Teologia versus Ateísmo.


Uma Resposta Sábia da Teologia para a astúcia do ateísmo.


BENTO XVI e a sua grande sabedoria e impressionante lucidez em carta que escreveu como resposta ao matemático e ateu italiano Piergiorgio Odifreddi, que lhe dirigiu o livro “Caro Papa, escrevo-te”, no qual fala sobre a Igreja, Cristo, Bento XVI, ciência e o mal. 

É magistral como o Papa emérito o responde! Com palavras acertadas, mas sem nunca abandonar o bom trato. Bento XVI é daqueles que sabem revidar graves argumentos sem, contudo, perder a boa classe. Confiram:


tn_620_600_Papacapa[1]

REUTERS/Osservatore Romano


Ilustríssimo Senhor Professor Odifreddi, (…) gostaria de lhe agradecer por ter tentado até o último detalhe se confrontar com o meu livro e, assim, com a minha fé; é exatamente isso, em grande parte, que eu havia intencionado com o meu discurso à Cúria Romana por ocasião do Natal de 2009. Devo agradecer também pelo modo leal como tratou o meu texto, buscando sinceramente prestar-lhe justiça.

O meu julgamento acerca do seu livro, no seu conjunto, porém, é em si mesmo bastante contrastante. Eu li algumas partes dele com prazer e proveito. Em outras partes, ao invés, me admirei com uma certa agressividade e com a imprudência da argumentação. (…)

Várias vezes, o senhor me aponta que a teologia seria ficção científica. A esse respeito, eu me admiro que o senhor, no entanto, considere o meu livro digno de uma discussão tão detalhada. Permita-me propor quatro pontos a respeito de tal questão:

1. É correto afirmar que “ciência”, no sentido mais estrito da palavra, só a matemática o é, enquanto eu aprendi com o senhor que, mesmo aqui, seria preciso distinguir ainda entre a aritmética e a geometria. Em todas as matérias específicas, a cientificidade, a cada vez, tem a sua própria forma, segundo a particularidade do seu objeto. O essencial é que ela aplique um método verificável, exclua a arbitrariedade e garanta a racionalidade nas respectivas modalidades diferentes.

2. O senhor deveria ao menos reconhecer que, no âmbito histórico e no do pensamento filosófico, a teologia produziu resultados duradouros.

3. Uma função importante da teologia é a de manter a religião ligada à razão, e a razão, à religião. Ambas as funções são de essencial importância para a humanidade. No meu diálogo com Habermas, mostrei que existem patologias da religião e – não menos perigosas – patologias da razão. Ambas precisam uma da outra, e mantê-las continuamente conectadas é uma importante tarefa da teologia.

4. A ficção científica existe, por outro lado, no âmbito de muitas ciências. Eu designaria o que o senhor expõe sobre as teorias acerca do início e do fim do mundo em Heisenberg, Schrödinger, etc., como ficção científica no bom sentido: são visões e antecipações para chegar a um verdadeiro conhecimento, mas são, justamente, apenas imaginações com as quais tentamos nos aproximar da realidade. Além disso, existe a ficção científica em grande estilo, exatamente dentro da teoria da evolução também. O gene egoísta de Richard Dawkins é um exemplo clássico de ficção científica. O grande Jacques Monod escreveu frases que ele mesmo deve ter inserido na sua obra seguramente apenas como ficção científica. Cito: “O surgimento dos vertebrados tetrápodes (…) justamente tem sua origem do fato de que um peixe primitivo ‘escolheu’ ir a explorar a terra, sobre a qual, porém, ele era incapaz de se deslocar, exceto saltitando desajeitadamente e criando, assim, como consequência de uma modificação do comportamento, a pressão seletiva graças à qual se desenvolveriam os membros robustos dos tetrápodes. Entre os descendentes desse audaz explorador, desse Magellan da evolução, alguns podem correr a uma velocidade de 70 quilômetros por hora…” (citado segundo a edição italiana de Il caso e la necessità, Milão, 2001, p. 117ss.).

