Vítima ou Sobrevivente!



A ESCOLHA É SEMPRE SUA

E NÃO DAQUELE QUE LHE DÁ UM MAU EXEMPLO.




Garça_sapo_3

Olha o que Deus fez comigo!

Testemunho pessoal de Thalles Roberto




Link’s para outras mensagens




Os bêbados e a canoa.



A Embriaguez deixa a pessoa fora de si e a confunde sobre a realidade, não seria apenas uma questão de PECADO ou não PECADO e sim de um facilitador ao PECADO, mas o pior de tudo não é que provoca a morte daquele que se embriaga, mas coloca em risco a vida dos inocentes que estão próximos ou que possam cruzar o caminho desta pessoa, por isso esta estorinha nos mostra claramente a situação ridícula que os ébrios enfrentam cotidianamente, mas que podem se livrar delas quando reconhecem seu erro e o entregam nas mãos de JESUS.

Estoria: Conteúdo do Livro “Ide e evangelizai os Batizados – Prado Flores” como exemplo da cegueira espiritual que o Pecado causa no homem.



2_bebados_na_canoa


Dois compadres muito amigos e companheiros de noitada, certa vez, foram a um bar, como de costume. O bar ficava do outro lado da margem do rio. Como o rio era largo, foram de canoa.

No bar, os dois tomaram todas e encheram a cara. Já tarde da noite, resolveram voltar para casa.

Foram para a beira do rio, entraram na canoa e um disse ao outro: “Você dorme um pouco e eu fico remando; depois a gente troca e você rema o restante”.

E assim fizeram: Um remava um pouco, depois trocava com outro e remaram a canoa a noite toda até ficarem exaustos e acabaram dormindo os dois.

Quando o dia amanheceu e já havia passado um pouco o efeito da cachaça, eles perceberam que estavam no mesmo lugar, começaram então a discutir entre eles acusando um ao outro de não ter remado o barco na sua vez, mas ambos se defendiam dizendo que haviam remado até se cansar.

Então por que motivo não conseguiram atingir o objetivo que era o outro lado do rio?

Quando resolveram retomar a empreitada da travessia perceberam que o barco não se movia mesmo com os dois amigos remando o barco ao mesmo tempo.

Foram ver o motivo: A canoa estava amarrada na beira do cais, haviam se esquecido de desamarrar a canoa!

É por isso que se diz:

” Se for dirigir, não beba e se for beber não dirija.”

… o mesmo vale para quem vai remar a canoa na travessia do rio.

Reflexão:

O Pecado é como uma corda que nos amarra e nos impede de ser verdadeiramente livres, quem vive no pecado é como se estivesse embriagado, pensa que é livre e não percebe que é escravo do pecado, pensa que faz a sua vontade quando quer, mas na verdade faz a vontade do pecado quando não quer. O pecado é como as trevas que nos cegam e nos impedem de ver o caminho a seguir com clareza, por isso é imprescindível desamarrar a corda do pecado antes de começar a remar o seu barco rumo a Deus. 

Quem vive no pecado faz exatamente como os bêbados:

“Cuidado para que vossos corações não fiquem pesados por causa dos excessos, da embriaguez e das preocupações da vida. E assim o Dia do Senhor vos pegará de surpresa” (S. Lucas 21,34).

Não sejais imprudentes, mas procurai compreender qual seja a vontade de Deus. Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito. Recitai entre vós salmos, hinos e cânticos espirituais. Cantai e celebrai de todo o coração os louvores do Senhor. (Efésios 5, 17-19)



Pecado_maça_Serpente_Rom_3_23

Presépio criança



Descrevendo a Felicidade pela Janela de um Hospital.





A vida nos reserva situações inusitadas e quando pensamos estar na pior condição possível é que descobrimos que nesta posição temos a possibilidade de experimentar um momento tão sublime e surpreendente que jamais poderá ser reproduzido novamente e este momento é capaz de revigorar nossas forças para conseguirmos superar nossa condição atual encontrando a vitória.







