O Padeiro Espanhol.



Historia real que faz parte do texto de abertura do livro Ide e evangelizai os Batizados de Jose H. Prado Flores demonstrando que os Cristãos Batizados de hoje não tem um conhecimento pleno do significado desta palavra “BATISMO” e nem das consequências deste Batismo em nossas vidas. Nosso objetivo é redescobrir o significado deste primeiro anuncio do evangelho “O Kerigma” que culmina na preparação para o primeiro Sacramento da Igreja e a integração de cada um de nós como “VERDADEIROS” filhos e herdeiros de Deus. 


Rodrigo Lombardi

Rodrigo Lombardi – Padeiro



Objetivo do tema: Crer e experimentar o amor pessoal e incondicional de Deus, que é nosso Pai.


Durante a guerra civil espanhola, muitos espanhóis emigraram para o México.  Entre eles veio um jovem de 18 anos, Venâncio Fernandez.   O único problema que Fernando não teve durante a penosa travessia foi ter que pagar excesso de bagagem.  Trazia apenas duas camisas e uma calça remendada.

Chegou a Vera Cruz, onde começou a trabalhar em uma tenda de conterrâneos de um tio seu.   Anos após, casou-se e montou uma padaria na cidade de Puebla.   Com muito sacrifício, esforço e economias conseguiu juntar um pouco de capital e transferiu-se para a cidade do México com toda a sua família, onde continuou com seu trabalho de padeiro.   As pessoas já não mais o chamavam “Venâncio”.  Agora era “Senhor Venâncio”: pessoa honrada e respeitada que fumava um grosso charuto e poupava o máximo possível.

Ao completar 20 anos de sua chegada ao México, uma agência de viagens mostrou-lhe como seria econômico levar sua família até a Espanha de navio.  Havia uma promoção especial para famílias e ele não podia perder esta oportunidade.


Promoção_Viagem_famiulia_navio


A esposa do Senhor Venâncio, que aproveitava todas as ofertas, convenceu seu marido a gastar algumas economias em uma tranquila excursão pela Espanha.

Entretanto o Senhor Venâncio pretendendo economizar o mais possível no trajeto marítimo, antes de embarcar em Vera Cruz fez, na sua padaria, alguns pães bastante grandes, comprou uns 15 quilos de queijo e embarcou rumo a terra de seus antepassados.

No primeiro dia, todos comeram, com satisfação, o pão fresquinho com fatias de queijo novinho.  No dia seguinte, tão satisfeitos estavam que não fizeram qualquer restrição em repetir o mesmo cardápio de pão com queijo.   Depois, comeram queijo com pão, e, depois ainda pão com queijo.   No quinto dia, comeram pão, queijo e pão, e, no outro dia, pão e queijo.  No fim da semana, seus rostos tinham uma cor amarelada de queijo.  Ninguém chegava perto deles, crendo que estivessem com hepatite.

Por fim, no dia em que chegavam ao porto espanhol, deram-se conta de que o esforço para comer aquele pão mais os enfraquecia do que fortalecia.  A esposa do senhor Venâncio convenceu-o, então, de que deveriam celebrar a sua chegada à Espanha com um jantar delicioso e farto no restaurante de primeira classe do navio.  De uma coisa estavam certos; nessa noite não comeriam nem pão e nem queijo.

– Onde seria o restaurante da primeira classe?  Perguntou o senhor Venâncio ao comandante da tripulação.

– Permita-me ver sua passagem – pediu o oficial.

– Puxa! – reagiu o senhor Venâncio.  – Eu vou pagar, que para isso tenho me matado de trabalhar nesses vinte anos.

– Desculpe – respondeu o oficial.  – Mas no restaurante de primeira classe só podem entrar passageiros com bilhete de primeira classe.

Com o mau humor característico de um espanhol quando é contrariado, e com o rosto ainda mais amarelo, o senhor Venâncio tirou do fundo do bolso uma passagem toda amarrotada,  e que, ao ser desdobrada, soltou um forte cheiro de queijo.

O oficial leu-o lentamente: “Venâncio Fernández”.

E Depois, com uma cara de espanto, exclamou!

