Benefícios de uma Missa de Cura e Libertação.



Toda Santa Missa pode ser chamada de Missa de Cura & Libertação, sempre foi assim e sempre será, pois Deus enviou o seu Filho ao mundo não para condená-lo e sim para Salvar e resgatar as pessoas feridas e necessitadas de libertação.


(São João 3,17) – (São Lucas, 19,10)



missa_de_cura_e_libertacao


Até pouco tempo atrás não era comum ouvir este termo “MISSA DE CURA & LIBERTAÇÃO” ou esta especificação para uma simples Santa Missa que participamos todos os Domingos, porém nesses últimos anos tem ficado cada vez mais comum encontrarmos convites e cartazes que anunciam o dia e hora que será celebrada uma Santa Missa especial direcionada ao objetivo de curar e libertar as pessoas apesar de ser VERDADE o fato de que toda Santa Missa teria sempre esse mesmo objetivo.


Missa por Cura e Libertação – 19/02



Missa de cura por libertação missa

Como dissemos anteriormente, Jesus tinha como parte de sua missão neste mundo libertar as pessoas da opressão do inimigo de Deus e em muitas passagens bíblicas fica demonstrado claramente que foi assim que Ele agiu quando curou diversos enfermos, perdoou pecados imperdoáveis e expulsou o demônio de diversos oprimidos pelo mal.   Faz parte da missão de seus Discípulos e de nós que também cremos em suas palavras “expulsar os demônios em nome de Jesus, falar novas línguas, manusear serpentes e, se imporem as mãos nos enfermos eles ficarão curados.” (São Marcos 16,17-18), logo não seria nenhuma novidade falar e celebrar uma Santa Missa que teria por objetivo Curar os enfermos e Libertar os oprimidos pelo mal que nos leva ao pecado e à morte.


Toda ação provoca uma reação:


Não é comum em nossos dias encontrarmos pessoas que possuam o Dom de curar os enfermos também não é fácil exercer o ministério de orar  por Libertação tanto que para isso Jesus escolheu e preparou seus Discípulos durante três anos e meio.

Quando Jesus curava e libertava as pessoas também não era comum, aliás era muito mais estranho do que hoje, pois hoje sabemos que “TUDO É POSSÍVEL AO QUE CRÊ NO NOME DE JESUS”  (São Marcos 9,23São João 11,25-26), pois assim Jesus nos garantiu com sua palavra.

Naquele tempo muitos enfermos, doentes do corpo e da alma iam atrás de Jesus por toda parte buscando solução para seus problemas, foi de onde surgiu a conhecida frase “Quem não vem a Jesus por AMOR virá pela dor!”, afinal é a maior verdade que quase 100% daquela multidão que seguia Jesus não o seguiam pelo amor que tinham a Deus e sim pela necessidade do seu próprio corpo físico, seja por dor física ou peso na consciência.

Quando alguém recebia curas milagrosas também não era difícil encontrar incrédulos mesmo que tal cura tenha ocorrido em publico com diversas testemunhas (São João 9), mesmo quando os olhos enxergavam e presenciavam os milagres de Cura Divina, mesmo assim preferiam duvidar que realmente teriam acontecido buscando justificativas alternativas para explicarem o inexplicável, por isso Jesus lhes disse que “Os Piores cegos são aqueles que preferem não ver fechando seus olhos para a verdade” (São João 9).

A vontade de Deus e seu AMOR por nós não alteraram apesar de tantos anos terem se passado e como Jesus curava e Libertava as pessoas em nome de Deus Ele espera que nós façamos o mesmo ao seguir sua vontade e seus planos nos dias de hoje.

Assim também sabemos que toda ação neste sentido de fazer esta vontade de Deus causará a mesma reação nas pessoas neste tempo de hoje.

Haverão aqueles que não acreditam, duvidam e até combateriam as ações de Cura e Libertação seja particularmente, nas praças e ruas da cidade, em um encontro CARISMÁTICO e ou em uma Santa Missa de Cura & Libertação, porém o inverso também se faz real e as pessoas vão em massa ao encontro dos momentos e lugares onde Deus age curando e libertando as pessoas e é por isso que as Missa de Cura e Libertação permanecem sempre lotadas, porque não existe ninguém nesta terra que não necessite do grande Amor de Deus e de sua graça em suas vidas.


fachada_banner_missa_de_cura1


“Pois o Filho do Homem veio procurar e salvar

o que estava perdido.”   (São Lucas 19,10)


Duvidas, perguntas & Respostas!


