Décimo aniversário Presentepravoce.



“10 anos de Blog”


“Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, se faça o servo de todos.” 
São Mateus, 20,26

“SER O MENOR ! POR QUE ?”

A maior vantagem de ser o menor, é poder se somar aos outros e compartilhar a mensagem de Jesus com o maior numero possível dos Filhos do Pai espalhados pelos confins da terra.

Para colaborar com esta ideia gostaria de compartilhar com vocês uma historinha que nosso saudoso Bispo Dom Manuel Pestana Filho gostava muito de contar em suas palestras nos mostrando que ser pequeno não é assim uma desvantagem tão grande e é por ser pequeno e insignificante aos olhos do mundo que podemos usufruir do grande Dom do Pai e nos confortar de poder estar confortavelmente em sua presença usando esses Dons em favos dos outros e é claro que sabendo que é em Deus que tudo podemos realizar se crermos em suas Palavras.

“Tudo Posso Naquele que me fortalece…”


“12. Em verdade, em verdade vos digo: aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas, porque vou para junto do Pai. 13. E tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, vo-lo farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. 14. Qualquer coisa que me pedirdes em meu nome, vo-lo farei.” São João, 14,12 – Bíblia Católica Online

“4. Tal é a convicção que temos em Deus por Cristo. 5. Não que sejamos capazes por nós mesmos de ter algum pensamento, como de nós mesmos. Nossa capacidade vem de Deus.” 
II Coríntios, 3,4 – Bíblia Católica Online



“A formiguinha e o ELEFANTE…”



Um Enorme ELEFANTE e uma formiguinha andavam pelo deserto.

— O elefante: bum, bum, bum…

— A formiguinha: pim, pim, pim…

— Quando de repente… O elefante se assustou com um ratinho que passava também por ali perto e saiu correndo em disparada…  A formiguinha teve que se agarrar firmemente em sua orelha para não sair voando com o vento que fazia.

Uma certa hora, a formiga dá uma olhada para trás e vê um poeirão, depois vira-se para o companheiro e diz:

— Veja lá atrás Elefante!

— O quê?

— Dá uma olhada no poeirão que nós estamos levantando!


Quem era mesmo que estava levantando toda aquela poeira ?


D. Pestana usava esta pequena parábola exatamente para mostrar o paralelo entre ser pequeno para ser grande, de ser humilde para ser o principal, de ser o ultimo para ser o primeiro, de não saber nada e ao mesmo tempo ter toda a ciência.   Tudo isto para compreender que é quando nos entregamos inteiramente a Jesus e aceitamos seu Senhorio em nossas vidas, é que acontece o grande Milagre do velho homem corroído pelo pecado renascer em um novo homem segundo a verdadeira imagem de Jesus e ser guiado e conduzido pelo Espírito Santo.

É este homem que reconhece ser pequeno e incapaz que pode experimentar o imenso poder de Deus agindo em sua vida e é este pequeno ser, totalmente incapaz, frágil e vulnerável que pode ver quão grande é a POEIRA que se levanta quando este ser gigantesco se move com seu imenso poder  neste mundo, assim podemos avaliar e compreender o que sentiu e porque aquela formiguinha que na verdade estava de carona na orelha daquele Elefante exclamou com tanta convicção que se sentia participante daquele evento tão significativo.   Na verdade podemos avaliar que quando Deus age através do homem ou melhor dizendo, quando Ele age através de nós “de mim e de você”, a proporção de poeira em relação à poeira levantada pelo elefante correndo pelo deserto é muito maior e incomparável.

Queremos dizer com esta reflexão é que precisamos acreditar e confiar plenamente nesta verdade a ponto de perceber que precisamos embarcar no colo de Deus e deixar que Ele nos leve seja lá para onde for assim como o vento sopra onde quer. (São João, 3,8) 


.

Revesti-vos da Armadura de Deus
Luz_do_espirito_santo


A Formiguinha e a Neve.


formiga

Certa manhã de inverno, uma formiguinha saiu para o seu trabalho diário.

Já ia muito longe a procura de alimento, quando um floco de neve caiu e prendeu o seu pezinho.

Aflita, vendo que não podia se livrar da neve, iria assim morrer de fome e frio, voltou-se para o sol e disse:

– Ó sol, tu que és tão forte, derrete a neve que prende o meu pezinho!

E o sol indiferente nas alturas, falou:

– Mais forte do que eu, é o muro que me tapa.

Olhando, então para o muro, a formiguinha pediu:

– Ó muro, tu que és tão forte, que tapas o Sol que derrete a neve, desprende meu pezinho.

E o muro que nada vê e muito pouco fala, respondeu apenas:

– Mais forte do que eu, é o rato que me rói!

Voltando-se então, para um ratinho que passava apressado,  a formiguinha suplicou:

– Ó rato, tu que és tão forte, que róis o muro que tapa o sol que derrete a neve, desprende meu pezinho.

Mas o rato, que também ia fugindo do frio, gritou de longe:

– Mais forte do que eu, é o gato que me come!

Já cansada, a formiguinha pediu ao gato:

– Ó gato, tu que és tão forte, que comes o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende o meu pezinho.

E o gato sempre preguiçoso, disse bocejando:

– Mais forte do que eu, é o cão que me persegue! Aflita e chorosa, a pobre formiguinha pediu ao cão:

– Ó cão, tu que és tão forte, que persegues o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

E o cão, que ia correndo atrás de uma raposa, respondeu sem parar:

– Mais forte do que eu, é o homem que me bate!

Já quase sem forças, sentindo o coração gelado de frio, a formiguinha implorou ao homem:

– Ó homem, tu que és tão forte, que bates no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende o meu pezinho.

E o homem, sempre preocupado com o seu trabalho, respondeu apenas:

– Mais forte do que eu, é a morte que me mata.

Trêmula de medo, olhando para a morte que se aproximava, a pobre formiguinha, suplicou:

– Ó morte, tu que és tão forte, que matas o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

E a morte impassível, respondeu:

– Mais forte do que eu, é Deus que me governa!

Quase morrendo, então a formiguinha rezou baixinho:

– Meu Deus, tu que és tão forte, que governas a morte, que mata o homem, que bate no cão, que persegue o gato, que come o rato, que rói o muro, que tapa o sol, que derrete a neve, desprende meu pezinho.

E Deus então, que ouve todas as preces, sorriu, estendeu a mão, por cima das montanhas e ordenou que viesse a primavera.

No mesmo instante, no seu carro de veludo e ouro, a primavera desceu por sobre a Terra. Enchendo de flores os campos, enchendo de luz os caminhos.

E vendo a formiguinha quase morta, gelada pelo frio, tomou-a carinhosamente entre as mãos e levou-a para seu reino encantado.

Onde não há inverno, onde o sol brilha sempre, e onde os campos estão sempre cobertos de flores.

 



Fonte:

http://www.contandohistoria.com/

a_formiguinha_e_a_neve.htm


formiga
O ALPINISTA EXTRAORDINÁRIO.