Marca, Preço, Grife, qual seria o Verdadeiro Valor das coisas?



O homem tem a tendência de de pagar um alto preço por coisas descartáveis e sem valor só porque estão fora de seu alcance imediato e desvalorizar sem usufruir dos maiores tesouros que estão bem ao alcance de suas mãos. 

Isto não é apenas uma teoria absurda e para comprová-la em 2007 foi publicado o resultado de uma experiência em publico que vai lhe deixar de queijo caído, veja o texto a seguir:



Pêmio pulitzer para o Jornal Washington Post:


Uma Experiência foi Realizada pelo Jornal Washington Post numa estação do Metrô de Nova York, tudo foi gravado em vídeo e está disponível no YouTube.  Após a experiência o resultado se tornou a matéria de capa no jornal e foi amplamente debatida por especialistas e na internet, o que acabou rendendo um Pêmio pulitzer para o Jornal.

A matéria iniciava da seguinte forma:

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.

Recebi este texto por e_mail, mas já está amplamente divulgado na internet desde Abril de 2007.

A informação é verdadeira. No link do YouTube há menção a um jornalista do Washington Post, e no sítio do jornal encontrei estaesta menção ao fato, o texto original foi escrito “Por Gene Weingarten Escritor do Jornal Washington Post e divulgado no Domingo, 8 de abril de 2007”, é um texto enorme, temos menção ao fato também na pagina do próprio artista Joshua Bell, que rendeu mais de 4 milhões de visitas no Youtube, muita discussão e um prêmio Pulitzer.


Veja a descrição da experiência e a sua conclusão: Click no Link do YouTube e desfrute da Musica de Joshua Bell enquanto você lê o texto:




Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.



Eis que o sujeito desce na estação do metrô: vestindo jeans, camiseta e boné, encosta-se próximo à entrada, tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali, bem na hora do rush matinal. Mesmo assim, durante os 45 minutos que tocou, foi praticamente ignorado pelos passantes.

Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.

Alguns dias antes Bell havia tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custaram a bagatela de 1000 dólares.

A experiência, gravada em vídeo (veja abaixo), mostra homens e mulheres de andar ligeiro, copo de café na mão, celular no ouvido, crachá balançando no pescoço, indiferentes ao som do violino.

A iniciativa realizada pelo jornal The Washington Post era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.

A conclusão: estamos acostumados a dar valor às coisas quando estão num contexto. Bell era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de grife.

Esse é um exemplo daquelas tantas situações que acontecem em nossa vida que são únicas, singulares, e a que não damos a menor bola porque não vêm com a etiqueta de seu preço.

O que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes? É o que o mercado diz que você deve ter, sentir, vestir ou ser? Essa experiência mostra como, na sociedade em que vivemos, nossos sentimentos e nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detém o poder financeiro. Mostra-nos como estamos condicionados a nos mover quando estamos no meio do rebanho ou a “massa humana”.



Afinal, o que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes?

É o que o mercado diz que podemos ter, sentir, vestir ou ser?

Será que os nossos sentimentos e a nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detêm o poder financeiro?

Será que estamos valorizando somente aquilo que está com etiqueta de preço?

Uma empresa de cartões de crédito vem investindo, há algum tempo, em propaganda onde, depois de mostrar vários itens, com seus respectivos preços, apresenta uma cena de afeto, de alegria e informa: Não tem preço.

E é isso que precisamos aprender a valorizar. Aquilo que não tem preço, porque não se compra.

Não se compra a amizade, o amor, a afeição. Não se compra carinho, dedicação, abraços e beijos.

Não se compra raio de sol, nem gotas de chuva.

Usufruamos dos momentos de ternura que os amores nos ofertam, intensamente, entendendo que sempre a manifestação do afeto é única, extraordinária, especial.

Fiquemos mais atentos ao que nos cerca, sejamos gratos pelo que nos é ofertado e sejamos felizes, desde hoje, enquanto o dia nos sorri e o sol despeja luz em nosso coração apaixonado pela vida.



Hoje eu posso ter em minhas mãos o maior diamante do mundo, mas prefiro o TESOURO que sempre sonhei!

Você ficaria impressionado ao saber o que uma pessoa seria capaz de fazer por uns poucos trocados!

E pela própria VIDA?


Dinâmica

Demostra que o verdadeiro valor nunca se perde.