Devido ao fato de ser novidade para muitos estas palavras podem ocorrer muitas dúvidas principalmente quando participarmos de uma Santa Missa de Cura e Libertação e sermos testemunhas oculares dos milagres que Deus opera também nos dias de hoje, isto porque a reação das pessoas podem ser diversas e estranhas aos nossos olhos, porém para cada pergunta existe uma resposta e não tenham medo de buscar a verdade em Deus para que Ele possa agir cada vez melhor em sua vida e resgatar tantos enfermos neste mundo que ainda não experimentaram o grande amor de Deus.


Uma resposta:


Por que pessoas se sentem mal, sentem dores estranhas e até vomitam quando participam de Missas de Cura e Libertação ?


A resposta correta para esta pergunta pode ser longa, pois teria que observar diversos aspectos da vida íntima, presente e passada da pessoa em questão, sendo assim precisaria de um acompanhamento particular em cada caso auxiliado por pessoas conhecedoras do assunto, porém sabemos que o Ministério de Cura & Libertação tanto dentro da RCC como fora dela ainda esta em plena formação e nem sempre encontramos pessoas totalmente aptas para acompanhar esses casos em todos os lugares.

Com o surgimento das Missas de Cura & Libertação abertas ao público Católico, principalmente para pessoas que nunca tiveram acesso à graça de Deus anteriormente causa efeitos novos que exigem a formação de pessoas para atuarem nestas Missas assim como Jesus tinha seus Discípulos que o auxiliavam em suas pregações acolhendo as pessoas que se sentiam mal levando-as até a presença de Jesus que as curava integralmente.


Sintomas:


Podem ser diversos os sintomas que ocorrem em pessoas com problemas sejam eles simples dores de cabeça comuns, peso na consciência provenientes de pecados não confessados e ou opressão do inimigo em seu grau de maior ou menor gravidade.

Cabe a esta equipe preparada discernir em cada caso e dar prosseguimento à cura em cada um deles, porém o que mais ocorre são pessoas esconderem seus sintomas e não os manifestar naquele momento ou então as pessoas que estão à sua volta perceberem naquele momento e não participarem da solução daquele caso e assim surgem dúvidas que merecem a nossa atenção.

É comum acontecer em momentos de cura a exteriorização e manifestação do problema que está sendo curado ou seja, se alguém tem uma dor de cabeça crônica aquela dor se manifesta e desaparece para que fique demonstrado que aquela dor não existirá mais, por outro lado se o problema é espiritual e não físico pode ocorrer sintomas de expulsão física  “expulsão para fora do corpo de algo que está lhe prejudicando” mesmo que este algo não seja físico, assim é comum ter ânsia de vômito, pois o vômito é uma reação automática de expulsão de seu corpo de alguma coisa que lhe faz mal e em casos mais graves não só ocorre ânsia de vômito como o mesmo pode ser real e até apresentar coisas físicas que jamais foram ingeridas pela pessoa, isto explica que a pessoa está se libertando de algo que lhe faz mal e prejudica ou seja aquela coisa que é física ou não agora não está mais dentro de você e não pode mais lhe atingir ou fazer qualquer mal.

Neste caso podemos dizer que aquele que expele de dentro de si algo que lhe faz mal, agora está livre da causa  de seu mal e neste caso as pessoas precisam e devem ter acompanhamento para que permaneçam libertas daquele mal e não venham a reingerir o seu próprio vômito assim como São Pedro nos relembrou certa vez.

“Melhor fora não terem conhecido o caminho da justiça do que, depois de tê-lo conhecido, tornarem atrás, abandonando a lei santa que lhes foi ensinada. 22. Aconteceu-lhes o que diz com razão o provérbio: O cão voltou ao seu vômito (Pr 26,11); e: A porca lavada volta a revolver-se no lamaçal.” (2 Pedro 2,21-22).


Se você tem alguma dúvida diferente desta, deixe aqui nos comentários abaixo e procuraremos dar uma resposta.



https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg?w=130&h=120
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120 Miguél Arcanjo

 


Deus consola nossas lágrimas.


Jesus nos consolou e nos deixou o Espírito Santo como um consolador eterno.


“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique eternamente convosco.” (S. João 14,16)



São Paulo nos diz em :

Bendito seja Deus, o Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, O Pai das misericórdias, Deus de toda a consolação, que nos conforta em todas as nossas tribulações, para que, pela consolação com que nós mesmos somos consolados por Deus, possamos consolar os que estão em qualquer angústia! 

(2 Coríntios 1,3-4)



jesus_consolador


Muitas vezes, num momento de dor, dificuldade, por uma enfermidade, perda, sofrimento, nós acabamos chorando. Alguns choram de alegria, outros de tristeza ou num momento de fraqueza. São muitas as situações em que lágrimas brotam de nossos olhos.

