E o Pastor decidiu ir à Missa.


O banquete do Cordeiro [tweetmeme]


"Testemunho de um Pastor Evangélico que se converteu ao Catolicismo."


(São Mateus 22,4)



Scott Hahn

Ali estava eu, incógnito, um ministro protestante à paisana, esgueirando-me nos fundos de uma capela em Milwaukee para participar pela primeira vez da missa. A curiosidade me arrastara até lá e eu ainda não tinha certeza de que fosse uma curiosidade saudável. Ao estudar os escritos dos primeiros cristãos, encontrei inúmeras referências à “liturgia”, à “Eucaristia”, ao “sacrifício”. Para aqueles primeiros cristãos, separada do acontecimento que os católicos de hoje denominam “missa”, a Bíblia – o livro que eu mais amava – era incompreensível.

Eu queria entender os cristãos primeiros, mas não tinha nenhuma experiência de liturgia. Por isso, persuadi a mim mesmo a ir ver, como uma espécie de exercício acadêmico, mas jurando o tempo todo que não ia me ajoelhar nem participar de idolatria.

Sentei-me na obscuridade, em um banco bem no fundo daquela capela no subsolo. À minha frente havia um número considerável de fiéis, homens e mulheres de todas as idades. Impressionaram-me suas reflexões e sua evidente concentração na oração. Então um sino soou e todos se levantaram quando o padre surgiu de uma porta ao lado do altar. Hesitante, permaneci sentado. Durante anos, como calvinista evangélico, fui instruído para acreditar que a missa era o maior sacrilégio que alguém poderia cometer. Tinha aprendido que a missa era um ritual com o propósito de “sacrificar Jesus Cristo outra vez”. Por isso, eu seria um espectador, ficaria sentado, com a Bíblia aberta ao meu lado.

Entretanto, è medida que a missa prosseguia, alguma coisa me tocou. A Bíblia não estava só ao meu lado. Estava diante de mim – nas palavras da missa! Um versículo era de Isaías, outro dos Salmos, outro de Paulo. A experiência era prodigiosa. Eu queria interromper tudo e gritar: “Ei! Posso explicar o que está acontecendo a partir das Escrituras? Isso é maravilhoso!” Não obstante, mantive minha posição de espectador à parte até que ouvi o sacerdote pronunciar as palavras da consagração: “Isto é o meu corpo… Este é o cálice do meu sangue”.

Eu senti todas as minhas dúvidas se esvaírem. Quando vi o sacerdote elevar aquela hóstia branca, percebi que uma prece subiu de meu coração em um sussurro: “Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!”

A partir daquele ponto, fiquei, por assim dizer, tolhido. Não imaginava uma emoção maior que a que aquelas palavras provocaram em mim. Porém a experiência intensificou-se um momento depois, quando ouvi a congregação repetir: “Cordeiro de Deus… Cordeiro de Deus… Cordeiro de Deus”, e o sacerdote responder: “Eis o Cordeiro de Deus…”, enquanto elevava a hóstia.

Em menos de um minuto a frase “Cordeiro de Deus” ressoou quatro vezes. Graças a longos anos de estudos bíblicos, percebi imediatamente onde eu estava. Estava no livro do Apocalipse, no qual Jesus é chamado Cordeiro nada menos que vinte e oito vezes em vinte e dois capítulos. Estava na festa de núpcias que João descreve no final do último livro da Bíblia. Estava diante do trono do céu, onde Jesus é saudado para sempre como o Cordeiro. Entretanto, não estava preparado para isso – eu estava na missa!

Voltei à missa no dia seguinte e no outro dia e no outro. Cada vez que voltava, eu “descobria” mais passagens das Escrituras consumadas diante dos meus olhos. Contudo, naquela capela escura, nenhum livro me era tão visível quanto o da revelação de Jesus Cristo, o Apocalipse, que descreve a adoração dos anjos e santos do céu. Como nesse livro, vi, naquela capela, sacerdotes paramentados, um altar, uma assembléia que entoava: “santo, santo, santo”. Vi a fumaça de incenso, ouvi a invocação de anjos e santos; eu mesmo entoava os aleluias, pois me sentia cada vez mais atraído a essa adoração. Continuei a me sentar no último banco com minha Bíblia e mal sabia para onde me voltar – para a ação no Apocalipse ou para a ação no altar, que pareciam cada vez mais ser exatamente a mesma.