O Poder das palavras e o cego de Paris.




A Historia do Mendigo e o Publicitário



placa_medingo_pede_dinheiro_para_vicios


Na linguagem publicitária, “A Propaganda é a alma do negócio” e por assim dizer, toda divulgação ou informação torna-se uma propaganda EM POTENCIAL e a correta informação torna-se vital para o sucesso da compreensão e motivação daquele que vê, lê ou escuta a sua mensagem.


Mendigos são comuns nas ruas de todas as cidades do mundo, também são bem conhecidas as suas histórias.  Muitas delas são verdades e outras não passam de uma grande apologia à preguiça, porém não podemos desprezar o valor da autêntica CARIDADE que é “Doar sem olhar a quem”, pois o que vale é a sua atitude de bom Samaritano e não o julgamento dos fatos que levaram esta pessoa a se dirigir a você naquele instante.

A nossa história a ser contada aqui hoje se refere às famosas plaquinhas com justificativas e dizeres duvidosos como pedidos que são expostas pelos pedintes e as vezes entregues como bilhetes em mãos para justificar a necessidade daquela situação.

Existem varias histórias e hoje existe até mesmo uma exploração de “MARKETING” em cima destas  histórias que até interferem na veracidade sobre a necessidade do mendigo tornando aquela atitude apenas como um ramo de negócio que pode ser bem sucedido ou não dependendo apenas de como ele divulga a sua estória sendo ela verdade ou não, pois a interferência de Marketing na mendicância é como formalizar a situação precária como um bom negócio muito rentável.

Deixarei logo abaixo duas histórias semelhantes, que diferem um pouco na direção do ensino, mas mostram o resultado, absorção e aplicação do que aprendemos em nossa vida prática, por assim dizer, podemos observar o resultado prático na vida até mesmo de uma pessoa totalmente desiludida daquilo que todos ouvem, mas nem sempre aprendem de fato.


O Cego De Paris


Mendigo cego na primavera


2. Havia um cego sentado numa calçada em Paris, com um boné a seus pés e um pedaço de madeira escrito com giz branco: que dizia:

“Por favor, ajude-me, sou cego”.

4. Um publicitário parou e viu poucas moedas no boné. Sem pedir licença, pegou no cartaz, 5. virou-o, pegou no giz, escreveu outro anúncio.

6. Voltou a colocar o pedaço de madeira aos pés do cego e foi embora.

7. Mais tarde o publicitário voltou a passar em frente ao cego.

8. Seu boné, agora, estava cheio de notas e moedas

9. O cego reconheceu as pisadas do publicitário e lhe perguntou se havia sido ele quem reescrevera o cartaz, sobretudo querendo saber o que ele havia escrito.

10. O publicitário respondeu: “Nada que não esteja de acordo com o seu anúncio, mas com outras palavras”.

11. E, sorrindo, continuou o seu caminho.

12. O cego não ficou sabendo o que estava escrito no cartaz que dizia:

13. “Hoje é primavera em Paris, e eu … não posso vê-la”

14. Sempre é bom mudarmos de estratégia quando nada nos acontece.

15. “O pior cego é aquele que não quer ver”.

“Hoje é Primavera em Paris e eu não posso vê- la”.






Louco ou Gênio?


2. Um mendigo sentava-se na calçada, num lugar por onde passavam muitas pessoas e ao lado colocava uma placa com os seguintes dizeres: 



3. ”Vejam como sou feliz! Sou um homem próspero, sei que sou bonito, sou muito importante, tenho uma bela residência, vivo confortavelmente, eu sou um sucesso, sou saudável e bem humorado”.


4. Com esses dizeres o tal mendigo aparentava mais um grande executivo sentado em sua mesa de trabalho. e assim as pessoas observavam e alguns o julgavam louco e outros reconheciam nele um gênio

5. Alguns passantes, olhavam intrigados, Duas meninas estavam passando, olhavam uma para a outra, e riram. Outros o achavam doido e outros até davam-lhe algum dinheiro.

6. Todos os dias, antes de dormir, aquele mendigo contava o dinheiro debaixo do coxão que dormia e notava que a cada dia a quantia era maior.

Numa bela manhã, um importante e arrojado executivo, que já o observava há algum tempo, aproximou-se e disse:

– Ei… Senhor Você é muito criativo! Não gostaria de colaborar numa campanha da minha empresa?