– Puxa! Senhor Venâncio, sua família tem uma passagem maravilhosa.

– Sua passagem inclui três refeições diárias no restaurante de primeira classe durante toda a viagem!


Primeira classe 2 Primeira classe

Conclusão:

O mesmo acontece conosco, Cristo já pagou para que tenhamos direito a uma Vida Nova.   Temos a “passagem” do Batismo bem guardado, e não vivemos como reis, sacerdotes e profetas, como deveríamos,  e é a isso que essa passagem nos dá direito.  Ao contrário, temos feito nossa parte: a mistura do pão duro da tristeza com o queijo da amargura e da monotonia, não aproveitando que Cristo já pagou por nós, com seu sangue precioso.  E, o pior, é isso que damos à nossa família e a todos que nos rodeiam, ignorando o nosso bilhete formidável.

Fonte: Ide e Evangelizai os Batizados


Nossas Considerações:


“Tudo que é meu, é teu…”


Simples assim… disse a seu filho mais velho o Pai do filho pródigo quando ele se recusava a entrar em casa quando seu irmão festejava seu retorno para a casa do Pai.  Mas, qual era o motivo pelo qual o filho mais velho se recusava a festejar com seu irmão perdido?

– Ele respondeu: O Senhor jamais me deu um cabritinho sequer para que eu festejasse com meus amigos!

A quem pertencia este cabritinho?

– De acordo com a resposta do Pai no destaque acima, este “cabritinho” ou aquele Boi cevado, a casa e toda a propriedade pertenceria a seu filho mais velho e ele teria pleno poder de decisão sobre qualquer bem que ali existisse, e, neste caso ele poderia ter matado o cabritinho ou até mesmo aquele boi cevado para comemorar e se alegrar com seus amigos e ele nunca sequer teve coragem de tomar essa atitude ou de pedir a seu Pai que lhe concedesse essa graça e a pergunta que permanece no ar seria:

Por que o filho mais velho jamais usufruiu dos benefícios de seus bens materiais?

Ninguém saberia esta resposta, tanto porque, esta resposta não cabe ao filho mais velho pronuncia-la e sim a você!

Sim…

A você que vive triste e abatido, mendigando uma migalhinha de pão que cai da mesa de seu Senhor ou a você rico e poderoso que mesmo possuindo a melhor padaria da cidade jamais experimentou um pedaço de pão, ambos são iguais em um único ponto, a falta de pão em sua mesa, por motivos diferentes, mas o mesmo problema em comum.

Pelo primeiro ou pelo segundo motivo ambos os filhos precisavam do amor e da misericórdia de seu Pai para completarem o vazio e a necessidade que possuíam em suas vidas, assim como também na história do Padeiro Espanhol, mesmo ele comprando um pacote de viagem maravilhoso para sua Família não usufruiu de seus direitos por falta de conhecimento e por falta de generosidade para com sua Família e neste caso em particular o que mais lhe faltou foi mesmo a generosidade, pois se tivesse levado a sua Família ao restaurante de primeira classe no primeiro dia teria descoberto os seus direitos e os teria usufruído a viagem toda, sendo assim, precisamos abrir nossos olhos para entender o que Deus pede de nós ou simplesmente nos revela neste texto, para que possamos a partir de agora começar a usufruir os verdadeiros Dons de Deus em nossas vidas, sejam eles materiais ou espirituais, porque “Nem só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”.

Presentepravoce.


Seminário de Vida no Espirito
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

ide_evangelizai José H. Prado Flores Ide e Evangelizai 17
Kerigma

PRADO FLORES

Loyola

.


Alimento_Espiritual_Autêntico Sete_dons Batismo_Espírito
Oração_abre_as_portas_para_a_presença_de_Deus Presente_pra_voce o-presente-de-deus-ao-mundo1[1]

As quatro esposas do Rei.



No passado e ainda hoje em alguns países que permitem a bigamia ainda é normal encontrar homens que possuem mais de duas esposas, como se diz comumente, até parece uma maravilha viver em um arem como o Rei Salomão, mas somente quem vive na pele esta situação pode concordar que ter quatro esposas é como multiplicar os seus problemas à quarta potência e o que pareceria um paraíso acaba se revelando um inferno.