https://i0.wp.com/lacosazuis.blogs.sapo.pt/arquivo/cordeiro_deus.jpg


Mergulhei com vigor renovado em meu estudo do cristianismo antigo e descobri que os primeiros bispos, os Padres da Igreja, tinham feito a mesma “descoberta” que eu fazia a cada manhã. Eles consideravam o livro do Apocalipse a chave da liturgia e a liturgia a chave do livro do Apocalipse. Alguma coisa intensa aconteceu com o estudioso e crente que eu era. O livro da Bíblia que eu achava mais desconcertante – o do Apocalipse – agora elucidava as idéias mais fundamentais de minha fé: a idéia da aliança como elo sagrado da família de Deus. Além disso, a ação que eu considerava a maior das blasfêmias – a missa – agora se revelava o acontecimento que ratificou a aliança de Deus: “Este é o cálice do meu sangue, o sangue da nova e eterna aliança”.

Eu estava aturdido com a novidade de tudo aquilo. Durante anos tentei compreender o livro do Apocalipse como uma espécie de mensagem codificada a respeito do fim do mundo, a respeito do culto no céu distante, a respeito de algo que, em sua maioria, os cristãos não poderiam experimentar aqui na terra. Agora, depois de duas semanas de comparecimento diário à missa, eu me via querendo levantar durante a liturgia e dizer: “Ei, pessoal. Quero lhes mostrar onde vocês estão no livro do Apocalipse! Consultem o capítulo 4, versículo 8. Agora mesmo vocês estão no céu”. 

No céu agora mesmo! Os Padres da Igreja mostraram que essa descoberta não era minha. Pregaram a respeito há mais de mil anos. Entretanto, eu estava convencido de que merecia o crédito pela redescoberta da relação entre a missa e o livro do Apocalipse. Então descobri que o Concílio Vaticano II tinha me passado para trás. Reflita nestas palavras da Constituição sobre a Sagrada Liturgia:

Na liturgia terrena, antegozando, participamos da liturgia celeste, que se celebra na cidade santa de Jerusalém, para a qual, peregrinos, nos encaminhamos. Lá, Cristo está sentado à direita de Deus, ministro do santuário e do tabernáculo verdadeiro; com toda a milícia do exército celestial entoamos um hino de glória ao Senhor e, venerando a memória dos Santos, esperamos fazer parte da sociedade deles; suspiramos pelo Salvador, Nosso Senhor Jesus Cristo, até que ele, nossa vida, se manifeste, e nós apareçamos com ele na glória. 

Espere um pouco. Isso é céu. Não, isso é a missa. Não, é o livro do Apocalipse. Espere um pouco: isso é tudo o que está acima. 

Esforcei-me bastante para ir devagar, cautelosamente, com o cuidado de evitar os perigos aos quais os convertidos são suscetíveis, pois eu estava depressa me convertendo à fé católica. Contudo, essa descoberta não era produto de uma imaginação superexcitada; era o ensinamento solene de um concílio da Igreja Católica. Com o tempo, descobri que era também a conclusão inevitável dos estudiosos protestantes mais rigorosos e honestos. Um deles, Leonard Thompson, escreveu que “até mesmo uma leitura superficial do livro do Apocalipse mostra a presença da linguagem litúrgica disposta em forma de culto… A linguagem de culto desempenha importante papel na coerência do livro”. Bastam as imagens da liturgia para tornar esse extraordinário livro compreensível. As figuras litúrgicas são essenciais para sua mensagem, escreve Thompson, e revelam “algo mais que visões de ‘coisas que estão por vir’”. 

O livro do Apocalipse tratava de Alguém que estava por vir. Tratava de Jesus Cristo e sua “segunda vinda”, a forma como, em geral, os cristãos traduziram a palavra grega parousia. Depois de passar horas e horas naquela capela de Milwaukee, em 1985, aprendi que aquele Alguém era o mesmo Jesus Cristo que o sacerdote católico erguia na hóstia. Se os cristãos primitivos estavam certos, eu sabia que, naquele exato momento, o céu tocava a terra. “Meu Senhor e meu Deus. Sois realmente vós!”. 



Scott Hahn

O Banquete do Cordeiro

A missa segundo um convertido

Pgs 21-25. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

Links→

Artigos neste Blog



Jesus é Misericordioso


A Morte de Jesus.



