A Loucura da Cruz.



Existem coisas que nos parecem totalmente sem sentido ou então são totalmente absurdas, poderíamos dizer que este é o caso da cruz de Cristo, pois uma condenação de morte da pior maneira possível usada pelo ser humano para humilhar o condenado e mais ainda aqueles que o poderiam seguir seus ensinamentos provoca uma reação totalmente oposta ao esperado e ainda mais, este já era os planos daquele que fora condenado.

Para nós que hoje conhecemos esta história, resta nos compreender o significado deste imenso amor pessoal para conosco.



Réplica da Serpente de Bronze de Moisés – Perto do Monte Nebo, na Jordânia

foto © Joe Walker 2005


“E assim como Moisés levantou a Serpente  no deserto, assim importa que o filho do homem seja levantado, que todo aquele que n’Ele crê tenha a vida eterna.”
(S. João 3,15)

A história da serpente de bronze é encontrada em Números 21: 4-9

O povo murmurou contra Deus e contra Moisés: “Por que você nos tirou do Egito para morrermos no deserto? Porque não há comida e nem água, e nós detestamos este alimento miserável. “Então o Senhor enviou serpentes venenosas entre as pessoas, e elas morderam as pessoas, de modo que muitos israelitas morreram. O povo veio a Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti;. Interceda por nós ao Senhor para que tire de as serpentes de nosso meio “Então, Moisés orou pelo povo. E o Senhor disse a Moisés: “Faça uma serpente de Bronze e a coloque num poste, e todo aquele que for mordido deverá olhar para ela e então não morrerá.” “Então Moisés fez uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sempre que alguém era mordido por uma serpente, se dirigia à serpente no poste e a olhava para ela não morria.

A serpente de bronze aparece novamente em (2 Reis 18): [Ezequias] tirou os altos, quebrou as colunas, e cortou o poste sagrado. Ele quebrou em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até aqueles dias em que o povo de Israel tinham feito ofertas a ele, que era chamado de Neustã.

É um evento fascinante. É uma daquelas histórias bíblicas que deixa a consciência moderna embaraçada para encontrar uma explicação para o episódio todo. A serpente é um agente da destruição e morte, mas ao olhar para a serpente de bronze ela se tornava em um agente de cura. A mesma coisa que traz a morte, também, em outro contexto, traz a vida. Mas a passagem de 2 Reis dá algumas pistas de reflexão: há uma tendência no homem de recorrer em adoração aos meios de salvação, em vez de recorrer ao Deus da salvação!

De qualquer forma, parece uma inversão de valores, um completo absurdo da parte de Deus em usar esse sinal particular como um meio pelo qual os israelitas pecadores e murmuradores contra Deus estavam sendo curados. É aqui que se revela o significado “a tipologia” da cruz. Se era absurdo pensar em olhar para uma serpente de bronze para ser curado, então também é outro absurdo pensar o mesmo sobre olhar para Jesus crucificado. Este é, um dos motivos, uma primeira instância por que São Paulo chamará mais tarde de “A loucura da cruz.” Deus é completamente capaz de organizar as coisas de tal maneira que atinja o seu objetivo maior, bem, pode ser até muito estranho. Mas isso é o chamado e a forma de Deus agir, não a minha.

Jesus entra na história e revela que este evento é um precedente “a tipologia” , ou seja, um evento que tem um significado muito além de si mesmo. Isso é diferente de tratá-lo como apenas uma alegoria histórica.

Esta tipologia pode trabalhar de algumas maneiras.   Nós vemos a relação evidente entre a serpente que foi “levantada na vara” e Jesus “levantado na cruz”. A serpente é uma coisa tanto que provoca a morte ou de acordo com a decisão tomada pelos pecadores no deserto, ela se tornaria fonte de vida. Acontece o mesmo com Jesus: na passagem de (São João 3, 16), Ele pretende claramente que haja um resgate de todo homem,  mas já se fala do mal, daqueles que rejeitam olhar para a luz e preferem as trevas, estes terão como recompensa a morte eterna, resultado de sua própria escolha.

Pensando na Jordânia moderna, onde o memorial da serpente de bronze esta localizado atualmente, em um dia claro você pode visualizar a famosa “terra prometida”.

Para quem teve a oportunidade de visitar o local. É uma visão maravilhosa, olhar para a serpente de bronze vendo ao fundo a terra que mana leite e mel, aquela terra que Deus prometeu à descendência de Abraão e os conduziu pelo deserto naqueles quarenta anos para enfim tomar posse da promessa. É uma outra espécie de “tipologia geográfica”.

Quando olhamos para Jesus na cruz, como um desprezado assim como a serpente, podemos olhar para o passado vislumbrando o futuro da nova e eterna aliança, este é o caminho da cruz para a ressurreição, o verdadeiro lugar do Sacrifício que garante a nossa salvação eterna. 


Placa que indica a direção das cidades em Israel.


E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas a fim de que o mundo seja salvo por ele.

Aqueles que acreditam nele não são condenados, mas quem não crer já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E este é o julgamento, que a luz veio ao mundo, e as pessoas preferiram as trevas à luz, porque suas obras eram más. Para todos os que fazem o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que seus atos não possam ser expostos. Mas aqueles que fazem o que é verdade vem para a luz, para que ele possa ser visto claramente que as suas obras têm sido feitas em Deus. “Como uma passagem da Quaresma, este texto fala da redenção fora do juízo. Observe que a fonte do julgamento aqui não é Jesus, mas nós mesmos. O “poder se expor” na luz é usado para mostrar o contraste entre o bem e o mal. Enquanto muitos poderiam ser tentados a viver conforme o final da mensagem, depois vem as palavras reconfortantes no v 16, o texto que temos continua.

Parece um acórdo de juizes baseando-se exclusivamente a este respeito: o que (ou quem) você ama? A Luz ou as Trevas ?  A escuridão impede a visão, impede de “olhar” aquele que foi levantado na Cruz. As trevas termina na opção de não ver o crucificado ou usando outra famosa expressão de Jesus “O Pior cego é aquele que prefere não ver”, porque mesmo tendo olhos sadios, preferem mantê-los fechados para não verem a verdade.

