Dinâmica – Como Permanecer Cheio do Espírito Santo.



“Não sejais imprudentes, mas procurai compreender qual seja a vontade de Deus.  Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas ENCHEI-VOS do Espírito.”
Efésios, 5,17-18 – Bíblia Católica Online





Espírito Santo – Dinâmica


Então Jesus SOPROU sobre eles e disse:

“Recebei o Espírito Santo.” (São João 20,22)”


De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e ENCHEU toda a casa onde estavam sentados. Ficaram todos CHEIOS do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.”
Atos dos Apóstolos, 2,1-5


“Mal acabaram de rezar, tremeu o lugar onde estavam reunidos. E todos ficaram CHEIOS do Espírito Santo e anunciaram com intrepidez a Palavra de Deus.”
Atos dos Apóstolos, 4,31


Objetivo:

“Permanecer Cheio do Espírito Santo.”


Participantes: Numero indefinido.
Tempo Estimado: 15 minutos.
Material:
balão (vermelho)

(utilizamos da cor vermelha por ser a cor litúrgica da Festa de Pentecostes, mas poderá ser usado qualquer cor)

Desenvolvimento:

Para falar do Espírito Santo vamos usar um balão porque na leitura acima Jesus se utilizou de um sopro para simbolizar o recebimento do Espírito Santo pelos Apóstolos.

Para que serve um balão? (brincar, enfeitar os aniversários, jogar etc.)

O balão vazio serve para fazer estas coisas que acabamos de falar?  (não)

O que devemos fazer? (devemos encher o balão)

O cristão nasceu para amar, para servir, perdoar etc. e não para ficar vazio jogado num canto qualquer.

Um balão vazio não serve para nada e assim também um cristão vazio não consegue servir para nada.

O que enche este balão e o faz  ficar pronto para ser usado? (o ar)

E o cristão quem o enche e o faz ficar pronto para amar e servir? (É o Espírito Santo)

O que mais se tem nas lojas e supermercados são balões vazios sem utilidade e assim também no mundo o que mais temos são pessoas vazias e sem objetivo de vida porque estão vazias do Espírito Santo.

Para encher o balão precisamos soprar, mas para ficarmos cheios do Espírito Santo quem sopra é Jesus – (S. João 20,22)

22Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.

(neste momento  o catequista deve encher o balão e mandar que os outros encham também)

catequese+038[1]

Nesta versão iremos distribuir balões de cores variadas (ou não) para os participantes, porém previamente iremos furar alguns balões com um furo de agulha, dois ou mais.

Esta informação não deve ser repassada para os participantes que devem encher os balões normalmente todos ao mesmo tempo.

O resultado é lógico: Alguns balões irão se encher normalmente, outros irão se encher mas irão se esvaziar rapidamente ou lentamente de acordo com quantidade de furos e por fim alguns poderão até estourar,  porém isto será um resultado totalmente inesperado para todos e será neste ponto a nossa reflexão.

– O meu balão está se esvaziando alguém poderá dizer.

– Mandar repetir a operação:

– Depois pergunte o resultado?

– O resultado se repetirá e alguém já poderá dizer que seu balão está furado.

– Se não…  Analisar as causas e motivos do esvaziamento… Encontrar a causa…

– Conclusão: Furos no Balão…

– Fazer uma comparação entre as causas do esvaziamento do balão e as causas do esvaziamento do Cristão.

– Quais são as causas que não permitem que o Cristão permaneça cheio do Espírito Santo?

– Pedir sugestões para a platéia…

– Debater sobre as soluções que Deus nos oferece através da Igreja para que possamos reparar esses furos e parar de se esvaziar.



O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)



Sede cheios do Espírito Santo

“Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito.”
Efésios, 5,18 – Bíblia Católica Online

A palavra de Deus nos convida a buscamos um crescimento espiritual continuo e um aumento do seu poder sobrenatural em nossas vidas diariamente.

A vida de quem serve à Deus deve ser uma novidade no Espírito Santo (Romanos 12,2).

“Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito.”
Romanos, 12,2 – Bíblia Católica Online

Deus não dorme ou fica estaguinado na sua ação.   É por isso que deve partir de nós, essa busca por recebermos cada vez mais de Deus, algo mais profundo, mais forte, mais presente e perene!

Porém, é necessário frisar que a incredulidade, o pecado e o apego às coisas mundanas acabam por nos esvaziar nos impedindo de permanecer cheios do Espírito Santo.

Estes exemplos acima, são como os furos do balão. Por mais que sejam cheios de ar, logo se esvaziarão por estarem com buracos que deixam o ar escapar e da mesma forma o PECADO nos esvazia da graça de Deus.

O mesmo ocorre conosco. Se há furos (brechas), a unção que Deus derrama para nos renovar e nos encher com mais do Seu Espírito, não permanece muito tempo!

Quando conseguimos a vitória contra o pecado em nossas vidas, ou seja, quando aquilo que recebemos permanece para nosso crescimento, outras coisas também ocorrem conosco.

Criamos mais resistência contra o pecado;

Recebemos poder para operar coisas no sobrenatural;

Recebemos uma palavra de poder que gera mudança de vida nos outros ao nosso redor;

Deus se revela num conhecimento bem mais profundo e amoroso.

Para concluir, quando estamos CHEIOS de Deus, do Seu Santo Espírito, haverá transformação de vidas, tanto a de quem está cheio como de quem está próximo.

É bom lembrarmo-nos do texto de São Lucas 5,36-39, ou seja, para ser cheio com algo novo, com uma novidade de Deus, não podemos ficar presos em que vamos receber algo semelhante que um dia recebemos. É um vinho novo, é uma nova unção, é elevar-se no Reino de Deus. Mais autoridade, novos sonhos, projetos, mais conquistas para nosso Deus.

Nunca esteja satisfeito com o que já recebestes de Deus, fique é claro agradecido, mas sempre busque mais Dele que podes ter certeza, Ele tem prazer em nos encher com mais e mais do seu Santo Espírito, nos preparando para combatermos as obras do mal.

Que cada dia mais estejais cheios da graça de Deus que é o seu Espírito.

Amem!


Luz_do_espirito_santo

A LUZ DO ESPÍRITO SANTO

Sentindo o calor da presença do E. S. e sufocando a chama até que ela se apague. 


Conhecendo os sete dons do Espírito

Dinâmica com letras e montagem de quebra-cabeça.


Semeando a cultura de Pentecostes

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Efusão_no_Espirito_1



 

Dinâmica – Apresentação dos Frutos do Espírito.



Conhecer os Doze Principais Frutos do Espírito Santo.


A Dinâmica leva em consideração que os participantes não conheçam os FRUTOS do Espírito, ou que pelo menos os conheçam parcialmente, se conhecerem também não terá problema nenhum em executá-la.

Por não conhecerem os nomes dos frutos do Espírito, a movimentação e o esforço para descobrir cada nome na dinâmica levará a uma memorização de cada um deles.

wallpaper-fruto-espirito_1920x1200

1. Material necessário:


Indicações: Para grupos de Jovens, crianças, adultos, catequese, encontros fechados e grupos abertos.

Objetivo: Apresentar e memorizar os Doze Principais Frutos do Espírito Santo de uma maneira descontraída e animada, como recreação, complemento de palestra anterior ou posterior sobre o tema.

Descrição:

Escreva os nome de nove ou doze FRUTOS em uma cartolina com letras grandes e depois recorte cada letra em separado.

Caridade “Amor”, Alegria, Paz, Longanimidade, Paciência, Benignidade, Bondade, Fidelidade, Domínio Próprio, Brandura, Temperança, Afabilidade “Mansidão”, Modéstia, Castidade e etc.

Total = (+ 100) letras

Obs: Podem ser letras diferentes e cores diferentes, se as cores e letras ficarem trocadas nas palavras não terá importância, mas se quiser facilitar a dinâmica escreva cada palavra em uma cor diferente.

Para crianças facilite associando uma fruta com um nome e escreva em frutas diferentes .


