Dia dos avós.




Dia dos avós – 26 de julho


Dia-dos-avós-desenho[1]


26 de julho, comemora-se o Dia dos Avôs e Avós. E esse dia foi escolhido para a comemoração porque é o dia de Santa Ana e São Joaquim, pais de Maria e avós de Jesus Cristo.

A data da festa de São Joaquim sofreu várias alterações ao longo dos tempos. Inicialmente era celebrada no dia 20 de março, associada à de São José, tendo sido depois transferida para o dia 16 de agosto, para associar-lhe ao triunfo da filha na celebração da Assunção, no dia precedente.

Em 1879, o papa Leão XIII, cujo nome de batismo era Gioacchino (versão italiana de Joaquim), estendeu sua festa a toda Igreja. Finalmente, o Papa Paulo VI associou num único dia, 26 de julho, a celebração dos pais de Maria Santíssima.


fonte: www.amiguinhosdedeus.com





SÃO JOAQUIM E SANT’ANA


 postal-santos-joaquim-e-ana_tia-Adelita[1]

Os avós queridos de Jesus

Eles se chamavam Joaquim e Ana. Ana, ou “Hannâ” em hebraico, que significa “graça”. Ela pertencia à família do sacerdote Aarão.Joaquim, “Yônâkhîr”, em hebraico significa “Deus prepara”, ele pertencia à família real de Davi.

Tem um livro que não está na Bíblia, muito antigo e dizem que foi São Tiago quem escreveu, com essa linda história:

Os dois moravam em Jerusalém, ao lado da piscina de Betesda, onde hoje se ergue a Basílica de Santana. São Joaquim e Santa Ana não tinham filhos e já eram idosos. Mesmo assim, Joaquim não desistia de pedir um filho para Deus, pois sabia que Ele pode tudo. Um dia, retirou-se ao deserto para rezar e fazer penitência por essa intenção. Ali, um anjo do Senhor lhe apareceu, dizendo que Deus havia ouvido suas preces. Algum tempo depois, Ana ficou grávida. Nasceu uma menina a quem chamaram Maria, “Miriam” em hebraico, que significa “Senhora da Luz”. E quem é essa menina? Nada mais, nada menos que… Tharááám: a Mãe de Jesus!

Olha que lindo o que o Papa Francisco falou sobre os avós no Angelus, aqui no Brasil na Jornada da juventude…


blog.cancaonova.com/amigosdoceu



santana-lk dia-idoso-1024x1024[1]


MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO AOS AVÓS E IDOSOS



Mães nunca Morrem.


Velha Rabugenta

Mensagem em Power Point


O Aborto é um problema de saúde.



Mulheres que abortam têm mais chances de ter problema mental

Saúde – Terra


Mulher com medo

Estudo concluiu que o aborto pode aumentar em 155% as chances de a mulher cometer suicídio Foto: Getty Images




O Aborto é prejudicial

à saúde da Mulher conclui estudo médico.

Como já dizia uma certa presidenta:

O Aborto é um problema de Saúde.

só que ele que é a causa e não a solução.


Mulheres que fazem abortos têm quase o dobro de risco de desenvolver problemas mentais em comparação com as demais pessoas, segundo estudo. A pesquisa descobriu que o aborto afeta a saúde mental e pode causar ansiedade, depressão, alcoolismo, abuso de drogas e suicídio. As informações são do Daily Mail.

O estudo foi baseado em uma análise de 22 projetos separados que avaliaram as experiências de 877 mil mulheres, das quais 163,831 tinham abortado. Os resultados apontaram que mulheres que se submeteram ao aborto tiveram um risco 81% maior de problemas de saúde mental e quase 10% das doenças mentais mostraram ligação direta com o ato.

A pesquisa concluiu que o aborto estava relacionado a 34% de aumento de chances de transtornos de ansiedade, 37% de depressão, 110% de aumento de risco do abuso do álcool, 220% do uso de maconha e 155% mais chances de suicídio.


.


(GRAÇAS A DECISÃO DE MINHA MÃE, EU ESTOU AQUI)


Mae_feliz_bebe_braços





Não caiam no

mesmo erro que eu.


Waris Dirie a Flor do Deserto.

Exemplo da luta contra a

OBLAÇÃO FEMININA


Dia do Idoso.