Em todas as temáticas discutidas até agora, trata-se de um diálogo sério, para o qual eu – como já disse repetidamente – sou grato. As coisas são diferentes no capítulo sobre o sacerdote e a moral católica, e ainda diferentes nos capítulos sobre Jesus. Quanto ao que o senhor diz sobre o abuso moral de menores por parte de sacerdotes, eu só posso reconhecer – como o senhor sabe – com profunda consternação. Eu nunca tentei mascarar essas coisas. O fato de que o poder do mal penetra a tal ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, devemos suportar, enquanto, por outro, devemos, ao mesmo tempo, fazer todo o possível para que casos desse tipo não se repitam. Também não é motivo de conforto saber que, segundo as pesquisas dos sociólogos, a porcentagem dos sacerdotes réus desses crimes não é mais alta do que a presente em outras categorias profissionais semelhantes. Em todo caso, não se deveria apresentar ostensivamente esse desvio como se se tratasse de uma imundície específica do catolicismo.

Se não é lícito calar sobre o mal na Igreja, também não se deve silenciar, porém, sobre o grande rastro luminoso de bondade e de pureza, que a fé cristã traçou ao longo dos séculos. É preciso lembrar as figuras grandes e puras que a fé produziu – de Bento de Núrsia e a sua irmã Escolástica, Francisco e Clara de Assis, Teresa de Ávila e João da Cruz, aos grandes santos da caridade como Vicente de Paulo e Camilo de Lellis, até a Madre Teresa de Calcutá e as grandes e nobres figuras da Turim do século XIX. Também é verdade hoje que a fé leva muitas pessoas ao amor desinteressado, ao serviço pelos outros, à sinceridade e à justiça. (…)

O que o senhor diz sobre a figura de Jesus não é digno do seu nível científico. Se o senhor põe a questão como se, no fundo, não soubesse nada de Jesus e como se d’Ele, como figura histórica, nada fosse verificável, então eu só posso convidá-lo de modo decidido a tornar-se um pouco mais competente do ponto de vista histórico. Recomendo-lhe, para isso, sobretudo os quatro volumes que Martin Hengel (exegeta da Faculdade de Teologia Protestante de Tübingen) publicou juntamente com Maria Schwemer: é um exemplo excelente de precisão histórica e de amplíssima informação histórica. Diante disso, o que o senhor diz sobre Jesus é um falar imprudente que não deveria repetir. O fato de que na exegese também foram escritas muitas coisas de escassa seriedade é, infelizmente, um fato indiscutível. O seminário norte-americano sobre Jesus que o senhor cita nas páginas 105ss. só confirma mais uma vez o que Albert Schweitzer havia notado a respeito da Leben-Jesu-Forschung (Pesquisa sobre a vida de Jesus), isto é, que o chamado “Jesus histórico” é, em grande parte, o espelho das ideias dos autores. Tais formas mal sucedidas de trabalho histórico, porém, não comprometem, de fato, a importância da pesquisa histórica séria, que nos levou a conhecimentos verdadeiros e seguros sobre o anúncio e a figura de Jesus.

(…) Além disso, devo rejeitar com força a sua afirmação (p. 126) segundo a qual eu teria apresentado a exegese histórico-crítica como um instrumento do anticristo. Tratando o relato das tentações de Jesus, apenas retomei a tese de Soloviev, segundo a qual a exegese histórico-crítica também pode ser usada pelo anticristo – o que é um fato incontestável. Ao mesmo tempo, porém, sempre – e em particular no prefácio ao primeiro volume do meu livro sobre Jesus de Nazaré – eu esclareci de modo evidente que a exegese histórico-crítica é necessária para uma fé que não propõe mitos com imagens históricas, mas reivindica uma historicidade verdadeira e, por isso, deve apresentar a realidade histórica das suas afirmações de modo científico também. Por isso, também não é correto que o senhor diga que eu estaria interessado somente na meta-história: muito pelo contrário, todos os meus esforços têm o objetivo de mostrar que o Jesus descrito nos Evangelhos também é o Jesus histórico real; que se trata de história realmente ocorrida. (…)

