Não Temas!



NO MEIO DA TEMPESTADE


tempestade-no-mar[1]


NADA TEMAS


“Entretanto, já a boa distância da margem, a barca era agitada pelas ondas, pois o vento era contrário. Pela quarta vigília da noite, Jesus veio a eles, caminhando sobre o mar.* Quando os discípulos o perceberam caminhando sobre as águas, ficaram com medo: “É um fantasma!” – disseram eles –, soltando gritos de terror. Mas Jesus logo lhes disse: “Tranquilizai-vos, sou eu. Não tenhais medo!”. Pedro tomou a palavra e falou: “Senhor, se és tu, manda-me ir sobre as águas até junto de ti!”. Ele disse-lhe: “Vem!”. Pedro saiu da barca e caminhava sobre as águas ao encontro de Jesus. Mas, redobrando a violência do vento, TEVE MEDO e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!”. No mesmo instante, Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e lhe disse: “Homem de pouca fé, por que duvidaste?”. Apenas tinham subido para a barca, o vento cessou. Então, aqueles que estavam na barca prostraram-se diante dele e disseram: “Tu és verdadeiramente o Filho de Deus.”      São Mateus, 14,24a33 – Bíblia Católica Online

Esta passagem Já é bem conhecida por todos nós, mas gostaríamos de evidenciar o motivo pelo qual São Pedro não foi feliz em completar a sua missão de chegar até Jesus, Jesus mesmo o reprova por sua falta de Fé, mas o texto nos evidencia o fato de que ele “TEVE MEDO“, mas teve medo de que?

Teve medo do mar, das ondas e do vento…  Bem sabemos que Pedro era um pescador profissional e sair ao mar era uma coisa que fazia todas as noites, bem sabemos que deve ter enfrentado diversas tempestades sozinho e sempre voltou inteiro para casa, se era o fato de correr o risco de estar caminhando no mar, mesmo que se fosse preciso nadar para voltar ao barco, isto não seria nada difícil de se realizar, no entanto, o que está em cheque não eram as habilidades humanas de Pedro e nem sua capacidade de lidar com situações semelhantes e sim a sua coragem de abdicar de toda sua capacidade e habilidades humanas se jogando inteiramente nas mãos de Jesus, foi neste ponto que Pedro TEVE MEDO, exatamente o ponto onde o seu lado Espiritual desafia seu lado físico a ponto de fazer aquilo que era impossível fisicamente e caminhar por cima de todas as dificuldades como se elas não existissem, assim como Jesus fazia.  Foi neste ponto que a Fé de Pedro vacilou e sua força espiritual cedeu ao poder da força das tribulações matérias que o cercavam o que acaba acontecendo com qualquer um de nós, é exatamente isto que JESUS quis mostrar, pois “Quando tudo nos falhou, foi mesmo a mão de Cristo que nos Resgatou.”



NÃO TEMAS


Foram essas as palavras de Jesus Cristo a Jairo no momento em que ele recebeu a trágica notícia da morte de sua filha. O Senhor sabia que aquela hora era decisiva e que a insegurança ou a dúvida poderiam abrir as portas para que o espírito de medo possuísse a alma daquele homem.

Jesus foi claro: “Não temas. A menina não morreu, mas dorme” (Mc 5.39).    Sabemos que são muitas as vozes que querem ser ouvidas, por isso temos que provar os espíritos para sabermos de onde eles procedem.

O medo é o principal inimigo da por isso temos que aprender um princípio importante de vida vitoriosa. Depois de ouvir o que diz a situação, ouça o que Deus tem a dizer a respeito do assunto. Nada termina até que Ele diga que acabou. O que vai definir a vitória ou o fracasso é o que você vai dizer segundo a sua fé. Em quem, de fato, você acredita: na circunstância ou em Deus?

Diante do que você está vivendo e do que Deus lhe prometeu, qual é a sua confissão. “Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos” (Rm 10.8).

