Não arrancar o joio do meio do Trigo!


O Reino dos Céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente em seu campo. Na hora, porém, em que os homens repousavam, veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo e partiu.   O trigo cresceu e deu fruto, mas apareceu também o joio. Os servidores do pai de família vieram e disseram-lhe: ‘Senhor, não semeaste bom trigo em teu campo? Donde vem, pois, o joio?’. Disse-lhes ele: ‘Foi um inimigo que fez isto!’. Replicaram-lhe: ‘Queres que vamos e o arranquemos?’. ‘Não’ – disse ele –; arrancando o joio, arriscais tirar também o trigo. Deixai-os crescer juntos até a colheita. No tempo da colheita, direi aos ceifadores: arrancai primeiro o joio e atai-o em feixes para o queimar. Recolhei depois o trigo no meu celeiro’.”” 
São Mateus, 13 – Bíblia Católica Online

27 de julho de 2019.



O evangelho para a liturgia deste domingo nos leva a meditar sobre a parábola do joio e do trigo. Tanto na sociedade como na comunidade e na vida de todos nós, existe tudo misturado: qualidades boas e incoerências, limites e falhas. Nas nossas comunidades, reúnem-se pessoas que vêm dos vários cantos do Brasil, cada uma com a sua história, com a sua vivência, a sua opinião, os seus anseios, as suas diferenças. Existem pessoas que não sabem conviver com as diferenças. Querem ser juízes dos outros. Acham que só elas estão certas, e os outros errados. A parábola do joio e do trigo ajuda a não cair na tentação de querer excluir da comunidade os que não pensam como nós.

Os empregados que aparecem na parábola representam certos membros da comunidade. O dono da terra representa Deus. Prestemos atenção nas atitudes dos empregados e na reação do dono da terra.

A parábola no Sermão das Parábolas

O capítulo 13 traz o Sermão das Parábolas. Seguindo o texto de Marcos (Mc 4,1-34), Mateus omitiu a parábola da semente que germina sozinha (Mc 4,26-29), ampliou a discussão sobre o porquê das parábolas (Mt 13,10-17) e acrescentou as parábolas do joio e do trigo (Mt 13,24-30), do fermento (Mt 13,33), do tesouro (Mt 13,44), da pérola (Mt 13,45-46) e da rede (Mt 13,47-50). Com as do semeador (Mt 13,4-11) e do grão de mostarda (Mt 13,31-32), são ao todo sete parábolas. Estamos aqui no centro do Evangelho de Mateus. O coração deste centro é a parábola do joio e do trigo. É nela que aparece a recomendação mais importante para as comunidades da época.



Durante séculos, por causa da observância das leis de pureza, os judeus tinham vivido separados das outras nações. Este isolamento marcou a vida deles. Mesmo depois de convertidos, alguns continuavam nesta mesma observância que os separava dos outros. Eles queriam a pureza total. Qualquer sinal de impureza devia ser extirpado em nome de Deus. “Não pode haver tolerância com o pecado”, diziam eles. Mas outros, como Paulo, ensinavam que a Nova Lei de Deus, trazida por Jesus, pedia o contrário. Eles diziam: “Não pode haver tolerância com o pecado, mas deve haver tolerância com o pecador!” A comunidade deve vencer a tentação de querer excluir os que pensam de modo diferente. Este é o pano de fundo da parábola do joio e do trigo.

1. Mt 13,24-26:

A situação: joio e trigo crescem juntos

A palavra de Deus que faz nascer a comunidade é semente boa, mas nas comunidades sempre aparecem coisas que são contrárias à palavra de Deus. De onde vêm? Essa era a discussão.

2. Mt 13,27-28a:

A causa da mistura que existe na vida

Um inimigo fez isso. Quem é este inimigo? O inimigo, o adversário, Satanás ou diabo (Mt 13,39), é aquele que divide, que desvia. A tendência de divisão existe dentro de cada um de nós. O desejo de dominar, de se aproveitar da comunidade para subir e tantos outros desejos interesseiros são divisionistas, são do inimigo que dorme dentro de cada um de nós.

