Aprendendo a Voar como a Águia e com o Senhor.



A proteção do Senhor



“10. Em terra deserta o encontrou, entre bramidos de regiões desoladas, e o cercou de cuidados e o acalentou, e o guardou como a menina dos olhos! 11. Tal qual águia vigilante sobre o ninho, voando sobre os filhotes, ele estendeu as asas e o tomou e o transportou sobre sua plumagem. 12. Só o Senhor foi o seu guia; nenhum outro deus estava com ele.”
Deuteronômio, 32,10-12 – Bíblia Católica Online

Muitas vezes me pergunto por que os autores usaram metáforas para enfatizar certas coisas na Bíblia. O verso acima é um deles. Eu sei que a águia é conhecida como o “rei dos céus” e simboliza perspicácia, coragem e força, mas o instinto maternal protetor desta ave não era ouvido. Isso me fez aprofundar e estudar sobre esse pássaro.

As águias fazem seu ninho quando se aproximam da época de reprodução. Eles geralmente escolhem falésias ou áreas abertas nas montanhas altas para fazer seu ninho, que é chamado de “eyrie”. Um ninho de águia é construído de paus entrelaçados. O interior é forrado com grama, talos de milho e outros materiais. A tigela cheia de materiais macios, incluindo musgo e penas felpudas de adultos, servirá como uma almofada fofa para a aguiazinha (a águia bebê) quando ela chegar. Após o nascimento da águia, a mãe alimenta o filhote e cuida muito bem dele. Por volta de 10 a 12 semanas, quando a águia percebe que a águia está pronta para voar, a mãe começa a remover a camada confortável de seu ninho. Então a aguiazinha começa a se sentir um pouco irritada, mas ainda não tenta voar. Como a águia é mais inteligente, ela começa a sacudir o ninho, o que força a águia a cair do ninho e, como a eyrie está em um penhasco, a águia cai. Quando a aguia percebe que está caindo, começa a bater as asas e a voar. Então, ele pega seu primeiro voo ou algo chamado “fledge”. Enquanto isso, a mãe águia não está sentada, observa e, quando sente que a águia está cansada, ela voa e abre as asas, pega-as e carrega-as sobre as asas. É assim que ela treina seus filhotes para voar. Foi assim que o Senhor protegeu o povo de Israel. Essa comparação de uma águia cuidando de seus filhotes é a melhor maneira pela qual o autor deste livro pode metaforizar o amor e o cuidado de Deus.

A proteção do Senhor pode ser estudada em dois:

1. Proteção Espiritual

Judas 24 e 25 diz: “Ora, àquele que é capaz de impedir você de cair e apresentá-lo sem falhas diante da presença de Sua glória com grande alegria, Para o único Deus sábio, nosso Salvador, seja glória e majestade, domínio e poder , agora e sempre. Amém”. (KJV)

O Senhor é capaz de nos levar através das tempestades da vida. O Espírito Santo é capaz de nos levar à eternidade. Ele nos guiará com toda a verdade nesta casa de nossa peregrinação. Às vezes, quando a águia sacode o ninho para deixar a águia sair do ninho, também teremos coisas que nos abalarão um pouco. Podemos até começar a pensar se o Senhor realmente se importa. Na vida de Jacobs, enquanto ele estava em Padanaram, ele começou a pensar em voltar para sua terra apenas quando descobriu que havia uma mudança na atitude de Labão em relação a ele, como vemos em Gênesis 31: 2. Houve um voto que Jacó fez ao Senhor que ele esqueceu e o Senhor teve que mudar a atitude de Labão para que Jacó se lembrasse disso. Era a única maneira de moldar Jacó e torná-lo Israel. O que quer que venha em nossa vida, está nos dando um passo em direção à eternidade.

2. Proteção Física

O Salmo 91:11 diz: Pois ele dará a seus anjos a responsabilidade de guardar em todos os teus caminhos.

O Senhor nos protege de todos os perigos e danos e nos mantém seguros em seu sentido literal. Não é porque temos algo superior a alguém perto de nós; é apenas por causa de Sua graça. Nunca pense quando estamos protegidos de algo pelo qual seu irmão pereceu, é apenas porque vocês tinham um chamado diferente e Deus queria coisas separadas de você e não é porque você era importante e a outra pessoa não. Deus nunca é parcial. Ele sempre se importa. Ele nunca vai nos deixar em paz.

Meus queridos irmãos e irmãs, assim como uma águia ensina seus filhotes a voar, o Senhor Todo-Poderoso também nos instrui a voar quando nos deparamos com problemas. Se estamos no precipício e perdemos o controle e caímos, não se preocupe, ele nos levará e nos carregará nas asas dele. Deus nunca nos deixará cair. É para nos tornar mais fortes por seu trabalho e nos levar à eternidade sem cair.


repassando o ensinamento


Como as águias criam os seus filhotes – Um grande exemplo para todos nós


Luiza FletcherLuiza Fletcher   1 de agosto de 2018



As águias são aves muito admiradas, demonstram sabedoria e majestade a todos nós. Mas seu exemplo vai muito além.

A forma como criam seus filhotes pode nos dar um grande exemplo de como devemos educar nossos próprios filhos. Tudo começa na maneira como as fêmeas da espécie escolhem os seus companheiros.

Elas fazem uma espécie de ritual. Escolhem um pedaço de pau, sobem com ele na boca a uma altitude de cerca de três mil metros e depois o solta de sua boca, analisando como cada macho agirá para pegar o pau antes que caia na terra. Ela repete o mesmo processo em diferentes altitudes, até chegar aos cento e cinquenta metros do solo. Sabem que os machos que estiverem realmente preparados conseguirão, mesmo em pouco tempo, resgatar o pedaço de pau.

O objetivo desse ritual é descobrir como o macho vai se comportar quando for pai. Se ele conseguir pegar os pedaços de pau, provavelmente conseguirá pegar seus filhotes sem problemas quando eles caírem do ninho, porque isso certamente acontecerá.

O pai responsável sabe que seus filhotes são frágeis e que precisarão de toda a sua ajuda, portanto certifica-se de estar sempre presente para proteger sua família.

As águias macho que desistem do desafio, mostram pouco compromisso, e acabam sendo deixadas de lado, porque as águias fêmeas não querem se comprometer com um parceiro que vê a si mesmo como incapaz.

Depois de escolhido o parceiro, ambos sobem para o topo de um penhasco e constroem seu ninho de maneira muito segura e confortável. Depois de pôr os ovos e chocar os filhotes, ambos os mantém protegidos e os trazem comida e água, até que estejam fortes o suficiente para sair.

Quando percebem que está na hora de os filhotes saírem do ninho, o pai começa a derrubar tudo aquilo que mantinha o ambiente confortável para os filhotes, deixando apenas uma estrutura desconfortável, feita de galhos.

Os filhotes, quando deparam com a mudança, ficam sem saber que aconteceu, afinal seus pais costumavam ser muito protetores e cuidadosos, traziam-lhes alimentos e os protegiam do sol e da chuva, e agora não mais o fazem.

A mãe águia, então, voa para algum lugar, pega um peixe e volta, senta-se cerca cinco metros do ninho, para que os filhotes possam ver e começa a comê-lo. Os filhotes, com fome, começam a gritar de dentro do ninho, sem entender porque os pais não dividem o alimento com eles, além de já não os proteger no ninho e tirarem o seu conforto.

Percebendo que se quiserem se alimentar deverão sair do ninho, os filhotes começam a fazer movimentos que nunca fizeram antes, tomam iniciativa e começam a se desenvolver e se arrastar para fora do ninho, coisa que nunca aprenderiam a fazer se os pais continuassem a prover tudo.

Nesses novos movimentos, os filhotes caem muitas vezes, e como o ninho está em um penhasco muito alto para afastar predadores, os pais precisam se encarregar de pegá-los, para que não se machuquem ou morram. Por isso é tão importante o treinamento que fazem com o pau.

Todas as vezes que os filhotes caem, os pais os resgatam e levam para cima, para que recomecem o processo.

E então, depois de algum tempo, eles começam a trabalhar com suas asas, o que possibilita o aprendizado de como voar.  

Quando já estão voando, os pais levam-nos a lugares em que podem encontrar peixes para se alimentar.

As mães e pais águia sabem qual o momento certo de ensinar aos filhotes a como se comportarem para garantirem sua sobrevivência, porque entendem que se vivessem dependentes por muito tempo, não iriam durar.

Essa história pode nos inspirar na criação de nossos filhos. Muitas vezes, os deixamos confortáveis no ninho por tempo demais, quando já deveriam estar aprendendo a dar os seus próprios passos. Por mais difícil que seja, devemos ensinar nossos filhos a voar por conta própria, e permitir que se dediquem a essa missão, ou então estaremos comprometendo o seu potencial de desenvolvimento na vida.

Reflita sobre o ensinamento das águias e aplique-os em sua vida.


Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito



 

A águia e a serpente.



A águia e a serpente



O embate entre serpentes e Águias é muito comum, pois as serpentes são um dos petiscos favoritos das águias, já que a principal defesa de uma serpente seria completamente inútil contra suas garras afiadas e por outro lado, as serpentes não possuem uma boa visão à longa distância, pelo contrário este inimigo em particular possui uma das melhores visões á longa distância entre os animais e que pode perceber o minimo movimento a quilômetros de distância e assim ela consegue chegar de surpresa em alta velocidade caindo literalmente do céu.  Porém, as defesas da serpente não podem ser totalmente desprezadas, por isso o grande e poderoso pássaro precisa de muita habilidade e esperteza para vencer esta disputa pela vida.

