O Fruto do Espírito.



Meditação Em Power Point sobre os frutos do Espírito Santo e a necessidade de se produzir bons frutos, pois são através deles que se conhece uma boa árvore, já que aquela árvore que produz maus frutos estão destinadas ao fogo eterno pois já estão mortas.

Leia o texto:


Fruto_Espírito

“Os Frutos do Espírito Santo”

1. E, semeando, parte da semente caiu ao longo do caminho; os pássaros vieram e a comeram. Outra parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e nasceu logo, porque a terra era pouco profunda. Logo, porém, que o sol nasceu, queimou-se, por falta de raízes. Outras sementes caíram entre os espinhos: os espinhos cresceram e as sufocaram.

(São Mateus 13,4-7)

2. Caíram em terra boa: deram frutos, cem por um, sessenta por um, trinta por um. Aquele que tem ouvidos, ouça. (São Mateus 13,8-9)

3. “Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem- se, porventura, uvas dos espinhos e figos dos abrolhos? Toda árvore boa dá bons frutos; toda árvore má dá maus frutos. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma Árvore má, bons frutos. (S. Mateus 7,16-18)

4. Não fostes vós que me escolhestes, mas eu vos escolhi e vos constituí para que vades e produzais fruto, e o vosso fruto permaneça. Eu assim vos constituí, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vos conceda

5. Um certo dia Jesus encontrou uma Figueira no caminho, muito bonita e frondosa, sentiu fome e procurou frutos nesta boa árvore, porém não encontrou nenhum fruto. Disse então, Jamais alguém coma fruto de ti…” Um certo dia Jesus encontrou uma Figueira no caminho, muito bonita e frondosa, sentiu fome e procurou frutos nesta boa árvore, porém não encontrou nenhum fruto. Disse então, Jamais alguém coma fruto de ti…”

6. “Ele é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende, prospera.” (Salmos 1,3)

7. “Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo. Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Ele é que nos fez aptos para ser ministros da Nova Aliança, não a da letra, e sim a do Espírito. Porque a letra mata, mas o Espírito vivifica.” (II Cor 3,4-6)

8. “…Os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne; pois são contrários uns aos outros. … 18. Se, porém, vos deixais guiar pelo Espírito, não estais sob a lei. … 22. Ao contrário, o fruto do Espírito é caridade, alegria, paz, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, brandura, temperança. Contra estas coisas não há lei.”

9. “Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma.” (S. Tiago 2,17)


Fruto_Espírito


10. Quem vencerá? (Gal 5,16-17) Amor, Alegria, Paz, Longanimidade, Benignidade, Bondade, Fidelidade (Fé), Mansidão, Domínio Próprio. adultério fornicação impureza lascívia Idolatria feitiçaria inimizades porfias emulações iras, pelejas dissensões heresias Invejas homicídios bebedices glutonarias.

11. JESUS CRISTO: 1. Demonstrou dando sua vida pela humanidade (S. João 13,1); 2. Transmitiu aos pobres, oprimidos e abatidos (S. Lc 4,18); 3. Deixou-nos sua PAZ (S. João 14,27); 4. Foi PACIENTE com seus discípulos e com as multidões que o seguiam (S. Mt 5,1); 5. Demonstrou sua BONDADE multiplicando pães e peixes, curando, libertando oprimidos (S. Lc 4,18); 6. Vemos sua BENIGNIDADE quando Ele perdoou e amou até mesmo os que O crucificaram (S. Lc 23,24); 7. Foi FIEL até a morte (Fl 2,8); 8. Ele era MANSO e humilde de coração (S. Mt 11,29); 9. Demonstrou DOMÍNIO PRÓPRIO sempre; Em tudo foi tentado, mas nunca pecou (Hb 4,15)

12. adultério fornicação impureza lascívia Idolatria feitiçaria inimizades porfias emulações iras, pelejas dissensões heresias Invejas homicídios bebedices glutonarias Se não deixarmos o Espírito Santo controlar nossa vida fatalmente a carne produzirá as obras dela em nós: Digo, pois: deixai-vos conduzir pelo Espírito, e não satisfareis os apetites da carne. (Gal 5,16)

13. • Não basta você dizer que acredita e é cristão, você precisa produzir bons frutos e boas obras de fé. • Jesus o libertou do pecado para que as obras da carne não dominem mais a sua vida. • Todos os dias temos que escolher viver a liberdade em CRISTO e não nos sujeitar à escravidão do pecado. • Jesus enviou o Espírito Santo em sobre todos os seus escolhidos para que possamos produzir bons frutos segundo a sua vontade.

14. 

Sizenando – segunda-feira, 27 de junho de 2016


Fruto_do_Espirito

Frutos do Espírito

Outros post’s



POWER POINT NO SLIDESHARE

BAIXE PARA MELHOR ACOMPANHAR A ANIMAÇÃO



Link’s para outras Mensagens:


Templo_Coração_2 Frutos_do_Espírito Arvore_sem_frutos
Todo_amor_da_fruto http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120 Pentecostes_pomba_g

Padre Fábio de Melo se defende sobre críticas a respeito de Maria e crendices populares.



Padre Fabio de Melo é considerado ex Padre por criticar Maria.

Manchete ainda bombando como viral na net até hoje…

PENSEI QUE ESSE ASSUNTO FOSSE PAGINA VIRADA, TANTO QUE HAVIA JÁ PREPARADO ESTE POST MAS NÃO CHEGUEI A DIVULGA-LO, PORÉM, EIS QUE ENCONTREI HOJE UM POST COM ALTA AUDIÊNCIA QUE ABORDAVA ESTE ASSUNTO COMO SE TIVESSE OCORRIDO ONTEM, O QUE ACHEI MAIS GRAVE NO TEXTO DA MANCHETE FOI A DECLARAÇÃO DE QUE FÁBIO DE MELO AGORA É EX PADRE E QUE CHOROU AMARGAMENTE QUANDO LEU AS CRÍTICAS A SEU RESPEITO ADICIONANDO UMA FOTO DE PADRE FÁBIO ÀS LÁGRIMAS, MAS NA VERDADE UMA FOTO JÁ BEM MAIS ANTIGA QUE FOI TIRADA POR OCASIÃO DO FALECIMENTO DE UM AMIGO.

