Nossa Senhora de Fátima, Papel de Parede.


Somos_teus_Maria


Um dos maiores ícones de Nossa Senhora é representado

Por Fátima em Portugal.

“Maria foi enviada por Deus Pai trazendo sua mensagem

de Paz e Amor para a humanidade.

Pedindo aos homens que se voltassem mais para as coisas de Deus através da Fé, da Oração e de uma verdadeira conversão pois se o homem continuasse em seu mal caminho iria experimentar muitas tribulações neste mundo.    A História nos diz que a voz de Maria não foi ouvida de imediato e apesar dos milagres manifestados naquela ocasião e testemunhado por milhares de pessoas o discernimento da Igreja e a atitude de muitos fieis foi de total incredulidade e assim o mundo pode contemplar o desenrolar das palavras proféticas pronunciadas pela Mãe do Senhor sendo cumpridas uma a uma até que todos os acontecimentos foram aceitos como uma verdadeira mensagem de Deus para o mundo e não só para aqueles dias, mas também para o futuro da humanidade, hoje podemos dizer que muita coisa mudou e que o homem se voltou um pouco mais para Deus aqui na América, mas na Europa onde se desenrolaram estes acontecimentos ainda parece estar longe de escutarem a voz do Senhor através das mensagens proferidas por Maria.



Nossa Senhora de Fátima





Fátima


N_Sra_Fatima_2 N_Sra_Fatima_azul

file_109048_fatima_top N_Sra_Fatima_02

Nossa_Senhora Fatima_graça





Maria_mae_do_meu_Senhor maria_1024



CAPA3

STATUE OF MARY CARRIED IN CANDLELIGHT VIGIL

ANJOS

ANJOS

CARTÃOMARIA N_Sra_Fatima_fc

ANJOS
ANJOS ANJOS

Imaculado_coração_de_maria_Tico

//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida. http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg
https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg

Nossa Senhora Aparecida




WALPAPERS DE JESUS

WALLPAPER MARIA

WALLPAPER MENSAGENS



O Templo de Deus sois vós.



“Não sabeis que sois o templo de Deus,

e que o Espírito de Deus habita em vós?”

Parte II



2. Os dons do Espírito Santo



O Espírito Santo é Alguém que está continuamente na Igreja, que não intervém só nos momentos mais importantes da vida da Igreja ou das pessoas, que não se revela só em manifestações extraordinárias, mas que habita nas pessoas de forma permanente. A Igreja é como um templo onde mora o Espírito Santo: “Fomos baptizados num só Espírito para sermos um só corpo” (1 Cor. 12, 13). É Ele que constrói assim uma morada pelo Espírito: “Já não sois estrangeiros nem emigrantes, mas concidadãos dos santos, membros da casa de deus, edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus. É nele que toda construção, bem ajustada, cresce para formar um templo santo no Senhor. É nele que também vós sois integrados na construção para formardes uma habitação de Deus pelo Espírito” (Ef. 2, 19-22). A comunidade é o templo do Espírito Santo: “Não sabeis que sois templos de Deus e que o Espírito Santo mora em vós?” (1 Cor. 3, 16; 6,19; 1 Cor. 6, 16). É aqui que entram os dons e os carismas de que fala S. Paulo e que são os elos por onde passa a comunhão ou seja, o Espírito Santo: o dom de governar, de ensinar, de anunciar o Reino, de discernir, de curar, de profetizar.

Quanto a estes dons do Espírito Santo, é preciso concentrar a nossa atenção não nos dons mas no Doador. O grande dom é o Espírito Santo. Os dons e carismas não são mais que o brilho do Espírito Santo, que é o dom por excelência, o dom que encerra todos os dons. Não podemos separar o Espírito Santo dos seus dons, como não podemos separar o carinho ou a ternura de um pai ou de uma mãe do próprio pai ou da própria mãe. Deus suscita não só a fé e os carismas, mas concede ainda o dom por excelência, o próprio Espírito Santo. O Espírito Santo não dá esmolas, dá-se a si mesmo. Os dons são fruto desta presença. Os dons do Espírito Santo são para o doador o que os raios do sol são para o sol: não se identificam com Ele, mas não existem sem Ele.