Hoje estaremos exatamente comentando e meditando esta atitude que pode nos deixar muitos ensinamentos, veja o depoimento a seguir:




Hermes C. Fernandes

Hoje assisti in loco e ao vivo” a um duelo entre uma águia e uma serpente. Fui levar minha esposa ao trabalho, e na volta, enquanto aguardava o sinal abrir, eu, minha filha Revelyn e meu sobrinho Pedrinho assistimos à cena inusitada. A águia veio descendo velozmente com as garras projetadas para frente, e quando pousou sobre a serpente, foi recebida com um bote. A luta continuou depois que o sinal abriu e não sabemos o resultado. Presumo que a águia tenha vencido, como geralmente acontece. É muito difícil para uma cobra, mesmo peçonhenta, resistir ao poder das garras daquela ave.

Águias e serpentes são abundantes aqui na Flórida. Recentemente, nosso quintal recebeu a visita de uma cobra. Mas desde que flagrei uma águia pousada no mesmo lado onde avistamos o tal réptil, nunca mais a cobra deu o ar de sua graça. Provavelmente, virou comida de águia.

Assistir àquele embate me fez passar o dia refletindo.

A cobra é um réptil rasteiro de sangue frio, enquanto a águia é uma ave de sangue quente que voa em alturas inatingíveis para qualquer outro animal. Enquanto a cobra troca de pele, a águia troca sua penagem. O poder da águia está na envergadura de suas asas e na força de seu bico e suas garras. Já o poder da serpente está em seu veneno.

– Enquanto o povo de Deus é desafiado a ser como uma águia, renovando constantemente sua força (*) em Deus, os ímpios são comparados à prole da serpente. As Escrituras cristãs estão repletas de imagens que sugerem esta comparação.

A águia é símbolo de renovação, de confiança, de destreza, de majestade. Mas a serpente é símbolo de traição, de astúcia, de malignidade.

A serpente é traiçoeira e mantém-se sempre escondida. Seu bote sempre acontece sem aviso prévio, com exceção da cascavel com seu chocalho. Já a águia avisa que está chegando desde que avista a presa, dando-lhe chance de escapar. O som que emite, juntamente com a envergadura de suas asas, não a deixam passar despercebida.

Os hipócritas e traidores são verdadeiras serpentes que trocam sua pele de acordo com a conveniência. Esperam a hora certa de dar o bote. São calculistas e frios. Ainda que pareçam agir pela emoção do momento, suas atitudes são planejadas e têm como objetivo derrubar quem está em seu caminho. Trocam seu discurso como a serpente troca de pele.

Os visionários são como águia, capazes de vislumbrar o futuro. Mesmo quando pegos de surpresa pelo bote da serpente, não recoam, mas mantém os olhos fitos no alvo. Renovar as penas não é como trocar de pele. O discurso continua o mesmo. Antes de ser leal aos que o cercam, é fiel à visão que Deus lhe deu. E justamente daí vem sua lealdade para com aqueles que nele confiam. Ser fiel a Deus e leal aos amigos acaba resultando numa consciência tranquila e forças renovadas.


17 de setembro de 2017



A águia não luta com uma serpente no chão.

Ela a agarra e a transfere para um outro campo de batalha: o céu. Depois de levá-la para o alto, a solta em direção ao chão.

Uma cobra não tem nenhuma resistência, nenhum poder, nenhum equilíbrio no ar. Ali revela-se inútil, fraca e vulnerável.

No chão, é mortal, sábia e poderosa.

Como uma águia, não limite-se a lutar no reino físico do inimigo.

Leve a luta para o seu domínio, que é o céu:  A ORAÇÃO!

O diabo aqui na Terra é forte, astuto, enganador, envolvente, e muitas vezes mortal. Mas no céu, assim como esta serpente revela-se inútil, fraco e vulnerável.

Busque as coisas do alto!!!   Reze mais.   A cabeça da serpente já foi pisada. Tomemos posse da graça de Deus. As decisões que mudam as coisas aqui na terra são tomadas lá no Céu.



NOSSAS MENSAGENS NO PINTEREST




OUTRAS INDICAÇÕES SEMELHANTES




POWER POINT – SLAIDSHARE

Baixe o slide para melhor visualização dos efeitos.






Eu vi Jesus … e o céu existe com certeza …



Uma menina nos Estados Unidos garante ter visto o rosto de Jesus em um sonho e para revelar a aparência d’Ele pintou um retrato totalmente fiel à sua visão que deixou o mundo totalmente impressionado. com os detalhes e a aparência da imagem que retratou.



Existe uma curiosidade crescente no mundo de hoje a respeito da verdadeira aparência de Jesus Cristo, uma vez que na época ninguém se preocupou em retratar o Filho de Deus.

Muitas imagem são divulgadas por aí e ficou na mente e no coração das pessoas uma aparência que não foi a real aparência do Mestre e por isso até a ciência quis dar sua opinião “IMPARCIAL” por não ser uma opinião de cunho religioso e sim baseada em fatos reais e verdadeiros.


JESUS MISERICORDIOSO


Apresentaram uma imagem supostamente não verdadeira, mas bem mais próxima do que seria a verdade, porém esta mesma ciência usando de técnicas diferentes acaba por complicar ainda mais a situação, pois nos oferece opções de imagens muito diferentes uma da outra e contestam as imagens conhecidas até então.


Quantos de nós não queríamos ter visto Jesus?


Akiane Kramarik disse que teve essa experiência.

Hoje ela tem 23 anos e trabalha como pintora e poetisa.

Nascida em Illinois, Estados Unidos, Akiane teve uma experiência sobrenatural quando tinha apenas 3 anos de idade.

Ela conta que, do nada, começou a ter visões do céu que lhe foram reveladas através de seus sonhos.

A menina, na época, contou aos pais, e eles tiveram muita dificuldade para acreditar, principalmente porque eram ateus.

No entanto, ela foi firme e disse que tinha certeza de que aqueles sonhos se tratavam de uma conversa com o próprio Deus.

Jesus teria dito a Akiane que ela deveria ajudar outras pessoas.

Aos 4 anos, a pequena começou a fazer um desenho numa tela.

Dois anos depois, o esboço passou a ter cores e formas – até que se tornou uma verdadeira obra de arte.

Uma das pinturas mais famosas da menina se chama “Príncipe da Paz”, em homenagem a Jesus de Nazaré.

Essa imagem foi criada quando ela tinha apenas 8 anos e está conectada com outra experiência, a de Colton Burpo.



Ele foi o menino que inspirou o filme O Céu É de Verdade.

Quando tinha 4 anos, ele quase morreu numa cirurgia de apendicite, Voltou a ida e garante que, durante a operação, ele deixou o corpo físico, viu os pais no hospital e foi levado ao céu.

Quando acordou, disse que aos pais que esteve no paraíso.



Mais do que isso!

Ele disse que viu Jesus, os anjos, e dois de seus parentes já falecidos: a irmã não nascida, que havia morrido aos 3 meses de gestação, e o avô paterno.

Um dia, quando o pai de Colton via uma reportagem sobre a imagem de Jesus que Akiane pintou, o menino entrou por acaso na sala onde o pai estava e viu essa imagem: ele deu um pulo e afirmou que se tratava do mesmo homem que viu quando estava no céu.

As duas experiências ficaram famosas no mundo todo.

Os pais da menina Akiane acabaram se convertendo ao cristianismo.

Hoje ela é uma artista (autodidata) muito popular nos Estados Unidos.

Akiane acredita que o talento é um presente prometido por Deus para que fosse compartilhado com outras pessoas.

Todas as pinturas são baseadas nas visões que teve quando criança.

Sobre a figura de Jesus, ela chegou a pintar duas telas.

A primeira, como já mencionamos, chama-se “Príncipe da Paz”.

E a segunda ficou nomeada como “Perdoa-os, Pai”.

O que ela consegue arrecadar com o dom, segundo a família, é investido em projetos para ajudar os mais necessitados, como a construção de hospitais na África.

Ela sonha em ver o mundo livre das guerras.



Testemunho de Glória Polo

Ela visitou o céu e o inferno quando esteve entre a vida e a morte após ser atingida por um raio.



Outros Post’s semelhantes



Jesus_e_seus_melhores_amigos A casa em chamas
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg?w=130&h=120 colo-de-jesus Ultima_seia_leonardo_da_vinci_original

Tende_Misericordia_Senhor

Amigo Fiel Ultima_seia_leonardo_da_vinci_original


Cada um deve carregar a sua Cruz.


Para compreendermos melhor este texto vamos acompanhar uma pequena metáfora que conta a estória de um matuto chamado Zé, creio até que você já conhece a figura ou alguém parecido.



A historia do Zé.

O Zé era uma dessas pessoas que vive fugindo das dificuldades. Procurava sempre o caminho mais cômodo. Era mestre em encontrar atalhos. Nem sempre suas soluções eram as melhores.

Mas sempre estavam de acordo com seus próprios interesses. Sofrimento era uma palavra que simplesmente não existia no dicionário do Zé. Tudo o que pudesse provocar algum tipo de desconforto era imediatamente descartado e ficava em segundo plano. Coisas como: solidariedade, amor desinteressado, humildade e perdão… Hummm!!! nem pensar…

Um dia…  Zé morreu inesperadamente.

Apesar de tudo, o Zé não era um homem mal e seguiu o bom caminho, ao morrer, seguiu para o céu e encontrou São Pedro em frente à grande porta celestial com uma imensa cruz de mais ou menos cinco metros de altura.

