In Memorian – Orlando Fedeli.


O site Montfort divulgou neste último dia 9/6/2010 uma nota de falecimento de seu Fundador e diretor, O Professor Orlando Fedeli.

Ele foi vítima de um infarto e não foram divulgados maiores detalhes sobre o acontecimento, seu sepultamento ocorreu ontem à tarde às 16:00 Hs logo após uma Missa celebrada com corpo presente na Igreja Nossa Senhora das Dores.

Endereço: Rua Tabor, 283 – Ipiranga.

Cemitério Vila Mariana

Endereço: São Paulo/SP, Rua Lacerda Franco, 2012.

Mapaaqui.

.

Neste momento de dor, que possamos nos unir em oração, para que Deus derrame suas graças e console os corações, que possa acolher também este filho que tanto lutou pela Fé Católica.

.

Usando as palavras de São Paulo:

(II Timóteo 4,7)

“Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé.”


DECLARAÇÕES DE UM EX-SEMINARISTA DO IBP SOBRE A MONTFORT.

Não quero tocar em feridas antigas, e muito menos perturbar os mortos, mas como estive entre aqueles que participaram do êxodo da Montfort, este testemunho do Padre Renato Leite merece alguns esclarecimentos.

Desde que a casa de formação do “IBP” foi inaugurada em São Paulo (novembro de 2006, e o IBP foi erigido em setembro de 2006), a influência do senhor Orlando Fedeli era evidente, tanto que os candidatos só eram aprovados depois que passassem por uma entrevista com ele (tanto que em março de 2007 já eram quatro os moradores da casa, e o Pe. Renato só mudou-se para lá em maio).

Depois de algum tempo de convivência, algumas “cartas” foram postas à mesa, e ficou claro que o verdadeiro objetivo da Montfort (entenda como “OF”, “Orlando Fedeli e CIA”, sua esposa e alguns militantes conhecidos como ‘os mais velhos’) era ter os seus padres para formar um instituto próprio, que se chamaria Instituto Santa Catarina de Sena (para quem conhece a correspondência ou a história desta santa, já sabe porque foi escolhida como padroeira de um instituto NADA SANTO).

Este instituto teria como superior eclesiástico o Pe. Renato (outros padres foram cogitados, mas ou não aceitaram ou não aceitariam), e seria formado por ele e os padres da Montfort “formados” no IBP (por isso, antes de viajar à França e se entender com o Pe. Laguerie, o prof. dr. OF fez uma pequena paradinha em Roma. Até permitiu-se fotografar com o Mons. Ranjith, mesmo ele sendo UM MODERNISTA BANDIDO, assim como todos os Bispos da Igreja [sic!]).

Mons. Ranjith, E Orlando Fedeli - Fonte: Montfort

Depois de visitar a casa no Brasil em jun/jul de 2007, o Pe Laguerie enviou naquele mesmo ano duas pessoas de sua confiança para levantar alguns esclarecimentos, e suas suspeitas foram confirmadas: quando estas pessoas chegaram à casa não estava presente nenhum responsável pelos candidatos (o Pe Renato estava viajando, e ainda não havia outro padre residente); não havia um regulamento, a convivência era muito difícil (partidários da Montfort x candidatos da Igreja COMUM); não havia horário (estava sujeito ao humor do superior da casa); enfim, tudo ao contrário do que foi apresentado ao Pe Laguerie quando esteve aqui.

Os “missi dominici” ficaram alguns dias em São Paulo, mas depois foram para o Chile e colocaram os problemas encontrados para o Pe Navas, que estava alheio a tudo. Desta reunião com o Pe Navas surgiu um horário e regulamento para a casa (ago/2007), que nunca foi cumprido, e que só se tornou conhecido em out/2007 quando em visita à casa de São Paulo para conversar com três candidatos que foram expulsos pelo OF, questionou sobre o cumprimento do horário e regulamento que ele tinha escrito. Não sei o que se deu com estes rapazes, mas eles sempre foram honestos em não aderir à Montfort, mesmo morando na casa, e sempre questionaram ao Pe Renato o porquê dele não fazer nada para mudar a situação. As respostas mais comuns eram: “Meu filho, são eles que pagam nossas contas!”, ou em um de seus chiliques ordinários quando ficava revoltado por algum motivo com a Montfort: “Essa gente não sabe quanto custa um padre. Estou aqui fazendo um favor! Qualquer outro padre iria pedir salário, plano de saúde, carro…”.

A grande confusão começou quando o Pe Perrel viria para o Brasil: nervos a flor da pele, reuniões e cochichos para todos os lados, ataques e chiliques. Quando o Pe Perrel chegou, Pe Renato não era mais um dos habitantes da casa, pois tinha se transferido para o Colégio São Mauro, junto com o seu protegido.


O desfecho da história os senhores já conhecem, exceto o que aconteceu com alguns candidatos: os que tem maior aptidão (submissão à Montfort e aptidão intelectual) foram encaminhados para o seminário do IBP ou dos Oratorianos na Holanda (com a colaboração de um padre oratoriano que já foi monge no Mosteiro da Santa Cruz, em Nova Friburgo-RJ), e aqueles que não tem tanta aptidão, ficaram nos oratorianos de São Paulo (sob “tutela” deste mesmo padre, que aliás permite ao prof. dr OF lecionar aos seus vocacionados), ou ficaram perdidos, sem saber se tinham ou não vocação, e há um caso de ex-seminarista que não foi readmitido no seu antigo seminário.


Desculpem-me por ter feito este comentário tão longo, e principalmente por tê-lo tornado em um desabafo, mas a verdade precisava ser dita, e o Pe Renato não é uma vítima inocente que “se deu conta da encrenca na qual havia se metido”. Desde o princípio ele soube e foi conivente com o verdadeiro objetivo da associação IBP-Montfort, associação esta que ainda hoje está em vigor, pois há alunos do OF no IBP, e a Montfort contribui financeiramente com o IBP (só em 2006 na ereção doaram 30mil euros, além de pagarem a hospedagem de cinco seminaristas brasileiros), mas a matemágica financeira da Montfort e de suas outras associações não é assunto deste comentário.

Não queria torná-lo demasiado pessoal, mas esta revolta e desequilíbrio são alguns dos efeitos que a Montfort causa naqueles que fazem parte ou já estiveram, de alguma forma, envolvidos com eles.

Ao Pe Renato, para sua questão “quanto custa um padre”, tenho a resposta: para os homens não sei, mas para Deus custa muitas almas.
Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

horsemansp@—–.com

Comentário 1752 Anônimo em  20/01/2010 at 2:38

Enfim os Olhos se Abriram.


Em Honra de Dom Marcel

François Lefebvre

click e Leia Mais


MINHA JORNADA DE SAÍDA DO CISMA DE LEFEBVRE.

Por Pete Vere


Sábios Conselhos Sobre a Montfort.

Visão cristã.

Site Montfort…

Não é tão católico quanto gostaria de ser!

Caros Visitantes, várias pessoas têm perguntado sobre as idéias e opiniões do site Montfort. Trata-se de um site católico, de pessoas que, penso, sejam sinceras.

No entanto, as idéias expressas nesse site não são expressão do sentir da Igreja. Há nele alguns graves problemas teológicos, que podem levar a uma deturpação da fé católica e chegar mesmo a uma ruptura com a Igreja.

Eis alguns pontos, entre outros:

1. Uma triste confusão entre Tradição e tradicionalismo, que termina por motivar um apego a formas e expressões do catolicismo que não são normativas nem obrigatórias nos dias atuais.

2. Alguns documentos do Magistério da Igreja são lidos de modo fundamentalista, fora do contexto histórico que lhes deram origem. O resultado é uma teologia torta, fechada e que em muito pouco exprime a genuína fé católica.

3. Há uma clara tendência de desvalorizar e menosprezar o Concílio Vaticano II. Isto é absolutamente inadmissível! O Concílio tem tanta autoridade quanto os concílios anteriores. Não se pode responder aos exageros “progressistas” da interpretação conciliar com os exageros “tradicionalistas” e integristas! Não se deve ser mais papista que o Papa! Um bom católico estará sempre em sincera comunhão com o Papa – e os papas Beato João XXIII, Servo de Deus Paulo VI, Servo de Deus João Paulo I, Servo de Deus João Paulo II Magno e Bento XVI sempre defenderam o Vaticano II na sua integridade e procuram coibir os excessos que possam existir na interpretação do Concílio. Combater o Vaticano II é colocar-se em choque com o Magistério papal e com o Colégio Episcopal, que são assistidos pelo Espírito Santo. Eis aqui um perigoso caminho que peca por presunção de ter mais discernimento que os legítimos pastores da Igreja, a quem o prometeu sua assistência! Toda vez que isso aconteceu, terminou-se numa triste heresia e em doloroso cisma…

4. Há um endeusamento da Missa de São Pio V que é errado, fora de contexto e trai a grande tradição litúrgica da Igreja. A Igreja tem, teve e terá sempre o direito e o dever de modificar seus ritos, de acordo com as circunstâncias e o discernimento da legítima autoridade apostólica, desde que não fira a essência mesma da estrutura sacramental. Nunca passou pela cabeça do Papa São Pio V que o missal por ele aprovado fosse eterno, perpétuo e irretocável! Isso é totalmente descabido e contrário à grande Tradição da Igreja! Nem os ritos primitivos, praticados pelos Apóstolos, tiveram essa pretensão de irretocabilidade! Essa idéia vem deu ma leitura que peca gravemente no seu método hermenêutico… Aqui acontece o que acontece com os protestantes fundamentalistas quando lêem a Bíblia! É verdade que tem havido graves distorções na liturgia no Brasil e no mundo, mas não se corrige tais problemas com soluções erradas e artificiais. Notem os meus leitores que o Papa Bento XVI é um amigo da Missa de São Pio V, mas não cai nos exageros dos tradicionalistas nem em desautoriza em nada o Concílio Vaticano II e o Missal de Paulo VI, tão legítimo quanto o trindentino.

Não duvido da boa fé desse irmãos do site Montfort e admiro seu desejo de transmitir a fé católica, mas lamento muito que confundam a fé da Igreja com uma determinada mentalidade, estreitando o frescor do Evangelho e desconhecendo que a Igreja é o Povo de Deus reunido como Corpo de Cristo e feito Templo do Espírito Santo peregrinando na história “entre as perseguições do mundo e as consolações de Deus” até a Pátria eterna. Não se pode confundir a sensibilidade da Igreja em determinada época com a sensibilidade que deve perdurar para sempre…

Sugiro, portanto, aos meus caros Visitantes, muita prudência ao visitar o referido site, sabendo que estão entrando em contato com opiniões de um grupo que não está em plena sintonia com o sentimento da Igreja e de seus pastores, correndo, assim, o risco de afastarem-se da plena comunhão com a Igreja… O que ali houver de bom, aproveitem; o que tiver gosto de um tradicionalismo que se afasta do sentir do Papa e do Colégio Episcopal, evitem e não sigam…

Escrito por Pe. Henrique às 19/04/2007 – 21h51

http://costa_hs.blog.uol.com.br/arch2007-04-15_2007-04-21.html

Ps. Estes conselhos resultaram em Criticas da Montfort, que resultaram em mais conselhos para nós.

Visão cristã

Apareceu no site Montfort uma forte reação ao que escrevi sobre o referido site e a respeito da Missa de São Pio V como ele apresenta e defende (procure aqui o meu texto)… Não o transcreverei aqui e não indicarei o local do artigo, pois penso, sinceramente, que não vale a pena. Somente, a quem interessar possa, digo quanto segue, como sacerdote católico que deseja estar em plena, sincera e filial comunhão com a Igreja e seus legítimos pastores:

1. Reitero tudo quanto afirmei. O site Montfort desautoriza o Papa Paulo VI e seus sucessores e, assim, põe-se em rota de colisão com a Igreja. A fidelidade à Igreja católica não é a uma Igreja idealizada, mas à Igreja de hoje, com seus pastores e seus desafios!

2. Apesar de desejar ser sinceramente católico, esse site tem feito mal a muita gente que, sem critérios suficientes, termina caindo numa visão estreita do que é o cristianismo, a Igreja e a liturgia católica, com a boa fé e o triste engano de ser fiel à Tradição. A Tradição aí é confundida com imobilismo e rigidez… É esta miopia no modo de compreendê-la que chamo de tradicionalismo. O cristianismo é tradicional, não tradicionalista ou reacionário!

3. De modo gravíssimo, o pessoal do site Montfort desautoriza e tenta esvaziar o Concílio Vaticano II. É o mesmo erro dos que tentam esvaziar o Concílio de Trento e o Concílio Vaticano I. Todo católico deve ter o Vaticano II em tanta estima e considerção quanto qualquer outro concílio ecumênico. Com os mesmos argumentos tortos do pessoal do Montfort, há aqueles que desejam reduzir os concílios pós 1054 a concílios gerais do Ocidente. Exagero vai, exagero vem – e quem periclita é a fé católica e a unidade da Igreja!

4. O site Montfort adota uma visão meio paranóica, vendo conspiração maçônica e modernista em toda parte! O modernismo foi um erro combatido a seu tempo. Ainda hoje influencia certa teologia. Mas, não tem o menor sentido viver numa cruzada paranoicamente anti-modernista! Acusam de modernismo grandes teólogos do século XX, como Henri de Lubac e Yves Congar e denigrem a memória do grande teólogo Hans Urs von Balthasar! Todos esses teólogos eminentes e santos, apesar de serem somente padres, foram feitos cardeais por João Paulo II Magno e são queridíssimos de Bento XVI. Quanto a de Lubac, Ratzinger o considera um de seus mestres! Será que João Paulo II e Bento XVI são hereges modernistas? Ou será que são ignorantes tolos, que nem percebem o perigo desses teólogos? O site Montfort e outros sites tradicionalistas alardeam fidelidade ao Papa e depois minam-lhe a autoridade; citam o que interessa dos livros de Ratzinger, mas ignoram solenemente que o mestre teológico de Ratzinger é de Lubac! O Papa, para eles, serve somente no que lhes convém! É o mesmo raciocínio do pessoal da Teologia da Libertação! Os extremos se tocam…

5. O articulista do site Montfort foi injusto e desleal para comigo ao afirmar que defendo a ressurreição imediatamente após a morte. Não é verdade! Sempre critiquei duramente tal impostação! A ressurreição é um processo que se inicia logo após a morte, com a glorificação da alma, e terá sua consumação com a ressurreição corporal, no final dos tempos. É isso que ensino; é isso que a Igreja crê e a Congregação para a Doutrina da Fé reafirmou há alguns anos. E só isso. Não se deveria impugnar um sacerdote por ” eu ouvi dizer que” e por suposições infndadas… Seria bom fazer um exame de consciência! No entanto, sei que o meu modo de fazer teologia não agradaria ao pessoal do Montfort. Sou de outra escola e sou plenamente católico, sem restrições a papas ou concílios. Até me criticam por chamar de “Magno” a João Paulo II, afirmando que a Igreja não lhe deu esse título. A verdade, é que não aceitam realmente o Papa João Paulo…  Quanto ao título “magno”, não é a Igreja quem o dá, mas a própria história pela boca das gerações. “Magno” não é título religioso! Por isso, Alexandre Magno, Pompeu Magno, Constantino Magno, Carlos Magno… Posso chamar João Paulo II de Magno (Grande), sim! Posso e devo, porque ele o foi: homem da Tradição, consciente do presente e aberto ao futuro! Nunca foi um tradicionalista enferrujado, peneumatômaco (= assassino do Espírito)! Assim, “Magno”, o chamou o Cardeal Sodano na homilia da Missa do dia seguinte à sua piedosa morte (“João Paulo, o Grande”); assim o chamou Bento XVI na sua primeira palavra após a eleição: “Depois do Grande Papa João Paulo II”; assim muitos o chamam na Europa… Estou bem acompanhado, portanto!

Escrito por Pe. Henrique 23/06/2007 – às 13h07

O site Montfort: doce veneno – II

6. Quanto à discussão sobre o poligenismo ou monogenismo, é questão absolutamente aberta (não adianta citar erroneamente a Humani Generis de Pio XII, que não se pronunciou de modo infalível). Qualquer teólogo católico dirá isso. Nenhum católico é obrigado a pensar que a humanidade veio de um só casal. Eu defendo claramente o poligenismo, mas respeito quem pensa diversamente, pois não é assunto fechado. O problema do pessoal do Montfort é que também não aceita outra leitura da Escritura a não ser a que despreza o estudo dos gêneros literários (recomendado vivamente deste o tempo de Pio XII!)… É triste quando a fé tem que enterrar a cabeça para não ver a realidade e já não leva a sério as descobertas sérias da ciência! Que ironia: o pessoal do Montfort, que tem tanta raiva dos protestantes, nisso, é igualzinho aos protestantes fundamentalistas pentecostais dos EUA, que desejam proibir que se ensine a evolução nas escolas!

7. O problema do pessoal do Montfort é muita vontade de conhecer a teologia católica, mas sem os pressupostos teológicos necessários. Por falta de uma  criteriologia no que diz respeito aos instrumentos hermenêuticos da ciência teológica, cai-se, então num fundamentalismo de dar pena – e me dá mesmo, sinceramente, porque esse pessoal, com seu zelo, poderia fazer um bem imenso à Igreja. Por outro lado, é doença intelectual mesmo dizer “odeio tudo que é moderno”. E é contraditório, pois se escreve isso com o teclado de um moderno computador, usando a internet, o meio mais moderno de comunicação! Pensem na esquizofrenia!

8. Não pretendo polemizar, mas repito: cuidado com o site Montfort, pois está se afastando do sentir com a Igreja… É o caminho que leva à heresia e ao cisma. É bom evitá-lo! Queira Deus que os jovens não se deixem levar por essas idéias obsessivas… É uma pena, porque a absolutização da própria Missa de São Pio V (em si, bela e legítima, mas chamada erroneamante de “Missa de Sempre” devido a um endeusamento, uma absolutização imprópria da liturgia de uma época determinada) terminará por fazer com que muitos Bispos neguem a permissão para celebrá-la, já que começa a se tornar uma bandeira do tradicionalismo (no sentido negativo mesmo) e do integrismo! Eu mesmo, que nada tenho contra esse belo rito, jamais o celebraria por quem me pedisse com essa mentalidade integrista; penso que nenhum Bispo de responsabilidade e senso eclesial fá-lo-ia!