O valor de uma comunidade cristã não depende de quem a evangeliza mas do Espírito Santo que nela habita. Este Espírito é comunicado a todos os membros da comunidade, embora para uma missão diferente. Um semeia, outro, rega, outro monda e outro colhe. Mas todos são baptizados no mesmo Espírito. Este Espírito revela-se em cada um com serviços, carismas e actividades diferentes, pois é desta colaboração de todos que se faz a comunidade. Uns têm o dom de governar, outros de ensinar, outros de profetizar e outros de curar. É como num corpo vivo, onde cada membro tem uma função própria. Esta função é um dom do Espírito, que é o mesmo em todos. Por isso, esta diversidade em vez de dividir, une. Ela está unida pela raiz: dela nasce algo de novo, um corpo novo, que é a comunidade cristã. Num corpo vivo há membros para respirar, membros para alimentar, membros para mover, membros para pensar, membros para amar, etc. Quem é que pensa dispensar algum destes membros?

É por estes carismas e dons que se vê se o Espírito Santo está vivo nas comunidades. O Espírito Santo desperta em cada um os dons e as qualidades que são necessárias para edificar a comunidade cristã. Todos conhecemos pessoas, umas mais dotadas para dirigir a comunidade, outras para animar a liturgia, outros para colaboração missionaria ou para visitar doentes ou para acolher os que chegam de fora, outros para ajudar quem precisa. São dons que o Espírito Santo distribui por todos, pois todos são necessários para construir uma Igreja viva. É como na construção de uma casa: é preciso um arquitecto, um engenheiro, um mestre-deobras ou pedreiros, pintores, estucadores, electricistas, canalizadores, sem falar nos que fabricam o cimento, as tintas, os azulejos, etc. Na construção da Igreja é a mesma coisa. Os carismas em geral são qualidades que as pessoas têm e que o Espírito do Senhor consagra com a sua graça. Eles são sopros de Deus e esse sopro é a caridade que é a maneira de ser de Deus. Eles são ordenados para o crescimento da comunhão.


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo

3. Os frutos do Espírito Santo

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo

Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes


MARIA PASSA NA FRENTE.


MARIA É MÃE, MAS TAMBÉM PORTEIRA



Chegou em minhas mãos, há algum tempo, um jornal da Associação Maria Porta do Céu, onde Denis Bourgerie narra sua última estadia na França e como ele viveu a experiência de ter de passar pela alfândega com um excesso de peso muito superior ao que podia carregar.

O que ele trazia era material de evangelização. Humanamente seria impossível embarcar com tanta bagagem. Foi quando ele contou a sua preocupação ao capelão da Basílica do Sagrado Coração em Montmaitre e ele lhe disse: “Denis, chegando ao aeroporto diga: “Maria, passe na frente” Ela cuidará de tudo. Ela cuidará de todo o material que você leva para o seu filho, Jesus, como mãe. Ela cuidará de todos os detalhes, muito mais que você.

Ela é a Mãe, mas também porteira. Por isso, abrirá os corações das pessoas e as portas pelo caminho. É só pedir para ela passar na frente “Eu faço isso dezenas de vezes por dia”, disse-me ele. Antes de tomar uma decisão ao telefone, no ônibus, quando eu estou em dificuldades. E a Mãe indo na frente, os filhos estão protegidos, não?

Não é preciso contar o resto. Você já deve ter concluído. O nosso amigo Denis imediatamente pôs em prática o que o Padre lhe aconselhou e começou a rezar: Maria passe na frente! Foi fácil? Não. Mas a confiança no Senhor, através da Mãe, deixou cair todas as preocupações. A providência pode acontecer. O amigo que o acompanhava não acreditava no que tinha visto.