Jesus também chorou (João 11-35). E é Ele quem vem nos consolar diante de nossas lágrimas. As vezes, choramos escondidos, nos sentindo arrependidos, culpados por alguma coisa. Quando o mundo nos abandona, nosso Pai fica conosco, para enxugar nossas lágrimas e nos dar a alegria do Seu amor. Bem aventurados os que choram, pois serão consolados (Mateus 5,4).

Choramos de dores físicas, de depressão, por carência, por medo, por insegurança, dificuldades, saudade, tristeza, arrependimento e por muitos outros motivos. Mas seja qual for a razão dessas lágrimas, o Senhor está ao nosso lado. Chore e entregue suas lágrimas e sua vida a Deus. Ele é nossa força na tribulação.

Lágrimas de Curam.

Quando choramos colocamos para fora as angústias, os medos e tudo que está nos afligindo. O choro é uma forma de dizer o que estamos sentindo e revelar nossa fraqueza. Porem em Cristo não paramos na fraqueza. Como nos ensina Paulo, “quando sou fraco é que sou forte”.

No romper da nossa fraqueza, Deus cura nosso coração. As lagrimas muitas vezes são reflexo da cura que está acontecendo dentro de nós. Quando contemplamos a ação de Deus e só as lágrimas podem explicar o alívio de ser curado. Quando choramos lágrimas de cura, não choramos de dor, mas de alívio. A dor ja foi vencida, mas precisa sair para fora. Libertar o que está dentro de nós e permitir que o vazio seja preenchido por Deus.

Pela ação do Espírito Santo, o consolador, o Senhor vem nos curar interiormente. Quantas vezes diante de Deus, sentimos o arrependimento de nossos erros, de nosso passado e pedimos ao Senhor que nos cure de nossas fraquezas, nos ajude em nossas dificuldades e nos liberte.

A perda de alguém que amamos também nos faz chorar.

É inevitável as lagrimas diante da morte de uma pessoa especial para nossa vida. Choramos diante da perplexidade da perda e de saudade de quem partiu assim como Jesus chorou por Lázaro. Nos momentos em que o mundo parece desabar, o Senhor esta ao nosso lado. Quem partiu vai ao encontro de Deus e Deus vem nos dar forças para superar esses momentos.

Nós cremos na vida eterna. Por isso, certos de que quem partiu foi para junto de Deus, só cabe a saudade pois sabemos que ao final da caminhada de quem morre, este está na eternidade, contemplando a face de Deus. Com o coração apertado pela ausência, precisamos ser fiéis e seguir caminhando para também irmos para junto de Deus.

O Pai sabe a razão de cada lágrimas de seus filhos.

Deus vem nos acalmar, trazer a paz e o amor, a cura e o perdão. Deus quer nos ver felizes, sorrindo. Mas por muitas vezes o mundo nos faz sofrer. Precisamos segurar firmes na mão de Deus. O Senhor vai nos consolar, Ele não nos abandona em nenhum momento.

Sempre que chorarmos, devemos louvar o Senhor. Jesus é o consolo dos aflitos. Quem chora e espera em Deus, logo verá suas lagrimas de tristeza serem transformadas em lágrimas  de alegria. É o Amor de Deus que vem trazer a felicidade e a paz ao nosso coração.


“O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.”
(Salmo 30,5) ou (Salmo 29,6).


Num momento muito difícil da minha vida, o salmo acima foi a voz de Deus me acalmando. Este belíssimo versículo da Bíblia mostra a certeza e a confiança de que o sofrimento vai passar. É uma oração de confiança, onde não se pede para sair do sofrimento, todavia, já temos a certeza que Deus nos faz vencedor. É uma questão de tempo – no caso o tempo é ilustrado pela noite e manhã – mas na prática, significa que precisamos esperar em Deus, fortes e fiéis. Não se trata de tempo cronológico, mas a esperança de que vai chegar a vitória ! Que assim como o salmista tenhamos a graça de num momento de lagrimas de ir alem da súplica e com serenidade ter a  convicção de logo a alegria será plena, por pior que seja a situação.


Quem Me Segurou Foi Deus


Diacono Nelsinho Correia – Comunidade Canção Nova.







Extase_cume_da_oracao Alimento_Espiritual_Autêntico Repouso_no_Espírito_2
Experiência_com_Deus Aspirais_aos_Dons_Espirituais Vem_Espirito

Dinâmica do copo com água suja.




〈 A CURA TOTAL DO PECADO 〉





EXPERIÊNCIA QUÍMICA – MÁGICA

DEMONSTRAÇÃO DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL



Material:

Água, (CLORO) água sanitária e iodo (Vende nas drogarias).

Desenvolvimento:

Mostre o copo com água (meio copo) e fale que ali somos nós quando Deus nos criou , livre do pecado , puros..