Temos um total de mais de 100 letras logo o Grupo pode ser entre 50 e 130 pessoas, caso o grupo for menor pode abolir alguns frutos ou cada um poderá pegar duas letras e se for maior alguns terão que ficar sem nada.

Misture bem e embaralhe as letras:

Opção 1: Entregue uma letra a cada um dos participantes.

Opção 2: Mande que cada um busque uma letra dentro de uma caixa ou saco fechado.

Quando todos estiverem com as letras na mão ainda não saberão do que se trata, é neste momento que alguém poderá fazer uma introdução sobre o tema “Frutos do Espírito”, desde que não cite o nome de nenhum deles deixando para completar a reflexão apos a dinâmica.


Dinâmica:


Como cada um tem uma letra na mão sem nenhuma conexão uma com a outra, você pedirá para que formem um grupo para cada palavra escolhida “FRUTO” a ser formado e que cada grupo deverá formar uma palavra que contenha o nome de um Fruto do Espírito Santo.

Obs. Geralmente alguém saberá pelo menos uma palavra e quando forem formando as palavras se tornará mais fácil para os restantes.

Facilitador: em caso de não saberem nada sobre o tema o líder poderá dar dicas para auxiliar a solução, de preferência deixar quebrar um pouco a cabeça desde que não exceda 00:05 mm para não dispersar o grupo e perder o foco.

DICAS: Facilitador: Palavras Cruzadas:

Obs: Se você tiver um mural ou um quadro negro, utilize-o para colar as palavras formadas.

Objetivo: Entrosar o grupo, provocar comunicação, despertar liderança e etc.

Juiz: O coordenador ou responsável pela dinâmica deverá julgar se a palavra está correta ou não.

Opções:

Prêmio: Oferecer um prêmio ao grupo que formar a primeira palavra.

Prenda: O ultimo a formar a palavra pagará uma prenda.

Apresentação: Pode se colar a palavra em um quadro ou segura-la nas mãos enquanto o grupo se apresenta e fala sobre o FRUTO que foi formado no grupo.

Objetivo 2: Cada grupo que formar uma palavra receberá um pequeno texto sobre o seu Dom e alguém do grupo deverá ler e ou também se possível explicar o que leu.


Conclusão:

O apresentador da Dinâmica deve finalizar o tema com a conclusão da reflexão sobre o tema apresentado.

Palavras cruzadas:

Veja texto em outro Post ou Power point em anexo.


wallpaper-fruto-espirito_1920x1200

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Fruto_Espírito Luz_do_espirito_santo Balao_Espírito_Santo


Dinâmica – Conhecendo os Sete Dons do Espírito Santo.



Conhecer os Sete Dons do Espírito Santo.


A Dinâmica leva em consideração que os participantes não conheçam os sete Dons do Espírito, ou que pelo menos os conheçam parcialmente, se conhecerem também não terá problema nenhum em executá-la.

Por não conhecerem o nome dos sete dons do Espírito, a movimentação e o esforço para descobrir cada nome na dinâmica levará a uma memorização de cada um dos dons.


Fundamentado no texto:

(Isaías, 11,2-3 )

“2. Sobre ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor. 3. (Sua alegria se encontrará no temor ao Senhor.) Ele não julgará pelas aparências, e não decidirá pelo que ouvir dizer;” 
Isaías, 11,2-3 – Bíblia Católica Online


Sete_dons_espirito_santo

1. Material necessário:


Indicações: Para grupos de Jovens, crianças, adultos, catequese, encontros fechados e grupos abertos.

Objetivo: Apresentar e memorizar os Sete Dons do Espírito Santo de uma maneira descontraída e animada, como recreação, complemento de palestra anterior ou posterior sobre o tema.

Descrição:

Escreva os nomes dos sete Dons em uma cartolina com letras grandes e depois recorte cada letra em separado.

Temor de Deus (11) – Piedade (7) -Fortaleza (9) – Ciência (7) – Conselho (8) -Entendimento  (12)  –  Sabedoria   (9)

Total = (63) letras

Obs: Podem ser letras diferentes e cores diferentes, se as cores e letras ficarem trocadas nas palavras não terá importância, mas se quiser facilitar a dinâmica escreva cada palavra em uma cor diferente.