Cento e quatro quilos de excesso de bagagem haviam sido perdoados pelo diretor da alfândega. Vendo o que acontecera, o amigo exclamou: “ Que sorte você tem !” Não foi questão de sorte, mas uma questão de família. Eu tenho o privilégio de ter Maria como Mãe e poder lhe dizer: Maria, passe na frente, para que eu possa resolver o que sou incapaz de resolver sozinho. Cuida do que não está no meu alcance. Tu tens o poder para isso. Quem pode dizer que já foi decepcionado por Ti, depois de ter te chamado.

Por isso fiz questão de passar para você essa receita. Desde que li a mensagem, comecei, como Denis, a colocá-la em prática. Tenho exclamado muitas vezes ao dia e em diferentes situações: Maria, passe na frente, para resolver o que sou incapaz de resolver sozinho. Posso lhe garantir o quanto tem sido eficaz, consolador e imediato o socorro da mãe.

Estou convidando-o a assumirmos juntos o compromisso de colocar tudo nas mãos de Nossa Senhora, pedindo sempre: Maria, passe na frente ! Serão situações as mais variadas, como o próprio capelão expressou. Hoje, por exemplo, já comecei a fazer esse exercício de fé. Tome as situações concretas e diga: Maria, passe na frente! Vamos entregar à Mãe de Deus nossas necessidades. Ela cuidará de todos os detalhes, muito mais do que nós. Ela é a Mãe, mas também a porteira.

Por isso, abrirá os corações das pessoas  e as portas pelo caminho. É só pedir para ela passar na frente. É isso que vamos dizer: Maria, passe na frente, para resolver o que sou incapaz de resolver sozinho.

Deus lhe abençoe!  Viveremos muitas maravilhas, na graça do Senhor, com a intercessão da Santa Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe.

Com toda a minha gratidão pela sua amizade.

Ass. Padre Jonas



Oração:MARIA PASSA NA FRENTE




Maria passa na frente e vai abrindo estradas e caminhos. Abrindo portas e portões. Abrindo casas e corações.

 A Mãe vai na frente e os filhos protegidos seguem Seus passos.

Maria, passa na frente e resolve tudo aquilo que não podemos resolver.

Mãe, cuida de tudo o que não está ao nosso alcance. Tu tens poder para isso!

Mãe, vai acalmando, serenando e tranqüilizando os corações.

Termina com o ódio, os rancores, as mágoas e as maldições.

Tira Teus filhos da perdição! Maria,

Tu és Mãe e também a porteira. Vai abrindo o coração das pessoas e as portas pelo caminho.

Maria, eu Te peço: Passa na frente! Vai conduzindo, ajudando e curando os filhos que necessitam de Ti.

Ninguém foi decepcionado por Ti depois de haver-te Te invocado e pedido a Tua proteção.

Só Tu, com o poder de Teu Filho, podes resolver as coisas difíceis e impossíveis. Amém!


Crícia Martins


FORTALEZA INFINITA





Fortaleza Infinita (Maria passa na frente)
Composição: Crícia Martins

ÓTIMA CANTORA CATÓLICA.

CANTA TODAS AS QUINTAS FEIRAS NA PARÓQUIA SÃO PEDRO TAGUATINGA, DISTRITO FEDERAL, LANÇOU UM LINDO CD, QUE PODE SER ADQUIRIDO NA PARÓQUIA, VALE A PENA COMPRAR !!! MUITO BOM MESMO !!!

Deus te escolheu…
Para o mal vencer…
Marcha na nossa frente…
Pisa na serpente…
Reveste-nos da tua vitória…

Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Abre o caminho da luz…
Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Maria…
Teu escudo da paz,…
Mãe da justiça…
Fortaleza infinita…
Armadura de Deus…
Cuida dos filhos teus…

Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Abre o caminho da luz…
Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Maria…
Abre as portas…

Liberta teu povo…
Das mãos do inimigo…
Esmaga o dragão…
Trás a salvação, Maria…

Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Abre o caminho da luz…
Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Maria…

Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Abre o caminho da luz…
Passa na frente, Maria…
Em ordem de batalha…
Passa na frente…
Maria !!!