3. Mt 13,28b-30:

A reação diferente diante da ambiguidade

Diante dessa mistura do bem e do mal, alguns queriam arrancar o joio. Pensavam: “Se deixarmos todo o mundo na comunidade, perdemos nossa razão de ser! Perdemos a identidade!” Queriam expulsar os que pensavam de modo diferente. Mas esta não é a decisão do Dono da terra. Ele diz: “Deixa-os crescerem juntos até a colheita!” O que vai decidir não é o que cada um fala e diz, e sim o que cada um vive e faz. É pelo fruto produzido que Deus nos julgará. A força e o dinamismo do Reino se manifestam na comunidade. Mesmo sendo pequena e cheia de contradições, ela é um sinal do Reino. Mas ela não é dona do Reino, nem pode considerar-se justa. A parábola do joio e do trigo explica a maneira como a força do Reino age na história. É preciso ter paciência e aprender a conviver com as contradições e as diferenças, mesmo tendo uma opção clara pela justiça do Reino.


Ensino em parábolas



A parábola é um instrumento pedagógico que usa o quotidiano para mostrar como a vida nos fala de Deus. Torna a realidade transparente e faz o olhar da gente ficar contemplativo. Uma parábola aponta para as coisas da vida e, por isso mesmo, é um ensinamento aberto, pois das coisas da vida todo o mundo tem alguma experiência. O ensinamento por parábolas faz a pessoa partir da experiência que tem: semente, sal, luz, ovelha, flor, passarinho, mulher, criança, pai, rede, peixe, etc. Assim, ele torna a vida quotidiana transparente, reveladora da presença e da ação de Deus. Jesus não costumava explicar as parábolas. Geralmente, terminava com esta frase: “Quem tem ouvidos, ouça!” (Mt 11,15; 13,9.43). Ou seja: “É isso! Vocês ouviram! Agora tratem de entender!” Jesus deixava o sentido da parábola em aberto e não o determinava. Sinal de que acreditava na capacidade do povo de descobrir o sentido da parábola, baseado na sua experiência de vida.

De vez em quando, a pedido dos discípulos, ele explicava o sentido (Mt 13,10.3). Por exemplo, os versículos 36-43 trazem a explicação da parábola do joio e do trigo. Ela mostra como se fazia catequese naquele tempo. As comunidades se reuniam e discutiam as parábolas de Jesus, procurando saber o que ele queria dizer. Assim, pouco a pouco, o ensinamento aberto de Jesus começava a ser afunilado na catequese da comunidade que aceitava apenas uma explicação da parábola. Ela não tinha a mesma confiança de Jesus na capacidade do povo de entender as coisas do Reino.

(Mateus 13,24-30) [Mesters, Lopes e Orofino]

 27 de julho de 2019.


 

PARÁBOLAS E MENSAGENS EM POWER POINT PARA REFLEXÃO

Peso_da_oração_0
Rezar o Terço


DEUS AMA O PECADOR

MAS ODEIA O PECADO

Evangelizar incomoda muita gente.



Lembra daquela musiquinha do elefante que incomoda muita gente (*) e que depois vem mais um elefante e vai aumentando a manada até que alguém perde a paciência e amordaça o maluco que está cantando? 


um_Elefante_incomoda_muita_gente Manad_elefante_greve_geral

É!!! Já passei por esta situação algumas vezes e deu vontade de enforcar o cantor, mas hoje queremos falar exatamente deste mesmo efeito perturbador nas pessoas quando nos referimos ao evangelho de Jesus Cristo, porque lamentavelmente muitas pessoas não querem ser evangelizadas e se sentem muito incomodadas! 


Além das pessoas se somam ideologias humanas e políticas que não suportam o Cristianismo e até proíbem a evangelização.