Temos um total de 63 letras logo o Grupo pode ser entre 30 e 70 pessoas, caso o grupo for menor cada um poderá pegar duas letras e se for maior alguns terão que ficar sem nada.

Misture bem e embaralhe as letras:

Opção 1: Entregue uma letra a cada um dos participantes.

Opção 2: Mande que cada um busque uma letra dentro de uma caixa ou saco fechado.

Quando todos estiverem com as letras na mão ainda não saberão do que se trata, é neste momento que alguém poderá fazer uma introdução sobre o tema, desde que não toque no nome dos sete Dons deixando para completar a reflexão apos a dinâmica.


Dinâmica:


Como cada um tem uma letra na mão sem nenhuma conexão uma com a outra, você pedirá para que formem sete grupos e que cada grupo deverá formar uma palavra que contenha o nome de um dos sete dons do Espírito Santo.

Obs. Geralmente alguém saberá pelo menos uma palavra e quando forem formando as palavras se tornará mais fácil para os restantes.

Facilitador: em caso de não saberem nada sobre o tema o líder poderá dar dicas para auxiliar a solução, de preferência deixar quebrar um pouco a cabeça desde que não exceda 00:05 mm para não dispersar o grupo e perder o foco.

DICAS: Facilitador: Palavras Cruzadas:

Obs: Se você tiver um mural ou um quadro negro, pode montar uma moldura com a palavra “Espírito Santo” na horizontal e “Sete Dons” na vertical deixando os espaços demarcados para o encaixe das palavras encontradas pelos participantes.

(*)(conforme amostra abaixo)

Objetivo: Entrosar o grupo, provocar comunicação, despertar liderança e etc.

Juiz: O coordenador ou responsável pela dinâmica deverá julgar se a palavra está correta.

Prêmio: Oferecer um prêmio ao grupo que formar a primeira palavra.

Prenda: O ultimo a formar a palavra pagará uma prenda.

Apresentação: Pode se colar a palavra em um quadro ou segura-la nas mãos enquanto o grupo se apresenta e fala.

Objetivo 2: Cada grupo que formar uma palavra receberá um pequeno texto sobre o seu Dom e alguém do grupo deverá ler e ou também se possível explicar o que leu.


Conclusão:

O apresentador da Dinâmica deve finalizar o tema com a conclusão da reflexão sobre o tema apresentado.

Palavras cruzadas:

Sete_Dons

Veja texto em outro Post ou Power point em anexo.


.

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Luz_do_espirito_santo Balao_Espírito_Santo


Dinâmica – Ver a Luz e sentir o Calor da chama do Espírito Santo.

DINÂMICA PARA FALAR SOBRE O ESPÍRITO SANTO



O Espírito Santo é a luz do Senhor


Vamos celebrar a Festa de Pentecostes. E falar sobre o Espírito Santo para as pessoas que ainda não têm maturidade na fé é sempre difícil, uma vez que é algo que se sente, não que se vê. Reconhecer a ação do Espírito Santo é uma experiência sensitiva, espiritual, para a qual as palavras são insuficientes.

Mas, podemos aplicar uma dinâmica que ajude os catequizandos a compreenderem de que forma o Espírito Santo age no coração das pessoas.


Luz_do_espirito_santo

1. Material necessário:


Vela_no_tuboUma vela

(pode ser uma velinha votiva)

Um pratinho

(para colocar a vela)


Um tubo redondo com 10 a 12 cm de diâmetro e 20 cm de altura, aberto nas duas pontas (pode ser um pedaço – 20 cm – de cano de água de 4 polegadas)

Um pedaço de cartão grosso ou madeira, maior que a boca do tubo.

No dia do Encontro:
Preparar o local de modo que as cadeiras fiquem em círculo, em volta de uma mesa. Depois da acolhida e da oração inicial, fazer a leitura do Evangelho de João 20, 19-22. Pedir aos catequizandos que reflitam sobre o que Jesus faz. Jesus soprou o Espírito Santo sobre os apóstolos e os enviou ao mundo para que? Essa ordem de Jesus foi apenas para aqueles que lá estavam? O Espírito Santo foi dado somente a eles? Mostrar que todos recebem o Espírito Santo pelo Batismo e pela Crisma.
Questionar: Se todos recebem o Espírito Santo, por que há pessoas que não vivem conforme o Espírito.