A Falta da Visão nos dá a possibilidade de ver o invisível aos olhos da carne.



Dois homens, seriamente doentes, ocupavam o mesmo quarto em um hospital. Um deles ficava sentado em sua cama por uma hora todas as tardes para conseguir drenar o líquido de seus pulmões. Sua cama ficava próxima da única janela existente no quarto. O outro homem era obrigado a ficar deitado de bruços em sua cama por todo o tempo. 

Eles conversavam muito. Falavam sobre suas mulheres e suas famílias, suas casas, seus empregos, seu envolvimento com o serviço militar, onde eles costumavam ir nas ferias. E toda tarde quando o homem perto da janela podia sentar-se ele passava todo o tempo descrevendo ao seu companheiro todas as coisas que ele podia ver através da janela. O homem na outra cama começou a esperar por esse período onde seu mundo era ampliado e animado pelas descrições do companheiro. 

Ele dizia que da janela dava pra ver um parque com um lago bem legal. Patos e cisnes brincavam na água enquanto as crianças navegavam seus pequenos barcos. Jovens namorados andavam de braços dados no meio das flores e estas possuíam todas as cores do arco-íris. Grandes e velhas arvores cheias de elegância na paisagem, e uma fina linha podia ser vista no céu da cidade. Quando o homem perto da janela fazia suas descrições, ele o fazia de modo primoroso e delicado, com detalhes e o outro homem fechava seus olhos e imaginava a cena pitoresca. Uma tarde quente, o homem perto da janela descreveu que havia um desfile na rua e embora ele não pudesse escutar a musica, ele podia ver e descrever tudo. 

Dias e semanas passaram-se. Em uma manhã a enfermeira do dia chegou trazendo água para o banho dos dois homens mas achou um deles morto. O homem que ficava perto da janela morreu pacificamente durante o seu sono a noite. Ela estava entristecida e chamou os atendentes do hospital para levarem o corpo embora. Assim que julgou conveniente, o outro homem pediu a enfermeira que mudasse sua cama para perto da janela. A enfermeira ficou feliz em poder fazer esse favor para o homem e depois de verificar que ele estava confortável o deixou sozinho no quarto. 

Vagarosamente, pacientemente, ele se apoiou em seu cotovelo para conseguir olhar pela primeira vez pela janela. Finalmente, ele poderia ver tudo por si mesmo. Ele se esticou ao máximo, lutando contra a dor para poder olhar através da janela e quando conseguiu faze-lo deparou-se com um muro todo branco. Ele então perguntou a enfermeira o que teria levado seu companheiro a descrever-lhe coisas tão belas, todos os dias se pela janela só dava pra ver um muro branco? 

A enfermeira respondeu que aquele homem era cego e não poderia ver nada mesmo que quisesse. Talvez ele só estivesse pensando em distrai-lo e alegrá-lo um pouco mais com suas historias.



Moral da história: há uma tremenda alegria em fazer outras pessoas felizes, independente de nossa situação atual. Dividir problemas e pesares é ter metade de uma aflição, mas felicidade quando compartilhada é ter o dobro de felicidade. Se você quer se sentir rico, apenas conte todas as coisas que você tem e que o dinheiro não pode comprar. Hoje é um presente e é por isso que é chamado assim.




(Um Desafio Para Mim e para Você)

Todos os dias nos deparamos com situações de vida semelhantes a estas e por mais que trabalhemos neste mundo não conseguimos alcançar tudo que almejamos e talvez como demonstra esta estória seja porque já temos tudo o suficiente para sermos felizes, mas a unica moedinha que nos falte sempre nos impedirá de desfrutar desta Felicidade.   A verdade é que a ultima moeda jamais será a centésima moeda, pois sempre buscaremos algo a mais que nos complete definitivamente, mas este algo jamais poderá ser preenchido por algo material, poses, sexo, dinheiro ou poder, pois este algo que procuramos sem saber o que seria só poderá ser preenchido por Deus que é o que realmente falta na vida de cada um de nós.