Que pena! Repito: cuidado com o site Montfort: está fazendo mal; parece doce católico, mas é veneno! Descobri que aquele articulista lá não é tão sincero e honesto intelctualmente como eu pensava. Na verdade, é um bom sofista que adora arengar feito galo de briga, vendo heresia e perigo por todo lado! E só!

Escrito por Pe. Henrique às 23/06/2007 – 13h06

Parabens Professor Orlando Fedeli.

Os Bons e Maus Frutos da Montfort ?

Recebi um exelente comentário narrando o testemunho pessoal de um professor no rio de Janeiro a respeito das verdades que ele conheceu em compania do Professor Orlando Fedeli, eu prefiro não dar a minha opinião sobre o assunto, já que aquele que participou de dentro da Montfort pode testemunhar fatos que eu não participei pessoalmente, portanto este texto abaixo é de  total responsabilidade de seu autor que assina abaixo do texto.

Visita ao Papa João Paulo II

Visita ao Papa João Paulo II

Comentário Enviado em 24/04/2008 _às_ 8:00

É uma lástima ver que muitos caem nas garras fedelianas.

Estive junto a este grupo por 5 anos, mas sempre com lucidez, nunca me resvalando em damasia para este conciliábulo, pois, desde o início vi certos cacoetes peculiares ao grupo e por isso tinha minhas reticências.

Porém, sempre pensei que poderia salvar as coisas boas aí ensinadas, reter o que é natural e perfectivo para a inteligência humana, pois muitos dos componentes deste conciliábulo possuem boa formação e erudição.

Engano meu. Com o tempo fui vendo que o bem existente entre eles é apenas o suporte necessário, mínimo, para o mal, e que este, portanto, era a tônica destes senhores.

O que fazem e ensinam junto aos mais íntimos, e eu cheguei a ser um deles, é simplesmente destoante de qualquer ser humano que tenha o mais tênue pundonor.

Papas são achincalhados, como por exemplo São Pio X, reprovado por Fedeli por ter fundado o Sodalitium Pianum, que, segundo Fedeli, era uma sociedade secreta para vigilância dos modernistas. Leão XIII é visto como péssimo papa, devido a interpretação sadia que deu da democracia, na questão francesa. (Parece que Orlando não estudou a fundo Dr. Plínio Corrêa de Oliveira, pois este, no seu livro ‘Elites…’ , explica magistralmente esta questão leonina). Outro papa recorrentes nos deboches fedelianos é Pio XII, que Fedeli afirma ter tido uma freira como amante, a Madre Pascoalina.

Enfim, este senhor, de que si mesmo faz uma alta imagem, pois certa vez me disse que seu e-mail é FEDELIORLAND@…, porque traduz-se por TERRA (land) MAIS FIEL (do latim fidelior), este senhor, patrocinado pelo Sr. Alberto Zucchi, um de seus fiéis, anda pelo Brasil a disseminar suas ideologias próprias, à semelhança de um guru, distorcendo e destoando as inteligências, que de muitos já estão distorcidas devido aos vícios da modernidade, corropendo as vontades, que, em vez de aderirem ao Bem, muitas vezes, aliciadas, aderem às figurações de bens propostas por estes sectários.

Rezemos à Nossa Senhora, Aquela que um dia esmagou a cabeça de Satanás, que esmague no presente todos aqueles que visam, mediante uma gnose barata, um conhecimento infundado, mas tido como libertador, destruir a Verdade, a Bondade e a Beleza das almas.

Prof. Paulo Babosa

Rio de Janeiro, 05 de junho de 2009 – 17:12

Salve Maria!

Paulo Barbosa disse

Junho 5, 2009 às 7:43 pm

Amanhã, sábado, 05 de junho de 2009, Orlando Fedeli estará mais uma vez no Rio, no bairro do Méier, e desta vez o tema de sua aula será caluniar aos que saíram de sua companhia. Como é farta a multidão dos imbecis… Ainda este tipo encontra elementos que o ouve e aplaude, mas por pouco tempo, pois, como os antigos dizem, o tempo é o senhor da história e um dia este contador de estórias ficará só…

Dom Orani deve providenciar aqui no Rio de Janeiro também a retirada deste senhor que mimeticamente, quando surpreendido pelas autoridades eclesiásticas, diz que apenas ensina história, e junto aos seus acrescenta: história da missa, do vaticano, etc etc… Veja a baixeza do baixinho e alopécico senhor…

Paulo Barbosa

Rio de Janeiro, 04 de junho de 2009.

.

VEJA OS FRUTOS DE ORLANDO FEDELI

QUEM É PAULO BARBOSA ?

VEJA SUAS PROPRIAS DECLARAÇÕES

COHLIDAS EM UM BLOG SEDEVACANTISTA

DE SANDRO DE PONTES

Declaração Oficial

do ex-coordenador da Montfort, RJ

Prezados amigos, salve Maria.

O blog Parusia publicou declaração do ex coordenador da Montfort no Rio de Janeiro, o senhor Paulo Barbosa. Nela, este nosso irmão fala sobre dois assuntos: a relação com o prefessor Orlando Fedeli e a sua posição sobre a crise na Igreja. Eis o link:

Este Link citado foi retirado do ar:

http://parusiavr.blogspot.com/2009/02/declaracao-oficial-do-ex-coordenador-da.html

Um abraço a todos e rezemos pela unidade fundamentada na verdade de todos aqueles que amam e Igreja e rejeitam o Vaticano II e a missa nova, ou seja, os tradicionalistas e os sedevacantistas. (frutos de Fedeli)

Sandro de Pontes

Declaração Oficial do ex-coordenador da Montfort, RJ

O Sr. Orlando Fedeli, a quem muito estimo, meu compadre, padrinho de meu filho Gustavo Maria Mota Barbosa, a quem devo uma parcela considerável do meu conhecimento, vem a tempo enviando-me e-mails onde, numa atitude que ultrapassa sua estatura de leigo e professor de História erige-se em perscrutador do interior humano indagando qual ou quais proposições de fé fazem parte de minha adesão intelectual. Responderei-lhe sim, mas antes deixarei consignado que sempre o tive como mero professor, profundo em alguns tópicos de história, superficial em outros que não sejam da área histórica, como por exemplo filosofia e teologia, mas que mesmo assim dispunha-se a ensinar. Nunca passou por minha cabeça, durante os cinco anos em que me relacionei tanto com Orlando Fedeli, quanto com outros robustos membros da Associação Cultural Montfort, considerá-lo como superior de minha consciência a ponto de ter que lhe dar satisfação de minhas disposições interiores, em qualquer área que seja, mormente na de Fé. Diz o adágio: internis nec Ecclesia se nec Ecclesia. Quanto mais Orlando Fedeli. Porém fazendo uso de minha liberdade de arbítrio, sem coação de quem quer que seja, mas espontaneamente, faço a seguinte declaração:Declaro publicamente a todos que adiro firmemente ao Magistério universal da Igreja Católica, a Fé universal comum a clérigos e leigos, transcendente a todos os tempos e cabeças humanas. Pelo que não sigo o “critério próprio livre” do Concílio Vaticano II e de seus papas e bispos da “nova igreja católica” conciliar, mas sim a vacância da Sé Apostólica de São Pedro.

Paulo Barbosa (assinatura)

Ex- coordenador do “Grupo Amigos da Montfort”, do Rio de Janeiro, Brasil

O Prof. Paulo Barbosa é latinista e atualmente reside no Rio de Janeiro. Teve seu nome por muito tempo na página principal da Montfort como professor de Latim.

Meu próprio comentário:

Lamentávelmente postei este comentário que recebi do Professor Paulo Barbosa, primeiramente falando sobre seu afastamento da Montfort, que na verdade seria muito bom, mas evidentemente se tornar um sedevacantista possa ser ainda algo muito pior para ele como Católico, se bem que para nós é bem melhor, porque assume sua condição verdadeira que é não ser um verdadeiro Católico já que não aceita Bento XVI como seu Papa.

Como ele mesmo declarou, uma boa parcela de seus conhecimentos são oriundos dos ensinamentos de Orlando Fedeli, ensinamentos estes que culminaram em sua decisão de se tornar um Sedevacantista, somando-se a varios outros ex. Monfortinos como Sandro de Pontes, Rodrigo Antonio Maria Silva e Felipe Coelho e outros que não conheço.

Como o Sr. Fedeli ensina a divisão e a insubimissão aos verdadeiros pilares da Igreja Católica, acaba levando as pessoas a não crerem em mais nada e a não se submeterem a mais ninguém alem de si mesmas dando um grito de liberdade inclusive de seu próprio guru Orlando Fedeli.

Lamento lhe dizer isto professor Paulo, mas a sua decisão é um efeito dos conhecimentos que o Sr. absorveu do guru Orlando Fedeli, do qual acabou de se divorciar, abandone também os seus ensinamentos e volte para a Igreja verdadeira que é conduzida por Bento XVI, nosso verdadeiro Papa.

Caso contrário só posso lamentar que sua condição atual seja ainda pior que a anterior.

Deus te ama.

Não Existem mais Segredos em Fátima !

O Vaticano entregou dia (26 de junho, 2000) cópias do texto original do “Terceiro Segredo de Fátima” e um documento explicando sua interpretação sobre o que a Virgem Maria teria dito aos três pequenos pastores portugueses em aparições no ano de 1917.

Leia => Sou do céu…

Vim para vos pedir

que estejais aqui.


O Papa João Paulo II conversa com a Irmã Lúcia durante sua visita a Portugal em Maio



Fotocópia da Carta

que contém

O segredo.


Revelação do III Segredo de Fátima Pelo Papa João Paulo II.Todas as informações referentes a este assunto, incluíndo o segredo estão neste power point.


Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo em a mão esquerda; ao cintilar, despedia chamas que parecia iam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro:

O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos n’uma luz imensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as pessoas n’um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”.

Vários outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subiam uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fôra de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio tremulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho;

chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições.

Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, neles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus.

Tuy-3-1-1944 “.

Segundo a Igreja, o texto previu o atentado do papa João Paulo II e a perseguição dos cristãos pelos comunistas. O mistério foi revelado no dia 13 de maio passado, quando o papa João Paulo II visitou Portugal e beatificou dois dos pastores, Francisco e Jacinta

O texto atual do segredo foi escrito em 1944 pela única das crianças que ainda vive: a Irmã Lúcia dos Santos, atualmente com 93 anos.

Por muito tempo, especulava-se que o segredo seria uma visão apocalíptica do fim do mundo. Mas, nas 43 páginas do documento denominado “A Visão de Fátima”, o Vaticano confirma sua legitimidade, referindo-se a eventos que já aconteceram.

“Nenhum grande mistério foi divulgado; nem o futuro foi revelado”, escreveu o cardeal Joseph Ratzinger, em um comentário na interpretação do Vaticano.

“Uma leitura cuidadosa do texto, provavelmente causará desapontamento ou surpresa depois de toda a especulação que provocou”.

O comentário de Ratzinger também sugeriu que o turco que atirou no papa, Mehmet Ali Agca, foi apenas um instrumento no plano de Deus.

O papa, logo após ter sido baleado, disse acreditar que a mão da Virgem Maria desviou a bala, permitindo que ele sobrevivesse.

“João Paulo II leu pela primeira vez o terceiro segredo de Fátima após o atentado”, disse o monsenhor Tarcisio Bertone, assistente de Ratzinger, na entrevista coletiva que sucedeu a apresentação dos detalhes, nesta segunda-feira.

Citando uma das diversas visões dos pequenos pastores, a terrível imagem de um anjo com uma espada brilhante representaria a ameaça do juízo final sobre o mundo.

“Atualmente, a perspectiva de que o mundo poderia ser reduzido a cinzas por um mar de fogo não passa de fantasia: os homens, com suas invenções, têm falsificado o significado da espada flamejante”, escreveu o cardeal em uma aparente referência às armas nucleares.

Segundo Ratzinger, “a importância da liberdade humana é ressaltada: o futuro não é um cenário imutável e a visão de uma criança não é uma previsão infalível do futuro, onde nada pode ser mudado”.

Os dois primeiros segredos foram o final da Primeira e o início da Segunda Guerra Mundial e o ascensão e queda do comunismo na União Soviética.

Perguntado por jornalistas se os segredos de Fátima pertenciam ao passado e não ao futuro, Ratzinger respondeu: “Acho que sim; aqui, estamos lidando com uma história muito específica”.

Ratzinger também afirmou que algumas interpretações populares sobre a Terceira Guerra Mundial foram “equivocadas”.

Em 1981, o atentado contra João Paulo II aconteceu no dia 13 de maio, a data coincide com uma das aparições da Virgem aos pastores em 1917.

O documento inclui uma fotocópia do que foi escrito à mão, em português, pela Irmã Lúcia, um segredo que permaneceu trancado no Vaticano, assim como a interpretação da visão. .

Antes de decidir revelar o mistério no mês passado, uma comissão do Vaticano visitou a Irmã Lúcia, no convento onde ela vive, para saber sua opinião sobre a interpretação do papa e pedir sua autorização para revelá-lo.

“A Irmã Lúcia repetiu sua convicção de que a visão de Fátima se referiu à luta dos ateus comunistas para acabar com o cristianismo e descreveu o terrível sofrimento das vítimas da fé no século XX”, diz o documento.

obs.:

Quando perguntamos se a figura principal da visão era o papa, a Irmã Lúcia respondeu, sem titubear, que sim”.

Em plena Praça de São Pedro, Agca atirou em João Paulo II e o deixou à beira da morte no dia 13 de maio de 1981. Nesse tempo, a Polônia, terra natal do papa, iniciava um processo que terminaria com o colapso do comunismo na Europa Oriental.

Segundo o documento: “a Irmã Lúcia concorda plenamente com o papa, afirmando que foi a mão da Virgem que guiou as balas e fez João Paulo II sobreviver ao atentado”, que aconteceu no dia de um dos aniversários da visão.


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg?w=130&h=120
PRESENTEPRAVOCE http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg

Oração a N. Sra. Fátima


Joana D’arc a virgem guerreira.

Esta sendo rodado mais um filme sobre a vida e morte da Virgem de Orlean’s, são varios projetos para se fazer um filme de época mais fiel em honra daquela que doou sua vida pela libertação do povo Frances.

Veja Gloria e Martírio de Santa Joana d’Arc.

virgem-guerreira.jpg

To The Ron Maxwell Home Page

MUITAS FOTOS DE EPOCA

Cauchon O Bispo Traidor.

bispo-cauchon-08.jpg

Nossa Senhora de Guadalupe.

Nossa Senhora Aparecida.

O segredo que habita em cada um de nós.

Por um Fio.

Dons do Espírito Santo.

Papa Bento XVI fala aos Bispos de todo Mundo.

Carta do Papa sobre remissão da excomunhão aos bispos ordenados por Dom Lefebvre CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 12 de março de 2009 (ZENIT.org).- Publicamos a carta que Bento XVI enviou aos bispos do mundo, em que explica as razões em torno da remissão da excomunhão aos bispos ordenados ilegitimamente em 1988 pelo arcebispo Marcel Lefebvre.

Fonte:ZP09031201 – 12-03-2009
Permalink: http://www.zenit.org/article-21042?l=portuguese

Papa Bento XVI.

Papa Bento XVI.

A carta foi divulgada hoje pela Santa Sé.

CARTA DE SUA SANTIDADE BENTO XVI

AOS BISPOS DA IGREJA CATÓLICA

A PROPÓSITO DA REMISSÃO

DA EXCOMUNHÃO

AOS QUATRO BISPOS CONSAGRADOS

PELO ARCEBISPO LEFEBVRE

Amados Irmãos no ministério episcopal!

A remissão da excomunhão aos quatro Bispos, consagrados no ano de 1988 pelo Arcebispo Lefebvre sem mandato da Santa Sé, por variadas razões suscitou, dentro e fora da Igreja Católica, uma discussão de tal veemência como desde há muito tempo não se tinha experiência. Muitos Bispos sentiram-se perplexos perante um facto que se verificou inesperadamente e era difícil de enquadrar positivamente nas questões e nas tarefas actuais da Igreja. Embora muitos Bispos e fiéis estivessem, em linha de princípio, dispostos a considerar positivamente a decisão do Papa pela reconciliação, contra isso levantava-se a questão acerca da conveniência de semelhante gesto quando comparado com as verdadeiras urgências duma vida de fé no nosso tempo. Ao contrário, alguns grupos acusavam abertamente o Papa de querer voltar atrás, para antes do Concílio: desencadeou-se assim um avalanche de protestos, cujo azedume revelava feridas que remontavam mais além do momento. Por isso senti-me impelido a dirigir-vos, amados Irmãos, uma palavra esclarecedora, que pretende ajudar a compreender as intenções que me guiaram a mim e aos órgãos competentes da Santa Sé ao dar este passo. Espero deste modo contribuir para a paz na Igreja.

Uma contrariedade que eu não podia prever foi o facto de o caso Williamson se ter sobreposto à remissão da excomunhão. O gesto discreto de misericórdia para com quatro Bispos, ordenados válida mas não legitimamente, de improviso apareceu como algo completamente diverso: como um desmentido da reconciliação entre cristãos e judeus e, consequentemente, como a revogação de quanto, nesta matéria, o Concílio tinha deixado claro para o caminho da Igreja. E assim o convite à reconciliação com um grupo eclesial implicado num processo de separação transformou-se no seu contrário: uma aparente inversão de marcha relativamente a todos os passos de reconciliação entre cristãos e judeus feitos a partir do Concílio – passos esses cuja adopção e promoção tinham sido, desde o início, um objectivo do meu trabalho teológico pessoal. O facto de que esta sobreposição de dois processos contrapostos se tenha verificado e que durante algum tempo tenha perturbado a paz entre cristãos e judeus e mesmo a paz no seio da Igreja, posso apenas deplorá-lo profundamente. Disseram-me que o acompanhar com atenção as notícias ao nosso alcance na internet teria permitido chegar tempestivamente ao conhecimento do problema. Fica-me a lição de que, para o futuro, na Santa Sé deveremos prestar mais atenção a esta fonte de notícias. Fiquei triste pelo facto de inclusive católicos, que no fundo poderiam saber melhor como tudo se desenrola, se sentirem no dever de atacar-me e com uma virulência de lança em riste. Por isso mesmo sinto-me ainda mais agradecido aos amigos judeus que ajudaram a eliminar prontamente o equívoco e a restabelecer aquela atmosfera de amizade e confiança que, durante todo o período do meu pontificado – tal como no tempo do Papa João Paulo II –, existiu e, graças a Deus, continua a existir.