Não somos capazes de mensurar a magnitude do sofrimento de Jesus na Cruz!   A revista ISTOÉ divulgou no ano passado uma matéria sobre este sofrimento analisado sob o ponto de vista de um médico “Frederick Zugibe”, ele até contrariou alguns dos fatos mostrados no filme de Mel Gibson.

É muito importante os estudos sobre este assunto, pelo menos os homens sentirão um pouco do imenso Amor de Jesus, este Amor que o levou a sofrer todas aquelas dores por nós.



Veja a matéria:

Como morreu Jesus

Médico legista dos EUA faz uma inédita autópsia de Cristo e explica, cientificamente, o que ocorreu em seu corpo durante o calvário.

http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/1998/artigo72483-1.htm


Por: NATÁLIA RANGEL


De duas, uma: sempre que a ciência se dispõe a estudar as circunstâncias da morte de Jesus Cristo, ou os pesquisadores enveredam pelo ateísmo e repetem conclusões preconcebidas ou se baseiam exclusivamente nos fundamentos teóricos dos textos bíblicos e não chegam a resultados práticos. O médico legista americano Frederick Zugibe, um dos mais conceituados peritos criminais em todo o mundo e professor da Universidade de Columbia, acaba de quebrar essa regra. Ele dissecou a morte de Jesus com a objetividade científica da medicina, o que lhe assegurou a imparcialidade do estudo. Temente a Deus e católico fervoroso, manteve ao longo do trabalho o amor, a devoção e o respeito que Cristo lhe inspira. Zugibe, 76 anos, juntou ciência e fé e atravessou meio século de sua vida debruçado sobre a questão da verdadeira causa mortis de Jesus.


Jesus é preso e Pedro o Protege - Caravágio.

Jesus é preso e Pedro o Protege – Caravágio.


Escreveu três livros e mais de dois mil artigos sobre esse tema, todos publicados em revistas especializadas, nos quais revela como foi a crucificação e quais as conseqüências físicas, do ponto de vista médico, dos flagelos sofridos por Cristo durante as torturantes 18 horas de seu calvário. O interesse pelo assunto surgiu em 1948 quando ele estudava biologia e discordou de um artigo sobre as causas da morte de Jesus. Desde então, não mais deixou de pesquisar e foi reconstituindo com o máximo de fidelidade possível a crucificação de Cristo. Nunca faltaram, através dos séculos, hipóteses sobre a causa clínica de sua morte. Jesus morreu antes de ser suspenso na cruz? Morreu no momento em que lhe cravaram uma lança no coração? Morreu de infarto? O médico legista Zugibe é categórico em responder “não”. E atesta a causa mortis: Jesus morreu de parada cardiorrespiratória decorrente de hemorragia e perda de fluidos corpóreos (choque hipovolêmico), isso combinado com choque traumático decorrente dos castigos físicos a ele infligidos. Para se chegar a esse ponto é preciso, no entanto, que antes se descreva e se explique cada etapa de seu sofrimento.


Jesus na coluna - Caravágio

Jesus na coluna – Caravágio


Zugibe trabalhou empiricamente. Ele utilizou uma cruz de madeira construída nas medidas que correspondem às informações históricas sobre a cruz de Jesus (2,34 metros por 2 metros), selecionou voluntários para serem suspensos, monitorou eletronicamente cada detalhe – tudo com olhos e sentidos treinados de quem foi patologista-chefe do Instituto Médico Legal de Nova York durante 35 anos. As suas conclusões a partir dessa minuciosa investigação são agora reveladas no livro A crucificação de Jesus – as conclusões surpreendentes sobre a morte de Cristo na visão de um investigador criminal, recém-lançado no Brasil (Editora Idéia e Ação, 455 págs., R$ 49,90). “Foi como se eu estivesse conduzindo uma autópsia ao longo dos séculos”, escreve o autor na introdução da obra. Trata-se de uma viagem pela qual ninguém passa incólume – sendo religioso, agnóstico ou ateu. O ponto de partida é o Jardim das Oliveiras, quando Jesus se dá conta do sofrimento que se avizinha: condenação, açoitamento e crucificação. Relatos bíblicos revelam que nesse momento “o seu suor se transformou em gotas de sangue que caíram ao chão”. A descrição (feita pelo apóstolo Lucas, que era médico) condiz, segundo o legista, com o fenômeno da hematidrose, raro na literatura médica, mas que pode ocorrer em indivíduos que estão sob forte stress mental, medo e sensação de pânico. As veias das glândulas sudoríparas se comprimem e depois se rompem, e o sangue mistura-se então ao suor que é expelido pelo corpo.