Sabendo que a fé vem pelo ouvir, a quem você tem ouvido? Com quem você tem concordado? Com a situação, o diabo, o mundo, os incrédulos ou com Deus? Faça da sua confissão de fé uma oportunidade para Deus operar milagres em sua vida.


Crê somente!



OUTRAS INDICAÇÕES SEMELHANTES



Minha família, minha base e o meu alicerce.



Os jovens clamam por liberdade, porém necessitam de um lar para retornarem em segurança, então clamam por liberação para transpor os limites da segurança, mas os Pais que já experimentaram esta aventura não arriscam uma abertura total. 

Assim voltamos à velha lição de sempre, “Todo Pai e Mãe precisa do Espírito Santo para aprender a pescar dentro de sua própria casa.”

Lembra quando Jesus chamou Pedro e João e lhes disse que a partir daquele momento seriam “Percadores de Homens”?

Pedro e João já eram pescadores, logo nem foi preciso explicar a diferença entre o que eles eram e o que deveriam ser.

Para nós, pais, que ninguém ensinou como ser  bons pais para nossos filhos ainda precisamos de muita Sabedoria Divina para saber como manter nossos filhos próximos ao nosso coração e longe dos perigos deste mundo, sem que para isso seja preciso acorrentá-los ao pé da cama.



O PESCADOR

LIMITE




Em quais situações a família pode ser o alicerce de alguém?

Precisamos da família por toda a vida?

Podemos viver bem sozinhos?



Ensinar é também aprender a abrir a mão ou se cai em outro problema que é a dependência permanente.


Comecemos por uma imagem que não é alheia a nenhum de nós: no parque, uma criança encontra-se junto dos pais tentando aprender a andar de bicicleta. Sabemos, por experiência própria, que a chave para finalizar tal aprendizado está no momento em que o pai deixa a criança continuar sozinha. Os pais sabem o risco de dar esse passo, mas ao mesmo tempo o sabem necessário para que a criança possa se desenvolver.


Shutterstock


Seguindo a analogia, percebemos que no caminho do amadurecimento, é necessário abrir mão de algumas seguranças externas e cultivar uma autonomia saudável. Nesse sentido, lembro da reflexão de um amigo que trabalha na formação de jovens: os jovens de hoje têm muitos meios para ser independentes, mas não conseguem ser autônomos, não conseguem valer-se por si mesmos. Quer se verifique isto em mais ou menos jovens, quer se aplique a pessoas mais novas ou mais velhas, percebemos que o mundo de hoje oferece muitas seguranças e instrumentos que podem dar a ilusão de estarmos alicerçados, prontos para enfrentar tudo, sem que realmente seja assim uma verdade. 

Por outro lado, voltando ao âmbito da família, o que define a saúde da autonomia buscada?

Assim chegamos a uma primeira resposta: na família os vínculos nunca são cortados, as relações não são extintas. Ser filho – e ser irmão, e ser sobrinho, e ser neto – fazem parte da identidade desde o nascimento. Nunca deixa-se de ser filho, mas isso não faz desta pessoa um tipo de extensão dos pais. Esta pessoa, cuja identidade inclui relações, constrói seu próprio caminho com as decisões que vai fazendo na vida.

Talvez uma aproximação mais feliz do que a de alicerce – um apoio que me sustenta – seja olhar para a família como base, o chão sobre o qual consigo ficar de pé e começar a caminhar. É preciso que cada pessoa vá fazendo suas próprias opções, vá aprendendo a responder por elas. Não como superação de um tipo de estágio inicial da identidade, mas justamente como um progresso baseado nessa identidade histórica e situada.

Uma observação importante: cultivar uma autonomia saudável não significa se isolar dos demais, incluindo – é claro – a família. Aliás, o quarto mandamento nos lembra, como primeira ação concreta do amor ao próximo, o honrar pai e mãe. Isso implica respeito e acolhida, assim como atenção e assistência “nos anos da velhice e no tempo da doença, da solidão ou do desânimo”(CEC, 2218), isso tudo a partir de um profundo senso de gratidão.