Dinâmica:


  1. Pedir a atenção de todos e mostrar a vela que está sobre a mesa. Dizer que essa vela acesa simboliza o Espírito Santo no coração das pessoas. Acender a vela e pedir que um de cada vez se aproxime e coloque a mão próxima da vela. Depois que todos fizeram a experiência, perguntar o que sentiram: calor, ardência. Comparar isso com o que sente aquele que tem o Espírito no coração e também o que sentem as outras pessoas que se aproximam deste, pois quem tem o Espírito no coração é acolhedor e solidário.
  2. Colocar a vela debaixo do tubo deixando a ponta de cima aberta. Pedir que um de cada vez se aproxime, encoste a mão no tubo, chegando próximo e olhando dentro. Depois que todos fizeram isso, perguntar se a vela ainda está acesa, se eles estão vendo ou se sentiram o calor da vela. Mostrar que a barreira que foi colocada impediu que a chama fosse vista ou seu calor fosse sentido. Comparar com aqueles que tendo o Espírito no coração, apesar de nutri-lo com orações (continuar ligado a Deus) não se abrem para as outras pessoas, mantendo o coração fechado. Mostrar que apesar da chama não se apagar, ela já não é mais tão forte, está fraca, sem calor.
  3. Tampar a parte de cima do tubo por alguns instantes, até que o ar que havia dentro dele seja consumido e a vela se apague. Enquanto isso questionar o que acontece com as pessoas que receberam o Espírito Santo, mas não manteve nem mesmo o contato com Deus. Destampar e deixar que cada um possa verificar que a vela se apagou. Comparar com as pessoas que se afastam de Deus e por isso não alimentam o Espírito que está no seu coração.

Explicar que o Espírito não foi embora, está lá, mas já não consegue aquecer o coração dessas pessoas. No entanto, se elas se aproximarem de Deus e das outras pessoas que estão repletas do Espírito, essa chama vai se acender novamente.

Conclusão:

Ler o texto do Pentecostes, Ato dos Apóstolos 2, 1-6, e mostrar que aqueles que recebem o Espírito Santo de Jesus devem ir ao mundo, às outras pessoas e dar testemunho do seu amor.


 

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120 Sete_dons

Eu sou a Videira Verdadeira.


Vos sois os Ramos


Eu_sou_a_Videira_Verdadeira


Jesus se identifica aos apóstolos de várias maneiras. Como para os humanos nem sempre é fácil entender as coisas sobrenaturais, usa de parábolas, comparações e alegorias. Depois de se apresentar como o Caminho, Verdade e Vida, de revelar-se como Bom Pastor das ovelhas e porta do redil, se compara à videira da qual fazem parte os ramos e os frutos. Tal comparação é uma consolação para os que nele creem e o amam de verdade, pois ele os inclui na sua própria identidade. “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo se não permanecer na videira, assim também vós não podeis dar fruto se não permanecerdes em mim” (Jo 15, 4).

São Paulo compara o corpo de Cristo à Igreja (cf I Cor. 12, 12-14). Ela, na verdade, é o corpo místico do Senhor. Somente pertence a ela, quem pertence a Cristo.