Com o 19º capítulo do seu livro, voltamos aos aspectos positivos do seu diálogo com o meu pensamento. (…) Mesmo que a sua interpretação de João 1, 1 seja muito distante da que o evangelista pretendia dizer, existe, no entanto, uma convergência que é importante. Se o senhor, porém, quer substituir Deus por “A Natureza”, resta a questão: quem ou o que é essa natureza. Em nenhum lugar, o senhor a define e, assim, ela parece ser uma divindade irracional que não explica nada. Mas eu gostaria, acima de tudo, de fazer notar ainda que, na sua religião da matemática, três temas fundamentais da existência humana continuam não considerados: a liberdade, o amor e o mal. Admiro-me que o senhor, com uma única referência, liquide a liberdade que, contudo, foi e é o valor fundamental da época moderna. O amor, no seu livro, não aparece, e também não há nenhuma informação sobre o mal. Independentemente do que a neurobiologia diga ou não diga sobre a liberdade, no drama real da nossa história ela está presente como realidade determinante e deve ser levada em consideração. Mas a sua religião matemática não conhece nenhuma informação sobre o mal. Uma religião que ignore essas questões fundamentais permanece vazia.

Ilustríssimo Senhor Professor, a minha crítica ao seu livro, em parte, é dura. Mas a franqueza faz parte do diálogo; só assim o conhecimento pode crescer. O senhor foi muito franco e, assim, aceitará que eu também o seja. Em todo caso, porém, avalio muito positivamente o fato de que o senhor, através do seu contínuo confronto com a minha Introdução ao cristianismo, tenha buscado um diálogo tão aberto com a fé da Igreja Católica e que, apesar de todos os contrastes, no âmbito central, não faltem totalmente as convergências.

Com cordiais saudações e com todos os melhores votos para o seu trabalho.


Texto publicado em italiano na edição de 24 setembro 2013 do jornal la Repubblica, com tradução portuguesa de Moisés Sbardelotto.

Na imagem, Bento XVI, ainda Papa de fato, lendo o L’Osservatore Romano durante suas férias em julho de 2010, em Castel Gandolfo.

Créditos da imagem: Reuters/L’Osservatore Romano.


MILAGRE DE LANCIANO

.


Criador do Logo Escolhido para o JMJ 2013 participa da RCC.



Divulgado o logotipo que representará a campanha do JMJ 2013 a se realizar no Rio de Janeiro – Brasil



Gustavo Curty Huguenin – Portal http://www.jmj2013.com

Uma grande alegria para a família carismática do Brasil! O ganhador do concurso que escolheu a Logo da Jornada Mundial da Juventude 2013, que será realizada na cidade do Rio de Janeiro, é membro da Renovação Carismática Católica. O lançamento foi feito na noite dessa terça-feira (07), na capital carioca.

Gustavo Curty Huguenin mora na cidade de Cantagalo/RJ e pertence ao Grupo de Oração Bem Aventurados de Maria. Ele atua no Ministério de Comunicação Social e foi um dos responsáveis pela remodelação da Marca da RCCBRASIL e pela elaboração do Manual da Identidade Visual do Movimento.

Ao falar sobre a conquista para o Site Oficial da JMJ Rio 2013, Gustavo se referiu à alegria por poder servir a Igreja através da RCC: “Fui conhecendo e podendo amar mais a Igreja através da Renovação. Posso servir ao Senhor através deste movimento e das equipes pastorais da Igreja”, afirmou.

Entenda melhor a Logo:





Leia Mais:
http://www.rccrs.com.br/noticias/brasil/




CHÁCARA JEUS CURA



Maria Descobre que está Grávida.


MAIS UMA POLÊMICA

ENVOLVENDO O NOME DE MARIA

A MÃE DE JESUS…


Uma Igreja Anglicana Progressista da Nova Zelândia “Auckland’s St. Matthew-in-the-City church” na campanha de preparação para o Natal deste ano resolveu divulgar um cartaz para demonstrar as dificuldades que a Mãe de Jesus teve que aceitar e superar quando decidiu se submeter como uma verdadeira serva à vontade de Deus.

Para atingir este objetivo resolveram retratar a situação de uma forma chocante e moderna colocando a Jovem Maria antes do casamento fazendo um teste de gravidez sozinha em secreto e descobrindo o que mais temia, estava realmente grávida.


Assim esta escrito no título da

pagina na Internet:

“Mary is in the Pink”

“MARIA ESTÁ NO ROSA”



ou seja:

“O TESTE DEU POSITIVO”


Mas a polêmica não está na realização de um teste de gravidez e sim na expressão de susto que a jovem da imagem demonstra ao descobrir que esta gravida, pode até ser que no mundo de hoje uma jovem adolescente na idade de Maria leve um grande susto depois de ter praticado sexo antes do casamento e descobesto de repente que seu futuro foi para o ralo.