Nota-se que uma base de apoio não é uma prisão fixa, mas um ponto de apoio seguro sempre disponível e presente nos momentos difíceis e também nos momentos de comemoração e alegria.


NOSSAS MENSAGENS NO PINTEREST




OUTRAS INDICAÇÕES SEMELHANTES



POWER POINT – SLAIDSHARE

Baixe o slide para melhor visualização dos efeitos.



Estabelecer limites para os filhos.



A Limitação de um território geográfico, que é em sua essência apenas uma linha imaginária traçada em um mapa de papel é a melhor visão para se entender o que seja LIMITE, que pode até ser virtual e invisível, mas existe na realidade e de fato.

A sua observância correta evita muitos erros, problemas e perigos reais.



Mapa_Mundial_trasado


Muitas vezes o ser humano concebe a limitação como uma falta de liberdade e alguns a encaram até mesmo como uma prisão, mas quando a concebemos como uma convivência pacífica em que a nossa liberdade termina onde começa a liberdade do outro podemos entender que a verdadeira liberdade não deve infringir a liberdade alheia, pois se assim fosse seria um abuso e não liberdade.   Também existem barreiras naturais como abismos, rios, montanhas que não são intransponíveis mas nos ajudam a compreender nossas limitações naturais, assim podemos entender a concepção básica de “LIMITE” e diferenciar de uma prisão que na verdade seria um obstáculo intransponível.   O Limite por sua vez pode ser ultrapassado com dificuldade e até com muita facilidade, porém esta é a diferença, mesmo podendo ser ultrapassado deve ser respeitado por diversos motivos, sendo eles: por segurança, por obediência ou por não violação do espaço do outro.

A maioria dos 10 mandamentos da lei de Deus são baseados neste princípio de  “LIMITE” restringindo o abuso da liberdade e que no antigo testamento funcionavam quase como uma prisão, mas que com o novo mandamento ensinado por Cristo esta prisão da lei foi substituída pelas fronteiras ilimitadas do AMOR.

Hoje não ensinamos mais nossos filhos em cima de proibições e castigos que representam a aplicação da antiga lei e sim estamos aprendendo a educa-los na liberdade do amor, pois quem ama não pratica o mal contra seu vizinho e assim é desnecessário uma lei que obrigue ou proíba a fazer ou não fazer o que já está subentendido na aplicação do AMOR incondicional.


O PESCADOR


pescador[1]


O pescador é um ótimo exemplo de como poderíamos limitar nossos filhos sem aprisioná-los.

Jesus quando chamou Pedro e seu irmão para segui-lo lhes disse que os transformaria em “PESCADORES DE HOMENS”, uma alusão à profissão que eles desempenhavam e ao mesmo tempo mostrando que existia uma pequena diferença no modo como deveriam usar para serem verdadeiros pescadores de homens.  

Mesmo que você jamais tenha pegado em uma vara de pescar e jamais tenha fisgado pelo menos um peixe em sua vida, deve entender qual seja o princípio básico de uma pescaria:

1 – Isca = alimento ou objeto usado para atrair o peixe, é colocada de forma a disfarçar e esconder o anzol.

2 – Anzol = Instrumento que se agarra ao peixe para prendê-lo, fica amarrado à linha.

3 – Linha = Instrumento que prende e liga o anzol à vara de pescar e amarra o peixe.

4 – Vara = Instrumento de sensibilidade que amplifica e comunica ao pescador a fisgada. “momento em que o peixe morde a isca”.



Funciona da seguinte forma:

O peixe que busca por comida no rio encontra a isca presa ao anzol, que por estar presa não consegue fugir do peixe que a come juntamente com o anzol que o prende à linha que comunica ao pescador através da vara que o peixe foi fisgado e está “preso pelo anzol”.   Neste ponto o pescador deve administrar a força do peixe para que ele não arrebente a linha ou se desprenda do anzol, começa a soltar a linha e puxar a linha até que o peixe se canse e possa ser recolhido da água.