Fala-se sempre das dores físicas de Jesus, mas o seu tormento e sofrimento mental, segundo o autor, não costumam ser lembrados e reconhecidos pelos cristãos: “Ele foi vítima de extrema angústia mental e isso drenou e debilitou a sua força física até a exaustão total.” Zugibe cita um trecho das escrituras em que um apóstolo escreve: “Jesus caiu no chão e orou.”

Ele observa que isso é uma indicação de sua extrema fraqueza física, já que era incomum um judeu ajoelhar-se durante a oração. A palidez com que Cristo é retratado enquanto está no Jardim das Oliveiras é um reflexo médico de seu medo e angústia: em situações de perigo, o sistema nervoso central é acionado e o fluxo sangüíneo é desviado das regiões periféricas para o cérebro, a fim de aguçar a percepção e permitir maior força aos músculos. É esse desvio do sangue que causa a palidez facial característica associada ao medo. Mas esse era ainda somente o começo das 18 horas de tortura. Após a condenação, Jesus é violentamente açoitado por soldados romanos por ordem de Pôncio Pilatos, o prefeito de Judéia.


Flagelação de Cristo - Caravágio

Flagelação de Cristo – Caravágio


Para descrever com precisão os ferimentos causados pelo açoite, Zugibe pesquisou os tipos de chicotes que eram usados no flagelo dos condenados. Em geral, eles tinham três tiras e cada uma possuía na ponta pedaços de ossos de carneiro ou outros objetos pontiagudos. A conclusão é que Jesus Cristo recebeu 39 chibatadas (o previsto na chamada Lei Mosaica), o que equivale na prática a 117 golpes, já que o chicote tinha três pontas. As conseqüências médicas de uma surra tão violenta são hemorragias, acúmulo de sangue e líquidos nos pulmões e possível laceração no baço e no fígado. A vítima também sofre tremores e desmaios. “A vítima era reduzida a uma massa de carne, exaurida e destroçada, ansiando por água”, diz o legista.

Ao final do açoite, uma coroa de espinhos foi cravada na cabeça de Jesus, causando sangramento no couro cabeludo, na face e na cabeça. Também nesse ponto do calvário, no entanto, interessa a explicação pela necropsia. O que essa coroa provocou no organismo de Cristo? Os espinhos atingiram ramos de nervos que provocam dores lancinantes quando são irritados. A medicina explica: é o caso do nervo trigêmeo, na parte frontal do crânio, e do grande ramo occipital, na parte de trás. As dores do trigêmeo são descritas como as mais difíceis de suportar – e há casos nos quais nem a morfina consegue amenizá-las. Em busca de precisão científica, Zugibe foi a museus de Londres, Roma e Jerusalém para se certificar da planta exata usada na confecção da coroa. Entrevistou botânicos e em Jerusalém conseguiu sementes de duas espécies de arbustos espinhosos. Ele as plantou em sua casa, elas brotaram e cresceram. O pesquisador concluiu então que a planta usada para fazer a coroa de espinhos de Jesus foi o espinheiro- de-cristo sírio, arbusto comum no Oriente Médio e que tem espinhos capazes de romper a pele do couro cabeludo. Após o suplício dessa “coroação”, amarraram nos ombros de Jesus a parte horizontal de sua cruz (cerca de 22 quilos) e penduraram em seu pescoço o título, placa com o nome e o crime cometido pelo crucificado (em grego, crucarius). Seguiu-se então uma caminhada que os cálculos de Zugibe estimam em oito quilômetros. Segundo ele, Cristo não carregou a cruz inteira, mesmo porque a estaca vertical costumava ser mantida fora dos portões da cidade, no local onde ocorriam as crucificações. Ele classifica de “improváveis” as representações artísticas que o mostram levando a cruz completa, que então pesaria entre 80 e 90 quilos.


Cristo Coroado de espinhos.

Cristo Coroado de espinhos.


Ao chegar ao local de sua morte, as mãos de Jesus foram pregadas à cruz com pregos de 12,5 centímetros de comprimento. Esses objetos perfuraram as palmas de suas mãos, pouco abaixo do polegar, região por onde passam os nervos medianos, que geram muita dor quando feridos. Já preso à trave horizontal, Cristo foi suspenso e essa trave, encaixada na estaca vertical. Os pés de Jesus foram pregados na cruz, um ao lado do outro, e não sobrepostos – mais uma vez, ao contrário do que a arte e as imagens representaram ao longo de séculos. Os pregos perfuraram os nervos plantares, causando dores lancinantes e contínuas.