Saudou o Santo com a intimidade de um velho conhecido, do jeito que costumava fazer com os amigos nos “bares da vida”, quando queria pedir algum favor.

Depois lhe perguntou discretamente:

Qual o caminho mais curto para chegar lá… no céu?

São Pedro respondeu:

– Seja bem vindo, Zé! A entrada é por aqui mesmo. Entre!

O Zé entrou e viu uma longa estrada, bastante estreita, ingrime, cheia de ondulações e pedregosa.

Perguntou imediatamente, como fazia nos velhos tempos:

– Não tem aí… um atalhinho mais fácil… e mais curto?

São Pedro respondeu com ternura e autoridade:

– Não Zé! O Único caminho é esse mesmo!

Todos os que vão para o céu passam por aqui.

E tem mais. Você deverá levar esta cruz até lá.

São apenas cinco quilômetros de caminhada.

O Zé olhou para a cruz e pensou com seus botões: “vou dar um jeitinho”. Agradeceu o Santo e seguiu com sua cruz em direção ao paraíso celestial.   Caminhou um quilometro sem a menor dificuldade. Foi então que viu ali no chão um serrote esquecido.



Olhou ao redor. Não viu ninguém espiando. Não resistiu a tentação e… Cortou um pedacinho da cruz.

Continuou o seu caminho e levou junto o serrote é claro. Andou mais um quilometro e lá se foi menos um metro da Cruz.   Mais um Km de caminhada e outro metro foi subtraído.

Quando faltavam apenas cem metros para chegar ao seu destino só restava um metro de cruz. E lá ia o Zé carregando seu pedaço de cruz sem a menor dificuldade, como fez durante toda a sua vida.

Aconteceu então o inesperado. O Zé deu de cara com um imenso precipício de uns 5 metros de largura, Para chegar ao outro lado, seria necessário atravessá-lo. Como?  O Zé podia ver apenas lá no fundo do precipício um lago de fogo que borbulhava. Faltou lhe coragem. Ele não seria capaz de saltar tão longe assim.

Desanimado, então sentou-se no pedaço de cruz que ainda lhe restava. Lembrou então a oração do Anjo da Guarda que aprendera com sua avó. Começou a rezar.

Seu anjo da guarda lhe apareceu e perguntou:

– Ei, Zé…   O que você esta esperando? A festa no céu esta um maravilha. Você não esta escutando a musica e as danças?

Por que você ainda esta aí sentado?

O Zé respondeu:

– Cheguei até aqui, mais tenho medo de pular este precipício.

O anjo, então, exclamou:

– Ora, Zé, use a ponte!

Que ponte? – perguntou o Zé…

– Aquela que São Pedro lhe deu lá na entrada! Onde está a sua ponte, Zé?

Ele compreendendo o seu grande erro respondeu:

– Eu cortei!



Moral da história


Nada nesta vida é por acaso ! Muitas vezes queremos nos livrar da “cruz”  que nos é dada.  Mas para tudo tem um ‘para quê‘ e um ‘por quê‘… Deus nunca nos manda algo que não possamos suportar… E se formos abreviar estes caminhos, certamente teremos problemas !

Ser cidadão do céu é uma conquista individual com identidade coletiva.


Alguém deixou um comentário em uma postagem anterior questionando o final da estória, no que diz respeito à solução da travessia do abismo dizendo que os outros poderiam ter lhe emprestado a cruz, ou que pudesse ter retornado até a entrada e buscado outra cruz inteira e etc.

Certamente existem diversas opções de solução para nosso candidato ao céu, mas para qualquer outra opção, primeiro é preciso constatar o pecado, “ERRO“, ou o fracasso para se buscar outra chance. “conversão sincera” 

Você pode perceber que a metáfora não termina com um final e sim é interrompida para possibilitar que você crie em sua mente uma opção que solucione o impasse de nosso amigão Zé.  Enquanto estamos a caminho do céu precisamos analisar bem essas opções porque afinal de contas também nós estamos nesta caminhada e não queremos nos atrasar para a grande festa como o irmão do filho pródigo, portanto é preciso ter cuidado com os atalhos e os desvios para que não escorreguemos caindo naquele precipício.




Cada um renuncie a si mesmo, pegue a sua Cruz e siga-me.



PARÁBOLAS E MENSAGENS EM POWER POINT PARA REFLEXÃO



DEUS AMA O PECADOR

MAS ODEIA O PECADO

Wallpaper’s do Espírito Santo.



O dia de Pentecostes foi o dia que Jesus cumpriu a Promessa do Pai e derramou o Espírito Santo sobre todos nós.


Vários Walpaper’s Papel de fundo de tela com o tema do Espírito Santo que foi derramado sobre os apóstolos, sobre a Igreja e sobre cada um de nós.


Para ampliar é só clicar na foto.


OBS. As amostras de imagens não estão posicionadas de acordo com a miniatura proporcional à foto original, mas ao clicar e abrir a imagem ela abrirá nas suas dimensões originais.


Jesus_Batismo_P



Vinde_Espírito Vinde_Espírito_Fraqueza Pomba_Branca_Céu_Espírito
Sao_Paulo_caiu_por_terra_reposo_no_Espírito espirito-santo-blog[1] espirito

Corasao_Templo_do_Espírito Nascer_da_agua_e_do_espirito pomba-da-paz-2009
pomba-branca-cantai pomba-bigstockphoto_white_dove_in_flight__976408 pomba-pintura

Outras indicações


Pomba_branca_repres_Espirito_santo (4) Pomba_branca_repres_Espirito_santo (2) hs
O_Espírito_pairava Pomba_branca_repres_Espirito_santo (5) Pomba_branca_repres_Espirito_santo (10)


Pomba_branca_repres_Espirito_santo (6) Dove flying Pomba_branca_repres_Espirito_santo (7)
Dove in the air with wings wide open in-front of the sun Pomba_branca_repres_Espirito_santo (9) semana-do-espirito-santo


Soprou_o_Espirito_1366x768 Espírito Santo derrama sede_de_Agua_viva
wallpaper-fruto-espirito_1920x1200 Receba_força_do_alto_ (1) Receba_força_do_alto_ (2)


Vitral_Espirito_Vaticano Pomba_agua_viva
Pentecostes_2015_1 Pomba_branca_repres_Espirito_santo (1)
apagar apagar


Jesus_Batismo_P Batismo_Espírito
Jesus-Baptismo-Wallpaper (2) viver_espirito_lk

Pomba_Voo_céu_Aberto Pomba_Pentecostes_amarelo_Fundo Espírito_Santo_ig
holy_spirit_2831020091 Paz Pomba_Dove

Recebendo_o_Espirito_Santo Vinde_espirito_santo_431 Aspirais_aos_Dons_Espirituais
Efusão_no_Espirito_2 Efusão_no_Espirito_1 Derrama_Espirito

Semeando a cultura de Pentecostes


Repouso_no_espirito_santo Nascer_da_agua_e_do_espirito
Caminhar_com_Jesus Espirito_Santo

Pomba_palavras_espirituais Corpo_templo_do_espirito espirito-santo2Vitral_Espirito_Vaticano

São Miguel Arcanjo.


Sao Miguel


Oração Milagrosa de São Miguel Arcanjo


Jesus amado, Jesus Crucificado, contemplo hoje as tuas Santas Chagas e peço-vos perdão pelos meus pecados.  Sei que são muitos, sei que muitos deles o feriram profundamente.  Mas, peço-vos também hoje a graça de conhecê-los todos, de arrepender-me e não voltar a pecar.

Perdão por toda falta de amor com que tratei o Vosso Sagrado Coração por tanto tempo da minha vida.  Perdão pela minha falta de confiança em teu poder, perdão por que tantas vezes esta falta de confiança levou-me a agir desesperadamente.  Perdão pela minha falta de fé em Sua Presença real na Eucaristia.  Perdão pela minha falta de esperança que tantas vezes levou-me a atropelar os teus planos para comigo.  Enfim, perdão Senhor por tantas vezes que eu não soube perdoar e conservei em mim o ódio e o rancor que tanto me afastam de ti.

Quero hoje reparar todas as maldades que cometi contra o Teu Sagrado Corpo. Maldades estas que te abriram de tão profundas chagas. Senhor Jesus, pelas tuas Santas Chagas, ensinai-me o Caminho da Santidade.Amém.


Oração a São Miguel

São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate.
Cobri-nos com o vosso escudo contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o Deus instantemente o pedimos e vós príncipe da milícia celeste, pelos divinos poderes, precipitai no inferno a satanás e a outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas.


Jaculatórias e Antífonas

São Miguel Arcanjo, nosso intercessor junto de Jesus e Maria, vinde socorrer-nos nas nossas enfermidades do corpo e da alma.

Oh! Luminares radiosos do Céu, Exército triunfante da Corte Celeste, assisti a Santa Igreja e dai-lhe vitória sobre todos os seus inimigos.

Oh! Coros admiráveis da Hierarquia Celeste, que servis a Deus no Céu e na Terra oponde-vos ao mal e fazei com que o bem triunfe em todos os países da Terra.

São Miguel Arcanjo, conforto dos Apóstolos de Cristo, obtende-nos alegria e constância na missão de levar o Evangelho às almas.

São Miguel Arcanjo, amigo, protetor e mestre da virtude que santifica os vossos devotos, obtende-nos a graça da santidade.

