A nossa espiritualidade de casados, não é a de Padres e freiras celibatários. nossa espiritualidade própria envolve os dois, não pode ser individual.   deus nos confiou uma tarefa comum, que devemos cumprir a dois.

Precisamos cimentar o nosso amor no AMOR de DEUS. Quanto mais nos amarmos um ao outro mais estamos amando a Deus e nossas brigas, desentendimentos, rancores e falta de perdão com toda certeza são ofensas a Deus.  Nossa infidelidade conjugal é também infidelidade a deus. Somos encarregados de fazer com que o mandamento do amor seja posto em pratica, a partir da nossa casa.

A oração do casal é fundamental, precisamos rezar juntos.

A experiência que temos com casais mostra que eles tem uma profunda dificuldade para rezar juntos. Alguns rezam até demais, individualmente. Há casais que rezam cada um para o seu lado.

Todos os dias precisamos oferecer a Deus nosso trabalho diário, nossos filhos, nossos problemas e pedir que Ele nos ajude a cumprir sua vontade ao longo do dia.

Há muita gente que procura por uma oração forte, mas asseguro a você que não existe uma oração mais forte do que o casal que reza junto, sabem porque? É Jesus que reza ao Pai unido ao casal e pede ao Pai juntamente com os dois, conforme prometeu em (São Mateus 18, 19-20) “ONDE DOIS OU MAIS ESTIVEREM REUNIDOS EM MEU NOME EU ESTAREI NO MEIO DELES”.

Nosso amor conjugal precisa crescer cada dia e o caminho para que isso aconteça consiste no dialogo e perdão. Sem dialogo meus amigos não conheceremos um ao outro E NINGUÉM AMA A QUEM NÃO CONHECE, ficamos imaginando cousas que não são verdadeiras e nos afastam mais um do outro. O diálogo precisa ser humilde, verdadeiro, construtor.  Temos um belo exemplo de diálogo na Bíblia em (São João 4) quando Jesus fala com a Samaritana no poço de Jacó.

O PERDÃO

Não precisamos falar, todos sabem pela sua experiência de casados que Ele reconstrói e restaura nossa casa e sem Jesus o nosso castelo de areia desaba.

O amor definha na medida em que não oferecemos o perdão do mesmo modo como as plantas secam por falta d’água.

Quantas vezes perdoar, minhas amigas e meus amigos?

Qual foi a resposta de Jesus a São pedro?

Pedro perguntou ao Mestre se poderia perdoar até sete vezes.

Jesus respondeu enfaticamente, não apenas sete vezes apenas, mas setenta vezes sete todos os dias. isto significa: SEMPRE, SEMPRE SEMPRE.

Há, já perdoei duas vezes, agora ele vai ver o que é bom, vou me vingar.

As vezes dizemos isso. sem deixar de rezar o Pai nosso “

PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS …

Amigas e amigos se há algo muito importante para a espiritualidade conjugal, são os nossos corpos. Saíram das mãos de Deus que nos fez homem e mulher, atraídos um pelo outro e desejosos de se darem um ao outro.

A felicidade mais parecida com a do céu é a do orgasmo.

Deus quer que experimentemos uma amostra grátis da felicidade celestial. Como é bom estarmos junto, como faz bem nos doarmos um ao outro sem reservas e sem pensar em outro ou outra.

Nós precisamos aperfeiçoar nossa relação sexual. Ela não começa na hora que a gente entra no quarto e inicia a se despir.

Ela começa pela manhã quando acordamos e damos um bom dia bem alegre ao nosso cônjuge.

Devemos agradecer a Deus por termos ao nosso lado a fonte de nossa alegria  e felicidade que é o nosso cônjuge e manifestar um ao outro toda ternura, respeito e atenção.

A mulher é fisiologicamente diferente do homem, seu sexo é mais difuso em todo o corpo e é mais lento nas relações. NAS REAÇÕES. Enquanto que o homem tem um processo mais rápido, por esta razão ele deve procurar sintonizar com as relações dela para que sejam bem sucedidos.

Faz parte de nossa espiritualidade conjugal nosso bom desempenho no sexo, fazendo seu parceiro e parceira felizes.

Como dizia um certo Padre com experiência com casais, depois de uma noite bem sucedida vocês têm mais ânimo e coragem para a labuta, sofrimentos e canseiras do dia a dia.

Amigos e amigas, certamente levamos muitos bons propósitos deste Encontro com Cristo.