Hoje a jovem é amparada pela lei dos homens com direito a pré natal e parto como qualquer mãe, não corre mais o risco de ser apedrejada além de muitas delas com o apoio dos próprios Pais recorrerem a métodos criminosos e anticristãos para resolverem o problema, mas o fato é que Maria mesmo sabendo da possibilidade de perder seu futuro, sua dignidade, ser abandonada pelo noivo, pelos Pais e até mesmo de ser apedrejada em praça pública ela assumiu tudo isso por submissão à vontade de Deus e à revelação de seu plano de Amor para a Humanidade, sendo assim, a gravidez de Maria foi assumida conscientemente por antecedência e não descoberta por acaso como resultado de um deslize e conseqüência de um pecado grave cometido.

De qualquer forma o Outdoor com a imagem polêmica trás à luz um assunto para se debater neste tempo de Advento, tanto no cuidado que os jovens de hoje precisam ter em suas manifestações de sexualidade praticando um namoro sério e dentro das normas Cristãs como também na meditação sobre a verdadeira vocação e aceitação da missão de Mãe do Salvador que a Virgem Maria assumiu na mais tenra flor de sua juventude.

Era o que pretendia o Cartaz que foi exposto em frente à Igreja, mas que provocou indignação e a revolta dos Católicos da cidade com toda razão, pois consideramos o cartaz uma afronta à dignidade da Mãe de Jesus e nossa Mãe.


Veja O Texto da Matéria Original.

Que não é assim tão polêmico e até bom por sinal.


Glynn Cardy & Clay Nelson
14 de dezembro de 2011 00:00:00

É real. O Natal é real. É sobre uma gravidez real, uma verdadeira mãe e uma criança real. Trata-se de verdadeira ansiedade, coragem e esperança.

Este cartaz retrata Maria, mãe de Jesus, olhando para um kit de teste de gravidez em casa, revelando que ela está grávida. Independentemente de qualquer premonição, que teria sido uma descoberta chocante. Maria era solteira, jovem e pobre. Esta gravidez iria moldar o seu futuro. Ela certamente não foi a primeira mulher nesta situação e nem será a última.

Tal como no passado é a nossa intenção de evitar o sentimental, banal e esperada para provocar o pensamento e conversação na comunidade. Este ano, esperamos fazê-lo com uma imagem e não palavras. Nós convidamos você a saber o que a legenda poderia ser.

Embora o faz de conta do Natal é agradável – com enfeites, Papai Noel, renas, e canções – também existem algumas realidades. Muitos em nossa sociedade estão sofrendo: alguns pela falta de dinheiro, alguns através de problemas de saúde, alguns por meio da violência, e alguns por outras dificuldades. A alegria do Natal é silenciada pela ansiedade.

Nesta temporada, vamos encorajar uns aos outros para serem generosos com aqueles que sofrem, para doar a estranhos, e para cuidar de todos – especialmente aqueles que menos têm. Como o primeiro “Papai Noel” “Santa Claus”, São Nicolau fez.

Convidamos todos os que celebram a temporada para manter estas diferentes vertentes de um verdadeiro Natal juntos: a ansiedade e alegria, sofrimento e da compaixão, Santa e Jesus.

www.stmatthews.org.nz


A intenção na verdade era acordar os jovens para a REALIDADE  e a gravidade da situação que Maria teve que assumir ao aceitar a sua missão, mas a expressão de susto posterior à descoberta da gravidez anularia completamente a opção de aceitação voluntária e consciente desta gravidez, gerando assim esta polêmica com toda a razão porque a imagem demonstra uma atitude totalmente inversa à verdadeira reação de Maria ao receber o anúncio do anjo Gabriel.

Católicos fazem manifestação na porta da Igreja contra o Outdoor

Reverendo acusa Católicos de vandalismo e destruição de seu cartaz.


A Silenciosa Mãe do Redentor

Anunciação



Na sua humildade, Maria nunca revelou o segredo de seu Filho e da maternidade divina. Mesmo suportando a humilhação sua e de seu Filho, nunca anunciou o mistério que dela brotou e nela se formou. Não tomou como afirmação pessoal proclamar que Deus a fizera Mãe do Altíssimo, do Filho de Deus.