Há sempre (pelo menos para mim) uma disputa na forma de abordar os elementos de julgamento em tais textos. É certamente uma boa notícia que o propósito de Jesus não é condenar, mas para salvar (a partir de nossa propria decisão?). E ainda assim eu sinto que não é o caso de que Jesus não possa condenar alguém (ele disse muitas palavras duras no evangelho), mas sim que não há necessidade de outras provas que os nossos próprios atos, a fim de fazê-lo.  Primeiro caminho com poucas irregularidades: manter uma alegoria harmoniosa das duas histórias… olhar para Deus … olhe para Jesus na cruz, não importa quão absurdo que possa parecer. Olhe para cima. Deus ama todos os seus filhos que estão no mundo.

Segundo caminho com colisões: o agente que pela decisão do homem provoca a morte / é também o agente da salvação. É por isso que Jesus traz a referência. Os meios de salvação podem aparecer duros, mas é o único meio. Isso significava, para Jesus, tornando-se a serpente figurada na vara de Moisés (“Ele se tornou o pecado que não conheceu pecado”), a fim de trazer a cura definitiva aos que n’Ele creem. 

Fonte: http://joewalker.blogs.com/felixhominum/2009/03/sermon-notes-lent-4-year-b-john-31421.html

Outras fotos do local – Canção nova



Semeando a cultura de Pentecostes



A Serpente de Bronze e a Cruz de Cristo.


Réplica da Serpente de Bronze de Moisés – Perto do Monte Nebo, na Jordânia

foto © Joe Walker 2005



E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.



A história da serpente de bronze é encontrada em: Números 21: 4-9

O povo murmurou contra Deus e contra Moisés: “Por que você nos tirou do Egito para morrermos no deserto? Porque não há comida e nem água, e nós detestamos este alimento miserável. “Então o Senhor enviou serpentes venenosas entre as pessoas, e elas morderam as pessoas, de modo que muitos israelitas morreram. O povo veio a Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti;. Interceda por nós ao Senhor para que tire as serpentes de nosso meio “Então, Moisés orou pelo povo. E o Senhor disse a Moisés: “Faça uma serpente de Bronze e a coloque num poste, e todo aquele que for mordido deverá olhar para ela e então não morrerá.” “Então Moisés fez uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sempre que alguém era mordido por uma serpente, se dirigia à serpente no poste e a olhava para ela não morria.

A serpente de bronze aparece novamente em 2 Reis 18: [Ezequias] tirou os altos, quebrou as colunas, e cortou o poste sagrado. Ele quebrou em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até aqueles dias em que o povo de Israel tinham feito ofertas a ele, que era chamado de Neustã.


JESUS+OU+NEUSTÃ[1]


Este é um evento fascinante. É uma daquelas histórias bíblicas que deixa a consciência moderna embaraçada para encontrar uma explicação para o episódio todo. A serpente é um agente da destruição e morte, mas ao olhar para a serpente de bronze ela se transformava em um agente de cura. A mesma figura que traz a morte, ao olhando por outro ângulo e outra esperança traz a vida.   A passagem de 2 Reis nos dá algumas pistas para reflexão: há uma tendência no homem carnal de recorrer em adoração aos objetos visíveis buscando salvação, em vez de recorrer ao Deus da salvação!

De qualquer forma, parece uma inversão de valores, um completo absurdo usar este sinal em particular como um meio pelo qual os israelitas pecadores e murmuradores contra Deus poderiam ser curados. É aqui que se revela o significado “a tipologia” da cruz. Se era absurdo pensar em olhar para uma serpente de bronze para ser curado, então também seria outro absurdo pensar o mesmo sobre olhar para Jesus crucificado. Este é, um dos motivos, uma primeira instância por que São Paulo chamará mais tarde de “A loucura da cruz.” Deus é completamente capaz de organizar as coisas de tal maneira que atinja o seu objetivo maior, bem, pode ser até muito estranho. Mas isso é o chamado e a forma de Deus agir, não a minha.

Jesus entra na história e revela que este evento é um precedente “a tipologia” , ou seja, um evento que tem um significado muito além de si mesmo. Isso é diferente de tratá-lo como apenas uma alegoria histórica.

Esta tipologia pode trabalhar de algumas maneiras.   Nós vemos a relação evidente entre a serpente que foi “levantada na vara” e Jesus “levantado na cruz”. A serpente é uma coisa tanto que provoca a morte ou de acordo com a decisão tomada pelos pecadores no deserto, ela se tornaria fonte de vida. Acontece o mesmo com Jesus: na passagem de São João 3, 16, ele pretende claramente que haja um resgate de todo homem,  mas já se fala do mal, daqueles que rejeitam olhar para a luz e preferem as trevas, estes terão como recompensa a morte eterna, resultado de sua própria escolha.

Pensando na Jordânia moderna, onde o memorial da serpente de bronze esta localizado atualmente, em um dia claro você pode visualizar a famosa “terra prometida”.

Para quem teve a oportunidade de visitar o local. É uma visão maravilhosa, olhar para a serpente de bronze vendo ao fundo a terra que mana leite e mel, aquela terra que Deus prometera à descendência de Abraão e os conduziu pelo deserto naqueles quarenta anos para enfim tomar posse da promessa. É uma outra espécie de “tipologia geográfica”.

Quando se olha para Jesus na cruz, como um desprezado assim como a serpente, podemos olhar para o passado vislumbrando o futuro da nova e eterna aliança, este é o caminho da cruz para a ressurreição, o verdadeiro lugar do Sacrifício que garante a nossa salvação eterna. 


Placa que indica a direção das cidades em Israel.


E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas a fim de que o mundo seja salvo por ele.

Aqueles que acreditam nele não são condenados, mas quem não crer já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E este é o julgamento, que a luz veio ao mundo, e as pessoas preferiram as trevas à luz, porque suas obras eram más. Para todos os que fazem o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que seus atos não possam ser expostos. Mas aqueles que fazem o que é verdade vem para a luz, para que ele possa ser visto claramente que as suas obras têm sido feitas em Deus “.

Como uma passagem da Quaresma, este texto fala da redenção fora do juízo. Observe que a fonte do julgamento aqui não é Jesus, mas nós mesmos. O “poder se expor” na luz é usado para mostrar o contraste entre o bem e o mal. Enquanto muitos poderiam ser tentados a viver conforme o final da mensagem, depois vem as palavras reconfortantes no v 16, o texto que temos continua.

