Canticos Litúrgicos para a Quaresma e a Semana Santa?



Como Cantar Liturgicamente Durante a Quaresma e a Semana Santa?



Liturgia na Quaresma.


Cada ano, a Igreja se une ao mistério de Jesus no deserto, durante quarenta dias – quaresma, vivendo um tempo de penitência e austeridade, de conversão pessoal e social, especialmente pelo jejum, a esmola e a oração, conforme o Evangelho de Mateus (Mt 6, 1-6.16-18), proclamado na Quarta-feira de Cinzas, em preparação às festas pascais.

São cinco domingos mais o Domingo de Ramos na Paixão do Senhor, que inicia a Semana Santa, também chamada Semana Maior. É este um tempo forte e privilegiado, em que fazemos nosso caminho para a Páscoa, renovando nossa fé e nossos compromissos batismais, cultivando a oração, o amor a Deus e a solidariedade com os irmãos. Tal austeridade deve se manifestar no espaço celebrativo, nos gestos e símbolos, como também no canto, para depois salientar a alegria da ressurreição, que transborda na Páscoa do Senhor:

– A cor roxa, as cinzas e a cruz lembram o caráter penitencial, de conversão;

– O espaço celebrativo deve ser sóbrio, sem ornamentação nem flores no altar;

– Não se recita nem se canta o “Glória”, assim como o “Aleluia”, que são aclamações jubilosas, marcadas pela festa e alegria, o que não combina com a Quaresma;

– É tempo de favorecer o silêncio musical. Por isso, os instrumentos devem acompanhar os cantos de forma discreta, somente para sustentar o canto… um teclado ou um violão apenas, silenciando os demais, para manifestar o caráter penitencial desse tempo. Sua função é apenas “prática”, na medida do necessário, para apoiar o canto;

Cada tempo litúrgico tem seus cantos próprios; assim também a Quaresma. Cantos que expressem o conteúdo, os temas, a Palavra de Deus, enfim o aspecto do mistério pascal que celebramos. É preciso saber escolher bem os cantos, que acentuem a conversão, o perdão, a fraternidade e solidariedade, a vida, a luz, inspirados no Evangelho do dia. Mas sempre com os horizontes voltados para a Páscoa de Jesus, mistério central que celebramos em nossas liturgias.

– Neste tempo acontece no Brasil, já há mais de 40 anos, a Campanha da Fraternidade, que propôs, durante muito tempo, também cantos apropriados ao tema de cada ano, o que foi uma riqueza, mas também limitou o repertório dos cantos quaresmais. A partir de 2006 está havendo um esforço para se cantar o espírito e a liturgia da Quaresma, compondo-se apenas um Hino, que pode ser cantado no início ou no final da Celebração. A CNBB, em parceria com a Paulus, tem gravado uma série de CDs do chamado “Hinário Litúrgico”, apropriados para o Ano A, B e C.

– Cantos tradicionais e que já estão na memória do povo, devem fazer parte do repertório: Pecador, agora é tempo… O vosso coração de pedra… Prova de amor maior não há…
– Não se cante o Abraço da Paz, que aliás nem faz parte do rito, mas valorize-se o canto que acompanha a fração do pão, o “Cordeiro de Deus”, pois Jesus é o Cordeiro que tira o pecado do mundo. O “Senhor, tende piedade de nós” também seja valorizado, além das aclamações e pequenos refrãos orantes. O chamado canto final poderia ser omitido, deixando o povo sair em silêncio. Poderia ser outra também a resposta à Oração dos fiéis, que em geral é “Senhor, escutai a nossa prece”, como por exemplo: “Jesus, Filho de Deus, tem compaixão de nós!” além de outras, sugeridas pelo Missal Dominical.

– É importante intensificar o silêncio, criando um clima orante já antes do início da Celebração e ao longo da mesma. Sobretudo no Ato penitencial, na Oração da Coleta, entre as leituras, durante a Narrativa da Última Ceia, após a Comunhão…

A Quaresma desemboca na Semana Santa assim chamada, porque nela celebramos os momentos mais importantes da nossa salvação: “Deus amou de tal forma o mundo, que entregou o seu Filho único… Tendo amado os seus, amou-os até o fim.” (Jo 3,16;13,1). Diz-nos Evair H. Michels, em seu livro “Pastoral da Música Litúrgica – Dicas Práticas”:

“Os ritos da Semana Santa devem ser realizados com particular solenidade, pois este tempo é o coração do ano litúrgico.”


Autora: Ir. Miria T. Kolling

Fonte: Site Oficial da Ir. Miria

“Hinário Litúrgico – CNBB”

Míria Kolling, a mais importante compositora litúrgica do Brasil, com quase 50 discos gravados.