Maria_passa_na_frente_capa_livro
Livro Maria Passa na Frente – Denis e Suzel Bourgerie (93ª Edição)

Cod. do Produto: 20563

PADRE MARLON MÚCIO
livro-maria-passa-na-frente-14512-MLB4233570374_042013-F[1]

O Pai nos Presenteia com Seu Espírito Santo.


O grande Presente de Deus

É seu próprio Espírito Santo



Parte IV

Quanto aos dons do Espírito Santo, é preciso concentrar a nossa atenção não nos dons mas no doador. O grande dom é o Espírito Santo. Os dons e carismas não são mais que o brilho do Espírito Santo, que é o dom por excelência, o dom que encerra todos os dons. Não podemos separar o Espírito Santo dos seus dons como não podemos separar o carinho ou a ternura de um pai ou de uma mãe do próprio pai ou da própria mãe.

As manifestações do Espírito Santo são o Espírito Santo em ação.

Esta ação é infinitamente suave, discreta e livre. O Espírito Santo sopra onde quer, quando quer e como quer. Os dons do Espírito Santo são para o doador como os raios do sol são para o sol: não se identificam com Ele, mas não existem sem ele. Não podemos ter dons do Espírito Santo sem ter o próprio Espírito Santo. O Espírito Santo não dá esmolas: dá-se a si mesmo. O Espírito Santo é inseparável dos seus dons. Recebendo-o recebemos a fonte de todos os dons. Isto não implica que os dons sejam recebidos da mesma maneira e todos ao mesmo tempo. O Espírito Santo hoje anima-me em vista de tal missão, amanhã pode confiar-me outra. S. Paulo faz uma lista dos dons do Espírito Santo de maneira bastante livre: dá enumerações diversas. É sem dúvida mais uma amostra que um catálogo.

João Paulo II, na exortação que escreveu sobre os Fiéis Leigos, diz que se deve ao Espírito Santo todo um conjunto de coisas novas que acontecem hoje na Igreja: o novo estilo de colaboração entre sacerdotes, religiosos e leigos; a participação dos leigos na liturgia, o anúncio da Palavra de Deus, a catequese, a multiplicação dos serviços confiados aos leigos e por eles assumidos, o florescimento de grupos e associações de espiritualidade e empenhamento laical, a participação cada vez mais significativa das mulheres na vida da Igreja e o seu compromisso na sociedade.

A renovação pastoral missionária da Igreja exige valorizar e estruturar a grande variedade de dons e modos de servir a Missão da Igreja. Lembremos, por exemplo, os ministérios litúrgicos como o diaconado, o leitor, o acólito, o cantor, o monitor, os ministérios pastorais como o serviço da animação missionária, o animador vocacional, o serviço dos pobres. Há serviços seculares que se podem transformar em ministérios eclesiais como o ministério da saúde, da justiça e paz, reconciliação, solidariedade social, acolhimento aos marginalizados, visita aos doentes, acolhimento aos emigrantes, etc.

S. Paulo dá-nos uma amostra de ministérios necessários à Igreja de Corinto, mas cada Igreja pode ter necessidade de outros ministérios e serviços e o Espírito Santo sabe disso melhor que ninguém.

Pe. Adélio Torres Neiva, CSSp
In “S. Paulo e a Missão sem Fronteiras” – Ed. LIAM


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo

3. Os frutos do Espírito Santo

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo

Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes



Somos Templos do Espírito Santo.


Parte III

3. Os frutos do Espírito Santo



Quanto à presença do Espírito Santo em cada um, são os seus frutos que revelam na nossa vida o verdadeiro rosto do Espírito Santo. S. Paulo fala destes frutos várias vezes, ao longo das suas cartas. Ele multiplica os textos para mostrar que, de facto, o Espírito Santo tem a sua morada no coração de cada um. Temos efectivamente várias listas dos frutos do Espírito Santo. Nenhuma delas é conclusiva. S. Paulo semeia os frutos do Espírito Santo pelas diversas comunidades, conforme a situação em que cada uma vivia. Mas é claro, estas listas são listas abertas. As listas valem como exemplo e não pretendem ser exaustivas. O que os caracteriza a todos é que são o oposto ao espírito do mal.