Parece um acordo de juízes baseando-se exclusivamente a este respeito: o que (ou quem) você ama? A Luz ou as Trevas ?  A escuridão impede a visão, impede de “olhar” aquele que foi levantado na Cruz. As trevas termina na opção de não ver o crucificado ou usando outra famosa expressão de Jesus “O Pior cego é aquele que prefere não ver”, porque mesmo tendo olhos sadios, preferem mantê-los fechados para não verem a verdade.   Há sempre (pelo menos para mim) uma disputa na forma de abordar os elementos de julgamento em tais textos. É certamente uma boa notícia que o propósito de Jesus não é condenar, mas para salvar (a partir de nossa própria decisão?). E ainda assim eu sinto que não é o caso de que Jesus não possa condenar alguém (ele disse muitas palavras duras no evangelho), mas sim que não há necessidade de outras provas que os nossos próprios atos, a fim de fazê-lo.   Primeiro caminho com poucas irregularidades: manter uma alegoria harmoniosa das duas histórias… olhar para Deus … olhe para Jesus na cruz, não importa quão absurdo que possa parecer. Olhe para cima. Deus ama todos os seus filhos que estão no mundo.

Segundo caminho com colisões: o agente que pela decide do homem provoca a morte / é também o agente da salvação. É por isso que Jesus traz a referência. Os meios de salvação podem aparecer duros, mas é o único meio. Isso significava, para Jesus, tornando-se a serpente figurada na vara de Moisés (“Ele se tornou o pecado que não conheceu pecado”), a fim de trazer a cura definitiva aos que n’Ele creem. 


Fonte: http://joewalker.blogs.com/felixhominum/2009/03/sermon-notes-lent-4-year-b-john-31421.html


Outras fotos do local – Canção nova



Semeando a cultura de Pentecostes


Nova_aliança_lk

Em Verdade, em Verdade Te digo…



Nicodemos Foi se encontrar com Jesus em Segredo.

Carta a Nicodemos.



nicodemos-23.jpg



Em Verdade, Em Verdade Te digo, quem não nascer de novo, não entrará no reino de Deus…



“Doutor e Príncipe entre os Judeus que numa noite ESCURA foi falar com Jesus”. Nicodemos ouviu de Jesus coisas estranhas, palavras que de modo algum faziam sentido para ele, nem estavam relacionadas com aquilo que Jesus anunciava nas ruas e praças da cidade, palavras que falavam sobre vento Forte, nascimento de Velhos, e ainda condicionava a nossa entrada no reino dos céus desde que nos tornássemos como crianças novamente.

Neste ponto, Nicodemos interpelou a Jesus, pois não sabia como nascer de novo e nem mesmo como voltar a ser uma criança, sendo que já era um homem velho, e neste mundo nada se faz para retornar ao passado muito menos para voltarmos à nossa juventude. (a fonte da Juventude tão desejada pelos mais idosos)

Basicamente esta é a Minha e Sua história, homens e ou mulheres que um dia descobrimos que Jesus veio ao mundo para nos salvar e nos dar coisas maravilhosas, aquelas que os olhos e nem os ouvidos humanos, nunca, jamais havíam visto ou ouvido antes e nem mesmo nosso coração havia experimentado anteriormente.

Ouvimos falar deste Jesus pelas ruas e praças, que Ele curava; que Ele contava parábolas maravilhosas; que Ele perdoava os pecados e esquecia todos os nossos erros, não fazia distinção de raça, sexo, idade ou status social. Que afinal de contas me aceitaria do jeitinho que eu sou.

Quero conhecer este Homem, este tal de Jesus, um pouco mais de perto.   Seria uma resposta lógica, que qualquer pessoa normal diria.

Zaqueu disse:

Irei até Ele !   Onde Ele Está ?

Mas no momento que nós (2) o encontramos, tudo fica diferente, as palavras se tornam estranhas e Ele começa a mexer com meu coração (1) e meus pensamentos mais íntimos, e neste momento a nossa primeira reação é de estranheza e depois de receio e depois ainda de interrogação (?), muitas vezes até mesmo de fuga, mas o que acabamos fazendo mesmo é ficando (4) com Ele, ouvindo sua voz e experimentando a sua paz.

A partir deste momento começamos a compreender as palavras estranhas que Ele nos falava e a luz começa a brilhar em nossos corações. Porém, esta nossa historia estará apenas começando, ventanias e tempestades irão nos atormentar(5), passado e futuro irão nos confundir, conhecimento e sabedoria irão nos enganar, estaremos no limite do físico e do espiritual, caminhando num mundo visível sendo guiado pelo Espírito de Deus, visível somente através da Fé. ( Fé – Heb 5 )(6)

É fácil falar de Deus, muito mais fácil ouvir falar de Jesus, ainda é fácil procurar por Jesus e até mesmo lhe perguntar sobre aquelas coisas que o mundo jamais conseguiu explicar, mas a partir do momento que começamos a escutar as palavras de Jesus, e elas começam a mexer com os meus pensamentos, começam a mudar minha vida. A coisa se complica e tudo que era fácil fica mais difícil, e já não queremos mais procurar Jesus, não queremos mais ver ou ouvir Jesus e o nosso mundo começa a desmoronar, pois sem Jesus não existe explicação para nada neste mundo ( João 1), muito menos para a minha propria vida.


nicodemos-32.jpg


Em fim, Nicodemos ouviu as palavras mais lindas que Jesus pronunciou em toda a sua vida na terra, tanto é assim, que muitos consideram que somente estas palavras, seriam o suficiente para a nossa salvação.

(S. João 3,16-17) – “Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.  Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.”.

A Bíblia não nos conta qual foi a atidude de Nicodemos (3) após ter se encontrado com Jesus, mais isto não importa, pois o que importa mesmo será a minha e a sua atitude, e minha e a sua resposta ao chamado de Jesus a partir de agora.

Após este dialogo Jesus faz a seguinte observação, se Eu vos falo das coisas terrenas, ou seja, das coisas que deveríamos entender e compreender, ou seja, Ele se comunicava com a sabedoria e linguagem humanas de maneira que fossemos capazes de entendé-Lo, discernir e compreender, mas mesmo assim vocês não crêem, pois insistimos em acreditar e entender somente aquilo que podemos apalpar e explicar com nossa sabedoria humana. Imagine então se Eu vos falar das coisas celestiais. Que coisas seriam estas? talvez fossem aquelas que Ele mesmo disse que não seriamos capazes de compreender naquele momento(7), mas somente quando o Espírito Santo viesse sobre nós, nos mergulhando em suas águas mais profundas.(8) Jacó foi aquele homem que em frente a uma visão celestial e inexplicável para ele, ousou lutar com Deus, segurando um anjo até o amanhecer, até que alcançasse o discernimento de sua visão que seria uma grande benção divina. Deus lhe respondeu “Teu nome não será mais Jacó, tornou ele, mas Israel, porque lutaste com Deus e com os homens, e venceste.