Preso à cruz, Cristo passou a sofrer fortes impactos físicos. Para conhecê-los em detalhes, o médico legista reconstituiu a crucificação com voluntários assistidos por equipamentos médicos. Os voluntários tinham entre 25 e 35 anos e o monitoramento físico incluiu eletrocardiograma, medição da pulsação e da pressão sangüínea. Eletrodos cardíacos foram colados ao peito dos voluntários e ligados a instrumentos para testar o stress e os batimentos cardíacos. Todos os voluntários observaram que era impossível encostar as costas na cruz. Eles sentiram fortes cãibras, adormecimento das panturrilhas e das coxas e arquearam o corpo numa tentativa de esticar as pernas.


Jesus apresentado a Pilatos - caravágio.

Jesus apresentado a Pilatos – caravágio.


A partir desse derradeiro, corajoso e ousado experimento realizado por Zugibe, ele passou a discutir o que causou de fato a morte de Cristo. Analisou três teorias principais: asfixia, ruptura do coração e choque traumático e hipovolêmico – por isso a importância médica e fisiológica de se ter descrito, anteriormente e passo a passo, o processo de tortura física e psíquica a que Jesus foi submetido. A teoria mais propagada é a da morte por asfixia, mas ela jamais foi testada cientificamente. Essa hipótese sustenta que a posição na cruz é incompatível com a respiração, obrigando a vítima a erguer o corpo para conseguir respirar. O ato se repetiria até a exaustão e ele morreria por asfixia quando não tivesse mais forças para se mover. Defende essa causa mortis o cirurgião francês Pierre Barbet, que se baseou em enforcamentos feitos pelo Exército austro-germânico e pelos nazistas no campo de extermínio de Dachau. Zugibe classifica essa tese de “indefensável” sob a perspectiva médica. Os exemplos do Exército ou do campo de concentração não valem porque os prisioneiros eram suspensos com os braços diretamente acima da cabeça e as pernas ficavam soltas no ar. Não é possível comparar isso à crucificação, na qual o condenado é suspenso pelos braços num ângulo de 65 a 70 graus do corpo e tem os pés presos à cruz, o que lhe dá alguma sustentação. Experimentos feitos com voluntários atados com os braços para o alto da cabeça mostraram que, em poucos minutos, eles ficaram com capacidade vital diminuída, pressão sangüínea em queda e aumento na pulsação. O radiologista austríaco Ulrich Moedder também derruba o raciocínio de Barbet afirmando que esses voluntários não suportariam mais de seis minutos naquela posição sem descansar. Pois bem, Jesus passou horas na cruz.


Descendo jesus da Cruz - Caravágio

Descendo jesus da Cruz – Caravágio


Quanto à hipótese de Cristo ter morrido de ruptura do coração ou ataque cardíaco, Zugibe alega ser muito difícil que isso ocorra a um indivíduo jovem e saudável, mesmo após exaustiva tortura: “Arteriosclerose e infartos do miocárdio eram raros naquela parte do mundo. Só ocorriam em indivíduos idosos.” Ele descarta a hipótese por falta de provas documentais. Prefere apostar no choque causado pelos traumas e pelas hemorragias. A isso somaram-se as lancinantes dores provenientes dos nervos medianos e plantares, o trauma na caixa torácica, hemorragias pulmonares decorrentes do açoitamento, as dores da nevralgia do trigêmeo e a perda de mais sangue depois que um dos soldados lhe arremessou uma lança no peito, perfurando o átrio direito do coração. Zugibe usa sempre letras maiúsculas nos pronomes que se referem a Jesus e se vale de citações bíblicas revelando a sua fé. Indagado por ISTOÉ sobre a sua religiosidade, ele diz que os seus estudos aumentaram a sua crença em Deus: “Depois de realizar os meus experimentos, eu fui às escrituras. É espantosa a precisão das informações.” Ao final dessa viagem ao calvário, Zugibe faz o que chama de “sumário da reconstituição forense”. E chega à definitiva causa mortis de Jesus, em sua científica opinião: “Parada cardíaca e respiratória, em razão de choque traumático e hipovolêmico, resultante da crucificação.”