Oh! glorioso São Miguel Arcanjo, Príncipe dos Anjos, Guarda da Santa Igreja, defensor as almas, rogo-vos humildemente que o vosso auxílio nos ampare, a vossa fortaleza nos defenda, a vossa virtude nos fortifique, para que, quando sairmos desta vida, sejamos defendidos por Vós, do dragão infernal e das suas astúcias e aparecermos limpos de toda a culpa perante a Divina Majestade.Amém.

Enquanto o São Miguel Arcanjo combatia com o dragão, ouviu-se a voz dos que diziam:

Viva o nosso Deus, Aleluia.

Arcanjo Miguel, Deus te constituiu Príncipe de todas as almas que se devem salvar.

Anjos do Senhor, bendizei ao Senhor para sempre.

Anjos e Arcanjos, Tronos e Dominações, Principados, Virtudes dos Céus, louvai ao Senhor das alturas, Aleluia.

Enquanto João contemplava o sagrado mistério, o Arcanjo Miguel tocou a trombeta:

Perdoai, Senhor e nosso Deus, vós que abris o Livro e lhe desatais os selos, Aleluia.
Cantarei, ó meu Deus, os Vossos louvores na presença dos Anjos.

Adorar-Vos-ei no Vosso Templo e louvarei o Vosso Nome.

Gloriosíssimo Príncipe, Arcanjo Miguel, lembrai-vos de nós.

Aqui e em toda parte, rogai por nós ao Filho de Deus, Aleluia, Aleluia.

Agitou-se o mar e a terra tremeu, quando o Arcanjo Miguel desceu das alturas.

Louvemos o Senhor, a quem os Anjos louvam, os Querubins e os Serafins cantam:

Santo, Santo, Santo! Deus Santo, Senhor, os Anjos vos louvam nas alturas, dizendo a uma só voz:

“A Vós, Deus, o Louvor”
São Miguel um dos que estão mais próximos de Deus, acudiu em meu socorro.
Clevinho Maia (Combatentes de São Miguel Arcanjo)
BLOGS
https://saomiguelarcanjo.wordpress.com – http://novecoros.blogspot.com.br

leia mais em:http://www.arcanjomiguel.net/oracao-milagrosa-sao-miguel.html#ixzz3AW9PRo6x


Gabriela Carvalho – Df


“DEFENDEI-NOS NO COMBATE”


angel-michael-slaying-satan[1]


São Miguel Arcanjo

COMO PARTICIPAR DA

QUARESMA DE

SÃO MIGUEL ARCANJO ?


NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
FRANCISCO E CLARA

E o Pastor decidiu ir à Missa.


O banquete do Cordeiro [tweetmeme]


"Testemunho de um Pastor Evangélico que se converteu ao Catolicismo."


(São Mateus 22,4)



Scott Hahn

Ali estava eu, incógnito, um ministro protestante à paisana, esgueirando-me nos fundos de uma capela em Milwaukee para participar pela primeira vez da missa. A curiosidade me arrastara até lá e eu ainda não tinha certeza de que fosse uma curiosidade saudável. Ao estudar os escritos dos primeiros cristãos, encontrei inúmeras referências à “liturgia”, à “Eucaristia”, ao “sacrifício”. Para aqueles primeiros cristãos, separada do acontecimento que os católicos de hoje denominam “missa”, a Bíblia – o livro que eu mais amava – era incompreensível.

Eu queria entender os cristãos primeiros, mas não tinha nenhuma experiência de liturgia. Por isso, persuadi a mim mesmo a ir ver, como uma espécie de exercício acadêmico, mas jurando o tempo todo que não ia me ajoelhar nem participar de idolatria.

Sentei-me na obscuridade, em um banco bem no fundo daquela capela no subsolo. À minha frente havia um número considerável de fiéis, homens e mulheres de todas as idades. Impressionaram-me suas reflexões e sua evidente concentração na oração. Então um sino soou e todos se levantaram quando o padre surgiu de uma porta ao lado do altar. Hesitante, permaneci sentado. Durante anos, como calvinista evangélico, fui instruído para acreditar que a missa era o maior sacrilégio que alguém poderia cometer. Tinha aprendido que a missa era um ritual com o propósito de “sacrificar Jesus Cristo outra vez”. Por isso, eu seria um espectador, ficaria sentado, com a Bíblia aberta ao meu lado.

Entretanto, è medida que a missa prosseguia, alguma coisa me tocou. A Bíblia não estava só ao meu lado. Estava diante de mim – nas palavras da missa! Um versículo era de Isaías, outro dos Salmos, outro de Paulo. A experiência era prodigiosa. Eu queria interromper tudo e gritar: “Ei! Posso explicar o que está acontecendo a partir das Escrituras? Isso é maravilhoso!” Não obstante, mantive minha posição de espectador à parte até que ouvi o sacerdote pronunciar as palavras da consagração: “Isto é o meu corpo… Este é o cálice do meu sangue”.

Eu senti todas as minhas dúvidas se esvaírem. Quando vi o sacerdote elevar aquela hóstia branca, percebi que uma prece subiu de meu coração em um sussurro: “Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!”

A partir daquele ponto, fiquei, por assim dizer, tolhido. Não imaginava uma emoção maior que a que aquelas palavras provocaram em mim. Porém a experiência intensificou-se um momento depois, quando ouvi a congregação repetir: “Cordeiro de Deus… Cordeiro de Deus… Cordeiro de Deus”, e o sacerdote responder: “Eis o Cordeiro de Deus…”, enquanto elevava a hóstia.

Em menos de um minuto a frase “Cordeiro de Deus” ressoou quatro vezes. Graças a longos anos de estudos bíblicos, percebi imediatamente onde eu estava. Estava no livro do Apocalipse, no qual Jesus é chamado Cordeiro nada menos que vinte e oito vezes em vinte e dois capítulos. Estava na festa de núpcias que João descreve no final do último livro da Bíblia. Estava diante do trono do céu, onde Jesus é saudado para sempre como o Cordeiro. Entretanto, não estava preparado para isso – eu estava na missa!

Voltei à missa no dia seguinte e no outro dia e no outro. Cada vez que voltava, eu “descobria” mais passagens das Escrituras consumadas diante dos meus olhos. Contudo, naquela capela escura, nenhum livro me era tão visível quanto o da revelação de Jesus Cristo, o Apocalipse, que descreve a adoração dos anjos e santos do céu. Como nesse livro, vi, naquela capela, sacerdotes paramentados, um altar, uma assembléia que entoava: “santo, santo, santo”. Vi a fumaça de incenso, ouvi a invocação de anjos e santos; eu mesmo entoava os aleluias, pois me sentia cada vez mais atraído a essa adoração. Continuei a me sentar no último banco com minha Bíblia e mal sabia para onde me voltar – para a ação no Apocalipse ou para a ação no altar, que pareciam cada vez mais ser exatamente a mesma.


https://i0.wp.com/lacosazuis.blogs.sapo.pt/arquivo/cordeiro_deus.jpg


Mergulhei com vigor renovado em meu estudo do cristianismo antigo e descobri que os primeiros bispos, os Padres da Igreja, tinham feito a mesma “descoberta” que eu fazia a cada manhã. Eles consideravam o livro do Apocalipse a chave da liturgia e a liturgia a chave do livro do Apocalipse. Alguma coisa intensa aconteceu com o estudioso e crente que eu era. O livro da Bíblia que eu achava mais desconcertante – o do Apocalipse – agora elucidava as idéias mais fundamentais de minha fé: a idéia da aliança como elo sagrado da família de Deus. Além disso, a ação que eu considerava a maior das blasfêmias – a missa – agora se revelava o acontecimento que ratificou a aliança de Deus: “Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança”.

Eu estava aturdido com a novidade de tudo aquilo. Durante anos tentei compreender o livro do Apocalipse como uma espécie de mensagem codificada a respeito do fim do mundo, a respeito do culto no céu distante, a respeito de algo que, em sua maioria, os cristãos não poderiam experimentar aqui na terra. Agora, depois de duas semanas de comparecimento diário à missa, eu me via querendo levantar durante a liturgia e dizer: “Ei, pessoal. Quero lhes mostrar onde vocês estão no livro do Apocalipse! Consultem o capítulo 4, versículo 8. Agora mesmo vocês estão no céu”. 

No céu agora mesmo! Os Padres da Igreja mostraram que essa descoberta não era minha. Pregaram a respeito há mais de mil anos. Entretanto, eu estava convencido de que merecia o crédito pela redescoberta da relação entre a missa e o livro do Apocalipse. Então descobri que o Concílio Vaticano II tinha me passado para trás. Reflita nestas palavras da Constituição sobre a Sagrada Liturgia:

Na liturgia terrena, antegozando, participamos da liturgia celeste, que se celebra na cidade santa de Jerusalém, para a qual, peregrinos, nos encaminhamos. Lá, Cristo está sentado à direita de Deus, ministro do santuário e do tabernáculo verdadeiro; com toda a milícia do exército celestial entoamos um hino de glória ao Senhor e, venerando a memória dos Santos, esperamos fazer parte da sociedade deles; suspiramos pelo Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo, até que ele, nossa vida, se manifeste, e nós apareçamos com ele na glória. 

Espere um pouco. Isso é céu. Não, isso é a missa. Não, é o livro do Apocalipse. Espere um pouco: isso é tudo o que está acima. 