Estes são os instrumentos que facilitam a prisão do peixe que devem ser usados de forma correta para se conquistar um bom objetivo, no entanto não estamos aqui para aprender como prender um peixe ao anzol e sim como conquistar o mesmo peixe para que ele fique e queira ficar em suas mãos mesmo que não exista nenhum instrumento material que o obrigue a tomar tal atitude.    Em primeiro lugar, é claro, que a sua intensão não deve ser comer o peixe e sim salva-lo de ser comido por outro peixe.    Na verdade foi assim que Jesus ensinou os seus Discípulos a atraírem as multidões, usando de muito acolhimento, amor, compreensão e perdão sem levar em consideração as curas e a alimentação que na verdade são consequências materiais das atitudes espirituais que foram administradas.

AMOR, CARINHO, ABRAÇO, BEIJO, COMPREENSÃO, ATENÇÃO E OUTROS…

Os pais possuem todos estes Dons a seu dispor, pois naturalmente já possuem muito amor por seus filhos, muito carinho e só querem o seu bem, porque então se abdicar destes elementos tão eficazes na educação que só conquistam seus filhos para usar elementos de terror e sofrimento que só conseguem afastar seus filhos ainda mais de seu coração?

A resposta é clara: Os pais precisam aprender a usar a noção de limites de forma correta, para que sua aplicação não seja incorreta se confundindo com uma verdadeira prisão.

Dizemos então que somos verdadeiros pescadores de filhos, que não usam nem anzol e nem linha, porém precisamos de uma “Vara bem sensível” para compreender claramente a reação de nossos filhos em cada ato aplicado, nossas iscas devem ser o amor, a paz, a compreensão, a alegria, o companheirismo para manter os filhos bem próximos de nós sem ser necessário prendê-los ou amarra-los.


FATO POLÊMICO


m_ser_mae_e-blog_cuiaba-blog_de_mae-blog_ser_mae_e_tudo-daniele_Suzuki_usa_coleira_no_filho-coleira_para_criança-coleira_infantil-coleira_infantil_absurdo[1]


CAMINHAR COM CRIANÇA NA COLEIRA


Ponto positivo: As crianças pequenas geralmente não tem nem um pingo de senso de perigo e assim correm para todo lado, enfiam o dedo em todo buraco, brincam com animais selvagens, levam a boca qualquer coisa e assim o cuidador deve ficar 100% em estado de atenção e vigiando o tempo todo ou “se não” em uma piscada de olhos a criança pode se ferir gravemente, se afogar ou cair em um buraco, desta forma a coleira infantil mantém a criança sempre segura bem próxima de seu cuidador e facilmente controlada, logo, praticamente é capaz de evitar muitos acidentes e deixando o cuidador menos alerta no sentido da visão e audição podendo cuidar de varias crianças ao mesmo tempo ou usando a sua atenção em outras coisas ao mesmo tempo ficando alerta apenas pelo sentido do tato quando algo estranho ocorre na corda que segura a coleira equivalente ao alerta da vara de pescar na mão do pescador.

Pontos negativos: poderíamos indicar muito mais pontos negativos do que positivos, mas o principal deles é a limitação exagerada em um pequeno espaço material o que causa com o tempo um comodismo e acomodação do educando, também poderíamos salientar a humilhação, pois o ser humano racional estaria sendo equiparado a um animal irracional, logo percebemos que a educação dentro de verdadeiros “LIMITES” não deveria ser estabelecida dentro de uma prisão, pois este tipo de limitação material é na verdade uma prisão, pois a prisão material gera também uma prisão psicológica e espiritual e se isso acontece na primeira fase educacional da criança se refletirá em uma pessoa dependente e indecisa sem atitudes próprias de escolha pessoal na sua fase adulta.


m_ser_mae_e-blog_cuiaba-blog_de_mae-blog_ser_mae_e_tudo-daniele_Suzuki_usa_coleira_no_filho-coleira_para_criança-coleira_infantil-coleira_infantil_absurdo[1]


A atitude acima na foto está ficando cada vez mais comum, porém não estamos aqui agora para polemizar o assunto e sim apenas para mostrar que esta atitude não pode ser entendida como “LIMITE” e sim como “PRISÃO” e na aplicação correta de “LIMITE” não devem ser usados nenhum instrumento material que tire a liberdade física da pessoa, pois o entendimento de limite leva em consideração que este limite é uma linha “VIRTUAL” e não um muro “MATERIAL”.