Outro erro, que lamento sinceramente, consiste no facto de não terem sido ilustrados de modo suficientemente claro, no momento da publicação, o alcance e os limites do provimento de 21 de Janeiro de 2009. A excomunhão atinge pessoas, não instituições. Uma ordenação episcopal sem o mandato pontifício significa o perigo de um cisma, porque põe em questão a unidade do colégio episcopal com o Papa. Por isso a Igreja tem de reagir com a punição mais severa, a excomunhão, a fim de chamar as pessoas assim punidas ao arrependimento e ao regresso à unidade. Passados vinte anos daquelas ordenações, tal objectivo infelizmente ainda não foi alcançado.

A remissão da excomunhão tem em vista a mesma finalidade que pretende a punição: convidar uma vez mais os quatro Bispos ao regresso. Este gesto tornara-se possível depois que os interessados exprimiram o seu reconhecimento, em linha de princípio, do Papa e da sua potestade de Pastor, embora com reservas em matéria de obediência à sua autoridade doutrinal e à do Concílio. E isto traz-me de volta à distinção entre pessoa e instituição. A remissão da excomunhão era um provimento no âmbito da disciplina eclesiástica: as pessoas ficavam libertas do peso de consciência constituído pela punição eclesiástica mais grave. É preciso distinguir este nível disciplinar do âmbito doutrinal. O facto de a Fraternidade São Pio X não possuir uma posição canónica na Igreja não se baseia, ao fim e ao cabo, em razões disciplinares mas doutrinais. Enquanto a Fraternidade não tiver uma posição canónica na Igreja, também os seus ministros não exercem ministérios legítimos na Igreja. Por conseguinte, é necessário distinguir o nível disciplinar, que diz respeito às pessoas enquanto tais, do nível doutrinal em que estão em questão o ministério e a instituição. Especificando uma vez mais: enquanto as questões relativas à doutrina não forem esclarecidas, a Fraternidade não possui qualquer estado canónico na Igreja, e os seus ministros – embora tenham sido libertos da punição eclesiástica – não exercem de modo legítimo qualquer ministério na Igreja.

À luz desta situação, é minha intenção unir, futuramente, a Comissão Pontifícia «Ecclesia Dei»– instituição competente desde 1988 para as comunidades e pessoas que, saídas da Fraternidade São Pio X ou de idênticas agregações, queiram voltar à plena comunhão com o Papa – à Congregação para a Doutrina da Fé. Deste modo torna-se claro que os problemas, que agora se devem tratar, são de natureza essencialmente doutrinal e dizem respeito sobretudo à aceitação do Concílio Vaticano II e do magistério pós-conciliar dos Papas. Os organismos colegiais pelos quais a Congregação estuda as questões que se lhe apresentam (especialmente a habitual reunião dos Cardeais às quartas-feiras e a Plenária anual ou bienal) garantem o envolvimento dos Prefeitos de várias Congregações romanas e dos representantes do episcopado mundial nas decisões a tomar. Não se pode congelar a autoridade magisterial da Igreja no ano de 1962: isto deve ser bem claro para a Fraternidade. Mas, a alguns daqueles que se destacam como grandes defensores do Concílio, deve também ser lembrado que o Vaticano II traz consigo toda a história doutrinal da Igreja. Quem quiser ser obediente ao Concílio, deve aceitar a fé professada no decurso dos séculos e não pode cortar as raízes de que vive a árvore.

Dito isto, espero, amados Irmãos, que tenham ficado claros tanto o significado positivo como os limites do provimento de 21 de Janeiro de 2009. Mas resta a questão: Tal provimento era necessário? Constituía verdadeiramente uma prioridade? Não há porventura coisas muito mais importantes? Certamente existem coisas mais importantes e mais urgentes. Penso ter evidenciado as prioridades do meu Pontificado nos discursos que pronunciei nos seus primórdios. Aquilo que disse então permanece inalteradamente a minha linha orientadora. A primeira prioridade para o Sucessor de Pedro foi fixada pelo Senhor, no Cenáculo, de maneira inequivocável: «Tu (…) confirma os teus irmãos» (Lc 22, 32). O próprio Pedro formulou, de um modo novo, esta prioridade na sua primeira Carta: «Estai sempre prontos a responder (…) a todo aquele que vos perguntar a razão da esperança que está em vós» (1 Ped 3, 15). No nosso tempo em que a fé, em vastas zonas da terra, corre o perigo de apagar-se como uma chama que já não recebe alimento, a prioridade que está acima de todas é tornar Deus presente neste mundo e abrir aos homens o acesso a Deus. Não a um deus qualquer, mas àquele Deus que falou no Sinai; àquele Deus cujo rosto reconhecemos no amor levado até ao extremo (cf. Jo13, 1) em Jesus Cristo crucificado e ressuscitado. O verdadeiro problema neste momento da nossa história é que Deus possa desaparecer do horizonte dos homens e que, com o apagar-se da luz vinda de Deus, a humanidade seja surpreendida pela falta de orientação, cujos efeitos destrutivos se manifestam cada vez mais.

Conduzir os homens para Deus, para o Deus que fala na Bíblia: tal é a prioridade suprema e fundamental da Igreja e do Sucessor de Pedro neste tempo. Segue-se daqui, como consequência lógica, que devemos ter a peito a unidade dos crentes. De facto, a sua desunião, a sua contraposição interna põe em dúvida a credibilidade do seu falar de Deus. Por isso, o esforço em prol do testemunho comum de fé dos cristãos – em prol do ecumenismo – está incluído na prioridade suprema. A isto vem juntar-se a necessidade de que todos aqueles que crêem em Deus procurem juntos a paz, tentem aproximar-se uns dos outros a fim de caminharem juntos – embora na diversidade das suas imagens de Deus – para a fonte da Luz: é isto o diálogo inter-religioso. Quem anuncia Deus como Amor levado «até ao extremo» deve dar testemunho do amor: dedicar-se com amor aos doentes, afastar o ódio e a inimizade, tal é a dimensão social da fé cristã, de que falei na Encíclica Deus caritas est.

Em conclusão, se o árduo empenho em prol da fé, da esperança e do amor no mundo constitui neste momento (e, de formas diversas, sempre) a verdadeira prioridade para a Igreja, então fazem parte dele também as pequenas e médias reconciliações. O facto que o gesto submisso duma mão estendida tenha dado origem a um grande rumor, transformando-se precisamente assim no contrário duma reconciliação é um dado que devemos registar. Mas eu pergunto agora: Verdadeiramente era e é errado ir, mesmo neste caso, ao encontro do irmão que «tem alguma coisa contra ti» (cf. Mt 5, 23s) e procurar a reconciliação? Não deve porventura a própria sociedade civil tentar prevenir as radicalizações e reintegrar os seus eventuais aderentes – na medida do possível – nas grandes forças que plasmam a vida social, para evitar a segregação deles com todas as suas consequências? Poderá ser totalmente errado o facto de se empenhar na dissolução de endurecimentos e de restrições, de modo a dar espaço a quanto nisso haja de positivo e de recuperável para o conjunto? Eu mesmo constatei, nos anos posteriores a 1988, como, graças ao seu regresso, se modificara o clima interno de comunidades antes separadas de Roma; como o regresso na grande e ampla Igreja comum fizera de tal modo superar posições unilaterais e abrandar inflexibilidades que depois resultaram forças positivas para o conjunto. Poderá deixar-nos totalmente indiferentes uma comunidade onde se encontram 491 sacerdotes, 215 seminaristas, 6 seminários, 88 escolas, 2 institutos universitários, 117 irmãos, 164 irmãs e milhares de fiéis? Verdadeiramente devemos com toda a tranquilidade deixá-los andar à deriva longe da Igreja? Penso, por exemplo, nos 491 sacerdotes: não podemos conhecer toda a trama das suas motivações; mas penso que não se teriam decidido pelo sacerdócio, se, a par de diversos elementos vesgos e combalidos, não tivesse havido o amor por Cristo e a vontade de anunciá-Lo e, com Ele, o Deus vivo. Poderemos nós simplesmente excluí-los, enquanto representantes de um grupo marginal radical, da busca da reconciliação e da unidade? E depois que será deles?

É certo que, desde há muito tempo e novamente nesta ocasião concreta, ouvimos da boca de representantes daquela comunidade muitas coisas dissonantes: sobranceria e presunção, fixação em pontos unilaterais, etc. Em abono da verdade, devo acrescentar que também recebi uma série de comoventes testemunhos de gratidão, nos quais se vislumbrava uma abertura dos corações. Mas não deveria a grande Igreja permitir-se também de ser generosa, ciente da concepção ampla e fecunda que possui, ciente da promessa que lhe foi feita? Não deveremos nós, como bons educadores, ser capazes também de não reparar em diversas coisas não boas e diligenciar por arrastar para fora de mesquinhices? E não deveremos porventura admitir que, em ambientes da Igreja, também surgiu qualquer dissonância? Às vezes fica-se com a impressão de que a nossa sociedade tenha necessidade pelo menos de um grupo ao qual não conceda qualquer tolerância, contra o qual seja possível tranquilamente arremeter-se com aversão. E se alguém ousa aproximar-se do mesmo – do Papa, neste caso – perde também o direito à tolerância e pode de igual modo ser tratado com aversão sem temor nem decência.

Amados Irmãos, nos dias em que me veio à mente escrever-vos esta carta, deu-se o caso de, noSeminário Romano, ter de interpretar e comentar o texto de Gal 5, 13-15. Notei com surpresa o carácter imediato com que estas frases nos falam do momento actual: «Não abuseis da liberdade como pretexto para viverdes segundo a carne; mas, pela caridade, colocai-vos ao serviço uns dos outros, porque toda a lei se resume nesta palavra: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais mutuamente, tomai cuidado em não vos destruirdes uns aos outros». Sempre tive a propensão de considerar esta frase como um daqueles exageros retóricos que às vezes se encontram em São Paulo. E, sob certos aspectos, pode ser assim. Mas, infelizmente, este «morder e devorar» existe também hoje na Igreja como expressão duma liberdade mal interpretada. Porventura será motivo de surpresa saber que nós também não somos melhores do que os Gálatas? Que pelo menos estamos ameaçados pelas mesmas tentações? Que temos de aprender sempre de novo o recto uso da liberdade? E que devemos aprender sem cessar a prioridade suprema: o amor? No dia em que falei disto noSeminário Maior, celebrava-se em Roma a festa de Nossa Senhora da Confiança. De facto, Maria ensina-nos a confiança. Conduz-nos ao Filho, de Quem todos nós podemos fiar-nos. Ele guiar-nos-á, mesmo em tempos turbulentos. Deste modo quero agradecer de coração aos numerosos Bispos que, neste período, me deram comoventes provas de confiança e afecto, e sobretudo me asseguraram a sua oração. Este agradecimento vale também para todos os fiéis que, neste tempo, testemunharam a sua inalterável fidelidade para com o Sucessor de São Pedro. O Senhor nos proteja a todos nós e nos conduza pelo caminho da paz. Tais são os votos que espontaneamente me brotam do coração neste início da Quaresma, tempo litúrgico particularmente favorável à purificação interior, que nos convida a todos a olhar com renovada esperança para a meta luminosa da Páscoa.

Com uma especial Bênção Apostólica, me confirmo

Vosso no Senhor

BENEDICTUS PP. XVI

Vaticano, 10 de Março de 2009.

Em Honra de Dom Marcel-François Lefebvre.

“Será bom começarmos a rezar a D. Marcel Lefebvre… eu já pensei nisso várias vezes. O que pensa disso ?”

Texto retirado do comentário de um Blog Ultra-Tradicionalista em Honra e Defesa a Dom Marcel Lefbvre.

O Curriculum Vitae divulgado estava Incompleto, omitindo duas datas (*) importantíssimas em sua História de Grande e fervoroso Católico Apostólico Romano, as guais eu faço questão de completá-las aqui, aliás, um dos poucos que recebeu merecidamente um motu proprio “Ecclesia Dei”, a excomunhão latae sententiae.

———< Texto Copiado

OREMUS PRO OMNIBUS FIDELIS DEFUNCTIS

Pax ánimam ejus, Dómine

Felizes os mortos que doravante morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, descansem dos seus trabalhos, pois as suas obras os seguem“. (Ap 14,13)

Dom Marcel-François Lefebvre, bispo emérito de Tulle, França

Nascido aos 29 de novembro de 1905

Ordenado sacerdote aos 21 de setembro de 1929

Ingresso na Congregação do Espírito Santo em 1931

Indicado por S. S. o Papa Pio XII como Delegado Apostólico de toda a África francófona em 12 de junho de 1947

Ordenado bispo em 18 de setembro de 1947 pelo arcebispo de Lille, Cardeal Liènart (o mesmo Liènart defensor do colegiado)

Indicado por S. S. o Papa Pio XII como Bispo de Tulle, França

Superior Geral da Congregação do Espírito Santo em 1962

Fundador da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, reconhecida canonicamente em 10 de novembro de 1971

(*) 30/6/1988

Em Ecône. Lefebvre ordena efectivamente

quatro bispos dentre os padres da Fraternidade.

(*) 2 de julho de 1988

O Santo Papa João Paulo II também confirmou

A excomunhão de Lefebvre por cisma.

Morto em 25 de março de 1991, festa da Anunciação

+ Ut omnibus fidelibus defunctis, requiem æternam donare digneris, te rogamus, audi nos.

+ Que nos digneis conceder o eterno descanso a todos os fiéis defuntos, nós vos rogamos: ouvi-nos.

Comentários de um seguidor de Lefebvre

no blog acima…

Salve Maria

Será bom começarmos a rezar a D. Marcel Lefevre… eu já pensei nisso várias vezes. O que pensa disso ?

In corde Jesu, Semper.

“EU PENSO O SEGUINTE MEU AMIGO”

“””…Um Breve comentário meu, sobre o comentário que encontrei no outro Blog, nem vou identificá-lo, porque creio ser um erro de digitação do nosso amigo, caso não seja e realmente tenha sido a sua intenção de escrever o que está escrito acima, fica valendo então o comentário a seguir:

Em um comentário meu num certo Blog tradicionalista, no qual me referia sobre a beatificação de João Paulo II, você nem imagina a bronca que levei por ter citado subjetivamente o nome de nosso amado e falecido Papa João Paulo II como um quase declarado Santo.    Claro que percebi que nossos amigos radicais preferem eleger Lefebvre um “Santo” de que sequer admitir que João paulo II ou Bento XVI seriam um bom homem.

Percebe-se no texto acima que nosso colega disse claramente que “deveriam começar a rerzar A …” “A” ? ou “Por” ? – creio que este texto dá a entender que o Homem já é considerado um “Santo” sem nem ao menos ter sido beatificado por Roma, e pelo que eu saiba não consta que tenha feito algum Milagre, já João Paulo II existem milhares de cartas testemunhando milagres realizados graças à interceção Dele, casos comprovados cientificamente já são o suficiente para torná-lo Santo hoje mesmo.    Pena que o Papa Bento XVI declarou que hoje a regra deverá ser de no minimo 5 anos, mesmo que seja o maior Santo do Mundo ou que Ele mesmo concorde com tal santificação. “espero que nossos colegas corrijam o erro de digitação enquanto é tempo, antes que outros copiem e comecem a executar o que está escrito, e depois dirão que estou perseguindo-os sem motivo.”…”””

MAS O MELHOR MESMO A FAZER, É SEMPRE SEGUIR

O EXEMPLO DE NOSSO BOM SANTO PADRE.

>——–>final do texto

Encontrei este outro texto transcrito abaixo

neste blog > Linck Abaixo

Marcel Lefebvre e Padre Pio.

pdre_pio_dom_lefebvre

Caríssimos leitores, estou iniciando neste “negócio” de blog, com um artigo interessante da FSSPX-EUA sobre dois grandes santos, um canonizado por ser santo e o outro “excomungado” por ser também santo.
É claro, que na visão conciliar, este último foi desobediente, e tinha mais que “sofrer as demoras de Deus’ (não lembro qual a passagem bíblica, só de memória) que foram, na verdade, as demoras de Roma.
O artigo trata de um livro que fora publicado na Itália e logo em seguida, nos EUA.
A respeito do livro, é uma mentira cabeluda sobre uma profecia e uma advertência atribuída a Padre Pio ao então Arcebispo de Dacar da época, Marcel Lefebvre. > texto copiado

A foto acima mostra um encontro entre o Santo Padre Pio e o então Arcebisbo Marcel Lefebvre, que na epoca ainda não tinha iniciado sua saga contra Roma.  Pedia-lhe uma benção, antes de efetuar a reunião que acabou gerando o famoso Cisma.   Este texto tem a finalidade de desmentir uma das versões desta conversa que vemos “na Foto” não foi assim tão particular e  houve várias testemunhas.    Não vou trancrever as acusações e nem a defesa a Dom Lefebvre, só gostaria de salientar que os atuais seguidores da FSSPX já o consideram Santo, titulo esse que o Vaticano, pelo menos por enquanto, nem sonha em realizar, por se tratar de um Homem que morreu na desobediência e excomungado pela Igreja.

Os males causados pelo Cisma criado por Dom Lefebvre na França são tão paupáveis quanto visíveis, tanto é que os proprios ex. seguidores de Lefebvre, hoje já reconhecem que a Igreja na França está Letárgica e não consegue crescer e nem atingir o coração dos filhos de Deus. Se Lefebvre estivesse correto, a França hoje deveria ser um verdadeiro Celeiro para o Mundo, já que, Tradição e homens Santos nunca faltou em seu Curriculum.

Mas o que acontece hoje é o contrário, nós “aqui do novo mundo”, que recebemos a evangelização européia já depois da existência do Cisma de Lutero, crescemos e nos desenvolvemos na Graça do Senhor Jesus, e mesmo sem tradição e Santos reconhecidos pela Igreja de Roma, nossa fé cresceu e mesmo convivendo lado a lado com os evangélicos já não perdemos mais espaço e é visível o crescimento na frequencia dos católicos na Igreja, deixando de ser apenas um número estatístico, passando a ser um católico de verdade.