Veja Também:


Sugestões de músicas para Quaresma da Matriz de Fátima em Campina Grande – Pr

Ministério de Música Canção Nova faz um pequeno comentário sobre o assunto – mp3


PRESENTEPRAVOCE Família - Caná - Vinho muito vinho

Fonte: Matriz de Fátima Campina Grande – Pr


LAMENTAMOS, Mas as referências de redirecionamento anteriores foram tiradas da net juntamente com a pagina hospedeira.

PROVIDENCIAMOS OUTRAS FONTES.


CÂNTICOS DE ENTRADA

Nome da Musica

Cifra

Vídeo

PECADOR AGORA É TEMPO

Cifra_Violao Cifra_Violao

VOSSO CORAÇÃO DE PEDRA SE CONVERTERÁ

Cifra_Violao Cifra_Violao

RECONCILIAI-VOS COM DEUS

Cifra_Violao Cifra_Violao

QUANDO INVOCAR EU ATENDEREI

Cifra_Violao Cifra_Violao

PAI SE ESTE CÁLICE

Cifra_Violao Cifra_Violao

ENTÃO DUMA NUVEM LUMINOSA

Cifra_Violao Cifra_Violao

SE CONHECESSES O DOM DE DEUS

Cifra_Violao Cifra_Violao

Alegres Vamos à Casa do Pai

Cifra_Violao Cifra_Violao

9º CAMINHEMOS PARA A FONTE

Cifra_Violao Cifra_Violao

10º NO SENHOR É QUE SE ENCONTRA O PERDÃO

Cifra_Violao Cifra_Violao

11º EU VIM PARA QUE TODOS TENHAM VIDA

Cifra_Violao Cifra_Violao

12º HOSANA AO FILHO DE DAVI

Cifra_Violao Cifra_Violao

Perdoai-nos, Ó Pai – Jaime Vitalino Dos Santos

Cifra_Violao Cifra_Violao

13º HOSANA, HOSANA É VIVAS

Cifra_Violao Cifra_Violao

14º OS FILHOS DOS HEBREUS

Cifra_Violao Cifra_Violao

CÂNTICOS DE OFERTÓRIO

Cifra_Violao Cifra_Violao

15º SALVE Ô CRISTO OBEDIENTE

Cifra_Violao Cifra_Violao

16º Ô MORTE ESTAS VENCIDAS

Cifra_Violao Cifra_Violao

Senhor eis aqui o teu povo

Cifra_Violao Cifra_Violao

Eis o tempo de conversão

Cifra_Violao Cifra_Violao

Sugestões Folhetos de Canto

ENTRADA

01- Senhor quem entrara    

Distribuição das Cinzas(4ªFeira)

01- O vosso coração de pedra
02- Pecador agora é tempo
03- Volta teu olhar Senhor
04- Renova-me senhor Jesus
Cantos de Perdão

01- Senhor, Servo de Deus 
02- Misericórdia, Senhor 
03- Tende compaixão de nós
04- Eu confesso a Deus


Cantos de Aclamação  


01- Louvor e glória a ti Senhor
02- Louvor a vós o Cristo Rei
03- Escuta Israel

Cantos de Ofertório


       01- Teu sou
02- Volte teu olhar Senhor 
03- Suba a Ti ó Deus Pai 
04- Sê Bendito
05- Recebe Deus Amigo 
06- Mãos Abertas  
07- Este pranto em minhas mãos
08- Sabes Senhor


Cantos de Comunhão


01- O pão da vida 
02- O meu corpo e o meu sangue
03- Por esta paz que a juventude 
04- Prova de amor maior não há 
05- Eu vim para que todos tenham
06- Desamarrem as sandálias   

OUTRAS SUGESTÕES

MUSICA E MISSA

http://musicaemissa.blogspot.com.br/

Por causa da Tua Palavra.

Encontro Nacional de Formação

para Liderança da RCC – Brasil.

.

https://i0.wp.com/encontro.rccbrasil.org.br/468x60.jpg

Quem pode fazer a diferença ?


Este é o relato de uma Professora Primária referente a um certo ano de sua vida:

Seu nome era Sra. Thompson, Era uma Classe de 5ª série e como sempre ela no primeiro dia de aula iniciava seu discurso basicamente contando lhes uma grande mentira.   Como a maioria dos professores, ela olhou para seus alunos e disse que os amava a todos do mesmo jeito. Mas isso seria impossível, porque lá na primeira fila, bem à sua frente, estava um pequeno garoto chamado Teddy.

A Sra. Thompson tinha observado Teddy anos antes e percebeu que ele não se dava bem com as outras crianças, que suas roupas estavam amarrotadas e que constantemente precisava de um bom banho.    E Teddy poderia se tornar um estorvo desagradável para ela aquele ano.     Sua Antipatia chegou a um ponto onde a Sra. Thompson tinha prazer em marcar suas provas com a caneta vermelha marcando bem grande um “X” em negrito e em seguida colocar um “ZERO enorme” na parte superior das provas.