Estabelecer limites não precisa ser tão complicado como muitos imaginam. É claro que não existem receitas únicas, padronizadas, pois as características familiares e individuais (tanto dos pais como dos filhos) são importantes para definir as escolhas e decisões a serem tomadas. Mas algumas orientações básicas são úteis para a maioria dos pais.

Alguns aspectos que precisam estar claros ao estabelecer limites:

*Reconhecer que dificuldades não são por culpa dos filhos (contestar os limites é uma atitude normal em crianças e adolescentes).

*Ter muita paciência, persistência e dedicação. É preciso ser mais persistente que a criança.
*Ter afeto e amor incondicional, mesmo nas horas mais difíceis.

*Reconhecer que educar é um processo longo, repetitivo e cujos resultados não são imediatos.

*Reconhecer as próprias limitações (os erros, o fato de algumas vezes estar cansado e que é normal perder a calma em algumas situações).

*Combater o sentimento de culpa por não atender a todos os desejos dos filhos.

 E algumas regras básicas são as seguintes:

1) Agir de acordo com a idade da criança: é preciso conhecer a sua fase do desenvolvimento e sua capacidade cognitiva para transmitir informações, regras e limites. É necessário reconhecer a capacidade do filho em entender as regras e as conseqüências do não cumprimento das mesmas e ter expectativas coerentes e de acordo com a idade e características individuais da criança. Não exigir nem demais nem de menos.

2) Iniciar o mais cedo possível, antes de um ano de idade, quando a criança começa a perceber o significado de certas palavras, inclusive o “não”.

3) Manter a coerência entre os pais e demais familiares. A dificuldade é grande quando pai corrige e a mãe perdoa (ou vice-versa). Um não pode desautorizar o outro. E os demais familiares (como tios ou avós) não devem interferir nas decisões e atitudes dos pais. Os pais saberão que estão agindo certos quando os filhos disserem: “isto não é justo, vocês dois estão contra mim!”.

4) Dar o exemplo é a melhor forma de educar (melhor do que dar conselhos). Nas pequenas atitudes do dia a dia, como em filas, ao manifestar respeito às demais pessoas, ao exercer comportamento ético e honesto é possível mostrar às crianças quais comportamento são corretos e quais são inadequados ou inaceitáveis.

5) As regras devem ser claras, definidas e estáveis. Estabelecer de forma clara o que pode e o que não pode. Não dá para ficar mudando as regras com freqüência, pois isto confunde a criança em seu aprendizado. Não é possível mudar de atitude como quem muda de roupa. E as regras devem ser estabelecidas pensando na adequada educação da criança e não apenas no benefício dos pais.

6) É preciso ser persistente (mais do que as crianças). Se a criança insistir mil vezes em fazer algo errado, é preciso corrigi-la mil e uma vezes.

7) Cumprir o que foi dito. Se houve a ameaça de que o filho ficaria sem assistir TV se não fizesse os temas, é preciso cumprir a penalidade se a criança realmente não fez os temas. Sem voltar atrás ou “perdoar, ficar com peninha”. Os pais precisam ser claros, firmes, determinados, confiantes e tranqüilos. Não dá para ficar com pena porque a criança chorou ou ficou triste se você estiver confiante de que tomou a atitude correta.