Este assunto já havia sido esclarecido por uma declaração pública de Padre Fábio a qual esta copiada abaixo:

Deixei um comentário na pagina em questão sobre este assunto onde já havia uma grande polêmica, porém aqueles que acusam Padre Fábio de Melo de erro doutrinário e desprezo à Virgem Maria são os mesmos que o perseguem dia e noite o criticando até mesmo por um espirro fora de hora, mas a resposta para esses perseguidores foi escrita por São João já a 2000 anos atrás:


“Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. 17 – Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele.” (João 3, 16)




http://www.genizahvirtual.com/2014/01/padre-fabio-melo-criticou-idolatria.html


Outros titulos com Fabio de Melo

Queridos amigos,

Em virtude da polêmica que envolveu minha fidelidade à Ortodoxia Católica, venho esclarecer alguns pontos.

Em nenhum momento da minha vida atentei contra a sacralidade da Igreja Católica Apostólica Romana. Sou Mestre em Teologia Dogmática e zelo muito para que minha pregação esteja de acordo com os ensinamentos da Igreja. Este é o credo que professo: “Creio na Santa Igreja Católica Una, Santa, Católica e Apostólica.” Nunca inventei uma crença particular, ou um modo diferente de compreender esta profissão de fé.

A expressão que usei no programa de “De frente com Gabi”, “Jesus queria o Reino de Deus, mas nós demos a Ele a Igreja” é uma expressão muito usada nos bastidores acadêmicos que frequentei em minha vida, e está distante da proposta herética que ela já representou em outros tempos. O significado evoluiu.

Nossa Fundação é Santa, pois fomos instituídos pelo Cristo. “A Igreja é um corpo, em que nós somos os membros e Jesus Cristo é a cabeça (Col 1,18; I Cor 12,27). Na cabeça o Reino já está estabelecido. Em Cristo, o Reino já está plenamente manifestado. Mas os membros do corpo ainda estão no contexto da busca, pois continuamos arrastando as consequências adâmicas do nosso pecado. E por isto, mesmo que em Cristo o Reino já esteja plenamente manifestado, em nós, Igreja, povo de Deus, ele continua sendo a meta que nunca deixamos de buscar.

O Concílio Vaticano II, através de sua Constituição Dogmática Lumen Gentium, enfatizou que a Igreja é povo de Deus. O povo é errante, pois apesar de estar mergulhado nas graças do batismo, ainda sofre as consequências da fragilidade que o pecado lhe deixou. O mesmo Concílio declarou “O Reino de Cristo já presente em mistério, cresce visivelmente no mundo pelo poder de Deus…” (LG 3).

Presente em mistério. Isto é, cabe a nós, membros deste corpo, apressar a sua chegada. A Igreja é triunfante, mas também é peregrina, penitente, pois que carrega em sua carne a fragilidade de seus membros.

Sim, a Igreja é santa, mas comporta em seu seio os pecadores que somos nós. E por isso dizemos, também com o perigo da imprecisão teológica: “A Igreja é Santa e pecadora”. Bento XVI sugeriu modificar a expressão. “A Igreja é Santa, mas há pecado na Igreja”. Notem que ele salvaguarda a santidade na essência.

Mas o pecado existe na Igreja. Por isto rezamos nas liturgias diárias pelo Santo Padre, pelos bispos, pelo clero, pelo povo de Deus. Clamamos por purificação, luzes em nossas decisões, pois sabemos que é missão do Espírito encaminhar na terra a Igreja que ainda não é Reino de Deus (porque maculada pelos nossos pecados), e que ao Cristo damos diariamente. Mas nós caminhamos na esperança. Sabemos que um dia todas as partes do corpo estarão agindo em perfeita harmonia com a cabeça. Seremos a “Jerusalém Celeste”.

Eu assumo que errei ao usar a expressão. Eu não estava numa sala de aula, lugar onde a Ortodoxia convive bem com a dialética. Não considerei que muitos telespectadores poderiam não entender o contexto da comparação. E por isso peço desculpas. E junto às desculpas, faço minha retratação. Nunca tive problema em assumir meus equívocos. Usei uma expressão que carece ser contextualizada com outras explicações, para que não pareça irresponsável, nem tampouco herética.

Repito. Eu não nego nem neguei a definição dogmática expressa na Lumem Gentium, Número 5.

“O mistério da santa Igreja manifesta-se na sua fundação. O Senhor Jesus deu início à Sua Igreja pregando a boa nova do advento do Reino de Deus prometido desde há séculos nas Escrituras: «cumpriu-se o tempo, o Reino de Deus está próximo» (Mc. 1,15; cfr. Mt. 4,17). Este Reino manifesta-se na palavra, nas obras e na presença de Cristo. A palavra do Senhor compara-se à semente lançada ao campo (Mc. 4,14): aqueles que a ouvem com fé e entram a fazer parte do pequeno rebanho de Cristo (Luc. 12,32), já receberam o Reino; depois, por força própria, a semente germina e cresce até ao tempo da messe (cfr. Mc. 4, 26-29). Também os milagres de Jesus comprovam que já chegou à terra o Reino: «Se lanço fora os demônios com o poder de Deus, é que chegou a vós o Reino de Deus» (Luc. 11,20; cfr. Mt. 12,28). Mas este Reino manifesta-se sobretudo na própria pessoa de Cristo, Filho de Deus e Filho do homem, que veio «para servir e dar a sua vida em redenção por muitos» (Mt. 10,45).”

E quando Jesus, tendo sofrido pelos homens a morte da cruz, ressuscitou, apareceu como Senhor e Cristo e sacerdote eterno (cfr. Act. 2,36; Hebr. 5,6; 7, 17-21) e derramou sobre os discípulos o Espírito prometido pelo Pai (cfr. Act. 2,33). Pelo que a Igreja, enriquecida com os dons do seu fundador e guardando fielmente os seus preceitos de caridade, de humildade e de abnegação, recebe a missão de anunciar e instaurar o Reino de Cristo e de Deus em todos os povos, e constitui o germe e o princípio deste mesmo Reino na terra. Enquanto vai crescendo, suspira pela consumação do Reino e espera e deseja juntar-se ao seu Rei na glória.”

Agradeço pela prece dos que me acompanharam neste momento tão sofrido.

Com minha benção,

Padre Fábio de Melo.





Posições para violão

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/11/cifra-club-lk.jpg?w=313&h=117


HISTÓRIAS DO PADRE LEO
Outros titulos com Fabio de Melo
https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/12/sag-fam-lk.jpg?w=130&h=120&h=120

A Loucura da Cruz.



Existem coisas que nos parecem totalmente sem sentido ou então são totalmente absurdas, poderíamos dizer que este é o caso da cruz de Cristo, pois uma condenação de morte da pior maneira possível usada pelo ser humano para humilhar o condenado e mais ainda aqueles que o poderiam seguir seus ensinamentos provoca uma reação totalmente oposta ao esperado e ainda mais, este já era os planos daquele que fora condenado.