Já o concílio Vaticano II, que é acusado de causar o desastre da teologia da Libertação na América Latina e outras coisas semelhantes, deu abertura também ao nascimento de diversos movimentos, que hoje são a vida da Igreja, e estão presentes em tudo na Igreja, a ponto de podermos dizer que ambos formam um casamento perfeito e serão inseparáveis para sempre.

Os Conselhos e ensinamentos deste pretendente a possível candidato a ser um presuposto Santo, jamais fizeram falta ao nosso continente, isto tanto se faz verdade, quanto se pode contar a quantidade de pessoas que frequentam assiduamente as missas no Brasil, em Igrejinhas precárias e mal construídas, enquanto que, catedrais imensas, lindas e maravilhosas estão vazias na Europa moderna e principalmente em França.   Quanto a este ponto, Jesus já havia censurado seus seguidores quando começaram a elogiar as riquezas e beleza do templo em Jerusalém.    Jesus não quer templos maravilhosos, pois Ele prefere o coração Humano que é o local de sua moradia como nos afirma São Paulo “Não Sabeis que Vosso Coração é o templo onde habita o Espírito Santo?”.

O texto do conselho de São Pe. Pio a Dom Marcel Lefebvre, que dizem ser mentira, seria o melhor caminho a ser seguido, mas se não foi, logo realmente foi apenas ficção de uma testemunha da história que não aconteceu por desobediência ao próprio Jesus e não apenas ao Papa.

Vou Trancrevê-lo Abaixo como esta no blog “defensor”, por não se tratar de uma novidade, mas um texto que foi publicado na época em que o problema se agravou logo após o Concílio Vatica II.

“MENTIRA ou VERDADE ?

“Disponível nos estados unidos está um livro intitulado Padre Pio Gleanings por Pascal Catanco, que foi traduzido para o inglês. Em uma das páginas 58 e 59 lê a seguinte passagem:Entre as muitas, muitas pessoas que vinham ver Padre Pio era o Arcebispo Lefebvre que, aderindo-se mais tarde teimosamente à tradição católica, como a chamou, questionou a autoridade do Vaticano II e foi removido do Ofício pelo Papa Paulo VI.   O arcebispo teve uma reunião com Padre Pio na presença do Professor Bruno Rabajotti. Esta testemunha relatou que em um momento particular Padre Pio observou Lefebvre muito severamente e disse-lhe:“Nunca cause discórdia entre seus irmãos e pratique sempre a regra da obediência; sobretudo quando lhe parecer que os erros daqueles na autoridade são mais sérios. Não há outro caminho do que aquela da obediência, especialmente PARA AQUELES NOSSOS QUE FIZERAM ESTE VOTO”.

Padre Pio poderia dar este conselho porque tinha tido que obedecer algumas ordens ao invés de se questionar. Sua atitude era pôr nas mãos de Deus porque encontraria uma maneira para a verdade triunfar. Parece que o Arcebispo Lefebvre não viu as coisas com tranqüilidade da mesma maneira e já respondendo a Padre Pio com: ‘Eu me lembrarei disso, Padre.’ Padre Pio olhou-o intensamente e, vendo o que aconteceria logo, disse: ‘ Não.! Você esquecerá! Você romperá a comunidade dos fiéis, opondo a vontade de seus superiores e mesmo de encontro às ordens do próprio papa e isto acontecerá logo em breve. Você esquecerá da promessa que fez aqui hoje, e a igreja inteira será ferida por você. Não se assente acima como um juiz. Não faça exame dos poderes que não lhe pertencem e não se considere como a voz do Povo de Deus, enquanto Deus já lhes fala. Não semeie a discórdia e a desavença. Entretanto, eu sei que isto é o que você fará!”

Infelizmente, a verdade da profecia de Padre Pio é óbvia a todos.

“MENTIRA ou VERDADE ?

NA DÚVIDA ESCOLHA O CAMINHO MAIS SEGURO DA IGREJA, E NÃO TENHA MEDO DE PARTICIPAR DE UM BOM MOVIMENTO ACEITO E APROVADO  POR ROMA, MESMO QUE OS SEGUIDORES DO ULTRA-CONSERVADOR EXCOMUNGADO LHE DIGA QUE É UMA INFILTRAÇÃO PROTESTANTE.

COMO PODE SER INFILTRAÇÃO ALGO QUE OBSERVA UMA PROFECIA E UMA ORDEM DIRETA DE DEUS PAI  ?

“TENHO PORÉM CONTRA VÓS QUE ARREFECESTE O TEU PRIMEIRO AMOR, VOLTA, POIS, Á PRÁTICA DAS PRIMEIRAS OBRAS, SE NÃO VIREI A TI E MOVEREI O TEU CANDELABRO…”

Comentário e um breve histórico sobre Lefebvre.

Texto na verdade copiado da Wilkpédia.

Uma História sem puxar sardinha para a brasa de ninguem.

http://www.glosk.com/SZ/Fribourg/-3514130/pages/Marcel_Lefebvre/1769_pt.htm

Marcel Lefebvre (1905-1991) foi um arcebispo católico francês que se notabilizou pela resistência às reformas da Igreja Católica instauradas pelo Concílio Vaticano II. É a personalidade mais notável do Catolicismo Tradicional e grande iniciador e promotor do movimento tradicionalista católico. É sobretudo conhecido pela fundação da Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X, que se dedica à formação de padres e ao apostolado na forma tradicional.

Índice

  • 1 Primeiros passos de Marcel Lefebvre

  • 2 D. Lefebvre no Concílio Vaticano II

  • 3 A fundação da Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X

  • 4 Lefebvre e a FSSPX de 1970 a 1988

  • 5 A tentativa de acordo entre Roma e a FSSPX

  • 6 As ordenações episcopais de 1988 e a reacção de Roma

  • 7 A morte de Marcel Lefebvre


  • Primeiros passos de Marcel Lefebvre

    Marcel Lefebvre nasceu em 1905 em Tourcoing, na França, filho de pais devotos. Dos sete filhos, dois abraçaram o sacerdócio e três vieram a ser religiosas. Marcel entrou no seminário e concluiu os seus estudos teológicos no Seminário Francês, em Roma.

    Ordenado presbítero em 1929, entrou na congregação dos Padres do Espírito Santo, que se dedicava à vida missionária. Com efeito, em 1932 partiu em missão para África, mais concretamente para o Gabão. Após dois anos em França, foi desta vez para Dakar, em 1947. Nesse ano, havia sido consagrado bispo, na sua terra natal, pelo cardeal Liénart.

    Devido ao seu grande zelo apostólico, foi nomeado Vigário Apostólico e mais tarde arcebispo de Dakar, onde prosseguiu uma intensa obra evangelizadora até 1962. Nessa altura, opôs-se à constituição, em África, duma hierarquia episcopal indígena, que tornaria a Igreja africana autónoma da missionação europeia. Por causa das suas posições, o presidente do Senegal, Senghor, solicitou a Roma que o retirasse, no que foi atendido.

    Regressado a França, foi nomeado bispo da pequena diocese francesa de Tulle, no centro de França. Contudo, permaneceu lá apenas 6 meses, pois em Julho de 1962 foi eleito Superior Geral dos Padres do Espírito Santo.

    • 2 D. Lefebvre no Concílio Vaticano II

    Em 1962, começava o Concílio Vaticano II. D. Lefebvre fora chamado pelo Papa a integrar a comissão preparatória. Começado o Concílio, após um entusiasmo inicial, começou então a notar a tendência assumida pelos padres conciliares. Afligiam-no sobretudo alguns problemas, nomeadamente a liberdade religiosa e o ecumenismo, assim como a colegialidade dos Bispos (que lhe parecia diminuir o papel do Papa). Tudo isto pareceu a Lefebvre uma guinada da Igreja em direcção ao modernismo e ao liberalismo, condenados por Papas anteriores. Convencido de que o Concílio conduzira a Igreja para o erro, Lefebvre não escondeu as suas opiniões, manifestando-se contra o que considerava a “protestantização da Igreja”, antes e depois do Concílio.

    Nos anos seguintes, em repetidos artigos e homilias, falou contra as novidades trazidas pelo Concílio, que na sua opinião punham em causa a tradição da Igreja, e que eram, para ele, a infiltração do espírito modernista na Igreja.

    • 3 A fundação da Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X

    Em 1970, D. Lefebvre decide fundar uma casa destinada à formação de sacerdotes no espírito pré-conciliar. Com autorização do bispo de Friburgo, na Suiça, nasce o seminário de Ecône e a Fraternidade Sacerdotal de S. Pio X (FSSPX), erecta canonicamente a 1/11/1970 pelo bispo de

    4 Lefebvre e a FSSPX de 1970 a 1988

    As ideias transmitidas em Ecône, profundamente adversas ao Concílio Vaticano II, motivaram o envio, por parte de Roma, de visitadores apostólicos ao seminário da FSSPX. Visitas e encontros, porém, de nada valeram, pois Lefebvre continuava a recusar energicamente o Concílio e as suas reformas, e sobretudo a Missa renovada por Paulo VI, que lhe parecia protestante, por, na sua opinião, ter feito desaparecer a ideia do sacrifício.

    Por tudo isto, o Papa proibiu a Lefebvre que ordenasse sacerdotes, ordem a que ele desobedeceu, convicto de que só assim prestava um serviço à verdadeira Igreja Católica, diferente da Igreja conciliar, modernista e liberal.

    Face a isto, Lefebvre foi suspenso “a divinis”, o que significava a proibição de celebrar a liturgia.

    Nos anos seguintes, Ecône continuou a formar sacerdotes, ordenados por Lefebvre contra as ordens de Roma, todos formados num espírito pré-conciliar adverso ao Vaticano II. D. Lefebvre, assim como os seus seguidores, continuaram a divulgar as suas ideias, o que agudizou o conflito e causou perturbação na Igreja.

    Em 1984, é dada autorização para celebrar a Missa Tridentina, sob condições rigorosas, uma das quais era a aceitação da legitimidade do Missal de Paulo VI, o que a FSSPX não queria aceitar de forma alguma.

    • 5 A tentativa de acordo entre Roma e a FSSPX

    Perante um conflito que cada vez mais se agudizava, Roma pretende um acordo que regularize a situação da FSSPX. Após várias conversações, é firmado um acordo, em 5/5/1988, assinado por Lefebvre e pelo Card. Joseph Ratzinger.

    Este acordo previa a regularização canónica da FSSPX, pela sua transformação em Sociedade de Vida Apostólica, e ainda a possibilidade de ordenação dum bispo entre os padres da Fraternidade.

    Inicialmente assinado, porém, o acordo foi no dia seguinte denunciado por D. Lefebvre, pois percebeu que Roma não estava disposta a permitir que ele procedesse a ordenações episcopais na data por si pretendida: o seguinte dia 30 de Junho.

    • 6 As ordenações episcopais de 1988 e a reação de Roma

    Há já bastante tempo que Lefebvre e toda a FSSPX sentiam a necessidade de novos bispos. À data da assinatura do acordo, Lefebvre contava já 82 anos, e os seus seguidores facilmente intuíam as dificuldades que a FSSPX passaria caso deixasse de ter um bispo nas suas fileiras. Por esse motivo, e face às reticências de Roma em permitir as ordenações episcopais, Lefebvre decide ordenar novos bispos para a Fraternidade, e anuncia a realização da cerimónia para 30/6/1988, em Ecône. O Papa João Paulo II pede-lhe expressamente que não  ofaça mas, indiferente a tudo, Lefebvre ordena efetivamente quatro bispos dentre os padres da Fraternidade.

    Foram eles o suíço Bernard Fellay (atual superior da FSSPX), o francês Bernard Tissier de Mallerais, o espanhol Alfonso de Galarreta e o inglês Richard Williamson. Tal ato acarreta, canonicamente, a excomunhão latae sententiae, por constituir um ato em si mesmo cismático.

    Face a uma ação desta gravidade, João Paulo II publica, dois dias depois, o famoso motu proprioEcclesia Dei”, que manifesta a grande aflição da Igreja católica por causa das ordenações episcopais ilegítimas, declara a excomunhão de Lefebvre e dos bispos por ele ordenados e convida os seus seguidores a afastarem-se da Fraternidade.

    lapide-lefebvre

    7 A morte de Marcel Lefebvre

    Com o futuro da Fraternidade assegurado pela constituição de sucessores, D. Marcel Lefebvre morre, aos 85 anos, em Ecône, a 25 de Março de 1991. No seminário que fundou repousam hoje os seus restos mortais, objecto de veneração para os seus seguidores.

    Este artigo foi baseado originalmente num outro da Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Marcel_Lefebvre .
    O conteúdo desta página está sob a GNU Free Documentation License 1.2.

A Tradição Restaurada.

“A Tradição não está mais excomungada !”

Bento XVI é o Grande promotor da Paz.

Bento XVI é o Grande promotor da Paz.

Neste contexto, poder-se-ia sintetizar essa notícia dizendo que a Tradição já não está excomungada?

Dom Bernad Fellay: “Sim, ainda que se necessitará tempo antes de que isso se converta em moeda corrente dentro do mundo católico. Até hoje, em muitos ambientes temos sido considerados e tratados pior que o diabo.

Tudo o que fazíamos e dizíamos era necessariamente algo mau.

Não creio que a situação possa mudar repentinamente. Porém, hoje existe um ato da Santa Sé que nos permite dizer que a Tradição não está excomungada”.

Trexo da Entrevisda concedida: A BUHARDILLA DE JERÓNIMO
Fonte Jornal Libero
Segunda entrevista de D Fellay após o decreto da liberação das excomunhões

.

Na entrevista acima concedida ao jornal Libero, se colocou esta pergunta que foi respondida como se fosse totalmente verdadeira a afirmação feita pelo reporter.

Consideremos porém a questão de que a FSSPX ou Monsenhor Lefebvre não representam exatamente a “TRADIÇÃO DA IGREJA PROPRIAMENTE DITA”, esta tradição permanente e perene na Igreja jamais foi excomungada e jamais abandonada, quem esteve fora da comunhão por 21 anos foram 4 Bispos recém ordenados por Dom Marcel Lefèbvre e Dom Antonio de Castro Mayer ambos já falecidos.

Neste ultimo dia 21 de Janeiro o Papa Bento XVI Retirou as Excomunhões que pesavam somente aos Bispos e jamais à Tradição que eles defendiam à sua maneira, que isto fique bem claro entre nós.

Dom Fellay se referiu a muitos os receberem com reservas e ressentimentos, apesar de sabermos que eles jamais se sentiram como apartados da Igreja, receio ser verdade que muitos daqueles que começaram desta forma acabaram no sedevacantismo prático se opondo a tudo quando fôra anunciado por Roma ou por seus representantes, falando mal do Papa e de suas decisões sem dizer que consideravam João Paulo II um herege pelo simples fato de ter assinado as tais excomunhões.

Li incontáveis discussões em Blog’s e discussões descabidas em perguntas feito ao acaso para causar divergências em sites de relacionamento, onde havia uma discussão generalizada sem chegar a nenhuma conclusão ou qualquer acordo, o resultado prático era apenas palavras torpes que uns diziam aos outros como ofensas gravíssimas, sendo que ambas as partes consideravam a outra como fora da verdadeira Igreja, porque tanto os excomungados como os hereges estariam sem salvação e fora da Igreja de Jesus.

Quantas vezes fui recebido com pedradas em Blog’s e sites somente por dizer que era Carismático ou nem era preciso dizer isto, e agora Dom Fellay diz que eles é que eram mal recebidos, digo então que o tratamento era recíproco e em uma Guerra os inimigos não se abraçam jamais.

Mas agora tudo se faz diferente, uma vez que o Papa recebeu seus filhos de volta, sem interessar por onde andaram e nem o que fizeram, porque a partir de agora queremos esquecer aquelas discussões sem fundamento, apesar dos ressentimentos entre os irmãos filhos do mesmo Pai, o caminho a partir de agora não será mais uma guerra constante, mas sim uma reconciliação que deve apagar os antigos ressentimentos gerados pelas discussões infindáveis do passado, porque agora não existem mais Hereges ou excomungados mas apenas CATÓLICOS APOSTÓLICOS ROMANOS, todos irmãos que devem se amar como Jesus nos ensinou.

Como filhos deste mesmo Pai querido temos que compreender que a grande festa não é para o filho que retorna, mas para comemorar a união da Família e o reestabelicimento da Paz e do Amor que identificam para o mundo a verdadeira Família Cristã.

Este é o testemunho e o exemplo que arrasta o mundo à conversão, porque ninguém quer participar de um Reino dividido, mas um Reino unido no amor de Deus convence o coração do “não crente” de que o nosso Deus é realmente um Pai de Amor que nos ama incondicionalmente nos perdoando de nossos pecados e nos recebendo em seus braços.

.

Jesus Nos Perdoa e Acolhe em seus Braços

Jesus Nos Perdoa e Acolhe em seus Braços




Retirada das Excomunhões.

COMUNICADO DA SALA DE IMPRENSA DA SANTA SÉ

O Santo Padre, depois de um processo de diálogo entre a Sé Apostólica e a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, representada pelo seu Superior Geral, Sua Eminência Dom Bernard Fellay, acolheu o pedido novamente formulado pelo prelado, com a carta de 15 de dezembro de 2008, em nome dos outros três Bispos da Fraternidade, Dom Bernard Tissier de Mallerais, Dom Richard Williamson e Dom Alfonso de Galarreta, de levantar a excomunhão em havia sido colocados vinte anos atrás. Devido, com efeito, às consagrações episcopais feitas em 30 de junho de 1988 por Dom Marcel Lefrebvre, sem mandato pontifício, os quatro prelados haviam incorrrido em excomunhão latae sententiae, formalmente declarada pela Congregação pelos Bispos na data de 1 de julho de 1988.

Dom Bernard Fellay, na carta citada, manifestava claramente ao Santo Padre que: “estamos sempre firmemente determinados na vontade de permanecer católicos e de colocar todas nossas forças ao serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a Igreja Católica romana. Nós aceitamos seus ensinamentos com alegria filial. Nós acreditamos firmemente no Primado de Pedro e em suas prerrogativas e por isso nos faz sofrer tanto a atual situação”. Sua Santidade Bento XVI, que seguiu desde o início este processo, procurou sempre recompor a fratura com a Fraternidade, encontrando mesmo pessoalmente S.Excia.