8) Criticar o ato cometido em si e não o indivíduo ou sua personalidade. Deve-se reclamar que o quarto está bagunçado, mas não é necessário dizer que o filho é relaxado ou bagunceiro. Quando ele briga não dizer que é mau, se não estuda que é preguiçoso. Deve-se ressaltar o comportamento em si e não utilizar rótulos. Criticar e corrigir o gesto ou atitude, não a criança. Frases do tipo “você é” (egoísta, impossível, não tem jeito) qualificam a criança e não a sua atitude. E ela com certeza não merece estes “carimbos ou rótulos”.

9) E também, muito importante, lembrar que elogiar os bons comportamentos é fundamental, pois geralmente o mais comum é reclamarmos quando os filhos fazem coisas erradas. Lembrar que premiar não é dar coisas materiais, mas sim elogiar e demonstrar afeto. Não economizar elogios (um elogio vale muito mais que várias críticas). Os “prêmios” são imprescindíveis na socialização da criança, principalmente o sorriso de aprovação, o elogio verbal, o gesto afetuoso de um adulto querido. No entanto, a criança deverá se comportar de determinada forma, conscientemente, por opção e não para conquistar determinado prêmio.

Fonte: Aprendendo a vida: Como estabelecer limites




FESTIVAL DE JESUS – ANÁPOLIS – GOIÁS.




2 0 1 7


.30º Festival de Jesus


“O Espírito Santo descerá sobre ti”

(Lc 1,35)


festival_jesus_30_anos_2017



Nos dias de Carnaval

26/02/2017 – Inicio 7:30 Hs

28/02/2017 – Final 17:00 Hs

Entrada Franca

Para toda a Família

Espaço reservado para estacionamento.

Espaço para as Crianças em separado.

“Festival de Jesus Kid’s”

Fornecimento de refeiçoes no local.

Local: Centro de Evangelização João Paulo II

Sede da RCC em Anápolis – Goiás


Festival de Jesus 30 anos

Enviado por | em 16/12/2016 | Sem Comentários

A RCC já começou os preparativos para a Festa dos 30 anos do Festival de Jesus na diocese e celebração dos 50 anos da RCC no mundo, Jubileu de Ouro. O evento será de 26 a 28 de fevereiro de 2017, durante o feriadão de carnaval. O tema segue a orientação da RCC Brasil “Meu espírito exulta de alegria” Lc 1, 47.

A divulgação já começou, para este momento especial foi criada uma logomarca específica “Festival de Jesus 30 anos”, camisetas e adesivos para carros já estão sendo vendidos, além da divulgação nas redes sociais, o anúncio de “VEM AÍ” já ultrapassa quatro mil visualizações no facebook. Além disso muitos renomados empresários da cidade já estão apoiando a festa. Quem ainda desejar apoiar essa evangelização ainda resta poucos espaços de divulgação, mas por enquanto é possível.


dsc_1083

A parte espiritual também está sendo preparada com muito zelo e oração. Já está confirmada a participação de alguns pregadores com forte espiritualidade e carisma, a presença de uma cantora de Brasília e de um renomado grupo de teatro. Outros nomes estão em avaliação e oração tanto por suas equipes como pela a comissão organizadora do Festival. Para o lançamento das presenças a equipe de marketing está preparando um material muito especial.


dsc_1091

Mais uma vez Anápolis se destaca no cenário regional carismático como a primeira diocese do estado a lançar a festa do evento de carnaval, fruto da oração e amadurecimento de suas lideranças. Desde já, toda comunidade está convidada a viver com a RCC essa grandiosa festa que terá momentos voltados para todos os públicos: Adolescentes, jovens, adultos, idosos e para as crianças um espaço ainda mais especial: O Festival de Jesus Kids.


Festival de Jesus 30 anos – Participe e leve toda sua família!


Veja como Chegar ao Local:




UMA PEQUENA LEMBRANÇA DE 1990

III FESTIVAL DE JESUS


iii_festival_de_jesus_1990_anapolis_go


UMA PEQUENA LEMBRANÇA DO III FESTIVAL DE JESUS EM 1990




2 0 1 6


– Aproveite melhor seu feriado de carnaval e participe do:


.29º Festival de Jesus.