Mãe silenciosa: ela guardava tudo em seu coração. Tanto por não querer revelar seu segredo, quanto por querer compreender melhor o segredo que de Deus recebera. Era humildade e também sabedoria, sabia de sua pequenez e de sua grandeza. Ninguém mais precisaria saber, pois o único importante era fazer tudo o que o Filho dissesse (cf. Jo 2,5).

A maternidade divina é por ela tão ocultada que os Evangelhos têm pudor em citá-la. Paulo apenas fala de “mulher” (Gl 4,4) que completou em si a plenitude dos tempos trazendo-nos o Filho eterno que ingressou no tempo pelo ventre de Maria, a todos dando-nos a dignidade de filhos de Deus.

No encontro com a prima Isabel, que lhe fala que João pulara no ventre ao sentir a presença do Filho nela, e por revelação agradece a visita da “Mãe do meu Senhor”, Maria esconde seu mistério proclamando a bondade de Deus que olhou para sua humilhação. E serve sua prima aquela que carrega o Senhor de todos.

Maria recebera um segredo de Deus Pai. Deus Pai reservou um segredo a Maria: sua carne não conheceria a corrupção de pecado que não cometera. O Filho reservara para sua Mãe o segredo da vida eterna, da qual participaria como primeira entre os mortais.

A carne que formara a Carne do Redentor foi transfigurada e assunta aos céus.

Fonte:  ASSUNÇÃO DA SILENCIOSA MÃE DO REDENTOR

Pe. José Artulino Besen 

Leia Também a sequencia do texto:

Nós não guardamos esse segredo

“Todas as gerações me proclamarão Bem aventurada”



https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg?w=130&h=120
MILAGRE DE LANCIANO

Rede Record Faz Reportagem Desfavorável ao JMJ 2013.



Veja o título da Manchete da Record estampada com letras Maiúsculas no seu site R7:



(sit) “Dinheiro para promover evento católico sairá do bolso do carioca”


O evento Católico em questão seria o

JMJ 2013.


Festival Promessas, Show Gospel no Rio de Janeiro, aterro do Flamengo


Em Contrapartida está acontecendo neste momento um Show Gospel patrocinado pela rede Globo em convênio com a Prefeitura do rio, mas contra este evento evangélico não foi pronunciado nenhuma vírgula.



A TV Record uma emissora da (IURD) em uma reportagem no Jornal da noite denunciou a Deputada Myrian Rios por pedir dinheiro ao estado do Rio para financiar a Jornada Mundial da Juventude 2013. Pelo que se vê na reportagem começaram cedo a colocar o povo brasileiro contra a JMJ-RIO.

Isto não é novidade, pois durante a última JMJ 2011 ocorreu o mesmo tipo de manifestação durante o evento em Madrid.

Um grupo de manifestantes “ATEUS” fez protesto contra a JMJ dizendo que o Govêrno estava financiando o evento o que foi desmentido pelo Govêrno local (ZP11082105 – 21-08-2011).



Vejam a reportagem neste vídeo, retirado do site da Rede Record:

http://videos.r7.com/r7/service/video/playervideo.html

O Blog WordPress não permite hospedagem de Video do R7.

http://noticias.r7.com/cidades/noticias/dinheiro-para-promover-evento-catolico-saira-do-bolso-do-carioca-20111209.html

A Rede Record fez reportagens nas ruas da cidade e com alguns políticos simpatizantes, evidentemente foram escolhidas as opiniões contrárias ao evento, se bem que nem se referiram ao JMJ 2013 diretamente, poderíamos aplicar a mesma reportagem contra o Rock In Rio, Contra os fogos de Fim de ano na Praia, contra as paradas Gay’s, Contra as Olimpíadas no Rio e porque não dizer contra também a Copa de 2014.

Todos estes eventos se tratam de manifestações públicas de grande porte que requerem a participação obrigatória do poder Público na viabilização de transportes coletivos, a disponibilização de local para o evento e principalmente assegurar a segurança de todos os turistas participantes, sejam eles Brasileiros ou estrangeiros.

Em todos estes eventos programados para acontecerem no Rio de Janeiro, sempre se contabiliza grandes lucros advindos do Turismo, pois todos os participantes dos eventos, sejam eles de cunho Artístico, Religioso ou Esportivo sempre são turistas que alugam hoteis, alimentam-se em restaurantes e lanchonetes, usam transportes locais, compram lembranças e outras quinquilharias nas lojas locais e etc.  e tudo isto além de gerar lucros para o comêrcio local dão um enorme retorno ao proprio Govêrno em forma do pagamento de impostos.