Lembra-se da ordem de Deus ao Profeta Ezequiel?

Dir-lhes-ás tu: Esta é a Palavra do Senhor – quer te escutem ou não. (Ezequiel 3,11)

“Quer ouçam ou deixem de ouvir”.

Deus enviou o Profeta Ezequiel para anunciar a sua palavra no meio de seu povo escolhido, porém a situação era tão grave naqueles dias que a observação do Senhor era exatamente que: aqueles que eram pagãos e que nunca tinham ouvido falar de Deus provavelmente ouviriam esta palavra.  Os filhos de Deus, porém, estavam fechando os ouvidos para não ouvir as palavras de seu Deus, perseguiam os Profetas e os matavam.  Hoje, acontece algo muito semelhante e é por isso que Deus nos chama a evangelizar os Batizados, não somente aqueles que nunca ouviram a palavra de Deus, mas sim e principalmente aqueles que se dizem Cristãos, que foram batizados e um dia se tornaram “FILHOS DE DEUS”, mas vivem como se fossem pagãos, evangelizar aqueles que estão com o convite para as Bodas do Cordeiro nas mãos e o cheque da Salvação no bolso, porém seguem em direção oposta rumo ao inferno e de agem assim conscientemente e ainda se incomodam, reclamam e perseguem aqueles que pregam a verdade do evangelho.

Neste ponto, entendemos que Deus nos chama para incomodar mesmo esta geração perversa, esta geração de cristãos inúteis, para ascender uma chama que incendeie toda palha seca e o joio maduro, para queimar todo ramo ressequido a fim de se limpe o caminho para que brote folhas novas e cresça novos ramos verdes nesta videira para produzir muitos frutos para o Senhor.

Jesus disse certa vez quando observava as multidões:

“Que elas se assemelhavam a um rebanho sem Pastor” (São Marcos 6, 34)

Sua intenção é clara quando demonstra claramente sua intenção de conduzir este rebanho perdido ao seu aprisco, porém Ele não esperava que essas ovelhas fossem rebeldes e desobedientes e que preferissem não ser conduzidas ao aprisco.

Este é o nosso chamado hoje, devemos atuar neste rebanho como aqueles cães que são instruídos para conduzir as ovelhas ao redil, não existe outra maneira de efetuar este trabalho, por isso dizemos que esta ação de conduzir o rebanho, de latir e latir, avançar e recuar, fazer barulho e mais barulho é a maneira que as ovelhas entendem e são coagidas a seguir na direção correta.

Imagine o quanto um cão pode latir nas ovelhas e incomodá-las a ponto de induzi-las na direção correta, imagine agora se fossem dois cães a latir nestas ovelhas surdas, multipliquemos os cães que cercam as ovelhas e iremos observar que o trabalho será executado mais rapidamente e facilmente. Desta mesma forma, podemos dizer que: se um evangelizador incomoda tanta gente, imagine se fossem dois evangelizadores?  E se fossem três, quatro, cinco ou mais, como não poderiam incomodar ainda mais os Cristãos acomodados para que eles percebam que um Cristão acomodado que não evangeliza ninguém não entrará no reino de Deus.

Talvez seja esta a verdade que mais incomoda os acomodados e que nenhum deles queira admitir, mas se o “cristão” não for Cristão de verdade e se não contagiar o mundo que o cerca com seu testemunho de vida, não somente muitas pessoas perderão a Salvação como também ele mesmo perderá a sua Vida Eterna com Deus, pois todos aqueles acomodados que se identificam como “cristãos” e não o são de verdade não entrarão no Reino de Deus.

Por isso São Paulo dizia:

“Ai de mim se não evangelizar!”

Porque esta é a nossa Missão hoje!


porque-o-evangelho-incomoda-tanto-as-pessoas[1]


Mas por que o evangelho incomoda tanto as pessoas?


O evangelho não parece ser algo que as pessoas gostem tanto de ouvir.

Você já se sentiu um chato por compartilhar a palavra de Deus com alguém?

Já foi “cortado” ou desprezado quando estava falando de Jesus?

Já foi excluído por falar a verdade contida na Bíblia?

Já teve suas atitudes ridicularizadas por seguir à risca a orientação do evangelho de Jesus?

Já teve portas fechadas em sua vida só porque acredita e segue os ensinos de Jesus Cristo?

Essas são situações bem comuns que acontecem diariamente.

Paulo diz ao jovem Cristão Timóteo algo que parece desanimador, mas que mostra na realidade que o evangelho de Jesus Cristo incomoda demais o mundo:

“Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.” (2 Timóteo 3.12). 

Por que os que querem viver de acordo com a vontade de Jesus Cristo serão perseguidos? Porque o mundo se incomoda demais com o evangelho sendo pregado e, claro, principalmente sendo vivido.

Mas nós que vivemos e pregamos o evangelho devemos ter em mente uma verdade: Se o evangelho está incomodando [o evangelho genuíno, é claro, o bíblico] é porque as coisas estão indo bem e não mal. O evangelho foi feito para incomodar e impactar as pessoas e não para passar despercebido. O evangelho não é para “passar a mão na cabeça das pessoas”, para deixá-las da mesma forma que estão. Os relatos bíblicos mostram que onde o evangelho entra as coisas não permanecem as mesmas. Ou ele muda vidas ou provoca reações de rejeição das mais diversas. Em alguns lugares do mundo a pregação do evangelho pode gerar a morte do pregador! Aliás, milhares de pessoas já morreram por causa do evangelho.

Mas porque a mensagem do evangelho incomoda tanto?

A mensagem do evangelho incomoda tanto porque ela é diferente das outras mensagens. É uma mensagem exigente, poderosa, mexe com o coração do homem, abala, coloca “a pulga atrás da orelha” do ser humano, é verdadeira, destrói a obra do diabo, transforma vidas, mostra o caminho da salvação, purifica, traz perdão, etc. É a Palavra de Deus que não volta vazia. Não são meras palavras ao vento, mas são palavras agregadas com o poder do Todo-Poderoso. Como algo com todas essas características não incomodariam?

Vários pregadores do passado e do presente também incomodaram por pregar o Evangelho. Muitos deles sofreram na pele o impacto da rejeição da mensagem de Jesus Cristo, mas também colheram frutos pelo seu empenho, afinal, em muitas vidas o incomodo que o evangelho provoca redunda em mudanças de vida e conversão, em reconciliação com Deus. Muitos que viveram e vivem o evangelho colhem dificuldades do incomodo provocado pelo evangelho, mas colhem também os frutos saborosos vindos dele.

O grande risco que nós cristão corremos é o de desistir de anunciar o evangelho por causa da rejeição e do incomodo visível das pessoas por causa dele. Quanto a isso veja o que aprendemos com Paulo:

“Agora eu vou para Jerusalém, obedecendo ao Espírito Santo, sem saber o que vai me acontecer lá. Sei somente que em todas as cidades o Espírito Santo tem me avisado que prisões e sofrimentos estão me esperando. Mas eu não dou valor à minha própria vida. O importante é que eu complete a minha missão e termine o trabalho que o Senhor Jesus me deu para fazer. E a missão é esta: anunciar a boa notícia da graça de Deus.” (Atos 20. 22-24)

Se o evangelho não incomodar não é o evangelho. Acostume-se com isso e cumpra sua missão assim como o apóstolo Paulo, que não se preocupou com o incomodo que o evangelho iria provocar nas pessoas e na sociedade, antes, se incomodava em não cumprir a vontade de Deus em sua vida e em não impactar positivamente o seu tempo com a grande boa notícia, o evangelho de Jesus Cristo!


.


Palavras_ao_vento Cristofobia_2