Esforcei-me bastante para ir devagar, cautelosamente, com o cuidado de evitar os perigos aos quais os convertidos são suscetíveis, pois eu estava depressa me convertendo à fé católica. Contudo, essa descoberta não era produto de uma imaginação superexcitada; era o ensinamento solene de um concílio da Igreja Católica. Com o tempo, descobri que era também a conclusão inevitável dos estudiosos protestantes mais rigorosos e honestos. Um deles, Leonard Thompson, escreveu que “até mesmo uma leitura superficial do livro do Apocalipse mostra a presença da linguagem litúrgica disposta em forma de culto… A linguagem de culto desempenha importante papel na coerência do livro”. Bastam as imagens da liturgia para tornar esse extraordinário livro compreensível. As figuras litúrgicas são essenciais para sua mensagem, escreve Thompson, e revelam “algo mais que visões de ‘coisas que estão por vir’”. 

O livro do Apocalipse tratava de Alguém que estava por vir. Tratava de Jesus Cristo e sua “segunda vinda”, a forma como, em geral, os cristãos traduziram a palavra grega parousia. Depois de passar horas e horas naquela capela de Milwaukee, em 1985, aprendi que aquele Alguém era o mesmo Jesus Cristo que o sacerdote católico erguia na hóstia. Se os cristãos primitivos estavam certos, eu sabia que, naquele exato momento, o céu tocava a terra. “Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!”. 



Scott Hahn

O Banquete do Cordeiro

A missa segundo um convertido

Pgs 21-25. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

Links→

Artigos neste Blog



Jesus é Misericordioso


Jesus nos convida para uma grandiosa festa.


O banquete do Cordeiro


“A Festa já está preparada…”


(São Mateus 22,4)



Ultimamente tenho indicado muito um livro de Scott Hahn, “O Banquete do Cordeiro – a Missa por um convertido” (Loyola, 2002), no qual o autor explica de maneira bastante envolvente vários aspectos do mistério da santa missa desde uma perspectiva apocalíptica. O livro é muito interessante e descortina várias realidades veladas aos nossos olhos acostumados a ver somente o que se nos mostra patentemente. Entre outras coisas, afirma o autor logo na “introdução”: “insisto que vamos realmente ao céu quando vamos à missa, e isso é verdade a respeito de toda missa de que participamos, independentemente da qualidade da música ou do fervor da homilia. Não é questão de aprender a “ver o lado brilhante” de liturgias desleixadas. Não se trata de adotar uma atitude mais caridosa para com vocalistas desafinados. Trata-se de algo que é objetivamente verdade, algo tão real quando o coração que bate dentro de você. A missa – e quero dizer toda missa – é o céu na terra”.

“Dizei aos convidados que já está preparado o meu banquete (…). Vinde às bodas!” (Mt 22,4). Jesus deixou-nos esse prodígio de amor, que é a eucaristia, para que participemos de suas alegrias eternas. Ele instituiu o sacramento do seu corpo e do seu sangue no contexto de uma ceia e se deu em alimento para que nós, fortalecidos, pudéssemos chegar à glória celestial. Mas a eucaristia não é somente um banquete, nem é um simples banquete. Trata-se de um banquete sacrificial. O Catecismo da Igreja Católica faz essa conexão – eucaristia-ceia – já que o Novo Testamento também o faz: “Jesus expressou de modo supremo a oferta livre de si mesmo na refeição que tomou com os Doze Apóstolos na “noite em que foi entregue” (1 Cor 11,23). Na véspera de sua Paixão, quando ainda estava em liberdade, Jesus fez desta Última Ceia com seus apóstolos o memorial de sua oferta voluntária ao Pai, pela salvação dos homens: “Isto é o meu corpo que é dado por vós” (Lc 22,19). “Isto é o meu sangue, o sangue da Aliança, que é derramado por muitos para remissão dos pecados” (Mt 26,28)” (Cat. 610).


O Grande Banquete em uma visão atualizada.


Fomos convidados para participar do banquete nupcial do Cordeiro. Quem é esse Cordeiro com letra maiúscula? Explica-nos o evangelista João: “Eu vi no meio do trono, dos quatro Animais e no meio dos Anciãos um Cordeiro de pé, como que imolado” (Ap 5,6). Tinha-se anunciado que o Leão abriria o livro selado (cfr. Ap 5,5), mas aparece um Cordeiro que, efetivamente, pode abrir os sete selos (cfr. Ap 6,1). Aparente contradição! O que tem a ver um leão com um cordeiro? Jesus tem a fortaleza de um leão e a mansidão de um cordeiro. O Cordeiro de Deus, Jesus, aparece “de pé, como que imolado”. Outra aparente contradição! Quem está de pé não está imolado, que está imolado não está de pé; mas, explica-nos a Bíblia de Jerusalém, trata-se do “cordeiro que foi imolado para a salvação do povo eleito (cf. Jo 1,29+; Is 53,7). Ele traz as marcas de seu suplício, mas está de pé, triunfante (cf. At 7,55), vencedor da morte (1,18) e por esta razão (…) senhor de toda a humanidade” (Bíblia de Jerusalém, Ap 5,6, nota z).

O sacrifício do Cordeiro foi oferecido ao Pai, mas também foi oferecido a nós. Pelo poder desse Cordeiro salvador, Jesus, e pela ação do Espírito Santo, atualiza-se em cada missa o mistério da sua Páscoa. Em cada missa nos encontramos com o mistério do Cristo morto e ressuscitado, e, ao encontrar-nos com esses fatos diante de nós, somos transportados à eternidade. Explico-me: o sacrifício de Cristo oferecido ao Pai foi aceito eternamente pelo Pai que o tem sempre diante dos seus olhos. Pois bem, esse mesmo sacrifício que o Pai tem diante de si se nos torna presente em cada santa missa: o céu desce à terra e a terra entra em contato com o céu. Mais ainda, para que a nossa participação seja mais intensa, Deus ofereceu-se em comida, isto é, Jesus na comunhão nos faz participar do banquete que ele mesmo preparou para nós.

Que triste seria se desprezássemos tanto amor de Deus! Como eu participo da santa missa? Desejo, de verdade, que chegue o momento de participar da próxima missa? Procuro ir bem preparado para participar do banquete que o Senhor fez para mim, para a minha salvação e para o fortalecimento do meu apostolado? Encontro na santa missa o centro da minha vida espiritual?

Homilia de Padre Françoá Costa

XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano A



Pe. Françoá Costa

Sacerdote da

Diocese de Anápolis

Outros textos do mesmo Autor

Links→

Artigos neste Blog



Jesus é Misericordioso


Como voar nas alturas Infinitas ?



SENDO ÁGUIAS DE DEUS!



“Ou é pelo teu mandado que remonta a águia e faz alto o seu ninho? Habita no penhasco onde faz a sua morada, sobre o cume do penhasco, em lugar seguro. Dali descobre a presa; seus olhos a avistam de longe. Seus filhos chupam sangue; onde há mortos ali ele está” Jó 39.27-40


“mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam.” Isaías40.31


.



A águia é conhecida em toda terra como a rainha das aves. Ela é a ave mais forte que existe na terra, podendo conduzir em voo animais pequenos e até mesmo uma criança, tamanha sua resistência. Ela é a ave que voa mais alto, somente igualada em capacidade de voo pelo condor. Na antiguidade, vários países e conquistadores usavam como insígnias de seus exércitos a figura de uma águia. Os exércitos romanos, os impérios da Rússia, Áustria, Prússia e até mesmo Napoleão também adotaram a águia como brasão. Muito se tem falado e ensinado acerca das águias. Muitas lendas se criaram a respeito dela. Diante de tantas qualidades já expostas e outras das quais ainda vamos falar, podemos entender que Deus criou a águia com propósitos especiais, para que nós pudéssemos extrair dela lições para nossas vidas.


 Constrói o ninho no alto


Ninho_águiaA águia constrói nas alturas (montanhas ou altas árvores). Aproveita ninhos abandonados ou constrói novo. O local de ninho preferido é onde a presa pode ser avistada facilmente. É volumoso e é composto de varas, ramos, raízes, ervas daninhas, e mato. Com o ninho construído no alto, mantém-se acima do perigo (prudência). A Bíblia diz que devemos ser puros como pombas e prudentes com a serpente. O lugar alto do cristão é se estabelecer ao lado do Pai. Estar no lugar alto é estar no refúgio e na fortaleza do Senhor em intimidade com Deus e não ser abalado pelas provações ou alcançado pelos dardos inflamados do inimigo.A nossa missão nos é vista com clareza dos lugares altos, dada a intimidade com Deus, sabemos a vontade de Deus e então cumprimos a nossa missão com eficiência e segundo o coração de DEUS. O lugar do nosso ninho (de nos estabelecermos) é ao lado do Pai. Disso depende a nossa missão.


Olha para o Sol


O olhos da águia olham em direção ao sol (Com uma membrana nictante é o único ser que pode olhar direto para o Sol. Uma estorinha contada sobre uma águia que é criada como galinha, diz que depois de várias tentativas de que a águia se lembrar de como era ser uma águia, quando o biólogo a coloca olhando em direção ao sol, ela se desperta e voa alto recuperando a sua alma de águia. O Salmo 121 fala “para os montes vou erguer meu olhar.. do alto me virá o socorro… o meu socorro vem do Senhor”; Jesus diz que “do alto sejais revestidos de poder” em Lucas 24.49. É para o alto que devemos olhar, é de lá que seremos capacitados pelo Espírito Santo de Deus para toda a obra. Nosso sol é Deus. A missão depende de para onde direcionamos o nosso olhar.


Voa acima das nuvens


aguia+voando[1]Algumas águias chegam a ter asas de dois metros de envergadura (largura), mais que o comprimento de um homem! A envergadura das asas, de ponta a ponta, pode alcançar dois metros ou mais.