– Misture o iodo com a água e diga:

– Ai um dia nos afastamos de Deus e ficamos cheios de pecado (a água ficará escura).

– Pegue um pouco de água sanitária e derrame sobre o recipiente com iodo ( que estará escuro) e depois de derramar o liquido voltará a ficar transparente como água !

(É MÁGICO) e diga que um dia a gente conhece alguém que nos leva para conhecer a Jesus e somos transformados e renovados por Deus e voltamos a ser como ele nos criou!

Moral:

Mostrar que Deus nos dá uma nova vida ( 2 Corintios 5,17 )

OUTRA OPÇÃO:

Coloque três copos em cima da mesa.

Copo 1 = [VOCÊ] = Meio copo de água PURA;

Copo 2: = [PECADO] = Meio copo de água com iodo “Farmácia”

Copo 3: = [CRISTO] = Meio copo de água sanitária comum “CLORO”

1ª CONDIÇÃO – O ser humano criado por Deus era puro, limpo como este como de água, mostre o copo com água limpa e fale sobre isso.

2ª CONDIÇÃO – O homem foi contaminado pelo pecado, pelo mal que contaminou sua pureza, mostre o copo com o PECADO e derrame um poco sobre o primeiro copo que também ficará sujo.

3ª CONDIÇÃO – Derrame o conteúdo do terceiro copo [CRISTO] e a água ficará limpa novamente, mostre que Jesus Cristo nos purifica com seu sangue e nos torna puros novamente. (Salmo 50)

4ª CONDIÇÃO – Derrame um pouco do 2º copo dentro do terceiro e demonstre que o pecado jamais pode vencer Jesus Cristo, pois Ele jamais cometeu pecado algum e permanece sempre fiel e puro.

5ª CONDIÇÃO – Por fim derrame o conteúdo do 3º copo sobre o [PECADO] e demostre o triunfo total de Cristo sobre todo o [PECADO] para sempre.

“Com efeito, todos pecaram e todos estão privados da glória de Deus,” (Romanos 3,23)

(Romanos 6,23). “Porque o salário do pecado é a morte, enquanto o dom de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Obs. fale mais sobre o tema se desejar.


[DEMOSTRAÇÃO ]



Vinde e vede Tres_garrafas_2
Pecado_involuntario Nao_cai_no_pecado



Quando você não estava olhando.



Mae_exemplo_incondicional


Um Bom exemplo de MÃE.


 O poder do exemplo…

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você pegar o primeiro desenho que fiz e prendê-lo na geladeira, e, imediatamente, tive vontade de fazer outros para você.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você dando comida a um gato de rua, e aprendi que é legal tratar bem os animais.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você fazer meu bolo favorito e aprendi que as coisas pequenas podem ser as mais especiais na nossa vida.

Quando você pensava que eu não estava olhando, ouvi você fazendo uma oração, e aprendi que existe um Deus com quem eu posso sempre falar e em quem eu posso sempre confiar.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você fazer comida e levar para uma amiga que estava doente, e aprendi que todos nós temos que ajudar a tomar conta uns dos outros.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você dando seu tempo e seu dinheiro para ajudar as pessoas mais necessitadas e aprendi que aqueles que têm alguma coisa devem ajudar quem nada tem.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu percebi você me dando um beijo de boa noite e me senti uma pessoa amada e segura.


mae_beijando_filho_boa_noite[1]


Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você tomando conta da nossa casa e de todos nós, e aprendi que nós temos que cuidar com carinho daquilo que temos e das pessoas que gostamos.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi como você cumpria com todas as suas responsabilidades, mesmo quando não estava se sentindo bem, e aprendi que eu tinha que ser responsável quando crescesse.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu vi você se desculpar com uma amiga, embora tivesse razão, e aprendi que às vezes vale a pena abrir mão de um ponto de vista para preservar a amizade e o bem-estar nos relacionamentos.

Quando você pensava que eu não estava olhando eu vi lágrimas nos seus olhos, e aprendi que, às vezes, acontecem coisas que nos machucam, mas que não tem nenhum problema a gente chorar.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu percebi você cuidando do vovô com carinho e atenção, e aprendi que devemos tratar bem e respeitar aqueles que nos cuidaram na infância.

Quando você pensava que eu não estava olhando, foi que aprendi a maior parte das lições que precisava para ser uma pessoa boa e produtiva quando crescesse.

Quando você pensava que eu não estava olhando, eu olhava para você e queria lhe dizer: Obrigado por todas as coisas que eu vi e aprendi quando você pensava que eu não estava olhando!

Mãe, aprendi tudo com você!

Feliz dia das mães!