A história do homem no paraíso não é apenas uma analogia comparativa para criancinhas ou iniciantes na fé, mas é uma verdade absoluta que principalmente os mais sábios e crescidos na Fé ainda não conseguem compreender totalmente, pois o homem só se sentira plenamente feliz quando estiver na presença de Deus e para isso ele não precisará possuir e nem ter nada em seu nome nesta terra, pois tudo pertence ao Pai e Tudo o que é do Pai me pertence é o que nos afirma Jesus quando compara a busca desenfreada pela felicidade do filho Pródigo nas coisas do mundo e a atitude egoísta do filho mais velho que não tem a capacidade de amar e perdoar o seu irmão.

“Explicou-lhe o pai:

Filho, tu estás sempre comigo, e tudo o que é meu é teu. (São Lucas 15,31)

O Nosso desafio é este mesmo, “Como ser Feliz sem depender das coisas materiais deste mundo?” e “Como usufruir das coisas materiais e Espirituais que pertencem ao Pai sem tomar posse delas tirando a felicidade de nossos irmãos?”.

Quando atingirmos este objetivo seremos plenamente felizes.

Que Deus nos Abençoe

Presentepravoce – Sizenando





EM BUSCA DA FELICIDADE.

Um Filme baseado em fatos reais


Dinâmica da Pipoca

SAL DA TERRA


A Rosa de Jericó.


Rosa de Jerico


rosajerico[2]

Selaginella lepidophylla, mais conhecida como Rosa de Jericó é uma planta que tem por origem os desertos áridos e secos do oriente e é um exemplo curioso da natureza: na falta de água, o que é comum nos desertos, ela enrola-se sobre si mesma, formando uma bola e entra em dormência. Para que se desenrole, basta apenas que seja colocada num prato cheio de água, com as raízes para baixo. Em pouco tempo ela abre-se e pode-se apreciar a planta com um aspecto colorido verde/prata.

Esta planta deve ficar sempre num prato com água, não sendo recomendado o seu plantio em terra.



A Rosa de Jericó

Peregrina do deserto, viajante incansável e solitária, a Rosa de Jericó, que inspirou uma lenda, é um apreciado amuleto que se utiliza para abençoar os lares, afastando as más influências e atraindo a paz, o poder e a abundância. Confere sorte nos negócios, habilidade no trabalho, oferece saúde, forças, felicidade e, sobretudo, tem a capacidade de transformar as energias negativas em positivas no local onde se encontra.

Conta a lenda que estando Jesus orando no deserto, a Rosa de Jericó acompanhava-O tenazmente arrastada pelos ventos. Detinha-se uma e outra vez aos seus pés e assim ia mantendo-se com Jesus. Ao nascer do dia a planta abria-se com a unidade da manhã e oferecia ao Mestre as gotas de água pousadas sobre as suas folhas. Jesus, sedento depois de uma noite de oração, tomou com os dedos a água que lhe oferecia a pequena planta e, agradecido por esta ter-Lhe acalmado a sede, abençoou-a com o poder da Vida Eterna.

Esta lenda estendeu-se por todos os continentes e rapidamente a Rosa de Jericó foi considerada uma Flor Divina. Em muitos locais da terra, acredita-se que quem adota e cuida de uma Rosa de Jericó atrai, para si e para os seus, paz, força, felicidade, sorte nos negócios, energia positiva, habilidade no trabalho e bem-estar econômico. As suas propriedades inquestionáveis são admitidas como verdadeiras pelo mundo esotérico e a planta é valorizada como um precioso amuleto. Tais são as suas qualidades, que em muitas ocasiões chegaram a ser pagas somas consideráveis por ela, visto ser uma planta bastante difícil de encontrar.