Aos Gálatas, S. Paulo apresenta a lista mais completa. É quando fala da justificação pela fé que Paulo desenvolve a luta entre a carne e o espírito, mostrando os frutos tanto da carne como os do Espírito (Gal 5, 16-17 e 23,-25; Rom 7, 5-6). E entre os frutos do Espírito ocupa o primeiro lugar o amor.

O grande fruto do Espírito é o amor. O amor é mai s que s imples pr imei ro de uma enumeração: ele é o princípio gerador e englobante de todos os outros frutos: Porque Deus é amor e o amor de Deus chama-se Espírito Santo. Quem ama cumpre toda a Lei (Rom 13, 8). É o amor que faz a santidade do cristão. O amor de que se fala aqui é aquele que Deus espalhou nos nossos corações pelo Espírito que nos foi dado comunicação da santidade de Deus (Rom 5,5). É este Espírito que nos faz filhos de Deus: Ama e faz o que quiseres repetia Santo Agostinho.

Todos os outros frutos, a paz, a alegria, a paciência, a amabilidade, a bondade, a fidelidade, a modéstia, o domínio de si mesmo (Gal 5, 2) são frutos do amor. Estes frutos são resultado de uma colaboração entre a graça e a liberdade. Os frutos distinguem-se dos dons do Espírito Santo, pois os dons são diferentes segundo as pessoas, os frutos são idênticos para todos. Nem todos na Igreja podem ser apóstolos, profetas ou doutores, mas todos podem colher os frutos do Espírito Santo. Os frutos do Espírito Santo têm uma relação estreita com Cristo: O que permanece em mim terá muito fruto, diz o Senhor (Jo 15, 5). Ou seja, revelam o rosto de Cristo. A oração do cristão não é senão a incorporação na atitude orante de Cristo diante do Pai; quando um cristão sofre é Cristo que entra em agonia e quando se alegra é a manhã da Páscoa de Cristo Ressuscitado que vem ao seu encontro.

Estes frutos são certas qualidades que vemos nas pessoas e que nos fazem descobrir a presença do Espírito Santo nelas. A alegria, a paz, a bondade, de tal ou e tal pessoa são frutos do Espírito Santo. Quase podemos dizer que cada santo revela uma manifestação do Espírito Santo. O carisma dos fundadores dos institutos religiosos não é senão manifestações desse Espírito. S. Francisco e a bem-aventurança da pobreza, S. Luís de Gonzaga e a pureza do coração, Santa Teresa e a contemplação, S. Vicente de Paulo e a caridade, S. João de Deus e a hospitalidade, Teresa de Calcutá e os esquecidos das ruas, Cláudio Poullart des Places e os mais abandonados das sarjetas, Libermann e os escravos, etc. É nos santos que se revela o rosto do Espírito Santo. São eles que lavam a história. O Espírito Santo é, de facto, alguém que vive misturado connosco, que se confunde com os nossos irmãos.

A caridade e o amor – todos os gestos de caridade e amor, todas as provas de ternura e afecto, quando neles não há egoísmo nem interesse, são obra do Espírito Santo. A família é o primeiro cenáculo do Pentecostes.

A paz e todos os gestos de reconciliação, de perdão, de misericórdia e acolhimento, tudo o que é bem-aventurança do Reino de Deus acompanha a história dos homens. A história é, portanto, outro cenáculo do Pentecostes – a alegria e todos os gestos de partilha e de festa, de solidariedade e fraternidade, de unidade e comunhão, de louvor e acção de graças.

O Espírito Santo desperta nas pessoas o louvor da Santíssima Trindade, a bondade e tudo o que é dar as mãos, compreender, ajudar, acolher, servir, acudir, partilhar. A paciência e tudo o que é respeito pelo outro, dar-lhe o tempo a que ele tem direito, respeitar os seus valores e o seu ritmo, são sinais que o Espírito do Senhor está lá.

