Minha família, minha base e o meu alicerce.



Os jovens clamam por liberdade, porém necessitam de um lar para retornarem em segurança, então clamam por liberação para transpor os limites da segurança, mas os Pais que já experimentaram esta aventura não arriscam uma abertura total. 

Assim voltamos à velha lição de sempre, “Todo Pai e Mãe precisa do Espírito Santo para aprender a pescar dentro de sua própria casa.”

Lembra quando Jesus chamou Pedro e João e lhes disse que a partir daquele momento seriam “Percadores de Homens”?

Pedro e João já eram pescadores, logo nem foi preciso explicar a diferença entre o que eles eram e o que deveriam ser.

Para nós, pais, que ninguém ensinou como ser  bons pais para nossos filhos ainda precisamos de muita Sabedoria Divina para saber como manter nossos filhos próximos ao nosso coração e longe dos perigos deste mundo, sem que para isso seja preciso acorrentá-los ao pé da cama.



O PESCADOR

LIMITE




Em quais situações a família pode ser o alicerce de alguém?

Precisamos da família por toda a vida?

Podemos viver bem sozinhos?



Ensinar é também aprender a abrir a mão ou se cai em outro problema que é a dependência permanente.


Comecemos por uma imagem que não é alheia a nenhum de nós: no parque, uma criança encontra-se junto dos pais tentando aprender a andar de bicicleta. Sabemos, por experiência própria, que a chave para finalizar tal aprendizado está no momento em que o pai deixa a criança continuar sozinha. Os pais sabem o risco de dar esse passo, mas ao mesmo tempo o sabem necessário para que a criança possa se desenvolver.


Shutterstock


Seguindo a analogia, percebemos que no caminho do amadurecimento, é necessário abrir mão de algumas seguranças externas e cultivar uma autonomia saudável. Nesse sentido, lembro da reflexão de um amigo que trabalha na formação de jovens: os jovens de hoje têm muitos meios para ser independentes, mas não conseguem ser autônomos, não conseguem valer-se por si mesmos. Quer se verifique isto em mais ou menos jovens, quer se aplique a pessoas mais novas ou mais velhas, percebemos que o mundo de hoje oferece muitas seguranças e instrumentos que podem dar a ilusão de estarmos alicerçados, prontos para enfrentar tudo, sem que realmente seja assim uma verdade. 

Por outro lado, voltando ao âmbito da família, o que define a saúde da autonomia buscada?

Assim chegamos a uma primeira resposta: na família os vínculos nunca são cortados, as relações não são extintas. Ser filho – e ser irmão, e ser sobrinho, e ser neto – fazem parte da identidade desde o nascimento. Nunca deixa-se de ser filho, mas isso não faz desta pessoa um tipo de extensão dos pais. Esta pessoa, cuja identidade inclui relações, constrói seu próprio caminho com as decisões que vai fazendo na vida.

Talvez uma aproximação mais feliz do que a de alicerce – um apoio que me sustenta – seja olhar para a família como base, o chão sobre o qual consigo ficar de pé e começar a caminhar. É preciso que cada pessoa vá fazendo suas próprias opções, vá aprendendo a responder por elas. Não como superação de um tipo de estágio inicial da identidade, mas justamente como um progresso baseado nessa identidade histórica e situada.

Uma observação importante: cultivar uma autonomia saudável não significa se isolar dos demais, incluindo – é claro – a família. Aliás, o quarto mandamento nos lembra, como primeira ação concreta do amor ao próximo, o honrar pai e mãe. Isso implica respeito e acolhida, assim como atenção e assistência “nos anos da velhice e no tempo da doença, da solidão ou do desânimo”(CEC, 2218), isso tudo a partir de um profundo senso de gratidão.

Nota-se que uma base de apoio não é uma prisão fixa, mas um ponto de apoio seguro sempre disponível e presente nos momentos difíceis e também nos momentos de comemoração e alegria.


NOSSAS MENSAGENS NO PINTEREST




OUTRAS INDICAÇÕES SEMELHANTES



POWER POINT – SLAIDSHARE

Baixe o slide para melhor visualização dos efeitos.



O futuro da humanidade passa pela família.


Frase do Santo Padre João Paulo II.



FAMÍLIA E FUTURO DA HUMANIDADE


“O futuro da humanidade passa pela família” – afirma João Paulo II no documento sinodal que recolhe as intervenções dos representantes dos bispos católicos de todo o mundo reunidos em assembleia para “fazer o ponto da situação” a esta instituição conatural ao ser humano e configurada de modos diferenciados pelas culturas.

A família está ao serviço da pessoa e insere-se na sociedade com a qual mantém um relacionamento constante, recebendo e dando impulsos positivos e negativos. O que acontece nesta repercute-se necessariamente naquela e manifesta-se no tipo de pessoa que se pretende alcançar.

Esta perspectiva humanista serve-me de referência para dar o meu testemunho sobre a crise da instituição familiar, as políticas em curso para nivelar legalmente o que é diferente, a movimentação feita por vozes discordantes que pretendem criar uma opinião pública favorável e o silenciamento de outras que se lhe opõem.

Nasci e vivi numa família em que predominavam relações de amor fiel e generoso, de cooperação solidária, de atenção preferencial a quem estava necessitado e era frágil, de abertura ao futuro de cada um como o bem maior de todos nós. A fé cristã de meus Pais e, depois, dos meus irmãos mais velhos robustecia esta rede de suporte e entreajuda. A confiança constituía o ambiente em que fui crescendo e ganhando a sensatez indispensável a um equilíbrio saudável.

Como as dificuldades eram muitas, foi necessário exercitar outras capacidades virtuosas como a fortaleza, a prudência, a sobriedade, a temperança. Estas capacidades constituem o alicerce do amor, fruto de quem ama e é amado, sem esperar outra recompensa. Embora inclua a justiça, sempre necessária para viver o que é justo entre as partes, supera-a qualitativamente pois tende a expressar “o nós” que surge da comunhão entre elas e do respeito pelas suas diferenças.

João Paulo II na Praça de Lima em sua primeira visita à Espanha

O “húmus” da casa materna encontrou um fortificante na escola. A escassez de meios foi superada pela dedicação e competência das professoras e pelo companheirismo dos colegas. Também a paróquia com os seus serviços, sobretudo o da catequese e o da missa dominical, marcou indelevelmente o meu modo de ser e de agir. Como cidadão e como cristão, ou melhor como cidadão crente em Jesus Cristo e no seu dinamismo de amor pela felicidade integral de toda a humanidade.

A família surge claramente como o serviço por excelência à pessoa humana, a comunidade de amor e de vida, alicerçada no núcleo matrimonial heterossexual, inserida na sociedade à maneira de “célula” no organismo vivo, aberta a outros espaços culturais e religiosos. Estou convencido que a sociedade só ganha com uma equilibrada relação com a família e que os adjectivos “tradicional” ou “convencional” empobrecem a riqueza do sentido que esta comporta enquanto comunidade.

Outras formas de organizar a vida, de estruturar os afectos, de regular juridicamente as relações entre parceiros do mesmo sexo ou de configurar socialmente a sua identidade e o seu estatuto hão-de ser designadas de modo adequado à sua situação que é necessariamente diferente da família, tal como a compreendo e a valorizo.

Estou convencido que o futuro pertencerá a quem souber “gerir” bem a realidade “família” e dar razões sérias para a sua constituição e vitalidade.

Georgino Rocha

Editado por Fernando MartinsPela Positiva Portugal – Etiqueta





A Santa Ceia.

A Santa Ceia e o Código da Vinci.

Leonardo Da Vinci pintou mesmo um retrato da Ultima Ceia de Cristo ?

Não !

ultima-ceia

A SANTA CÉIA DE LEONARDO DA VINCI - CLIC E AMPLIE

Ele apenas criou uma obra de arte mais de mil anos depois de acordo com sua própria imaginação.

Segundo muitas lendas que giram em torno desta criação tão ilustre, ele até mesmo usou pessoas como modelo para a sua retratação da cena, logo não é um retrato do momento especialmente vivido por Jesus e seus doze Discípulos na Ultima Ceia, mas apenas uma imagem criada por um excelente pintor que nem esteve presente na cena original.

Segundo uma lenda, diz-se que o mesmo homem que serviu de modelo para retratar Jesus, dois anos mais tarde foi também selecionado para ser o modelo do seu traidor “Judas Iscariotes”, a estória contada a este respeito é muito comovente, mostrando que “UM MESMO HOMEM” pode ser tão bom que será comparado com o próprio Jesus ou pode ser tão mal que se tornará idêntico ao seu traidor, mas ela é tida apenas como uma lenda e não uma verdade.

Fato é que, muito se criou em  torno  da execução desta obra, o fato mais recente é o famoso livro “Código Da Vinci“, que na verdade nada tem a ver com o  pintor “Leonardo Da Vinci” propriamente dito e sim apenas com o autor “Dan Brow”, que escreveu e publicou o livro que virou filme.

Muita polêmica girou em torno do assunto, por se tratar de apenas uma ficção, todos sabem que nada é VERDADE, mas a estória é usada como uma acusação indireta à Igreja Católica, insinuando que ela esconde verdades de seus Fiéis, verdades estas que significariam o fim da fé como a conhecemos.