Para nós que hoje conhecemos esta história, resta nos compreender o significado deste imenso amor pessoal para conosco.



Réplica da Serpente de Bronze de Moisés – Perto do Monte Nebo, na Jordânia

foto © Joe Walker 2005


“E assim como Moisés levantou a Serpente  no deserto, assim importa que o filho do homem seja levantado, que todo aquele que n’Ele crê tenha a vida eterna.”
(S. João 3,15)

A história da serpente de bronze é encontrada em Números 21: 4-9

O povo murmurou contra Deus e contra Moisés: “Por que você nos tirou do Egito para morrermos no deserto? Porque não há comida e nem água, e nós detestamos este alimento miserável. “Então o Senhor enviou serpentes venenosas entre as pessoas, e elas morderam as pessoas, de modo que muitos israelitas morreram. O povo veio a Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti;. Interceda por nós ao Senhor para que tire de as serpentes de nosso meio “Então, Moisés orou pelo povo. E o Senhor disse a Moisés: “Faça uma serpente de Bronze e a coloque num poste, e todo aquele que for mordido deverá olhar para ela e então não morrerá.” “Então Moisés fez uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sempre que alguém era mordido por uma serpente, se dirigia à serpente no poste e a olhava para ela não morria.

A serpente de bronze aparece novamente em (2 Reis 18): [Ezequias] tirou os altos, quebrou as colunas, e cortou o poste sagrado. Ele quebrou em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até aqueles dias em que o povo de Israel tinham feito ofertas a ele, que era chamado de Neustã.

É um evento fascinante. É uma daquelas histórias bíblicas que deixa a consciência moderna embaraçada para encontrar uma explicação para o episódio todo. A serpente é um agente da destruição e morte, mas ao olhar para a serpente de bronze ela se tornava em um agente de cura. A mesma coisa que traz a morte, também, em outro contexto, traz a vida. Mas a passagem de 2 Reis dá algumas pistas de reflexão: há uma tendência no homem de recorrer em adoração aos meios de salvação, em vez de recorrer ao Deus da salvação!

De qualquer forma, parece uma inversão de valores, um completo absurdo da parte de Deus em usar esse sinal particular como um meio pelo qual os israelitas pecadores e murmuradores contra Deus estavam sendo curados. É aqui que se revela o significado “a tipologia” da cruz. Se era absurdo pensar em olhar para uma serpente de bronze para ser curado, então também é outro absurdo pensar o mesmo sobre olhar para Jesus crucificado. Este é, um dos motivos, uma primeira instância por que São Paulo chamará mais tarde de “A loucura da cruz.” Deus é completamente capaz de organizar as coisas de tal maneira que atinja o seu objetivo maior, bem, pode ser até muito estranho. Mas isso é o chamado e a forma de Deus agir, não a minha.

Jesus entra na história e revela que este evento é um precedente “a tipologia” , ou seja, um evento que tem um significado muito além de si mesmo. Isso é diferente de tratá-lo como apenas uma alegoria histórica.

Esta tipologia pode trabalhar de algumas maneiras.   Nós vemos a relação evidente entre a serpente que foi “levantada na vara” e Jesus “levantado na cruz”. A serpente é uma coisa tanto que provoca a morte ou de acordo com a decisão tomada pelos pecadores no deserto, ela se tornaria fonte de vida. Acontece o mesmo com Jesus: na passagem de (São João 3, 16), Ele pretende claramente que haja um resgate de todo homem,  mas já se fala do mal, daqueles que rejeitam olhar para a luz e preferem as trevas, estes terão como recompensa a morte eterna, resultado de sua própria escolha.

Pensando na Jordânia moderna, onde o memorial da serpente de bronze esta localizado atualmente, em um dia claro você pode visualizar a famosa “terra prometida”.

Para quem teve a oportunidade de visitar o local. É uma visão maravilhosa, olhar para a serpente de bronze vendo ao fundo a terra que mana leite e mel, aquela terra que Deus prometeu à descendência de Abraão e os conduziu pelo deserto naqueles quarenta anos para enfim tomar posse da promessa. É uma outra espécie de “tipologia geográfica”.

Quando olhamos para Jesus na cruz, como um desprezado assim como a serpente, podemos olhar para o passado vislumbrando o futuro da nova e eterna aliança, este é o caminho da cruz para a ressurreição, o verdadeiro lugar do Sacrifício que garante a nossa salvação eterna. 


Placa que indica a direção das cidades em Israel.


E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas a fim de que o mundo seja salvo por ele.

Aqueles que acreditam nele não são condenados, mas quem não crer já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E este é o julgamento, que a luz veio ao mundo, e as pessoas preferiram as trevas à luz, porque suas obras eram más. Para todos os que fazem o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que seus atos não possam ser expostos. Mas aqueles que fazem o que é verdade vem para a luz, para que ele possa ser visto claramente que as suas obras têm sido feitas em Deus. “Como uma passagem da Quaresma, este texto fala da redenção fora do juízo. Observe que a fonte do julgamento aqui não é Jesus, mas nós mesmos. O “poder se expor” na luz é usado para mostrar o contraste entre o bem e o mal. Enquanto muitos poderiam ser tentados a viver conforme o final da mensagem, depois vem as palavras reconfortantes no v 16, o texto que temos continua.

Parece um acórdo de juizes baseando-se exclusivamente a este respeito: o que (ou quem) você ama? A Luz ou as Trevas ?  A escuridão impede a visão, impede de “olhar” aquele que foi levantado na Cruz. As trevas termina na opção de não ver o crucificado ou usando outra famosa expressão de Jesus “O Pior cego é aquele que prefere não ver”, porque mesmo tendo olhos sadios, preferem mantê-los fechados para não verem a verdade.

Há sempre (pelo menos para mim) uma disputa na forma de abordar os elementos de julgamento em tais textos. É certamente uma boa notícia que o propósito de Jesus não é condenar, mas para salvar (a partir de nossa propria decisão?). E ainda assim eu sinto que não é o caso de que Jesus não possa condenar alguém (ele disse muitas palavras duras no evangelho), mas sim que não há necessidade de outras provas que os nossos próprios atos, a fim de fazê-lo.  Primeiro caminho com poucas irregularidades: manter uma alegoria harmoniosa das duas histórias… olhar para Deus … olhe para Jesus na cruz, não importa quão absurdo que possa parecer. Olhe para cima. Deus ama todos os seus filhos que estão no mundo.