Nossa lua de mel mais consciente de nosso matrimônio vai recomeçar a partir de hoje melhor do que da primeira vez.

Mas queremos alertar a vocês de uma coisa verdadeira que nos poderá atrapalhar logo mais e nos decepcionar um com o outro.

É que somos pecadores  e como tais precisamos da ajuda dos irmãos. precisamos de uma equipe de casais para nos ajudarem na caminhada a refazer nosso entusiasmo e nossos bons propósitos.

Falamos disto com muita experiência pois há muitos anos nos reunimos com a mesma equipe de espiritualidade conjugal e caminhamos para Deus todos juntos.

Não abandonem   sua equipe. Ela é a garantia de seu sucesso daqui para frente. Na sua equipe você vai viver em comunidade, sendo uma célula viva da Igreja de Cristo.



A Pastoral Familiar no Brasil.


Deus Uniu

“Superar os momentos difíceis é sabedoria…Viver os momentos felizes é uma arte.Que a felicidade a dois continue sendo o objetivo principal de suas vidas. Que a caminhada seja longa repleta de amor e compreensão. ”Que Jesus continue sempre presente realizando o milagre do vinho novo nos momentos mais Difíceis da Vida.Nossos Votos de Muitas felicidades.


3.    O CASAL CRISTÃO NO MUNDO DE HOJE.


Dinâmica do Café com Leite:

Indissolubilidade do Matrimônio



Dinâmica da Pipoca

Pipoca sem Sal não tem Sabor

SAL DA TERRA


      Atualizado em 10/05/2012




Encontro de Casais com Cristo_ECC


CHEGOU A HORA DA FAMÍLIA.


Família, torna-te o que és!


.nas_Mãos_de_Deus


     Torna-te o que és! Foi o que disse, certa vez, o poeta pagão Píndaro acerca do homem. Do ponto de vista lógico, a afirmação de nosso poeta seria uma contradição, porque ninguém pode vir a ser o que já é. Se já sou um ser humano, não posso vir a sê-lo.

Na verdade, a percepção refinada do poeta traduz algo mais profundo. Mesmo que sejamos seres humanos desde o nascimento, podemos admitir que, aos nascermos, ainda não somos seres humanos em plenitude, pois, não temos uma identidade. Somos apenas seres abertos ao vir-a-ser humano. Este era o conselho do poeta: construa sua identidade, ou seja, torna-te de fato o que já és como possibilidade.

O fenômeno da família, no qual se insere o homem, decorre do fato de que o ser humano surge para a vida numa situação de desamparo e, por isso, está necessariamente referido a outro. Existem seres vivos que são autônomos desde os primeiros momentos de sua existência, o que pode ser observado fartamente na natureza animal. Ao contrário, um ser humano recém-nascido demanda uma série de cuidados para poder sobreviver e levar adiante seu próprio desenvolvimento até a maturidade.

Surge assim uma relação entre uma nova vida, que ainda não tem a consciência de sua própria existência, e uma outra em andamento, representada pelos pais, cuja função é a de facilitar o advento das capacidades que resultem necessárias das circunstâncias vitais e históricas, as quais estão delimitadas por um arco de tempo que, normalmente, encerra-se no momento em que aquela nova vida alcança sua independência existencial.
Essa independência costuma surgir com a conquista de uma profissão. Mesmo assim, o processo familiar não cessa, porque o elemento de potencialidade interior no ser humano é essencialmente maior do que nos animais irracionais: nestes seres, os limites de possibilidade e de realidade alcançam rapidamente sua descoberta, causando a impressão de já estarem predispostos em sua própria natureza. No ser humano, a situação é completamente diversa.

Como resultante da importância dessa dimensão familiar, nós, como homens e mulheres, devemos nos debruçar sobre o estado da arte familiar nos dias atuais. Há algumas décadas, pude escutar dos lábios de João Paulo II, que havia chegado para toda civilização ocidental a “hora da família”. Mais do que assinalar as respostas que a ideia contemporânea de família — na maioria das vezes, endossada normativamente pelo Direito — nos propõe como solução para o período de transição da modernidade para a pós-modernidade em que vivemos, é imprescindível demonstrar como a família pode ser uma primordial e insubstituível protagonista das mudanças radicais que nossa sociedade reclama no alvorecer do século XXI.