– Vamos lá. Só tenho a ganhar!, respondeu o mendigo.

Após um belo banho e com roupas novas, foi até à empresa. Daí para frente a sua vida foi uma seqüência de sucessos e a certo tempo ele tornou-se um dos sócios majoritários daquela empresa. Numa entrevista coletiva à imprensa, ele esclareceu como conseguiu deixar a mendicidade e chegar a tão alta posição, e ele contou:

– Olha, houve uma época em que eu costumava sentar-me nas calçadas com uma placa ao lado, que dizia: 

”Sou um nada neste mundo! Ninguém me ajuda! Não tenho onde morar! Sou um homem fracassado e maltratado pela vida! Não consigo um mísero emprego que me renda alguns trocados! Mal consigo sobreviver!” 

As coisas iam de mal a pior quando, certa noite, achei um livro e nele um trecho que dizia:

“ …Tudo posso naquele que me fortalece (Filipenses 4,13)”. 

E eu assumi essa verdade.

Por pior que esteja a sua vida, diga que tudo vai bem. Por muito que não goste da sua aparência, afirme-se bonito. Por mais pobre que seja, diga a si mesmo e aos outros que é próspero.” Aquilo me tocou profundamente e, como nada tinha a perder, decidi trocar os dizeres da placa para: 





E a partir desse dia tudo começou a mudar, a vida trouxe-me a pessoa certa para tudo que eu precisava, até que cheguei onde estou hoje. Tive apenas que entender o Poder das Palavras.

O Universo sempre apoia tudo o que dissermos, escrevermos ou pensarmos a nosso respeito e isso acabará manifestando-se na nossa vida como realidade. Enquanto afirmarmos que tudo vai mal, que nossa aparência é horrível, que nossos bens materiais são ínfimos, a tendência é que as coisas fiquem piores ainda, pois o Universo as reforçará. Ele materializa em nossa vida todas as nossas crenças.

Uma repórter, ironicamente, questionou:

– O senhor quer dizer que algumas palavras escritas numa simples placa modificaram toda a sua vida?

Respondeu o homem, cheio de bom humor:

– Claro que não, minha ingênua amiga! 


Primeiro, eu tive que acreditar nelas!”


Ai está mais uma prova de que há mesmo poder de vida e morte em nossas palavras.




a-noiva-cega Pecado_involuntario
O primeiro amor Casa_sobre_a_rocha O_equilibrista_e_a_Fé


Quem colabora também Evangeliza.


OFERTA 


Quem_colabora_tambem_evangeliza_presentepravoce


Conheça nossos colaboradores.



.


eml_top_mark_2008 rcc-anapolis-simb Agape_camisetas

Um Amigo muito Estranho.


O_estranho



O ESTRANHO

(Autor desconhecido)

Alguns anos depois que nasci, meu pai conheceu um estranho, recém-chegado à nossa pequena cidade. Desde o princípio, meu pai ficou fascinado com este encantador personagem, e em seguida o convidou a viver com nossa família. O estranho aceitou e desde então tem estado conosco.

Enquanto eu crescia, nunca perguntei sobre seu lugar em minha família; na minha mente jovem já tinha um lugar muito especial. Meus pais eram instrutores complementares: minha mãe ensinou-me o que era bom e o que era mau e meu pai ensinou-me a obedecer. Mas o estranho era nosso narrador. Mantinha-nos enfeitiçados por horas com aventuras, mistérios e comédias, mostrando imagens de suas narrativas.

Ele sempre tinha respostas para qualquer coisa que quiséssemos saber de política, história ou ciência. Conhecia tudo do passado, do presente e até podia predizer o futuro! Levou minha família ao primeiro jogo de futebol. Fazia-me rir, e me fazia chorar.

O estranho nunca parava de falar e mostrar figuras, mas o meu pai não se importava. Às vezes, minha mãe se levantava cedo e calada, enquanto o resto de nós ficava escutando o que ele falava, mas só ela ia à cozinha para ter paz e tranquilidade. (Agora me pergunto se ela teria rezado alguma vez para que o estranho fosse embora.) Meu pai dirigia nosso lar com certas convicções morais, mas o estranho nunca se sentia obrigado a honrá-las.