Como pode uma ave desse porte voar acima de três mil metros de altura? As penas de vôo (que se chamam remígios), chegam a ter 50 cm. As pontas das asas são fendidas de modo que ela possa abrir os remígios separadamente como se fossem dedos. Com todo esse equipamento, ela pode considerar-se senhora do espaço. As aves que voam têm o corpo muito leve, inclusive porque seus ossos são ocos. Em algumas partes internas os ossos possuem nervuras, como as de uma asa de avião, para torná-los mais fortes. O esqueleto de uma Águia calva, por exemplo, não pesa mais do que 300 gramas. Alguns ossos são soldados, isto é, ligados uns aos outros, de maneira a dar uma estrutura mais compacta a ave. O osso do peito é adaptado em forma de quilha, como a de um barco, e é chamado de carena, servindo com suporte para a musculatura peitoral. A estrutura óssea da águia é diferente de todas as outras aves. Todas as aves que existem no mundo têm uma estrutura óssea comprida, mas a da águia é cilíndrica; por isso, ela é a única de grande porte que pode voar e descansar enquanto voa, ao contrário das outras que precisam descer para descansar. Voa em direção ao céu. Enfrenta a tempestade e a ultrapassa (na forte tempestade não se esconde nem tenta inutilmente enfrenta-la, mas voa acima dela). A águia é a única que enfrenta uma tempestade. As demais, ao pressentirem uma tempestade, escondem-se. A águia, porém, passa por sobre a tempestade, e voa acima da turbulência das nuvens. Se coloca acima da tempestade. Um dia, tive o privilégio de estar num avião num dia em que nuvens pesadas cobriam o céu de Curitiba, que às três horas da tarde exibia a claridade de um final de tarde e um frio de 7 graus. Acima das nuvens havia um dia claro e ensolarado.

No livro de Habacuque encontramos um profeta exasperado pelas circunstâncias, ele faz um relato das situações e questiona Deus, mas termina o seu livro afirmando que apesar das circunstâncias caminha com passos desembaraçados e de cabeça erguida, dada a alegria no Deus que lhe garante a salvação e que é a sua fortaleza. O cristão tem sua confiança em Deus e n’Ele se alegre apesar das circunstâncias. É Deus que lhe possibilita voar acima dos problemas e enxergar o sol através das nuvens densas. A missão depende desse olhar de esperança em meio as adversidades e de estar acima delas.


Enxerga bem o alvo


Águia_Pico_MonteA águia enxerga mais. Ela tem a visão mais apurada do mundo animal. Sua visão é de trezentos graus, quase o dobro do humano. Sua capacidade de enxergar a distância é oito vezes maior que a do ser humano. Além disso, ela consegue girar a cabeça em 180 graus. Ao longe, de distâncias impossíveis a olhos humanos, a águia avista a sua presa. Segundo os cientistas, ela pode enxergar até três quilômetros de distância. Jesus alerta seus discípulos a enxergar o que não estavam enxergando. Eles lhes mostram que tinham visão limitada da situação. Jesus lhes manda erguer os olhos e olhar os campos que já estavam prontos pra colheita. Enxergar o campo de missão e saber o momento certo de agir, definir alvos, objetivos e caminhar para eles é essencial para a missão ser bem sucedida. É a intimidade com Deus através de sua Palavra, de uma vida devocional ativa, da comunhão com os Santos e do mover do Espírito Santo de Deus em nós que nos faz enxergar adequadamente a missão a nós confiada. Enxergar com clareza os campos é essencial para a missão.


Corre em direção ao alvo


aguia-careca05A águia é um animal veloz (percorre 300 km por hora).

“…corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé… Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossas almas.”

O cristão corre, não se arrasta. Ele caminha e faz a obra do Senhor com o melhor de suas forças e persevera (na oração, na obra, na oposição ao pecado, no combate ou na provação). Paulo parece oferecer o segredo desse vigor: considerar Cristo e o que ele suportou. A fim de que não nos deixarmos abater pelo desânimo.

O ritmo da missão e o ânimo para desenvolvê-la vai depender do nosso olhar para Cristo.


Faz o trabalho sujo


A águia é uma ave de rapina que tanto caça animais vivos quanto se alimenta de animais mortos, limpando a natureza dos despojos de outros animais.

A Bíblia diz que ela vai estar onde há morte. E nós também.

Nosso lugar é onde há pecado e o Reino de Deus ainda não se estabeleceu. Jesus falou que não tinha onde reclinar a cabeça. E muitas vezes nós queremos como os discípulos montar tendas onde tudo está muito bem e a glória do Senhor está manifesta. Não nos interessa trabalhar se há dificuldades, queremos conforto, apoio, dinheiro disponível, equipes perfeitas, professores e líderes dóceis e acessíveis a nossa proposta. Nosso lugar não é no conforto. Nosso ministério é de abrir picadas onde não há caminho. Não fomos chamados para a sombra e a água fresca. Fomos chamados a carregar fardos.

Estar disposto ao trabalho sujo e pesado pode definir o resultado da missão


Trabalha em equipe


mens108

Vive em dupla (fiel a uma única companheira). Formam casais, e um casal precisa até 35 milhas de território para caçar. Um casal de águias caça frequentemente em conjunto: um persegue a presa até a cansar e o outro desce rápido e apanha-a!

Somos convidados ao trabalho no Corpo de Cristo. Não há espaço pra solidão, pra sobrecarga, para o autoritarismo, pro individualismo. É trabalho em equipe, em interdependência, onde buscamos caminhar juntos, em acordo; crescendo na convivência, respeitando e suportando uns aos outros.

Considerando que o trabalho pode ganhar um ritmo diferente do nosso pessoal, mas certamente será enriquecido pela contribuição do outro. Em alguns momentos teremos uma liderança e em outros estaremos na liderança. O que não significa que ninguém está em posição superior ao outro, mas em funções que exigem diferentes resultados e respostas.

Jesus apresenta o seu ministério caminhando em equipe, formando uma liderança. A solidão não faz parte do trabalho do Reino e sim a corporação. O Espírito distribui dons para que colaboremos na missão, do contrário teria dado todos os dons a uns só – escolhidos. E não é assim.

Estar aberto ao trabalho em grupo fará diferença na missão.


Conclusão


Portanto, a missão a nós confiada vai depender:

– de estabelecermos o nosso ninho (de nos) é ao lado do Pai.

– de direcionarmos o nosso olhar para as alturas.

– de ter esperança em meio às adversidades e nos colocarmos acima delas.

– de enxergar com clareza os campos da missão.

– de manter o ritmo da missão e o ânimo olhando para Cristo e considerando o que ele sofreu.

– de estar disposto ao trabalho sujo e pesado.

– de estar aberto ao trabalho em equipe, como corpo.

Que possamos usar a águia como exemplo e trazer à memória que a missão vai depender dessas características para ser bem sucedida.

E que o Deus criador e sustentador de todo o universo nos capacite e sustente a cada dia no desenvolvimento da missão do Reino de Deus!!

Fabiana Alcântara

Fonte: http://semeadoresdomestre.blogspot.com/2009/06/sendo-aguia-de-deus.html




POWER POINT – SLAIDSHARE

Baixe o slide para melhor visualização dos efeitos.



 


Testemunho Glória Polo – Parte I.



A Dra. Glória Polo foi atingida por um raio na Colômbia e sobreviveu para contar o que presenciou na sua experiência de quase morte quando estava em coma lutando pela vida.



TESTEMUNHO DE GLORIA POLO


Extraído de uma das entrevistas feitas à Drª. Gloria Polo na Rádio Maria (Colômbia).

Irmãos! Realmente é muito lindo poder estar aqui compartilhando esse maravilhoso presente que o Senhor me deu há mais de 10 anos. Isso aconteceu em 8 de maio de 1995 na Universidade Nacional de Bogotá.



O Acidente:


Raio_Perto


Eu e um sobrinho estávamos nos especializando em odontologia e tínhamos que buscar uns livros na Faculdade de Odontologia numa sexta-feira à tarde. Meu esposo estava conosco. Estava chovendo muito forte, eu e meu sobrinho estávamos debaixo de um pequeno guarda-chuva e meu esposo tinha sua jaqueta impermeável e se aproximou da parede da Biblioteca Geral, e nós, enquanto saltávamos as poças d’água, sem perceber nos aproximamos de umas árvores. Quando fomos saltar uma grande poça, caiu um raio sobre nós. Nos deixou carbonizados e meu sobrinho faleceu ali. Ele era um rapaz, apesar da pouca idade, muito entregue ao Senhor e era muito devoto do Menino Jesus. Ele usava uma medalhinha do Menino Jesus no peito, dentro de uma moldura de cristal.


A Morte:


Glória Polo

Segundo o laudo, o raio entrou através da medalha e atingiu-lhe o coração, queimando-o por dentro e saindo pelo pé, mas por fora ele não se carbonizou, nem se queimou. Por outro lado, o raio entrou em mim pelo braço, me queimou de forma espantosa todo o meu corpo, por fora e por dentro. Isso que estão vendo aqui, este corpo reconstituído, é misericórdia de Nosso Senhor. Fui carbonizada, fiquei sem seios, praticamente me desapareceu toda minha carne e minhas costelas, o ventre, as pernas… o raio saiu pelo meu pé direito, me carbonizou o fígado, se queimaram os rins, os pulmões… Eu usava DIU, de maneira que o T de cobre, bom condutor elétrico, me carbonizou, me pulverizou os ovários, tive uma parada cardíaca, fiquei ali, sem vida, meu corpo pulava por causa da eletricidade que ficou por todo este local.