Vivemos hoje no mundo das novas tecnologias ; nas comuni cações , na informática, na genética, nas técnicas, .na robótica. Há hoje máquinas para tudo: para cozer, para lavar a roupa, para enviar mensagens, para marcar os itinerários, GPS, para fazer carros, etc.; só não há máquinas para amar, máquinas para consolar os tristes, máquinas para fazer companhia, máquinas para fazer justiça… senão o amor.

Não há “chips” que substituam o Espírito Santo. Constroem-se hoje pontes que unem todas as distâncias, todos os continentes, todos os espaços , que vencem todos os abismos. Só não há pontes para perdoar, para unir dois corações desavindos, para lavar as nossas faltas e fazer do homem velho uma pessoa nova… a não ser o amor. Somos capazes de ir à lua e saber tudo dos planetas, conhecer todos os segredos das células, mas não sabemos nada sobre o nosso vizinho, sobre quem encontramos todos os dias no autocarro, sobre a vida de quem nos estende a mão.

É o Espírito Santo que lava a história e faz dela o jardim onde Deus vem ter connosco todos os dias, pela brisa da tarde.


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo

3. Os frutos do Espírito Santo

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo

Outros temas relacionados


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg

O Bom Fruto

Do Espírito Santo.



Semeando a cultura de Pentecostes



O Templo do Espírito Santo.


Parte II

2. Os dons do Espírito Santo

O Espírito Santo é Alguém que está continuamente na Igreja, que não intervém só nos momentos mais importantes da vida da Igreja ou das pessoas, que não se revela só em manifestações extraordinárias, mas que habita nas pessoas de forma permanente. A Igreja é como um templo onde mora o Espírito Santo: “Fomos baptizados num só Espírito para sermos um só corpo” (1 Cor. 12, 13). É Ele que constrói assim uma morada pelo Espírito: “Já não sois estrangeiros nem emigrantes, mas concidadãos dos santos, membros da casa de deus, edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus. É nele que toda construção, bem ajustada, cresce para formar um templo santo no Senhor. É nele que também vós sois integrados na construção para formardes uma habitação de Deus pelo Espírito” (Ef. 2, 19-22). A comunidade é o templo do Espírito Santo: “Não sabeis que sois templos de Deus e que o Espírito Santo mora em vós?” (1 Cor. 3, 16; 6,19; 1 Cor. 6, 16). É aqui que entram os dons e os carismas de que fala S. Paulo e que são os elos por onde passa a comunhão ou seja, o Espírito Santo: o dom de governar, de ensinar, de anunciar o Reino, de discernir, de curar, de profetizar.

Quanto a estes dons do Espírito Santo, é preciso concentrar a nossa atenção não nos dons mas no Doador. O grande dom é o Espírito Santo. Os dons e carismas não são mais que o brilho do Espírito Santo, que é o dom por excelência, o dom que encerra todos os dons. Não podemos separar o Espírito Santo dos seus dons, como não podemos separar o carinho ou a ternura de um pai ou de uma mãe do próprio pai ou da própria mãe. Deus suscita não só a fé e os carismas, mas concede ainda o dom por excelência, o próprio Espírito Santo. O Espírito Santo não dá esmolas, dá-se a si mesmo. Os dons são fruto desta presença. Os dons do Espírito Santo são para o doador o que os raios do sol são para o sol: não se identificam com Ele, mas não existem sem Ele.

O valor de uma comunidade cristã não depende de quem a evangeliza mas do Espírito Santo que nela habita. Este Espírito é comunicado a todos os membros da comunidade, embora para uma missão diferente. Um semeia, outro, rega, outro monda e outro colhe. Mas todos são baptizados no mesmo Espírito. Este Espírito revela-se em cada um com serviços, carismas e actividades diferentes, pois é desta colaboração de todos que se faz a comunidade. Uns têm o dom de governar, outros de ensinar, outros de profetizar e outros de curar. É como num corpo vivo, onde cada membro tem uma função própria. Esta função é um dom do Espírito, que é o mesmo em todos. Por isso, esta diversidade em vez de dividir, une. Ela está unida pela raiz: dela nasce algo de novo, um corpo novo, que é a comunidade cristã. Num corpo vivo há membros para respirar, membros para alimentar, membros para mover, membros para pensar, membros para amar, etc. Quem é que pensa dispensar algum destes membros?