(Gen. 32,28)”. Um novo homem surgiu deste encontro, não apenas um homem novo, mas uma nova nação santificada e abençoada por Deus. Este é o resultado de um verdadeiro encontro entre o humano (material) e o divino (celestial), uma nova terra (Ap. 21), uma nova civilização segundo a vontade de Deus.

Nicodemos chegou a denfeder Jesus com unhas e dentes perante o sinédrio, “na verdade esta defesa foi um ensaio muito sutiu, que se aplacou na primeira ameaça” e também levou perfumes ajudando Jose de Arimateia no sepultamento de Jesus, mas certamente não se tornara uma criancinha, uma nova criatura e muito menos um novo homem, se assim fosse sua historia teria sido outra, e ao invés de você ler Nicodemos ajudou tirar Jesus da cruz e preparou o seu corpo para o sepultamento poderíamos ter lido, …Nicodemos se colocou de pé perante Pilatos em frente a todos aqueles judeus gritando “Crucifica-o” e Disse: Este homem que está aqui sendo acusado por vós é Inoscente; Isto é uma armação orquestrada pelos Sumos Sacerdotes e Doutores da Lei que pagaram 30 moedas de prata a Judas Iscariotes para traí-Lo, sendo que, estas acusações são injustas e totalmente falsas, fazem parte de um plano para que Roma mate a Jesus… Talvez estas palavras não mudassem o fato de Jesus ter sido crucificado por amor a nós naquela Cruz, mas certamente haveria mais uma cruz naquele calvário e certamente dois homens novos no paraíso.

Ser um admirador, um ouvinte, um interlocutor, um seguidor, um discípulo ou até mesmo um apostolo não faz de mim um novo homem, mas certamente eu seria este novo homem se eu não permitisse que Jesus se afastasse de mim, certamente isto me levaria onde quer que Ele fosse, já que Ele é como o vento, também deveria ser eu como este mesmo vento que sopra não se sabe de onde vem nem para onde vai, este sim é aquele que é guiado pelo eterno Espírito Santo e não pela sabedoria perene deste mundo.



Nicodemos ouviu um segredo de Jesus, uma palavra que somente ele ficou sabendo; Jesus Disse; Importa que o filho do Homem seja Levantado, como aquela serpente na ponta da vara de Moises.

Esta Serpente, se refere ao foto de que os pecadores inveterados que saíram do Egito preferindo ter ficado lá como escravos, foram picados pelas serpentes do deserto e estavam morrendo. Moises intercedeu a Deus e pediu que os salvasse. Então Deus mandou que ele fizesse uma serpente de bronze e a colocasse na ponta de uma vara, todo aquele que fosse mordido por uma serpente do deserto, deveria ir até a vara e olhar fixamente para a serpente de bronze e ficariam curados. E Assim se deu, quem se dirigia à serpente se curava e quem não ia, morria.

Comparando o poder do sacrifício de jesus na Cruz com aquela mera serpente de bronze na ponta de uma vara, poderíamos afirmar com certeza de que se Jesus tivesse permanecido na cruz até a ressurreição, nenhum Judeu poderia duvidar de que Ele, apesar de morto havia renascido um Homem totalmente Renovado, não haveria desculpa para que nenhum São Tomé experimentasse por o dedo nas feridas de Jesus para acreditar que Ele estaria vivo mesmo, porque seus olhos teriam visto e presenciado tal fato.

Se Jesus disse a Nicodemos que isto seria necessário ocorrer, porque ele fez questão de imediatamente logo após a morte de Jesus, descê-lo da cruz e preparar seu funeral em menos de três horas para sepultá-lo antes do pôr do sol, caso contrário só o sepultariam no Domingo ao raiar do dia no minimo, exatamente o tempo exato que Ele ressuscitou. Isto porque depois do pôr do sol nenhum Judeu moveria um dedo para sepultar alguém.

Neste ponto podemos dizer que Nicodemos conseguiu um feito memorável camuflou-se como amigo de Jesus e tentou realmente apagar o efeito daquele sacrifício que deveria libertar o mundo com apenas uma olhada em direção à Cruz com Cristo Sacrificado. Sepultou-o no tumulo mais próximo e fez isto tão rápido que até Deus duvida, e com uma enorme pedra certificou-se de que Ele não escapasse do Túmulo e ainda colocaram dois homens de guarda para garantir isto.

Alguém poderia dizer, que estou pegando pesado com Nicodemos, e que ele não fez isto de propósito não. Pode até ser verdade, mas é o que mais acontece com os homens deste mundo, após conhecerem Jesus, experimentarem seu imenso Amor, receberem sua graça reconhecendo sua pessoa Divina, acabam muitas vezes se camuflando e tecendo uma teia de intrigas que acabam abafando a Luz de Cristo em nossas vidas e nas vidas daqueles que estão nas trevas.

Assim como Nicodemos, não temos o direito de esconder a verdade sobre Jesus, principalmente aquela que Ele nos revela em particular. Precisamos repartir com o mundo a graça que recebemos no momento que estivemos com Ele, assim como Zaqueu, convertendo-se de todo coração devolveu quatro vezes mais daquilo que havia roubado, partilhando assim a graça que havia recebido em plenitude. ” O AMOR DE DEUS “.


Loucura da cruz

Veja também:

O Dono da verdade.

Cuidado com as Palavras.

A R.C.C. não É um Movimento!

A PROMESSA DA NOVA ALIANÇA

Satanas tem Chifre e rabo de Ponta?

Mel Gibsom Responde! Quem assistiu a Paixão de Cristo:

Vinho, muito vinho, primeiro Milágre de Jesus um presente prá você.


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/jesus-te-ama.jpg

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo!


Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. (São João 3,16)

(Atos dos Apóstolos 2,21) – (Romanos 10,13)

Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

Mas todo o que invocar o nome do Senhor será poupado, porque, sobre o monte Sião e em Jerusalém, haverá um resto, como o Senhor disse, e entre os sobreviventes estarão os que o Senhor tiver chamado. (Joel 3, 5)


Evangelho de João cap. 3


14 – Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve ser levantado o Filho do Homem,


A SERPENTE DE BRONZE.


Jesus revelou um segredo a Nicodemos algo que não foi dito a nenhum de seus discipulados e a mais ninguém, somente Nicodemos ficou sabendo deste detalhe…

Jesus lhe Disse; Importa que o filho do Homem seja Levantado ao céu, como aquela serpente na ponta da vara de Moisés.

Esta Serpente, se refere ao foto de que os pecadores inveterados que saíram do Egito, preferindo ter ficado por lá como escravos, enquanto caminhavam pelo deserto rumo à terra prometida começaram a cometer toda sorte de pecados e murmurações que não agradavam a Deus.  Logo apareceram entre eles serpentes venenosas  que mordiam os Judeus e muitos estavam morrendo no deserto.   Moisés ouvindo o clamor do povo que morria em grande número aproximou-se de Deus para interceder a favor deles pedindo-lhe que os salvasse.

Deus então mandou que Moisés fizesse uma serpente de bronze e a colocasse na ponta de uma vara dizendo:

   “Todo aquele que for mordido por uma serpente do deserto, se dirija até a vara e olhe fixamente na direção da serpente de bronze e ficaram curados”.

E Assim se deu, quem era mordido se dirigia à serpente de Bronze e era curado imediatamente, mas quem não ia, morria ali mesmo.

Era um pouco estranho esta comparação de Jesus, uma vez que até aquele momento ninguém planejava matá-lo ainda, ou tão pouco amarrá-lo numa vara e afinal de contas não existia nenhum surto de mordidas de serpentes na época.  O que significaria pessoas mordidas por serpentes olhar para Jesus ?

Creio que Nicodemos não entendeu naquele momento o que Jesus quis dizer, hoje nós sabemos que Ele falava da Cruz e que na cruz ele pagaria por todos os nossos pecados, porque a serpente que nos morde é o pecado que nos condena à morte eterna, mas não é uma ação gratuita, você, eu e o mundo precisamos nos dirigir ao Crucificado e olhar para Ele, contemplando e meditando em seu sacrifício por nós, mas aquele que não aceitar esta aproximação e permanecer em seu pecado certamente morrerá em consequência do veneno nele inserido pelo mal.



15 – Para que todo homem que nele crer tenha a vida eterna.




Esta é a imagem tão polêmica e tão discutida nestes últimos 2012 anos, parece ser apenas um homem crucificado, que na verdade nem era novidade para a época porque muitos eram crucificados desta mesma forma, alguns por motivos criminosos, outros por motivos políticos para manter o domínio sobre o povo.

Jesus porém não havia cometido crime algum e não havia nenhum motivo político para crucificá-lo, aparentemente o motivo religioso que levantaram contra Ele, parecia ser tão banal que logo se esqueceriam do fato de que um homem pobre morreu numa cruz sem motivo algum.

Para Nicodemos, porém, que conhecia aquele segredo que Jesus lhe havia revelado, sabia que alguma coisa diferente aconteceria naquele evento tão comum.

Para um povo pecador e condenado a morte, visto que o próprio Jesus havia morrido sem motivo algum, certamente todos morreriam mesmo, mas segundo as palavras de Jesus, todo aquele que o visse levantado no madeiro como aquela serpente de bronze no deserto, seria curado e liberto de todo seu pecado, isto equivaleria a uma absolvição geral para todos aqueles que; mesmo passando por ali sem saber do que estava acontecendo se tornaria um homem livre e salvo do pecado que pesava sobre a humanidade.


Porque os meus olhos viram a vossa salvação.       (São Lucas 2, 30)

Creste, porque me viste. Felizes aqueles que creem sem ter visto. (São João 20, 29)

Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé. (São João 20, 27)


Crer é a palavra chave desta questão, lá estava Jesus morto na cruz, pelo que sabemos morreu por nossos pecados, e como era costume dos Romanos lá ficaria como escárnio e exemplo de opróbrio para a humanidade, um caminho que não deveria ser seguido porque certamente levaria à morte e morte de cruz.

Usando das palavras de Simeão, que aguardava a vinda do Salvador, pediu a Deus para deixá-lo morrer em paz porque seus olhos haviam contemplado o Salvador deste mundo, de uma forma semelhante São Tomé quis ver a confirmação da vida de Jesus tocando-o com suas próprias mãos.

Aproveitando desta incredulidade do povo seria melhor que as pessoas não vissem Jesus morto na cruz, caso contrário segundo aquele segredo de Jesus com Nicodemos, as multidões se salvariam quando o vissem e acreditassem no que Ele proclamou, mesmo depois de morto.

A melhor solução então, seria evitar esta exposição de Jesus, mas digo, A quem interessaria esta atitude ?

O que os olhos não veem o coração não sente, se os nossos olhos não vissem como creríamos naquilo que nos foi dito, nem São Tomé que era um discípulo Dele acreditou no que seus condiscipulados lhe contaram, imagine nós depois de tantos anos.

De certa forma Jesus já esperava por essa atitude daqueles homens e por isso disse também: Muito mais bem aventurados são aqueles que acreditaram sem ter visto. Hoje acreditamos no testemunho daqueles que contemplaram estes fatos, mas muitos indagam;

Será que tudo isso aconteceu mesmo ?


16 – Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna.



Este agora é o nosso desafio: Crer, e crer sem ter visto ou ouvido falar de tudo aquilo diretamente por uma testemunha dos eventos que ocorreram em Jerusalém naquele dia.

Este sinal da Salvação de Jesus se espalhou por todo o mundo, podemos dizer que são poucos aqueles que nunca viram um crucifixo ou nunca ouviram falar de Jesus que se entregou na cruz por amor a nós.

Dá mesma forma que tentaram impedir os homens de assistirem o Cristo morto na Cruz naquele dia, ainda hoje são muitos os países que proíbem expressamente, sob pena de morte a pregação da palavra de Deus que revela esta verdade àqueles que nunca ouviram falar de Jesus, isto porque reconhecem que a única maneira de não se acreditar em Jesus é não conhecê-lo ou jamais ver a reprodução de uma simples imagem de Jesus crucificado naquela Cruz.