Mas na estória que apresentaremos abaixo vemos um exemplo de convivência harmoniosa durante toda a vida e que merece um pouco da nossa atenção para compreendermos a verdade dos fatos:

Veja o Texto:



Casamento_com_quatro_esposas_África_do_sul



Um grande e poderoso Rei tinha quatro esposas e seu relacionamento com elas era muito bom tanto que vivia feliz e despreocupadamente.

– Ele amava sua ultima esposa demais.   Ela era a mais jovem e sempre recebia do Rei lindos presentes, jóias e roupas caras.

Dava-lhe de tudo e sempre do melhor.

– Ele também amava muito sua terceira esposa que na sua opinião era a mais bela, e gostava de exibi-la aos reinados vizinhos nas grandes festas. Contudo, ele tinha medo que um dia ela o deixasse por outro rei mais jovem e rico.

– Ele também amava sua segunda esposa. Ela era mais inteligente e compenetrada e entendia tudo sobre os negócios do reino, era sua confidente e estava sempre pronta para ele, com amabilidade e paciência. Sempre que o rei tinha que enfrentar um problema ele confiava nela para atravessar os tempos de dificuldade.

-A primeira esposa era uma parceira muito leal e fazia tudo que estava ao seu alcance para manter o rei muito rico e poderoso.

Mas… ele não amava a primeira esposa como as outras e, apesar de esta o amar profundamente ele mal tomava conhecimento dela.

– Um dia o rei caiu doente e percebeu que seu fim estava próximo.
Ele pensou em toda a luxúria da sua vida e ponderou:

“É… agora eu tenho quatro lindas e dedicadas esposas comigo, mas quando morrer, ficarei sozinho”.

– Então ele perguntou para a quarta esposa:
– Amei-a tanto, querida….

A cobri das mais finas roupas e jóias.
Mostrei o quanto eu a amava, cuidando bem de você.

Agora que eu estou morrendo, você seria capaz de morrer comigo, para não deixar-me sozinho?

– De jeito nenhum! – respondeu a quarta esposa, e saiu do quarto sem sequer olhar para trás.  A resposta que ela deu cortou o coração do rei como se fosse uma faca afiada.

Tristemente o rei, então perguntou para a terceira esposa.
Eu também amei-a tanto a vida inteira… Agora que estou morrendo, você seria capaz de morrer comigo, para não deixar-me sozinho?

– Não! respondeu a terceira esposa. A vida é boa demais!!! Sempre fui fiel a ti, mas quanto você morrer, eu pretendo me casar novamente…

O coração do rei sangrou de tanta dor.

Ele perguntou, então para a segunda esposa:

– Eu sempre recorri a você quando precisei de ajuda e você sempre esteve ao meu lado nas mais duras provações e dificuldades. Quando eu morrer, você será capaz de morrer comigo, para fazer-me companhia?

– Sinto muito meu amor… Mas desta vez eu não posso fazer o que você me pede!

– respondeu a segunda esposa. O máximo que eu posso fazer é enterrar você…

Essa resposta soou como um trovão na cabeça do rei e ele ficou arrasado.

– Então uma voz se fez ouvir.
– Eu partirei com você e o seguirei para onde você for!

O rei levantou os olhos e lá estava a sua primeira esposa, tão magrinha… tão mal nutrida… tão sofrida… Com o coração partido o rei falou:

– Mas Você ? Logo a que eu mais desprezava e mal percebia a sua presença?  Eu deveria mesmo ter cuidado muito melhor de você enquanto eu ainda podia…


2020

1954 – Quatro Rainhas Encontram Lancelot Dormindo, Frank Cadogan Cowper


Moral da estória:

– ” Na verdade nós todos temos 4 esposas nas nossas vidas…

– Nossa 4º esposa é o nosso CORPO. Apesar de todos os esforços que fazemos para mantê-lo saudável e bonito, ele nos deixará, quando morrermos.