Eu Estava Fora de Mim:


Mas vejam, esta é só a parte física. A parte mais bonita, a parte mais linda, é que enquanto meu corpo estava ali carbonizado, eu, neste instante, me encontrava dentro de um lindo túnel branco, era uma delícia, uma paz, uma felicidade que não há palavras humanas para descrever a grandeza deste momento, era um êxtase imenso, eu ia muito feliz, nada me pesava dentro deste túnel, olhei ao fundo desse túnel e havia como um sol, uma luz lindíssima. Eu digo que é branco para colocar uma cor, mas nenhuma das cores é comparável humanamente a essa luz maravilhosa. Eu sentia a fonte de todo esse Amor, dessa paz… Quando eu vou subindo, digo…  “Quarta-feira! Eu morri!”

E nesse instante penso nos meus filhos e digo: “Ai meu Deus, meus filhos! O que vai ser deles? Essa mãe tão ocupada, nunca teve tempo para eles.” Aí me dou conta da minha realidade de vida e me sinto triste.


Caí na Realidade:


Saí de minha casa para transformar o mundo e meu lar, meus filhos, pareciam demais para mim. Neste instante de vazio pelos meus filhos, dou uma olhada e vejo algo belo… Meu corpo já não estava nas medidas de tempo nem de espaço daqui da Terra, e vi todas as pessoas num mesmo instante, num mesmo momento, todas as pessoas, as vivas e as mortas e abracei os meus bisavós. Abracei meus pais que já haviam falecido, abracei a todos e foi um momento pleno e maravilhoso. Aí me dei conta de que havia caído por terra a teoria da reencarnação e eu via meu avô, meu bisavô, eles me abraçaram por um momento e encontrei com todas as pessoas que tiveram a ver comigo em minha vida, em todo lugar, ao mesmo instante. Só minha filha de 9 anos (que estava viva) que se assustou quando a abracei, ela sim sentiu meu abraço. Não havia passado nada de tempo nesse momento tão lindo, e que maravilha estar sem o corpo! Já não via as coisas como antes, quando só olhava se alguém era gordo, ou magro, ou feio, ou negro, sempre olhando com critérios. Não era assim quando não tinha meu corpo humano. Eu podia ver o interior das pessoas, como é lindo poder ver o interior das pessoas! Ver nelas seus pensamentos, seus sentimentos. Abracei a todos em um instante e, no entanto, eu continuava subindo e subindo, cheia de alegria.


O Que Aconteceu ?


Quando senti que ia desfrutar de uma vista fantástica onde havia no fundo um lago belíssimo, neste mesmo instante, ouço a voz do meu esposo, ele chora e com um grito profundo e cheio de sentimento me grita: “O que aconteceu? Gloria! Por favor, não se vá! Volte, Gloria! As crianças, Gloria! Não seja covarde!” Neste instante, dou uma olhada como que global e o vejo chorando, com muita dor e então o Senhor me concede regressar.


O Salvamento por eletrochoque:


Desfibriladores cardíacos podem reverter fibrilação auricular ou ventricular. Foto: ShutterstockEu não queria vir, de tanta alegria, paz e felicidade. Então, comecei a descer devagar, buscando meu corpo e me encontrei sem vida. Meu corpo estava na maca da enfermaria da Universidade Nacional de Enfermagem, via como os médicos davam choques elétricos em meu coração para me salvar da parada cardíaca. Durante duas horas e meia fiquei ali jogada, porque não podiam nos levar dali porque “lhes passávamos corrente” a todo mundo, até que finalmente deixamos de “passar corrente” e puderam nos atender. Começaram a me reanimar.

Eu cheguei e pus os meus pés aqui no topo de minha cabeça e com violência uma faísca entrou  em mim. Eu entrei no meu corpo, me doeu muito entrar e senti que saíam faíscas por todos os lados. Eu sentia encapsular-me nisto “tão pequenininho”. E a dor que sentia, minha carne queimava, como me doía! Saía fumaça e vapor.


Sentia Uma Dor Horrível:


E a dor mais terrível, a dor de minha vaidade. Eu tinha critérios para tudo, era uma mulher executiva, era a intelectual, a estudante, a escravizada pelo corpo, escrava da beleza e da moda: 4 horas diárias de exercícios aeróbicos. Escravizada para ter um corpo bonito. Massagens, dietas, bem… de tudo o que possam imaginar, essa era minha vida. Uma rotina de escravidão por um belo corpo. E eu dizia: Bem…se tenho seios bonitos é para mostrar, assim como minhas pernas, porque sentia que tinha pernas esculturais, assim como os seios, e num instante via tudo com horror. Toda uma vida cuidando do corpo. Isso era o centro da minha vida, o amor ao meu corpo.  E já não havia corpo. Nem seios. Havia uns buracos impressionantes em todo o seio esquerdo, estava praticamente desaparecido, e minhas pernas, era o mais terrível, havia pedaços vazios e sem carne, tudo preto, carbonizado…


O Procedimento Médico:


Dali me levaram ao Seguro Social, rapidamente me operaram e começaram a raspar todos os meus tecidos queimados. Quando estou anestesiada, volto a sair do meu corpo. Estava olhando o que faziam os médicos com o meu corpo. Estava preocupada com minhas pernas. De repente aconteceu algo terrivelmente horroroso.


Eu assistia o Processo de reabilitação:


Porque conto a vocês, irmãos, eu fui uma “Católica Dietética” durante toda a minha vida.   Minha relação com o Senhor era uma eucaristia aos domingos, em missas de 25 minutos, onde o padre falasse menos, porque que desespero e que angústia! Essa era minha relação com Deus. E como essa era a relação que eu tinha com Deus, todas as correntes do mundo me arrastavam como um cata-vento, a ponto de que quando já estava me especializando nos estudos, o mundo me dizia que o inferno não existia, que os diabos não existiam. Medo? Quem disse? Mas vergonhosamente confesso que a única coisa que me mantinha na igreja era o medo do diabo. Quando me diziam que não existe, que luta! E eu dizia: “Bem… Todos vamos para o Céu, não importa como somos.” Então, isso terminou afastando-me de uma vez do Senhor.


O Pecado me levou a falar contra Deus:


O pecado não ficou só em mim e começo a piorar ainda mais minha relação com o Senhor. Começo a dizer a todo mundo que os demônios não existem, que são invenção dos padres, que são manipulações. Com meus companheiros da Nacional, comecei a acreditar no conto de que Deus não existia e que éramos produto da evolução. Vejam, quando me vejo neste instante, que susto terrível! Vejo uns demônios que vêm buscar seu pagamento: Eu! Nesse instante, começo a ver como da parede do centro cirúrgico começam a brotar muitíssimas pessoas. Aparentemente pessoas comuns, mas com um olhar de ódio tão grande, um olhar espantoso, e me dou conta que neste instante que em meu corpo há uma sabedoria especial e percebo que devo algo a todos eles, que o pecado não foi grátis e que a principal infâmia e mentira do demônio foi dizer que não existia, e vejo que vêm ao meu encontro e começam a me rodear e querem me levar.


Tentei Fugir do mal que me arrastava:


600101[1]

Vocês façam ideia do susto, do terror que senti. Essa mente científica e intelectual já não me servia de nada. Eu caía ao chão, tentava voltar para dentro do meu corpo, mas minha carne não me recebia. Neste susto tão terrível, saí correndo e não sei em que instante atravessei a parede do centro cirúrgico. Eu pretendia me esconder pelos corredores do hospital, mas quando passei pela parede do centro cirúrgico… “zas”, dei um salto no vazio…

Entrei por uma quantidade de túneis que vão para baixo. No princípio tinham luz e eram luzes como colmeias de abelhas, onde havia muitíssima gente. Mas eu vou descendo e a luz vai se perdendo e começo a andar nos túneis de trevas espantosas e quando chego a umas trevas, essas não se coparam com as trevas que conhecemos.


Trevas, dor , tristeza e terror:


600101[1]

Imagine que o mais escuro do escuro que conhecemos se parece à luz de meio-dia comparado a essas trevas que vi. Não se pode comparar. Elas mesmas ocasionam dor, horror, vergonha e cheiram mal. E eu termino essa descida por entre todos os túneis e chego desesperada a uma parte plana… Essa vontade de ferro que eu dizia que tinha, onde me sentia capaz de tudo, já não me servia de nada. Eu queria subir, mas não podia, e estava ali. Vejo como nesse piso se abre uma boca enorme e sinto um vazio impressionante em meu corpo, um abismo ao fundo inenarrável, porque o mais espantoso desse oco era que não se sentia nem um pouco o Amor de Deus, nem uma gota de esperança e esse oco tem algo que me suga para dentro e eu grito aterrorizada.

Eu sabia que se entrasse aí, minha alma estaria morta. Esse horror era tão grande e quando estou entrando, algo me sustenta pelos pés. Meu corpo entrou neste oco, mas meus pés estavam sustentados para cima. Foi um momento muito doloroso e terrível. Vejam só… Meu ateísmo ficou pelo caminho e comecei a gritar: “Almas do purgatório! Por favor, me tirem daqui!” Quando eu estava gritando, foi um momento de uma dor imensa, porque me dou conta de que aí se encontram milhares e milhares de pessoas neste oco, sobretudo jovens, e com dor me dou conta que começo a escutar ranger de dentes, com uns gritos e lamentações que me estremeciam.