Segundo caminho com colisões: o agente que pela decisão do homem provoca a morte / é também o agente da salvação. É por isso que Jesus traz a referência. Os meios de salvação podem aparecer duros, mas é o único meio. Isso significava, para Jesus, tornando-se a serpente figurada na vara de Moisés (“Ele se tornou o pecado que não conheceu pecado”), a fim de trazer a cura definitiva aos que n’Ele creem. 

Fonte: http://joewalker.blogs.com/felixhominum/2009/03/sermon-notes-lent-4-year-b-john-31421.html

Outras fotos do local – Canção nova



Semeando a cultura de Pentecostes



A Adoração de Imagens.

“Oh Deus! Quem olha para o crucifixo e vê Deus morto em um mar de dores e de desprezos, como é possível, se O ama, não suportar de boa vontade, ou antes não desejar sofrer todos os males por Seu amor?”

(Sto. Afonso Maria de Ligório, Doutor da Igreja).

Em março de 1961, Pelé marcou um “gol de placa” (gol que merece uma placa), contra o time do Fluminense, no estádio do Maracanã.

Após o gol, Pelé dirigiu-se à torcida e beijou sua camiseta, como sinal de amor e respeito pelo Santos Futebol Clube. O gol foi considerado tão espetacular que uma placa metálica foi produzida, como “uma homenagem pelo mais belo gol da história do Maracanã”.



Será que o Rei Pelé, ao beijar a camiseta de seu clube, pretendeu fazer uma homenagem a uma peça de roupa ou ao time por ela representado?

É evidente que ninguém homenagearia a camiseta em si! Do mesmo modo que, ao olharmos para uma fotografia de nossos pais ou avós não estamos venerando uma figura impressa em um papel fotográfico, mas os entes queridos cujas imagens ali aparecem.


veja a sequencia destas imagens:





[…] – Em 1969 aconteceram fatos ainda mais intrigantes, podemos ver nesta sequencia de fotos que o mesmo Rei Pelé beija varias vezes a bola que foi usada no seu miléssimo Gol, a qual é quardada como relíquea até o dia de hoje, os eventos que se sucederam também demonstram um excesso de atenção ao homem que é considerado até hoje como o melhor atleta de todos os tempos. 

Seriam essas ações atos de idolatria ao Rei Pelé ?

Seriam essas ações atos de idolatria ao Futebol ?   

Seriam essas ações atos de idolatria à Bola?

O que significa uma multidão frenética gritando em unisono o nome de uma só pessoa?

Seria isto um ato de adoração a alguém?

Neste País em que se abre o precedente de que no seu proprio Hino Nacional traz como parte integrante a palavra “IDOLATRADA”, é como uma confisão de “pecado grave” perante Deus que nos pede exatamente o contrario.

Mas será que este povo Brasileiro trata a sua Pátria com todo o amor que deveria?   Ou melhor ainda, será que este povo sabe o que significa esta palavra “IDOLATRADA”?  Duvido mesmo é que alguém idolatre este País como está escrito na letra da Canção e mesmo que encontrassemos muitos heroís capazes de doar o seu sangue pela libertação deste País, mesmo assim não poderíamos considerar este sangue derramado em favor da pátria como um ato de idolatria, quando no máximo apenas uma demonstração de amor extremo e sentido de preservação de si proprio.

Obs. deste Blog […]

Total absurdo, portanto, é o que alguns protestantes mal informados (e talvez mal intencionados) têm dito a respeito do que seria a “adoração de imagens” por parte dos Católicos!

Além disso, venerar não é adorar, nem, muito menos, idolatrar. Cada uma dessas palavras tem sentidos distintos, embora nem todos os dicionários brasileiros de língua portuguesa identifiquem essas diferenças com o rigor merecido. Se consultarmos dicionários estrangeiros, entretanto, veremos claramente a enorme distância que existe entre esses termos:

Adorar significa “reconhecer Deus como criador de todas as coisas”. Idolatrar significa, em certo sentido, exatamente o oposto disso, pois designa “a ação de adorar uma criatura”, ao invés de adorar o Criador.

Materialmente, a ação de adorar e a ação de idolatrar são idênticas. Formalmente, elas são opostas. E para melhor compreendermos a diferença entre matéria e forma na consideração de uma ação, filósofos oferecem o seguinte exemplo ilustrativo, baseado nas reflexões de Aristóteles e São Tomás de Aquino:

Se observarmos dois indivíduos, um que é médico e opera o coração de um doente, e outro que é um assassino, veremos que, materialmente, eles agem da mesma forma: abrem o peito de um ser humano com um instrumento perfurador e cortante (bisturi ou punhal). Entretanto, formalmente, suas ações são opostas, pois um tem por fim salvar uma vida, enquanto o outro visa tirar uma vida.

Assim, quem adora a Deus e quem adora o ídolo fazem, materialmente, as mesmas coisas, que formalmente são opostas. E é por isso que existem as palavras “adorar” e “idolatrar”.

Infelizmente há dicionários em nossa língua que dizem que “adorar”, “venerar”, “idolatrar” e “amar extremamente” são sinônimos. E quem os seguisse concluiria que, quando alguém por exemplo dissesse: – “Eu adoro chocolate”, estaria considerando que chocolate é o Criador do céu e da terra! Ou quando alguém dissesse: – “Amo extremamente meus filhos”, estaria, pela definição desses dicionários, cometendo ato de idolatria, já que amar extremamente seria o mesmo que adorar. Mas isso seria um enorme absurdo!

Nenhum Católico de verdade olha para uma imagem de Nossa Senhora e dos santos julgando que eles sejam “Deus” e adorando essas imagens. Nós as veneramos tal qual uma pessoa venera o retrato de seus pais ou avós!

Nem na Bíblia e nem na Tradição há qualquer base para a adoração de imagens, pois adorar é reconhecer a Deus soberano e criador de todas as coisas. As imagens nos lembram de Deus e das coisas do céu, e não são “deuses”. É por isso que nós, Católicos, NÃO ADORAMOS NENHUMA IMAGEM.

Além disso, está na Bíblia que Deus manda Moisés fazer dois QUERUBINS de ouro e colocá-los por cima da Arca da Aliança (Ex 25,18-20). Manda-lhe, também, fazer uma SERPENTE DE BRONZE e posicioná-la por cima de uma haste, para curar os mordidos pelas serpentes venenosas (Num 21,8-9). Manda ainda, a Salmão, colocar dois QUERUBINS no Oráculo (I Rs 6,23-35); doze BOIS na bacia de bronze (I Rs 7,25); BOIS, LEÕES e QUERUBINS (I Rs 7,28-29); e ainda, “como que figuras de HOMENS EM PÉ”; e há mais citações bíblicas falando de QUERUBINS, LEÕES e PALMAS (ver I Rs 7,36).