– Nossa 3º esposa são as nossas POSSES, as nossas propriedades a nossa riquezas. Quando morrermos, tudo isso vai para os outros.

– Nossa 2º esposa são nossa Família e nossos amigos. Apesar de nos amarem muito e estarem sempre nos apoiando, o máximo que eles podem fazer é nos enterrar.

– A nossa 1º esposa é o nosso ESPIRITO…
Muitas vezes deixado de lado, ele fica lá no fundo, esquecido, por perseguirmos durante a vida toda a Riqueza, o Poder, e os Prazeres do nosso EGO…

Pena que muitas vezes só consideramos isso quando estamos para deixar este mundo.

Apesar de tudo, é a única coisa que sempre irá conosco, não importa onde formos, então…

Cultive-o… Fortaleça-o… E acima de tudo Alimente-o!
Dê o verdadeiro sentido à sua vida agora.
JESUS é o único caminho….
É o maior presente que você pode dar a si mesmo.
Está é a hora..



a historia dos lobos

editando aguarde


O_desafio_do_Rei


Acorde! Você pode ter um tesouro em suas mãos.

Depois de 70 anos…

Uma descoberta espantosa:


Um Sucateiro nômade chamado William Sparks comprava e vendia ferro velho em diversas cidades da Inglaterra no início do século passado, ao falecer deixou para seus Netos os restos de seu negócio que não foi levado avante.

Entre seus pertences havia uma caneca de Bronze que ele especificou para ser entregue somente a seu netinho John Weber, porque o garoto brincava muito com ela quando criança praticando tiro ao alvo com uma espingarda de chumbinho e ar comprimido.

Esta atividade de traquinagem amassava o copo que o impedia de ser vendido já que precisava ser desamassado constantemente, o que Sr. Bill fazia com certa proeza apenas apertando com uma colher dentro do copo e batendo por fora com um martelinho.

John Weber já não era mais uma criança quando recebeu de seu Avô este presente e já não praticava mais tiro ao alvo como antes e aquele presente recebido como herança ficou por ali sem ser notado e depois foi parar em uma caixa que ficou muitos anos esquecida, até que em 2007 o Garotinho “John” agora com 70 anos resolveu se mudar para outra residência, reencontrou então seu brinquedinho predileto dentro de uma caixa de sapatos debaixo de sua cama.

Com aquele objeto na mão e sem ter uma utilidade prática para ele já que não seria mais um brinquedo de criança, ficou imaginando o que fazer com ele, se o deixava para trás, se o jogava no lixo ou se o vendia a outro ferro velho.

Com estas dúvidas em mente ele acabou observando melhor o seu brinquedo imaginando uma utilidade para o mesmo enquanto preservava uma lembrança de seu avô, agora porém, não mais com aquele olhar inocente de criança traquina e percebeu que o copo não era assim algo muito comum e não se lembrou ter visto outro semelhante em toda a sua vida.   O levou então ao “British Museum” que o instruiu como deveria pesquisar sobre o que seriam aquelas figuras impressas no copo de Bronze e estabelecer a procedência do tal objeto.

Uma análise mais detalhada, feita pelo cientista Peter Northover, apontou que “o método de manufatura e composição do ouro eram típicos do Império Aquemênida.”

A dinastia dos Aquemênidas se estabeleceu ao redor da Pérsia antiga estendendo seu domínio até a Líbia até ser derrotada por Alexandre, o Grande, em 330 a.C.

O Artefato se tratava de uma Relíquia Persa esculpida em uma peça de ouro puro, dataria dos séculos III ou IV  A. C.,  tem dois rostos femininos encrustados em cada lado e na testa de cada uma das mulheres, aparecem cobras entrelaçadas.

A Peça foi avaliada inicialmente em torno de (500 mil libras) ou (R$ 1,6 milhão) e está sendo anunciada pelos leiloeiros Duke’s, numa casa de leilões em Dorset no Sul da Grã-Bretanha, como um tesouro antigo da Pérsia.

O artefato foi esculpido a partir de uma única peça de ouro entre os séculos III e IV a.C.