As blasfêmias, os palavrões, por exemplo, não eram permitidos em nossa casa… Nem por parte nossa, nem de nossos amigos ou de qualquer um que nos visitasse. Entretanto, nosso visitante de longo prazo usava sem problemas sua linguagem inapropriada que às vezes queimava meus ouvidos, fazia meu pai retorcer-se e minha mãe ruborizar-se. Meu pai nunca nos deu permissão para tomar álcool. Mas o estranho nos animou a tentá-lo e a fazê-lo regularmente. Fez com que o cigarro parecesse fresco e inofensivo, e que os charutos e os cachimbos fossem distinguidos. Falava livremente (talvez demasiado) sobre sexo. Seus comentários eram às vezes evidentes, outras sugestivos, e geralmente vergonhosos.

Agora sei que meus conceitos sobre relações sociais e também sobre o mundo foram fortemente influenciados durante minha infância e adolescência pelo estranho. Repetidas vezes ele foi criticado, mas ele nunca fez caso aos valores de meus pais; mesmo assim, permaneceu em nosso lar. Passaram-se mais de cinquenta anos desde que o estranho veio para nossa família. Desde então mudou muito; já não é tão fascinante como era ao principio. Não obstante, se hoje você pudesse entrar na guarida de meus pais, ainda o encontraria sentado em seu canto, esperando que alguém quisesse escutar suas conversas ou dedicar seu tempo livre a fazer-lhe companhia…

Seu nome?

Nós o chamamos Televisor…

Foto: Por Museu da Pessoa: www.museudapessoa.net

Foto: Por Museu da Pessoa: http://www.museudapessoa.net


Film_superior Film_superior Film_superior Film_superior
can-stock-photo_csp2734453[1] televiso-antiga-tv-retro-vintage-telefunken-170t-21698-MLB20214385088_122014-F[1] hqdefault[1] LED-TV[1]
Film_Inferior Film_Inferior Film_Inferior Film_Inferior




COMENTÁRIOS


Agora, nosso estranho amigo tem dois filhos que também vieram morar conosco:

Um se chama Computador e o outro se chama Celular!

Nada de mal, aliás, tudo de bom, porém tudo é muito bom desde que seja usado na medida da necessidade, todo excesso é prejudicial principalmente quando se desvia a atenção das pessoas do aprendizado e do trabalho.   A TV também não pode ser a “babá eletrônica” dos nossos filhos… Muitas mães deixam as crianças sozinhas com a Tv sem nem ao menos prestar a atenção no tipo de programas que elas assistem.    O tempo que a maioria das famílias dedica à TV é surpreendente e isso contribui para a falta de comunicação familiar e consequentemente a sua desagregação.

 Nota-se que atualmente a constituição tradicional  familiar que é a base de uma sociedade sólida e pacifica está sendo atacada pela TV, aliás, não pela TV em si e sim por aqueles que a manipulam.   è por este e por muitos outros motivos que as nossas Famílias precisam aprender a dizer “NÃO” para a TV e os meios de comunicação modernos, precisamos aprender a falar reivindicando nossos direitos e não apenas ouvir em silêncio e aceitar tudo como uma receita de vida correta e sadia.



Semeando a cultura de Pentecostes



Anuncie em nosso Blog.


Anuncio_pare


AINDA EM EDIÇÃO !

texto não definitivo:


Estaremos disponibilizando espaço para anuncio do lado direito de nosso Blog onde já anunciamos para a “Camisetas Ágape” e alguns dados do próprio blog. Como ainda não temos uma ideia de como efetuar anúncios em (gif) e a procura que teremos, queremos iniciar com anúncios fixos de no máximo (150 x 150) que é um pouco maior que o tamanho de nosso anuncio.   Já fomos procurados anteriormente sobre essa possibilidade, mas na época preferimos continuar sem anúncios.   Agora a nossa audiência cresce a cada dia e o custo “tempo” de manutenção nos pede um pouco mais de dedicação específica ao Blog, sendo assim pretendemos criar este espaço de anúncios vinculados à uma página que fará a ponte para um Link de envio desejado como já realizamos com a Ágape para assim podermos monitorar o retorno e a audiência de cada anúncio.   Como a “Ágape” já está conosco desde o princípio deste Blog, seu poste se encontra entre os 30 mais visitados mesmo se tratando apenas de um anúncio e não de uma pagina como as outras.