Usar fora de contexto e de forma isolada a passagem bíblica que diz “não farás para ti escultura alguma do que está em cima nos céus, ou abaixo sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra” (Ex 20,4) como uma proibição ao uso de imagens, é mal interpretar as Escrituras, que deixam claro que Deus proíbe apenas fazer imagens de deuses FALSOS e ADORÁ-LOS. Além disso, essa má utilização das Escrituras seria uma grave blasfêmia, pois consideraria Deus como incoerente, já que em vários lugares da Bíblia Ele manda fazer imagens, e em outro lugar as “teria proibido”!

Eis o verdadeiro sentido dessa proibição bíblica, no seu contexto: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair do Egito, da casa da servidão. NÃO TERÁS OUTROS DEUSES DIANTE DE MINHA FACE. Não farás para ti escultura alguma do que [daqueles falsos deuses, que na errada imaginação dos pagãos] está em cima dos céus, ou abaixo sobre a terra, ou nas águas, debaixo da terra. NÃO TE PROSTRARÁS DIANTE DELES E NÃO LHES PRESTARÁS CULTO, [à imitação dos pagãos]” (Ex 20,2-5). Esta proibição, intencionada por Deus, repete-se em vários lugares da Bíblia, como nos trechos acima citados.

O fato é que as muitas passagens citadas confirmam a adoção e a VENERAÇÃO das imagens, como sempre ensinou a Igreja, e nunca a adoração.

Todos entendemos que o Rei Pelé, ao beijar a camiseta, não venerou um pedaço de roupa, mas o clube por ela representado. Não há quem ache, também, que ao beijar a camiseta, Pelé a estaria “divinizando”, ou ao seu clube! E, por outro lado, toda a torcida aplaude o jogador que, em um ato assim, mostra respeito e amor pelo clube a que pertence.

Analogamente, agrada a Deus a religião que, fazendo imagens para lembrar do céu e venerar, não as adora. É isto que está na Bíblia. É isto o que faz a Igreja Católica, para agradar a Deus!

Informações adicionais sobre o presente tema podem ser obtidas no livreto “Respostas da Bíblia”, escrito pelo Pe. Vicente Wrosz (SVERDI – Curitiba),

o qual recebeu o “Imprimatur” de Dom Pedro Fedalto.

Adicionalmente, há várias informações bastante úteis sobre esse mesmo assunto no

website Veritatis Splendor e outros.

Texto escrito por Marcos de Lacerda Pessoa

E publicado no jornal ´O CAPUCHINHO´

em Outubro de 2006.

Curitiba – PR.



A Serpente de Bronze e a Cruz de Cristo.


Réplica da Serpente de Bronze de Moisés – Perto do Monte Nebo, na Jordânia

foto © Joe Walker 2005



E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna.



A história da serpente de bronze é encontrada em: Números 21: 4-9

O povo murmurou contra Deus e contra Moisés: “Por que você nos tirou do Egito para morrermos no deserto? Porque não há comida e nem água, e nós detestamos este alimento miserável. “Então o Senhor enviou serpentes venenosas entre as pessoas, e elas morderam as pessoas, de modo que muitos israelitas morreram. O povo veio a Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti;. Interceda por nós ao Senhor para que tire as serpentes de nosso meio “Então, Moisés orou pelo povo. E o Senhor disse a Moisés: “Faça uma serpente de Bronze e a coloque num poste, e todo aquele que for mordido deverá olhar para ela e então não morrerá.” “Então Moisés fez uma serpente de bronze, e pô-la sobre uma haste; e sempre que alguém era mordido por uma serpente, se dirigia à serpente no poste e a olhava para ela não morria.

A serpente de bronze aparece novamente em 2 Reis 18: [Ezequias] tirou os altos, quebrou as colunas, e cortou o poste sagrado. Ele quebrou em pedaços a serpente de bronze que Moisés fizera, porque até aqueles dias em que o povo de Israel tinham feito ofertas a ele, que era chamado de Neustã.


JESUS+OU+NEUSTÃ[1]


Este é um evento fascinante. É uma daquelas histórias bíblicas que deixa a consciência moderna embaraçada para encontrar uma explicação para o episódio todo. A serpente é um agente da destruição e morte, mas ao olhar para a serpente de bronze ela se transformava em um agente de cura. A mesma figura que traz a morte, ao olhando por outro ângulo e outra esperança traz a vida.   A passagem de 2 Reis nos dá algumas pistas para reflexão: há uma tendência no homem carnal de recorrer em adoração aos objetos visíveis buscando salvação, em vez de recorrer ao Deus da salvação!

De qualquer forma, parece uma inversão de valores, um completo absurdo usar este sinal em particular como um meio pelo qual os israelitas pecadores e murmuradores contra Deus poderiam ser curados. É aqui que se revela o significado “a tipologia” da cruz. Se era absurdo pensar em olhar para uma serpente de bronze para ser curado, então também seria outro absurdo pensar o mesmo sobre olhar para Jesus crucificado. Este é, um dos motivos, uma primeira instância por que São Paulo chamará mais tarde de “A loucura da cruz.” Deus é completamente capaz de organizar as coisas de tal maneira que atinja o seu objetivo maior, bem, pode ser até muito estranho. Mas isso é o chamado e a forma de Deus agir, não a minha.

Jesus entra na história e revela que este evento é um precedente “a tipologia” , ou seja, um evento que tem um significado muito além de si mesmo. Isso é diferente de tratá-lo como apenas uma alegoria histórica.

Esta tipologia pode trabalhar de algumas maneiras.   Nós vemos a relação evidente entre a serpente que foi “levantada na vara” e Jesus “levantado na cruz”. A serpente é uma coisa tanto que provoca a morte ou de acordo com a decisão tomada pelos pecadores no deserto, ela se tornaria fonte de vida. Acontece o mesmo com Jesus: na passagem de São João 3, 16, ele pretende claramente que haja um resgate de todo homem,  mas já se fala do mal, daqueles que rejeitam olhar para a luz e preferem as trevas, estes terão como recompensa a morte eterna, resultado de sua própria escolha.

Pensando na Jordânia moderna, onde o memorial da serpente de bronze esta localizado atualmente, em um dia claro você pode visualizar a famosa “terra prometida”.

Para quem teve a oportunidade de visitar o local. É uma visão maravilhosa, olhar para a serpente de bronze vendo ao fundo a terra que mana leite e mel, aquela terra que Deus prometera à descendência de Abraão e os conduziu pelo deserto naqueles quarenta anos para enfim tomar posse da promessa. É uma outra espécie de “tipologia geográfica”.