201305-diadasmaes[3]


mae_bebe02 Eu_amo_minha_mae_2 rosa-mãe
Moldura_dia_das_Maes_lk Oracao-Dia-das-Maes_2 mensagens-pps-dia-das-maes-livros-de-frases-para-mamae[1]

BAIXE O SLAID EM POWER POINT PARA VISUALIZAR OS EFEITOS



Perdão e Reconciliação.



Perdoar

libertar a si mesmo para dar paz a mente e ao coração


Perdoar-para-ser-perdoado[1]



Perdoar e pedir perdão são atos de generosidade e humildade. Mas só se pede perdão ou se perdoa de verdade, quando houver sinceridade e abertura de coração.

Quem nunca cometeu um erro? Nunca precisou de um perdão por faltar com respeito com alguém, por mentir, decepcionar, enganar, omitir, machucar, por se exceder? Estamos cercados de sentimentos negativos, rancor, raiva, mágoa e que se não soubermos nos defender desses sentimentos, eles têm grande capacidade de destruição. Quem convive com esses sentimentos negativos sofre muito, pois acaba se privando de momentos de felicidade e paz interior. E não podemos nos esquecer dos malefícios que causam à saúde. Ao viver angustiado por um problema ou situação mal resolvida prejudicamos diretamente nossa saúde física, causando estresse, ansiedade, problemas com coração e pressão arterial. É o que chamamos de ‘somatização’. É o corpo assumindo a dor e o peso da alma.


19-marc3a7o-crianc3a7as-se-abrac3a7ando-copy[1]

Perdoar é um processo de libertação do ressentimento e de certa forma é uma doação sem esperar nada em troca.


O perdão é sincero e verdadeiro, quando dado e recebido não apenas em palavras e sim nos gestos. Você não precisa necessariamente perdoar para a sociedade, mas sim para você mesmo, pois é algo interno e individual. Perdoar é conseguir deixar para trás o passado e dar novas oportunidades ao presente, poder viver livre, leve e solto, sem essa preocupação.

Tão importante quanto perdoar é tomar a iniciativa de pedir perdão, algo que muitos não fazem por questão de orgulho. Assim como somos capazes de dar o perdão, quando erramos, devemos saber também tomar a iniciativa de pedir desculpas e ter recursos para reconquistar a confiança e respeito alheio. Reconhecer os próprios erros e ser capaz de mudar é sinal de amadurecimento e evolução.


Portrait of young man kissing his pretty young woman on forehead - outdoor


Na prática:

– Saiba exatamente como você se sente sobre o que aconteceu e seja capaz de expressar o que há de errado na situação.

– Não espere pedidos de desculpas dos outros nem da vida. Faça o que for preciso para se sentir melhor. O ato de perdoar é para você e para ninguém mais.

– Perdoar não significa necessariamente reconciliar-se com a pessoa que o feriu, nem tornar-se cúmplice dela. O que você deve buscar é a sua paz. O perdão é um poder pessoal.

– Em vez de concentrar-se nas suas mágoas, concentre suas energias na busca do amor e da bondade ao seu redor.

– Lembre-se sempre: “A maior vingança contra o inimigo é perdoá-lo. Ao perdoá-lo nos livramos dele, pois ele deixa de ser nosso inimigo. Já o ódio e a mágoa cultivam o inimigo dentro de nós” (Augusto Cury).  Perdoar é uma questão de escolha, é preferível ser feliz, saudável e livre.

Livros recomendados:

Perdão Restaurador (Josadak Lima) – O livro Perdão Restaurador (Josadak Lima) da Editora AD Santos mostra a importância do perdão e como perdoar de maneira verdadeira. “Serão oito estudos sérios extraídos da Palavra de Deus, tendo como base Mateus 18, que lhe darão subsídios para que você cresça e seja aperfeiçoado nesta área da vida cristã.” Certamente você experimentará mudanças significativas em seu próprio caráter durante e depois de estudar este tema.

Perdoa-nos Assim Como Nós Perdoamos (Daniel Alves Pena) – O livro Perdoa-nos Assim Como Nós Perdoamos (Daniel Alves Pena), mostra como perdoar é necessário em nossa vida de cristão. Muitos sentimentos estão prejudicando as pessoas por causa da falta de perdão. Perdoar não é fácil, mas é algo necessário. Em nosso processo de santificação também é necessário haver perdão, pois guardar rancor ou querer fazer justiça será um grande impedimento.


Texto: Cintia Cucco.

fonte: http://www.terapiasfontedevida.com.br

1ª fonte: www.minhavida.com.br



São Miguel Arcanjo Semana_da_Familia Tende_Misericordia_Senhor
250a2-obras_misericordia Familia_tesouro cartaz_familia_1-610x380[1]
Oração_ao_espirito_santo Presépio criança O_pai_das_misericordias_CN

POWER POINT – Oração pela família_padre_zezinho



Um amigo nunca se deixa para trás.