Não efetuamos vendas e sim apenas redirecionamos os Link’s para onde o anunciante desejar.

Nosso Blog é de cunho evangelístico, religioso Católico, logo os nossos anúncios devem estar na mesma grade, sendo assim podemos anunciar livros, camisetas, CD’s, bijuterias religiosas, terços etc.


Caso você se interesse, deixe aqui seu comentário e lhe responderemos.

Se quiser ter uma ideia de nossa audiência, dê uma olhada nos nossos post’s onde marcamos as datas de aniversário e  as marcas de hit’s mais destacados.

Você poderá também visitar os sites de contagem que anexamos em nosso Blog nas laterais que funcionam de maneira diferenciada e em pontos diferentes de fuso horário no planeta e nem sempre marcam os mesmos resultados, o “HIT” MAIS CONFIÁVEL é o do próprio WordPress, mas não será visível ao usuário comum, se não somente o total de visitas em paginas desde a abertura do Blog até o dia de hoje que equivale mais ou menos em média à 1,5 paginas vistas por visitante único por dia, se o mesmo visitante entrar mais de uma vez no mesmo dia é considerado apenas uma visita e somado apenas as paginas vistas.

  • web counter
  • Servicio de tráfico web
  •  contador

 

  • Nestes últimos meses temos alcançado uma média diária superior a 3.500 paginas vistas por dia sugerindo uma média de 3.000 visitantes diários, sendo que em épocas especiais como; páscoa, dia das Mães, dia dos namorados, dia dos Pais e principalmente Natal a audiência aumenta consideravelmente sem dizer que estamos melhorando muito a nossa audiência na área de Família e casais, pois como trabalhamos neste ministério temos disponibilizado muitos temas práticos que usamos em nossos encontros.

 

  • Dê uma olhadinha e comunique conosco, mesmo que seja apenas para nos dar alguma sugestão.

  • Aguardamos seu contato, obrigado.

  • Paz de Cristo a todos.



Comemorações de Aniversário Anteriores:



Nosso ultimo aniversário com 7.600.000 Hit’s.


Bolo_sete_anos_presentepravoce


Nossos principais assuntos apresentados neste Blog.


Espirito_Santo Familia_cristã Parábolas
maria-temas Dinâmica SVE-I

.


.


.


.

Isto é caro ou Barato ?



É UMA JOIA RARA OU BIJUTERIA BARATA?
É UM DIAMANTE OU UM SIMPLES CACO DE VIDRO?
É DE BOA QUALIDADE OU DESQUALIFICADO?


COMO AVALIAR AS COISAS QUE POSSUÍMOS, VEMOS,

OUVIMOS E COMPRAMOS OU DESEJAMOS?


A FALTA DE CONHECIMENTO AS VEZES NOS FAZ PERDER AS COISAS MAIS VALIOSAS DA VIDA, MAS POR OUTRO LADO TAMBÉM FICA CLARO QUE AS VEZES AS PESSOAS SUPERVALORIZAM COISAS QUE DE TÃO SIMPLES PASSAM ATÉ DESAPERCEBIDAS PRINCIPALMENTE QUANDO ESTÃO FORA DO SEU LUGAR.




Uma Experiência foi Realizada pelo Jornal Washington Post numa estação do Metrô de Nova York, tudo foi gravado em vídeo e está disponível no YouTube.  Após a experiência o resultado se tornou a matéria de capa no jornal e foi amplamente debatida por especialistas e na internet, o que acabou rendendo um Prémio Pulitzer  para o Jornal.

A matéria iniciava da seguinte forma:

Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.

Recebi este texto por e_mail, mas já está amplamente divulgado na internet desde Abril de 2007.

A informação é verdadeira. No link do YouTube há menção a um jornalista do Washington Post, e no sítio do jornal encontrei estaesta menção ao fato, o texto original foi escrito “Por Gene Weingarten Escritor do Jornal Washington Post e divulgado no Domingo, 8 de abril de 2007”, é um texto enorme, temos mensão ao fato também na pagina do próprio artista Joshua Bell, que rendeu mais de 4 milhões de visitas no Youtube, muita discussão e um Prémio Pulitzer.