http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/1998/artigo72483-1.htm


Controversias: Com Mel Gibson

Zugibe contra Mel Gibson

REPROVADO Gibson cometeu erros históricos

O filme americano A paixão de Cristo (2005), de Mel Gibson (foto), é duramente criticado pelo médico Frederick Zugibe. Ele afirma que a produção tem equívocos médicos, científicos e históricos. Os erros:

Jesus leva um violento golpe no olho no Jardim das Oliveiras. De acordo com Zugibe, ele não foi agredido nessa fase de seu calvário.
Apenas o aramaico e o latim são falados no filme. Ficou de fora o grego, principal idioma da Terra Santa na época de Jesus.
A parte da frente do corpo de Jesus também é açoitada, o que contraria os escritos antigos.
Jesus leva uma cruz de 80 a 90 quilos. Zugibe afirma que só a barra horizontal era carregada e a vertical ficava pregada ao chão do lado de fora dos portões da cidade.
O descanso para os pés mostrado no filme é uma invenção de artistas do século passado, segundo Zugibe.
Ao contrário do que mostra o filme, a água e o sangue não jorram do peito de Jesus após a retirada da lança. Escorrem suavemente.



http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg?w=130&h=120 Jesus é Misericordioso
PRESENTEPRAVOCE
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg?w=130&h=120
pascoa_sorte

PAIXÃO DE CRISTO

Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo!


Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. (São João 3,16)

(Atos dos Apóstolos 2,21) – (Romanos 10,13)

Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

Mas todo o que invocar o nome do Senhor será poupado, porque, sobre o monte Sião e em Jerusalém, haverá um resto, como o Senhor disse, e entre os sobreviventes estarão os que o Senhor tiver chamado. (Joel 3, 5)


Evangelho de João cap. 3


14 – Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem,


A SERPENTE DE BRONZE.


Jesus revelou um segredo a Nicodemos algo que não foi dito a nenhum de seus discipulados e a mais ninguém, somente Nicodemos ficou sabendo deste detalhe…

Jesus lhe Disse; Importa que o filho do Homem seja Levantado ao céu, como aquela serpente na ponta da vara de Moisés.

Esta Serpente, se refere ao foto de que os pecadores inveterados que saíram do Egito, preferindo ter ficado por lá como escravos, enquanto caminhavam pelo deserto rumo à terra prometida começaram a cometer toda sorte de pecados e murmurações que não agradavam a Deus.  Logo apareceram entre eles serpentes venenosas  que mordiam os Judeus e muitos estavam morrendo no deserto.   Moisés ouvindo o clamor do povo que morria em grande número aproximou-se de Deus para interceder a favor deles pedindo-lhe que os salvasse.

Deus então mandou que Moisés fizesse uma serpente de bronze e a colocasse na ponta de uma vara dizendo:

   “Todo aquele que for mordido por uma serpente do deserto, se dirija até a vara e olhe fixamente na direção da serpente de bronze e ficaram curados”.

E Assim se deu, quem era mordido se dirigia à serpente de Bronze e era curado imediatamente, mas quem não ia, morria ali mesmo.

Era um pouco estranho esta comparação de Jesus, uma vez que até aquele momento ninguém planejava matá-lo ainda, ou tão pouco amarrá-lo numa vara e afinal de contas não existia nenhum surto de mordidas de serpentes na época.  O que significaria pessoas mordidas por serpentes olhar para Jesus ?

Creio que Nicodemos não entendeu naquele momento o que Jesus quis dizer, hoje nós sabemos que Ele falava da Cruz e que na cruz ele pagaria por todos os nossos pecados, porque a serpente que nos morde é o pecado que nos condena à morte eterna, mas não é uma ação gratuita, você, eu e o mundo precisamos nos dirigir ao Crucificado e olhar para Ele, contemplando e meditando em seu sacrifício por nós, mas aquele que não aceitar esta aproximação e permanecer em seu pecado certamente morrerá em consequência do veneno nele inserido pelo mal.



15 – Para que todo homem que nele crer tenha a vida eterna.




Esta é a imagem tão polêmica e tão discutida nestes últimos 2012 anos, parece ser apenas um homem crucificado, que na verdade nem era novidade para a época porque muitos eram crucificados desta mesma forma, alguns por motivos criminosos, outros por motivos políticos para manter o domínio sobre o povo.

Jesus porém não havia cometido crime algum e não havia nenhum motivo político para crucificá-lo, aparentemente o motivo religioso que levantaram contra Ele, parecia ser tão banal que logo se esqueceriam do fato de que um homem pobre morreu numa cruz sem motivo algum.