Sendo assim, o financiamento de qualquer evento que atraia o turismo para uma certa Região não é nada mais e nada menos do que um investimento com retorno garantido e se o Rio de Janeiro não quiser acolher um evendo deste porte como o JMJ, não seria nem preciso perguntar a outra cidade, porque São Paulo, Curitiba, Goiânia, Brasília ou qualquer outra grande cidade deste País se ofereceria para acolher este evento com o maior Carinho.

Ainda bem que a Rede Record, o site R7, a igreja Universal do Reino de Deus ou o Sr. Pr. Edir Macedo não representam a voz do querido povo do Rio de Janeiro.

Somente para responder a questão do retorno garantido de um evento como este no Rio de Janeiro, Em Madrid, enquanto alguns manifestantes homoxessuais ateus e Laicístas pertubaram a ordem contestando gastos com a JMJ 2011 dizendo que o Govêrno podria gastas este pouco investimento em obras publicas, o resultado final da JMJ em Madri foi de 354 milhões de euros, o que seriam 5 milhões de Reais de investimento para um retorno de mais de 700 milhões de Reais?  Porque JMJ no Rio de Janeiro seria um convite irrecusável para a juventude de qualquer parte deste mundo e o transtorno da quantidade de pessoas nas ruas do Rio de Janeiro já é mais do que comum, principalmente nestes poximos anos que virão. 

Confira este resultado no Link Oficial do JNJ 2013 Rio com notícias atualizadas diariamente.

Uma reportagem como esta da Record é o que podemos chamar de um tiro que saiu pela culatra ou um tiro no proprio Pé, poderia ser também uma manifestação clara de ciúme religioso manifestado em forma de notícia manipulada.




CHÁCARA JEUS CURA


Religião.


Em que a religião ajuda a sua Família:


https://i1.wp.com/www.dioceseblumenau.org.br/uploads/image/arq_3502b.jpg


Crescei e multiplicai-vos”, disse o Criador.  Conforme a vontade divina, da união do homem e da mulher, devem nascer os filhos


A palavra religião

Para entender o sentido do termo religião, partimos da perspectiva etimológica. A palavra deriva do latim, religare, que significa ligar com mais intensidade, o que estava desligado, ou ligado com fraqueza. Mas o que é que estava mal desligado, conforme o entendimento dos nossos antepassados, inventores dessa palavra?

Ao gerarem um novo ser, pai e mãe estabelecem uma ligação profunda com ele. Essa relação é vital para o seu crescimento e desenvolvimento.

A criança, no ventre materno, não cresce somente do ponto de vista biológico.

Ela precisa do afeto, carinho, acolhida e amor.

Também o pai é indispensável para a formação da personalidade do filho. Esse vínculo é vital. Ele deve estar muito vivo e presente. Mesmo na idade adulta, o relacionamento amoroso com os pais é fonte de equilíbrio, de paz interior.

Criaturas de Deus Por sua complexidade e características como inteligência e memória, não se pode atribuir ao acaso a origem do homem e da mulher. Também não é possível explicar a pessoa humana como fruto de reações químicas ou biológicas.

Um homem não pode criar-se a si mesmo ou, com sua abilidade e recursos, criar um outro ser humano.

O homem foi criado por um ser superior:

Deus. A partir dessa certeza, dizemos que Deus é nosso Pai. Assim, o relacionamento profundo com esse ser transcendente é fundamental para a vida e a felicidade do homem e da mulher.

Ligação com Deus O ser humano necessita estar ligado a Deus para existir e realizar-se. E como um ser livre e limitado, é capaz de errar. Dessa forma, é capaz também de quebrar a ligação com o Criador. A religião é, então, um conjunto de ensinamentos, ritos, atitudes, através dos quais manifestamos nossa vital ligação e/ou religação com o Criador.

Deus fez também a família Se essa constatação vale para a pessoa, vale também para a família, igualmente uma instituição divina. Tanto no Antigo como no Novo Testamento, encontramos referências sobre a família no plano de Deus.