Veja a descrição da experiência e a sua conclusão: Click no Link do YouTube e desfrute da Musica de Joshua Bell enquanto você lê o texto:



Aquela poderia ser mais uma manhã como outra qualquer.



Eis que o sujeito desce na estação do metrô: vestindo jeans, camiseta e boné, encosta-se próximo à entrada, tira o violino da caixa e começa a tocar com entusiasmo para a multidão que passa por ali, bem na hora do rush matinal. Mesmo assim, durante os 45 minutos que tocou, foi praticamente ignorado pelos passantes.

Ninguém sabia, mas o músico era Joshua Bell, um dos maiores violinistas do mundo, executando peças musicais consagradas num instrumento raríssimo, um Stradivarius de 1713, estimado em mais de 3 milhões de dólares.

Alguns dias antes Bell havia tocado no Symphony Hall de Boston, onde os melhores lugares custaram a bagatela de 1000 dólares.

A experiência, gravada em vídeo (veja abaixo), mostra homens e mulheres de andar ligeiro, copo de café na mão, celular no ouvido, crachá balançando no pescoço, indiferentes ao som do violino.

A iniciativa realizada pelo jornal The Washington Post era a de lançar um debate sobre valor, contexto e arte.

A conclusão: estamos acostumados a dar valor às coisas quando estão num contexto. Bell era uma obra de arte sem moldura. Um artefato de luxo sem etiqueta de grife.

Esse é um exemplo daquelas tantas situações que acontecem em nossa vida que são únicas, singulares, e a que não damos a menor bola porque não vêm com a etiqueta de seu preço.

O que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes? É o que o mercado diz que você deve ter, sentir, vestir ou ser? Essa experiência mostra como, na sociedade em que vivemos, nossos sentimentos e nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detém o poder financeiro. Mostra-nos como estamos condicionados a nos mover quando estamos no meio do rebanho ou a “massa humana”.



Afinal, o que tem valor real para nós, independentemente de marcas, preços e grifes?

É o que o mercado diz que podemos ter, sentir, vestir ou ser?

Será que os nossos sentimentos e a nossa apreciação de beleza são manipulados pelo mercado, pela mídia e pelas instituições que detêm o poder financeiro?

Será que estamos valorizando somente aquilo que está com etiqueta de preço?

Uma empresa de cartões de crédito vem investindo, há algum tempo, em propaganda onde, depois de mostrar vários itens, com seus respectivos preços, apresenta uma cena de afeto, de alegria e informa: Não tem preço.

E é isso que precisamos aprender a valorizar. Aquilo que não tem preço, porque não se compra.

Não se compra a amizade, o amor, a afeição. Não se compra carinho, dedicação, abraços e beijos.

Não se compra raio de sol, nem gotas de chuva.

Usufruamos dos momentos de ternura que os amores nos ofertam, intensamente, entendendo que sempre a manifestação do afeto é única, extraordinária, especial.

Fiquemos mais atentos ao que nos cerca, sejamos gratos pelo que nos é ofertado e sejamos felizes, desde hoje, enquanto o dia nos sorri e o sol despeja luz em nosso coração apaixonado pela vida.

Tocando Flauta

VALORIZE-SE A SI MESMO FAZENDO A SUA PARTE.


Isto não tem Preço !

O texto acima em PPS

Link→

Exp. do Jornal no Metrô NY


Link’s →

Outras Mensagens Semelhantes



Primeira Publicação 800: O que é Bom Não tem Preço !


Um Gesto de Amor.


Um Gesto de amor não têm preço!



De que interessa o que temos

quando não damos o que somos?

A Jesus não importa o dinheiro,

apenas que se seja verdadeiro e inteiro!

Quando a riqueza da aparência

não coincide com a essência,

a riqueza material

é vazio anódino e banal…

Passa o tempo a contar

o menos que pode dar…

E só dá para se ver

quão grande é seu “poder”.

Ricos para Deus são os sábios,

que não são escravos do que têm…

São os que sabem 

que o caminho de santidade

se faz com a verdade

de ser o que se é

e viver alicerçado na fé.

Para Deus importante é ser,

agir de coração e crer…

que um gesto de amor

não tem preço, só tem valor.




Fonte: Blog Amor de Deus


A FRASE VIROU MODA, ESPERAMOS QUE AS PESSOAS APRENDAM A LIÇÃO NA PRATICA.



      Atualizado em 25/12/2012