(01 de Outubro, dia do Idoso)


dia-idoso-1024x1024[1]


Em comemoração ao Dia Nacional do Idoso (01/10), segue um artigo direcionado a todos os idosos brasileiros: homens e mulheres; negros, brancos, pardos, indígenas e orientais; menos ou mais velhos; ativos ou dependentes; solteiros, casados, separados e viúvos!

Vocês, ao longo de suas vidas, fizeram e continuam fazendo parte da história do nosso país! Tenho certeza de que, direta ou indiretamente, esta população de idosos contribuiu com a formação moral, cívica e profissional de muitas outras pessoas, as quais aprenderam com seu exemplo de cidadãos!

Parece desnecessário falar que temos que respeitar todos esses idosos, porém, infelizmente parece que muitas pessoas esquecem este pressuposto básico. Acredito que muitos de nós aprendemos com os nossos pais a importância de se respeitar os mais velhos, porém, parece que isto tem ficado esquecido, já que muitas ações revelam o contrário. E não falo em respeitarmos apenas os idosos que já conhecemos, é nosso dever respeitar a todos eles.

Desrespeitamos um idoso cada vez que sentamos nos assentos destinados a eles nos ônibus; quando entramos nas filas destinadas a eles; sempre que excluímos um parente ou amigo idoso de uma conversa informal; quando rimos de alguma coisa que um idoso portador de demência fale ou faça; sempre que ignoramos o que o idoso fala, pensa ou sente; nas vezes em que permitimos que o idoso se isole da família e da comunidade; quando generalizamos todos como ranzinzas, chatos, rabugentos ou ultrapassados; sempre que não permitimos que o idoso participe das atividades domésticas; nas vezes em que acabamos por tratar o idoso como criança; dentre outras situações que configuram desrespeito ao idoso.

Noutras situações, bem mais graves, não estamos apenas desrespeitando, como também podemos estar violentando ou violando os direitos do idoso. Exemplo disso são a violência física (bater, empurrar, machucar, fazer movimentos bruscos, como publicado no site G1); a violência psicológica (chantagens, extorsão, xingamentos, agressão – neste mesmo link, achei pejorativo o filho referir-se ao pai como “o velho”); a negligência (como, por exemplo, a pessoa saber que um idoso está sendo vítima de violência e não denunciar o agressor, ou deixar de oferecer cuidados a um idoso que tem algum tipo de necessidade especial), dentre outras formas de violência, algumas destas passíveis de serem penalizadas, como no caso deste auxiliar de enfermagem que poderá responder criminalmente enquanto pessoa e enquanto profissional.

Respeitamos o idoso quando o reconhecemos seu papel enquanto pessoa, garantindo a ele sua dignidade, moradia, alimentação, condições de saúde e qualidade de vida. Quando respeitamos seus direitos adquiridos com o avanço da idade e cuidamos para que os outros também os respeitem. Quando respeitamos sua condição de idoso, seu estado demencial e ensinamos as crianças a fazerem o mesmo. Quando o tratamos como idoso – não como criança ou adolescente – mas enquanto um cidadão com direitos, deveres e ampla carga de experiência. Quando incluímo-nos em atividades sociais, educacionais, laborais e familiares, respeitando seu ponto de vista, dando espaço para que ele também dialogue.

E você? O que faz para demonstrar seu respeito aos idosos? Conte-nos.

Luciene C. Miranda  – Psicóloga – lucienecm@yahoo.com.br

– Veja Mais em: Cuidar de idosos

(A família verdadeiramente cristã é capaz de mudar o mundo em que vivemos da água para o vinho).

Abandonar_idoso_é_pecado_papa_francisco

  Atualizado em 01/10/2014


postal-santos-joaquim-e-ana_tia-Adelita[1]


Papa_Francisco_aos_Idosos_jmj_2013


Mães nunca Morrem.


Velha Rabugenta

Mensagem em Power Point


45 lições que a vida me ensinou …


O Tempo que passa em nossas vidas não deveria apenas envelhecer nossa aparência física, mas sim, nos ensinar a Viver melhor e ser feliz.

Presentepravoce


Senhora idosa_o_tempo



regina-bret1[1] regina-bret1[1]

“Para celebrar o meu envelhecimento, certo dia eu escrevi as 45 lições que a vida me ensinou.