Dom Bernard Fellay, em 29 de agosto de 2005. Naquela ocasião, o Sumo Pontífice manifestou a vontade de proceder gradualmente e em tempo razoável em tal caminho, e agora, benignamente, com solicitude pastoral e paterna misericórdia, mediante Decreto da Congregação para os Bispos de 21 de janeiro de 2009, retira a excomunhão que pesava sobre os mencionados Prelados. O Santo Padre foi inspirado nessa decisão pela esperança de que se chegue o mais prontamente à completa reconciliação e à plena comunhão

Fonte: Site Montfort

O Reconhecimento Pontifício da Canção Nova.

Não é mais algo a ser esperado, se fez realidade hoje dia 03/11/2008 o reconhecimento Pontifício da Comunidade Canção Nova.

Varias caravanas partiram do Brasil se encontrando hoje em Roma para este evento tão esperado, não somente pelos membros da Comunidade de Monsenhor Jonas Abib ou da TV Canção Nova, mas por toda a Renovação Carismática Católica do Brasil.

Vemos neste Reconhecimento da Canção Nova um reconhecimento do trabalho de evangelização realizado pela RCC em todo esse País, que nos últimos anos se tornou tão evidente, principalmente no ressurgimento das vocações Sacerdotais que alavancam e revigoram a força da Igreja Católica, não somente no Brasil, mas também além fronteiras.

A Canção Nova, a Comunidade Recado, a Comunidade Católica Nova Aliança e outras, já estão formando casas missionárias em Países da Europa como Portugal; Espanha; França e brevemente em muitos outros Países levando um pouquinho da nossa experiência vivida aqui no Brasil que é o maior País Católico do mundo.

A pouco mais de quinhentos anos chegava ao Brasil a primeira caravela de Cabral e juntamente com ele veio a Igreja Católica na pessoa de Frei Henrique Coimbra que celebrou aqui sua primeira Páscoa no dia 26/04/1500, sendo esta também a primeira Santa Missa Celebrada nesta Terra de Santa Cruz.   Mas somente anos mais tarde chegaram os primeiros Jesuítas com a missão de evangelizar e catequizar os índios que aqui habitavam, Pero Vaz de Caminha já havia escrito ao Rei de Portugal em sua primeira carta, que bastava enviar dois padres dos bons para evangelizar todos aqueles índios, convém lembrar que ele havia visto no máximo uns 300 índios, mas foram exatamente dois Padres que vieram para o Brasil com o objetivo de evangelizar a multidão de índios que aqui haviam e graças a Deus que realmente vieram também outros bons evangelizadores para este país e arrebanharam multidões de filhos para o Senhor.

Poucos dias atrás o Papa Bento XVI veio ao Brasil e canonizou o nosso primeiro Santo “Frei Galvão”, esperamos que não seja o ultimo, mas que seja o primeiro de uma multidão de Santos.   Basta que, cada um de nós, que agora fazemos parte desta imensa família Divina, assuma o papel de verdadeiros Cristãos neste mundo.       O Reconhecimento da Comunidade Canção Nova é um grande passo nesta direção, uma vez que uma das principais metas trabalhada e objetivo mais almejado pela Canção Nova é justamente a busca da santidade pessoal.

“OU SANTOS, OU NADA…”

Não basta ser o maior País Católico do mundo, precisamos ser também o melhor exemplo de catolicismo, vivendo a santidade e nos afastando do pecado cada vez mais.

.

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.

.

.http://www.flickr.com/photos/cancaonova/

.: Veja mais fotos dos peregrinos na Catequese com o Papa Bento XVI

.

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.

http://www.flickr.com/photos/cancaonova/2998924379/

Click no Link e veja mais fotos no Flickr da Canção Nova.

Outros textos nos proximos post’s.

Uma Nova Canção para o mundo. Texto da CN.

Uma Nova Missão para a Canção Nova. Notícia Zenit

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.
.

O Papa Sauda a Canção Nova e os Brasileiros.

Gravação da voz do Papa

.

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.

.

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.
.

ENCONTRO DE PADRE JONAS COM O PAPA

NA PRAÇA SÃO PEDRO

.E

Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.
.

Show da Canção Nova em Roma

.
Reconhecimento Pontificio por Canção Nova.
.

Caravanas do Brasil em Roma


Temas da Canção nova

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120

.

Enfim os Olhos se Abriram.

Testemunho do Padre Renato Leite

Contra a Montfort

Texto retirado diretamente do site Montfort, usado pelo Professor Orlando Fedeli em sua própria defesa contra todas as acusações que pesaram contra sua pessoa referente à saída do IBP – Instituto Bom Pastor do Brasil, inexplicavelmente cinco dias após terem conseguido uma Capela Definitiva em São Paulo.

Free Web Counter
Free Counter

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=cronicas&artigo=capela_vazia&lang=bra

Minhas considerações estarão logo abiaxo das palavras de:

Segue

Fratres in Unum

Padre Renato LeitePadre Renato Leite

OS FATOS 1ª parte

Caros amigos:

Falo aqui como testemunha:

.

Temos que reconhecer o mérito de muitos amigos do professor Orlando que por inspiração dele fizeram o quanto puderam para apoiar e estimular o trabalho do IBP no Brasil. A generosidade de alguns foi realmente admirável mas, o discurso de que o apoio dado ao IBP foi em razão de seu combate em favor da Missa Tridentina e da crítica ao Concílio Vaticano II é no mínimo “incompleto” para não dizer “suspeito”.

A casa do IBP situada no bairro do Ipiranga da qual estive à frente por oito meses, foi instituída com uma finalidade específica: “Preparar os alunos do Professor Orlando para ingressarem no seminário do IBP em Courtalain, França”. E obviamente, essa preparação estaria prioritariamente a cargo do professor Orlando que com os amigos, “pagavam todas as contas da casa”, imaginando ter uma espécie de “direito adquirido” para assim proceder no que dizia respeito à formação dos rapazes.

Um fato importante a ser recordado é que a casa do IBP aqui estabelecida não foi uma iniciativa do Instituto mas uma “oferta” do professor Orlando conforme um acordo prévio com o Padre Navas do Chile, então superior do Instituto na América Latina e antigo amigo do professor para que a mesma funcionasse como o descrito acima.

A casa seria um instrumento para o professor Orlando atingir um dos seus mais ousados objetivos: O ter padres sob o seu comando direto. E, para atingí-lo, seria enviado para Courtalain um número cada vez maior de alunos do professor que, ordenados padres, garantiriam a influência e o controle do Instituto do Bom Pastor pelo professor e seus amigos, recordando que o IBP já nasceu Pontifício ou seja “grande” canonicamente falando, com aprovação direta do Papa e portanto “tentador”.
01:15 (11 horas atrás)

Padre Renato

OS FATOS 2ªparte

Logo após sua primeira e última visita à casa e em seguida a de dois de seus colaboradores diretos na França, o superior geral do IBP, Padre Laguerie não gostou da ingerência do professor e exigiu que o Padre Navas tomasse as devidas providências estabelecendo como estratégia de ação quanto ao professor, “o homem das idéias estranhas que queria controlar o IBP”, o que segue:
“O vosso dinheiro sim, as vossas idéias não”.

O professor Orlando imediatamente reagiu acusando o Padre Navas de ser o único responsável pela tentativa de afastá-lo da casa, rompendo assim com ele. Não muito tempo depois o professor viaja para a Europa e encontra-se com o Padre Laguerie que não querendo perder o “dividendo político eclesiástico” de ter uma casa do Instituto em São Paulo , “”autoriza”” o professor a dar aulas… Aqui inicia-se o “êxodo” de padres e seminaristas que lá moravam, entre eles eu, que enfim nos demos conta da encrenca na qual havíamos nos metido.
Após o “acordo”, é enviado para assumir a direção da casa o Padre Perrel que tinha a missão de concluir o trabalho não terminado pelo Padre Navas, apesar da suposta autorização dada para as aulas pretendidas pelo professor.
Mantidas as coisas conforme as ordens do Padre Laguerie, inicia-se uma “guerra fria” entre o Padre Perrel e o professor Orlando assim definida:
“Já que o professor não pode dar aulas na casa do IBP para o Padre e para os seminaristas, o Padre Perrel não pode dar aulas e formação para os amigos do professor”.

01:17 (11 horas atrás)

Padre Renato

OS FATOS 3ª parte

Isso explica a linha de pensamento do Padre no sermão da última missa quando afirmou que:

“Durante esses seis meses no Brasil, tive o sentimento de que para muitos o sacerdote é somente um distribuidor de sacramentos.
E também:

“É neste ponto que a atitude de alguns está errada pois limitaram o Padre à capela, impedindo-o de ir mais além na sua paternidade espiritual.”
Numa referência clara à crise envolvendo o grupo de amigos do professor em São José dos Campos, ele e o próprio professor poucos dias antes da última missa.

Gostaria de terminar esses esclarecimentos recordando a todos que toda essa confusão deve ser “creditada” nas contas das vaidades de duas pessoas:
Primeiramente na conta do professor Orlando que vive esquecido de que, não importa o que diga ou faça, continua sempre um leigo não tendo autoridade docente na Igreja para submeter sacerdotes e formar seminaristas como pretendia nessa malfadada empreitada junto ao IBP. Tal tarefa está reservada exclusivamente aos bispos membros da Hierarquia da qual ele não faz parte.

Em segundo lugar na conta do Padre Laguerie Superior Geral do IBP que tem autoridade direta sobre os padres e sobre a formação dos seminaristas e que discordando das idéias do professor “desde sempre”, tinha a obrigação moral de deixar isso claro sem “simular” uma autorização que depois se verificou inexistente e que gerou inúmeros transtornos permitindo que o “oportunismo” prevalecesse sobre a franqueza e a sinceridade.

Lamento tudo isso e rogo a Deus Sua Misericórdia de modo particular para aqueles que defendendo a “Bandeira da Fé Católica” acabam por ter na prática, as mesmas atitudes daqueles que dizem combater.

Nos Sagrados Corações de Jesus e Maria SS.

Padre Renato Leite

Xeque-mate por Penetra.

Fratres in Unum

Este bom e corajoso sacerdote celebrará, neste domingo, sua última missa antes de retornar a seu lar. Doravante será tido como mais um traidor. Entretanto, uma reflexão deve ser feita ao se olhar para esses últimos dias: esse sacerdote, que por sinal não dá maus conselhos e não é nenhum liberal, também sobrepôs sua dignidade sacerdotal à uma vassalagem prestada a quem se apropria das mentes alheias, da mesma forma que um outro sacerdote (membro de uma facção modernista num instituto tradicional)… Coincidência?!

Que os [profundíssimos] comentários em blogs das mais variadas correntes respondam a esse dilema, já que o mentor e seu veículo oficial se mantêm em silêncio!

PS.: a este bom Pastor nos referíamos neste post de 08 de agosto.

O que diz o IBP sobre o assunto:

Publicamos a última homilia do Abbé Roch Perrel no Brasil:

Os “Modernistas” nada fizeram para tirar o IBP do Brasil!

*obs. Isto não é uma defesa aos erros ou afirmações do modernismo, mas uma simples verdade que isenta qualquer ação externa que motivaram esta atitude do IBP.

Minhas considerações a respeito destas Palavras.

Desde o incidente ocorrido em Anápolis – Go temos entrado em contato com o Prof. Orlando Fedeli sobre suas atitudes equivocadas em relação ao tratamento por ele deferido ao clero Brasileiro, não exclusivamente ao nosso Bispo que foi por ele atacado injustificavelmente, mas também por sua intrusão em assuntos do clero e da Igreja.

Em relação ao IBP, o Sr. Fedeli sempre fez questão de deixar claro que ele os apoiava, o que eu não sabia era que: ele praticamente os sustentava no Brasil com casa comida e roupa lavada.

No entanto foi combinado entre o Sr. Fedeli e o superior do IBP na França “Pe. Languérie”, uma certa independência entre as Instituições “IBP & Montfort”, independência esta que praticamente não existia, quando se tentou estabelecê-la de verdade surgiram os tais problemas “Querelas” que realmente seriam inevitáveis, uma vez que a Montfort declara ser função do IBP coisas que na verdade nunca foram e sim seria a própria vontade do Prof. Orlando Fedeli que sustentava o IBP.

Vendo que seria insustentável continuar mantendo esta situação dúbia no Brasil, vinculado à uma instituição declaradamente contra as posições oficiais da Igreja Católica em Roma e provocando situações que atrapalhavam de certa forma a execução do verdadeiro objetivo do Instituto no Brasil, tomou-se então esta decisão que pode não ser definitiva para o Instituto Bom Pastor, mas certamente será uma quebra definitiva dos vínculos da Associação Montfort com o pouco de Catolicismo que ainda existia dentro do coração de nosso nobre Professor de história.

Não foi falta de cartas e avisos,  nossos site’s considerados inimigos da Montfort sempre publicaram os equivocos do Sr. Fedeli, eu mesmo como amigo cadastrado no site Montfort enviei diversas correspondências, e para comprovar, editei post’s de alerta sobre pessoas que se afastavam da Montfort denunciando erros de seu Mestre, agora ele diz que seus amigos se revelaram inimigos.   Mas quem precisa de inimigos, se ele mesmo se auto-destrói sozinho quando despreza o conselho daqueles que lhe estão mais proximos “Ex. Colaboradores e amigos“, ou daqueles que considerados Inimigos, na verdade seriam seus melhores amigos, porque dizem o que ele precisaria ouvir sem medo de serem mal interpretados ou desprezados.

Meus textos foram enviados ao site Montfort e por toda a NET, na verdade a maioria deles foram apagados e desprezados.   Um destes textos dizia; para se pedir socorro e apagar o fogo que já estava levantando uma nuvem negra de fuligem em cima da sede da Montfort porque os alarmes de incêndio haviam falhado e ninguém estava percebendo o incêndio.       Não era ironia ou arrogância nem  mesmo uma brincadeira de minha parte, mas estas palavras foram interpretadas como a voz de uma criança passando trote de um orelhão ao corpo de bombeiros, e agora o Sr. Fedeli se lamenta por uma capela vazia e um sacrário sem a Real presença de Jesus Sacramentado.

Fico imaginando se realmente a culpa seja:

“[…] O silêncio e os ecos longínquos das risadas dos modernistas, dos sedevacantistas, da ala raivosa da Fraternidade, dos liberais, etc – no Porkut — pelo fim do mais pujante meio de propagação da Missa de sempre, no Brasil […]” Palavras de Orlando Fedeli

Veja ele até se esqueceu de citar a RCC, o movimento mais atacado nos seus textos execráveis.

Se realmente… nós estaríamos felizes por tudo que ocorreu neste dia 03/08/2008 referente ao IBP, como afirmou o Sr. Alberto Zucchi e contrariado pelo próprio IBP.

É claro que não !

Apesar do Sr. Orlando Fedeli creditar a culpa de todos os seus próprios erros a inimigos fictícios e inexistentes, a Igreja Católica não se alegra pelo afastamento do IBP, muito pelo contrário, esperamos que o IBP retorne em breve ao Brasil livre de qualquer compromisso ou vínculo que venha castrar e limitar sua atuação em nome da Verdadeira Igreja Católica e do Papa Bento XVI.

Espero que este episódio sirva para demonstrar a todos aqueles que se dizem Católicos, mas que continuam lutando contra a Verdadeira Igreja Conduzida por Bento XVI e somente por ele, que Jesus está junto com a verdadeira Igreja e não estará com aqueles que lutam contra a verdade se julgando superiores ao Papa Legitimamente eleito pelos Bispos que são os sucessores dos apóstolos de Jesus Cristo neste mundo.

As cinco Virgens despreparadas encontraram a porta fechada e a voz do Noivo lhes dizendo “Vão embora, Não vos conheço…”, mas também existirão alguns que encontrarão a frieza de um Sacrário Vazio e não encontrarão resposta no silêncio da ausência de Jesus Vivo e Sacramentado.

Muita coisa esta sendo dita e muito mais se dirá, acusações e defesas, porém a unidade da Igreja sempre será impressindível, a própria FSSPX já começou a medir suas palavras em afronta ao Papa e retirar textos ofensivos, até mesmo contra o Concílio Vaticano II, isto demonstra um caminho de solução para a crise, os SEDE-VACANTISTAS, por sua vez, morrerão por si mesmos quando não tiverem mais apoio daqueles que sempre supriram seu ódio contra a verdade de que não estamos mais na idade média e aprenderão que o mundo jamais irá girar em sentido contrário retornando ao passado, a solução não está no passado e sim no futuro, o mundo não é mais o mesmo, mas Jesus Cristo sempre será o Mesmo e confiamos na presença do Espírito Santo em nossos corações que nos guia em toda a verdade.

É realmente interessante, aquele homem que ofensivamente atacou nosso Bispo, dizendo uma inverdade, afirmando em seu site ter sido proibido de dar aulas em nossa humilde Cidade, hoje ele mesmo declara ter sido proibido de ensinar em sua própria casa a seus próprios alunos, e o pior, seus alunos se foram um a um sem  nem ao menos lhe dar explicações, diziam estar fugindo de uma “encrenca”.

As mesmas vozes murmurantes que lhe contaram fofocas dos  corredores do Vaticano certamente espalharam a verdade de suas intenções referentes aos seminaristas gentilmente cedidos ao IBP para se tornarem Padres na França.

Enfim, apesar de tudo, o IBP nada perde nesta retirada estratégica, porque demonstra sua liberdade de atuação e revela fatos obscuros que tolhiam e limitavam o verdadeiro objetivo do Instituto em relação à Tradição Católica e ao ensino da Missa  de Sempre no Rito Tridentino.   Sendo o IBP uma entidade ligada diretamente ao Vaticano, sempre terá sua credibilidade restaurada e restabelecida podendo retornar ao Brasil, em São Paulo ou em qualquer outro Estado do País quando assim for da vontade de nosso Senhor Jesus Cristo.

Ex-Church por eu_cohen.

A CAPELA FICOU TOTALMENTE VAZIA.