A comparação da videira já havia sido utilizada pelos profetas Isaías, Jeremias e Ezequiel referindo-se ao povo de Israel. Porém, o povo de Israel na história se revelou infiel e não produziu os frutos esperados. Eis a razão pela qual o Senhor se apresenta como a Verdadeira Videira. Quem está nele, unido a ele que é o tronco, este necessariamente produz frutos de caridade, de bondade, de justiça, de fraternidade, de humildade, de serviço ao próximo, sobretudo aos sofredores. Inúmeros são os frutos que resultam de uma verdadeira e íntima união com Cristo. A produção de frutos que são as boas obras oriundas do mandamento novo, Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo. 13,34), são indispensáveis para se pertencer a Cristo Jesus, de tal forma que em não produzindo-as, o Pai, que é o agricultor, corta os ramos e os separa definitivamente do tronco. Porém, também o ramo que produz fruto deve ser, de vez em quando, limpo, podado. São os sofrimentos, os problemas que cada um que se decide a ser inteiramente de Cristo tem que enfrentar. Não duvidemos: não há Cristo sem cruz, não há cristianismo sem sacrifícios. O livro dos Atos dos Apóstolos, bem como a história da Igreja, estão cheios de exemplos de provações, tribulações, martírios físicos ou morais que acompanham a todos os que estão legitimamente são inseridos como ramos no tronco da videira que é Cristo.

Lembremo-nos ainda que toda árvore é constituída de tronco, ramos, frutos, mas também de raízes e de seiva. As raízes podem ser comparadas à parte da Igreja que vive no escondimento dos mosteiros ou no silêncio das terras longínquas da missão. Também podem se assemelhar à parte silenciosa em nós mesmos que devemos renunciar a qualquer honraria humana para viver nossa fé e praticar as boas obras. Não foi Jesus que afirmou: “que sua mão esquerda não saiba o que faz a direita”? (cf. Mt 6, 1-4). Na árvore de Cristo não cabem exibições, como na Igreja não se pode suportar o carreirismo e a sede de poder. Certamente os ciúmes são definitivamente artimanhas do inimigo que deseja ver secos os ramos da videira do Senhor.

A seiva, contudo é a vida da árvore. Sem ela os ramos secam e acabam por desaparecer. Permanecer unido a Cristo significa receber de sua seiva continuamente. A seiva é o Espírito Santo, é a força do ressuscitado, é a vida da Igreja e de cada pessoa. Assim como a seiva é praticamente invisível, a maneira de recebê-la em continuidade é a oração que também é algo imaterial e intangível. Quem perdeu a capacidade de rezar, começou a secar e pode se tornar lenha para a fogueira. Sem mim, nada podeis fazer! (Jo.15, 5) afirma Jesus. Contudo, se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vos será dado (Jo.15,7). Ó, como isso é consolador! Na união com Cristo está a solução para todas as situações, ainda que pareçam humanamente impossíveis. O segredo está em permanecer vivamente enxertados em Cristo, dele recebendo a benfazeja seiva, para produzir abundantes frutos para a glória do Pai.

Por Dom Gil Antônio Moreira – Arcebispo de Juiz de Fora (MG)


Perseverança


Fruto_Espírito SVE-I
Antiga_Aliança_02 Sete_dons
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

Dinâmica – O Espírito Santo sopra onde quer.



O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)


Balao_Espírito_Santo




Espírito Santo – Dinâmica

Então Jesus soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo.” (São João 20,22)

Objetivo: Reconhecer que somos

“Templos do Espírito Santo.”


Material: balão (vermelho)

(utilizamos da cor vermelha por ser a cor litúrgica da Festa de Pentecostes)

Desenvolvimento:

Para falar do Espírito Santo vamos usar um balão.

Para que serve um balão? (brincar, enfeitar os aniversários, jogar etc.)

O balão vazio serve para fazer estas coisas que acabamos de falar?  (não)

O que devemos fazer? (devemos encher o balão)

O cristão nasceu para amar, para servir, perdoar etc. e não para ficar vazio.

Um cristão vazio não consegue servir.

O que enche este balão e o faz  ficar pronto para ser usado? (o ar)

E o cristão quem o enche e o faz ficar pronto para amar e servir? (É o Espírito Santo)

Para encher o balão precisamos soprar, mas para ficarmos cheios do Espírito Santo quem sopra é Jesus – (S. João 20,22)

22Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.

(neste momento  o catequista deve encher o balão)

catequese+038[1]

O balão está cheio, mas não vejo o ar que está dentro dele?

O Espírito Santo também não o vemos, mas Ele está em nós e apenas o sentimos como o ar.

(Soltar o balão cheio sem amarrar)

Quem está movimentando o balão? (o ar que sai de dentro e empurra para frente). O Cristão também deve ser impulsionado pelo Espírito Santo.