É a coluna mais solicitada que eu já escrevi.” “Meu hodômetro passou dos 90 em agosto, portanto aqui vai a coluna mais uma vez:

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.

2. Quando estiver em dúvida, dê somente o próximo passo, pequeno .

3. A vida é muito curta para desperdiçá-la odiando alguém.

4. Seu trabalho não cuidará de você quando você ficar doente. Seus amigos e familiares cuidarão. Permaneça em contato.

5. Pague mensalmente seus cartões de crédito.

6. Você não tem que ganhar todas as vezes. Concorde em discordar.

7. Chore com alguém. Cura melhor do que chorar sozinho.

8. Pode ficar bravo com Deus. Ele suporta isso.

9. Economize para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.

10. Quanto a chocolate, é inútil resistir.

11. Faça as pazes com seu passado, assim ele não atrapalha o presente.

12. É bom deixar suas crianças verem que você chora.

13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que é a jornada deles.

14. Se um relacionamento tiver que ser um segredo, você não deveria entrar nele.

15. Tudo pode mudar num piscar de olhos Mas não se preocupe; Deus nunca pisca.

16. Respire fundo. Isso acalma a mente.

17. Livre-se de qualquer coisa que não seja útil, bonito ou alegre.

18. Qualquer coisa que não o matar o tornará realmente mais forte.

19. Nunca é muito tarde para ter uma infância feliz. Mas a segunda vez é por sua conta e ninguém mais.

20. Quando se trata do que você ama na vida, não aceite um não como resposta.

21. Acenda as velas, use os lençóis bonitos, use roupa chic. Não guarde isto para uma ocasião especial. Hoje é especial.

22. Prepare-se mais do que o necessário, depois siga com o fluxo.

23. Seja excêntrico agora. Não espere pela velhice para vestir roxo.

24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.

25. Ninguém mais é responsável pela sua felicidade, somente você..

26. Enquadre todos os assim chamados “desastres” com estas palavras ‘Em cinco anos, isto importará?’

27. Sempre escolha a vida. 28. Perdoe tudo de todo mundo.

29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.

30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo ao tempo..

31. Não importa quão boa ou ruim é uma situação, ela mudará.

32. Não se leve muito a sério. Ninguém faz isso.

33. Acredite em milagres.

34. Deus ama você porque ele é Deus, não por causa de qualquer coisa que você fez ou não fez.

35. Não faça auditoria na vida. Destaque-se e aproveite-a ao máximo agora.

36. Envelhecer ganha da alternativa — morrer jovem.

37. Suas crianças têm apenas uma infância.

38. Tudo que verdadeiramente importa no final é que você amou.

39. Saia de casa todos os dias. Os milagres estão esperando em todos os lugares.

40. Se todos nós colocássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos todos os outros como eles são, nós pegaríamos nossos mesmos problemas de volta.

41. A inveja é uma perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa. 42. O melhor ainda está por vir.

43. Não importa como você se sente, levante-se, vista-se bem e apareça.

44. Produza!

45. A vida não está amarrada com um laço, mas ainda é um presente.”

Escrito por Regina Brett, com apenas 90 (*) anos de idade, assina uma coluna no The Plain Dealer, Cleveland, Ohio.

(*) – mantive o texto original de um viral na web, mas segundo fontes corrigidas na na rede web atual, a idade de Regina Brett 59 quando publicou o texto e atualmente seria ainda em torno de 64 anos.

(A Opção de por em prática em sua vida estas 45 lições e ser feliz ainda hoje é toda sua).

      Atualizado em 20/09/2014





Estoria em 3D

Trocando as Pilhas


Parábolas

& Reflexões


Trocando as Pilhas.

MEDITAÇÃO SOBRE A VIDA HUMANA CADA VEZ MAIS DESCARTÁVEL.

Se você não fizer nada agora,

lamentavelmente este poderá ser o seu futuro.

Trocando_pilhas

Quando você envelhece e alcança uma idade que você mal consegue se mover sozinho(a), tudo que você mais espera é a presença de seus filhos que foram criados com muito sacrifício nos seus anos de vida mais saudáveis e de repente em uma data muito importante para sua vida como um aniversário ou uma noite de natal ao invés da casa cheia de filhos e netos você recebe apenas uma embalagem pelo correio com algumas palavras frias e sem vida de um bilhete lhe informando que o conteúdo desta caixa será sua unica companhia nesta data tão importante.