Foto: Duke””s Auctioneers/Divulgação

O leilão seria realizado no dia 5 de junho de 2008, e os leiloeiros esperavam arrecadar pelo menos US$ 100 mil pelo objeto.

O garotinho John praticante de tiro ao alvo pensava se tratar apenas de uma lata velha e o Sr. John jamais imaginara que seu avô teria lhe deixado um tesouro de herança e que ficou tantos anos enferrujando debaixo da cama em que dormia todas as noites sem que ele nem ao menos sonhasse com aquele tesouro visível que sempre esteve em seu poder.

28 de maio de 2008

Fonte: TERRA NOTÍCIAS

» Caneca vale US$ 100 mil
» Sucateiro cata tesouro antigo da Pérsia

Matéria no G1: Globo.com

Quem de nós em sã consciência deixaria (R$ 1,6 milhão) mofando debaixo da cama sem aproveitar os benefícios que este tesouro poderia nos trazer durante toda a nossa vida ?

Ninguém é claro !

Seria uma resposta Lógica !

Mas como se diz, em relação aos tesouros que Deus Pai revelou ter entregado a cada um de nós, é praticamente o que acontece conosco quando desconhecemos o significado de suas promessas para nós, principalmente quando Ele diz que seu Espírito Santo habita em nossos corações.

Existem pessoas que além de duvidar e não crer nesta verdade ainda ensinam que não existe tal tesouro dentro de nós, quando é um fato comprovado em todas as palavras de Jesus que seria este o objetivo de sua missão nesta terra, estabelecer a Nova e Eterna Aliança que consiste exatamente na Revelação da Presença de Deus agindo diretamente dentro do coração humano.

O resultado desta presença de Deus em nossas vidas é exatamente o que o homem pecador e incrédulo jamais poderá experimentar, porque para que este poder de Deus se manifeste em nós dependerá única e exclusivamente de nossa fé e aceitação incondicional permitindo assim que sejamos guiados e conduzidos por este Espírito Divino que em nós habita.

Como nos diz as Sagradas Escrituras em São João 14, 22 a 24a.

22.

Pergunta-lhe Judas Tadeu: Senhor, por que razão hás de manifestar-te a nós e não ao mundo?

23.

Respondeu-lhe Jesus: Se alguém me ama, guardará a minha palavra e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada.

24.

Aquele que não me ama não guarda as minhas palavras. […]

logo não se tornará uma morada do Pai …

Este é o segredo que foi revelado por Jesus a 2000 anos atrás, mas parece que ainda hoje continuamos brincando com este segredo como o pequeno John brincava com aquele copo de ouro valiosíssimo atirando chumbinho nele e depois o deixando esquecido debaixo da cama por muitos e muitos anos, hoje lamenta não ter descoberto este tesouro ainda quando era jovem e pudesse aproveitar melhor os benefícios de seu tesouro.   Isto serve de lição para todos os homens, não importa qual seja a sua idade, mas o que importa é que você precisa avaliar melhor o valor deste grande presente que você recebeu do Pai celeste no dia que recebeste o Batismo das mãos do Presbítero na Igreja.

I Timóteo, 4, 12  a 15.

12.

Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade.

13.

Enquanto eu não chegar, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino.

14.

Não negligencies o carisma que está em ti e que te foi dado por profecia, quando a assembléia dos anciãos te impôs as mãos.

15.

Põe nisto toda a diligência e empenho, de tal modo que se torne manifesto a todos o teu aproveitamento.

São Paulo escreveu certa vez que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e nem jamais penetrou em coração humano as maravilhas que Deus Pai reservou para aqueles que o amam, no entanto Ele nos revelou pelo Seu Espírito Santo que habita em nós, porque este Espírito conhece todas as profundezas de Deus e toda a sua vontade a nosso respeito, portanto podemos confiar em sua presença e nos alegrarmos mesmo em nossas tristezas, porque temos a certeza de que o que o Pai reservou para nós é um tesouro incalculável e insondável para a mente humana compreender, muito mais valioso do que qualquer tesouro deste mundo passageiro que um dia no futuro se desfará em cinzas porque ele não é eterno.


POWER POINT MENSAGENS


Pentecostes