Ao analisarmos as relações entre a família, como ente social, e seu atual entorno histórico-existencial, esboça-se uma atitude defensiva, porque a instituição familiar vem sendo submetida a um progressivo processo de deterioração de suas bases ontológicas a partir de vários campos do saber. A família está cercada em seus últimos redutos, por todos os lados, com pouca munição, pessoal e moral abalados.

Não nos estranha, pois, essa postura defensiva, muito semelhante à dos Aliados no cerco a Bastogne, a fase mais aguda da famosa batalha das Ardenas, travada no teatro europeu da última guerra mundial. Entretanto, agora, é a hora da família. É a vez de sair de sua postura defensiva para um protagonismo amavelmente ofensivo, em virtude, justamente, dos bens e deveres em jogo para o futuro da humanidade.

E, também, porque o verdadeiros aventureiros das trilhas de nosso confuso e belo mundo são os pais de família. Tudo no mundo moderno está organizado contra esses loucos que se atrevem a ter filhos. Os pais de família estão abertos ao mundo de seus filhos. Só eles sofrem pela prole e esgotam o sofrimento temporal. Aqueles que nunca tiveram um filho enfermo não sabem o que é a enfermidade. Aqueles que nunca perderam um filho não sabem o que é a dor. E tampouco sabem o que é a morte.

A família constitui, ao cabo, a fonte da civilização do amor, na feliz expressão cunhada por Paulo V. A família como motor de uma verdadeira e fecunda revolução social é a missão que nos incumbe diante das portas do terceiro milênio de nossa história. Afinal, como já lembrava João Paulo II, “tal é a família, tal é a nação, porque tais são seus membros”. Então, parafraseando nosso poeta pagão, se a família deve ser o centro e o coração da civilização do amor, família, torna-te o que és! Com respeito à divergência, é o que penso.

André Fernandes



      Atualizado em 22/07/2014





Semana Nacional da Família – 2014.


Meditações sobre os temas do livrinho da

Campanha Nacional da Família de 2014

Tema central:

“A Espiritualidade cristã na Família:

um casamento que dá certo”.

De 10 a 16 de Agosto de 2014


Familia_401


Click nos Link’s em azul para abrir outro post:


 1º Encontro:

A Espiritualidade cristã na Família.

Indicações para estudo:

O Link Acima fala de uma visão geral sobre o tema incluindo parágrafos sobre os outros temas abaixo:


2º Encontro:

“A Prática espiritual do casal/família:”

Comunhão e Fidelidade

Indicações:

1 – Matrimônio no desígnio de Deus.

 2 – O primeiro Milagre de Jesus foi totalmente dedicado ao Matrimônio.


 3º Encontro:

“Família de Nazaré” ,

Modelo de Espiritualidade pela Confiança e Obediência

Indicações complementares:

1 – Fé nos Revezes da Vida.

2 – O Plano de Deus.

3 – A Família Segundo a Bíblia.

A Graça da Família.

A proposta de Deus para as Famílias de Hoje.


4º Encontro:

“A Eucaristia Dominical”: Expressão maior de Espiritualidade.

Indicações:

1 – A Paróquia e a Formação de Valores na Família.

A Família Conduzida pelo Espírito Santo.


 5º Encontro:

“A Religiosidade e Piedade populares

no exercício da espiritualidade Cristã”

Indicações:


6º Encontro:

Família, Igreja Doméstica:

Lugar especial de Espiritualidade Cristã”

Indicações:

1 – ESPIRITUALIDADE CONJUGAL E FAMILIAR. COMO VIVÊ-LA?

2 – A ORAÇÃO EM FAMÍLIA

3 – Reflexões para a Semana Nacional da Família.

4 – Família e Virtudes Sociais.

A família que reza unida, permanece unida.

Em 2013 – “família Geradora de Uma Sociedade Justa e Fraterna


 7º Encontro:

Desafios para a Espiritualidade Cristã na Família pela Comunhão”

Indicações:

DIFICULDADES E OBSTÁCULOS PARA UMA VIDA DE ORAÇÃO EM FAMÍLIA

ESPIRITUALIDADE CONJUGAL E FAMILIAR. COMO VIVÊ-LA?

1 – Manifesto para criação do ministério da família.


110

 A Espiritualidade

Cristã na Família.

Texto completo


Hora_da_família_2_2014


1_1_20140205201456[1]

Semana Nacional da Família.


Hora da Família 18 – 2014

“A Espiritualidade cristã na Família: .     .um casamento que dá certo”.


Jesus Jesus



Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 69.889 outros seguidores