Me desculpe Mamãe, Este ano não poderei estar ai presente novamente mas mando um pequeno presente para lhe fazer companhia e lhe ajudar em seus afazeres diários.

Assista a esta triste história de animação em 3D de MMU, na Malásia.

O título é “Troca de Pilhas” – Resumo:

Uma senhora solitária ganha de presente de seu filho um robô para lhe fazer companhia e ajudar com as tarefas de casa. Toda vez que o robô para suas atividades é hora de trocar a bateria e está resolvido o problema.  Mas, o ser humano não é uma máquina, a solução de suas necessidades não se resume em uma simples troca de pilhas.

Se você não fizer nada agora, este poderá ser o seu futuro.


Titulo Original: Changing batteries

Ano: 2013 (Melhor animação Digicon Malaysia)

Diretor: Shu Gi, Casandra Ng, JiaHui and Bahareh Darvish.

Personagens: Robo, senhora…

País: Malásia



UMA PEQUENA REFLEXÃO SOBRE O VÍDEO.


Este vídeo faz-nos refletir não apenas sobre o poder da amizade entre duas pessoas, mas da simbologia universal da bateria como representação desta força vital, da energia que nos mantém vivos, nos faz mover, viver e renovar a esperança na vida, no trabalho, na amizade, no amor e tudo mais…

Impossível não pensar no modo de vida atual em que pessoas solitárias se integram nas redes sociais e se relacionam cada vez mais com outra pessoas também “virtuais”. Que muitos perfis falsos nas redes sociais são inclusive computadores robôs que servem para disseminar propagandas ou vírus na rede. Muitas pessoas até reagem como autômatos diante de um telefone celular, um tablet, notebook, quando conectados ao mundo digital. O mais comovente na história é esta sutil ironia da máquina ter a consciência de que todos somos alimentados por baterias e que quando a dele acaba basta uma troca.   A sua amiga idosa sempre lhe trocava a pilha gasta por uma nova permitindo-lhe que viva eternamente. Entretanto, quando a situação se inverte é tocante ver uma máquina colocando suas pilhas novas e usadas no bolso da idosa tentando deliberadamente repor-lhe a vida que se foi. O pequeno robô age como uma ingênua criança descobrindo os mistérios da vida.

Quantas pessoas hoje em dia têm como melhores amigos seus equipamentos eletrônicos? Quantos vivem como robôs, de forma mecânica? Quantos humanizam suas máquinas e objetos, através das trocas – não de bateria, mas – de experiências de vida virtual em rede?

Há que se pensar também na educação mecanizada, quando esta é calcada apenas na distribuição de equipamentos eletrônicos, vídeos, Link’s na rede – babás digitais – para substituir o papel social do educador, seja pai ou professor.   Até prova em contrário, as máquinas não têm alma, mas necessitam da troca ou recarga de baterias para continuarem se movendo e atuando.

As pessoas, que possuem ALMA & VIDA, necessitam muito mais do que simplesmente uma reposição energética como a troca de uma pilha exemplificada na animação.

A Vida é muito mais do que isto, para que se mantenha uma vida plena precisamos muito mais de uma atenção espiritual, de amor, de carinho, da presença de alguém que simplesmente nos toque e satisfaça as necessidades de nossa alma do que simplesmente a reposição das energias corporais que obtemos através da alimentação, por isso a energia do toque físico de alguém próximo nos faz tanta falta e na sua falta caímos em “DEPRESSÃO” que é a falta de esperança na vida futura. Podemos até afirmar com todas as letras que o recém nascido não pode sobreviver sozinho porque o ser Humano não foi criado para viver na solidão e sim em “FAMÍLIA”, como está escrito em (Gênesis 2,18) “Não é bom que o Homem esteja só…”.

Portanto, é um belo vídeo para se refletir sobre o valor da amizade entre as pessoas, a falta de carinho dos filhos para com seus Pais Idosos, a Eutanásia, o abandono dos velhos nos abrigos feito sociedade e governantes e enfim se contentar com a distração que um robozinho infantil acabe por ocupar o espaço de um neto ou de um filho no coração de um idoso abandonado.