Na verdade o Professor Orlando Fedeli voltou à cena da Capela e percebeu que ela não estava completamente vazia, havia lhe restado uma imagem da Mãe de Jesus, afinal uma esperança para o retorno de seu Filho tão amado e querido.

Peçamos a interceção daquela que com sua hulmidade suprema aceitou ser uma serva, nada mais de que uma serva, para que através do imenso Amor de Deus, Jesus viesse a este mundo dentro de seu ventre Materno.   Que Ela possa realmente derramar suas graças e seu imenso Amor de Mãe, auxiliando-nos a encontrar e trilhar os verdadeiros caminhos de seu Filho Jesus.

Sou Doente” Afirmação de Fedeli …

O Impossível e o Extraordinário

Ainda a Montfort e o IBP = Deus lo vult!

CONSIDERAÇÕES SOBRE AS CRÍTICAS AO VATICANO II – Veritatis Splendor

SEDE-VACANTISTAS, ELES EXISTEM MESMO?

Sede + Vacante ou Vaga, vazia.

É o período que ocorre após a morte de um Papa até a posse do próximo Papa eleito, ou seja o curto período que a Igreja fica sem um líder até que o escolhido assuma seu lugar.

0 TEXTO A SEGUIR FOI ESCRITO E DIVULGADO PELA FSSPX, PARA SE JUSTIFICAR QUE NÃO SÃO SEDE-VACANTISTAS, MAS …

Mas o que diz sobre o sede-vacantismo é correto.

Dom Lourenço Fleichman OSB – Permanência http://permanencia.org.br/sedevacantistas.htm

Para os que nunca ouviram esta expressão eu explico: são aqueles que afirmam que o papa não é papa. Não tem papa. A sede está vacante, ou seja, vazia. Esta tese baseia-se no fato de que a teologia católica não exclui a possibilidade de um papa perder o papado por pecado formal de heresia. Porém, isto que é uma possibilidade teológica, não pode ser afirmado categoricamente por ninguém neste mundo, pois também é doutrina católica que o papa só pode ser julgado pela Igreja, o que exige um outro papa legitimamente eleito, devidamente escolhido pelo Divino Espírito Santo.

Aqui aparece o erro contrário, afirmado pelos legalistas: se o papa só pode ser julgado por outro futuro papa, porque vocês julgam o que o papa afirma e ensina? [em amarelo a defesa de seus erros que não concordamos e não fazem parte do tema sedevacantistas …]

Ora, o que nós fazemos não é julgar o papa, mas sim as afirmações e ensinamentos dele. O que ele diz é certo ou errado? Julgar o papa seria afirmar que determinada ação ou ensinamento mostra que ele perdeu a fé, tornou-se um herege formal. Mas dizer que o ecumenismo ou a liberdade religiosa, ou qualquer outro erro ensinado pelos papas depois de Vaticano II é heresia, não significa dizer que a alma do papa esteja formalmente em pecado de heresia.

Só Deus sabe. Daí a necessidade de se abster de afirmar que o papa não é mais papa ou nunca o foi. Alguém pode desconfiar disso, por causa dos escândalos contrários à fé.,

mas não se tem meios de saber, na fase atual do combate.
Quando Lutero quis casar com a freira, inventou uma nova religião sem sacerdócio, e disse que a religião católica romana era obra de satanás. Saiu e bateu a porta. Declarou sua heresia publicamente. Mas os papas de Vaticano II continuam usando a autoridade dos papas, afirmando ser o Vigário de Cristo, sendo reconhecidos como bispos de Roma. Daí a dificuldade de se saber se aderem formalmente aos erros de Vaticano II ou se são fantoches nas mãos dos inimigos de Cristo, cegos, imprudentes, desobedientes, mas ainda católicos.

Os sede-vacantistas são a gente mais orgulhosa que eu conheço, pois são movidos pela cegueira espiritual. Herdeiros daquele primeiro orgulho que elevou o espírito de Eva a ouvir uma palavrinha mágica, e querer mudar o mundo! Sereis como deuses! Quiseram ser mais do que eram na realidade e sairam empurrando a tudo e a todos que estavam na frente, ou seja, precipitaram simplesmente toda a humanidade no pecado! Pois os sede-vacantistas são assim. Cegos para a realidade, empurram todos que se encontram à frente e saem por aí, aos bandos, dizendo que só eles são verdadeiros católicos, só eles encontraram a solução da crise da Igreja.

Querem ver alguns exemplos do que são capazes? Nos Estados Unidos, nos anos oitenta, um grupo de nove seminaristas da Fraternidade S. Pio X, no dia seguinte da ordenação sacerdotal, traíram a Mons. Lefebvre, deixando a Fraternidade. Eram sede-vacantistas escondidos que só esperaram a ordenação sacerdotal para tirar a máscara. Pensam que formaram um clero sólido e coerente? Ao contrário. Como toda obra fundada na opinião e movida pelo amor-próprio, foram brigando uns com os outros, em puro espírito sectário, dividindo-se em pequenos grupos. No meio do turbilhão, o demônio suscitou um bispo vietnamita, que saiu pelo mundo sagrando bispos, inclusive nas seitas com falsos papas, como Palmar de Tróia. A falta de vergonha na cara é tamanha que alguns destes bispos, hoje, alegam o estado de necessidade para chamar leigos casados para serem ordenados e sagrados.

Dirão as más linguas: Mons. Lefebvre e a Fraternidade S. Pio X também se fundamentam neste estado de necessidade. É verdade, e por uma razão simples. Ele existe, pois não temos acesso à autoridade para a recepção dos sacramentos

isentos dos erros de Vaticano II.

Mas a diferença entre a nossa posição e a dos sede-vacantistas é enorme. Mons. Lefebvre sempre agiu dentro da norma católica, baseado na doutrina e na lei canônica. O estado de necessidade, para a Fraternidade, é razão para ela agir de modo forte,

mas segundo o Direito: ordenação de jovens em plena condição de serem ordenados, segundo o Direito canônico. A própria sagração dos bispos, em 1988, para quatro padres já experimentados na doutrina e sabedoria, e após esgotar todos os meios para obter de Roma as autorizações necessárias.

Do lado dos sede-vacantistas, vendo que conseguem mais adeptos entre leigos imprudentes e exagerados, não hesitam em subverter as bases do direito para alcançar seus objetivos. Querem agora formar um clero de velhos avôs de báculo e mitra. É patético.

Pois é a essa gente que alguns dos nossos resolveram se ligar. Jovens guiados por velhos inescrupulosos, cegos e imprudentes. Jovens que agem hoje como aqueles seminaristas traidores, que ferem compromissos assumidos diante do padre, que tentam aliciar pessoas à sua volta, arrogantes e orgulhosos. Que fique aqui a denúncia: se nossos leitores, fiéis, amigos, receberem propostas de listas de e-mails, blogs, orkut etc. para discutir a matéria, não aceitem. Eles não querem discutir, mas tão somente manipular as consciências com textos antigos dos papas que, lidos de modo isolado, parecem lhes dar razão. Fogem da linha segura e constante que Mons. Lefebvre sempre seguiu, no profunda catolicidade do seu combate pela fé. Rezemos por esse pobres rapazes.

Não abaixem a guarda, não deixemos de denuncia com todo o rigor, os erros perversos deste diabólico concílio que tantos males trouxe à Igreja; mas tenhamos prudência e humildade, para que a luz da fé não seja a nossa própria luz, mas a daquele Verbo que veio a esse mundo e habitou entre nós.


Vejam meus caros leitores, Dom Lourenço escreveu este texto, para se defender dos ataques da Associação Montfort, “antigos Companheiros e defensores de Lefebvre” que os acusava de não aceitarem os Papas após o Concílio Vaticano II, para assim ganharem seus seguidores. Olhe bem, quando lemos os textos advindos de Lefebvre e seus seguidores inclusive a Montfort, nunca compreendemos bem se eles afinal aceitam o Papa ou não, porque mesmo dizendo que o aceitam sempre contrariam tudo que o Papa diz, em total insubmissão, dizendo que tudo ele le faz ou diz está errado, o que daria no mesmo, porque não o seguem e nem o obedecem de uma forma ou de outra. Este texto nada mais é que uma justificativa defendendo Dom Lefebvre de ter desobedecido o Papa por uma extrema necessidade, por necessidade ou não, o fato é que ele foi excomungado por esta desobediência. Quanto ao fato de que ele não conseguiu autorização para ordenar seus bispos, isto se deve ao fato de que ele jamais quis se dobrar e obedecer ao Papa, nem ceder um milimetro sequer em suas prerrogativas cismáticas.

Dom Lourenço citou um fato ocorrido dentro da FSSPX, onde vários padres ordenados por Lefebvre se viraram contra ele desobedecendo o seu próprio formador, isto porque seu formador os formou dentro do erro da desobediência e foi o que eles aprenderam de melhor, não obedecem nem a seu próprio mestre e tutor. Veja que isto é semelhante ao que Jesus se refere quando retrata a pessoa de seu inimigo maior, quando diz “Todo Reino dividido sobre si mesmo desaparecerá”, por isso o inimigo jamais conseguirá vencer a Igreja, porque ele é incapaz de fazer o que é bom, “O Amor e a União são dons de Deus”, um dos principais dons do inimigo é justamente a divisão e a desobediência, por isso sentem tanto prazer em atacar aquele que lhes é mais semelhante “Martinho Lutero”, porque jamais pretendem estar juntos em um mesmo lugar compartilahando a mesma graça Divina como Irmãos e ovelhas do único Pastor que é Jesus, seguem o exemplo do Irmão mais velho do filho pródigo, exemplo este que Jesus contou a Parábola justamente para aprendermos que não deveriamos tomar aquela atitude jamais.

Dialogando com um Tradicionalista de Portugal, discutiamos o fato de que eles falam mal de todos os seminários formadores de padres no mundo, mesmo aqueles que nem conhecem, e dizia ele que todos seguem o modernismo que contaminou a Igreja atual, sendo assim jamais teremos bons Padres. Por outro lado faz questão de demonstrar um modelo de Padre que segundo eles seriam o ideal, “Na Visão de um leigo Tradicionalista o Padre deve ser um Santo irrepreenssível”, logo qualquer seminário seria incapaz de executar este feito, uma vez que um Santo é formado por Deus e é fruto da mais profunda fé e Amor do homem a seu Criador, não é, e nem jamais será um fruto da capacidade humana de aprender alguma coisa na teoria de letras que estão escritas em um livro ou na sabedoria de seu formador. É a vida, a obra, a pregação, a missão, o trabalho, as dificuldades e as perseguições que levam o perseverante na fé a se tornar um verdadeiro Santo, mesmo que seja um Santo esquecido ou desconhecido jamais reconhecido pela Igreja ou por quem quer que seja.

coração

Vendo que realmente estava errado denegrindo a imagem dos seminários, incluido o da FSSPX “que dizia ele: era o melhorzinho de todos, sem nem ao menos conhecê-lo de perto”, desabafou e me disse tanta coisa, dizendo que eu não sabia nada de nada, e que deveriamos aprender o que é certo, “APRENDER DE QUEM ? JÁ QUE, QUEM SABE NÃO FORMA QUEM NÃO SABE, e quem sabe nem sequer indica um formador capaz de ensinar a sua verdade”, certamente ele jamais conseguirá seus objetivos, porque são estéreis e morrerão com ele, e todos irão para o cemitério, Dom Lefebvre, a FSSPX, os Tradicionalistas e a Igreja que eles tanto defendem, porque não formam vocações maldizendo tudo com pessimismo exagerado.

Dito isto ele declarou ter se decidido ir para um seminário da FSSPX, porque era a única opção a fazer, dar um exemplo e um testemunho de que tudo quando defendia valia a pena ser vivído, primeiramente por ele mesmo e depois por aqueles que dele aprenderem a verdade em seus testemunhos de vida.

Dizia ele não ser sedevancantista, mais em seu desabafo, afirmou que para seguir até o fim a sua decisão, até isto ele faria, vejo que ser tradicionalista é sinônimo de ser desobediente, e desobediência não é sinônimo de Santidade nem de verdadeira união com o corpo de Cristo, logo ele terá que fazer escolhas difíceis quando descobrir que suas teorias e preconceitos não fazem parte da verdade de Jesus.

Espero que nossos amigos Tradicionalistas que declaram não ser Sede-vacantistas e se defendem quando acusados, voltem a estar ligados à Igreja com Sede em Roma, conduzida pelo Papa Bento XVI, acabando de vez com este tal de Cisma, que nada mais é que o sedevacantivismo disfarçado de desobediência, com obediência não haverá sedevacantivismo nenhum e a Igreja será Una Católica e Apostólica Romana em Plenitude para sempre até a volta de Jesus.

Mais Um Leitor de Orlando Fedeli busca refugio em outro site.

Não é nenhuma alegria para mim anunciar tal verdade, mas ontem no Fantástico em uma matéria intitulada “Como fugir da fofoca no trabalho? LEIA MAIS” foi finalizada com a seguinte frase:

Max Gehringer e o F de fofoca <= Veja o Clip

“Uma última dica: é preciso diferenciar a intriga da mania de perseguição. Tem gente que acusa todos os colegas de trabalho de serem falsos. E isso nunca é verdade. Quando um colega não gosta de outro, pode ser inveja. Quando dois não gostam, pode ser conspiração. Quando três não gostam, o problema está na pessoa e não nos colegas.”

[globo=http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM809529-7823-MAX+G ]

Como a poucos dias atras o Prof Orlando Fedeli acusou-nos de persegui-lo por todo o Brasil, porque como sabem, nossas cartas vão direto para a lixeira do seu Notbook, porém quando lhe enviei um email para Campo Grande, e me cadastrei para o seu curso lá, ele voltou furioso e colocou em seu site varias cartas difamando a pessoa de nosso bispo local, julgando ser ele o responsável por tais email’s, achando que sou EU um nome Virtual ou Pseudonimo.

Não sou Ninguem, sou apenas um leigo, MAS SOU REAL, pelo menos me encontro no espelho todo dia de manhã.

Prof. Orlando Fedeli, meu Bispo nem me conhece, não sabe quem sou, acho que ele nem sabe das difamações que o Sr. Colocou em seu site, e nem se preocupa com isso, porque em Anápolis ele é aceito pela grande maioria dos Fieis e os Fedelistas aqui são tão poucos que precisaram trazer reforço de Fora da cidade.

Seus ensinamentos são até aceitos por algumas pessoas por um certo tempo, até que vejam a verdade, assim como seus ex. alunos Amilcar Nadu ou Alessandro Lima que nos dão testemunho próprio sobre a verdade que descobriram a seu respeito, e também seus ex companheiros de Caminhada como o Wagner Zucchi, Dr. Plinio Correa e até a Fsspx na pessoa do Pe. Joel Danjou sem falar de Dom Fernando Areas Rifan da Administração Apostólica S. João Maria Vianey, de Campos.

Mais uma Carta divulgada com permissão de seu escritor no site Veritais Splendor, Ele afirma ter encontrado coisas belíssimas no Site Montfort, porém, entremeados com palavras e citações que não seria bom para um Verdadeiro Católico se referir, é o antigo caso do ditado Popular: UM FRUTO PODRE JUNTO COM CEM BONS, TODOS ACABAM SE PERDENDO…, Todas as Frutarias e sacolões conhecem muito bem esta lição para evitar prejuísos.

A Montfort estaria sendo perseguida?

Por quem ? Por Mim ? Ou por todos citados acima ?

Relembremos o texto do Fantástico, quando tres ou mais pessoas avistam a mesma fumaça e telefonam para o Corpo de Bombeiros, eles vão de imediato, porque certamente existe fogo mesmo e não é apenas um trote de um adolescente brincalhão.

Será que Na Montfort tem alarme e detector de incêndio, se tiver deve estar precisando de uma boa revisão, porque de longe se vê a fumaça, mas lá, ninguem vê nada, acho que o corpo de bombeiros chegará tarde demais.

São Paulo era um perseguidor da Igreja e não sabia que Jesus o Perseguia, até que; em mais uma cruzada contra os Cristãos, Jesus o alcançou no meio do caminho de Damasco, se colocando à sua frente, Saulo ao ver a Luz de Cristo perdeu toda a sua VISÃO do passado, e totalmente cego, foi conduzido ao encontro de seu perseguido, lá, foi Batizado e se tornou um verdadeiro Cristão.

Eu gosto muito de uma estorinha que testa a nossa persepção e capacidade de aprender com fatos e respostas já encontrados:

A História do Coqueiro.

1ª – O que significa um índio em cima de um coqueiro ?

Aguarda-se a reposta, seja ela qual for.

E voce mesmo responde.

Um Índio a menos na face da terra!

2ª – O que significa dois índios em cima de um coqueiro?

Aguarda-se a reposta,

seja ela qual for,

voce mesmo responde.

As vezes a pessoa já conhece ou acerta assim mesmo, na maioria das vezes não sabe responder.

Resposta: Dois indios a menos na face da terra.

3ª O que significa tres índios em cima de um coqueiro?

Aguarda-se a reposta, seja ela qual for, voce mesmo responde.

a tendência natural seria responder de imediato.

tres índios a menos na face da terra, pois acabamos condicionando uma resposta.

Mas a resposta muda, já que é um grupo, pode ter um outro significado em comum.

A Resposta, Seria uma emboscada!

4ª O que significaria então quatro índios em cima de um coqueiro? Era onde pretendiamos chegar para testar o aprendizado.

a esta altura a pessoa se recusa a responder, pois alegará que suas respostas irão mudar e contrariar invariavelmente qualquer uma que ela lhe dê.

Já não é mais um índio a menos na face da terra e nem uma emboscada, porque certamente um coqueiro não suportaria o peso de tantos índios assim e vergaria ou se quebraria mesmo.

a resposta então seria simplesmente.

Um coqueiro a menos na face da terra.

coqueiro-4-pes.jpg

Quem persegue quem, quem estaria errado neste caso? quem seria o Santo? quem seria o verdadeiro Católico Apostólico Romano?

Se fosse apenas tres Brasileiros em cima deste coqueiro eu poderia achar que fosse uma conspiração contra o Sr Orlando Fedeli, se apenas Eu divesse tido o desprazer de ter meu nome relacionado a uma fofoca editada e estampada em seu site “Montfort” sem minha permissão e sem obter nenhuma resposta de seus responsáveis, ele teria razão em dizer que nós o perseguimos, mas neste caso somos nós os perseguidos, O Prof. Orlando Fedeli se encheu de meus Comentários na WEB e fez o favor de apagar meu nome de seu site, mas ele continua la pesquisa e também, não apagou os comentários maldosos a respeito dos email’s enviados por mim, eu garanto que este comunicado não existiria se não existissem razões e motivos para ele.

A cada dia que passa, se juntam a estes testemunhos, outros que vão chegando de todo o Brasil de pessoas que tiveram suas experiências negativas com os ensinamentos deste site pretensamente Católico e presumidamente defensor e protetor do Papa que está tão desprotegido e atacado pelo tal de Modernismo! Ou seria pelos Rad’s Trad’s?

Leia Mais:

Não sou Dono da verdade.

Nicodemos Foi se encontrar com Jesus em Segredo.

A carta de Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa que Orlando Fedeli da Montfort não publicou.

Fedeli Publicou a Carta, mas Apagou um pedaço que lhe comprometia, Leia o Texto qO Espírito Repousará Sobre Ti… › Editar — WordPressue foi deliberadamente deletado!

Orlando Fedeli Apagou um pedaço da Carta porque citava um texto bíblico que lhe deixava numa saia justa.

Porque será que o Prof. Orlando Fedeli da Montfort evita citar textos da Bíblia Católica ?

Porque será que os seguidores de Dom Lefebvre dizem que Batismo no Espírito Santo Não existe, mesmo quando se lê na Bíblia que Jesus nos Batizará no Espírito Santo, com fogo e com poder ?

Leia o texto que simplesmente foi deletado e nem ao menos citado.

O Espírito diz expressamente que, nos tempos vindouros, alguns hão de apostatar da fé, dando ouvidos a espíritos embusteiros e a doutrinas diabólicas, 2- de hipócritas e impostores que, marcados na própria consciência com o ferrete da infâmia, 3 – proíbem o casamento, assim como o uso de alimentos que Deus criou para que sejam tomados com ação de graças pelos fiéis e pelos que conhecem a verdade. 4 – Pois tudo o que Deus criou é bom e nada há de reprovável, quando se usa com ação de graças. 5 – Porque se torna santificado pela palavra de Deus e pela oração. 6 – Recomenda esta doutrina aos irmãos, e serás bom ministro de Jesus Cristo, alimentado com as palavras da fé e da sã doutrina que até agora seguiste com exatidão. 7 – Quanto às fábulas profanas, esses contos extravagantes de comadres, rejeita-as. 8 – Exercita-te na piedade. Se o exercício corporal traz algum pequeno proveito, a piedade, esta sim, é útil para tudo, porque tem a promessa da vida presente e da futura. 9 – Eis uma verdade absolutamente certa e digna de fé: 10 – se nos afadigamos e sofremos ultrajes, é porque pusemos a nossa esperança em Deus vivo, que é o Salvador de todos os homens, sobretudo dos fiéis. 11 – Seja este o objeto de tuas prescrições e dos teus ensinamentos. 12 – Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade. 13 – Enquanto eu não chegar, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino. 14 – Não negligencies o carisma que está em ti e que te foi dado por profecia, quando a assembléia dos anciãos te impôs as mãos. 15 – Põe nisto toda a diligência e empenho, de tal modo que se torne manifesto a todos o teu aproveitamento. 16 – Olha por ti e pela instrução dos outros. E persevera nestas coisas. Se isto fizeres, salvar-te-ás a ti mesmo e aos que te ouvirem.

I Timóteo, 4

Segue minha declaração:

Prof. Orlando Fedeli voltando das aulas proferidas em Anápolis decidiu denegrir a pessoa de nosso bispo a qualquer custo, inventando que foi proibido de proferir suas aulas aqui na cidade, se referiu em suas acusações à um certo panfleto que foi disdriduído nas ruas da Cidade o proibindo de dar suas aulas.

Ninguem viu este panfleto, Creio Eu que nem mesmo ele tenha visto, porque tal panfleto nunca existiu. O que foi publicado em seu site seria um e_mail que circulou entre amigos de minha paróquia, onde Pe. Françoá era o Paroco até o mes de Setembro de 2007, entre esses paroquianos, havia um musico que é cunhado daquele que agendou as aulas com o Sr. Orlando Fedeli, este email chegou até mim, no qual incluí; “Sizenando, estou apenas repassando”, ele continha o texto acima vinculado.

Neste texto havia sim um conselho claro dizendo: “Rejeita-as” as Fábulas de Pessoas, que sem comunhão Plena com a Igreja, decidem instruir os Católicos no Caminho Correto. Sem Comunhão Plena são aqueles que defendem as posições de Dom Lefebvre, Bispo Frances Excomungado pelo Papa João Paulo II. Citado no e_mail do Bispo. Mas como tal e_mail continuu circulando, acabou sendo “ele” o que foi publicado na Montfort, que continha o texto de “Timoteo 4” descrito acima, e que foi abolido.

Falei com a pessoa que repassou o e_mail para a Montfort, ele negou a princípio, mais depois admitiu que este texto estava lá. No mesmo e_mail havia uma outra carta de minha autoria me dirigindo à pessoa que me enviou o Convite para as aulas de HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA, Carta essa que já está em meu blog intitulada Carta a Nicodemos., me dirijo a eles desta forma porque o evento estava camuflado e secreto sem o conhecimento de nosso bispo assim como Nicodemos Falou com Jesus na proteção da noite, e nem eu poderia imaginar tamanha complicação que eu estaria me metendo, no dia 03/02/08 em um encontro da RCC, de manhã, recebi a notícia que meu nome estava no site Montfort, pensei que fosse a minha Cartinha a Nicodemos Que Teria se encontrado com Jesus em Segredo., mas não, era o e_mail de Pe. Fançoá e do bispo. O Prof. Orlando Fedeli estava em Anápolis e 18 pessoas estavam lá com ele no local marcado para as aulas, nenhum de nós tentou impedí-lo. Pe. Françoá está na Europa desde Setembro de 2007 e foi citado como um leão de chácara na porta de nossa cidade Impedindo pessoas de dar aulas na UEG. Meu nome, que fora copiado por outro site, e está lá ainda, foi apagado do site Montfort quando comecei a escrever em todos os blog’s que encontrei pela frente a verdade sobre o maior fofoqueiro da internet, que ganha até mesmo, do Leão Lobo e do Poparazzo, pois tem, segundo ele mesmo, mais de 500,000 acessos de internet por més em seu site.

Uma pessoa que tem tantos assessos assim em seu proprio site, deveria pelo menos tratar com mais carinho, educação e respeito os seus próprios leitores, o que não é o caso, pois todo o Brasil conhece e comenta pela internet a grosseria que este tal “Dotô” em estória responde suas cartas, até mesmo as mais humildes. Nem seria necessário citar link’s, basta fazer uma busca na WEB por “Orlando Fedeli” e voce poderá conhecer o outro lado da moeda entrando nos site’s que não são a Montfot, na verdade existem textos lá também que o condenam muito mais que os outros, bastaria entrar em uma pagina chamada “homenagemfedeli.k6“, só ela diz tudo, toda grosseria e todos os link’s adversários com comentários ridículos.

Um outro site copiou da Montfort tudo que o condena, ordenando de uma forma correta e compreenssível, li um comentário lá hoje que perguntava o nome de quem escreveu aqueles textos, e o chamava de covarde. Mas que engraçado, pessoas que copiam as Textos do site Montfort escritos por Orlando Fedeli e colocam em seus Blog’s chamando o copiador da Montfort de covarde. Se são cópias da Montfort, logicamente o Autor só pode ser o Fedeli o grande covarde que se esconde atras de cartas com nomes alheios, terceiros ou simplesmente inventados mesmo, veja as cartas do Pe. Françoá e as minhas, nunca foram publicadas, e nem serão, até meu nome que estava lá foi apagado.

Neste caso ouvir os conselhos de São Paulo, um dos Padroeiros de nossa Paróquia, seria a ação mais sábia, ou o melhor caminho a seguir.

O Espírito diz expressamente que, nos tempos vindouros, alguns hão de apostatar da fé, dando ouvidos a espíritos embusteiros e a doutrinas diabólicas, 2- de hipócritas e impostores que, marcados na própria consciência com o ferrete da infâmia…

Quanto às fábulas profanas, esses contos extravagantes de comadres, REJEITA-AS, a carta de Pe. Françoã que vinha na seguencia nada mais dizia que um eco destas palavras de São Paulo nos aconselhando a não ir nas tais aulas do famosos Profesor de estória.

In Corde Jesu Semper.

A carta de Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa que Orlando Fedeli da Montfort não publicou.

Sou Françoá Costa, como é de conhecimento público no “site Montfort” foram publicadas a carta de Dom João Wilk e a minha, a ambas o prof. Fedeli respondeu agressivamente (cf.). Enviei uma outra, que não foi publicada até agora e não sei se publicará. Dou a conhecer aqui o conteúdo da carta enviada e não publicada. Para entender melhor o contexto seria preciso ler a carta do prof. Fedeli no site montfort dirigida ao meu bispo e a mim. Que pena que haja pessoas tão decididas a atacar sistematicamente o Concilio Vaticano II como esse senhor e seu séquito!

Confira: as cartas Clicando nos Links em azul.

Este texto foi retirado do site => entitulado: tres Links abaixo luterofedeli.wordpress.com.br

A carta que Fedeli não publicou

Mensagem do Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa, da diocese de Anápolis

Mensagem de Dom João Wilk, se defendendo de Orlando Fedeli e seu grupo

TRADIÇÃO E “TRADICIONALISTAS”.

Carta de Padre Fançoá ao:

Prof. Orlando Fedeli

Terminei ontem o meu jejum de quarta-feira de cinzas lendo a sua carta, dessa maneira a penitência foi completa.
Não lhe escreverei argumentando teologicamente, ou seja, como uma “fidens quaerens intellectum”, porque sei que o senhor já tem todas as suas idéias e são os outros que devem prostrar-se diante do senhor, inclusive o Papa: na sua cabeça, parece que todos estão errados menos o senhor e aqueles que estão de acordo com o senhor. Dá a impressão que o senhor é o seu próprio magistério.
Eu lhe agradeceria muito se tivesse jogado a minha “cartinha” na lixeira do seu computador, aliás, nem eu nem meu bispo lhe pedimos ou permitimos que a publicasse. Realmente, minha cartinha tem um tom bastante informal, está escrita para amigos e não para o site “montfort”. Não! Não é uma honra para eu sair no seu “quadro de honra”, nem mesmo peço para sair no último lugar da sua página. É sim uma honra sair ao lado do meu bispo, a quem tanto admiro.
Dessa vez lhe peço que publique essa minha “cartinha”, não é necessário que seja no quadro de honra, mas peço que a publique por uma questão de justiça. Ademais, essa é a última vez que peço que publique algo meu porque já não pretendo escrever-lhe: pessoas como o senhor não estão abertas ao diálogo! E eu, como sacerdote, tenho muito que fazer. E isso porque eu gosto de entrar em diálogo com as pessoas, em primeiro lugar com os meus irmãos católicos, mas não só, de fato, – e não se escandalize – tenho até amigos protestantes, já conversei com mulçumanos e tenho um carinho especial pelo povo judeu (Jesus Cristo, Nossa Senhora e os Apóstolos eram judeus!).
Além do mais, parece que o seu encontro em Anápolis não foi muito numeroso! Creio que as nossas cartinhas, a do bispo e a minha, não serviram de publicidade: nisso, como em outras muitas coisas, o senhor se equivoca.
Uma observação em prol do meu bispo: Dom João Wilk, como Pastor da grei que a ele foi confiada, tem o direito de avisar os seus fiéis sobre os perigos que determinadas idéias implicam para a fé e para a moral católicas.
O senhor pode dizer o que o senhor quiser, é livre – de fato ninguém em Anápolis exerceu violência para que o senhor não falasse – e pode se expressar. O Bispo Diocesano, sem ir contra a liberdade de expressão nem contra a liberdade religiosa G(liberdades essas verdadeiramente amadas por nós que nos empapamos com o Concilio Vaticano II, Concilio esse onde o Espírito Santo atuou maravilhosamente), pode e deve, como autêntico detentor de Magistério na Igreja, mostrar aos fiéis onde estão os erros, os desvios e as deformações presentes em determinadas maneiras (livres) de se expressar: foi o que Dom João fez ao pronunciar-se contra as suas palestras.
Avisar as pessoas sobre perigos contra a fé e a moral é o que faz também a Congregação para a Doutrina da Fé quando emite alguma nota sobre determinados escritos de teólogos, por exemplo, John Sobrino ou Leonardo Boff, famosos pela teologia da libertação. Na verdade, eu me alegraria se alguma nota da referida Congregação avisasse aos católicos sobre os perigos que representam os escritos do senhor!
Também, e por último, se referiu à minha vinculação ao Opus e à RCC. Para que fique bem claro: sou vinculado ao Opus, não sou vinculado à RCC (ainda que eu admire muito esse movimento aprovado pela Igreja Católica Apostólica Romana), e, por último, meus pronunciamentos não são em nome do Opus.
Que Deus o abençoe e lhe abra a mente e o coração para acolher a Igreja tal qual ela é, e não fazendo escolhas dentro do Magistério. Desejo-lhe tudo de bom.

Pe. Françoá Costa

(o senhor acertou, o meu nome se escreve assim mesmo!) – 07-II-2008

Lamento estar nessa polêmica, mas… me pareceu necessário. Que Deus abençoe a todos.

É só clicar aqui e Conferir outros Textos apologéticos de:

Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa No Veritatis Splendor.

PODE-SE ADORAR A SANTA CRUZ?

Vida Nova » PODE-SE ADORAR A SANTA CRUZ?

Texto Publicado no jornalzinho de Circulação Paroquial.

deus-e-o-mundo.gif

“TEMPERATURA DA SANTIDADE”

Na pagina da diocese contém outros Textos.

Obras Sociais

O Post que segue no Link Abaixo Mostra o Texto que estava no E_mail que circulou entre os paroquianos de Pe. Françoá, o qual foi repassado por mim a outros amigos, sendo que este foi uma das cópias que acabou chegando às Mãos de Orlando fedeli.

Orlando Fedeli Publicou o email de Pe. Françoá, mas Apagou um texto Biblico que não lhe agradou, Leia o Texto que foi deliberadamente deletado do e_mail original. clic neste Link! somente uma pergunta para meditar: Porque Orlando Fedelia apagaria esta parte do email sem comentá-la?





http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/03/sagrada-familia-jmj.jpg
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg

Veja Também: Testemunho de Um Padre

Pe. Wemerson de Uruaçu – Go, Deus Fez Maravilhas em Minha Vida.

pe_wemerson.jpg

Não sou Dono da verdade.


CONHECEREIS A VERDADE

E A VERDADE VOS LIBERTARÁ…


Estas são palavras de Jesus, mas no mundo de hoje são muito utilizadas para justificar outras palavras que podemos dizer, não serem verdades absolutas, melhor dizendo, nós hoje preferimos aceitar meias verdades do que uma verdade perfeita, haja visto, que Jesus, mesmo se declarando ser filho de Deus e jamais dando motivo a ninguém para duvidar de suas palavras, acabou sendo crucificado numa cruz, uma típica demonstração de erro na escolha ou simplesmente uma negativa à uma verdade plena.

Há pessoas neste mundo que se consideram possuidoras e detentoras de toda a verdade universal, tornando-se vítimas da maior mentira universal.


Textos retirados da WEB.


Dedos_cruzados


Texto de : Flavio Mendes Bitelman.

A beleza da vida está em evoluir sempre. E, para tanto, é preciso sempre continuar a aprender. Aprender o que quer que seja. Sem se acomodar e abandonar a luta.

Em qualquer função que um profissional desempenhe em uma óptica ou em qualquer outro tipo de negócio, deve sempre se atualizar e, em seguida, ensinar a quem o rodeia. É a velha história de que só se aprende de fato quando se ensina, quando se compartilha o conhecimento. E esse processo tem de ser permanente, quase eterno.

Nesse caminho de ser um eterno professor, é preciso ser também um eterno aprendiz. E para ser aprendiz, é preciso ser humilde e modesto. De nada vale ser dono da verdade. Até porque ninguém é dono da verdade. A verdade, inclusive, também muda com o tempo e com o aprender. Por acaso, você se lembra de quando os donos da verdade diziam que tudo girava em torno da Terra? Com o tempo, se descobriu que não era bem assim. E, até nesse caso, a verdade mudou.

Às vezes, donos da verdade até assustam. Vendem uma segurança que parece maior que a de qualquer outra pessoa. Mas, certamente, são pessoas muito inseguras que vestem o personagem de dono da verdade e usam esse método para amedrontar os outros.

A verdade reside somente na humildade, na simplicidade da vida e no aprender permanente.

O resto é mentira.


Máximas de Fedeli.

Resposta a um Leitor.

Sobre ser o dono da Verdade!

Muito obrigado por sua crítica, — pois é sempre bom ser criticado, porque nos permite examinar nossas posições, e corrigir o que erramos, ou o que não deixamos muito claro. Ademais, devo agradecer sua crítica, porque ela me permite elucidar alguns pontos.

Em primeiro lugar, devo dizer-lhe, — como já o disse muitas vezes neste site, e sempre em minhas aulas, — que minha opinião de nada vale.

E tenha a certeza de que estou cônscio que erro muitas vezes, e todo o dia. E quando tomo conhecimento de que errei, apresso-me a declarar que errei.

Erro tanto em minhas opiniões, que uma aluna minha, da Montfort, brincando comigo, há muitos anos já, me apelidou de “o inacertante”.

Por isso, jamais provei, ou procurei provar, que outros estivessem errados, com base em minhas opiniões.

Minha opinião sobre qualquer tema não interessa, e de nada vale.

Todo católico, na medida em que tem a Fé, possui a Verdade. Nesse sentido, é dono da verdade, que é Cristo. Melhor, a Verdade é nossa dona.

Apresso-me a dizer-lhe, para evitar mal entendidos, que a posse da Verdade católica, não nos faz sabedor de todas as coisas, doutores sabe-tudo, inerrantes e infalíveis.

Assim, como você se confessa católico como eu, creio, então, que eu sou tão dono da verdade, quanto você. Apenas, tanto eu como você, podemos errar ao tentarmos explicar a verdade que temos a graça de possuir, com nossa Fé.

E que eu erro, e que eu existo, nessas duas certezas, creio que eu e você estamos completamente de acordo.   Esperando ter esclarecido a você sobre minha inacertância evidente, assim como de minhas limitações de saber, que são públicas e notórias, me subscrevo atenciosamente, e agradecido,

in Corde Jesu, semper,
Orlando Fedeli.


Mensageiros do Amor

Pinoquio[1]


NINGUÉM É DONO DA VERDADE.


NÃO É BOA COISA CRER QUE SOMOS INFALÍVEIS, SENTINDO-NOS TÃO SEGUROS A TAL PONTO DE PENSARMOS QUE ESTAMOS SEMPRE CERTOS. É ASSIM QUE SE CRIAM OS SERES HUMANOS OBSTINADOS, ORGULHOSOS, FANÁTICOS, TEIMOSOS.

NINGUÉM É DONO DA VERDADE. NINGUÉM ACERTA SEMPRE. POR ISSO, É NECESSÁRIO QUE FAÇAMOS UMA AUTOCRÍTICA DE NOSSA VAIDADE, DA SEGURANÇA DE QUE NOS ORGULHAMOS.

NÓS NOS ENGANAMOS, TU TAMBÉM TE ENGANAS, COMO EU. NUNCA DEVEMOS NOS MOSTRAR INFALÍVELMENTE SEGUROS!!


Gloria Pollo http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg


O que a Renovação Carismática Católica não É!

banner_novena_pentecostes.jpg
  1. A RCC não é apenas um mais movimento da Igreja Católica Apostólica Romana, ela é o mover do Espírito Santo através de seus Dons, Frutos, e Carismas em toda a Igreja e através de todos os movimentos.

  2. A RCC não é um Movimento Pentecostal derivado da Influência de Martinho Lutero atravéz de suas numerosas denominações protestantes, o novo movimento do Pentecostalismo só reapareceu no século XX no mesmo dia que Leão XIII apresentou uma encíclica sobre o Espírito Santo.

  3. A RCC não faz parte do movimento Modernista, antes pelo contrário, busca com rigor a valorização e a participação nos Sacramentos e na Santa Missa, buscando também mais compromisso Espiritual nas orações e o estudo da Palavra de Deus dando ênfase às coisas mais Santificantes.

  4. A RCC Não criou novidades na Igreja Católica.  Muito pelo contrário, ela é movida a ser um novo Pentecostes rumo à recuperação das primeiras atitudes dos Cristãos logo após o nascimento da Igreja em Pentecostes, Fatos largamente comprovados na Bíblia e Documentos da Igreja. Isto fazemos em obediência à palavra de Deus anunciada por São Paulo aos Gálatas no Capítulo 3 e por São João no livro de Apocalipse 2, 4.

  5. A RCC não é Ignorante da Palavra de Deus e dos Documentos da Igreja, A RCC é subdividida em diversas Secretarias Ministeriais aperfeiçoando os diversos assuntos relacionados à fé; A Escola Paulo Apóstolo é responsável pelo estudo da Palavra de Deus, Kerigma, pregação, catequese, Documentos da Igreja e retransmitindo aos Lideres através de apostilas e livros com o objetivo de conduzir e ensinar a todos como crescer na vivência Cristã dentro da Igreja Católica Apostólica Romana.

  6. A RCC não é Desestruturada, Temos um Conselho Nacional, Estadual, Diocesano, Municipal, Regional, Paroquial e enfim coordenadores em cada Grupo de Oração em particular ligados em uma corrente hierárquica inserida na Igreja e em obediência com nossos Sacerdotes, Bispos e o Papa Bento XVI.

  7. A RCC não é um Braço desligado da CNBB, Possuímos Bispos no Brasil que nos representam dentro do conselho nos deixando ligados e atualizados com a Igreja no Brasil.

  8. A RCC não é um Barco errante em alto mar, Ela tem Representantes Mundiais, como Cardeais e Bispos que nos representam diretamente junto ao Vaticano e ao Papa.

  9. A RCC não é Alienada somente vivendo o Lado Espiritual, Trabalhamos em todo o Brasil em diversos Movimentos assistenciais principalmente acolhimento aos necessitados e marginalizados; Drogados, Alcoólatras, Prostitutas, Crianças Carentes Etc…

  10. A RCC não é um grupinho isolado, Trabalhamos em Comunhão e entronizados sem Discriminações com todas as Pastorais da Igreja, Catequese com Crianças, Grupos de Jovens, Com Casais, Com Homens, Com Viúvas, Pastoral da Saúde, Pastoral da Sobriedade etc…

  11. A RCC não é acomodada e preguiçosa, Temos trabalhado em todas as atividades Paroquiais, Festas, Promoções, Atividades internas, Catequese, Bingos, Evangelização nas casas, Ministros da Eucaristia, Secretarias, Construções etc…

  12. A RCC não é uma comunidade NOVA, apesar das Comunidades Novas terem se originado na RCC e serem Renovadas, hoje seguem seus próprios caminhos e já possuem uma estrutura totalmente independente da RCC.


Veja também como

Surgiu a RCC no Mundo


SITE OFICIAL DA RCC BRASIL


simbolo-rcc-j.jpg


E Assim foi Concebida a Renovação Carismática Catolica!



Semeando a cultura de Pentecostes



Gloria e Martírio de Santa Joana d’Arc.


As chamas não consumiram seu Coração pois já ardia de Amor por Jesus, o que a impulsionou doar toda sua vida e seu Corpo pela Libertação e Unificação da França atendendo a um pedido do Senhor.


jona-darc_01.jpg



Joana d’Arc nasceu em 6 de janeiro de 1412, na cidade de Domremy, filha de humildes camponeses. Em 1425 estava em andamento a Guerra dos Cem Anos entre França e Inglaterra, e os Ingleses haviam invadido grande parte do território Francês, chegado até Orleans, ao sul de Paris, e pretendiam conquistar todo o restante do país. Nesta época a camponesa teve a primeira de uma série de visões de São Miguel, onde ele lhe aparecia trajando armadura e montando um cavalo. Teve também visões de Santa Catarina e Santa Margarida. Nestas primeiras visões ela era exortada a orar muito e se preparar para uma difícil missão. Apenas dois anos depois, novas visões lhe revelaram qual seria sua missão. Ela deveria libertar a cidade de Orleans dos Ingleses. Depois deveria também unir e libertar toda a França, o que só poderia ser conseguido se o herdeiro legítimo, Carlos VII, fosse coroado na Catedral de Reims. Mas esta cidade também estava dominada pelos Ingleses.


Eram tarefas praticamente impossíveis, principalmente para uma jovem de apenas 13 anos. Mas a fé de Joana era imensa, e ela começou a orar e preparar-se para sua missão. No entanto, a época medieval era propícia a todo tipo de crendices e superstições, e enquanto alguns diziam que ela era abençoada, outros garantiam que ela tinha feito um pacto com o demônio. Em pouco tempo, aquela menina já era conhecida como a Donzela de Orleans, e as histórias de suas visões corriam de boca em boca, não tardando a chegar aos ouvidos do Rei Charles II, que mandou chamá-la para averiguar quem era aquela jovem sobre a qual todos falavam.


Após a audiência, o Rei estava emocionado e plenamente convencido da veracidade de suas palavras e de sua fé. Concedeu-lhe então título de Filha do Rei e Verdadeira Herdeira da França. Concedeu-lhe também uma armadura, um cavalo, a chefia sobre um grupo de soldados, e a enviou a Orleans, com a missão de juntar-se ao exército e combater os Ingleses. Como brasão, Joana adota para seu grupo de guerreiros a imagem da Flor de Lis acompanhada das palavras Jesus e Maria.


Em 8 de maio de 1429, tendo Joana D’Arc à frente, os franceses conseguem uma grande vitória sobre o inimigo, e com apenas 17 anos, aquela jovem passa a ser saudada como heroína em todo o país. Mas isto não é tudo, e as vitórias prosseguem, sempre sob o comando e orientação da Donzela de Orleans. Em 18 de junho do mesmo ano os Ingleses sofrem nova derrota em Patay, abrindo caminho para sua derrota definitiva. E finalmente, em 17 de julho de 1429, na Catedral de Reims, Carlos VII é coroado Rei da França, cumprindo assim a missão recebida por Joana. Disse ela nesta ocasião: “Nobre Rei, assim é cumprida a vontade de Deus, que desejava que eu liberasse a França e vos trouxesse a Reims, para receberdes esta sagrada missão e provar à França que sois o verdadeiro Rei”.


Deste dia em diante, porém, tudo começa a mudar. Tendo conseguido seu objetivo, o rei deixa de prestar ajuda às tropas da Donzela de Orleans, fazendo com que elas fiquem fracas e vulneráveis. Isto permite que, em 23 de maio de 1430 Joana seja feita prisioneira em Compiègne pelos ingleses. Estes sentiam por ela um ódio mortal, e a responsabilizavam por todas suas derrotas em território Francês.


Em novembro de 1430 Joana é levada para a cidade de Rouen, que ainda era controlada pelos ingleses e é iniciado um processo contra ela. Suas visões e sua fé são questionadas, e ela é acusada de bruxaria e heresia. Os ingleses querem um pretexto para vingar-se daquela que era a razão principal de sua derrota. E os reis franceses, que já tinham conseguido realizar seu intento, não a socorrem. Joana é considerada culpada, e como era costume entre as condenadas por bruxaria, sua pena é a morte pelo fogo. Em 30 de maio de 1431 ela é amarrada em uma estaca na praça central de Rouen, e os soldados ingleses ateiam fogo à sua volta. Mesmo prestes a morrer Joana recusa-se a renegar sua fé. Sua única atitude é pedir aos soldados uma cruz, que ela beija pouco antes de morrer na fogueira.

coracao-em-chamas.jpg


Para comprovar sua morte e evitar boatos de fuga, mandaram abrir a fogueira e expor o corpo carbonizado, ao final quando foram recolher as cinzas foram surpreendidos por um acontecimento milagroso, seu Coração não fora consumido pelas chamas e estava intacto, com medo do povo os soldados receberam ordens de lançá-lo juntamente com as cinzas no leito do rio Sena.


Sua morte, no entanto, não foi seu fim. Joana deixava este mundo, mas entrava para a história como mito, inspiração e Santa. Aquela jovem camponesa de 20 anos incompletos, em plena época medieval, e tendo como arma principal sua fé, havia conseguido o que muitos generais experientes não tinham logrado até então. Havia tornado-se respeitada e obedecida por milhares de guerreiros rudes e violentos, homens acostumados às sanguinárias batalhas corpo a corpo, e que passaram a ver naquela jovem uma líder. Ela havia norteado o exército da França em sua luta pela liberdade até a vitória final. E havia trazido unidade a um país dividido.


Hoje em dia, Joana dos Arcos é considerada a maior heroína nacional da França. Seu nome, imagem e história estão presentes em todo o país. Mesmo tendo sido uma guerreira, ela jamais deixou de praticar sua fé. Em reconhecimento por seus milagres, ela foi canonizada em 1920 pelo Vaticano. E hoje pode-se dizer que, graças à Donzela de Orleans, surgiu a nação de França não apenas como um território, mas sim como nação livre e independente.


Gloria Pollo

MAIS HISTÓRIA DE JOANA D’ARC

http://www.psleo.com.br/ss_joanarc2.htm

joanadarc_ingres.jpg


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg

O Que é Renovação Carismática Catolica?



A RCC, Nasceu em primeiro lugar no coração de Jesus que a Gerou no Seio da Igreja Católica através da Moção do Espírito Santo.



baner-rcc-3.jpg


A Renovação Carismática Católica, ou o Pentecostalismo Católico, como foi inicialmente conhecida, teve origem com um retiro espiritual realizado nos dias 17-19 de fevereiro de 1967, na Universidade de Duquesne (Pittsburgh, Pensylvania, EUA).(13)Em uma carta enviada dois meses após (29 de abril de 1967), a um professor, Monsenhor Iacovantuno, Patti Gallagher, uma das estudantes que participou do retiro, assim relatou o que aconteceu naqueles dias:

Tivemos um Fim de Semana de Estudos nos dias 17-19 de fevereiro. Preparamo-nos para este encontro, lemos os Atos dos Apóstolos e um livrinho intitulado “A Cruz e o Punhal” de autoria de David Wilkerson. Eu fiquei particularmente impressionada pelo conhecimento do poder do Espírito Santo e, pelo vigor e a coragem com que os apóstolos foram capazes de espalhar a Boa Nova, após o Pentecostes. Eu supunha, naturalmente, que o Fim de Semana me seria proveitoso, mas devo admitir que nunca poderia supor que viria a transformar a minha vida!

Durante os nossos grupos de discussão, um dos líderes colocou em tela o fato de que nós devemos confirmar constantemente os nossos votos de Batismo e de Crisma, assim como devemos ter a alma mais aberta para o Espírito de Deus. Pareceu-me curioso, mas um pouco difícil de acreditar quando me foi dito que os dons carismáticos concedidos aos apóstolos são ainda dados às pessoas nos dias atuais – que ainda existem sinais do poder divino e milagres – e que Deus prometeu emanar o seu Espírito para que se fizesse presença a todos os seus filhos. Decidimos, então, efetuar a renovação dos votos de Batismo e de Crisma como parte do serviço da missa de encerramento, no domingo à noite. Mas, no entanto, o Senhor tinha em mente outras coisas para nós!…

No sábado à noite, tínhamos programado uma festinha de aniversário para alguns dos colegas, mas as coisas foram simplesmente acontecendo sem alternativa. Fomos sendo conduzidos para a capela, um de cada vez, e recebendo a graça que é denominada de Batismo no Espírito Santo, no Novo Testamento. Isto aconteceu de maneiras diversas para cada uma das pessoas. Eu fui atingida por uma forte certeza de que Deus é real e que nos ama. Orações que eu nunca tinha tido coragem de proferir em voz alta, saltavam dos meus lábios. (…) Este não era, pois um simples bom fim de semana, mas, na realidade, uma experiência transformadora de vida que ainda está prosseguindo e se desenvolvendo em crescimento e expansão.

Os dons do Espírito já são hoje manifestados – e isto eu posso testemunhar, porque tenho ouvido pessoas orando em línguas, outras praticam curas, discernimento de espíritos, falam com sabedoria e fé extraordinárias, profetizam e interpretam.

Eu, agora, tenho certeza de que não há nada que tenhamos de suportar sozinhos, nenhuma oração que não seja atendida, nenhuma necessidade que Deus não possa cobrir em sua riqueza! E, no depender dele e louvá-lo com fidelidade, eu sinto uma tremenda sensação de liberdade.

Podemos tentar viver como cristãos, morrendo para nós mesmos e para o pecado, mas esta será uma luta desanimadora se não contarmos com o poder do Espírito. Ainda existem tentações e problemas, mas agora tenho a certeza e a confiança em Deus, agora ele me dá segurança. Realmente, transforma-me a viver nele. É verdade que na Crisma, nós recebemos o Espírito Santo e que nós somos seus templos, mas nós não nos abrimos o suficiente para receber em nossas vidas os seus dons e o seu poder. É certo que o Espírito Santo é o nosso professor: eu dele aprendi tanto e em tão pouco tempo!

As Escrituras vivem! Amém! Eu estou segura de que jamais poderia ter acumulado por minha própria conta tanto conhecimento, apesar de todo o esforço desenvolvido, e com as melhores intenções que tivesse.

(…) Eu me vi, de repente, conversando com as pessoas sobre Cristo, e, vendo desde logo o resultado desse trabalho! Eu jamais teria ousado fazer essas coisas no passado, mas agora, é ao contrário: é impossível deixar de fazê-lo. É como disseram os apóstolos depois de Pentecostes: “Como podemos deixar de falar sobre as coisas que vimos e ouvimos!” (…)(14) .

Estas notícias se divulgaram rapidamente, causando um grande impacto no meio religioso universitário. O “Fim de Semana de Duquesne”, como ficou mundialmente conhecido este retiro, tem sido geralmente aceito como o ponto de partida que deu origem à Renovação Carismática Católica, cuja abrangência estender-se-á, num curto período de tempo, por um grande número de países.

A experiência inicial vivida nestas universidades, caracterizada por um reavivamento espiritual por meio da oração, da vida nova no Espírito, com a manifestação dos seus dons, tomará corpo, transpondo rapidamente o ambiente onde foi originada.

Através das reuniões, seminários e encontros, em breve, aparecerão grupos de oração noutras universidades, paróquias, mosteiros, conventos, etc. Os testemunhos multiplicam-se, vindos dos mais variados grupos de pessoas: operários, ex-presidiários, professores, religiosos das mais diversas ordens.

Kevin e Dorothy Ranaghan ainda registram um aspecto pouco divulgado desta história inicial da Renovação Carismática:

Nossa suspeita de que essa experiência de renovação, que agora estava espalhada, não era nova para os católicos americanos, foi confirmada, quando ouvimos notícias ou recebemos cartas de pessoas ou grupos de católicos ao redor do país. Da Flórida, Califórnia, Texas, Wisconsin, Massachusetts, tivemos notícias do trabalho calmo do Espírito Santo no decorrer dos anos(15) .

Portanto, embora os primeiros momentos da Renovação tenham se dado em torno do retiro de Duquesne e apesar de estarem os americanos igualmente presentes no seu nascimento em diversos outros países, seria falso atribuir a expansão da Renovação Carismática unicamente à sua influência. Como afirma Monique Hébrard, a Renovação Carismática “explodiu quase ao mesmo tempo em todos os cantos da terra e em todas as igrejas cristãs, sem que se saiba muito bem como é que o fogo se ateou”(16) .

Para o Cardeal Suenens isto também despertou uma curiosidade, ou seja, “sem nenhum contato entre si, parece que o Espírito Santo suscitou em vários lugares do mundo experiências que, se não são iguais, certamente são semelhantes”(17)

Fonte: www.rccbrasil.org.br

Retirado: http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao

CNBB – Documento Oficial sobre o direcionamento

Pastoral para a RCC no Brasil.


RCC ANÁPOLIS http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

Link’s para outros post’s



sb-rcc-3-2.jpg