Um conto de Paulo Coelho que reflete uma grande verdade, mesmo que não se trate de morte, entrar no céu ou ir para o inferno, a verdadeira amizade cria um laço incapaz de ser rompido mesmo nas maiores dificuldades, se com nossos amiguinhos animais é assim o que diria quando se trata de homens que foram criados à imagem e semelhança de Deus que é AMOR em sua essência e incapaz de virar as costas ao mais vil pecador, quanto mais ao seu melhor amigo que é VOCÊ com certeza. Jesus te ama




 1. Um Amigo nunca Se deixa para trás



2. Um homem, o seu cavalo e o seu cão iam por um caminho…

3. Quando passavam perto de uma árvore enorme, caiu um raio 4. e os três morreram fulminados.

5. Mas o homem não se deu conta de que já tinha abandonado este mundo, e prosseguiu o seu caminho com os seus dois animais (às vezes os mortos andam um certo tempo antes de tomarem consciência da sua nova condição…)

6. O caminho era muito comprido e, colina acima, o Sol estava muito intenso; eles estavam suados e sedentos.

7. Numa curva do caminho viram um magnífico portal de mármore, que conduzia a uma praça pavimentada com portais de ouro.

8. O caminhante dirigiu-se ao homem que guardava a entrada e travou com ele, o seguinte diálogo: – Bons dias.           – Como se chama este lugar tão bonito? – Céu

9. – Que bom termos chegado ao Céu, porque estamos sedentos! – Você pode entrar e beber quanta água queira. E o guardião apontou a fonte. – Mas o meu cavalo e o meu cão também têm sede… – Sinto muito – disse o guardião – mas aqui não é permitida a entrada de animais.

10. O homem levantou-se com grande desgosto, visto que tinha muitíssima sede, mas não pensava em beber sozinho. Agradeceu ao guardião e seguiu adiante.

11. Depois de caminhar um bom pedaço de tempo encosta acima, já exaustos os três, chegaram a um outro sítio, cuja entrada estava assinalada por uma porta velha que dava para um caminho de terra ladeado por árvores…

12. À sombra de uma das árvores estava deitado um homem, com a cabeça tapada por um chapéu. Dormia, provavelmente. – Bons dias – disse o caminhante. O homem respondeu com um aceno. – Temos muita sede, o meu cavalo, o meu cão e eu. – Há uma fonte no meio daquelas rochas – disse o homem apontando o lugar.

13. – Podeis beber toda a água que quiserdes. O homem, o cavalo e o cão foram até à fonte e mataram a sua sede. O caminhante voltou atrás, para agradecer ao homem. – Podeis voltar sempre que quiserdes – respondeu este.

14. – A propósito, como se chama este lugar ? – perguntou o caminhante.

– CÉU.

– O Céu? Mas, o guardião do portão de mármore disse-me que ali é que era o Céu!

15. –Ali não é o Céu, é o inferno  

– Contradisse o guardião.

– O caminhante ficou perplexo.

Deverias proibir que utilizem o vosso nome!                                    

– Essa informação falsa deve provocar grandes confusões!

– advertiu o caminhante.

Jamais abandones os teus verdadeiros Amigos, ainda que isso te traga inconvenientes pessoais.

16. –De modo nenhum!

Respondeu o guardião

Na realidade, fazem nos um grande favor, porque ficam ali  todos os que são capazes de abandonar os seus melhores amigos… 

17. Jamais abandones os teus verdadeiros Amigos, ainda que isso te traga inconvenientes pessoais.

18. Se eles se vêem a dar o seu amor e companhia, ficas em dívida para com eles: “Nunca os abandones”.

19. Porque: Fazer um Amigo é uma Graça. Ter um Amigo é um Dom. Conservar um Amigo é uma Virtude,

20.  Ser Teu Amigo!  É uma  Honra. Digo eu ! . . .   


 Paulo Coelho.


Jesus_e_seus_melhores_amigos Amigos_como_a_rocha
Amigo Fiel Quem sou faz a diferença Tende_Misericordia_Senhor

BAIXE O SLAID EM POWER POINT PARA VISUALIZAR OS EFEITOS



Família e misericórdia.



O que permite a Sua Santidade o Papa Francisco dizer algo de tão liminar e diamantinamente importante como «A arquitrave que suporta a vida da Igreja é a misericórdia» (Misericordiae vultus (MV), 10) é saber-se que este ato – divino por excelência – é isso «que revela o mistério da Santíssima Trindade» (MV, 2). Mudemos um pouco a ordem dos termos da citação para podermos entender melhor o que aqui está em causa: é a misericórdia – qualquer seja, pois toda ela é Deus em ato – que nos permite penetrar o que é penetrável no Mistério da Santíssima Trindade, único mistério que existe verdadeiramente.