Vemos que a atitude de esconder a verdade sobre Jesus ainda hoje continua.  Esconder o fato de sua morte numa cruz como aconteceu no Calvário ainda é uma atitude comum no mundo de hoje, além daqueles que proíbem se falar de Jesus ou expor apenas o sinal de uma simples cruz que seja, existem também aqueles que tentam obscurecer a verdade, nublando a nossa visão para não percebermos a profundidade da libertação atingida pelo sacrifício da Cruz, existem também aqueles que desviam o nosso olhar da Cruz com imagens pecaminosas ou com imagens Santas, porém sem apenas um reflexo limitado do totalmente Santo que se expõe por nós naquela Cruz.

A comparação com São Pedro caminhando sobre a água é inevitável, enquanto olhava para Jesus, superava suas limitações e falta de fé, porém ao se distrair observando ao seu redor o mar bravio o sugava para a morte e sua única esperança foi estender as mãos e gritar “Salva-me Jesus”!


17 – Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.


Jesus_salva_pedro_de_afogar


São Pedro tinha outras opções de se salvar, afinal era um pescador e acostumado com o mar, sabia nadar e muito bem, poderia ter voltado para o barco com suas próprias forças mas demonstraria o maior fracasso de qualquer Cristão, ao invés de atingir o seu objetivo “que era chegar em Jesus”, acabaria voltando ao ponto de partida e ainda todo molhado num barco a ponto de se afundar na tempestade.

Se fosse esse o seu desejo, jamais ele teria colocado seus pés naquele mar, mas o seu objetivo era ser salvo por Jesus, afinal de contas Ele não veio a este mundo para nos deixar afogar em nossas fraquezas e nem nos condenar por nossos erros, mas veio para nos salvar e libertar de todo mal. Basta realmente dirigir nossos olhos e levantar os nossos braços e nos entregarmos inteiramente nas mãos daquele que se entregou por nós.

Simeão, num simples olhar reconheceu que ali naquela criança estava a Salvação do mundo, José e Maria contemplaram a fragilidade de um Deus que despojou-se de toda sua majestade para vir até nós trazendo esta Salvação, isto porque Ele jamais nos condenou por nossos erros e pecados vindo a este mundo para que realmente os nossos olhos pudessem contemplá-lo e ver claramente que Deus não nos abandona, mas estende as suas mãos para nos resgatar como resgatou São Pedro de uma morte certa.


18 – Quem nele crê não é condenado, mas quem não crê já está condenado; por que não crê no nome do Filho único de Deus.



Esta é a situação que nos encontramos, no meio da tempestade e afundando num mar escuro, duas opções, se afastar de Jesus e  confiando em suas próprias forças e habilidades tentar voltar para um barquinho condenado no meio do mar revolto ou se entregar completamente nas mãos de Jesus.

Suponhamos que não fosse Jesus que estivesse ali no mar e fosse uma pessoa totalmente desconhecida para Pedro, qual teria sido sua atitude ?   Certamente teria escolhido voltar para o barco nadando sozinho do que se arriscar pedir socorro a quem nunca viu, isto nos mostra que ao pedir socorro a Jesus, São Pedro demonstrou sua fé em Nele, porque em Jesus ele acreditava de todo coração e  teve a coragem de confiar sua vida inteiramente em suas mãos.    Crer é isso, é confiar inteiramente em uma pessoa a ponto de optar por Ele e desprezar sua própria capacidade.     A condenação existe, o pecado já nos feriu como aquela serpente no deserto, o veneno faz seu efeito e inevitavelmente todos morreremos se não nos dirigirmos àquele que está exposto no alto da Cruz reconhecendo a nossa situação de morte iminente como Pedro se afundando no mar.

Só existe duas opções, crer ou não crer, aproximar ou se afastar, olhar ou desviar o olhar, se entregar ou confiar em si mesmo,só se afundará, só se perderá ou só será condenado aquele que optar por não Crer em Jesus e não entregar sua vida inteiramente em suas mãos.

Esta é a outra alternativa que muitas pessoas acham que não existe ou preferem acreditar que não, para continuarem em seu pecado achando que o veneno da serpente não é tão forte assim e no máximo nos dará apenas um mal estar, temos que alertar que o fundo do mar é escuro e nas trevas não conseguiremos ver nada claramente, que o inimigo nos engana e manipula a mentira fazendo-o parecer com uma verdade, quando realmente não existe outra saída para o pecador a não ser Jesus.


19 – Ora, este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens amaram mais as trevas do que a luz, pois as suas obras eram más.



Quem em sã consciência preferiria as trevas ou a escuridão, de que adianta olhos se nada poderemos ver no escuro, seremos iguais aos cegos que precisam da ajuda das outras pessoas que veem para conseguirem o que querem e mesmo assim estariam totalmente na confiança de que estas pessoas lhe fariam realmente o que é bom.

Deus nos oferece a luz, onde todos podem ver a verdade e o caminho por onde seguir, já o inimigo nos oferece as trevas onde não vemos o caminho e nem saberemos a verdade sobre ele obrigatoriamente sendo guiados por alguém que temos a certeza não nos amar ou querer apenas o nosso mal.

Só existe uma razão para caminharmos nas trevas sem temer o caminho, é quando vemos no fim do túnel a luz que é a esperança de todo o nosso viver, então porque permanecer nas trevas se podemos caminhar em direção à luz verdadeira.


20 – Porquanto todo aquele que faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que as suas obras não sejam reprovadas.


.


21 – Mas aquele que pratica a verdade, vem para a luz. Torna-se assim claro que as suas obras são feitas em Deus.


Luz para a fé - Light for the faith por Thiago Leon - thiagophoto!.


.


.


Onde_nasceu_Jesus Seguir_jesus_nao_eh_facil Jesus_disfarçado
Jesus é Rei e Senhor
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

A Antiga Aliança…



A criação realizada pelo Pai é perfeita e maravilhosa, incluindo o próprio homem que somos nós.   O contato íntimo entre Pai e Filho faria parte do plano de aperfeiçoamento do homem interior e que apesar deste afastamento entre Pai e filho pelo efeito do “PECADO”, o homem jamais foi abandonado pelo Pai,  porque ELE nos ama.  