O Gênesis narra a instituição da família. Tendo criado o homem, dálhe também uma companheira, a mulher. “Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher. E serão os dois uma só carne”, ordenou o Senhor. “Crescei e multiplicai-vos”, disse também. Conforme a vontade divina, da união do homem e da mulher devem nascer os filhos.

Religião para ligar e religar as pessoas O termo religião não se refere somente ao relacionamento com Deus, mas, com os semelhantes, os irmãos. Essa ligação é indispensável para o ser humano. O tu proporciona a descoberta da identidade do eu. Ninguém pode ser feliz isolado.

A alteridade é determinante na formação da personalidade humana. Trata-se de uma lei inscrita no coração humano, a lei da sociabilidade, da fraternidade. O próprio Deus, ao criar o ser humano, evidenciou: “Façamos o homem à nossa imagem e semelhança”. Isso demonstra que Ele não realiza essa obra sozinho.

Deus é comunidade, a primeira e exemplar família. Jesus nos revelou que Deus é trindade:

Pai, Filho e Espírito Santo. Eles vivem tão unidos que formam uma unidade, apesar de serem três pessoas, diversidade.

Amai-vos uns aos outros Enviado ao mundo pelo Pai, Jesus chegou como um imigrante. Trouxe a maneira como Ele vivia no céu. Por isso, seu novo mandamento é “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. O que vale primeiro para a família de sangue e para toda a família humana. O amor ensinado por Jesus constitui-se em fundamento da família. Sem o amor revelado por Deus não existe verdadeira família.

Bastaria falar desse mandamento para se ter uma idéia de como a religião ajuda a família.

A religião, aqui entendida como cristã/católica, ensina a ser verdadeiramente família, iluminando-a com o amor. Mas não é qualquer amor. É o amor que veio do céu, trazido por Jesus. Evidentemente, o amor humano não é destruído, mas completado, fortalecido, purificado, plenificado.

Senhor, ensina-nos a amar e, assim, seremos família em cada lar e a humanidade será uma grande família. Amém!

Jornal da Diocese de Blumenau – Sc



O Livro da capa Preta.

A Sabedoria está acima da Inteligência !




Um  Senhor de 70 anos  viajava de trem, Tendo  ao seu lado um  jovem universitário, que  lia o seu livro de  ciências .

O  senhor, por sua vez,  lia um livro de  capa preta.

Foi  quando o jovem percebeu que este livro se tratava de uma  Bíblia e estava aberta  no livro de São  Marcos.

Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

  • O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

  • Sim, mas não é um livro de crendices.

  • É a Palavra de Deus.

  • Estou errado ?

Respondeu  o jovem:

– Mas é claro que está ! Creio que o senhor deveria estudar a Historia Universal.  Veria que a Revolução  Francesa, ocorrida há  mais de 100 anos,  mostrou a miopia da  religião.

Somente pessoas sem cultura ainda crêem que Deus tenha criado o mundo em seis dias.

O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

  • É mesmo?

  • Disse o senhor.

E o que pensam e dizem os nossos Cientistas sobre A Bíblia  ?

– Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:


“Um pouco de ciências nos afasta de Deus.

Muito…, nos aproxima! “.

Fato verdadeiroi integrante da  biografia ocorrido em  1892.

A  questão de fé e  ciência:

“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa Bento XVI reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870):

As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer .

Ou,  explicitando melhor, podemos dizer que:

“As verdades verdadeiras da  fé e as verdades verdadeiras da  ciência  nunca  se contradizem”.

Deus  conhece profundamente todas as  coisas, porque Ele as criou.

Nós apenas conhecemos em parte aquilo que nossos olhos, ouvidos, dedos, narizes realçados pelos novos e modernos equipamentos ciêntíficos nos revelam atraves de nossa simples observação daquilo que Deus criou, logo, quando nossa conclusão contraria a verdade é porque não observamos corretamente e logo ao observarmos novamente veremos que haviamos cometido um engano momentâneo ou iremos negar que a ciência já cometeu diversos enganos e depois os corrigiu ao descobrir e confirmar a verdade!


O Livro da Capa Preta

Power Point – PPT

A Sabedoria esatá acima da Inteligência – Post


Leia você também as Sagradas escrituras contidas na  Bíblia !




Leia você também

A Bíblia é uma Mensagem

de Deus pra você.


Semeando a cultura de Pentecostes