Por Américo Pereira
Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Ciências Humanas – Publicado em 06.11.2015
 

Leia o texto:


Familia_e_misericordia

“As obras de misericórdia como atos criadores da família” 


Ora, de esse mistério, o que está ao nosso alcance é precisamente a misericórdia que se nos revela através quer da Revelação tradicionalmente entendida quer através dessa outra revelação divina que é a exata presença da misericórdia na ação humana. Em que consiste pormenorizadamente todo o restante infinito da Santíssima Trindade nunca se saberá. Mas que é um infinito e sempre atual ato de misericórdia, isso sabe-se. Mas isso só se pode perceber o que seja, para além do mero enunciado verbal, se se souber por experiência própria o que é a misericórdia, isto é, apenas os que em ato experimentaram a misericórdia, os misericordiosos, podem saber o que se pode entender por misericórdia divina no seio da Santíssima Trindade.

E o que é isso da misericórdia?

É, antes de mais, um ato. Um ato que põe algo em ser. O primeiro ato de misericórdia é o ato de absoluta inauguração do mundo, ao ser este criado por Deus. Assim, a misericórdia é o ato que absolutamente põe a possibilidade de algo, neste caso, do próprio mundo. É o ato de amor, de caridade por excelência. Pode mesmo dizer-se que a misericórdia é o amor e a caridade enquanto puros atos: são a própria atualidade da caridade. Se da caridade pode haver uma concessão puramente teórica, da misericórdia, apenas uma concessão atualista faz sentido. Na misericórdia, o conceito e o ato imediatamente recobrem-se.

Nenhum cristão, se o é mesmo, pode duvidar do amor caritativo de Cristo antes do momento do cálice. Mas, sem o momento do cálice, tudo seria puramente teórico: é com a assunção do cálice, como ato de beber o seu conteúdo, que o amor se transforma num verdadeiro ato de misericórdia.

O mesmo se diga do sim de Maria ao pedido de Deus para ser Mãe do possível Emmanuel: Maria amava Deus, mas o ato de misericórdia para com a humanidade, mas também para com Deus – tal a força deste ato – dá-se com e apenas com o sim dito e assumido.

Semelhantemente, José, ao assumir constituir família com Maria e o Emmanuel em adveniência, opera misericordiosamente.

A mesma misericórdia se faz sentir quando, poupando ilógicas mediações, Deus chama a si a mesma Maria que usou de tão bela misericórdia para com ele: cumprindo, deste modo, a promessa de Cristo ao dizer que o ato nosso de cada dia é, já, a nossa recompensa. Maria teve como recompensa a misericórdia que pôs na relação com Deus; Deus teve apenas de deixar que a misericórdia posta por Maria atingisse a sua plenitude. Assim com toda a misericórdia.

Assim com a misericórdia divina, sempre perfeita, infinitamente perfeita em ato no seio da Santíssima Trindade.

É esta misericórdia que permite, então, dizer ao Papa Francisco que a trave mestra da vida da Igreja é a misericórdia. Como não o ser?

Deste modo, a Igreja não é uma coisa histórica, ou física, ou institucional, mas é, antes, vida e vida que é misericórdia. Só no seio desta e como liturgia a esta vida de misericórdia faz sentido a sua natureza de coisa também física, também histórica, também institucional. Apenas esta vida de e em ato de misericórdia é capaz de fazer da Igreja algo de credível (MV, 10) não apenas junto de crentes em seu interior, de crentes em seu exterior, e de não crentes, mas, sobretudo, junto do próprio Deus, que, sendo a plenitude da misericórdia, não tolera a falta desta, como podemos ver em Job, com os falsos amigos, ou na triste narrativa de Sodoma e Gomorra, cujo suicídio se deveu à sua absoluta falta de misericórdia, contemplada e selada por Deus, que não salva através do uso da violência.

Ora, como diz o Papa em MV, 9, «o amor nunca poderia ser uma palavra abstrata.». Tal implica que, para que a misericórdia exista, tenha de haver atos de misericórdia em nós e connosco como na Santíssima Trindade, sendo que esta é paradigma, mas, como tal, fim a que tender em aproximação infinita.



É, então, a realidade concreta da misericórdia o lugar permanente das obras de misericórdia, corporal e espiritual, isto é, viva, dado que, na vida humana, em ato, não há distinção senão formal entre os dois âmbitos (sem o espírito, há um cadáver; sem o corpo, nada, pois nós não somos anjos com corpo). São tais obras:

1. Dar de comer aos famintos;
2. Dar de beber aos sedentos;
3. Vestir os nus;
4. Acolher os peregrinos;
5. Dar assistência aos enfermos;
6. Visitar os presos;
7. Enterrar os mortos;
8. Aconselhar os indecisos,
9. Ensinar os ignorantes;
10. Admoestar os pecadores;
11. Consolar os aflitos;
12. Perdoar as ofensas;
13. Suportar com paciência as pessoas molestas;
14. Rezar a Deus pelos vivos e pelos defuntos.