Constitui uma espécie única, oriunda da Síria. Prolifera nos desertos da Arábia, Eleito, Palestina e nas proximidades do Mar Vermelho. Apesar do seu nome, não cresce na cidade de Jericó.

Por que se chamará então “Rosa de Jericó” ?

Diz-se que, aproximadamente durante o segundo milênio antes de Cristo, chegou a esta cidade trazida por comerciantes e peregrinos vindos de outros lugares, que a usavam como poderoso amuleto para abençoar as suas casas e os seus negócios. Durante esta época, a cidade de Jericó encontrava-se num período de grande esplendor e a planta adquiriu cada vez mais fama, sendo que acabou por ser conhecida pelo nome da cidade que com tanto ardor a acolheu.

É uma planta com pequenas flores brancas que não chegam a alcançar 15 cm de altura. Depois de ter florescido, as folhas caem e os ramos contraem-se, curvando-se em direção ao centro, tomando uma forma globosa. Nesta fase do desenvolvimento das plantas, o vento do deserto arranca-as do solo e arrasta-as à sua mercê, transformando-as em eternas viajantes que se deslocam por vastas extensões de deserto, atravessando as paisagens de países e continentes, sem conhecer fronteiras. Podem permanecer fechadas e secas durante muitíssimos anos até que a unidade ou o contato com a água volta a abri-las fazendo-as recuperar a sua frescura e a sua beleza. É então que voltam a estender de novo os seus ramos, a ter de novo as suas flores, frutos e sementes – por esta razão são também conhecidas como as “Plantas da Ressurreição”.

Viajante incansável do deserto, solitária e andarilha, venerada e exaltada por muitos, a Rosa de Jericó desperta cada dia da sua letargia milenária para presentear-nos com a sua frescura, para nos matar a sede e fazer renascer nas nossas vidas a abundância, sem nos pedir nada em troca além de um pouco de atenção.

É muito fácil de conservar uma Rosa de Jericó: necessita apenas de água limpa a cobri-la e de uma temperatura não excessivamente alta. Coloca-se com as raízes para baixo dentro de um recipiente e troca-se a água sempre que esta ficar turva ou suja. Quando é necessário guardar ou deixar descansar a Rosa de Jericó, basta deixá-la secar completamente sobre papel, de preferência em local escuro, até não existir mais unidade alguma na planta. Sempre que quiser recuperar a sua Rosa de Jericó, basta que a volte a colocar em água para que ela o presenteie com um novo desabrochar de beleza e renascimento.

Esta viajante incansável pode acompanhar-nos por muitos anos da nossa vida. Podemos deixá-la aos nossos filhos e netos, como um legado, para que continue protegendo os nossos descendentes. Em muitas famílias a Rosa de Jericó faz parte da herança familiar e são conhecidos casos de terem somado mais de um século na companhia de uma família, sobretudo legadas pelas mães às suas filhas.

Fonte: http://castelodeasgard.blogspot.com.br/2006/10/rosa-de-jeric-selaginella-lepidophylla.html


Vela a transformação:




AO VIVO PELA CANÇÃO NOVA EM 07/07/2013 10:00 Hs

Essa flor estava há 15 anos cravada no metal. Mas ao entrar em contato com a água ela se abriu novamente. É isso que Deus quer fazer com você, despertar em ti a semente do bem. Deixe-se invadir pela água do Espírito Santo.

https://www.facebook.com/media/set/?set=a.10151526679019632.1073741867.45027114631&type=1






A vida não é uma Balada!


A Balada dura apenas uma noite.



E a Vida Continua…


O direito de se divertir e encontrar os amigos para algumas horas de distração juntos, nunca pode tirar, da consciência, o dever de cuidar-se e cuidar dos outros. Os encontros sempre foram uma oportunidade bonita de estreitar laços de amizade e construir relacionamentos verdadeiros. As baladas são uma oportunidade positiva, para quem tem a cabeça no lugar, assim como outros ambientes sociais, e podem conduzir a uma verdadeira vivência dos valores da vida humana, como por exemplo a amizade, o respeito e a valorização do outro e da vida. Somos ou não somos corresponsáveis para criar um mundo melhor?   Acreditamos ou não que a vida é um presente de Deus e que deve ser preservada a todo custo?