Para Nicodemos, porém, que conhecia aquele segredo que Jesus lhe havia revelado, sabia que alguma coisa diferente aconteceria naquele evento tão comum.

Para um povo pecador e condenado a morte, visto que o próprio Jesus havia morrido sem motivo algum, certamente todos morreriam mesmo, mas segundo as palavras de Jesus, todo aquele que o visse levantado no madeiro como aquela serpente de bronze no deserto, seria curado e liberto de todo seu pecado, isto equivaleria a uma absolvição geral para todos aqueles que; mesmo passando por ali sem saber do que estava acontecendo se tornaria um homem livre e salvo do pecado que pesava sobre a humanidade.


Porque os meus olhos viram a vossa salvação.       (São Lucas 2, 30)

Creste, porque me viste. Felizes aqueles que creem sem ter visto. (São João 20, 29)

Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé. (São João 20, 27)


Crer é a palavra chave desta questão, lá estava Jesus morto na cruz, pelo que sabemos morreu por nossos pecados, e como era costume dos Romanos lá ficaria como escárnio e exemplo de opróbrio para a humanidade, um caminho que não deveria ser seguido porque certamente levaria à morte e morte de cruz.

Usando das palavras de Simeão, que aguardava a vinda do Salvador, pediu a Deus para deixá-lo morrer em paz porque seus olhos haviam contemplado o Salvador deste mundo, de uma forma semelhante São Tomé quis ver a confirmação da vida de Jesus tocando-o com suas próprias mãos.

Aproveitando desta incredulidade do povo seria melhor que as pessoas não vissem Jesus morto na cruz, caso contrário segundo aquele segredo de Jesus com Nicodemos, as multidões se salvariam quando o vissem e acreditassem no que Ele proclamou, mesmo depois de morto.

A melhor solução então, seria evitar esta exposição de Jesus, mas digo, A quem interessaria esta atitude ?

O que os olhos não veem o coração não sente, se os nossos olhos não vissem como creríamos naquilo que nos foi dito, nem São Tomé que era um discípulo Dele acreditou no que seus condiscipulados lhe contaram, imagine nós depois de tantos anos.

De certa forma Jesus já esperava por essa atitude daqueles homens e por isso disse também: Muito mais bem aventurados são aqueles que acreditaram sem ter visto. Hoje acreditamos no testemunho daqueles que contemplaram estes fatos, mas muitos indagam;

Será que tudo isso aconteceu mesmo ?


16 – Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.



Este agora é o nosso desafio: Crer, e crer sem ter visto ou ouvido falar de tudo aquilo diretamente por uma testemunha dos eventos que ocorreram em Jerusalém naquele dia.

Este sinal da Salvação de Jesus se espalhou por todo o mundo, podemos dizer que são poucos aqueles que nunca viram um crucifixo ou nunca ouviram falar de Jesus que se entregou na cruz por amor a nós.

Dá mesma forma que tentaram impedir os homens de assistirem o Cristo morto na Cruz naquele dia, ainda hoje são muitos os países que proíbem expressamente, sob pena de morte a pregação da palavra de Deus que revela esta verdade àqueles que nunca ouviram falar de Jesus, isto porque reconhecem que a única maneira de não se acreditar em Jesus é não conhecê-lo ou jamais ver a reprodução de uma simples imagem de Jesus crucificado naquela Cruz.

Vemos que a atitude de esconder a verdade sobre Jesus ainda hoje continua.  Esconder o fato de sua morte numa cruz como aconteceu no Calvário ainda é uma atitude comum no mundo de hoje, além daqueles que proíbem se falar de Jesus ou expor apenas o sinal de uma simples cruz que seja, existem também aqueles que tentam obscurecer a verdade, nublando a nossa visão para não percebermos a profundidade da libertação atingida pelo sacrifício da Cruz, existem também aqueles que desviam o nosso olhar da Cruz com imagens pecaminosas ou com imagens Santas, porém sem apenas um reflexo limitado do totalmente Santo que se expõe por nós naquela Cruz.

A comparação com São Pedro caminhando sobre a água é inevitável, enquanto olhava para Jesus, superava suas limitações e falta de fé, porém ao se distrair observando ao seu redor o mar bravio o sugava para a morte e sua única esperança foi estender as mãos e gritar “Salva-me Jesus”!


17 – Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.