Quando se olha para Jesus na cruz, como um desprezado assim como a serpente, podemos olhar para o passado vislumbrando o futuro da nova e eterna aliança, este é o caminho da cruz para a ressurreição, o verdadeiro lugar do Sacrifício que garante a nossa salvação eterna. 


Placa que indica a direção das cidades em Israel.


E assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele crê tenha a vida eterna. “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas a fim de que o mundo seja salvo por ele.

Aqueles que acreditam nele não são condenados, mas quem não crer já está condenado, porque não crê no nome do unigênito Filho de Deus. E este é o julgamento, que a luz veio ao mundo, e as pessoas preferiram as trevas à luz, porque suas obras eram más. Para todos os que fazem o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que seus atos não possam ser expostos. Mas aqueles que fazem o que é verdade vem para a luz, para que ele possa ser visto claramente que as suas obras têm sido feitas em Deus “.

Como uma passagem da Quaresma, este texto fala da redenção fora do juízo. Observe que a fonte do julgamento aqui não é Jesus, mas nós mesmos. O “poder se expor” na luz é usado para mostrar o contraste entre o bem e o mal. Enquanto muitos poderiam ser tentados a viver conforme o final da mensagem, depois vem as palavras reconfortantes no v 16, o texto que temos continua.

Parece um acordo de juízes baseando-se exclusivamente a este respeito: o que (ou quem) você ama? A Luz ou as Trevas ?  A escuridão impede a visão, impede de “olhar” aquele que foi levantado na Cruz. As trevas termina na opção de não ver o crucificado ou usando outra famosa expressão de Jesus “O Pior cego é aquele que prefere não ver”, porque mesmo tendo olhos sadios, preferem mantê-los fechados para não verem a verdade.   Há sempre (pelo menos para mim) uma disputa na forma de abordar os elementos de julgamento em tais textos. É certamente uma boa notícia que o propósito de Jesus não é condenar, mas para salvar (a partir de nossa própria decisão?). E ainda assim eu sinto que não é o caso de que Jesus não possa condenar alguém (ele disse muitas palavras duras no evangelho), mas sim que não há necessidade de outras provas que os nossos próprios atos, a fim de fazê-lo.   Primeiro caminho com poucas irregularidades: manter uma alegoria harmoniosa das duas histórias… olhar para Deus … olhe para Jesus na cruz, não importa quão absurdo que possa parecer. Olhe para cima. Deus ama todos os seus filhos que estão no mundo.

Segundo caminho com colisões: o agente que pela decide do homem provoca a morte / é também o agente da salvação. É por isso que Jesus traz a referência. Os meios de salvação podem aparecer duros, mas é o único meio. Isso significava, para Jesus, tornando-se a serpente figurada na vara de Moisés (“Ele se tornou o pecado que não conheceu pecado”), a fim de trazer a cura definitiva aos que n’Ele creem. 


Fonte: http://joewalker.blogs.com/felixhominum/2009/03/sermon-notes-lent-4-year-b-john-31421.html


Outras fotos do local – Canção nova



Semeando a cultura de Pentecostes


Nova_aliança_lk

Campanha da Fraternidade.




Em 2011

A C.F. é uma campanha realizada anualmente pela Igreja Católica no Brasil, coordenada pela CNBB, sempre no período da Quaresma. Seu objetivo é despertar a solidariedade dos fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade a ser transformada, e um lema, que explicita em que direção se busca a transformação.

A Campanha da Fraternidade 2011 terá como tema “Fraternidade e a vida no planeta” e lema “A criação geme em dores de parto”..


Cartaz da Campanha - 2011.


O Conselho Episcopal Pastoral da CNBB (Consep) escolheu, nesta terça-feira, 22, o cartaz da Campanha da Fraternidade de 2011, que tem como tema “Fraternidade e a vida no planeta” e lema “A criação geme em dores de parto”. Um dos carros-chefes na divulgação da Campanha da Fraternidade, o cartaz é escolhido mediante concurso divulgado pelo Setor Comunicação Social da CNBB. Para a Campanha deste ano, foram publicados 180 mil cartazes.

O cartaz escolhido para 2011 concorreu com outros 56 e foi idealizado por um grupo de seis estudantes do 5º período de publicidade da PUC de Campinas. Segundo Valdir Gomes Gameleira Júnior, um dos membros do grupo, a escolha de sua peça é importante devido a importância social que tem a Campanha da Fraternidade. “Do ponto de vista profissional, [a escolha de nosso cartaz] é importante porque acrescenta ao nosso portfolio”, disse Junior.

Esta não é a primeira vez que alunos da PUC-Campinas vencem o concurso. “A Campanha da Fraternidade gera bastante expectativa nos alunos de publicidade da PUC-Campinas, que já entram na faculdade sabendo que, no 5º período, a gente participa do concurso”, explica o estudante. A PUC mantém a Agência de publicidade IGLOO Comunicação Criativa, que funciona como um laboratório para os alunos.

Participam do grupo vencedor os alunos Fernando Henrique Novais, João Gabriel Godoy G. Pinheiro, Fábio Pellicer Siqueira, Ana Carolina Angelotti, Luís Guilherme Valim e Valdir Gomes Gameleira Júnior.

Hino da Campanha

A letra do hino da Campanha da Fraternidade de 2011 já havia sido escolhida através de concurso realizado, de setembro a dezembro de 2009. Agora foi escolhida a música. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) recebeu mais de 80 músicas e a escolha foi feita por uma equipe formada por profissionais da área liturgico-musical e homologada pelos bispos do Conselho Episcopal de Pastoral (Consep).

O hino passará agora pelo processo de gravação para no segundo semestre estar à disposição das comunidades.


Hino da Campanha da

Fraternidade 2011



Oração da Campanha da Fraternidade 2011 CNBB 

Senhor Deus, nosso Pai e Criador.
A beleza do universo revela a vossa grandeza,
A sabedoria e o amor com que fizestes todas as coisas,
E o eterno amor que tendes por todos nós.

Pecadores que somos, não respeitamos a vossa obra,
E o que era para ser garantia da vida está se tornando ameaça.
A beleza está sendo mudada em devastação,
E a morte mostra a sua presença no nosso planeta.

Que nesta quaresma nos convertamos
E vejamos que a criação geme em dores de parto,
Para que possa renascer segundo o vosso plano de amor,
Por meio da nossa mudança de mentalidade e de atitudes.

E, assim, como Maria, que meditava a vossa Palavra e a fazia vida,
Também nós, movidos pelos princípios do Evangelho,
Possamos celebrar na Páscoa do vosso Filho, nosso Senhor,
O ressurgimento do vosso projeto para todo o mundo.