O modelo destas obras é o próprio Cristo, em cuja vida encontramos atos modelares correspondentes a todos estes paradigmas, alguns deles de forma literal. Assim, ser misericordioso é agir segundo a plena realização das ações que estas catorze padronizações indicam. Se bem entendidas, cobrem todos os tipos possíveis de atuação possível na e da nossa vida, não apenas como Igreja, mas estendendo-se a toda a humanidade e definindo, deste modo, o caminho perfeito para o Reino de Deus ou a Cidade de Deus, cidade da plenitude do bem possível, designação que cobre não apenas a referência religiosa cristã, mas a humanidade de sempre.

Podemos entender, assim, como a misericórdia é não apenas uma «coisa» cristã ou religiosa, na religião ou no cristianismo se esgotando, mas algo que está no centro mais profundo da possibilidade da própria humanidade, algo sem o qual a humanidade não tem futuro possível. A misericórdia, ainda que humanamente entendida é (como a caridade ou o amor) o único ato que aguenta na perfeição o crivo laico do famoso imperativo categórico de Kant.

Onde podemos encontrar em termos cristãos esta misericórdia numa dimensão humana? Há um modelo humano para tal? Este modelo é universalizável, sem o que a humanidade está condenada a uma vã efemeridade mais ou menos longa no tempo, mas sempre demasiado breve?

Pensamos que sim.

O modelo perfeito é a Sagrada Família; é um modelo universalizável precisamente em sua essência e substância de ato de misericórdia; a sua universalização como ato de misericórdia é o único modo de tornar a humanidade em algo mais do que um vão sonho de Deus, sonho autodesprezado, autoaniquilado.

Maria, José e Emmanuel são o paradigma quer da humana família quer da humana misericórdia porque consubstanciam perfeitamente em sua relação o ato de pleno e indefetível amor criador de possibilidade de bem em que consiste a misericórdia. Não há família se não houver obras de misericórdia em ato. A plenitude da família corresponde à plenitude da realização das obras de misericórdia, quando necessárias. Não se trata de inventar obras desnecessárias, mas de as cumprir todas quando necessárias; todas concomitantemente se todas forem necessárias num mesmo momento.

A perfeita mãe é quem as cumpre a todas segundo o modo necessário exposto; o mesmo acontece quer com o perfeito pai quer com o perfeito filho.

É esta perfeição atual que constitui a família: sem ela não há família; com ela há sempre família. A naturalidade na e da família reside no ato de misericórdia, não em qualquer estrutura física ou biológica: não há relação biológica entre Emmanuel e José, nem por isso José deixa de ser o perfeito pai de Emmanuel e este o perfeito filho de José.

A família replica, assim, o ato criador de Deus, que não é um ato físico, embora instaure a física, mas um ato espiritual, precisamente o ato do dom de misericórdia mais grandioso que existe e que realiza a transformação do nada de nós no tudo da nossa possibilidade através do amor criador. A família prolonga esta capacidade criadora, prolongando também essa outra forma de misericórdia que é a providência divina, na forma da humana dedicação amorosa, previdente e providente, possibilitadora da manutenção terrena do ser humano na existência. É um bem-agir que corresponde à operação ativa de um bem-querer, que é um querer que o outro seja e seja bem. Ora esta é a ação criadora e providencial de Deus, dada como possibilidade à criatura humana, isto é, a misericórdia divina dada como possibilidade de misericórdia humana.

Misericórdia é, assim, um ato de providência, divina ou humana, que permite que o absoluto do que é seja. É a mesma definição do amor.

A misericórdia divina é o sustentáculo de todo o ser criado e a porta aberta para a salvação de toda a criatura, mormente da humana, que tem apenas de aceitar beber o doce cálice da misericórdia humana. Uma universal libação com tal cálice corresponderia à Cidade de Deus, universal família espiritual.


Américo Pereira
Universidade Católica Portuguesa, Faculdade de Ciências Humanas
Publicado em 06.11.2015
 


“Misericordiae vultus”: Bula de proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia (papa Francisco)


 



OBRAS+DE+MISERICORDIA[1]

Os Frutos da

MISERICÓRDIA

de Deus


Tende_Misericordia_Senhor Jesus_Misericordioso_101 Fonte de misericordia
terco-da-misericordia-11[1] Novena_misericórdia