A Partir da queda do homem no paraíso Deus traçou um novo caminho para o aperfeiçoamento do homem, este fato ficou implícito quando Deus revela à Eva o seu futuro vitorioso esmagando a cabeça de satanás v15 Gn-3 e Ap 12.   Diversas alianças Gn 9,9 foram realizadas com o objetivo de reconduzi-los ao caminho de salvação e santificação plena.

Podemos dizer que esta foi a primeira parte do “PLANO DE DEUS”.




HISTÓRIA


No principio Deus criou o céu e terra … (Gênesis – Criação)

Criou também o homem e a mulher, segundo a sua imagem e semelhança

Incluindo também aqui as virtudes Divinas invisíveis aos olhos humanos; o raciocínio; a consciência; a inteligência; a liberdade; a capacidade de amar e outras… Que são os Dons “presentes” mais preciosos de Deus para nós.

Deus olhou para a sua obra e viu que tudo era bom.

Muitas vezes nós “homens” criticamos a obra Divina colocando defeito na Natureza, Clima, Calor, Frio, etc. e culpamos o Criador pelas consequências da degradação promovida pela civilização moderna no meio ambiente onde vivemos.  Os problemas observados são na maioria consequências do pecado coletivo da sociedade, mas aos olhos de Deus não havia defeito nenhum na sua Criação.

Todo Recém nascido é incapaz de andar, falar ou sobreviver sozinho. Nenhum homem (Pai) ou mulher (Mãe) seria capaz de deixar seu filho recém nascido sozinho, pois sabe que para sobreviver ele precisa de auxilio, se for deixado só, ele certamente morrerá. Gn 2.17.


SG Família

Obs. Não foi por acaso que Deus escolheu uma família para acolher seu Filho Jesus neste mundo.  José e Maria cuidaram d’Ele e ensinaram tudo sobre a vida. Ele cresceu se formou e se preparou para a sua missão até os 30 anos de idade.


O Homem foi criado à imagem e Semelhança de Deusporém isto não significa que ele já estava pronto e completo muito menos igual ao Pai.  Assim como todo recém nascido precisa da presença dos Pais para lhe auxiliar no aprendizado e no crescimento, assim também o ser humano necessitava da presença do Pai Criador, tanto para o crescimento físico como também e principalmente para o crescimento espiritual até atingir a estatura do ser perfeito (Ef 4,13).   Uma comparação interessante é que Adão e Eva tinham a seu dispor no paraíso uma variedade imensa de frutos para se alimentar, até mesmo o fruto da vida eterna, mas antes mesmo de experimentar o fruto da VIDA ele preferiu experimentar o fruto “PROIBIDO” e assim cortou o ciclo de aperfeiçoamento nos lançando no plano que agora vivenciamos. (Gn-3 8,11).


Que criança não se esconderia com medo de seu pai logo após ter desobedecido ou praticado uma arte e um “pecado” grave ?


Apesar deste contato intimo com o Pai o homem caiu no pecado, mas ao invés de se arrepender e pedir seu perdão preferiu se afastar se escondendo entre as árvores do jardim, criando assim o principal problema de relacionamento entre duas pessoas, que seria, a distância.

A partir do primeiro pecado rompeu-se este relacionamento, e com o distanciamento do Pai tornou-se mais difícil a comunicação entre “Deus e o Homem” e o caminho para alcançar os planos de amadurecimento do Homem que e sua santificação e semelhança plena com Deus ficou bem mais complicado e um pouco mais longo, pois o homem preferiu se esconder e se afastar do Pai, ao invés de se reconciliar através da confissão assumindo seu pecado e recebendo o perdão do Pai, criando assim um muro, um abismo e uma barreira entre Deus e sua criação. Tornou-se necessário a adoção de leis e regras para que o homem continuasse o seu caminho de crescimento e aperfeiçoamento na presença de Deus até atingir a estatura de Homem pleno, pois até então era apenas uma criança.


Conclusão:


A partir deste momento começou a nossa verdadeira história, a caminhada rumo ao nosso grande objetivo que é; “Ser Santo como o Pai é Santo”, ou seja, ser realmente semelhante ao Pai em toda sua plenitude, pois até então éramos apenas uma simples imagem.

Dizemos que o filho é a cara do Pai, mas ele não é o Pai, é apenas semelhante, parecido, mas só será mais semelhante ao Pai quando crescer e aprender a viver como ele vive, reagindo e agindo como ele age.

A imagem, estatua, fotografia ou vídeo em movimento, não é o ser que ela retrata, apesar de ser idêntica, mas é apenas um reflexo, uma lembrança um indicador da aparência daquele que realmente É.

Deus com todo amor do seu coração fez de tudo para conduzir o homem no caminho certo, mostrou a sua vontade,  ofereceu seu perdão, mas o pecado levava o homem cada vez mais para mais longe da presença do Pai e de sua semelhança ideal.

Quando Deus viu que o mal continuava seduzindo cada vez mais o coração humano, já quando tudo parecia perdido, Deus decidiu acabar com toda aquela criação, que um dia tinha declarado ser “MUITO BOA”, Porém, viu que ainda existia esperança, pois havia pelo menos um homem fiel na face da terra e por este motivo a sua criação não estaria totalmente perdida.


UMA NOVA CHANCE PARA O HOMEM.



AS ALIANÇAS DE DEUS.


Aliança_eterna

Uma Aliança é um compromisso feito entre duas partes, um contrato que ambos se comprometem a cumprir sendo fieis e obedecendo a todos os termos do acordo.  Que inclui também direitos e deveres.

Era composta basicamente de três coisas.

Sinais

Promessas

Deveres


Lembra-se do juramento feito no ato Matrimonial.



Prometo estar contigo na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, amando-te, respeitando-te e sendo-te fiel em todos os dias de minha vida, até que a morte nos separe.


Este é o melhor exemplo de um pacto simples especificando igualdade de condição a ambos os lados que se comprometem a honrar a aliança estabelecida, que no caso em questão, finaliza com a morte de um dos dois contratantes e é indissolúvel. 

O sinal da aliança no dedo, o que significa ?

Será apenas um sinal ?

Este sinal representa um compromisso entre duas pessoas, que apesar de ser invisível aos olhos e não ser material é tão real como eu ou você.

Se uma pessoa casada retirar aliança do dedo, mesmo assim ainda será visível o sinal de sua presença e que tem o mesmo significado apesar da ausência do artefato visível. Mesmo que a aliança não esteja no dedo o sinal fará com que as pessoas saibam que você é uma pessoa comprometida.



ARCA DE NOE


1. Aliança com Noé; 

“9. Vou fazer uma aliança convosco e com vossa posteridade,”
Gênesis, 9,9 – Bíblia Católica Online


Esta foi a primeira aliança que Deus fez com o homem.

O Pai prometeu jamais destruir a sua criação.

Noé deveria, com seu exemplo, guiar toda sua descendência nos caminhos de Deus. Para que ele não se esquecesse desta ALIANÇA Deus colocou o arco íris nas nuvens como SINAL permanente para todas as gerações futuras.

Apesar de Noé ter sido um homem fiel, e do dilúvio ter lavado o pecado que contaminava a face da terra, as gerações seguintes continuaram a se afastar do caminho SANTO, e o mal continuava se multiplicando entre os homens.

Deus decide então separar seu povo do meio deste pecado.



2. Aliança com Abraão;


Ele, um homem fiel, deveria ser o PAI de uma grande nação de propriedade exclusiva de Deus, que seria conduzida e guiada pela lei de Deus e se multiplicaria como as estrelas do céu.

Deus diz a Abraão, sai da tua casa e tua terra e vai para o lugar onde Eu te indicar, e te darei tudo aquilo que seus olhos puderem ver e a planta de seus pés pisarem.

Nesta Segunda aliança, Deus promete dar para os filhos desta nação, todos os seus dons e uma vida prospera numa terra maravilhosa que mana leite e mel.

Este povo seria um testemunho para todos os povos da terra de vida plena na presença de Deus.

Como sinal desta aliança, todo homem deveria ser circuncidado ao sétimo dia de vida, este sinal na sua própria carne seria bem mais visível de que um arco nas nuvens que só aparecia de vez em quando, diariamente todo homem teria a oportunidade de se lembrar desta aliança celebrada com Deus.

As promessas do Pai não foram o suficiente para mantê-los totalmente fieis a Deus e porque continuaram no pecado acabaram sendo escravos por 400 anos no Egito.


3. Aliança com Moisés;


Deus chamou Moisés para Libertar seu povo do Egito e liderar este povo escolhido reconduzindo-os àquela terra maravilhosa da promessa com uma nova lei que serviria como luz para guiá-los, passo a passo rumo ao caminho certo, à santificação e à salvação. A Lei seria não apenas um sinal, mas também seria um caminho a ser seguido na direção da vontade de Deus.


moises_10m.jpg


Moisés e os Dez Mandamentos


Tudo isso foi realizado com Deus seguindo á frente de seu povo, guiando e realizando grandes sinais e milagres, para que ficasse bem claro que só existe um Deus neste mundo e que está acima de todos os outros deuses criados pelas mãos humanas, por este motivo deveriam aprender que somente seguindo estes mandamentos estariam no caminho da salvação e da vida eterna.

A Ação de Moisés termina com o povo entrando para a terra prometida e recebendo das mãos de Deus todas as promessas de sua aliança totalmente cumpridas como relata Josué 23,15.    Daqueles que saíram do Egito apenas Josué entrou na terra prometida e pode escrever como testemunho para todas as gerações que realmente nenhuma das boas palavras do Senhor havia falhado.


A AÇÃO DE DEUS CONTINUA.

Acrescentar a promessa da nova aliança para finalizar: (Jeremias 31, 31)


Já em posse da terra prometida, Deus por muitas vezes escolheu e ungiu homens fieis (como juízes, Reis, sacerdotes e profetas – At 13 – 16 a 32) para conduzir seu povo eleito, porém eles continuavam a se desviar Deste caminho sobremodo excelente.

O REBANHO SEM PASTOR

Palavras de Jesus

Esta escolha realizada por Deus tinha o objetivo de colocar alguém na frente para guiar este rebanho que pareciam cegos e perdidos, quando Deus escolhia alguém, diz a bíblia (*1) Ele ungia com seu óleo para que esta pessoa fosse preparada e recebesse do próprio Deus as instruções necessárias para conduzir o seu povo.

(*1) – Samuel – 1 Sm 1: 28 – 1 Sm 3, 1 – 18 – Saul – 1 Sm 10. 1-8 – Davi 1 Sm 16, 1-13

Apesar de toda demostração do poder de Deus, de seus líderes escolhidos a situação de desobediência e desvios destes próprios líderes comprometeram a integridade da antiga aliança e foi neste ponto que Deus começa a preparar o seu povo para uma nova aliança que seria eterna e teria promessas muito superiores à primeira, mas este assunto já faz parte do próximo post “A PROMESSA DA NOVA E ETERNA ALIANÇA“.


“31. Dias virão – Oráculo do Senhor – em que firmarei nova aliança com as casas de Israel e de Judá.*”
Jeremias, 31,31 – Bíblia Católica Online


(Hebreus, 8: 1 a 7) – O ponto essencial do que acabamos de dizer é este: temos um Sumo Sacerdote, que está sentado à direita do trono da Majestade divina nos céus, 2 – Ministro do santuário e do verdadeiro tabernáculo, erigido pelo Senhor, e não por homens. 3 – Todo pontífice é constituído para oferecer dons e sacrifícios. Portanto, é necessário que ele tenha algo para oferecer. 4 – Por conseguinte, se ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, porque já existem aqui sacerdotes que têm a missão, de oferecer os dons prescritos pela lei. 5 – O culto que estes celebram é, aliás, apenas a imagem, sombra das realidades celestiais, como foi revelado a Moisés quando estava para construir o tabernáculo: Olha, foi-lhe dito, faze todas as coisas conforme o modelo que te foi mostrado no monte (Ex 25,40). 6 – Ao nosso Sumo Sacerdote, entretanto, compete ministério tanto mais excelente quanto ele é mediador de uma aliança mais perfeita, selada por melhores promessas. 7 – Porque, se a primeira tivesse sido sem defeito, certamente não haveria lugar para outra.


(II Coríntios, 3: 7 a 9) – Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés, por causa do resplendor de sua face (embora transitório), 8 – quanto mais glorioso não será o ministério do Espírito! 9 – Se o ministério da condenação já foi glorioso, muito mais o há de sobrepujar em glória o ministério da justificação !


A ANTIGA ALIANÇA – SLIDESHARE



Nova_aliança_lk
Oração_ao_espirito_santo
O Selo do Espirito santo
Sete_dons Aspirais_aos_Dons_Espirituais