Podemos dizer que o mundo caminha para este objetivo e quanto mais confundirmos “VIDA com MOVIMENTO”, “REAL com VIRTUAL”, “PERENE com DESCARTÁVEL, “ETERNO com PASSAGEIRO” estaremos nos condenando a ser infelizes nos momentos em que mais necessitarmos do carinho das pessoas com quem convivemos diariamente em nossas vidas.


Lembre-se:

“O SER HUMANO NÃO É UMA SIMPLES MÁQUINA DESCARTÁVEL QUE SE LIGA, DESLIGA e RELIGA COM O APERTAR DE UM BOTÃO. A VIDA É MUITO MAIS DO QUE UM SIMPLES MOVIMENTO PROGRAMÁVEL OU UMA LUZ QUE PISCA. ESTAR LIGADO NÃO SIGNIFICA ESTAR VIVO E BASTA UMA MINÚSCULA SEMENTINHA INERTE OU UM ÓVULO FECUNDADO NA GELADEIRA PARA CONTER TODO O ESPLENDOR DE UMA VIDA QUE NÃO TERMINA COM A MORTE OU O DESLIGAMENTO, POIS O MAIOR SEGREDO DA VIDA É QUE ELA SE REFAZ E RENASCE REVELANDO SUA ETERNIDADE E NÃO SE LIMITANDO AO PLANO FÍSICO MATERIAL QUE NOS CERCA.   A VIDA VERDADEIRA, ESSA SIM, CONTINUA MESMO APÓS A MORTE POR ISSO É QUE DEVEMOS LEVAR O AMOR QUE É A FONTE DA VIDA A TUDO QUE FAZEMOS E CONTAGIAR  A TODOS QUE NOS CERCAM E ATÉ MESMO OS SERES INANIMADOS QUE NA FICÇÃO DA ESTÓRIA TROUXE VIDA E FELICIDADE AO ROBÔ QUE FICOU SEM BATERIA.”


LIÇÃO DA ESTÓRIA


NÃO ADIANTA COLOCAR PILHA NOVA NA VELHINHA MORTA.


POR QUE ?


“O SER HUMANO NÃO É UM OBJETO DESCARTÁVEL”




Bilhete_Mãe_3 Bilhete_Mãe_3

A Cultura da Morte.



Estamos assistindo o crescimento de um fenômeno que o Papa João Paulo II tem chamado de cultura da morte, ou ´civilização da morte´. Opondo´se frontalmente aos valores da doutrina cristã, que defende a vida acima de tudo, esta ´cultura´ destruidora propõe a morte como solução de uma série de problemas. Será que a morte pode ser solução para algum mal ?

 A nossa civilização, desorientada com os males que ela mesma gerou, por aceitar ´soluções fáceis´ para os seus problemas difíceis, não sabendo mais como enfrentá´los, começa propor ´a morte´, como remédio, por incrível que possa parecer. Onde fomos parar?!…

 A eliminação da vida humana, sem grande pesar, parece ser a solução fácil, rápida e cômoda, para se ver livre dos ´indesejados´, mesmo que estes sejam pessoas humanas, criadas à imagem de Deus. É o caminho fácil, cômodo e perigoso, de que ´os fins justificam meios´. Se aceitarmos este principio, então, o comportamento humano não estará mais sujeito à ética e à moral, e tudo passará a ser válido. E aí estaremos a um passo de derrubar os pilares que sustentam a autêntica civilização humana, baseada na relevância da ´vida´.

 Na encíclica Evangelium Vitae, o Papa João Paulo II condena, esta ´cultura da morte´ que se opõe `a ´civilização do amor´. Diz o Papa:

 ´Amplos setores da opinião pública justificam alguns crimes contra a vida em nome dos direitos da liberdade individual, sobre tal pressuposto, pretendem não só a sua impunidade, mas ainda a própria autorização da parte do Estado para os praticar com absoluta liberdade e, mais, com a colaboração gratuita dos Serviços de Saúde´ (n.4).

 E o Santo Padre vê tudo isso como:

 ´…uma grave derrocada moral da sociedade: opções, outrora consideradas criminosas e rejeitadas pelo senso moral comum, tornam´se socialmente respeitáveis´(n.5).

 ´…as ameaças contra a vida não diminuíram… trata´se de ameaças programadas de maneira científica e sistemática. O século XX ficará considerado uma época de ataques maciços contra a vida… Os falsos profetas e os falsos mestres conheceram o maior sucesso possível… a verdade é que estamos perante uma objetiva ´conjura contra a vida´ que vê também implicadas Instituições Internacionais, empenhadas a encorajar e programar verdadeiras e próprias campanhas para difundir a contracepção, a esterilização e o aborto. Não se pode negar, enfim, que os meios de comunicação são frequentemente cúmplices dessa conjura, ao abonarem junto da opinião pública aquela cultura que apresenta o recurso à contracepção, à esterilização, ao aborto e à própria eutanásia como sinais do progresso e conquista da liberdade, enquanto descrevem como inimigas da liberdade e do progresso as posições incondicionalmente a favor da vida´(17).

 Este brado do Papa precisa ser ouvido por todos e meditado profundamente.Como ele diz, há hoje uma verdadeira conjura contra a vida, ´a vida está jurada de morte´, um verdadeiro combate se trava entre a vida e a morte, e cada um de nós é chamado a defender a vida.

 Inacreditavelmente um médico americano inventou a ´máquina do suicídio´, para que as pessoas morram ´sem dor´. Lança um livro, em seguida, que se torna um ´Best Sellers´. Quer dizer, a sociedade acolheu o seu invento. E muitos já foram mortos nesta ´máquina´, sem que houvesse, exceto por parte da Igreja Católica, um repúdio da sociedade. É terrivelmente sintomático! A vida está em decadência e a morte começa a atrair…

 A eutanásia é defendida e proposta como ´um alívio´ para o paciente. Nada se valoriza em relação à vida eterna, e à possibilidade de que a alma seja salva até mesmo nos últimos momentos de agonia do paciente. A visão reducionista e materialista de que a vida termina com a morte, justifica o médico apressar o fim daquele que sofre. Todo o riquíssimo valor salvífico do sofrimento é rejeitado e esquecido. A palavra da Escritura que nos ensina: ´completo na minha carne o que falta à paixão de Cristo´ (Col. 1,24), já não tem valor.

 No mundo todo o aborto continua a ser criminosamente praticado. São 40 milhões por ano no mundo; 4 milhões no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde. Por um lado faz´se de tudo para salvar um bebê prematuro de 12 semanas de gestação, por outro lado, mata´se friamente no ventre materno o mesmo bebê que já tem 24 semanas!

 Se a vida não for respeitada e protegida no ventre materno, não o será em nenhuma outra situação, pois o seu valor é o mesmo.

 Se dermos à mãe o direito de matar o seu filho não nascido, por que se tornou um estorvo para ela, deveremos dar também ao filho o direito de matar a mãe, velha e doente, que se tornou um estorvo para ele. É lógico que ambas as situações são absurdas ! A solução é a vida e não a morte. Pobre criatura humana que apela para a morte dos seus próprios filhos !… A que ponto chegou a nossa ´civilização´ sem Deus!

 Outros, manipulam e selecionam ´embriões humanos´, como se a vida humana fosse um objeto, uma ´coisa´, na mão dos pesquisadores. Nada mais trágico e perigoso do que esta fria ´coisificação´ da vida. Em termos claros o Santo Padre já se manifestou contra essas experiências e contra a geração do ´bebê de proveta´. A vida só pode ser gerada segundo os critérios naturais de Deus, é a palavra da Igreja.

 Pior ainda que essas manipulações da vida são os linchamentos sumários praticados em praças públicas, execuções premeditadas de jovens e crianças, assassinatos frios e encomendados, crimes passionais e toda sorte de violência que se cultiva contra a vida, até em filmes e revistas.

 Às vésperas de mais um ano novo nascer, no dia 29 de dezembro de 1991, um filho matava o próprio pai, à luz do dia, numa praça pública de Porto Alegre. Na praça da Redenção !… E tudo sob a mira de uma máquina fotográfica, de alguém que queria ´faturar´ com aquela tragédia! É demais!…

 Temos de acordar. Dizer basta a esta ´cultura mórbida´, sob pena de sermos engolidos por ela.

 Será que não temos nada melhor a oferecer aos nossos filhos, senão a morte, para a solução dos problemas da vida?

 Das duas uma: ou a vida está acima de qualquer pretexto, ou, dentro em breve, qualquer pretexto será suficiente para se eliminar uma vida. Vale a pena repetir aqui o que disse Madre Teresa de Calcutá, ao receber o Prêmio Nobel da Paz, em 1994: ´O aborto é pior do que a guerra e pior do que a fome´.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –
por Felipe de Aquino, Professor
http://www.cleofas.com.br

Fonte: http://www.comshalom.org/formacao/exibir.php?form_id=4587


Para uma reflexão mais aprofundada veja o vídeo abaixo:



Semeando a cultura de Pentecostes


Natal

O futuro da humanidade passa pela família.


Frase do Santo Padre João Paulo II.



FAMÍLIA E FUTURO DA HUMANIDADE


“O futuro da humanidade passa pela família” – afirma João Paulo II no documento sinodal que recolhe as intervenções dos representantes dos bispos católicos de todo o mundo reunidos em assembleia para “fazer o ponto da situação” a esta instituição conatural ao ser humano e configurada de modos diferenciados pelas culturas.

A família está ao serviço da pessoa e insere-se na sociedade com a qual mantém um relacionamento constante, recebendo e dando impulsos positivos e negativos. O que acontece nesta repercute-se necessariamente naquela e manifesta-se no tipo de pessoa que se pretende alcançar.

Esta perspectiva humanista serve-me de referência para dar o meu testemunho sobre a crise da instituição familiar, as políticas em curso para nivelar legalmente o que é diferente, a movimentação feita por vozes discordantes que pretendem criar uma opinião pública favorável e o silenciamento de outras que se lhe opõem.

Nasci e vivi numa família em que predominavam relações de amor fiel e generoso, de cooperação solidária, de atenção preferencial a quem estava necessitado e era frágil, de abertura ao futuro de cada um como o bem maior de todos nós. A fé cristã de meus Pais e, depois, dos meus irmãos mais velhos robustecia esta rede de suporte e entreajuda. A confiança constituía o ambiente em que fui crescendo e ganhando a sensatez indispensável a um equilíbrio saudável.

Como as dificuldades eram muitas, foi necessário exercitar outras capacidades virtuosas como a fortaleza, a prudência, a sobriedade, a temperança. Estas capacidades constituem o alicerce do amor, fruto de quem ama e é amado, sem esperar outra recompensa. Embora inclua a justiça, sempre necessária para viver o que é justo entre as partes, supera-a qualitativamente pois tende a expressar “o nós” que surge da comunhão entre elas e do respeito pelas suas diferenças.

João Paulo II na Praça de Lima em sua primeira visita à Espanha

O “húmus” da casa materna encontrou um fortificante na escola. A escassez de meios foi superada pela dedicação e competência das professoras e pelo companheirismo dos colegas. Também a paróquia com os seus serviços, sobretudo o da catequese e o da missa dominical, marcou indelevelmente o meu modo de ser e de agir. Como cidadão e como cristão, ou melhor como cidadão crente em Jesus Cristo e no seu dinamismo de amor pela felicidade integral de toda a humanidade.

A família surge claramente como o serviço por excelência à pessoa humana, a comunidade de amor e de vida, alicerçada no núcleo matrimonial heterossexual, inserida na sociedade à maneira de “célula” no organismo vivo, aberta a outros espaços culturais e religiosos. Estou convencido que a sociedade só ganha com uma equilibrada relação com a família e que os adjectivos “tradicional” ou “convencional” empobrecem a riqueza do sentido que esta comporta enquanto comunidade.

Outras formas de organizar a vida, de estruturar os afectos, de regular juridicamente as relações entre parceiros do mesmo sexo ou de configurar socialmente a sua identidade e o seu estatuto hão-de ser designadas de modo adequado à sua situação que é necessariamente diferente da família, tal como a compreendo e a valorizo.

Estou convencido que o futuro pertencerá a quem souber “gerir” bem a realidade “família” e dar razões sérias para a sua constituição e vitalidade.

Georgino Rocha

Editado por Fernando MartinsPela Positiva Portugal – Etiqueta