A Igreja nunca foi fechada em si mesma, muito pelo contrário, ela existe em decorrência de uma ordem direta de Cristo que nos mandou ir ao mundo e espalhar tudo o que vimos e ouvimos, jamais escondendo nem mesmo uma vírgula de ninguém.  Assim o evangelho se espalhou pelo mundo inteiro e chegou até nós, não como segredos escondidos, mas como uma revelação que não foi e nem pode ser guardada só para mim, mas sim, deve ser espalhada aos quatro ventos.

Não foi apenas um homem que agiu desta forma, foram muitos aqueles que assim fizeram, começando pelo dia de Pentecostes, neste mesmo dia cinco mil homens aderiram a fé que se multiplicou tão rapidamente que começaram a perseguí-los até a morte, porque o mundo não aceitou a Verdade de Jesus desde o princípio.

A poucos dias, uma coleguinha de minha filha de doze anos veio em minha casa e ao ver um quadro da Santa Ceia comentou:

Que absurdo ! e comentou a cena como foi ensinada no filme “Da Vinci”, e logo na seqüência começou a falar contra a Igreja Católica, que diga-se de passagem, ela não conhecia nada de nada, mas acabou acreditando em uma ficção “inventada ainda ontem pela má intenção de simples escritor”,  colocou a ficção acima de uma verdade que foi testemunhada, escrita, registrada e contada durante mais de dois mil anos, sendo que muitos homens e mulheres doaram suas vidas por reconhecer que estas verdades eram dignas de serem preservadas para sempre em prol de um mundo melhor no futuro.

Tanto Sangue derramado por AMOR A JESUS no passado, hoje se torna apenas sangue  sem valor que se escorre pelo ralo nas clinicas de aborto sem que ninguém derrame uma só lágrima sequer pela criança inocente que perde sua vida antes mesmo de ver a luz.

Olhando por este simples exemplo em particular, fora outros que não foram analisados, podemos dizer que, esta obra ao usar de acusações mesmo que apenas fictícias contra a Igreja, provoca uma rejeição mesmo que inconsciente às verdades anunciadas pela Igreja e podem provocar muitos malefícios na sociedade, porque ao abandonar a fé “que é um barco seguro“, acabam se jogando ao mar revolto com ventos e tempestades sem ter quem lhes estenda a mão, já que Jesus, apenas um homem comum, seria uma mentira ou apenas aquele “FANTASMA” incapaz de nos salvar.

Eu diria ao mundo que sofre esta crise sem precedentes, para agradecerem aos homens que combatem o evangelho e preferem uma História sem o Cristo que a divide ao meio, estendendo-lhes as mãos e pedindo socorro, quem sabe eles possam acalmar a tempestade e nos resgatar do mar bravio. É, quem sabe eles possam nos conceder uma vida que seja eterna sem dores e nem tristezas.

Enquanto fazemos estas considerações aqui, bombas estão caindo em Gaza, bolsas estão desabando no Oriente e no Ocidente,  Empresas maiores que o Titanic estão afundando e deixando “pessoas” a deriva em alto mar sem um misero salva vidas que lhes garanta o emprego, que nada mais é que o pão de cada dia de famílias inteiras que esperavam viver um futuro melhor.

Que futuro ?

Poderíamos perguntar, já que o homem está se mostrando incapaz de corrigir seus próprios erros.

Se existe uma Crise é porque existem erros no sistema, são erros bem conhecidos, mas pelo que nos parece até agora, ainda não reconheceram  o erro básico que engatilhou e detonou o efeito dominó que se esparrama como rastilho de pólvora pelo mundo todo.

Onde estaria agora o Super Homem, o Spider-Man ou a Mulher Maravilha, sim, onde estão os Super heróis deste Mundo para fazer uma Mágica como as do Harry Potter e livrar nos do prejuízo da falta de uma rocha sólida como pedra fundamental de todo este sistema econômico e espiritual que balança ao sabor do vento e aderna com as ondas revoltas do mar tempestuoso.


ultima_ceia1

Ao buscar uma foto da obra de Leonardo Da Vinci, "A Santa Ceia", encontrei esta brincadeira acima que cai como uma luva neste texto que aí está, nada é por acaso, tudo é providência Divina. Obra por encomenda a Wanderline Freitas.

.

É muito fácil substituir o Cristo Real e verdadeiro por um fantasma de ficção que desaparece quando o vento sopra um pouquinho mais forte, difícil mesmo é jamais abandonar a Fé em Jesus, mesmo que o mar já lhe esteja afogando, só existe uma diferença entre estas duas opções, quando você estender a mão para cima e gritar, “SALVE-ME”, somente um deles irá segurar sua mão para retirá-lo do mar


Acho que nem será

Preciso dizer quem !

Porque sei que você

O conhece muito bem.


jesus_salvou_pedro


Outras indicações


Temas da Canção nova
https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg?w=130&h=120
PRESENTEPRAVOCE

.