Na escola onde a Sra. Thompson lecionava, era obrigatório para o Professor rever o histórico de cada criança e ela deixou o de Teddy por último.  No entanto, quando ela consultou seu processo, ela foi teve grandes surpresas;

Na primeira série, a Professora de Teddy escreveu:

“Teddy é um menino brilhante e simpático. Ele faz seus trabalho corretamente e tem boas maneiras … é uma alegria estar com perto.

Na Segunda série o professor escreveu:

“Teddy é um aluno excelente e muito querido por seus colegas, mas ele está preocupado porque sua mãe tem uma doença terminal e da vida em casa deve ser uma luta muito difícil.”

Na terceira série a professora escreveu:

“A morte de sua mãe tem sido duro para ele. Ele tenta fazer o melhor que pode, mas seu pai não demonstra muito interesse e sua vida será em breve muito afetada gravemente se algumas medidas não forem tomadas urgentemente.”

Na quarta série o professor de escreveu:

” Teddy anda muito distraído e não mostra interesse algum pelos estudos. Tem poucos amigos e muitas vezes dorme na sala de aula.”

A Sra. Thompson se deu conta do problema e ficou terrivelmente envergonhada. Sentiu-se ainda pior quando lembrou dos presentes de natal que os alunos lhe haviam dado, envoltos em papéis coloridos e brilhantes, exceto o de Teddy, que estava mal enrolado num papel grosso marrom de embrulhar compras no armazém.

A Sra. Thompson exitou em abri-lo junto com os outros presentes. Algumas crianças começaram a debochar quando ela encontrou um bracelete colorido faltando algumas pedras, e uma garrafa com um pouco de perfume. Mas ela censurou o riso das crianças, quando ela exclamou bem alto como era linda a pulseira e colocou algumas gotas do perfume em seu pulso. Teddy ficou depois da aula naquele dia apenas o suficiente para dizer a ela que; “Sra. Thompson, hoje a Sra fez exatamente como minha mãe costumava fazer e eu senti o seu perfume.” “Depois que as crianças foram embora ela chorou pelo menos uma hora.

Nesse mesmo dia, ela mudou sua maneira de ensinar a leitura, a escrita e a matemática. Ao Invés de apenas ensinar letras e números, ela começou a ensinar crianças. A Sra. Thompson passou a ter dar atenção especial ao Teddy. Como ela o valorizava mais, sua mente parecia ter renascido. Quanto mais ela o incentivava, mais rápido ele respondia ao estímulo. Até ao final do ano, Teddy se tornou uma das crianças com melhor aproveitamento da classe e, apesar daquela mentirinha que ela iria amar todas as crianças da mesma forma, Teddy se tornara seu aluno predileto.

Um ano mais tarde, ela encontrou um bilhete debaixo de sua porta, era Teddy, contando que ela era a melhor professora que ele teve em toda sua vida.  Seis anos se passaram até que ela recebe outro bilhete de Teddy.    Pouco depois, ele escreveu que já tinha terminado o ensino médio, em terceiro lugar na sua classe, e ela ainda era a melhor professora que teve em toda sua vida. Quatro anos depois, ela recebeu outra carta, narrando como as coisas tinham sido duras, às vezes, ele quase desistiu de estudar, mas logo se formaria na faculdade com a maior das honras. Ele garantiu a Sra. Thompson que ela ainda era sua professora favorita. Depois de mais quatro anos ter se passado, chegou uma carta. Desta vez, ele explicou que depois que começou seu bacharelado, ele decidiu estudar um pouco mais. A carta explicava que ela ainda era a melhor professora que teve.  Mas desta vez ele assinou um pouco diferente, Dr. Theodore F. Stoddard.

A história não termina aí.   Havia ainda uma outra carta. Teddy disse que tinha encontrado a garota de seus sonhos e iria se casar. Ele explicou que seu pai havia falecido alguns anos atrás e ele estava lhe convidando para sentar-se no lugar reservado à mãe do noivo.   É claro que, a Sra. Thompson aceitou o convite. E adivinhem? Ela usava aquela pulseirinha com pedrinhas faltando. E ela, com certeza usou aquele mesmo perfume que Teddy lembrou-se de sua mãe usando em seu último Natal juntos.   Eles se abraçaram, e Dr. Stoddard sussurrou ao seu ouvido, “Obrigado Sra. Thompson por ter acreditado em mim. Muito obrigado por me fazer sentir importante, demonstrando-me que eu poderia fazer a diferença.” A Sra. Thompson, com lágrimas nos olhos, sussurrou de volta. Ela disse, “Teddy, você está totalmente errado. Você foi o único que me ensinou que eu podia fazer a diferença. Eu não sabia ensinar nada até aquele dia que te conheci.”

A história foi escrita por Elizabeth Silance Ballard e publicado na revista O Lar da Vida “Home Life” em 1976. Não era representada como uma história verdadeira, mas sim como uma obra de ficção. Posteriormente, foi republicado na revista em 1976, com a anotação de que era uma das histórias mais solicitadas pelos leitores.

Link’s para PPS

História de:


Elizabeth Silance Ballard