É por estes carismas e dons que se vê se o Espírito Santo está vivo nas comunidades. O Espírito Santo desperta em cada um os dons e as qualidades que são necessárias para edificar a comunidade cristã. Todos conhecemos pessoas, umas mais dotadas para dirigir a comunidade, outras para animar a liturgia, outros para colaboração missionaria ou para visitar doentes ou para acolher os que chegam de fora, outros para ajudar quem precisa. São dons que o Espírito Santo distribui por todos, pois todos são necessários para construir uma Igreja viva. É como na construção de uma casa: é preciso um arquitecto, um engenheiro, um mestre-deobras ou pedreiros, pintores, estucadores, electricistas, canalizadores, sem falar nos que fabricam o cimento, as tintas, os azulejos, etc. Na construção da Igreja é a mesma coisa. Os carismas em geral são qualidades que as pessoas têm e que o Espírito do Senhor consagra com a sua graça. Eles são sopros de Deus e esse sopro é a caridade que é a maneira de ser de Deus. Eles são ordenados para o crescimento da comunhão. 


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo

3. Os frutos do Espírito Santo

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo

Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes


O vosso corpo é templo do Espírito Santo.




1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!


Parte I


Talvez que a maior novidade do Vaticano II tenha sido declarar que todo o cristão é chamado à perfeição da santidade: “Todos os fiéis, seja qual for o seu estado ou classe, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade”. E o Concílio recorre a S. Paulo para fundamentar esta afirmação:


16 – Não sabeis que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós?

(I Coríntios 3,16 e 17)

17 – Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá. Porque o templo de Deus é sagrado – e isto sois vós.

Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que habita em vós, o qual recebestes de Deus e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis?                         (I Coríntios 6,19)



Bendito seja Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que do alto do céu nos abençoou com todas as bênçãos espirituais em Cristo. Foi assim que Ele nos escolheu em Cristo, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis na sua presença no amor.” Já o próprio Cristo tinha levantado a fasquia até ao ponto mais alto: “Sede perfeitos como o vosso Pai do céu é perfeito”.

Antes do Concílio, os caminhos da perfeição eram em geral reservados aos consagrados: papas, bispos, padres, religiosos. Eram os chamados “estados de perfeição”. E, de fato, em geral os santos canonizados pertenciam a estas categorias de pessoas: ou eram papas, bispos, padres ou religiosos. Os leigos e leigas, que tinham sido canonizados, só o foram não tanto pelo matrimônio, mas apesar do matrimônio. Em geral, eram viúvos ou viúvas, portanto depois de terem deixado o casamento, ou então por terem entrado na vida religiosa: S. Nuno Álvares Pereira, a rainha Santa Isabel, a princesa Santa Joana, etc.

Ora aconteceu que Gianna Bareta Molla, que João Paulo II beatificou em 1994 e canonizou em 2004, era uma mulher casada, médica, mãe de quatro filhos, que tinha falecido por se ter recusado a provocar um aborto: se o não provocasse, morreria. E deixou que Deus decidisse. Esta foi a credencial para ser proclamada santa. Abriu-se assim um novo espaço para os santos, os santos leigos — ou seja, para a vocação de todos os cristãos à perfeição da santidade.

E isto porquê? Porque todos os cristãos recebem o Espírito Santo. O primeiro grande momento da presença do Espírito Santo na vida do cristão acontece no Batismo. O Batismo é o grande Pentecostes de cada cristão. Pelo Batismo, nós tornamo-nos da família da Santíssima Trindade, filhos de Deus; e como no seio de Maria, só o Espírito Santo pode fazer esta filiação. No Batismo, todos recebemos o Espírito Santo em plenitude, tanto o leigo, como o padre, o bispo ou o Papa. Todos são chamados à perfeição da santidade. Não se recebe o Espírito Santo mais ou menos, a conta gotas. Uma hóstia não está mais ou menos consagrada. Cristo não está mais numa partícula que noutra. Está todo em cada uma. Mas os efeitos da comunhão não são iguais em todos. O Espírito Santo está todo em cada cristão, como Cristo está todo em cada hóstia consagrada, seja ela grande ou pequena. Diz S. João no diálogo com Nicodemos: Deus não dá o seu Espírito por medida. O Pai ama o Filho e entregou-lhe tudo nas suas mãos. Quem acredita no Filho tem a vida eterna” (No 3, 33-36).