“Vê a Alegria que te vem de Deus”

(Br 4,36b)


29_fest_jesus_2016



Nos dias de Carnaval

07/02/2016 – Inicio 7:30 Hs

09/02/2016 – Final 17:00 Hs

Entrada Franca

Para toda a Família

Espaço reservado para estacionamento.

Espaço para as Crianças em separado.

“Festival de Jesus Kid’s”

Fornecimento de refeiçoes no local.

Local: Centro de Evangelização João Paulo II

Sede da RCC em Anápolis – Goiás


O 29º Festival de Jesus/2016 será em clima de festa e comemoração, e não é apenas pelo feriado de Carnaval, período que é realizado o evento. É também pela preparação para o “Jubileu de Ouro da Renovação Carismática Católica” em 2017. Em fevereiro de 1967 ocorreu o “Fim de Semana de Duquesne“, encontro realizado numa Universidade norte americana que desencadeou o movimento no mundo, hoje considerado o marco da RCC e o reavivar da ação do Espírito Santo como nos Atos dos Apóstolos.

E para comandar a festa, a equipe Diocesana de Anápolis convidou pregadores que estão em profunda comunhão com o Espírito Santo: Vicente Machado, coordenador estadual da RCC do estado de Goias; Rondinei Arantes, Comunidade Coração Fiel; Tayná Gonçalves, fundador da Comunidade Fidelidade da Cruz; Fátima Lúcia Souza Pereira, da RCC da diocese de Goiânia; Pe. Samuel, diretor espiritual da RCC-Anápolis, o Bispo da Diocese de Anápolis, Dom João Wilk, …

O 29º Festival de Jesus será realizado nos dias 07, 08 e 09 de fevereiro de 2016, no Centro de Evangelização João Paulo II, no bairro São Joaquim com o tema: “Sede misericordiosos como vosso Pai é misericordioso (Lucas 6,36). As crianças terão espaço garantido no “Festiva de Jesus Kids”. As pregações e momentos de louvor começam todos os dias às 07h30 da manhã e encerra com a Santa missa às 16h. A entrada é franca. Durante o evento haverá atendimento de Confissões e Oração Individual. O local dispõe de Praça de alimentação e estacionamento. Toda Diocese de Anápolis está convidada.


http://www.rccanapolis.org.br/site/2015/12/21/29o-festival-de-jesus/



Veja como Chegar ao Local:


.


Banner Festival 2016_2


Agenda_2016_rcc Leia_Bíblia_CCNA Batismo_fogo

RCC Shop


2 0 1 5


.28º Festival de Jesus.


“Que Alegria Celebrarmos em Nossa Casa”

Tema:

“Deixai-vos conduzir pelo Espírito Santo. (Gal 5, 16a)”



Nos dias de Carnaval

15/02/2015 – Inicio 7:30 Hs Até 18:00 hs

16/02/2015 – Inicio 7:30 Hs Até 18:00 hs

17/02/2015 – Final 17:00 Hs Até 18:00 hs

Entrada Franca

Para toda a Família

Espaço reservado para estacionamento.

Espaço para as Crianças em separado.

Fornecimento de refeiçoes no local.

Santa Missa Todos os dias

Padres atendendo Confissão

Shows com Bandas Católicas a Noite.

Local: Centro de Evangelização João Paulo II

Sede da RCC em Anápolis – Goiás

Veja como Chegar ao Local:

.



Entrada Franca

Para toda a Família

Espaço reservado para estacionamento.

Espaço para as Crianças em separado.

Fornecimento de refeiçoes no local.

Local: Centro de Evangelização João Paulo II

Sede da RCC em Anápolis – Goiás

Veja como Chegar ao Local:


Nos dias de Carnaval em Anápolis – Goiás

Se realizará o

XXV Festival de Jesus.



2 0 1 2

“O Senhor é meu Pastor E nada me Faltará.”

(Salmo 22, 1)




2 0 1 4

.XXVII Festival de Jesus.

“Que Alegria Celebrarmos em Nossa Casa”

Primeiro Festival de Jesus a ser realizado em nossa sede própria.