Amém.

MUSICAS DA CAMPANHA DA FRATERNIDADE – 2011

PORTAL KAIRÓS

Download de todas as músicas

01 – Hino da CF 2011 < CLICK E OUÇA
02 – Converter ao evangelho
03 – Fala assim meu coração
04 – Lembra, Senhor, o teu amor
05 – Senhor, servo de Deus
06 – Piedade, ó Senhor
07 – Glória e louvor a vós, ó Cristo
08 – Volta o teu olhar, Senhor
09 – Nós vivemos de toda palavra
10 – Este é meu filho muito amado
11 – Reconciliai-vos com Deus
12 – Se conhecesses o dom de Deus
13 – Dizei aos cativos: Saí!
14 – Eu vim para que todos tenham vida
15 – Hosana ao Filho de Davi
16 – Música opcional
17 – Hino da CF 2011 (Playback)

.Mensagem do Pastor CF-2011

cfarquidiocesesorocaba.com

“Pois sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores de parto até o presente” (Rm 8,22). O contexto dessa afirmação de São Paulo é a descrição da condição humana, marcada pelo pecado e, entretanto, salva pela graça de Cristo que introduz na experiência humana a força restauradora do Espírito Santo. A CF deste ano traz para nossa reflexão a preocupante situação de nosso planeta, nossa casa, que sofre os efeitos de uma exploração predatória de seus recursos naturais. A afirmação de Paulo ganha força nova diante do quadro que vivemos. São Paulo afirma que “a criação foi submetida à vaidade – não por seu querer, mas por vontade daquele que a submeteu – na esperança de ela também ser liberta da escravidão da corrupção para entrar na liberdade da glória dos filhos de Deus” (8,21-21).

O gemido da criação aparece hoje na deterioração do meio ambiente, conseqüência de uma exploração descuidada e, muitas vezes, gananciosa dos recursos do planeta, conforme haveremos de refletir nesta campanha da fraternidade. A quaresma é tempo de enfrentar com Jesus as grandes tentações que estão na raiz de todos os males nascidos das decisões humanas. O evangelho exige conversão da consciência individual e coletiva da humanidade, como nos lembrava Paulo VI na Exortação Apostólica “Evangelii nuntiandi”. Sem esta conversão que penetre a cultura e se traduza em medidas globais de organização mais justa da atividade humana, em sua relação com a natureza, não será possível reverter o quadro dramático de destruição das condições de vida saudável em nosso planeta que se desenha no horizonte de nossa história. É tempo de conversão, conversão profunda que mude os costumes e gere políticas globais de defesa da vida em todas suas dimensões. É tempo de oração e de tomada de posição diante de uma cultura em que o consumismo desenfreado sustenta a ganância de um lucro que, em longo prazo, se transformará em irreparável prejuízo para toda humanidade. Dessa forma, convido a todos, cristãos e pessoas de boa vontade, a se empenharem na oração e na reflexão para que esta CF produza os efeitos de conversão que dela esperamos.


Campanha da Fraternidade

2010.

“Vocês não podem

Servir a Deus

e ao Dinheiro.”

(MT 6,24)


Campanha da Fraternidade - 2010 - CNBB


“Economia e vida”

Este é o tema escolhido para nortear as reflexões e atividades propostas pela Campanha deste ano em todo o Brasil.

Todo o material para a Campanha da Fraternidade 2010 já foi lançado e está disponível no site da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).



O tema da Campanha da Fraternidade 2010 Ecumênica – “Economia e Vida” – foi escolhido a partir de sugestões nascidas da consciência cristã das Igrejas-membro do CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs no Brasil).Na Bíblia, os pobres e todos os necessitados estão no centro da justiça que Deus exige das relações humanas e econômicas. A pobreza é produto de decisões e de políticas humanas. Reverter a situações de extrema necessidade de um elevado número de cidadãos e cidadãs brasileiros é obrigação inadiável de uma sociedade como a nossa que aspira a ocupar lugar entre os países mais desenvolvidos do mundo.A Campanha quer contribuir a equacionar a relação entre economia, vida humana e conservação do meio ambiente vital. Reconhecendo a natureza social e política da economia, a Campanha da Fraternidade Ecumênica deve avaliar criticamente o sistema econômico hegemônico e as opções políticas dos governos a partir das condições de vida das pessoas que sofrem pelo perpetuar-se do estado de pobreza e de miséria. A Campanha da Fraternidade 2010 deve considerar os fundamentos da Dignidade Humana e a Solidariedade, pois a transformação de estruturas sociais e econômicas começa e é acompanhada por mudança profunda de mentalidade e hierarquia de valores nos indivíduos, na sociedade e na política.Educar para uma economia de justiça e solidariedade é um dos objetivos da nossa campanha. Além de denunciar que a competição e o lucro não resolvem os problemas da qualidade de vida e da conservação do meio ambiente, a Campanha deve propor alternativas econômicas e sistemas integrados de reformas estruturais.

Fonte editada por PE. ADEMIR FARIAS

CAMPANHA DA FRATERNIDADE -2010 – ECUMÊNICA..


ENCONTROS SEMANAIS.


1º – Senhor, ensinai-nos a viver o amor Fraterno

Reflexão =>Link

2º – Senhor ensinai-nos a praticar a justiça.

Reflexão =>Pratica da Justiça.

3º – Senhor ensinai-nos a defender os oprimidos.

4º – Senhor ensinai-nos  a perseverar na fé.

4ª Reflexão. => Orai & Vigiai.

Perseverar na Fé.

A Brasa se Apaga fora do braseiro.

5º – Senhor converei os  nossos Corações.

5ª Reflexão. =>

Cristo gera em nós uma inquietação Sadia.

6º – Senhor ensinai-nos a buscar a reconciliação.

7º – Celebração – Unidos como irmãos e irmãs, serviremos o Senhor.

8º – Via Sacra – Senhor, ensinai-nos a seguir os vossos passos.


Meditação sobre o tema da Campanha no Programa de Rádio com o Padre Paulo Ricardo veiculado em Campo Grande no Mato Grosso do Sul – Brasil.

O Pecado da Avareza

Click e Baixe em mp3



A caridade de São Francisco

para com os pobres.

Textos Padre Léo


Genebra – Suiça – parede dos Reformadores.



Você não sabia, mas existem Imagens Protestantes na Suiça que foram erguidas em homenagem aos feitos dos quatro grandes reformadores Europeus e põe em xeque argumentos neoreformadores utilizados para atacar a Igreja Católica na atualidade.