Por isso, como nos ensina o Cardeal Suenens, após o Batismo, o Espírito Santo não está mais para vir. Ele está radicalmente presente no ponto de partida da vida cristã, mesmo se a tomada de consciência desta presença só acontece mais tarde, quando a criança, tornada adulta, ratificar as exigências dessa presença. O Espírito já está nele; ele é efetivamente morada da Santíssima Trindade. Por isso, a santidade não é uma escalada em direção a um pólo longínquo, inacessível. A santidade cristã é nos dada inicialmente, na sua plenitude, no dia do nosso Batismo. O batizado torna-se o berço, o cenáculo da Santíssima Trindade. Segue-se daí que, rigorosamente falando, precisamos não de nos tornarmos santos, mas de deixarmos que a santidade de Deus nos envolva. Pelo Batismo, recebemos o Espírito de santidade; o que é preciso é desenvolver as suas riquezas latentes.

No decurso da nossa vida cristã, cada sacramento alargará o raio de ação do Espírito que já está em nós. Cada sacramento é um curso de água que brota da fonte batismal. É uma fonte com água sempre a nascer. O nosso batismo é uma fonte da Santíssima Trindade, sempre a jorrar. Nós dizemos que imprime “caráter”, quer dizer: é um sacramento permanente, sempre em atividade. Não é necessário nem tem sentido batizar-se uma segunda vez. Quando recebemos o sacramento da Confirmação, o bispo diz: “Vais receber o Espírito Santo”. Ele poderia acrescentar: “vais receber o Espírito Santo que já tens.” Trata-se, não de receber um suplemento do Espírito Santo, mas de uma confirmação desta presença, ou melhor, de confirmar e de assumir esta presença. Pelo batismo recebe-se o Espírito Santo todo. O Espírito Santo não se recebe aos bocadinhos, por esmola. O Espírito Santo entrega-se todo. Ele é o grande dom do Pai.

Na liturgia do Pentecostes, são numerosas as orações em que se pede ao Pai que envie o seu Espírito, como se ele ainda não tivesse sido enviado. Mas, na verdade, não se trata de pedir que o Espírito Santo venha, mas sim de pedir que o deixemos atuar na nossa vida. A fome faz sentir a necessidade do pão. Se não se tem fome, podemos morrer à míngua com a dispensa cheia. O Espírito permanece em nós: somos nós que, sob a ação conjugada da graça e da nossa liberdade, lhe damos uma nova possibilidade de ação.

Quando a ação do Espírito se intensifica em nós, não é o Espírito que acorda e volta, como um vulcão que de vez em quando entra em erupção depois de um longo sono; nós é que despertamos diante da sua presença e, sob o impulso da sua graça, por uma fé acrescida, nos abrimos a uma esperança renovada, uma caridade mais viva.

Diz-nos o Livro dos Reis que, habitualmente, o Espírito Santo entra na nossa vida como uma brisa suave, de que mal nos apercebemos, como aconteceu com Elias. Elias esperava a vinda do Senhor com grande alarido, como um terramoto ou como um incêndio, ou como um temporal como contavam as teofanias do Antigo Testamento. E Ele veio como uma brisa suave, de qual mal se dá conta. Libermann diz que devemos ser como uma leve pena ao sopro do Espírito. Esta presença do Espírito Santo manifesta-se na vida da comunidade e na vida pessoal de cada um. Na vida de comunidade pelos seus dons e carismas e na vida pessoal de cada um pelos seus frutos.


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo parte II

3. Os frutos do Espírito Santo Parte III

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo



O ESPÍRITO SANTO ENTRE NÓS


Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes