O Que Dizem os Cientistas sobre Deus?


As opiniões são diversas e variadas, porém não existe consenso nestas opiniões e nem uma permanência fiel na mesma opinião, pois muitos cientistas que antes se confessam ateus mudaram de opinião ao conhecer um pouco mais profundamente a sua própria ciência confirmando assim a frase proferida pelo Prof. Dr. Louis Pasteur:


 “Um pouco de ciência nos afasta de Deus,

muita ciência nos aproxima.”



Fé e Ciência são os dois lados de uma mesma moeda.


O_livro_Da_Capa_Preta


Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário que lia o seu livro de ciências .

O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta.

Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de São Marcos. Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

– O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

– Sim, mas não é um livro de crendices.   É a Palavra de Deus.

– Estou errado ?

Respondeu o jovem:

– Mas é claro que está !  Creio que o senhor deveria estudar a Historia Universal.

– Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião.

Somente pessoas sem cultura ainda creem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

– É mesmo?

– Disse o senhor.

– E o que pensam e Dizem os nossos Cientistas sobre A Bíblia  ?

– Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:


Cartão_Ciência


“Um pouco de ciências nos afasta de Deus. Muito…, nos aproxima ! “.

Fato verdadeiro, integrante de sua biografia ocorrido em 1892.

A questão de fé e ciência:

“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa Bento XVI reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870):

As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer .

Ou, explicitando melhor, podemos dizer:

“As verdades verdadeiras da fé e as verdades verdadeiras da ciência Nunca se contradizem”.




O Livro da capa Preta . PPT

Jesus é a verdade Fé & Ciência-Post



Leia a Bíblia NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Um desafio de Fé!


Desafio_fé

Quem aceitará este desafio ?


Era um grande desafio participar da ultima aula do Professor de filosofia.

Este fato aconteceu na Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos da América a apenas alguns anos atrás.

Havia um professor de filosofia que era um ateu convicto.

Sua meta principal sempre foi tomar um semestre inteiro para provar que DEUS não existia.

Os estudantes sempre tinham medo de argüi-lo por causa da sua lógica implacável.

Por 20 anos ensinou e mostrou que jamais haveria alguém que ousasse contrariá-lo, embora, às vezes surgisse alguém que o tentasse, nunca o venciam.

No final de todo semestre, no último dia, fazia a mesma pergunta à sua classe de 300 alunos:

– Se há alguém aqui que ainda acredita em Jesus, que fique de pé!

Em 20 anos ninguém ousou levantar-se.

Sabiam o que o professor faria em seguida. Diria:

– Porque qualquer um que acredita em Deus é um tolo! Se Deus existe impediria que este giz caísse ao chão e se quebrasse.

Esta simples questão provaria que Ele existe, mas, não pode fazer isso!

E todos os anos soltava o giz, que caia ao chão partindo-se em pedaços.

E todos os estudantes apenas ficavam quietos, vendo a DEMONSTRAÇÃO.

A maioria dos alunos pensavam que Deus poderia não existir. Certamente, havia alguns cristãos mas, todos tiveram muito medo de ficar de pé.

Bem… há alguns anos chegou a vez de um jovem cristão que tinha ouvido sobre a fama daquele professor.

O jovem estava com medo, mas, por 3 meses daquele semestre orou todas as manhãs, pedindo que tivesse coragem de se levantar, não importando o que o professor dissesse ou o que a classe pensasse.

Nada do que dissessem abalaria sua fé… ao menos era seu desejo.

Finalmente o dia chegou.



Giz_na_mão


O professor disse a famosa frase:

– Se há alguém aqui que ainda acredita em Jesus, que fique de pé!

O professor e os 300 alunos viram, atônitos, o rapaz levantar-se no fundo da sala.

O professor gritou:

– Você é um TOLO!!! Se Deus existe impedirá que este giz caia ao chão e se quebre!

E começou a erguer o braço, quando o giz escorregou entre seus dedos, deslizou pela camisa, por uma das pernas da calça, correu sobre o sapato e ao tocar no chão simplesmente rolou, sem se quebrar.

O queixo do professor caiu enquanto seu olhar, assustado, seguia o giz rolando ao chão.

Quando o giz parou de rolar levantou a cabeça… encarou o jovem e… saiu apressadamente da sala. O rapaz caminhou firmemente para a frente de seus colegas e, por meia hora, compartilhou sua fé em Jesus.

Os 300 estudantes ouviram, silenciosamente, sobre o amor de Deus por todos e sobre seu poder através de Jesus.


O_Alpinista

Um teste de Fé

Veja o texto em Power Point



O Livro da Capa Preta.


Fé e Ciência são os dois lados de uma mesma moeda.


O_livro_Da_Capa_Preta


Um senhor de 70 anos viajava de trem tendo ao seu lado um jovem universitário que lia o seu livro de ciências .

O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta.

Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de São Marcos. Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

– O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

– Sim, mas não é um livro de crendices.   É a Palavra de Deus.

– Estou errado ?

Respondeu o jovem:

– Mas é claro que está !  Creio que o senhor deveria estudar a Historia Universal.

– Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião.

Somente pessoas sem cultura ainda creem que Deus tenha criado o mundo em seis dias. O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

– É mesmo?

– Disse o senhor.

– E o que pensam e Dizem os nossos Cientistas sobre A Bíblia  ?

– Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:


Cartão_Ciência


“Um pouco de ciências nos afasta de Deus. Muito…, nos aproxima ! “.

Fato verdadeiro, integrante de sua biografia ocorrido em 1892.

A questão de fé e ciência:

“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa Bento XVI reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870):

As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer .

Ou, explicitando melhor, podemos dizer:

“As verdades verdadeiras da fé e as verdades verdadeiras da ciência Nunca se contradizem”.




O Livro da capa Preta . PPT

Jesus é a verdade Fé; Ciência-Post




Leia a Bíblia NOSSA SENHORA DE FÁTIMA

Teologia versus Ateísmo.


Uma Resposta Sábia da Teologia para a astúcia do ateísmo.


BENTO XVI e a sua grande sabedoria e impressionante lucidez em carta que escreveu como resposta ao matemático e ateu italiano Piergiorgio Odifreddi, que lhe dirigiu o livro “Caro Papa, escrevo-te”, no qual fala sobre a Igreja, Cristo, Bento XVI, ciência e o mal. 

É magistral como o Papa emérito o responde! Com palavras acertadas, mas sem nunca abandonar o bom trato. Bento XVI é daqueles que sabem revidar graves argumentos sem, contudo, perder a boa classe. Confiram:


tn_620_600_Papacapa[1]

REUTERS/Osservatore Romano


Ilustríssimo Senhor Professor Odifreddi, (…) gostaria de lhe agradecer por ter tentado até o último detalhe se confrontar com o meu livro e, assim, com a minha fé; é exatamente isso, em grande parte, que eu havia intencionado com o meu discurso à Cúria Romana por ocasião do Natal de 2009. Devo agradecer também pelo modo leal como tratou o meu texto, buscando sinceramente prestar-lhe justiça.

O meu julgamento acerca do seu livro, no seu conjunto, porém, é em si mesmo bastante contrastante. Eu li algumas partes dele com prazer e proveito. Em outras partes, ao invés, me admirei com uma certa agressividade e com a imprudência da argumentação. (…)

Várias vezes, o senhor me aponta que a teologia seria ficção científica. A esse respeito, eu me admiro que o senhor, no entanto, considere o meu livro digno de uma discussão tão detalhada. Permita-me propor quatro pontos a respeito de tal questão:

1. É correto afirmar que “ciência”, no sentido mais estrito da palavra, só a matemática o é, enquanto eu aprendi com o senhor que, mesmo aqui, seria preciso distinguir ainda entre a aritmética e a geometria. Em todas as matérias específicas, a cientificidade, a cada vez, tem a sua própria forma, segundo a particularidade do seu objeto. O essencial é que ela aplique um método verificável, exclua a arbitrariedade e garanta a racionalidade nas respectivas modalidades diferentes.

2. O senhor deveria ao menos reconhecer que, no âmbito histórico e no do pensamento filosófico, a teologia produziu resultados duradouros.

3. Uma função importante da teologia é a de manter a religião ligada à razão, e a razão, à religião. Ambas as funções são de essencial importância para a humanidade. No meu diálogo com Habermas, mostrei que existem patologias da religião e – não menos perigosas – patologias da razão. Ambas precisam uma da outra, e mantê-las continuamente conectadas é uma importante tarefa da teologia.

4. A ficção científica existe, por outro lado, no âmbito de muitas ciências. Eu designaria o que o senhor expõe sobre as teorias acerca do início e do fim do mundo em Heisenberg, Schrödinger, etc., como ficção científica no bom sentido: são visões e antecipações para chegar a um verdadeiro conhecimento, mas são, justamente, apenas imaginações com as quais tentamos nos aproximar da realidade. Além disso, existe a ficção científica em grande estilo, exatamente dentro da teoria da evolução também. O gene egoísta de Richard Dawkins é um exemplo clássico de ficção científica. O grande Jacques Monod escreveu frases que ele mesmo deve ter inserido na sua obra seguramente apenas como ficção científica. Cito: “O surgimento dos vertebrados tetrápodes (…) justamente tem sua origem do fato de que um peixe primitivo ‘escolheu’ ir a explorar a terra, sobre a qual, porém, ele era incapaz de se deslocar, exceto saltitando desajeitadamente e criando, assim, como consequência de uma modificação do comportamento, a pressão seletiva graças à qual se desenvolveriam os membros robustos dos tetrápodes. Entre os descendentes desse audaz explorador, desse Magellan da evolução, alguns podem correr a uma velocidade de 70 quilômetros por hora…” (citado segundo a edição italiana de Il caso e la necessità, Milão, 2001, p. 117ss.).

Em todas as temáticas discutidas até agora, trata-se de um diálogo sério, para o qual eu – como já disse repetidamente – sou grato. As coisas são diferentes no capítulo sobre o sacerdote e a moral católica, e ainda diferentes nos capítulos sobre Jesus. Quanto ao que o senhor diz sobre o abuso moral de menores por parte de sacerdotes, eu só posso reconhecer – como o senhor sabe – com profunda consternação. Eu nunca tentei mascarar essas coisas. O fato de que o poder do mal penetra a tal ponto no mundo interior da fé é para nós um sofrimento que, por um lado, devemos suportar, enquanto, por outro, devemos, ao mesmo tempo, fazer todo o possível para que casos desse tipo não se repitam. Também não é motivo de conforto saber que, segundo as pesquisas dos sociólogos, a porcentagem dos sacerdotes réus desses crimes não é mais alta do que a presente em outras categorias profissionais semelhantes. Em todo caso, não se deveria apresentar ostensivamente esse desvio como se se tratasse de uma imundície específica do catolicismo.

Se não é lícito calar sobre o mal na Igreja, também não se deve silenciar, porém, sobre o grande rastro luminoso de bondade e de pureza, que a fé cristã traçou ao longo dos séculos. É preciso lembrar as figuras grandes e puras que a fé produziu – de Bento de Núrsia e a sua irmã Escolástica, Francisco e Clara de Assis, Teresa de Ávila e João da Cruz, aos grandes santos da caridade como Vicente de Paulo e Camilo de Lellis, até a Madre Teresa de Calcutá e as grandes e nobres figuras da Turim do século XIX. Também é verdade hoje que a fé leva muitas pessoas ao amor desinteressado, ao serviço pelos outros, à sinceridade e à justiça. (…)

O que o senhor diz sobre a figura de Jesus não é digno do seu nível científico. Se o senhor põe a questão como se, no fundo, não soubesse nada de Jesus e como se d’Ele, como figura histórica, nada fosse verificável, então eu só posso convidá-lo de modo decidido a tornar-se um pouco mais competente do ponto de vista histórico. Recomendo-lhe, para isso, sobretudo os quatro volumes que Martin Hengel (exegeta da Faculdade de Teologia Protestante de Tübingen) publicou juntamente com Maria Schwemer: é um exemplo excelente de precisão histórica e de amplíssima informação histórica. Diante disso, o que o senhor diz sobre Jesus é um falar imprudente que não deveria repetir. O fato de que na exegese também foram escritas muitas coisas de escassa seriedade é, infelizmente, um fato indiscutível. O seminário norte-americano sobre Jesus que o senhor cita nas páginas 105ss. só confirma mais uma vez o que Albert Schweitzer havia notado a respeito da Leben-Jesu-Forschung (Pesquisa sobre a vida de Jesus), isto é, que o chamado “Jesus histórico” é, em grande parte, o espelho das ideias dos autores. Tais formas mal sucedidas de trabalho histórico, porém, não comprometem, de fato, a importância da pesquisa histórica séria, que nos levou a conhecimentos verdadeiros e seguros sobre o anúncio e a figura de Jesus.

(…) Além disso, devo rejeitar com força a sua afirmação (p. 126) segundo a qual eu teria apresentado a exegese histórico-crítica como um instrumento do anticristo. Tratando o relato das tentações de Jesus, apenas retomei a tese de Soloviev, segundo a qual a exegese histórico-crítica também pode ser usada pelo anticristo – o que é um fato incontestável. Ao mesmo tempo, porém, sempre – e em particular no prefácio ao primeiro volume do meu livro sobre Jesus de Nazaré – eu esclareci de modo evidente que a exegese histórico-crítica é necessária para uma fé que não propõe mitos com imagens históricas, mas reivindica uma historicidade verdadeira e, por isso, deve apresentar a realidade histórica das suas afirmações de modo científico também. Por isso, também não é correto que o senhor diga que eu estaria interessado somente na meta-história: muito pelo contrário, todos os meus esforços têm o objetivo de mostrar que o Jesus descrito nos Evangelhos também é o Jesus histórico real; que se trata de história realmente ocorrida. (…)

Com o 19º capítulo do seu livro, voltamos aos aspectos positivos do seu diálogo com o meu pensamento. (…) Mesmo que a sua interpretação de João 1, 1 seja muito distante da que o evangelista pretendia dizer, existe, no entanto, uma convergência que é importante. Se o senhor, porém, quer substituir Deus por “A Natureza”, resta a questão: quem ou o que é essa natureza. Em nenhum lugar, o senhor a define e, assim, ela parece ser uma divindade irracional que não explica nada. Mas eu gostaria, acima de tudo, de fazer notar ainda que, na sua religião da matemática, três temas fundamentais da existência humana continuam não considerados: a liberdade, o amor e o mal. Admiro-me que o senhor, com uma única referência, liquide a liberdade que, contudo, foi e é o valor fundamental da época moderna. O amor, no seu livro, não aparece, e também não há nenhuma informação sobre o mal. Independentemente do que a neurobiologia diga ou não diga sobre a liberdade, no drama real da nossa história ela está presente como realidade determinante e deve ser levada em consideração. Mas a sua religião matemática não conhece nenhuma informação sobre o mal. Uma religião que ignore essas questões fundamentais permanece vazia.

Ilustríssimo Senhor Professor, a minha crítica ao seu livro, em parte, é dura. Mas a franqueza faz parte do diálogo; só assim o conhecimento pode crescer. O senhor foi muito franco e, assim, aceitará que eu também o seja. Em todo caso, porém, avalio muito positivamente o fato de que o senhor, através do seu contínuo confronto com a minha Introdução ao cristianismo, tenha buscado um diálogo tão aberto com a fé da Igreja Católica e que, apesar de todos os contrastes, no âmbito central, não faltem totalmente as convergências.

Com cordiais saudações e com todos os melhores votos para o seu trabalho.


Texto publicado em italiano na edição de 24 setembro 2013 do jornal la Repubblica, com tradução portuguesa de Moisés Sbardelotto.

Na imagem, Bento XVI, ainda Papa de fato, lendo o L’Osservatore Romano durante suas férias em julho de 2010, em Castel Gandolfo.

Créditos da imagem: Reuters/L’Osservatore Romano.


MILAGRE DE LANCIANO

.


O Livro da capa Preta.

A Sabedoria está acima da Inteligência !




Um  Senhor de 70 anos  viajava de trem, Tendo  ao seu lado um  jovem universitário, que  lia o seu livro de  ciências .

O  senhor, por sua vez,  lia um livro de  capa preta.

Foi  quando o jovem percebeu que este livro se tratava de uma  Bíblia e estava aberta  no livro de São  Marcos.

Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

  • O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

  • Sim, mas não é um livro de crendices.

  • É a Palavra de Deus.

  • Estou errado ?

Respondeu  o jovem:

– Mas é claro que está ! Creio que o senhor deveria estudar a Historia Universal.  Veria que a Revolução  Francesa, ocorrida há  mais de 100 anos,  mostrou a miopia da  religião.

Somente pessoas sem cultura ainda crêem que Deus tenha criado o mundo em seis dias.

O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

  • É mesmo?

  • Disse o senhor.

E o que pensam e dizem os nossos Cientistas sobre A Bíblia  ?

– Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência.

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:


“Um pouco de ciências nos afasta de Deus.

Muito…, nos aproxima! “.

Fato verdadeiroi integrante da  biografia ocorrido em  1892.

A  questão de fé e  ciência:

“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa Bento XVI reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870):

As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer .

Ou,  explicitando melhor, podemos dizer que:

“As verdades verdadeiras da  fé e as verdades verdadeiras da  ciência  nunca  se contradizem”.

Deus  conhece profundamente todas as  coisas, porque Ele as criou.

Nós apenas conhecemos em parte aquilo que nossos olhos, ouvidos, dedos, narizes realçados pelos novos e modernos equipamentos ciêntíficos nos revelam atraves de nossa simples observação daquilo que Deus criou, logo, quando nossa conclusão contraria a verdade é porque não observamos corretamente e logo ao observarmos novamente veremos que haviamos cometido um engano momentâneo ou iremos negar que a ciência já cometeu diversos enganos e depois os corrigiu ao descobrir e confirmar a verdade!


O Livro da Capa Preta

Power Point – PPT

A Sabedoria esatá acima da Inteligência – Post


Leia você também as Sagradas escrituras contidas na  Bíblia !




Leia você também

A Bíblia é uma Mensagem

de Deus pra você.


Semeando a cultura de Pentecostes






Quem ficaria de pé ?



QUEM SE ATREVERIA A FICAR DE PÉ?



Quem aceitará este desafio ?


Era um grande desafio participar da ultima aula do Professor de filosofia.

Este fato aconteceu na Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos da América a apenas alguns anos atrás.

Havia um professor de filosofia que era um ateu convicto.

Sua meta principal sempre foi tomar um semestre inteiro para provar que DEUS não existia.

Os estudantes sempre tinham medo de argüi-lo por causa da sua lógica implacável.

Por 20 anos ensinou e mostrou que jamais haveria alguém que ousasse contrariá-lo, embora, às vezes surgisse alguém que o tentasse, nunca o venciam.

No final de todo semestre, no último dia, fazia a mesma pergunta à sua classe de 300 alunos:

– Se há alguém aqui que ainda acredita em Jesus, que fique de pé!

Em 20 anos ninguém ousou levantar-se.

Sabiam o que o professor faria em seguida. Diria:

– Porque qualquer um que acredita em Deus é um tolo! Se Deus existe impediria que este giz caísse ao chão e se quebrasse.

Esta simples questão provaria que Ele existe, mas, não pode fazer isso!

E todos os anos soltava o giz, que caia ao chão partindo-se em pedaços.

E todos os estudantes apenas ficavam quietos, vendo a DEMONSTRAÇÃO.

A maioria dos alunos pensavam que Deus poderia não existir. Certamente, havia alguns cristãos mas, todos tiveram muito medo de ficar de pé.

Bem… há alguns anos chegou a vez de um jovem cristão que tinha ouvido sobre a fama daquele professor.

O jovem estava com medo, mas, por 3 meses daquele semestre orou todas as manhãs, pedindo que tivesse coragem de se levantar, não importando o que o professor dissesse ou o que a classe pensasse.

Nada do que dissessem abalaria sua fé… ao menos era seu desejo.

Finalmente o dia chegou.



Giz_na_mão


O professor disse a famosa frase:

– Se há alguém aqui que ainda acredita em Jesus, que fique de pé!

O professor e os 300 alunos viram, atônitos, o rapaz levantar-se no fundo da sala.

O professor gritou:

– Você é um TOLO!!! Se Deus existe impedirá que este giz caia ao chão e se quebre!

E começou a erguer o braço, quando o giz escorregou entre seus dedos, deslizou pela camisa, por uma das pernas da calça, correu sobre o sapato e ao tocar no chão simplesmente rolou, sem se quebrar.

O queixo do professor caiu enquanto seu olhar, assustado, seguia o giz rolando ao chão.

Quando o giz parou de rolar levantou a cabeça… encarou o jovem e… saiu apressadamente da sala. O rapaz caminhou firmemente para a frente de seus colegas e, por meia hora, compartilhou sua fé em Jesus.

Os 300 estudantes ouviram, silenciosamente, sobre o amor de Deus por todos e sobre seu poder através de Jesus.


O_Alpinista

Um teste de Fé

Veja o texto em Power Point




 

O Delírio de Richard Dawkins.

O ateísmo agora quer se tornar também uma religião e competir em pé de igualdade com a Divindade suprema.

Para isso começam a investir pesado contra o Cristianismo em todas as partes do mundo, já estão ofertando livros gratuitos para disseminar teorias que nada mais são que uma oposição sistemática ao Cristianismo.

Tudo o que ensinam clamam são baseados em apenas suposições da mesma forma que acusam a religião de ser histórias inventadas e fruto de alucinações coletivas.

Tudo que o Cristianismo ensina é fruto de fatos presenciados e testemunhados por muitas pessoas de classes, credos e raças diferentes, muitas das quais nem sequer acreditavam em Deus.

Richard Dawkins prega apenas uma antítese do Cristianismo, porque tudo que ele faz  é desdizer e justificar milagres que aconteceram no passado, simplesmente dizendo que nada daquilo aconteceu na verdade, se por acaso eu me decidir em dar crédito às suas afirmações que não estava lá na época dos fatos, por que eu não poderia dar crédito às palavras daqueles que lá estavam ?

Este Senhor não seria capaz de identificar um átomo no microscópio, ele também não analisou cientificamente as fotos dos olhos de Nossa Senhora de Guadalupe, não presenciou o estudo que analisou o Corpo e Sangue de Jesus no Milagre de Lânciano e nem sequer leu as análises do resultado das pesquisas no Santo Sudário, mas também por que ele faria isto já que Ateísmo é uma ausência completa de Deus na vida de alguém? Se bem que: o que eles pregam não é o ateísmo “AUSÊNCIA DE DEUS” e sim um anti-Cristianismo, porque falam e combatem a Deus de todas as formas possíveis.

O pior de tudo é que ele distorce e tenta diminuir o brilho de cientistas com muito maior renome do que ele próprio, só porque estes declararam que Deus Existe verdadeiramente.

A Autor Francis S. CollinsLINGUAGEM DE DEUS –

O grande cientista Francis Collins que coordenou o estudo do Genoma Humano e desvendou seu código, antes mesmo do final de sua pesquisa, analisando todos os seus dados concluiu por si mesmo, “ESTE CÓDIGO GENÉTICO HUMANO NÃO PODE SER UMA OBRA SIMPLESMENTE DO ACASO”, Sabem por que ?

Porque o Gén humano nada mais é do que um programa semelhantemente a um programa de computador, preparado para realizar funções e ações com tempo predeterminado.

Pegue seu computador novo com o disco rígido vazio e ligue-o…

O que acontecerá ?

Nada !!!

Por que ?

Porque não existe nenhum programa operacional !!!

Responda então…

Por quantos bilhões de anos seu computador permanecerá ligado neste ambiente propício para aparecer um programa ali que ative seu computador espontaneamente por acaso ?

Eu respondo… assim como qualquer um dos programadores da Microsoft sem medo de errar, jamais aparecerá nenhum programa ali se não houver uma iniciativa externa, é exatamente o que o homem faz, pega um disco rígido vazio e coloca nele seus programas para que ele execute a sua vontade e alcance o seu objetivo.

Eu diria, é exatamente isto que Deus fez, e nós somos o seu programa em atividade, vivemos em um ambiente programado e totalmente dependente de uma iniciativa externa invisível a nós.

Alguns cientistas fizeram uma experiência com Macacos (… leia mais) para provar que nossas tradições atuais nada mais eram que fruto de um aprendizado anterior que se conformou com situações da época passada e mesmo que a situação anterior fosse alterada o nosso aprendizado hoje continuaria se defendendo de perigos que não mais existiriam de fato.

O grande equivoco dos tais cientistas é que: o perigo apresentado como inexistente na experiência não era inexistente, estava apenas desligado momentaneamente por vontade do cientista observador.

Quando os Macacos evitavam comer a banana por medo da água fria eles estavam agindo corretamente, porque o ser externo chamado cientista poderia a qualquer momento religar o dispositivo e encharcar as pobres criaturas.

Declararam então que os animais agiam em defesa dos jatos de água fria sem motivo já que não estavam mais sendo molhados no momento e declararam também que o homem não precisa mais se refugiar em um ser protetor imaginário chamado Deus porque agora temos nosso próprio conhecimento que nos revela o que não conhecíamos no passado e temos resposta para todas as perguntas inclusive a de que Deus nunca existiu.

Em todos os momentos da experiência sempre estavam presentes os cientistas externos ao ambiente dos animais aprisionados, que ficavam escondidos interferindo no meio ambiente dos animais quando eles instintivamente tentavam se alimentar com o alimento que lhes é mais peculiar.

Estes mesmos cientistas esqueceram de analisar a sua própria presença dentro da experiência em questão deduzindo que o que aconteceu com os animais era fruto de um possível acaso, quando na verdade foi fruto de uma ação externa, que era a mão do cientista na torneira que espirrava água fria nos bichinhos indefesos.

Está aí, o que aconteceu na experiência na verdade foi o resultado do êxito do cumprimento da vontade dos cientistas que observavam a cena.

Conclusão:

O cientista fazia um papel de deus ou diabo na experiência.

Provaram o contrário do que queriam provar, porque a experiência não aconteceu ao acaso e sim foi programada e executada por um ser externo ao ambiente selecionado.

Esta experiência é comumente mencionada em escolas e faculdades para provar que nossos Pais estão enganados quando nos mandam ir para a Igreja buscar a Deus para nos tornarmos boas pessoas na vida, ou seja, existe um complô contra o ensinamento da Religião nas escolas e faculdades, mas isto é entendido da seguinte forma, querem que nos tornemos totalmente escravos do dinheiro, do ser, do poder, da concorrência com os outros alunos, das trapaças e assim os cursinhos e as faculdades ficarão cada vez mais ricas sugando o dinheiro dos concorrentes em busca das poucas vagas disponíveis nos cursos que nos tornarão ricos e milionários e certamente todo esse dinheiro não nos trará a felicidade muito menos nos tornará boas pessoas neste mundo.

Rezando na cartilha do Sr. Richard Dawkis, aprendemos que devemos aproveitar a vida despreocupadamente porque Deus não existe e certamente não nos punirá por nada de errado que fizermos aqui na terra, o que ele não diz é que o egoísmo do homem sem Deus está destruindo o mundo em que ele vive e certamente isto é algo não só preocupante como desesperador, porque os homens materialistas são incapazes de apresentar uma solução plausível para este problema Real e imediato, porque estes homens só pensam em não levar prejuízo no bolso.


MILAGRE DE LANCIANO


A Experiência dos Macacos.



“Somente duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. E não estou seguro quanto ao primeiro.”

(Albert Einstein)




Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e sobre ela um cacho de bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão.

Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o pegavam davam-lhe uma surra. Dentro de algum tempo, nenhum macaco subia mais a escada, apesar da tentação das bananas.

Então, os cientistas substituíram um dos macacos por um novo. A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros, que o surraram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada. Um segundo foi substituído e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado na surra ao novato.

Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto, e afinal, o último dos veteranos foi substituído. Os cientistas então ficaram com um grupo de cinco macacos que mesmo nunca tendo tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas.

Se fosse possível perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria: “Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui”.

(Albert Einstein)

Texto introdutório ao estudo do comportamento social “Sociologia”.





Resposta correta dos Macacos:


“Depois dizem que somos nós os macacos é que temos o menor grau de QI nesta família de primatas …”

A Minha resposta seria:

Caro amiguinho novato, não suba nesta escada porque aqui nesta gaiola toda vez que alguém sobe na escada recebemos um jato de água fria até descermos da escada e mesmo que você não tenha visto este perigo em nenhum lugar, podes acreditar porque aqui acontece isto, nossos antecessores aprenderam esta lição a duras penas até que desistiram de comer as bananas que estão aí em cima.

Mas como Macaco não entende esta linguagem, então a solução é descer a pancada mesmo, porque jamais conseguirão convencê-lo do contrário com esta ladainha tola, afinal quem tem filho adolescente sabe muito bem qual é o resultado deste papo careta.

Na minha opinião particular eu diria que se continuassem trocando os macacos por mais três gerações sem jogar nenhum jato de água fria, da primeira vez que se distraíssem e um macaquinho pegasse a banana, nunca mais ninguém apanharia sem motivo.

É assim que as coisas mudam com o passar dos anos, naturalmente e não artificialmente com jatos de água fria programados.




PRESERVE O SEU PLANETA



ELE É A SUA CASA


Francis S. Collins acredita em Deus !

O diretor do Projeto Genoma Humano Internacional era um cientista ateu, mas suas pesquisas e aprofundamento na ciência o levaram a aceitar Deus como criador do universo.

Com este pequeno título, o caderno Prosa & Verso do O GLOBO, do dia 11/08/2007, anuncia uma breve nota sobre o livro “A Linguagem de Deus”, do cientista e biólogo Francis S. Collins, diretor e líder do Projeto Genoma Humano Internacional, que em 2001 revelou à humanidade o primeiro mapa seqüenciado do genoma humano, (O genoma humano é formado por todo o DNA de nossa espécie, é o código de hereditariedade da vida). Neste livro, o biólogo demonstra racionalmente, sua fé em Deus e confiança na ciência. Uma maravilha de livro, se pensarmos que na mesma data O GLOBO também fazia uma ampla matéria sobre o livro “Deus um delírio”, de outro cientista, este ateu, Richard Dawkins.

Comprei o livro e estou lendo, é muito interessante e convincente, reafirma nossa fé em Deus, e em nosso caso, a fé em Jesus Cristo, filho de Deus. Para Collins, as descobertas científicas aproximam cada vez mais o homem de Deus, “A ciência é a única forma confiável para entender o mundo da natureza, e as ferramentas científicas, quando utilizadas da maneira adequada, podem gerar profundos discernimentos da existência material. A ciência, entretanto, é incapaz de responder a questões como: “Por que o universo existe?”; “Qual o sentido da existência humana?”; “O que acontece após a morte?”. Uma das necessidades mais fortes da humanidade é encontrar respostas para as questões mais profundas, e temos de apanhar todo o poder de ambas as perspectivas, a ciêntífica e a religiosa, para buscar a compreensão daquilo que vemos como do que não vemos.” (Francis s. Collins. A Linguagem de Deus. 2ª ed. São Paulo: Gente. 2007, p. 14/15).

Collins, como bem anotado na reportagem do GLOBO, não é um obscurantista, não nega a Teoria da Evolução de Charles Darwin, faz críticas ao criacionismo por negar o evolucionismo, e defende a tese de uma “evolução teísta”, segundo a qual a seleção natural foi a ferramenta escolhida por Deus para criar os homens. Para Collins, Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, e decidiu o mecanismo de sua evolução, o que hoje é em parte conhecido pela ciência. Ainda segundo o autor, a hipótese de Deus soluciona questões problemáticas sobre por exemplo, o que veio antes do Big Bang, a explosão que deu origem ao universo, ou mesmo, outro grande enigma para os cientistas contemporâneos: o fato de todo o cosmos ser detalhadamente acertado para permitir o surgimento do homem. O que mais me chamou a atenção no livro e na reportagem do GLOBO, é a passagem do Collins ateu para o Collins crente. Até os 27 anos o biólogo, especialista em genética, era ateu convicto, porém, a partir desta data suas convicções mudaram quando começou a conviver com doentes terminais, e notar  a força que a fé dava a esses pacientes. Desde então, começou a estudar religião e está convencido da presença de Deus entre nós.

Belo, não? Fé é isto, pura entrega. Ou é isto, ou não é nada. Ter fé não é esperar retribuição de Deus. Ou seja, rezo, vou a missa regularmente, “faço o bem a quase todo mundo” como diz Lulu Santos, então, nada me acontecerá de ruim. Nada disso, irmão. A fé não é garantia de nada. Fé é entrega incondicional ao mistério divino. Deus concede algo a nós ou não, segundo sua graça e misericórdia, nada nos é garantido. Se fé fosse garantia de algo, padre não adoeceria e só morreria de idade. Fé é mistério. Uns crêem e morrem de forma absurda, outros não creêm e morrem como “santos”. Isto é motivo de perda de fé? Não, fé é um salto no abismo. Salto em direção a um mistério insondável por nossa razão. É justamente isto, que possuem os pacientes terminais que Collins conheceu, eles tinham fé, sabiam que estava chegando a hora de suas mortes, não sabiam o porquê, mas tinham fé que a vontade de Deus é sempre fruto de amor, afinal, Deus é amor, sobretudo na hora de nossa morte (lembram-se do que rezamos ao final da Ave-Maria?). Crer é compreender isto, creio para compreender já nos ensinou Santo Agostinho, e só quem crê consegue entender como Pe. Léo (Canção Nova) pôde viver até o fim de seus dias com tanta beleza e fé, apesar de precocemente saber estar morrendo no auge de seus 45 anos. Pe. Léo morreu corroído pelo câncer que lhe roubou quase tudo como ele disse em sua última pregação: cabelo, visão, físico etc, só não lhe roubou o seu bem maior: a fé em Jesus Cristo o ressuscitado!

Fonte: Escrito por Prof. Roberto Wagner Nogueira

Blog uol: um ser a caminho


MILAGRE DE LANCIANO

A Sabedoria está acima da Inteligência !


O_livro_Da_Capa_Preta


A Sabedoria Divina está acima da Inteligência Humana !

Um senhor de 70 anos viajava de trem,

Tendo ao seu lado um jovem universitário,

que lia o seu livro de ciências .

O senhor, por sua vez, lia um livro de capa preta. Foi quando o jovem percebeu que se tratava da Bíblia e estava aberta no livro de São Marcos.

Sem muita cerimônia o jovem interrompeu a leitura do velho e perguntou:

– O senhor ainda acredita neste livro cheio de fábulas e crendices?

– Sim, mas não é um livro de crendices.

– É a Palavra de Deus.

– Estou errado ?

Respondeu o jovem:

– Mas é claro que está !  Creio que o senhor deveria estudar a Historia Universal.

– Veria que a Revolução Francesa, ocorrida há mais de 100 anos, mostrou a miopia da religião.

Somente pessoas sem cultura a

inda crêem que Deus tenha criado o mundo em seis dias.

O senhor deveria conhecer um pouco mais sobre o que os nossos cientistas pensam e dizem sobre tudo isso.

– É mesmo?

– Disse o senhor. E o que pensam e

Dizem os nossos Cientistas sobre

A Bíblia  ?

– Bem, respondeu o universitário, como vou descer na próxima estação, falta-me tempo agora, mas deixe o seu cartão que lhe enviarei o material pelo correio com a máxima urgência .

O velho então, cuidadosamente, abriu o bolso interno do paletó e deu o seu cartão ao universitário.

Quando o jovem leu o que estava escrito, saiu cabisbaixo sentindo-se pior que uma ameba.

No cartão estava escrito:

Professor Doutor:   Louis Pasteur

Diretor Geral do Instituto De Pesquisas Cientificas da

Universidade Nacional da França

“Um pouco de ciências nos afasta de Deus.

Muito…, nos aproxima ! “.

Fato verdadeiro, integrante da biografia ocorrido em 1892.

A questão de fé e ciência:

“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa Bento XVI reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870):

As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer .

Ou, explicitando melhor, podemos dizer:

“As verdades verdadeiras da fé e as verdades

verdadeiras da ciência Nunca se contradizem”.




O Livro da capa Preta . PPT

Jesus é a verdade Fé & Ciência-Post



Leia a Bíblia NOSSA SENHORA DE FÁTIMA


A questão de fé e ciência !


Bento XVI e a teoria da evolução


Evolução.


Augusto Pasquoto

Em abril deste ano de 2007, o Papa Bento XVI lançou na Alemanha o livro Schöpfung und Evolution (Criação e Evolução), onde expõe as suas idéias e as orientações da Igreja sobre a teoria da evolução. O livro causou grande repercussão na imprensa do mundo inteiro, talvez por conta da discussão acalorada que existe atualmente sobre as teorias da  evolução darwinista cega e da evolução planejada (teoria do projeto inteligente).

Durante anos, o cardeal Joseph Ratzinger manifestou-se a respeito da evolução em livros, artigos, conferências e entrevistas. Pesquisando esse acervo de documentos, conseguimos fazer um apanhado das idéias do Papa sobre o assunto, que podem ser assim esquematizadas:


Jesus_é_a_Verdade


1 – A questão de fé e ciência


“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870): “As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer. Ou, explicitando melhor, podemos dizer: “As verdades verdadeiras da fé e as verdades verdadeiras da ciência nunca se contradizem”.

Por que “verdades verdadeiras”? Porque houve “verdades” que não eram verdadeiras. Da parte da ciência temos como exemplo a “verdade” – que durou séculos – segundo a qual a terra era o centro do universo e o sol girava em redor dela e não o contrário. Da parte da fé, acreditou-se – por muitos séculos – que o mundo fora criado em 6 dias e que a terra tinha apenas 6 mil anos, com base em cálculos derivados de uma interpretação ao pé da letra do livro do Gênesis.

O fundamento desse princípio é simples: tanto as verdades da fé como as verdades da ciência têm um único autor – Deus – que nunca se contradiz. Daí resulta uma conclusão importante tanto para o cientista como para o teólogo: ninguém deve ter medo da verdade, porque a verdade é de Deus, ou melhor dizendo, Deus é a verdade. Então, tanto o cientista como o teólogo podem prosseguir tranqüilos nas suas pesquisas, um respeitando o campo do outro, sem nunca ter medo de se “trombarem”.


2 – As competências da ciência e da fé


“Compete às ciências naturais explicar como a árvore da vida em particular continua crescendo, e como novos ramos brotam dela. Esta não é uma questão para a fé”.

Este conceito o Papa expressou-o  no seu livro “No princípio: Uma Compreensão Católica da História da Criação e da Queda”, de 1990, quando ainda era o cardeal Ratzinger. E fez uma distinção importante ao afirmar que não se deve dizer “criação ou evolução” – como se os dois conceitos se excluíssem mutuamente – mas, sim, “criação e evolução”, porque são duas realidades distintas e complementares que não se excluem. A evolução busca entender e descrever os desenvolvimentos biológicos, ao passo que a criação tenta explicar de onde vem o “projeto” do ser humano, a origem e a natureza particular dele. A evolução situa-se no campo da ciência experimental ou empírica; a criação, no campo da filosofia ou da metafísica e da religião.

O papa defende em seu último livro que Deus criou a vida por meio da evolução, e que religião e ciência não devem se enfrentar por esse motivo. A criação de um mundo em evolução não tira nada da causalidade divina, antes pode até manifestar a sua riqueza e força.


3 – Micro-evolução e Macro-evolução


O Papa concorda com os cientistas que admitem que a micro-evolução é uma realidade inquestionável. Mas, tem dúvidas a respeito da macro-evolução.

A micro-evolução refere-se a mudanças desenvolvidas dentro de uma espécie, enquanto que a macro-evolução é a transição de uma espécie para outra, na base de mutação e de seleção natural. Os comentários do Papa a esse respeito datam de 1999, num trabalho entregue à Sorbonne com o título “A Verdade do Cristianismo”. O intelectual católico alemão Alma von Stockhausen, que é o fundador da academia alemã de ciências “Gustav Siewarth” e grande amigo de Ratzinger, afirmou que a opinião do então cardeal era de que a macro-evolução é impossível.

A ciência não consegue explicar exatamente como se dá a transição de uma espécie ou de uma classe de seres vivos para outra. Os elos de ligação que provariam a transição não foram encontrados. Existem, por exemplo, milhões de fósseis de peixes e milhões de fosseis de répteis. Deveria existir também milhões de fósseis de intermediários entre peixes e répteis, mas não existem.

Há dois mil anos atrás Cícero já dizia que era impossível formar um só verso de Ênio pescando ao acaso as letras do alfabeto. No entanto, vinte séculos depois Darwin diria que a evolução faz coisas muito mais espantosas. Hoje em dia nós sabemos – o que Darwin não sabia nem poderia saber na sua época – que as mutações são variações do DNA e das 30 milhões de maneiras pelas quais ele se propaga. As mutações acontecem quando as letras que representam os blocos de armar dos cromossomos – os nucleotídeos – são trocadas acidentalmente, ao acaso. Dizer que as trocas ao acaso dessas letras em um réptil, por exemplo, conseguiram mudar o réptil em um mamífero, seria tão incrível como dizer que as trocas ao acaso das letras na Divina Comédia, de Dante, poderiam transformar a Divina Comédia em Os Lusíadas, de Camões.

No seu último livro Criação e Evolução, o Papa afirma que a teoria de Darwin não é completamente comprovada porque “nós não podemos reproduzir 10 mil gerações em laboratório”. Há muitas vozes de cientistas em uníssono com as idéias do Papa. Algumas dessas opiniões já vimos no estudo sobre o evolucionismo darwinista e a teoria do projeto inteligente. Na Internet encontra-se um endereço (www.dissentfromdarwin.org) no qual mais de 700 cientistas – pertencentes às mais afamadas academias de ciências dos EEUU e da Rússia –  assinam uma petição onde exprimem publicamente seu ceticismo com respeito à teoria da evolução de Darwin. Eles depõem:

Não cremos de modo nenhum na hipótese segundo a qual as mutações ao acaso e a seleção natural são capazes de realizar a complexidade da vida biológica. A teoria darwiniana precisa passar por um cuidadoso exame.

Um dos primeiros a assinar a lista, o Dr.David Berlinski, matemático e filósofo da ciência, afirma que “a teoria da evolução de Darwin é o grande elefante branco do pensamento contemporâneo… É massuda, quase completamente inútil e objeto de supersticioso temor reverencial”.

Esse “supersticioso temor reverencial” tem sua origem nos programas de ensino das escolas, nos livros de ciência, nas revistas e nos programas de TV que insistentemente ficam “martelando” que a teoria da evolução de Darwin explica toda a complexidade dos seres vivos, e que todos os cientistas estão de acordo com ela, e que os que não estão de acordo são retrógrados.

Mas, isso não é verdade. Hoje em dia muitos cientistas se dão conta que, depois que foi aberta a “caixa preta de Darwin” – a célula – e descoberta a tremenda complexidade que ela contem, a teoria darwinista que tentava explicar as grandes transformações dos seres vivos através de “numerosas, sucessivas e ligeiras modificações” foi posta em séria dúvida e não é mais assim tão digna de temor reverencial.

O leitor pode encontrar mais sobre micro e macro-evolução no endereço Discovery


4 – Evolução sim, evolucionismo não


“Nós não somos o produto casual e sem sentido da evolução. Cada um de nós é um fruto de um pensamento de Deus. Cada um de nós é querido, cada um é amado, cada um é necessário”.

Esta afirmação o Papa fez na homilia do início do seu pontificado, em 24 de abril de 2005. É uma crítica aos cientistas que tentam baralhar as coisas, saltando do campo científico para o campo da filosofia e da religião. É necessário fazer distinção entre evolução e evolucionismo, que não são a mesma coisa. A evolução pode ser considerada uma teoria científica, baseada em fatos. O evolucionismo, ao contrário, é baseado em conjecturas e invade o campo da filosofia ou da ideologia quando nega o finalismo e admite que tudo é produto do acaso. Os adeptos do evolucionismo afirmam isto sem ter apoio científico, sem nenhuma prova com base em fatos concretos. Por isso é que se diz que é filosofia e não ciência. Tal evolucionismo não é sustentável nem como verdade científica nem como conseqüência necessária da teoria da evolução.

Bento XVI mostra uma grande preocupação com essa filosofia e afirma que o evolucionismo darwinista (como ideologia) promove o positivismo científico, que ensina que só a experiência e o método científico podem produzir certeza e, conseqüentemente, que a religião, se sobreviver, só servirá para uma consolação subjetiva e emocional diante da indiferença fria do universo. Em resposta, o Papa argumenta que o Cristianismo confia em verdades mais profundas, que estão além da simples observação empírica. A principal dessas verdades é que a vida não acontece ao acaso, mas tem propósito. Neste sentido, ele acredita num “projeto inteligente” do Criador.

O Papa disse: “Nós não somos o produto casual e sem sentido da evolução”. Esta afirmação não agrada aos cientistas materialistas e ateus, os quais afirmam com veemência que “nós somos”. No livro Evolution after Darwin, Julian Huxley mostra como o darwinismo se impõe e deve tornar-se o fundamento do relativismo moderno:

No pensamento evolucionista não há lugar para seres sobrenaturais (espirituais) capazes de afetar o curso dos acontecimentos humanos, nem há necessidades deles. A terra não foi criada, formou-se por evolução. O corpo humano, a mente, a alma e tudo o que se produziu, incluindo as leis, a moral, as religiões, os deuses, etc., é inteiramente resultado da evolução, mediante a seleção natural.

Afirmações desse tipo mostram que o evolucionismo pretende ser o dogma fundamental do relativismo moderno. Os que depositam fé nesse dogma podem ser levados a dar declarações despudoradas como esta de Richard Lewontin, um eminente geneticista da Universidade de Harvard e ardoroso defensor do evolucionismo:

Somos forçados, por nossa prévia adesão à concepção materialista do universo, a criar um aparato de investigação e um conjunto de conceitos que produzam explicações materialistas, não importa quão contraditórias, quão enganosas e quão mitificadas para os não iniciados. Além disso, para nós o materialismo é absoluto, não podemos permitir que o “Pé Divino” entre por nossa porta.

Lewontin diz também que o evolucionismo não é propriamente uma ciência, mas uma ideologia, um conjunto de idéias às quais a realidade deve se adaptar. Em outras palavras, a realidade em si não importa, o que importa é a ideologia. O Papa e o magistério da Igreja, pelo contrário, querem que a ciência seja “científica” (empírica) e não ideológica nem filosófica.

O paleontólogo jesuíta Teilhard de Chardin parece também ter se contaminado com o evolucionismo, quando diz que tudo deve girar em torno dele. No seu livro “O Fenômeno Humano” ele faz a pergunta: “A evolução é uma teoria, um sistema, ou uma hipótese?”. E responde:

É muito mais do que isso. É uma condição geral à qual se devem dobrar todas as teorias, todas as hipóteses, todos os sistemas; uma condição à qual (tudo isso) deve prestar satisfação, doravante, para que possa ser tomado em consideração e para que possa ser considerado certo.

Por isso, muitos vêem no evolucionismo (como ideologia) uma das causas do relativismo triunfante dos tempos modernos, segundo o qual não existe nem verdade, nem moral, nem religião, tudo é relativo, tudo em evolução. Tudo gira em redor do evolucionismo que seria, então, o dogma básico. E aí está uma contradição: tudo é relativo, exceto o evolucionismo que é absoluto.


5 – Uma evolução teísta


O católico pode admitir uma “evolução teísta”, isto é, aquela que afirma que a fé e a explicação evolucionista da origem do corpo do homem não estão em conflito, mas que é exigida a intervenção de Deus para explicar a origem do componente espiritual do homem.

A ciência pode investigar legitimamente a origem do corpo do homem como proveniente da evolução de algum animal preexistente. Os católicos são livres para formar as suas próprias opiniões a esse respeito; mas devem ser prudentes e cautelosos, sem confundir fato com conjectura, e devem respeitar o direito da Igreja de definir os assuntos referentes à Revelação. Porém, devem acreditar que a alma humana foi criada imediatamente por Deus, considerando que a alma é uma substância espiritual que não pode provir da matéria por evolução.

Os católicos podem também admitir a idéia do “ancestral comum”, que afirma que todos os seres descendem de um único ser vivo primordial. Bento XVI, quando ainda era o cardeal Ratzinger, presidiu a Comissão Teológica Internacional, que estabeleceu o seguinte: “Uma vez que se demonstrou que todos os organismos na terra são relacionados entre si geneticamente, é virtualmente certo que todos os organismos vivos descendem de um único primeiro organismo”. A origem comum de todos os seres não é problema. O que a Igreja não aceita é a idéia de que todos os seres são produtos de uma criação cega, ao acaso e sem sentido. A Igreja não aceita isto, porque seria o mesmo que admitir o ateísmo.


6 – A predominância do mais forte


Uma ética evolutiva que inevitavelmente toma como seu conceito fundamental o modelo de seletividade, quer dizer, a luta pela sobrevivência, a vitória do mais forte, a adaptação bem sucedida, tem pouco conforto para oferecer

A afirmação acima foi feita pelo Papa em “Verdade e Tolerância”. Como vimos em evolucionismo darwinista, o darwinismo está baseado na lei da seleção natural: quando aparece em algum indivíduo uma mutação vantajosa, os seus descendentes que nascem com essa vantagem são mais fortes e sobrepõem-se aos demais, que tendem a desaparecer do mapa da vida. Sobre essa idéia da predominância do mais forte o Papa faz uma ressalva:

Mesmo quando as pessoas tentam de vários modos tornar essa idéia (do darwinismo) mais atraente, permanece no final das contas uma ética sanguinária… Isso não traz nenhuma ajuda no sentido de se ter uma ética de paz universal, de amor prático ao próximo e da superação necessária de si mesmo, que é o de que nós precisamos.

Alguns historiadores acham que a idéia da predominância do mais forte sugerida pelo darwinismo foi o que influenciou Adolph Hitler na sua demente aventura de tornar o povo alemão o mais forte e o dominador de todos os outros povos (Deutchland über Alles), aventura que culminou na sanguinária segunda guerra mundial.

A teoria do mais forte também levou ao racismo que dominou e ainda domina o modo de pensar e de agir de povos e de muitas pessoas. No livro “Darwin e a evolução”, Gilles Lepouge afirma: “Na verdade, Darwin traz em si boa parte das teorias racistas, se bem que ele tenha sido completamente avesso a qualquer espécie de racismo… O darwinismo, há um século, serve de justificativa teórica a muitos pensamentos racistas e elitistas”.

O próprio primo de Darwin, Galton, que era biólogo, propôs que a sociedade, através da aplicação de métodos científicos, fizesse “com previdência, rapidez e benevolência, aquilo que a natureza faz cega, lenta e impiedosamente”. Ele pretendia, justamente graças ao darwinismo, estender ao homem as leis do reino animal, o que faria da biologia a única verdadeira ciência do homem.

Outra conseqüência do princípio da dominância do mais forte é a teoria da eugenia, que foi bastante difundida no início do século XX. Principalmente na Europa e nos Estados Unidos, a eugenia foi praticada para esterilizar milhares de pessoas loucas, doentes ou indigentes. Ao todo foram 375.000 esterilizações na Alemanha nazista, e – pasmem – 30.000 nos Estados Unidos, entre 1927 e 1972, segundo pesquisa da Fundação F. Engels.

O prêmio Nobel de medicina de 1960, MacFarlane, chegou mesmo a defender a tese de que os progressos da medicina impedem que a natureza selecione as espécies, permitindo a sobrevivência dos fracos. E acusa o espírito democrático de dificultar a eliminação dos inferiores. E conclui que “esta repressão da função de triagem própria da seleção natural deve levar a um acúmulo de indivíduos que podemos chamar inferiores, de acordo com as normas correntes relativas à saúde, inteligência e agressividade”.

A história do século XX mostra que as filosofias baseadas no evolucionismo ideológico, tais como o nazismo, a eugenia, o comunismo, o darwinismo social, causaram os piores e mais desastrados comportamentos humanos em toda a história da humanidade.


7 – Concluindo


A teoria da evolução parece ser um dos temas preferidos de Joseph Ratzinger, desde o tempo em que era cardeal, como também agora como Papa. Ele não vê dificuldade em admitir que a diversidade de vida na terra possa ser explicada pela teoria da evolução darwiniana, ao menos no que se refere à micro-evolução. Mas, a teoria não explica tudo sobre a vida. O espírito humano não pode se originar da matéria por evolução. Por isso, é necessário admitir a intervenção divina.

Essa doutrina é geralmente conhecida como “evolução teísta”. Pode-se dizer que é a teoria seguida por Bento XVI, pois ele admite que a mão de Deus opera através da evolução e, ocasionalmente, em paralelo com a evolução. Por isso, o conceito de criação não se opõe ao de evolução. Ele não se diz diretamente adepto da teoria do Projeto Inteligente – que afirma que algum projetista inteligente age em lugar da evolução – embora mostre simpatia por essa teoria.

Mas, a grande preocupação do Papa está na tentativa de certos cientistas de querer explicar tudo pela evolução, inclusive as questões filosóficas, sociais e religiosas, fazendo da evolução o centro de tudo. Ele vê nisto um grande perigo para a fé e a moral, e insiste na convicção fundamental da fé cristã: “In principio erat Verbum – no começo de todas as coisas está o poder criativo da razão”.

O Papa não deseja repetir o caso de Galileu. Ele quer que tanto o cientista como o teólogo sigam tranqüilamente nas pesquisas, cada um em seu campo específico, sem ter medo um ao outro, pois as verdades (verdadeiras) da ciência e as verdades (verdadeiras) da fé nunca se contradizem. Por outro lado, não quer se render a Auguste Comte, que no século XIX anunciava a chegada de uma “física do homem” que tornaria a religião obsoleta.

Augusto Pasquoto: josemary@terra.com.br

Fonte:  Bendo 16 não é defensor do projeto inteligente, mas tem simpatia …


O Livro da capa Preta . PPT

Confissões de Fé de grandes Cientistas.PPT


Leia a Bíblia NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120 Miguél Arcanjo


Um Charles Darwin arrependido.


O ultimo desejo de Charles Darwin.


Relato sobre os últimos dias de vida de Charles Darwin, principal autor da Teoria da Evolução, transcrito do livro Evidências de Um Criador, de Abraão de Almeida, CPAD, 1986, págs. 71-74.

Certamente, sentindo o peso das conseqüências de suas opiniões, tanto no mundo científico como religioso, o professor Darwin, nos últimos anos de sua tumultuada existência (ele faleceu em 1882, com a idade de 73 anos), revelou-se pesaroso pelo que fizeram de seus escritos. Uma conhecida cristã de Northfield, de nome Lady Hope, que visitou Darwin nessa ocasião, relatou o seguinte:


Green Park - Outono em Londres - Inglaterra

Green Park – Outono em Londres – Inglaterra


“Num belo dia de outono, dos que raramente se experimentaram na Inglaterra, fui convidada a visitar o doutor Darwin, que durante os seus últimos anos passava os dias na cama. Quando entrei no seu quarto, um sorriso acolhedor iluminou o seu rosto, ao mesmo tempo que com uma das mãos indicava a paisagem que, através da janela aberta, se podia contemplar. Na outra mão segurava uma Bíblia aberta.

– ‘O que está lendo, senhor professor?’ – perguntei-lhe, enquanto assentava ao pé da cama.

– ‘A Epístola aos Hebreus’, respondeu o sábio. ‘Mais uma vez a Epístola aos Hebreus. Chamo-lhe um livro divino. Não é maravilhoso?’

“Em seguida indicou-me o que acabara de ler, e explicou-me. Aproveitei para fazer referência a respeito da criação e dos primeiros capítulos de Gênesis. Notei que ficou mal impressionado e várias vezes passou a mão sobre a cabeça, dizendo por fim:

– ‘Eu era ainda muito novo naquele tempo e tinha algumas idéias mal formadas, que participei a outros. Para minha grande surpresa, essas idéias pegaram e os homens fizeram delas uma espécie de religião‘.

“Darwin parou um pouco para pensar e depois continuou suavemente, proferindo palavras acerca da glória de Deus e das grandezas do livro que segurava entre as mãos. De repente, disse-me:

– ‘Tenho uma pequena casa no parque onde se podem alojar umas trinta pessoas. Gostaria que fizesse um culto ali. Sei que tem o costume de ler a Bíblia para o povo nas aldeias que visita ao redor. Amanhã à tardinha vou convocar os criados para um culto naquela casa, juntamente com alguns vizinhos, para que lhes fale!’

– ‘De que lhes falarei?’ – perguntei.

– ‘De Jesus Cristo’ – respondeu Darwin com voz firme – ‘e da sua salvação’ – continuou, baixando a voz. – ‘Não é o melhor assunto que se pode escolher?’ E ao mesmo tempo tem que cantar alguns hinos com eles’.

“Jamais poderei esquecer o brilho do seu rosto enquanto proferia estas palavras. E continuou:

– ‘Se quiser, poderemos ter o culto às 15 horas, e eu vou Ter a janela aberta para poder cantar convosco’.

“Como eu desejava Ter um retrato do velho sábio e da linda paisagem nesse dia memorável!”

Vários outros autores têm feito referência a essa significativa ocorrência na vida do ilustre professor Darwin. O escritor H. P. de Castro Lobo menciona o livro “Evolution or Creation”, do professor H. Enoch, que circula na Inglaterra desde 1968, onde são confirmados os fatos por mim já referidos.


Charles Darwin- 200 anos


Fonte : http://www.ebdweb.com.br/licoes/licao6_2001.htm


MILAGRE DE LANCIANO

Charles Darwin, Duzentos anos.



O criador da teoria sobre a evolução jamais será esquecido, mesmo que sua teoria seja totalmente baseada em hipóteses e suposições.



Charles Darwin- 200 anos


Ele completa 200 anos de nascimento e podemos dizer que suas teorias evoluíram muito mais rápido do que ele poderia ter imaginado, muitas de suas hipóteses foram comprovadas mas muitas delas permanecem somente uma teoria não comprovada, outras até regrediram e foram descartadas.

Dizia ele; todas as espécies existentes no planeta evoluíram a partir de uma única espécie inicial que com o tempo foram ocorrendo adaptações, mutações e a famosa seleção natural que acabou nos entregando hoje a enorme biodiversidade que encontramos neste planeta.


Teoria da evolução do Humana.


Assim como Deus não explica na Bíblia como Ele teria criado o mundo, Charles Darwin também não conseguiu explicar como as complexas e diferentes espécies conseguiram evoluir a partir de uma única espécie bem mais simplificada.

Com o estudo do código genético, sabemos hoje que cada espécie é distinta uma da outra,  principalmente pelo seu código genético que difere em tamanho e complexidade, sendo que toda aparência física e funcionamento do corpo é proveniente da função predeterminada de cada gene em seu determinado local.

A complexidade do funcionamento deste sistema vital é tão grande que; perderíamos muito tempo explicando e mal conseguiríamos entender o básico, mas vamos fazer um resumo como Moisés fez na Bíblia.

Cada código genético é como se fosse um programa básico do ser que será formado a partir dele, em cada célula do corpo encontra-se presente o mesmo código que seria único como uma impressão digital.

Já seria difícil entender como um ser se forma a partir de apenas um programa básico, mais difícil ainda, seria saber porque ele se juntaria a outro código trocando partes entre si e formando um terceiro código totalmente diferente e também único.

O segredo da vida e da perpetuação da espécie está aí, nenhum cientista sabe como ou porque isto acontece de maneira tão misteriosa.

Podemos criar hipóteses e teorias a respeito da vida e até como ela se desenvolveu, nada disso entra em choque com o que Deus revelou em sua palavra, porque a palavra não explica como Deus fez e nem quanto tempo “em dias terrestres” Ele gastou para executar a sua obra.

Isto não era essencial para a nossa compreensão de uma verdade imutável, Deus criou todas as coisas e sem Ele nada se fez, nem se fará, porque sem Ele nada É, nada existe.

Charles Darwin manipulou suas provas para lançar sua teoria,  na época não foi aceita nem mesmo com as provas forjadas, mas hoje a tendência não é apenas aceitar uma hipótese como se fosse verdade, mas obrigar todos a acreditar nela e se submeter a seus efeitos nocivos dentro da sociedade.

Partindo do princípio que as espécies se iniciaram por um mero acaso neste planeta e depois evoluíram casualmente sem auxílio de ninguém, apenas por uma mera seleção natural durante milhares de anos chegaram a incrível dedução de que Deus nunca existiu e que portanto devemos afastar as pessoas da religião porque ela estaria limitando o desenvolvimento humano.

Sabemos que o acaso ou a casualidade mesmo com mutações freqüentes jamais formaria um código genético como um programa perfeito.

Explicando melhor, um disco rígido de computador desprovido de sistema inicial jamais criaria o seu próprio sistema de funcionamento sem o auxílio de um programador externo.

Após ter sido programado por alguém, ele até poderia por si mesmo criar algo que já fora preestabelecido.

É impossível observar a natureza e achar que ela foi apenas uma obra que apareceu ao acaso, é impossível contemplar o mundo que Deus nos deu e achar que Ele nunca existiu sendo que até podemos senti-lo em sua obra porque sem Ele tudo se dissiparia como fumaça.

Somos muito mais que um simples descendente de primata, fomos criados a imagem e semelhança de Deus e esta imagem e semelhança não seria apenas a matéria exterior ou visível que pode ser apalpada, mensurada ou pesada na balança.     Esta semelhança está em nosso espírito que não pode ser visto ou ouvido, mas que sem ele não existiria a vida que impulsiona e movimenta esta máquina feita meramente apenas de água e pó.



Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e pó te hás de tornar.” (Gênesis 3,19)

COM A TEORIA DE DARWIN MUITAS PESSOAS REGREDIRAM SUA SABEDORIA E MENOSPREZARAM SUAS CAPACIDADES POR SE ACHAREM SEMELHANTES AOS ANCESTRAIS PRIMATAS

É A FAMOSA INVOLUÇÃO.

https://i0.wp.com/www.cocadaboa.com/imagens/de_evolucao.jpg


A SETA VERMELHA REPRESENTA O ELO PERDIDO

O SER INTERMEDIÁRIO ENTRE O PASSADO E O HOMEM ATUAL

MAIS RECENTE E JAMAIS ENCONTRADO.

O Homem de Neandertal e o Homo Sapiens conviveram mais de 10.000 anos paralelamente e ao mesmo tempo em todo território Europeu a 30.000 anos atras.



https://i0.wp.com/www.ebdweb.com.br/imagens/evol.jpg


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/aguia.jpg


.

Desenvolvimento não é sinônimo de Evolução !!!

Nos ultimos anos a Espanha tem experimentado um desenvolvimento surpreendente, mas a evolução dos relacionamentos humanos nem sempre acompanham a arte externa e visível de uma civilização.

O texto abaixo foi escrito por um Brasileiro em terras Espanholas.

Saudades do Brasil ?

Quem não as teria ?

Mas o texto vai um pouco mais além. Expressa a opinião sinsera de quase todos aqueles que saem de nossa pátria buscando uma vida melhor mas perdem em amor, amizade e muito calor humano.

.

desenvolvidos

Desenvolvidos y desarrollados…?

Pe. Françoá Costa,
sacerdote do clero secular
da Diocese de Anápolis,
27/11/2008

Estou na Espanha desde o ano passado. Ao ver o nível de vida dos “espanhóis” (entre aspas porque há muito nacionalismo e alguns não gostam de ser chamados espanhóis), o inverno gélido e o verão ensolarado, a seriedade dos “espanhóis”. Ao observar também a serena alegria de alguns, a defesa – às vezes exagerada – de direitos (cada um quer ter o seu), o governo da Espanha, seus hospitais, os costumes “modernos” dos seus jovens, a discordância em quase todos os temas, etc. Como não pensar no meu país, o Brasil, que parece estar constantemente com os olhos postos nos chamados países “desenvolvidos” e procurando imitá-los?

Há muita coisa boa na Espanha: terra de grandes heróis, indomáveis conquistadores, um patrimônio artístico mais que considerável, uma plêiade de homens e mulheres no catálogo dos santos, gente de valor, entre outras coisas.

Há algum problema em imitar os países “desenvolvidos”? Nenhum. Em princípio, nenhum. O leitor deve ter observando que até agora não dispensei as aspas da palavra “desenvolvido” (desarrollado, em espanhol ou castelhano). A partir de agora peço dispensa delas. O que se entende  quando dizemos que tal o qual país é desenvolvido? Talvez à primeira vista pensaríamos na técnica e nas várias possibilidades no campo da saúde e da educação. Pensando um pouco mais, não tardaríamos em dizer que um país desenvolvido também é aquele que deixa de lado determinados tabus “medievais”, pelo menos tendo como modelo de desenvolvidos países como Estados Unidos, França, Espanha etc.

catedral madrid por hilaris.

Talvez alguém já ouviu falar que na Espanha já é possível que um homem se “case” com outro ou que uma mulher se case com outra, de que uma pessoa pode trocar de sexo se não gosta de ser homem (ou mulher). O governo socialista espanhol está com um plano para aumentar as possibilidades de uma mulher “interromper a gravidez” (= abortar). Talvez eu perderia tempo em dizer que os métodos anticoncepcionais, as experiências com células tronco (donde se matam vidas humanas!), e a blasfêmia, entre outras coisas, têm carta de liberdade neste ambiente.

O que é um país desenvolvido, então? O Brasil, através do seu governo quer desenvolver-se também. É justo! No entanto, gostaria de perguntar se queremos desenvolver-nos para cima, aumentando nossa capacidade de raciocínio, ou para baixo,  aumentando a nossa cauda. Explico-me sem querer fazer nenhuma crítica à teoria da evolução, que me parece bastante razoável: dizem por aí que o homem veio do macaco, ou melhor, que entre o homem e os macacos há um elo comum. Será que queremos desenvolver-nos rumo ao homem de neanderthal? É preciso ter cuidado! Não aconteça que desenvolvamos novamente todas as forças “macacais” que levamos dentro, todos os instintos animais expostos e, ao mesmo tempo, cobertos apenas com os nossos próprios pêlos, “felizes”… como os macacos. Que pena seria se terminássemos num zoológico,  mas… quem nos veria? Quem nos admiraria? Pelo menos um Deus ofendido vendo como conseguimos rebaixar a sua imagem em nós.

Conta-se de um filósofo que andava pelo mundo buscando um homem. Penso que o nosso filósofo encontraria vários na sociedade atual: na Espanha, no Brasil e em todas as partes. Não deixa de ser verdade que tais homens em alguns momentos não querem identificar-se, já que poderia dar a impressão de que mostrar os verdadeiros valores humanos seria antiquado nos tempos atuais, tratar-se-iam de costumes “medievais”. Deixando a parte o fato de que muitos nem conhecem os grandes valores dos medievais – seu sentido de honra, de lealdade, de justiça e de amor ao próximo -, é preciso dizer que esses valores tipicamente humanos não podem ser privilégios apenas do homo sapiens medieval.

Escrevi há algum tempo um artigo sobre a santa rebeldia no qual convocava os jovens para formarmos um “clube de rebeldes”, de pessoas que pensam livremente, que não sejam “Maria vai com as outras”, jovens de convicção: fortes, alegres e otimistas. A novidade do texto que o leitor tem diante dos olhos é que eu acho que agora necessitamos não só de jovens santamente rebeldes – que vivam a pureza, a cordura, o pudor, bem educados e cheios do amor de Deus -, mas necessitamos também de velhinhos e velhinhas santamente rebeldes. Necessitamos de senhoras e senhores que formem também seu clube de santa rebeldia, de deputados no Congresso Nacional que mande os pró-aborto “fritar batatinhas” (porque estamos com o saco cheio – desculpem! – desses senhores de terno e gravata empenhados em defender a morte do ser humano e, conseqüentemente, a desvalorização da imagem de Deus na pessoa humana), de políticos honrados e santamente rebeldes dispostos a defender o bem comum, os direitos do ser humano – sem esquecer seus deveres -, e os direitos de Deus. O Brasil é terra de Santa Cruz, do Santíssimo Sacramento e de Nossa Senhora Aparecida, de pessoas agradáveis, que sabem sorrir, que sabem levar os problemas com simplicidade e, diria também, com elegância. Há alguns, no entanto, empenhados a que voltemos a comer seres humanos e a que façamos sacrifícios sanguinários à nossa covardia e ao nosso capricho. Chega!

Não terminei ainda! É necessário também sacerdotes que sejam santamente rebeldes, homens cheios de fé e do Espírito Santo, que não se envergonhem de “dar a cara” por Jesus Cristo e por sua Igreja Santa, que não tenham medo de ser “impopulares” porque anunciam sem tirar uma vírgula a doutrina santa de Jesus Cristo (na fé e na moral, também naqueles temas mais polêmicos),  ainda que… custe a própria vida. Dizia um homem muito santo que devemos ser pessoas que não nos façamos chamar católicos quando ser católico está de moda (com palavras de Cristo: “fazer as boas obras em segredo”) e “dar a cara”, sair do anonimato, quando ser católico é difícil (com palavras de Cristo: “que vendo as vossas boas obras glorifiquem o Pai celeste”).

Nos tempos atuais a moda não é chamar-se católico, vale para o Brasil também; não está de moda ser fiel leigo, fiel religioso, fielfiéis a Deus no Congresso Nacional, outros fiéis na política dos partidos, outros fiéis nas empresas, outros fiéis na agricultura, outros fiéis no comércio, outros fiéis…  a lista não acaba facilmente: que os cristãos estejam em todas as partes e que saiam de seu anonimato quando necessário. sacerdote. FIEL! É isso que o mundo precisa: uns quantos

Parece-me que o Brasil poderia ser desenvolvido marcando uma nova etapa no panorama internacional. Que pena que não queremos destacar-nos em nada! Que pena que sejamos uns meros imitadores de outros países! Que pena que há pessoas tão empenhadas, “religiosamente” empenhadas, em ir contra Deus, contra a Igreja, contra o ser humano! Você quer um Brasil desenvolvido? Eu também. A fé e a razão, a religião e a ciência, a oração e a ação, não precisam entrar em luta no cenário da nossa vida. Podem ir juntas, cada uma respeitando seu campo próprio e dando-se as mãos, sem exclusões. Não! Não estou defendendo a união política da Cruz e da espada, do Altar e do trono. No entanto, um desenvolvimento que pretenda colocar a Deus dentro das nossas igrejas e encarcerá-lo, sem permitir que ele “incomode” nas ruas e na vida pública, seria simplesmente inumano e uma ofensa ao Criador. Deus tem a primazia sobre o homem, a ética sobre a técnica e a estética, e a fé é mais preciosa que a vida. Finalmente, seremos verdadeiramente desenvolvidos, em todos os sentidos.

Deus abençoe a todos aqueles políticos que lutam pela vida. No entanto, é preciso trabalhar muito para que, como diz o meu irmão de presbitério, Pe. Luis Carlos Lodi, a maldição do aborto não entre no Brasil. Coragem!

Desenvolvidos y desarrollados ¡muy bien!

Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa,
sacerdote do clero secular
da Diocese de Anápolis,
27/11/2008


Plaza De Las Ventas (26) por DiogoCataPreta.com.br.

México Urgente !

Em preparação para o Natal no México, a playboy publicou um grande desrespeito a Virgem de Guadalupe, a Igreja Católica e ao próprio Deus.

Desvestindo uma linda mulher a proclamaram “bem aventurada sobre todas as outras mulheres” por sua explêndida formosura, usando textos bíblicos editaram elogios de adoração a uma simples criatura humana, convocando os seus leitores a um verdadeiro culto de idolatria neste Natal…

“Foi publicado neste Blog um fato ocorrido na Venezuela em fevereiro de 2007”

Qual é o Mistério dos Olhos Da Virgem de Quadalupe?

Nesta publicação relatamos um fato ocorrido durante a entronização de uma réplica da Imagem original da Virgem de Guadalupe na cidade de Coro na Venezuela, nesta ocasião um fotografo que tirava fotos do evento, percebeu ao revelá-las que em suas fotos Maria aparecia olhando diretamente para ele, enquanto que em outras fotos ela olhava para baixo como na Imagem original.

O fotografo ficou com um grilinho em seu coração tentando desvendar o que a Virgem de Guadalupe quiz lhe dizer com esta atitude incomum.

O QUE E PORQUE ?

Agora a Playboy Mexicana resolveu provocar os Católicos que são 89% da população do México, a edição de dezembro traz uma modelo de nome “Maria” e usando apenas um manto sobre a cabeça mal cobrindo lhe partes do corpo, a compararam com a mãe de Jesus “Maria Santíssima”, usando os dizeres para a seguinte manchete “Te adoramos, Maria”.

Somente as fotos já seriam uma afronta à Religião Católica, com a Manchete tornou-se uma afronta ao próprio Deus, porque é uma convocação ao culto de “idolatria” da imagem humana, como se a modelo fosse uma deusa, ou se na verdade estivessem realmente dizendo que a beleza humana reinará absolutamente da Virgem de Guadalupe que é tão respeitada naquele país.

Talvez tenham tomado tal iniciativa em represália ao processo sofrido no Brasil, por ocasião da divulgação da foto de uma modelo “Carol Castro” com um “Terço nas mãos”, neste processo as revistas masculinas foram definitivamente proibidas de usar qualquer tipo de imagem que lembra o culto religioso, uma vez que tais revistas nada mais são que um culto ao pecado e conseguentemente vão na contra mão da evangelização.

Na Inglaterra, um dicionário retirou diversos verbetes relacionados a palavras religiosas, incluindo a palavra “MINISTRO” que também indentificaria o próprio governate inglês, ficando claro que a retirada destas palavras do dicionário é uma tentativa de apagar o Cristianismo da memória popular, impondo no futuro um govêrno totalmente fora dos princípios Cristãos.    Estes fatos estão ocorrendo por todo o mundo e fazem parte de uma combinação orquestrada entre os governantes dos países mais desenvolvidos dizendo que a religião retarda o desenvolvimento do homem, mas na verdade é o contrário,  “A Igreja salva o homem de si mesmo”, que quer apenas retirar a dignidade humana nos tornando apenas um numero no computador, podendo ser deletado e eliminado com um simples apertar de botão sem ter que prestar contas a ninguém, nem mesmo a Deus.

Começam dizendo que somos descendentes do “macaco”  e que portanto não existe esta tal de “Semelhança Divina” que deve ser preservada acima de tudo, justificando assim manobras na lei que desrespeitam a vida humana, por sermos meros descendentes de animais, desprovidos de alma ou espírito até depois do nascimento, o pior é que muita gente aceita esta situação e acaba se rebaixando a um simples comportamento animal sem nenhum raciocínio humano, um deles é justamente acreditar em todas estas mentiras que nos contam a respeito da “TEORIA DO EVOLUCIONISMO”, lembre-se, “TEORIA” não é uma verdade comprovada, são apenas suposições que não conseguem nem explicar porque uma pessoa esta viva.    Viver é diferente de se mexer, muitos se mexem mais não estão vivos, um robô por exemplo pode se mexer, mas é ligado ou desligado de acôrdo com a vontade de seu constrolador.

Você por acaso saberia dizer quem é aquele que te controla ?

Quem pode dar a vida ou tirá-la quando bem entender ?

Um assassino pode tirar-lhe a vida sem querer, mas poderá dar lhe a vida mesmo querendo ?

O govêrno da inglaterra tem o direito de controlar as nossas vidas ?

Pois é o que pretendem !

Enquanto alguns apagam as palavras relacionadas a Igreja, outros denigrem a Imagem da Igreja expondo uma mulher nua com um pano sobre a cabeça como se se isso a tornasse semelhante à Virgem Maria, e o pior de tudo, ainda usam uma frase que insita à “IDOLATRIA” do pecado, adorando a imagem de uma pessoa humana.   Sei que estes homens que não leem dicinário, não sabem realmente o que significa aquilo que escreveram e saberão cada vez menos porque os Ingleses apagaram também esta palavra de seu dicionário.

Podemos perceber que o objetivo desta atitude é realmente polemizar, levando a Igreja a tomar atidudes drásticas como foram tomadas no Brasil, para que depois  possam acusar a Igreja de ser retrograda e reacionária, cheia de tabus que retardam o desenvolvimento e não permitem o livre arbítrio, justificando assim mudanças na lei para limitar a atuação da Igreja nos diversos serviços prestados à sociedade de hoje e do futuro.

Eu não vou colocar aqui um Link para a página que comprova o que eu afirmei, justamente porque este é o objetivo de nossos provocadores, chamar a atenção dos nossos olhares ganhando uma propaganda gratuita aos seus produtos pecaminosos, antes mesmo de publicar este post já encontrei os resultados das vendas da primeira edição da revista, fizeram a seguinte observação, “a revista vendeu como se tivesse uma celebridade na capa, isto porque a modelo escolhida era uma desconhecida”, mas a manchete usou o nome da Mãe de Jesus e não o dela próprio apesar de serem homônimas.

Deixarei aqui apenas uma parte da foto que comprova o grande pecado cometido por vários homens que não sabem o que fazem.

maria-play

Tais pessoas não respeitam a Igreja, não respeitam a Justiça, não respeitam a família e nem a dignidade de um homem que age compulsivamente como um animal pensando somente em sexo ao comprar uma de suas revistas, assim eles pensam que estão no controle de todos, porque todos são pecadores e não ousarão atirar a primeira pedra naqueles que provocam o pecado.

Voltemos ao tema inicial, usando apenas flores do campo embrulhadas  no manto  de Juam Diego, Maria formou uma imagem perfeita como uma fotografia de si mesma, que até hoje não se sabe como ela se projeta em nossos olhos já que não existe nenhum tipo de pigmento naquele pano. Quinhentos anos se passaram e a imagem continua lá, intacta e perfeita. Será que esta nova imagem proposta pelos homens irá permanecer por pelo menos 20 anos?

Maria não se ofereceu como Deusa para ser adorada, mas sim como Mãe que acolhe o pequenino e sofredor para resgatá-lo e conduzí-lo até seu filho Jesus que é o único verdadeiramente digno de todo louvor e toda adoração.