Tema:

“Reunidos num só corpo pela virtude da cruz,”

(Efésios 2, 16)



Grande Festival de Jesus Em Anápolis – Goiás..

Dias 02, 03 e 04 de Março de 2014

Das 8:00 hs às 18:00 hs..

Presenças confirmadas

Dom joão Wilk

Padre Julio Peixoto (Anápolis)

Padre Vanilson Silva (Brasília DF)



Entrada Franca Para toda a Família

Espaço reservado para estacionamento.

Espaço para as Crianças em separado.

Fornecimento de refeiçoes no local.

Local: Centro de Evangelização João Paulo II

Sede da RCC em Anápolis – Goiás


Nos dias de Carnaval em Anápolis – Goiás

Se realizará o

XXV Festival de Jesus.


2 0 1 2

“O Senhor é meu Pastor

E nada me Faltará.”

(Salmo 22, 1)


Grande Festival de Jesus Em Anápolis – Goiás

Dias 19, 20 e 21 de

Fevereiro de 2012

Das 8:00 hs às 18:00 hs

Presenças confirmadas

Dom joão Wilk

Padre Jacob (Abadiânia velha)

Padre Willian Santana (S. José Operário) e

Padre Chrystian Shankar (Minas Gerais)


Entrada Franca

Para toda a Família

Espaço reservado para as Crianças

Local:



Antigas Instalações

Da CCA Automóveis

Localizado Na Praça Das Mães Nº 85


CLICK AQUI E VEJA O MAPA NO GOOGLE MAPS


Exibir mapa ampliado



Uma ótima opção para você

neste Carnaval…



 

2 0 1 1

“Simão respondeu-lhe: Mestre, trabalhamos a noite inteira e nada apanhamos; mas por causa de tua palavra, lançarei a rede.”

(São Lucas 5,5)


XXIV Festival de Jesus Anápolis – Goiás.



Nos dias de Carnaval 



2010

Veja com Detalhes Click aqui …

Uma ótima opção para você

neste Carnaval…


Nossos Patrocinadores


.

Festival de Jesus.


XXIV Festival de Jesus

Anápolis – Goiás.



Nos dias de Carnaval

de 04 a 06 de Março de 2011

Das 8:00 hs às 18:00 hs

Entrada Franca

Para toda a Família

Local reservado para as Crianças

Local:

Ginásio Carlos De Pina

Veja Mapa Abaixo

.

Com o tema

“Simão respondeu-lhe:

Mestre, trabalhamos a noite

inteira e nada apanhamos;

mas …

Por causa de tua palavra,

lançarei a rede.”

(São Lucas 5,5)


Com a Presença de:

Nosso Bispo

Dom João Wilk

Padre Cristiano “Santa Clara”

Eli Donizete Zago

Robertinho

Radamés & Flrismar – Goiânia

Evento

Promovido & Realizado Pela

Renovação Carismática Católica

Diocese de Anápolis – Goiás

Igreja

Católica Apostólica Romana

Apoio:

Prefeitura Municipal de Anápolis




xxii_festival_de_jesus_cart-15

XXII Festival de Jesus.

Nos dias de Carnaval

22, 23 e de de fevereiro de 2009

Das 8:00 hs às 18:00 hs

Entrada Franca

Para toda a Família

Local reservado para as Crianças

Local

Ginásio Carlos De Pina

Veja Mapa Abaixo

Com o Tema

Como tema

“Pai que Todos Sejam Um”

São João 17,21

Com a Presença de:

Nosso Bispo

Dom João Wilk

Padre Walter

Padre Cristiano

Padre Alexandre

Padre José Do Prado

e especialmente Convidado

Padre Alessandro – DF

Evento

Promovido & Realizado

Pela

Renovação Carismática Católica

Diocese de Anápolis – Goiás

Igreja

Católica Apostólica Romana

.


Temas da Canção nova
https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg?w=130&h=120
PRESENTEPRAVOCE

.