Quando eu soltei o balão eu consegui determinar a direção do balão? (não) O balão foi para onde ele quis. O Espírito Santo também sopra para onde quer.



catequese+040[1]


O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)

O Espírito Santo também desenvolve muitos dons: em algumas crianças dá o dom de cantar, a outras dá o dom de falar da palavra, a outras dá o dom de desenhar e fazer belos cartazes para enfeitar a igreja, a outras crianças o Espírito Santo dá o dom de orar (falar sobre os dons que o Espírito Santo nos dá e como podemos colocá-los  a serviço de  Deus e do próximo). Tudo isso é o Espírito Santo que faz em nosso coração, para que possamos servir ao Senhor e aos irmãos.

(Ao final escolher uma música animada do Espírito Santo para que as crianças possam fazer um louvor)


(Esta dinâmica foi retirada do livro Querigma para crianças – Projeto Talita Cumi- Hyde Flávia)


Con


 OUTRAS DINÂMICAS SOBRE O ESPÍRITO SANTO.


Luz_do_espirito_santo

A LUZ DO ESPÍRITO SANTO

Sentindo o calor da presença do E. S. e sufocando a chama até que ela se apague. 


Conhecendo os sete dons do Espírito

Dinâmica com letras e montagem de quebra-cabeça.


Semeando a cultura de Pentecostes

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Espirito_Santo Efusão_no_Espirito_1



 

O vosso corpo é templo do Espírito Santo.




1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!


Parte I


Talvez que a maior novidade do Vaticano II tenha sido declarar que todo o cristão é chamado à perfeição da santidade: “Todos os fiéis, seja qual for o seu estado ou classe, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade”. E o Concílio recorre a S. Paulo para fundamentar esta afirmação:


16 – Não sabeis que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?

(I Coríntios 3,16 e 17)

17 – Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus é sagrado – e isto sois vós.

Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que habita em vós, o qual recebestes de Deus e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis?                         (I Coríntios 6,19)



Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo. Foi assim que Ele nos escolheu em Cristo, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis na sua presença no amor.” Já o próprio Cristo tinha levantado a fasquia até ao ponto mais alto: “Sede perfeitos como o vosso Pai do céu é perfeito”.

Antes do Concílio, os caminhos da perfeição eram em geral reservados aos consagrados: papas, bispos, padres, religiosos. Eram os chamados “estados de perfeição”. E, de fato, em geral os santos canonizados pertenciam a estas categorias de pessoas: ou eram papas, bispos, padres ou religiosos. Os leigos e leigas, que tinham sido canonizados, só o foram não tanto pelo matrimônio, mas apesar do matrimônio. Em geral, eram viúvos ou viúvas, portanto depois de terem deixado o casamento, ou então por terem entrado na vida religiosa: S. Nuno Álvares Pereira, a rainha Santa Isabel, a princesa Santa Joana, etc.

Ora aconteceu que Gianna Bareta Molla, que João Paulo II beatificou em 1994 e canonizou em 2004, era uma mulher casada, médica, mãe de quatro filhos, que tinha falecido por se ter recusado a provocar um aborto: se o não provocasse, morreria. E deixou que Deus decidisse. Esta foi a credencial para ser proclamada santa. Abriu-se assim um novo espaço para os santos, os santos leigos — ou seja, para a vocação de todos os cristãos à perfeição da santidade.

E isto porquê? Porque todos os cristãos recebem o Espírito Santo. O primeiro grande momento da presença do Espírito Santo na vida do cristão acontece no Batismo. O Batismo é o grande Pentecostes de cada cristão. Pelo Batismo, nós tornamo-nos da família da Santíssima Trindade, filhos de Deus; e como no seio de Maria, só o Espírito Santo pode fazer esta filiação. No Batismo, todos recebemos o Espírito Santo em plenitude, tanto o leigo, como o padre, o bispo ou o Papa. Todos são chamados à perfeição da santidade. Não se recebe o Espírito Santo mais ou menos, a conta gotas. Uma hóstia não está mais ou menos consagrada. Cristo não está mais numa partícula que noutra. Está todo em cada uma. Mas os efeitos da comunhão não são iguais em todos. O Espírito Santo está todo em cada cristão, como Cristo está todo em cada hóstia consagrada, seja ela grande ou pequena. Diz S. João no diálogo com Nicodemos: Deus não dá o seu Espírito por medida. O Pai ama o Filho e entregou-lhe tudo nas suas mãos. Quem acredita no Filho tem a vida eterna” (No 3, 33-36).