Jesus_salva_pedro_de_afogar


São Pedro tinha outras opções de se salvar, afinal era um pescador e acostumado com o mar, sabia nadar e muito bem, poderia ter voltado para o barco com suas próprias forças mas demonstraria o maior fracasso de qualquer Cristão, ao invés de atingir o seu objetivo “que era chegar em Jesus”, acabaria voltando ao ponto de partida e ainda todo molhado num barco a ponto de se afundar na tempestade.

Se fosse esse o seu desejo, jamais ele teria colocado seus pés naquele mar, mas o seu objetivo era ser salvo por Jesus, afinal de contas Ele não veio a este mundo para nos deixar afogar em nossas fraquezas e nem nos condenar por nossos erros, mas veio para nos salvar e libertar de todo mal. Basta realmente dirigir nossos olhos e levantar os nossos braços e nos entregarmos inteiramente nas mãos daquele que se entregou por nós.

Simeão, num simples olhar reconheceu que ali naquela criança estava a Salvação do mundo, José e Maria contemplaram a fragilidade de um Deus que despojou-se de toda sua majestade para vir até nós trazendo esta Salvação, isto porque Ele jamais nos condenou por nossos erros e pecados vindo a este mundo para que realmente os nossos olhos pudessem contemplá-lo e ver claramente que Deus não nos abandona, mas estende as suas mãos para nos resgatar como resgatou São Pedro de uma morte certa.


18 – Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus.



Esta é a situação que nos encontramos, no meio da tempestade e afundando num mar escuro, duas opções, se afastar de Jesus e  confiando em suas próprias forças e habilidades tentar voltar para um barquinho condenado no meio do mar revolto ou se entregar completamente nas mãos de Jesus.

Suponhamos que não fosse Jesus que estivesse ali no mar e fosse uma pessoa totalmente desconhecida para Pedro, qual teria sido sua atitude ?   Certamente teria escolhido voltar para o barco nadando sozinho do que se arriscar pedir socorro a quem nunca viu, isto nos mostra que ao pedir socorro a Jesus, São Pedro demonstrou sua fé em Nele, porque em Jesus ele acreditava de todo coração e  teve a coragem de confiar sua vida inteiramente em suas mãos.    Crer é isso, é confiar inteiramente em uma pessoa a ponto de optar por Ele e desprezar sua própria capacidade.     A condenação existe, o pecado já nos feriu como aquela serpente no deserto, o veneno faz seu efeito e inevitavelmente todos morreremos se não nos dirigirmos àquele que está exposto no alto da Cruz reconhecendo a nossa situação de morte iminente como Pedro se afundando no mar.

Só existe duas opções, crer ou não crer, aproximar ou se afastar, olhar ou desviar o olhar, se entregar ou confiar em si mesmo,só se afundará, só se perderá ou só será condenado aquele que optar por não Crer em Jesus e não entregar sua vida inteiramente em suas mãos.

Esta é a outra alternativa que muitas pessoas acham que não existe ou preferem acreditar que não, para continuarem em seu pecado achando que o veneno da serpente não é tão forte assim e no máximo nos dará apenas um mal estar, temos que alertar que o fundo do mar é escuro e nas trevas não conseguiremos ver nada claramente, que o inimigo nos engana e manipula a mentira fazendo-o parecer com uma verdade, quando realmente não existe outra saída para o pecador a não ser Jesus.


19 – Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más.



Quem em sã consciência preferiria as trevas ou a escuridão, de que adianta olhos se nada poderemos ver no escuro, seremos iguais aos cegos que precisam da ajuda das outras pessoas que veem para conseguirem o que querem e mesmo assim estariam totalmente na confiança de que estas pessoas lhe fariam realmente o que é bom.

Deus nos oferece a luz, onde todos podem ver a verdade e o caminho por onde seguir, já o inimigo nos oferece as trevas onde não vemos o caminho e nem saberemos a verdade sobre ele obrigatoriamente sendo guiados por alguém que temos a certeza não nos amar ou querer apenas o nosso mal.

Só existe uma razão para caminharmos nas trevas sem temer o caminho, é quando vemos no fim do túnel a luz que é a esperança de todo o nosso viver, então porque permanecer nas trevas se podemos caminhar em direção à luz verdadeira.


20 – Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.


.


21 – Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus.


Luz para a fé - Light for the faith por Thiago Leon - thiagophoto!.


.


.


Onde_nasceu_Jesus Seguir_jesus_nao_eh_facil Jesus_disfarçado
Jesus é Rei e Senhor
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito