Família Arquitetura Divina.



A família é o maior projeto de Deus para a vida de seus filhos. Desde o Princípio Deus criou a Família para ser conforme a sua imagem e semelhança, assim como O Pai, O Filho e O Espírito Santo são um e inseparáveis assim Deus uniu o homem à sua mulher para formar uma Família santa e gerar muitos outros filhos para Deus.

Que Deus abençoe todas as famílias, que Deus abençoe seu lar com muita paz!



Familia_Arquitetura_Divina


Família Arquitetura Divina.

Autoria e intérprete- Vera Lúcia

Como é bonito viver em uma família
Como é bonito viver a vida no amor
O pai, a mãe, os irmãos a família
É um projeto de Deus Pai o Criador.

Família, arquitetura Divina.
Família, um Projeto de Deus.

É igual na constelação a vida em família
São como estrelas do céu, pais, filhos, irmãos.
Como as estrelas, sua luz, quanto mais unidas
Mais brilho vem desse amor, dessa união.

Vem Senhor abençoar a nossa família.
Vem Senhor fortificar a nossa união.
Que não falte em nosso lar o pão de cada dia.
Que nunca falte a esperança, a paz, o perdão.

Que a pureza do amor e a firmeza da fé
Conserve a fidelidade: marido e mulher.
No alicerce Divino dessa construção
Na base firme, segura, os filhos crescerão.




Vera Lucia cantora católica


vera[1]



UM PROJETO DE DEUS PARA O MUNDO


Familia_projeto_de_Deus

A família é a célula Máter da Sociedade.



O homem é um ser social, como disse o Senhor Deus ao nos criar:

“NÃO É BOM QUE O HOMEM ESTEJA SÓ”

Ou seja, Nossa criação e formação é indiscutivelmente social e sem a sua formação mínima que seria um casal da mesma espécie e sexos diferentes não há como manter a continuidade da espécie, logo, esta formação mínima é insubstituível mesmo que a ciência venha criar seres humanos em laboratório. 

“A família é a célula Máter da Sociedade,

sem a convivência Familiar não existe convivência social.”


Familia_grafico_sociedade



O homem é um ser social, que nasce e vive em sociedade. Ao nascer, já é parte de uma família, principal meio social humano, que costumamos chamar de célula máter da sociedade – o espaço primeiro e mais importante para o estudo e desenvolvimento de sociedades.

A primeira vivência do ser humano acontece em família, independentemente de sua vontade ou da constituição desta. É a família que lhe dá nome e sobrenome, que determina sua estratificação social, que lhe concede o biótipo específico de sua raça, e que o faz sentir, ou não, membro aceito pela mesma. Portanto, a família é o primeiro espaço para a formação psíquica, moral, social e espiritual da criança.

A criança é muito dependente ao nascer. Dentre todas as espécies é o homem que tem o mais longo período de imaturidade e dependência física. Cabe à família o cuidado com a saúde e segurança de seus membros, seja com o bebê ou com o idoso.

Há o papel desempenhado pela família, mesmo que muitas vezes ela não o perceba, que é o de educadores. À família cabe a formação do caráter, dos valores, das regras morais – que posteriormente serão internalizadas pelos indivíduos como um código pessoal de conduta e ética. A chamada “educação de berço” continua sendo de suma importância e jamais pode ser conseguida em outros espaços sociais como colégio ou até mesmo igrejas.

Na esfera psíquica, o homem só pode conhecer e reconhecer adequadamente o mundo e a si mesmo a partir de suas relações com os demais. Ele apreende o mundo imitando os outros, desde os primeiros sorrisos até regras sociais externas e maios elaboradas, como usar adequadamente os talheres à mesa. Mais do que isto, moldamos nossa personalidade por volta de seis anos de idade, e é especialmente através de vivências em família que formamos, ou não, a auto estima, o senso de responsabilidade e segurança, o respeito pelo outro e pelas regras sociais estabelecidas, a capacidade de acreditar em nosso potencial e conhecer nossos defeitos e limitações, entre tantos outros aspectos de nossa vida intimista.

Em nossa sociedade, a família é que introduz a criança no meio social; é a família que escolhe – ou em parte seleciona, a partir de seus próprios referenciais – as pessoas com as quais a criança vai relacionar-se, bem como dirige o modo e onde esta relação se dará. Assim, como instituição social, a família reflete as transformações culturais dos povos: valores, usos e costumes, hábitos, pensamento religioso e político, etc. Consequentemente, os problemas sociais serão sempre frutos de uma desestruturação familiar.

Isto fica evidente quando olhamos para os grandes problemas sociais que enfrentamos hoje. Assistimos crianças abandonadas por pais que não souberam planejar sua família ou administrar os conflitos, maiores ou menores, mas sempre existentes na vida a dois. Vemos adolescentes mergulhados em drogas ou prostituição, na sua maioria frutos de lares frios, carentes de afeto e de diálogo. Sofremos ao assistir fatos como as revoltas em abrigos para menores, ou o uso de armas de fogo por jovens instigados pela violência, que nos mostram o quanto nossas famílias têm deixado de trabalhar o respeito pelo próximo e a aquisição de padrões morais rígidos para uma boa consciência pessoal e vivência social.

Não pode haver dúvidas: se queremos mudanças sociais, devemos começar a investir mais no cerne da sociedade, na sua célula máter. Precisamos nos voltar às famílias, num esforço conjunto entre o Estado e a Igreja. Esta é também um espaço social, portanto possui o poder de formar opiniões, onde famílias se reúnem e podem ter seus valores pessoais transformados.

Precisamos nos lembrar que, mais do que ir `a igreja, freqüentando templos caríssimos ou simples, nós somos Igreja, e estamos Igreja especialmente em nossos lares, onde somos mais íntimos e singulares. É por esta razão que a Igreja começa em casa – cuidar da família é mais importante do que cuidar de não familiares ou da obra de Deus. É exatamente isto que Paulo enfatiza quando escreve o capítulo 5 de sua primeira carta a Timóteo, especialmente o versículo 8: Se alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente.

A família é a célula máter da sociedade – e saber isto implica entender que famílias abençoadas implicam em igrejas abençoadas, que famílias equilibradas implicam em uma sociedade sadia.

Doutora Elaine Cunha 24/02/2012

http://www.cpadnews.com.br/blog/elainecruz/?POST_1_3_FAM%EDLIA:+C%E9LULA+M%E1TER+DA+SOCIEDADE?.html


“A família é a célula Máter

da Sociedade,

Sem Família não existe Sociedade



A Família é um

Projeto de Deus.

 


Semana_Família_2009_BN


CHÁCARA JEUS CURA



A Família é um Projeto de Deus.



A família é uma instituição que vem constantemente sendo posta a prova. As transformações sociais e culturais promovem a ausência de afeto, a falta de amor ao próximo e o enfraquecimento da verdade na vida conjugal e familiar.




Os jovens são os mais afetados quando não há uma estrutura familiar que os ampare. Por isso acabam buscando nas ruas valores que deveriam ser ensinados em casa. São expostos há uma grande quantidade de informação, mas muito pouco dela é aproveitada para a construção de um mundo melhor e mais seguro para eles mesmos. Muito cedo conhecem as drogas, o álcool, o tabaco e a gravidez indesejada. Vivenciam um lado obscuro da vida onde tudo é fácil e os amigos passam a ser exemplos a se seguir, e não os pais. Ser pai nos dias de hoje não é fácil e exercer autoridade de pai e mãe exige sabedoria. Os limites precisam ser colocados para visar o bem estar e a qualidade de vida de toda a família. O hábito de fazer as refeições juntos é algo que deve ser resgatado, no mundo atual existem famílias que não se vêem, não se conhecem. São apenas moradores de uma mesma casa. O que persiste é esta constante inversão de valores, onde as famílias se reúnem somente para assistir TV e discutir problemas domésticos.

Os pais, preocupados em manter a casa levam para seus filhos somente bens materiais e esquecem da vivência de uma espiritualidade que os direcione nos projetos que Deus quer para suas vidas. Pagam escolas caríssimas mas não os educam no amor de Deus.

É preciso se ter em mente que somente a família pode transmitir valores que são arraigados na formação destes jovens e que, os sustentaram na busca de grandes ideais para suas vidas.

Do seio de uma família zelosa e temente a Deus partem princípios do bom caráter, da ajuda ao próximo e do valor aos ensinamentos divinos. O lar deve ser antes de mais nada, um espaço de vivência do Evangelho onde meditando a Palavra de Deus os filhos aprendem o valor da oração, do perdão e da partilha. Conforme cita a Hora da Família, “em um lar deve haver amor, fidelidade e respeito entre seus membros.” (Edição 2008, pg 17)

Os filhos devem ser conduzidos ao batismo, a eucaristia e a crisma, pois estas são iniciações cristãs essenciais para que as crianças se descubram como filhos de Deus e façam parte de sua comunidade, que é a Igreja. Os ensinamentos adquiridos podem influenciar na formação do seu caráter e sua conduta diante dos obstáculos da vida.

Portanto, a responsabilidade de uma família, fundada sobre o matrimônio, é lutar constantemente para guardar os ensinamentos divinos, agindo como intérpretes na transmissão da vida e da educação segundo os projetos de Deus.

Mesmo que os filhos mostrem dificuldades em assimilar o valor da vida cristã é essencial que os pais sejam exemplos para seus filhos. O valor da família é imensurável e por isto esta instituição divina deve ser zelada como algo precioso, fonte da vida e do amor.

A família é um lugar sagrado onde se constitui a generosidade, acolhimento e respeito. É um dom de Deus que precisa ser cultivado, pois somente a família, concebida como fonte de valor e vida pode humanizar a sociedade.


A importância da oração em família


Os pais são os primeiros educadores de seus filhos na fé. Na carta aos Efésios Paulo nos fala: “Pais criem os filhos, educando-os e corrigindo-os como quer o Senhor”.(Efésios 6,4). O Papa João Paulo II declarou que “a família missionária é a esperança para o novo milênio e só através dela pode-se construir uma sociedade mais justa em comunhão com Deus.

É muito importante e saudável existir momentos de oração com os filhos para que se vivencie a fé em família e esta seja a maior herança que se possa levar deste convívio. Nestes momentos a família fortalece a sua união e é levada através da oração à conversão, ao perdão e à experiência do amor de Deus. Para as crianças a oração familiar é o primeiro testemunho da memória viva da Igreja levada pela bênção do Espírito Santo.

Uma vida de oração é uma questão de atitude. É necessário se viver o modelo de família que esta dentro dos projetos de Deus, levando como exemplo a Sagrada Família de Nazaré: Jesus, Maria e José.


Nossa missão como família


Faz parte do nosso compromisso como pais e filhos consolidar esta meta de uma educação cristã, para que nossa família se torne uma fortaleza diante dos desafios do mundo.
É necessário buscar na simplicidade, na amizade entre pais e filhos, na conversa jogada fora no fim de tarde, os laços de confiança que se constroem em pequenos gestos. Resgatar pequenas lembranças como na musica do Padre Zezinho, Utopia, que fala da beleza do aconchego de um lar e do fim da tarde quando a família se ajuntava no alpendre para conversar.

A Pastoral Familiar tem como meta garantir a defesa da vida e da família, para que o lar se torne um ninho, um berço de vocações. Mas também é dever de cada um de nós transmitir o conhecimento e o amor de Deus para todos os lares, principalmente os nossos.

“O filho unigênito, consubstancial ao Pai, “Deus de Deus, Luz da Luz”, entrou na história dos homens através da Família.” (CF, 02)

Por Ana Paula Azevedo



UM PROJETO DE DEUS PARA O MUNDO



Ministério para as Famílias na RCC.


APRESENTAÇÃO


Ministerio_para_as_familias


1- O QUE É MINISTÉRIO PARA AS FAMÍLIAS?


É o organismo dentro da Renovação Carismática Católica, responsável pela evangelização, acompanhamento e formação das famílias.

Não somos apenas um grupo de pessoas que participa de Grupos de Oração e realiza encontros para evangelização de casais. Queremos ser um trabalho pastoral que leva a vocação do ser família de Deus muito a sério. Nosso olhar está sobre a família como um todo e de qualquer maneira que ela se apresente, oferecendo caminhos para sua santificação para que tenha vida espiritual e social digna.


2- COMO SURGIU?


Surgiu diante da urgência da evangelização do homem em seu contexto na vida social. A família é a primeira célula da sociedade, é o santuário da vida, é onde nasce e cresce a vida humana salva por Jesus na Cruz. É onde o amor floresce e encontra sua mais simples, completa, e profunda forma de se manifestar. É “esperança e alegria” para o homem, como diz João Paulo II. A Família é o bem mais importante da sociedade, e por isso a RCC como movimento que é conduzido pelo Espírito de Deus para a renovação do homem total, não poderia deixar de olhar para a família, que mais do nunca precisa de um nascer de novo, nascer para aquilo que Deus projetou desde o início para ela: “Crescei e multiplicai-vos”. A família conduzida pelo Espírito Santo é a família que formará a civilização do amor que tanto nos falava o Papa Paulo VI.


3- POR QUE FORMAR ESTE MINISTÉRIO EM SEU ESTADO, DIOCESE, CIDADE OU GRUPO DE ORAÇÃO?


Para que, através de um trabalho alinhado à Ofensiva Nacional, possamos trazer a família para dentro do PROJETO DE DEUS. Este desafio envolve desde a restauração completa das famílias já constituídas, com ou sem problemas, orientação a jovens, preparando-os para se tornarem novas sementeiras da verdade e da luz, até a proteção das crianças, para que estas possam desenvolver o potencial do amor de Deus recebido na sua criação.


4- COMO FORMAR ESSE MINISTÉRIO?


NA DIOCESE – Através de um casal coordenador Diocesano do Ministério para as famílias, nomeado pela coordenação Diocesana da Renovação. Este casal manterá contato com os coordenadores de cidades, foraniais, vicariatos, decanatos e se for o caso Paroquiais dando todo apoio e informações necessárias sobre os rumos do Ministério para as Famílias, de acordo com a Ofensiva Nacional da RCC.

NA FORANIA, VICARIATO, DECANATO – Através de um casal escolhido pela coordenação Diocesana do Ministério para as Famílias, em conjunto com os coordenadores Diocesanos da RCC. Este casal ficará responsável pela implantação e pastoreio do Ministério para as famílias na RCC, na forania, decanato, vicariato.

NAS CIDADES / PARÓQUIAS – O coordenador da RCC das Cidades, Foranias, Vicariatos, escolherá um casal para animar ou ser o coordenador Paroquial do Ministério pra as famílias, que fará com que retiros de primeiro anúncio, seminários de vida no espírito e formação com conteúdo dirigido às famílias aconteçam conforme orientação Nacional, Estadual, Diocesana.


5- COMO FAZÊ-LA ACONTECER?


De acordo com a realidade de cada local, em comunhão com o Bispo e com o Pároco. Procurar desenvolver, conforme orientações contidas no projeto nacional para o Ministério para as famílias, atividades específicas dando atenção especial aos cônjuges, jovens vocacionados à vida familiar na sua preparação para o casamento, às crianças, aos viúvos e às famílias incompletas.

Devemos procurar, no que depender de nós, a comunhão com o clero e outros movimentos familiares da igreja para fortalecer o trabalho de pastoral sem, no entanto perder a vocação a que fomos chamados como Renovação Carismática Católica.

Wilson e Marli Rossi Gabriel
Fonte: rccbrasil.org


Ministério para as famílias


 Aprofundamento de Casais


FAMÍLIA



UM PROJETO DE DEUS



Fé nos Reveses da Vida.



Palestra preparada para ser utilizada em encontro de Casais:

“A Fé nos Reveses da Vida”




Objetivo do Tema:

Mostrar o que é a  no seu verdadeiro sentido, o supões a Fé e como o homem de fé enfrenta os problemas difíceis da vida.   Definir fé e testemunhá-la como dom Gratuito de DEUS; adesão pessoal na medida em que nossa abertura permite a ação de Deus em nossa existência.   Fé no Cristo como Salvador e Redentor do Gênero Humano.   Testemunhar como, pela fé, foram vencidos os problemas da vida, ou como pelas provações da vida, foi redescoberta a nossa Fé.


Fundamentação Bíblica:

Mateus 8, 5-13; 8, 23-27; 9, 27-31; 14, 22-36; 17, 19-21; 21, 18-22; Marcos 5, 32-34; 9, 23-24; 11, 20-22; Lucas 17, 5-6; João 1, 13-22; 2, 9-10; Romanos 1, 17; Hebreus 11, 1-39; 1 João 4, 1-5;  E Outros


Conceito:

Substantivo Feminino; Crença em algo que não está ou não pode ser comprovado. Qualidade do devoto religioso; Crença na existência e no poder de Deus; Sentimento de que algo é verdadeiro ou vai acontecer. Crédito, confiança.

(do Latim fides, fidelidade e do Grego pistia[1] ) é a firme opinião de que algo é verdade, sem qualquer tipo de prova ou critério objetivo de verificação, pela absoluta confiança que depositamos nesta idéia ou fonte de transmissão.

A acompanha absoluta abstinência à dúvida pelo antagonismo inerente à natureza destes fenômenos psicológicos e lógica conceitual. Ou seja, é impossível duvidar e ter fé ao mesmo tempo. A expressão se relaciona semanticamente com os verbos crer,

Segundo o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica (CCIC), a fé “é a virtude teologal pela qual cremos em Deus e em tudo o que Ele nos revelou e que a Igreja nos propõe para acreditarmos, porque Ele é a própria Verdade. Pela fé, o homem entrega-se a Deus livremente. Por isso, o crente procura conhecer e fazer a vontade de Deus, porque «a fé opera pela caridade»” (Gálatas 5:6).

Definição de Fé: Segundo a carta aos Hebreus,

“A Fé é o fundamento da esperança; É uma certeza a respeito daquilo que não se vê.“

A FÉ é a certeza que vamos receber as coisas que esperamos e a prova que existem coisas que não podemos ver. ( Hb 11,1 ) É pela FÉ que entendemos que o universo foi criado pela palavra de Deus e que aquilo que pode ser visto foi feito daquilo que não se vê. ( Hb 11,3 )

Sem FÉ ninguém pode agradar a Deus porque quem vai a Ele precisa crer que Ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor. ( Hb 11,6 )

Ou seja, é acreditar com o coração. Muito mais do que uma simples crença racional.

± A Fé é o alimento da alma e sustento para nossa vida.

A FÉ de Abraão

– “O Pai de todos os crentes” a epistola aos Hebreus, no grande elogio à FÉ dos antepassados, insiste particularmente na FÉ de Abraão:

“Foi pela FÉ que Abraão, respondendo o chamado obedeceu e partiu para uma terra que deveria receber como herança, e partiu sem saber para onde ia.” (Hb 11,8 )

Pela FÉ viveu como estrangeiro e como peregrino na Terra Prometida.

Pela FÉ Sara recebeu a graça de conceber o filho da promessa.

Pela FÉ, finalmente, Abraão ofereceu seu filho único em sacrifício. (145)

A Bíblia narra para nós vários exemplos e testemunhos de Fé.

A começar pelo livro do Gênesis que nos convida a crer na criação do universo pela Palavra e pela vontade de Deus, passando pela Fé de Moisés ao ponto de abrir o Mar Vermelho, pela vida de Abraão, pelas experiências de Bartimeu, da mulher hemorrágica, do centurião, do cego de Jericó e culminando com as promessas do livro do Apocalipse.

Em todas as passagens bíblicas vemos que Deus agiu diretamente na vida do homem através da Fé de cada um.   As curas, os milagres e prodígios realizados por Deus e posteriormente pelo seu Filho Jesus, que Ele tudo pode e realiza todas as coisas, eram sempre condicionados ao querer individual do ser humano – em crer ou não que aquela história poderia ter um final diferente.

Sendo assim, a Fé é uma adesão, uma opção pessoal incondicional do homem a Deus.

Para vivermos uma fé verdadeira, precisamos crer incondicionalmente na manifestação de Deus em nossa vida.




Os Reveses da Vida:

            Os Discípulos eram fracos: – Vacilavam na Fé, Dormiam, não oravam, agiam por impulso, eram egoístas, eram medrosos, eram covardes e ficaram em silêncio ao verem Jesus sendo preso, não curavam os enfermos como Jesus, não expulsavam os espíritos maus e etc.

O que nós queremos relembrar e mostrar aqui é uma verdade bem aceita pela Igreja:

Os Discípulos de Jesus assim como cada um de nós, também não eram Santos e Perfeitos, eram sim fracos e pecadores, não conseguiam realizar as obras que Jesus realizava, foram varias as vezes que Jesus censurou a incredulidade e a fraqueza daqueles que o seguiam, não com o objetivo de desanimá-los ou afastá-los de si, mas sim com o objetivo de acordá-los para uma nova realidade que passariam a enfrentar logo após a sua partida, já que sozinhos no mundo iriam passar por tribulações e tempestades e como Ele havia acalmado e vencido as tempestades agora era chegada a hora de colocarem à prova a fé recebida de Jesus.

Qual O Tamanho de sua Fé?

Jesus respondeu-lhes: Por causa de vossa falta de fé. Em verdade vos digo: se tiverdes fé, como um grão de mostarda, direis a esta montanha: Transporta-te daqui para lá, e ela irá; e nada vos será impossível. (São Mateus 17,20)

Você é um Homens de Pouca Fé?

E Jesus perguntou: Por que este medo, gente de pouca fé? Então, levantando-se, deu ordens aos ventos e ao mar, e fez-se uma grande calmaria. (São Mateus 8, 26)

No mesmo instante, Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e lhe disse: Homem de pouca fé, por que duvidaste? (São Mateus 14, 31)

Vá em paz, a tua Fé te Salvou:

A mulher hemorrágica “Se eu somente tocar na sua vestimenta ficarei curada…”

Jesus virou-se, viu-a e disse-lhe: Tem confiança, minha filha, tua fé te salvou. E a mulher ficou curada instantaneamente. (São Mateus 9,22)

Um Leproso entre 10 retorna para agradecer Jesus por sua cura.

E acrescentou: Levanta-te e vai, tua fé te salvou. (São Lucas 17,19)

A Fé nos liberta dos Pecados e Cura todo Mal:

2. Eis que lhe apresentaram um paralítico estendido numa padiola. Jesus, vendo a fé daquela gente, disse ao paralítico: “Meu filho, coragem! Teus pecados te são perdoados.”

6.  Ora, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra o poder de perdoar os pecados: Levanta-te – disse ele ao paralítico -, toma a tua maca e volta para tua casa.” 7. Levantou-se aquele homem e foi para sua casa.

A Fé age também à distância: (Mateus 8, 5:13)

10. Ouvindo isto, cheio de admiração, disse Jesus aos presentes: Em verdade vos digo: não encontrei semelhante fé em ninguém de Israel. …13. Depois, dirigindo-se ao centurião, disse: Vai, seja-te feito conforme a tua fé. Na mesma hora o servo ficou curado.

O Cego de Jericó: (Marcos 10, 46-52)

51. Jesus, tomando a palavra, perguntou-lhe: “Que queres que te faça? Rabôni, respondeu-lhe o cego, que eu veja! 52. Jesus disse-lhe: Vai, a tua fé te salvou.” No mesmo instante, ele recuperou a vista e foi seguindo Jesus pelo caminho.

A Fé como Luz para nossos Passos:

A Cura da cegueira física em contraposição à falta de visão daqueles que não aceitam a verdade, O pior cego é aquele que não quer ver:

(João 9, 40). Alguns dos fariseus, que estavam com ele, ouviram-no e perguntaram-lhe: Também nós somos, acaso, cegos?…

A Dúvida de Tomé: Quem tem Dúvida não tem Fé.

Pedro Duvidou e por isso afundou no Mar: No mesmo instante, Jesus estendeu-lhe a mão, segurou-o e lhe disse: Homem de pouca fé, por que duvidaste?

(São Mateus 14, 22 – 36)

O Apostolo Pedro ao ver JESUS caminhar sobre as águas pediu que JESUS o fizesse caminhar também.  Pedro ao sentir a forte ventania começou a afundar. Então JESUS disse:

“Como é pequena a sua FÉ! Por que você duvidou?”

Depois disse a Tomé: Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem de fé. (São João 20,27)

A Fé vem de Ouvir a Palavra de Deus: (Romanos 10, 13-18)

13. porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo (Jl 3,5). 14. Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue? …17. Logo, a fé provém da pregação e a pregação se exerce em razão da palavra de Cristo.

A Fé é um Dom de Deus:

Porque é gratuitamente que fostes salvos mediante a fé. Isto não provém de vossos méritos, mas é puro dom de Deus. 9. Não provém das obras, para que ninguém se glorie.  (Efésios 2, 8-9)
Exemplos da Fé verdadeira:

  1. Anunciação do Anjo a Maria.

Faça-se em mim segundo a Vossa Palavra ± Lucas 1, 26-38

Estórias ilustrativas de atitudes de fé.


O Equilibrista !


Banner’s com temas de Fé no Facebook


Ter Fé é aceitar as verdades do evangelho e aderir incondicionalmente a Jesus sem perguntar, duvidar ou pedir prova de qualquer coisa da mesma forma que Bartimeu concordou em seguir a ordem de Jesus e foi ao poço de Siloé se lavar.

“BEM AVENTURADOS AQUELES QUE NÃO VIRAM E CRERAM…”

29. Disse-lhe Jesus: Creste, porque me viste. Felizes aqueles que crêem sem ter visto!

É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64,4), tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam. (I Coríntios 2,9)

Agora é a nossa vez de testemunhar a nossa Fé no mundo de hoje.

            E para nós, pela nossa experiência do dia-a-dia, o que nós entendemos por Fé e em quais momentos de nossa vida temos nos permitido viver uma Fé verdadeira no Cristo que somos chamados a anunciar a partir deste final de semana?

            Como na época de colégio e faculdade, em que precisávamos passar pelas provas para sermos aprovados, assim acontece também em nossa vida.

            Não que Deus queira nos ver sofrendo para ver até onde acreditamos n’Ele, como muitos dizem por aí, mas para que saibamos experimentar cada momento de nossa vida e aprender com cada um deles, sejam esses momentos bons ou ruins.

            Quantos de nós que estamos aqui hoje neste encontro com Cristo “ECC” neste final de semana já passamos por provações, por dificuldades, por aperto financeiro, por uma crise familiar, pela perda de uma pessoa querida e quantos de nós conseguiu se fortalecer depois disso?

Quantos de nós conseguimos aprender com a dor e no momento mais difícil em que tudo parecia não ser mais favorável, se colocou diante de Deus e ao invés da murmuração ou desespero, agradeceu a Deus não pelo sofrimento, mas pela lição aprendida?

A verdadeira Fé só será EVIDÊNCIADA diante das tempestades Vencidas.  (Marcos 4, 23-27)

SEU TESTEMUNHO PESSOAL É IMPRECINDÍVEL

Ex. Testemunho de Edileusa Moreira

O mundo nos ensina que aquele que agradece diante da experiência da dificuldade é louco – Deus nos ensina que aquele que aprende com a dor e agradece a lição dada é sábio.

Lembrar das experiências de Zaqueu, do servo do centurião, da cura da sogra de Pedro, da ressurreição de Lázaro…

A sabedoria de Deus consiste em estar sempre ao nosso lado.

Deus quer que a gente lute com todas as forças até alcançar a VITÓRIA!!!


38bceab0255f8744[1]

Baixe o texto em Documento – Wold.Doc

04 – Fé nos Reveses da Vida.doc

8836df04d428903f901fe9a769c1c97a_kak-redaktirovat-pdf-dokument-411-414-c[1]

Click e Baixe o Texto em arquivo PDF

04 – Fé nos Reveses da Vida.pdf

04 – Fé nos Reveses da Vida (2)


Musica para  Meditação:

Noites Traiçoeiras.

Pe. Marcelo Rossi


O SENTIDO DA VIDA É RESTAURADO


Fé_na_estrada




Encontro de Casais com Cristo_ECC


O Sentido da Vida.



Palestra preparada para encontro de Casais:

“O Sentido da Vida”




Objetivo:

Refletir sobre o tema e apresentar aos casais o verdadeiro sentido da vida.

Como encontrar o fundamento sólido que dá sentido definitivo às nossas vidas e a todas as nossas ações; que é inútil edificar sobre a areia e edificar apoiando-se unicamente nas coisas visíveis e criaturas de Deus; buscando este sentido real de vida através da vivência em Cristo.  

O Casal precisa descobrir a razão de sua vida pessoal, conjugal, familiar, comunitária e profissional; Testemunhar como descobriu o sentido de sua própria vida, como os dois descobriram o valor de seu casamento e como estão procurando dar importância à vida da Família, da comunidade, da Igreja e ao Plano de Deus; Mostrar que o verdadeiro sentido da vida está em Jesus Cristo; Ele que é o Caminho, a verdade e a VIDA.


Fundamentação Bíblica:

(Mateus 7, 12-14) ; (Mateus 7, 24-27); (Mateus 19, 16-30)(Lucas 12, 22-34)(João 14, 5-7)


REFLEXÃO:


O ser humano precisa de direção e motivo para seus atos para não se sentir perdido. Conhecer o sentido da vida dá significado à existência, às decisões, às ações , aos fatos, às coisas da vida em geral e, portanto, é condição essencial para que se tenha uma vida útil e feliz.

Pergunta: “Qual é o sentido da vida?”

CURIOSIDADE: Veja observação abaixo do texto que se segue.

Como posso encontrar propósito, realização e satisfação na vida?

Terei o potencial de realizar algo de significância duradoura?

Há tantas pessoas que jamais pararam para pensar no sentido da vida.

Anos mais tarde elas olham para trás e se perguntam por que seus relacionamentos não deram certo e por que se sentem tão vazias, mesmo tendo alcançado algum objetivo anteriormente estabelecido.

CURIOSIDADE: Veja observação abaixo do texto que se segue.

Escutem esta frase de Juan Manoel Fangio: “Fui apenas um corredor de automóveis. Não fiz nada para o bem da humanidade.”

Veja o que Alex Dias Ribeiro (ex-piloto) falou sobre isto: Essa sentença do penta campeão mundial de Fórmula 1, Juan Manoel Fangio, aos 80 anos, despertou-me para uma realidade chocante: “É duro chegar ao fim da vida como mero passageiro do destino e ir-se embora deste mundo sem deixar sua marca na história com algum benefício para a humanidade.”  Por fim ele Alex diz: “É duro batalhar uma vida inteira subindo, a duras penas, a escada do sucesso até conquistar o último degrau, só para descobrir que a escada estava apoiada no muro errado…”

Um jogador americano de baseball que alcançou o hall da fama deste esporte foi questionado sobre o que gostaria que lhe tivessem dito quando ainda estava começando a jogar baseball. Ele respondeu: “Eu gostaria que alguém tivesse me dito que quando você chega ao topo, não há nada lá.” Muitos objetivos revelam o quanto são vazios apenas depois que vários anos foram perdidos na busca dos mesmos.

Em nossa sociedade humanística, as pessoas vão atrás de muitos propósitos, pensando que neles encontrarão sentido. Entre eles estão: sucesso nos negócios, prosperidade, bons relacionamentos, sexo, entretenimento, fazer o bem aos outros, etc. As pessoas já viram que, mesmo quando atingiram seus propósitos de prosperidade, relacionamentos e prazer, havia ainda uma grande lacuna interior – um sentimento de vazio que nada parecia preencher.

O Rei Salomão, autor do livro Bíblico de Eclesiastes expressa este sentimento quando diz: “Vaidade de vaidades, …tudo é vaidade.” Este autor tinha prosperidade além da medida, sabedoria maior que de qualquer homem de seu tempo ou do nosso, mulheres às centenas, palácios e jardins que eram a inveja de outros reinos, a melhor comida e o melhor vinho e toda a forma possível de diversão. E ele disse, em dado momento, que qualquer coisa que seu coração quisesse, ele buscava. E mesmo assim ele resumiu a “vida debaixo do sol” (a vida vivida como se tudo o que nela há é o que podemos ver com nossos olhos e experimentar com nossos sentidos) como sendo sem significado!

Por que existe tal vazio?

Porque Deus nos criou para algo além do que nós podemos experimentar aqui e agora.

Disse Salomão a respeito de Deus: “Ele também pôs a eternidade no coração dos homens…” Nos nossos corações, nós sabemos que o “aqui e agora” não é tudo o que há.

Nós existimos com três propósitos principais:

a) Para dar prazer a Deus, para louvor da glória de Deus.
1 Coríntios 10,31: Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus.
Romanos 11,36: Porque dEle, e por meio dEle, e para Ele são todas as coisas. A Ele, pois, a glória eternamente. Amém!
Salmos 150,6: Todo ser que respira louve ao SENHOR.

b) Para sermos sua imagem e semelhança
Gênesis 1,26: Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra.

c) Para fazer parte de sua família
Efésios 1,5: Nos predestinou para Ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade.

Em Gênesis, o primeiro livro da Bíblia, vemos que Deus criou a humanidade à Sua imagem (Gênesis 1,26). Isto significa que nós somos mais parecidos com Deus do que com qualquer outra coisa (qualquer outra forma de vida). Nós também vemos que antes da humanidade cair em pecado e a maldição vir por sobre a terra, as seguintes afirmações eram verdadeiras:

(1) Deus fez o homem uma criatura social (Gênesis 2,18-25);

(2) Deus deu trabalho ao homem (Gênesis 2,15);

(3) Deus tinha comunhão com o homem (Gênesis 3,8); e

(4) Deus deu ao homem domínio sobre a terra (Gênesis 1,26).

Qual o significado disto? Eu creio que Deus tinha como intenção, com cada uma destas coisas, acrescentar realização a nossa vida, porém tudo isto (especialmente a comunhão do homem com Deus) foi adversamente afetado pela queda do homem em pecado e conseqüente maldição sobre a terra (Gênesis 3).

No Apocalipse, o último livro da Bíblia, ao final de muitos outros eventos do fim dos tempos, Deus revela que a atual terra e céu que conhecemos terão seu fim e iniciará a eternidade fora do estado material, conheceremos então um novo céu e uma nova terra (Ap 21).

Neste tempo, Ele irá restaurar a comunhão total com a humanidade redimida. Alguns da humanidade terão sido julgados indignos e jogados ao Lago de Fogo (Apocalipse 20,11-15). E a maldição do pecado será eliminada; não haverá mais pecado, tristeza, doença, morte, dor, etc. (Apocalipse 21,4).

E aqueles que creem herdarão todas as coisas; Deus habitará com eles, e eles serão Seus filhos (Apocalipse 21,7). Portanto, chegamos ao ponto inicial de que Deus nos criou para termos comunhão com Ele; o homem pecou, quebrando tal comunhão; Deus restaura esta comunhão completamente no estado eterno com aqueles julgados dignos por Ele.

Agora, passar a vida inteira alcançando qualquer coisa e todas as coisas apenas para morrer separado de Deus pela eternidade seria mais do que fútil!

Mas Deus providenciou uma maneira não apenas de tornar possível a eterna alegria espiritual (Lucas 23,43), mas também para vivermos esta vida com satisfação e sentido. Então, como esta eterna alegria espiritual e o “céu na terra” são obtidos?



O SENTIDO DA VIDA É RESTAURADO


ATRAVÉS DE JESUS CRISTO


Como fizemos alusão acima, o real sentido, tanto agora como na eternidade, é encontrado ao se restaurar o relacionamento com Deus, relacionamento que foi perdido quando Adão e Eva caíram em pecado. Hoje, este relacionamento com Deus somente é possível através de Seu Filho, Jesus Cristo (Atos 4,12; S. João 14,6; S. João 1,12).

A vida eterna é recebida quando alguém se arrepende de seu pecado (ao não querer mais continuar nele, mas que Cristo o mude e faça dele uma nova pessoa) e começa a confiar em Jesus Cristo como Salvador e Senhor. (veja Post. “Jesus Salvador” e “Jesus Senhor”.

Porém, o real sentido da vida não é encontrado meramente em descobrir Jesus como Salvador (apesar do quão maravilhoso ser). Ao invés disso, o real sentido da vida é encontrado ao se começar a seguir a Cristo como Seu discípulo, aprendendo Dele, passando tempo com Ele na Sua Palavra, a Bíblia, tendo comunhão com Ele em oração e caminhando com Ele em obediência aos Seus mandamentos. Se você é um descrente (ou talvez um novo Cristão), você deve estar dizendo a si mesmo: “Isto não me soa assim tão incrível e realizador!” Mas por favor, leia um pouco mais. Jesus fez as seguintes declarações:

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (S. Mateus 11,28-30).

“…eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância” (S. João 10,10b).

“Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me; Porque aquele que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, e quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.” (S. Mateus 16,24-25).

E nos Salmos encontramos o seguinte: “Deleita-te também no SENHOR, e te concederá os desejos do teu coração.” (Salmos 37,4).

O que todos estes versículos estão dizendo é que nós temos uma escolha. Nós podemos continuar buscando guiar nossas próprias vidas (com o resultado de vivermos uma vida vazia) ou podemos escolher seguir a Deus buscando Sua vontade para as nossas vidas com todo o nosso coração (o que resultará em uma vida vivida por completo, tendo os desejos do nosso coração atendidos e encontrando contentamento e satisfação). Isto é assim porque o nosso Criador nos ama e deseja o melhor para nós (não necessariamente a vida mais fácil, mas a com mais satisfação).

Isto é assim porque o nosso Criador nos ama e deseja o melhor para nós, não necessariamente a vida mais fácil, mas a vida com mais satisfação.

Para finalizar, eu gostaria de fazer uma analogia bem simples e comum. Se você é um fã de Futebol e decide ir ao jogo da final do campeonato Nacional em que seu Time esteja jogando, você pode poupar algum dinheiro e pegar um lugar “bem baratinho”, longe da ação, nas posições mais altas do estádio, ou você pode gastar bem mais e ficar bem perto e aproveitar com mais vivacidade o jogo. É assim também na vida Cristã. Assistir à obra de Deus EM PRIMEIRA MÃO não é para os cristãos de domingo que só assistem a Missa. Esses não estão pagando o melhor preço. Assistir à obra de Deus EM PRIMEIRA MÃO é para o discípulo de Cristo que o é de todo o coração, aquele que parou de ir atrás das suas próprias vontades a fim de seguir os propósitos de Deus em sua vida. ELES pagaram o preço mais alto (rendição completa a Cristo e a Sua vontade); eles estão vivendo a vida ao máximo; e eles podem encarar a si próprios, seus amigos e seu Criador sem remorsos! Você já pagou o preço? Sente vontade? Se a resposta é sim, você nunca mais sentirá fome de sentido e propósito.


“Minha Alma tem

Sede De Deus”

Jesus é a Água Viva !


Como disse Jesus à Samaritana:

10. Respondeu-lhe Jesus: Se conhecesses o dom de Deus, e quem é que te diz: Dá-me de beber, certamente lhe pedirias tu mesma e ele te daria uma água viva. 11. A mulher lhe replicou: Senhor, não tens com que tirá-la, e o poço é fundo… donde tens, pois, essa água viva? 12. És, porventura, maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu este poço, do qual ele mesmo bebeu e também os seus filhos e os seus rebanhos? 13. Respondeu-lhe Jesus: Todo aquele que beber desta água tornará a ter sede, 14. mas o que beber da água que eu lhe der jamais terá sede. Mas a água que eu lhe der virá a ser nele fonte de água, que jorrará até a vida eterna. 15. A mulher suplicou: Senhor, dá-me desta água, para eu já não ter sede nem vir aqui tirá-la!                                                             (São João 4, 10)

A Razão principal desta declaração de Jesus é que nada neste mundo pode aplacar a nossa sede de Deus e que, portanto somente Jesus tem e pode dar esta água que satisfaz o nosso vazio interior, portanto não adianta buscar em nenhum outro lugar e mesmo que tenhamos sobre o nosso poder o mundo inteiro jamais encontraremos este sentido da nossa existência. “Parte integrante da tentação de Jesus no deserto e no diálogo com a serpente do paraíso”.  Se as pessoas entenderem isto será o suficiente para que elas busquem em Jesus esta água viva que aplaca a sua sede definitivamente.

Uma outra boa demonstração desta verdade é a Parábola do Filho pródigo que mostra exatamente um filho jovem, bonito, forte, saudável que possuía tudo que precisava, servos que o serviam e uma Família que o amava e mesmo assim decidiu buscar algo diferente que completasse o seu vazio interior fora da segurança de sua “CASA” seu “APRISCO” e o levou a arriscar sua vida sem a menor proteção no mundo dos lobos que o cercavam, após perder tudo que possuía, restou-lhe apenas a certeza de que na segurança da casa de seu Pai, até mesmo o pior servo tinha segurança e vida garantida e protegida por seu Pai que demonstrava ser um homem muito bom.


 SLAID MONTADO PARA ESTA PALESTRA, TEXTO NÃO COINCIDENTE – ADAPTAR




PARA MIM O VIVER É CRISTO…


…sempre preocupou a humanidade. “Por que vivo?”, “Qual a razão da vida?”, “Qual o objetivo de viver?”

Mary Roberts Rinehart disse sobre o sentido da vida: “Um pouco de trabalho, um pouco de sono, um pouco de amor, e tudo acabou.”

• Edmund Cooke afirmou: “Nunca vivemos, mas sempre temos a expectativa da vida.”

• Colton: “A alma vive aqui como numa prisão e é liberta apenas pela morte.”

• Shakespeare: “Viver é uma sombra ambulante.”

• R. Campbell: “Viver é um corredor empoeirado, fechado de ambos os lados.”

• Rivarol: “Viver significa pensar sobre o passado, lamentar sobre o presente e tremer diante do futuro.”

Será que todas essas não são afirmações bastante amargas e desanimadoras sobre o sentido da vida? Parece que todos falam apenas de existir e não de viver verdadeiramente.

Jesus tocou no âmago da questão ao dizer: “Eu Sou… a Vida” (S. João 14,6). Por isso o apóstolo Paulo escreveu sobre o sentido da sua vida: “Porquanto, para mim o viver é Cristo” (Filipenses 1,21). Por isso, também o apóstolo João começou sua primeira epístola com as palavras: “O que era desde o princípio, o que temos ouvido, o que temos visto com os nossos próprios olhos, o que contemplamos, e as nossas mãos apalparam, com respeito ao Verbo da Vida (e a Vida se manifestou, e nós a temos visto, e dela damos testemunho, e vo-la anunciamos, a Vida Eterna, a qual estava com o Pai e nos foi manifestada)” (1 João 1,1-2).
Uma revista esportiva resumiu da seguinte forma a vida de um famoso ex-treinador e comentarista esportivo:

Eu acreditava que 20 anos de fama bastariam… talvez ganhar três campeonatos e então, no auge, com 53/54 anos, parar… Depois eu pretendia recuperar tudo o que tinha perdido, por causa do muito tempo que estive viajando… Agora tudo parece tão sem sentido… Mas aquela ânsia incontrolável de conquistar o mundo não podia ser freada… Ao se ficar doente, chega-se à conclusão: “o esporte não significa mais nada” – esse pensamento é simplesmente terrível.
Alguém disse certa vez: “Qual o significado da vida, quando ela se torna ‘antigamente’?” Sem Jesus, que é a vida em todo o seu significado presente e eterno, a vida na terra oferece no máximo “sucesso vazio”, e mesmo esse se esvai no final como areia entre os dedos. Por isso, dê ouvidos à voz de Jesus, que resume o sentido da vida numa única frase: “E a vida eterna é esta: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste” (João 17.3).


A Historia da mosca que caiu no copo de leite.

Uma historinha que esclarece e exemplifica a necessidade de tomar atitudes diferentes em casos semelhantes


CURIOSIDADE:


Estudo americano desvenda o sentido da vida:


O sentido da vida, que durante séculos pensadores, filósofos e, em geral, os seres humanos buscaram, foi finalmente desvendado: “A vida é para ser desfrutada”, conclui um estudo acadêmico.

A revista britânica Journal of Humanistic Psychology publica esta semana um relatório de um grupo de psicólogos, dirigidos por Richard Kinnier, da Universidade do Arizona (EUA), que se dedicou a analisar as palavras de 200 pensadores, do escritor Oscar Wilde ao imperador Napoleão. A conclusão do estudo é que “é preciso desfrutar a vida enquanto for possível”.

Pelo menos isso era o que pensavam 17% dos analisados, entre eles, personalidades tão díspares como o ex-presidente norte-americano Thomas Jefferson e a cantora Janis Joplin, que morreu aos 27 anos de overdose, mas não sem antes cantar “aproveite enquanto puder”.

No extremo oposto, entretanto, figuram personalidades mais pessimistas, como Sigmund Freud, criador da psicanálise, e os escritores Frank Kafka, Jean-Paul Sartre e Joseph Conrad, parte de um grupo que representa 11% dos estudados. Para todos eles, como ficou claro em seus escritos, a vida simplesmente não tem sentido.

Por sua vez, outros pensadores, como o filósofo francês Jean-Jacques Rousseau e o físico Albert Einstein, autor da teoria da relatividade, achavam que o sentido da vida é “amar, ajudar e prestar serviços aos demais”.

Esta foi a segunda opção de resposta que mais apareceu nas análises feitas e é também a escolhida pelo líder pacifista indiano Mahatma Gandhi, que afirmava: “Encontro meu consolo e minha felicidade me colocando a serviço de todas as vidas”.

Para outro grupo de pensadores, a vida é simplesmente um mistério, como estava convencido Napoleão e também está o físico britânico Stephen Hawking, famoso por seu livro Uma breve história do tempo.

Finalmente, um menor número de estudados opinou que a vida é, simplesmente, “uma piada”, entre estes, estão o cantor Bob Dylan e o escritor Oscar Wilde.


38bceab0255f8744[1]

Baixe o texto em Documento – Wold.Doc

05 – O Sentido da Vida.doc

8836df04d428903f901fe9a769c1c97a_kak-redaktirovat-pdf-dokument-411-414-c[1]

Click e Baixe o Texto em arquivo PDF

05 – O Sentido da Vida.pdf




Encontro de Casais com Cristo_ECC