Por isso, como nos ensina o Cardeal Suenens, após o Batismo, o Espírito Santo não está mais para vir. Ele está radicalmente presente no ponto de partida da vida cristã, mesmo se a tomada de consciência desta presença só acontece mais tarde, quando a criança, tornada adulta, ratificar as exigências dessa presença. O Espírito já está nele; ele é efetivamente morada da Santíssima Trindade. Por isso, a santidade não é uma escalada em direção a um pólo longínquo, inacessível. A santidade cristã é nos dada inicialmente, na sua plenitude, no dia do nosso Batismo. O batizado torna-se o berço, o cenáculo da Santíssima Trindade. Segue-se daí que, rigorosamente falando, precisamos não de nos tornarmos santos, mas de deixarmos que a santidade de Deus nos envolva. Pelo Batismo, recebemos o Espírito de santidade; o que é preciso é desenvolver as suas riquezas latentes.

No decurso da nossa vida cristã, cada sacramento alargará o raio de ação do Espírito que já está em nós. Cada sacramento é um curso de água que brota da fonte batismal. É uma fonte com água sempre a nascer. O nosso batismo é uma fonte da Santíssima Trindade, sempre a jorrar. Nós dizemos que imprime “caráter”, quer dizer: é um sacramento permanente, sempre em atividade. Não é necessário nem tem sentido batizar-se uma segunda vez. Quando recebemos o sacramento da Confirmação, o bispo diz: “Vais receber o Espírito Santo”. Ele poderia acrescentar: “vais receber o Espírito Santo que já tens.” Trata-se, não de receber um suplemento do Espírito Santo, mas de uma confirmação desta presença, ou melhor, de confirmar e de assumir esta presença. Pelo batismo recebe-se o Espírito Santo todo. O Espírito Santo não se recebe aos bocadinhos, por esmola. O Espírito Santo entrega-se todo. Ele é o grande dom do Pai.

Na liturgia do Pentecostes, são numerosas as orações em que se pede ao Pai que envie o seu Espírito, como se ele ainda não tivesse sido enviado. Mas, na verdade, não se trata de pedir que o Espírito Santo venha, mas sim de pedir que o deixemos atuar na nossa vida. A fome faz sentir a necessidade do pão. Se não se tem fome, podemos morrer à míngua com a dispensa cheia. O Espírito permanece em nós: somos nós que, sob a ação conjugada da graça e da nossa liberdade, lhe damos uma nova possibilidade de ação.

Quando a ação do Espírito se intensifica em nós, não é o Espírito que acorda e volta, como um vulcão que de vez em quando entra em erupção depois de um longo sono; nós é que despertamos diante da sua presença e, sob o impulso da sua graça, por uma fé acrescida, nos abrimos a uma esperança renovada, uma caridade mais viva.

Diz-nos o Livro dos Reis que, habitualmente, o Espírito Santo entra na nossa vida como uma brisa suave, de que mal nos apercebemos, como aconteceu com Elias. Elias esperava a vinda do Senhor com grande alarido, como um terramoto ou como um incêndio, ou como um temporal como contavam as teofanias do Antigo Testamento. E Ele veio como uma brisa suave, de qual mal se dá conta. Libermann diz que devemos ser como uma leve pena ao sopro do Espírito. Esta presença do Espírito Santo manifesta-se na vida da comunidade e na vida pessoal de cada um. Na vida de comunidade pelos seus dons e carismas e na vida pessoal de cada um pelos seus frutos.


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo parte II

3. Os frutos do Espírito Santo Parte III

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo



O ESPÍRITO SANTO ENTRE NÓS


Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes