O Namoro na Visão Cristã Católica.


Dom Adair, Bispo de Rubiataba Escreve:

Prezados jovens Católicos, sejam vocês o alicerce da construção da “civilização do amor” (Paulo VI) e da concretização de uma vida feliz a partir da santidade e do respeito à pessoa do outro.

Ninguém te despreze por seres jovem. Ao contrário, torna-te modelo para os fiéis, no modo de falar e de viver, na caridade, na fé, na castidade.

(I Timóteo 4,12)

peadair.jpg

Pe Adair José Guimarães, Novo Bispo

Da Diocese de Rubiataba-Go. 17/05/08


Mara Rosa, 2004

Creio que outros vão escrever mais diretamente sobre o “namoro cristão”; quero fazer uma rápida abordagem do tema no plano humano, decorrente de uma visão positiva da filosofia cristã, cujo centro da atenção é a pessoa humana e seu caminho para a felicidade.

Faz parte da lógica consumista do capitalismo moderno apresentar a vitrine fetichista do comércio formal e informal, de maneira mais ousada nos shopping’s centers, como espaço do descartável. Os produtos, embora bonitos e requintados, em grande parte são descartáveis. Fabricados para serem consumidos rapidamente, devem ser substituídos por novos exemplares que a cada momento são inseridos nas prateleiras reais e virtuais do mercado, obedecendo à lógica do muito consumir. A cada ano surge uma infinidade de modelos novos de celulares e outros bens na área da eletrônica que povoam o imaginário dos humanos consumistas.

Essa perversidade que engalfinha milhões de dólares a cada dia está impregnando cada vez mais o inconsciente coletivo da humanidade, sobretudo no Ocidente: berço esplendido do consumismo. Trata-se da lógica do descartável: usa-se enquanto lhe agrada e faz bem, depois joga-se fora e busca-se outra opção que lhe satisfaça melhor aos instintos.

Tal realidade se materializa em mentalidade, em pensamento. Isso passa a reger o mundo humano e interfere drástica e profundamente na concepção de pessoa, de Deus, da natureza e da sociedade. Lamentavelmente a pessoa humana também está sendo colocada na vitrine, como objeto de consumo.

A mentalidade de prevalência do prático, acredito, tem favorecido uma mentalidade utilitarista e hedonista das coisas e passado dessas para as pessoas. Estamos vendo saltar aos nossos olhos as conseqüências desta mentalidade. Da mesma maneira que as pessoas trocam de aparelho celular a cada modelo novo que chega às lojas, muitos(as) estão trocando de relacionamentos afetivos a cada impulso dos sentidos em direção às possibilidades de novas aventuras e novas expectativas de prazer.

Tanto no namoro quanto no casamento percebe-se tal desastre humano. A raiz do problema não está basicamente na perda dos valores morais. É mais profundo. É uma questão de mentalidade. A concepção de pessoa humana está se nivelando com a concepção que temos das coisas e do seu conseqüente uso.

O namoro que brota entre dois jovens de sexos opostos é sempre acompanhado da mentalidade que ambos trazem consigo. Quando estes possuem uma concepção humana frágil, inegavelmente o relacionamento será igualmente frágil e possibilitará o aprofundamento das negatividades de alguns aspectos já decadentes.

A fase do namoro, ideal e moralmente objetivo, é um período excepcional para o conhecimento de duas pessoas, geralmente jovens, de sexo oposto. O namoro é um período na vida dos namorados que lhes permite se conhecerem melhor. Isso é fundamental para o alicerce de uma nova família que se quer sólida.

A prática do namoro evoluiu muito nas últimas quatro décadas. Não foi uma evolução ruim. Afinal, não dá para pensar o namoro nos moldes das primeiras décadas do século passado. Com a abertura dos últimos tempos e a igualdade de direitos estabelecida entre o homem e a mulher, bem como a quebra do tabu que circundava a questão sexual, abriu-se as portas para uma nova prática do romance amoroso entre os namorados. O erro não está na abertura, mas no mau uso da liberdade, face à mentalidade do descartável que está tomando conta da sociedade.

O estilo do namoro antigo tem muito em comum com o namoro dos nossos tempos: a falta de conhecimento um do outro. O namoro antigo não permitia nenhuma espécie de contato físico; a conversa entre os dois não existia, o estar só era impossível, etc – não se conheciam. O namoro moderno e avançado permite tudo: o sexo livre, o aborto, a depravação, etc – também não se conhecem como pessoas.

O final do filme todos nós conhecemos: corações machucados, magoados e infernizados com a síndrome da dependência sexual e outros males. A sociedade ainda é machista; por isso o Pe. Zezinho tem razão quando compôs a música “Laranja Lima” e nos diz que no namoro errado é a mulher quem sofre mais. Deve ser muito triste a ressaca do pós-namoro pagão, quando a consciência advertir que a jovem foi usada ou que usou o outro simplesmente por prazer, tendo se acobertado, para tanto, na falsidade e na mentira.

Estamos vivendo um mundo carente de valores. Além da mentalidade do descartável que favorece o hedonismo utilitarista no namoro (para muitos o trivial “ficar”), temos a elaboração de um ambiente cultural de morte que se expressa na música mundana, no teatro e no cinema também mundanos que apregoam os contravalores como sendo determinantes para a felicidade. Aí está o engano, pois se trata de uma mentalidade distorcida da pessoa humana. É a crise antropológica (a pessoa humana não se interroga sobre o seu fim). É a evidente falta de consciência do que é a realidade da pessoa humana e o que é realmente a felicidade para a qual a pessoa humana foi criada.

O que fazer para viver o namoro coerente e de maneira cristã? Olhar para Jesus Cristo, o modelo antropológico perfeito. Olhar para o testemunho de tantos casais que vivem o namoro correto e santamente. Não tenho dúvidas, os casais de namorados que viveram santamente o seu namoro viverão santamente o seu casamento. Afinal, a conquista da felicidade não se dá sem sacrifício, renúncia e entrega consciente. Onde há o amor não há a dor. “Felizes os puros de coração porque verão a Deus” (Mt. 5, 8).

Prezados jovens cristãos, sejam vocês o alicerce da construção da “civilização do amor” (Paulo VI) e da concretização de uma vida feliz a partir da santidade e do respeito à pessoa do outro. Deus os abençoe.



Mosenhor Adair José Guimarães Texto da Homilia da Missa de Encerramento no XI Encontro de Servos em Goiânia 23/04/08

Não existiria outra forma mais sublime, mais santa de encerrarmos esse belíssimo encontro, que não fosse com na Eucaristia. O altar passa a ser o centro de toda nossa atenção!

O décimo primeiro encontro encerra-se com a homilia do Monsenhor Adair, que nos atenta para a temática do encontro: “Retorna as tuas primeiras obras”, lembrando-nos do quanto é necessário recolhermos para ouvirmos que o Deus nos fala, ressaltanto ainda que a Renovação Carismática Católica (RCC) no início do seu trabalho possuia a prática maior de ouvir a voz de Deus.

Devemos escutar a palavra de Deus com a sua vontade e as suas exigências. E como dizia Exupérry: “só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos”.

Sendo assim, diz Monsenhor Adair, devemos ouvir, pois só se ouve bem com o coração. E a condição indispensável para ouvirmos a palavra de Deus é o silêncio, pois no silêncio Deus nos fala ao coração.

Vivemos hoje em um mundo tão barulhento, com tantos sons das mais diversas procedências, e esses sons misturados e alternados com pancadas, nos causam insônia, desânimo, depressões. E fugir de vez enquanto é questão de sobrevivência física e muito além, de sobrevivência espiritual, pois só no silêncio conseguimos ouvir a palavra de Deus. O silêncio é a porta do céu. Busquemos o silêncio para orar, pois a raiz de toda espiritualidade da RCC se encontra no silêncio.

E por muitas vezes que somos seduzidos pelo mundo, vemos que a maldade parece dominar, quantos velhos sendo mal tratados, quantas crianças com deficiência sendo discriminadas, quantas pessoas sendo humilhadas. Mas diante de tudo isso, nossa resposta deve ser o amor, o amor sempre e em qualquer condição.
“ Somos perseguidos e suportamos. Somos caluniados e nos doamos.”

Precisamos entender que devemos ouvir o clamor de todo povo que é mal tratado, devemos ir ao encontro de tantas almas que por aí estão perdidas. Não podemos permitir que a nossa língua nos atrapalhe de ouvirmos a Deus. Que tenhamos o Espírito profundamente católico para que possamos ser católicos no grupo de oração, mas principalmente em todos os outros momentos de nossas vidas, no convívio com tantas pessoas que ainda não sentiram o profundo amor de Deus. Permita-nos Senhor, descobrir no silêncio, um profundo momento de louvor e adoração.

Carla Rodrigues– Ministério de Comunicação Social – GO




FELIZ DIA DOS NAMORADOS.

Experimente clicar nestes Link’s Abaixo.


NAMORO

FRANCISCO E CLARA
O Cristo Disfarçado