Muitos anos me custaram  para assimilar isso, porque eu me punha a chorar cada vez que me lembrava do sofrimento destas pessoas, e percebo que ali estavam todas as pessoas que em um segundo de desespero se haviam suicidado e estavam nestes tormentos com todas as coisas que ai se encontravam, mas o mais terrível destes tormentos é a ausência de Deus. Não se sentia o Senhor.


As Justificativas:


Nessa dor, começo a gritar: “Quem se equivocou? Olhem como sou santa! Jamais roubei, eu nunca matei, eu fazia compras para os pobres, eu extraía dentes de graça ajudando os que necessitavam. O que faço aqui? Eu ia à Missa aos domingos, apesar de que me considerasse atéia, nunca faltei, se faltei cinco vezes à Missa em toda a minha vida foi muito. Eu era alma que sempre ia à Missa. E o que faço aqui? Eu sou católica, por favor, eu sou católica, tirem-me daqui!” Quando estou gritando que sou católica, vejo uma pequena luz.



Uma Luz Brilhou nas Trevas:


Entendam que uma luz nestas trevas é o maior presente que alguém poderia receber. Vejo umas escadas por cima deste oco, vejo meu pai, que havia falecido cinco anos atrás, ele estava quase atrás do oco, tinha um pouquinho de luz e quatro degraus mais acima vejo minha mãe, com muito mais luz e numa posição de oração. Quando os vi me deu uma alegria tão grande e comecei a gritar: “Paizinho, mãezinha, por favor, me tirem daqui, eu suplico, me tirem daqui!” Quando eles baixaram a vista e meu pai me viu ali… se houvessem visto que dor tão grande eles sentiram; neste lugar podemos sentir os sentimentos dos outros, podemos ‘ver’ essa parte e ‘vi’ essa dor tão grande. Meu pai começou a chorar e colocava as mãos na cabeça e tremia: “Minha filha, minha filha!” E minha mãe orava, então percebo que eles não podem me tirar dali e a dor que me inundava era sentir a dor que eles sentiam e estavam compartilhando essa dor comigo. Começo a gritar de novo: “Por favor, vejam, me tirem daqui, eu sou católica! Quem se enganou? Por favor, me tirem daqui!”


Ouvi Então Uma Voz Doce e Suave:


Jesus_Raios_Segue-me


E quando estou gritando pela segunda vez, se escuta uma voz, é uma voz doce, é uma voz que quando a escuto, se estremece toda a minha alma, e tudo se inundou de amor e de paz, e todas estas criaturas saíram apavoradas, porque elas não resistem ao Amor, nem à paz e eu sinto essa paz, e essa voz me diz: “Muito bem, se você é católica, diga-me os dez mandamentos da lei de Deus.”


As trevas não prevalecem sobre  a grandiosa Luz Divina.


Continua na Parte II ou Parte III



Cada um carregue a sua Cruz


Oração de São Miguel Arcanjo.



A Igreja Católica tem em alto conceito a devoção aos Santos Anjos. Acredita na sua existência que é provada por muitas citações bíblicas, tanto no Antigo como no Novo Testamento. Sabe e ensina, que os anjos, como Santos mensageiros de Deus, desempenham uma missão especial em nosso favor. São defensores, do corpo e da alma, em todos os perigos, principalmente na hora da morte.

Como um dos primeiros, senão o primeiro e mais eminente dos espíritos celestiais, os livros sagrados nos apresentam S. Miguel. O profeta Daniel dá a S. Miguel o título de Príncipe dos Anjos, e a Igreja enumera-o entre os arcanjos. Seu nome tem o significado de “Quem é como Deus ?” pois foi S. Miguel que se pôs à frente dos anjos fiéis contra Lúcifer, o chefe dos anjos rebeldes, em defesa da autoridade de Deus. S. Miguel, por tanto, é um espírito guerreiro, arauto de Deus, e Príncipe dos exércitos celestiais. A arte cristã o apresenta como tal, em armadura brilhante, com lança e espada, em vôo como de mergulho se precipitando sobre o dragão infernal, e, fortemente o investindo, fazendo-o sentir o vigor irresistível do pé vitorioso, arremessa-o às profundezas do inferno.

S. Miguel pelos judeus era havido como protetor do povo eleito. Segundo o Apóstolo S. Judas (v. 9.) o cadáver de Moisés estava entregue aos cuidados do arcanjo. Foi este mesmo arcanjo, quem apareceu a Josué antes da tomada de Jericó e lhe prometeu seu auxílio; foi S. Miguel que defendeu os israelitas contra as hostes de Senacherib, desbaratando-as; foi ainda S. Miguel, quem se opôs a Balaam, quando ia amaldiçoar o povo de Deus. Heliodoro experimentou a força vingadora do arcanjo, quando se aparelhou para praticar o roubo sacrílego do templo. (2. mac. 3, 25).

Da sinagoga e do povo eleito a missão de S. Miguel se transferiu à Igreja de Cristo. Numerosas são as suas aparições registradas na história da Igreja. Seu nome é mencionado várias vezes no sacrifício da Santa Missa. No “Confiteor” o sacerdote se dirige ao arcanjo S. Miguel, e invoca sua intercessão junto de Deus. Sobre o incenso, na missa solene é invocado seu nome. Ao Santo anjo, isto é, a S. Miguel o sacerdote logo depois da consagração se dirige, com o pedido de levar o santo sacrifício ao altar sublime de Deus. Terminada a missa rezada, em uma oração especial o povo pede a S. Miguel que o defenda no combate; cubra-o com o seu escudo contra os embustes e ciladas do demônio; precipite ao inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. S. Miguel é ainda o patrono dos agonizantes, o guia das almas dos defuntos para o céu, como faz lembrar o texto do ofertório da missa de “Requiem”.

Na história da Igreja são mencionadas duas aparições de S. Miguel: Uma ao Papa Gelásio I no monte Gargano. A festa de hoje é a comemoração deste fato e da consagração da Igreja de S. Miguel naquele lugar. Mais conhecida é a outra, de que foi dignado o Papa S. Gregório, o Grande, em ocasião de em Roma grassar a peste.

S. Miguel apareceu ao Papa no Castelo de Santo Ângelo e em sinal de cessão da epidemia, meteu a espada na bainha. Realmente a epidemia imediatamente parou de fazer vítimas.


Oração a São Miguel Arcanjo


São Miguel Arcanjo, protegei-nos no combate,  cobri-nos com vosso escudo, contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o, Deus, instantemente o pedimos e vós, príncipe da milícia celeste, precipitai no inferno a Satanás e a todos os outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas.   São Miguel Arcanjo, protegei-nos na luta para que não pereçamos no tremendo juízo.

Sacratíssimo Coração de Jesus.

Tende piedade de nós! (3 X


Padre José Augusto


Padre Jonas Abbib


.R E F L E X Õ E S


O fato de a Igreja ter instituído diversas festas dedicadas aos Santos Anjos e ao Príncipe dos exércitos angélicos, tem sua razão no desejo da mesma Igreja de ver bem viva nos fiéis a devoção aos espíritos celestiais. Quer a Igreja que às crianças sejam ensinadas a doutrina sobre os Santos Anjos e implantada nos seus corações a devoção ao anjo tutelar, tão católica, e, como tal, tão útil, senão necessária; que nas famílias seja cultivada esta devoção com a recitação diária de orações ao Anjos de Deus.

Ao grande São Miguel devemos pedir, que nos assista nos combates do bem contra o mal; que ele o chefe dos exércitos divinos, alcance aos católicos o espírito da paciência, como também de combatividade sempre, que preciso for, defender os interesses da Santa Igreja, quer na vida particular, quer na vida pública. Que S. Miguel esteja ao nosso lado na hora da morte; que no momento que o sacerdote o invoca em nosso nome, leve a nossa alma aos páramos da Igreja triunfante.


WALLPAPERS


SE SUBO ATE O CÉU Quem_como_Deus_Miguel_Arcanjo
Sao_miguel_arcanjo_bem_contra_mal Sao_miguel_arcanjo_bem_contra_mal

NOVAS


Sao_miguel_arcanjo Sao_miguel_arcanjo_AZUL
wallhaven-256760[1]

sao-miguel-1024x768-300x225[1]
Miguel_arcanjo_combate-alisdiabi Miguel_arcanjo

São Miguél Arcanjo_01 smiguelarcanjo[1]

oracao-de-sao-miguel-arcanjo[1] sao_michel_arcanjo_guerreiro_2560x1440
sao_michel_arcanjo_guerreiro_5120x4096 Miguel_hqdefault

Logotipo do Flickr. Se clicar nele, você vai para a página inicialWALLPAPERS By:  Galeria de fotosquefalam – Thellonn


São Miguel Arcanjo São Miguel Arcanjo
sao miguel Archangel Michael statue in Kiev, Maidan Nezalezhnosti square. Kiev, Ukraine, Eastern Europe.

quaresma-sao-miguel
Quaresma_sao_Miguel_arcanjo_15-08

Pedidos de Oração.

Plantão de Oração.

maos-e-oracao1[1]maos-e-oracao1[1]

Coloque aqui seu pedido de oração, Lembre-se, não basta pedir, precisamos também orar como convém.  Jesus mesmo disse, onde dois ou mais se reunirem em oração em meu nome, Eu me farei presente no meio deles e disse também:

“E tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, vo-lo farei, para que o Pai seja glorificado no Filho”.

(S. João 14,13)


Revesti-vos da Armadura de Deus
Como_Orar