    Diante de tantos fatos de jovens se matando no trânsito, excedendo em bebida alcoólica, em drogas que afetam diretamente a consciência e o correto uso da razão; diante das reuniões exclusivas para determinados grupos sociais; diante da diversidade de opções que levam jovens ou adultos a viverem alienados em um mundo ilusório, acreditando serem felizes, pergunto: Quantas vidas foram e estão sendo ceifadas, a cada dia, por causa dos abusos e extravagâncias? Como convencer esta gente que pensa que a vida não vale nada? Como os pais podem ficar tranquilos em casa em um fim de semana, sem ver os filhos de volta? Quando e como voltam? Quantos não voltaram, senão em um carro funerário!

    Como parte deste mundo imundo, não podemos estar de braços cruzados. Muitas iniciativas foram tomadas e estão sendo levadas a bom termo. Atitudes de repressão, como também de educação e de prevenção, são realizadas em todos os ambientes, com o objetivo de proporcionar qualidade de vida e favorecer a construção de uma sociedade cada vez mais solidária e segura.  Além de todo o trabalho feito, a prevenção e a verdadeira educação vêm da família, onde, desde pequenos, aprendem a viver os limites da vida, onde aprendem o quanto vale cada coisa que usam, sabem de onde veio e quanto suor custou. Ao mesmo tempo, aprendem, com os pais, o caminho da igreja, do amor e o temor de Deus. Desde o colo materno e paterno os pequenos aprendem que a vida vale mais, que acima de tudo temos um Deus que nos ama e nos quer ver felizes, aqui e na eternidade.

    Sem querer fazer dos filhos estátuas ou múmias sem sentimentos ou desejos, os pais devem, como missão, oferecer um caminho onde saibam valorizar o pouco, onde saibam viver na abundância e na carência, onde aprendam deste a tenra idade a orar e dobrar os joelhos, reconhecer que não estão sozinhos. Ninguém pode furtar-se a esse dever. É puro engano pensar: Vou deixar meus filhos crescerem e quando grande eles decidem o que querem seguir. A primeira escola, a primeira igreja, a primeira professora, o primeiro catequista é a sua casa, é o seu colo, é sua experiência de Deus. Quantos pais e mães, vazios de Deus, sem nenhuma experiência espiritual para apresentar aos filhos! Ninguém dá o que não tem.  Com certeza, muitos deram tudo, menos o essencial. Com certeza, muitos não tinham nada e deram o que tinham: o amor e o carinho de quem acredita que a vida é dom de  Deus Pai. Assim vamos contemplar um mundo, onde a morte não ocupa o primeiro lugar e nem nossas ruas ficarão manchadas de sangue de inocentes e de irresponsáveis que matam e morrem. A vida não é apenas uma balada.



por: Dom Anuar Battisti

Arquediocese de Maringá – Paraná



CHÁCARA JEUS CURA

Vou lhe contar um Segredo !

Todo mundo tem algum Segredo para contar, ou para esconder.

Encontrei um depoimento de um homem que passou por grandes dificuldades em sua vida, mas hoje ele se tornou uma pessoa que consegue retirar outros da situação em que ele se encontrava, sua capacidade de se doar a pessoas desconhecidas que vivem em situação constrangedoras e retirá-las daquela situação é um fato que impreciona muita gente, que acabam lhe indagando:

Qual seria o Seu Segredo ?

A história começa com essa frase:

Eu estava no fundo do Poço…

Sabe de onde saiu esta frase tão comum em nossos dias e o que ela significa ?

Certamente sabes muito bem o que ela significa, e quem já não teve o seu dia de incerteza e derrota, quem já não teve um dia na vida em que preferiu não estar aqui  para não ter que enfrentar o dia de amanhã ?