Genebra - Parede dos Reformadores

Genebra – Parede dos Reformadores



Ginebra – parede de los reformadores


Upload original de jborn

Outras Imagens na pesquisa:


Google


Uma Parede como Monumento A Reforma Protestante (325 metros de comprimento, 30 metros de altura), foram esculpidas em pedra quatro estátuas de 15 metros de altura cada uma, representando os quatro reformadores protestantes: Guillaume Farel, Jean Calvin, Theodore Beza e John Knox, seus nomes também foram talhados no muro que representam uma afronta aos Franceses que perseguiram os reformadores na França que se refugiaram na cidade construindo este muro como uma proteção contra seus inimigos.


Reformation Monument por keepps.


Encontrei em um Blog Católico Tradicional a seguinte pergunta, Alguém sabe dizer que estátuas são essas ? A resposta é simples, “São os reformadores Protestantes do século XVI”, o incrível e mais estranho fato de existirem tais estátuas é que nos deixa totalmente encabulados, já que todos os dias recebemos comentários  ofencivos de neoprotestantes recém convertidos e totalmente ignorantes sobre as verdades Bíblicas e sem o menor conhecimento da própria história da Igreja, tanto Católica como protestante.

As principais ofensas são referentes ao fato de existirem imagens de Santos na Igreja Católica, porque conforme escritos no antigo testamento, Deus havia proibido o povo Judeu de fazer para si imagens que representassem deuses pagãos, principalmente aqueles que já eram conhecidos na época, mas o mesmo Deus também mandou que se fizessem querubins para enfeitar a Arca da Aliança, também a serpente de bronze para curar os mordidos pelas serpentes no deserto, sendo que todo aquele que obedecesse a Deus e  olhasse para ela na ponta da vara seria curado, logo, o que Deus proibiu foi a idolatria, que é a adoração de outros deuses que eram representados por estátuas construídas segundo a vontade humana.

As Imagens de Santos na Igreja Católica nada mais são que fotografias das pessoas que difundiram a fé em Cristo Jesus e que muitos foram mártires defendendo o futuro da Igreja, portanto, são homenagens que fazemos àqueles que foram exemplos de vida a serem seguidos, principalmente como forma de relembrarmos os atos e grandes feitos dos Cristãos no passado.    É uma forma de memória não de adoração ou idolatria, assim como um computador armazena tudo na sua memória em forma de “bit’s”, a Igreja armazena suas lembranças em formas de ícones “Imagens”, que no futuro quando uma criança visse uma imagem de um Santo na Igreja, certamente perguntaria à sua mãe:  “Quem é este homem ?”, e seria vergonhoso para uma mãe não saber dar-lhe uma resposta ou procurar saber a resposta correta para ensinar seu filho a respeito da história de sua Igreja, assim a nossa memória é transmitida de geração em geração até os dias de hoje  em que tudo foi parar nesta imensa memória global em forma de “Bit’s” vagando pela Net que está ao alcance de todos os homens a qualquer momento.

Veja que irônico, encontramos nesta teia de dados estas fotos que comprovam que também os protestantes fizeram para si imagens humanas para relembrá-los dos feitos de seus reformadores e ainda os colocaram em um muro como protetores de uma cidade, não seria uma atitude semelhante ao que nós Católicos fazemos com nossos Santos que morreram pela fé em Jesus e pela Igreja ?

E agora neoprotestantes brasileiros ?   Irão mandar implodir o muro de Genebra, apagando a mancha deste horrível pecado, irão chutar e queimar o muro como o pastor da “IURD” fez na TV a alguns anos atrás?

Gostaria, que aqueles que escrevem ofensas a respeito da Igreja Católica por este motivo, escrevessem agora a seus pastores e lhes perguntasse; por que, afinal de contas, este muro ainda está de pé ?  Sendo que você nem mesmo sabia de sua existência.

Este texto é uma resposta a um comentário que recebi a poucos dias, não que eu queira ofender alguém, mas espero que algumas pessoas compreendam que muita gente fala coisas que não são verdades e outros acusam o erro alheio, mas fecham os olhos para o próprio erro.


 O pastor Philippe Reymond fala nas comemorações do 5° centenário de Calvino, à frente do muro dos reformadores em Genebra. Salvatore di Nolfi, Keystone.

O pastor Philippe Reymond fala nas comemorações do 5° centenário de Calvino, à frente do muro dos reformadores em Genebra. Salvatore di Nolfi, Keystone..


São Varias as estátuas do

Protestante João Calvino na Europa.

Mas as comemorações de seus 500 anos

estão deixando a desejar,

se comparadas a 100 anos atrás.


Vários bustos de João Calvino sobre a porta de entrada do Museu da Reforma. O museu apresenta a história do movimento religioso criado por João Calvino. Martial Trezzini, Keystone.

Vários bustos de João Calvino sobre a porta de entrada do Museu da Reforma. O museu apresenta a história do movimento religioso criado por João Calvino. Martial Trezzini, Keystone.


Minhas pesquisas continuam e hoje Domingo dia 16/8/09 eu encontrei esta fotografia no Flickr, ela retrata a Igreja de St. Andreas em Weissenburg, Bavaria, Germany.


.


SABE IDENTIFICAR QUE

IGREJA É ESTA ?


+


É CATÓLICA ?


.

.


OU SERIA EVANGÉLICA ?


.

.


POR QUE ELA

NÃO SERIA CATÓLICA ?


.

Oratório da Faculdade

Oxford na Inglaterra

VEJA QUANTAS IMAGENS AO FUNDO !!!


.


.

WALLPAPERS


Estátua_Martinho_lutero_College in New Ulm 21[1]
CRUCIFIXO


Fonte: http://www.flickr.com/groups/martin-luther/pool/page5/

São diversas as estátuas de Martinho Lutero espalhadas pela Europa e em cada Igreja Evangélica Luterana.

Esta última imagem merece um destaque muito especial, por que ?

[…] ela é  parte da famosa porta da Igreja do Castelo onde Martinho Lutero pregou suas 95 teses em 1517, apelando para uma disputa sobre a situação da Igreja Católica.

O valor do fundador do  Potestantismo era tão elevado que foi representado nesta pintura aos pés de Jesus na Cruz, evidentemente que ele nunca esteve lá, mas simbolicamente foi colocado como um fiél servidor de Cristo nesta posição honrosa, salientando seu valoroso trabalho para Cristo, gostaríamos de lembrar porém, que na história Bíblica verdadeira quem estava nesta exata posição era Maria Mãe de Jesus, que permaneceu ao seu lado até seu sepultamento.


QUER VER MAIS

VEJA EM

CAI A FARSA


CRUCIFIXO