Quem ?

Mas se você está lendo agora este texto é porque você superou esta fase ou ainda está buscando a sua resposta.

Tomaram então Jeremias e, por meio de cordas, o fizeram descer no poço de Melquias, o príncipe real, a qual se encontrava no pátio do cárcere. Não havia água no poço; havia, porém, lodo, onde Jeremias se atolou.

(Jeremias 38,6)

Este é o texto que gerou a expresão que ouvimos quando nos encontramos sem saída e atolados no lodo que não nos permite nem sequer um movimento, ficando apenas a contagem regressiva para o fim de tudo, mas como vemos na sequencia da leitura, este não foi o fim de Jeremias, uma vez que ele acabou sendo salvo por um servo que viu quando o colocaram no poço e foi buscar ajuda.   É daí também que sai a outra expressão que se diz: “sempre existe uma luz no fim do túnel,” porque quando se está atolado no lodo imóvel no fundo do poço, ainda podemos observar a luz que entra pela borda  e esperar que a qualquer momento caia uma corda para nos salvar, sendo assim a esperança desta salvação será sempre a ultima que se apagará.


Assim surgiu esta frase abaixo:

NÃO DESISTA NUNCA !


https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/02/chacara-jesus-cura-1.jpg

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/02/chacara-jesus-cura-1.jpg


Há uma frase biblica que diz:

“Aquele que pensa estar de pé, cuide-se para que não caia…” (I Coríntios 10,12)

Portanto a nossa situação neste mundo é muito mutável e realmente precisamos estar preparados para enfrentar tempestades todos os dias já que elas nos pegam de surpresa, veja o caso do avião que caiu esta semana, quem poderia imaginar que uma tempestadezinha o derrubaria de seu voo soberano e altamente controlado tecnologicamente, os discípulos de Jesus também enfrentaram a mesma tempestade e pelo menos conseguiram se manter  flutuando e no mesmo lugar até chegar o socorro do mestre, em um outro dia normal Jesus adormeceu na barca, então desabou de repente uma grande tempestade e as ondas quase cobriam o barco enquanto Jesus permanecia dormindo tranquilamente, sem solução e com medo de morrerem acordaram Jesus aos gritos, Salva-nos Senhor ou então morreremos.

Jesus se levantou, deu aquela tradicional esprequiçadinha olhou para os doze  e disse “Homens de Pouca Fé!“, depois olhou para a tempestade e mandou que se acalmasse e voltou a dormir.

Este texto é interessante pelo fato de que, ao dormir Jesus, o mundo desaba sobre nós e não conseguimos solucionar nossos proprios problemas, segundo a sensura de Jesus, deveríamos ser capazes de vencer esta pequena barreira, mas como seria isto ?

Qual seria mesmo este Segredo de Jesus ?

No versículo anterior ao que Jesus caminhava sobre as águas, diz que Ele se dirigiu ao monte para orar ao Pai e logo a seguir caminhou sobre o mar, salvou Pedro de um afogamento e acalmou uma tempestade, isto é o que podemos dizer de um homem totalmente preparado para a batalha.

Além de vencer os seus próprios problemas ainda acabava solucionando os problemas dos outros, tanto é que o acordaram de seu sono para os socorrer na tempestade.

Saiba pelo menos deste pequeno segredo, já que você se sente incapaz de vencer a sua tempestade pessoal, lembre-se no ultimo instante, que Jesus é aquele que segura a sua mão quando você grita por socorro, este video abaixo comprova a situação que este homem estava e como ele se salvou dela.

Jamais desista antes de estender sua mão para Jesus !

.

[YOUTUBE=http://www.youtube.com/watch?v=1TaJI-4ClS0]

.

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/02/chacara-jesus-cura-1.jpg

Padre Léo no Jô Soares.

Atendendo a pedidos, estou postando a entrevista de Padre Léo no programa do Jô Soares em janeiro de 2007.

.

.

.

.

.