O Elefante Amarrado.




Um enorme e forte elefante ficava acorrentado no picadeiro de um circo em uma estaca tão pequena que até uma criança poderia arrancar, no entanto ele não se soltava.  E o pior de tudo é que mesmo sendo ameaçado por terceiros ele mal se movia e jamais tentava arrancar a pequena estaca para fugir.

Para quem ouve esta afirmativa pela primeira vez e imagina a cena no local fica com uma grande interrogação!


.

? 


??? Por que o enorme elefante não arranca a estaca e foge?



Quando eu era mais jovem me lembro que de vez em quando meu Pai viajava para São Paulo para fazer cursos e voltava cheio de estorias novas, isto ele devia ouvir dos expositores dos cursos e dos companheiros de outros estados que também lá se reuniam.  Esta foi uma das estórias que ele nos contava, o problema é que ele fazia um grande mistério e demorava muito a elucidar o final da estória e assim a curiosidade acabava por gravar a moral da história mais profundamente no coração.

Também não irei lhes desvendar o segredo agora, mas vou lhes contar a estoria original na integra.





O Elefante acorrentado.


Uma Parábola De Jorge Bucay Para Refletir


Quando eu era pequeno, adorava circos, e o que mais gostava nos circos eram animais.

Fiquei especialmente impressionado com o elefante que, como aprendi mais tarde, também era o animal preferido de outras crianças.

Durante o espetáculo no picadeiro, o enorme animal ostentava um peso, um tamanho e uma enorme força… mas depois de sua performance até pouco antes de retornar para o fora, o elefante sempre permanecia amarrado no chão com uma corrente aprisionando suas pernas.

No entanto, a estaca era apenas um pequeno pedaço de madeira mal enterrado alguns centímetros no chão. E, embora a corrente fosse grossa e poderosa, me pareceu óbvio que um animal capaz de arrancar uma árvore com a sua força poderia facilmente se libertar da estaca e fugir.

O mistério ainda parece óbvio para mim. O que impede o elefante de fugir então?

Quando eu tinha cinco ou seis anos, ainda confiava na sabedoria dos anciãos. Então perguntei a um professor, a um pai e a um tio sobre o mistério do elefante. Alguns deles me explicaram que o elefante não escapou porque foi treinado.

Então fiz a pergunta óbvia: “Se ele é treinado, por que está acorrentado?

Não me lembro de ter recebido uma resposta coerente!

Com o tempo, esqueci o mistério do elefante e da estaca, e só me lembrei disso quando conheci outras pessoas que também se fizeram essa pergunta uma vez.

Há alguns anos, descobri que, felizmente para mim, alguém foi sensato o suficiente para encontrar a resposta:


O elefante de circo não escapa porque foi amarrado a uma estaca semelhante, desde que era muito pequeno.


Fechei os olhos e imaginei o indefeso elefantinho preso à estaca.

Tenho certeza de que, naquele momento, o pequeno elefante empurrou, puxou e suou tentando se soltar. E, apesar de seus esforços, ele não teve sucesso, porque era muito difícil para ele.

Imaginei que ele adormeceu exausto e no dia seguinte eu tentou novamente, e no dia seguinte, e no outro… Até que, um dia, um dia terrível para a sua história, o animal aceitou sua impotência e seu destino e deixou de tentar se libertar.

Aquele enorme e poderoso elefante que vemos no circo não escapa porque ele acha que não pode.

Tem a memória da impotência que ele sentiu logo após o nascimento. E o pior é que ele nunca questionou seriamente essa memória novamente.

Nunca, ele nunca tentou colocar sua força para o teste novamente…



Somos todos um pouco como o elefante do circo: andamos pelo mundo atados a centenas de estacas que nos privam da liberdade.

Vivemos pensando que “não podemos” fazer muitas coisas, simplesmente porque uma vez, algum tempo atrás, quando éramos pequenos, tentamos e não conseguimos.

Nós então fizemos o mesmo que o elefante, e registramos em nossa memória esta mensagem: Eu não posso, eu não posso e eu nunca poderei.

Nós crescemos carregando essa mensagem que impusemos a nós mesmos e é por isso que nunca tentamos nos libertar da estaca novamente.

Quando sentimos as algemas e sacudimos as correntes, olhamos com desconfiança para a estaca e pensamos: Eu não posso e eu nunca posso.

Jorge Bucay


 Prado Flores exemplifica em seu Livro, “Ide e evangelizai os Batizados” que um passarinho não alçará voo se estiver amarrado pelo pé, mesmo que seja um delgado fio de seda, pois ao perceber que foi acorrentado não irá tentar o impulso de voar.

É assim que os domesticadores de aves de rapina agem, amarram seus falcões e águias em suas luvas de couro para que eles voem só quando estiverem livres, ou quando receberem o comando de voz para voar que claramente neste momento estarão desamarrados e livres.



A intensão desta afirmação é a nossa observação em relação às correntes e amarras que nos prendem nas coisas materiais deste mundo, por mais que o homem diga que é livre, sempre descobrirá que está amarrado em algum vício ou pecado, pois as amarras que nos prendem espiritualmente não são cordas ou correntes enormes visíveis aos olhos e sim delgados fios de seda invisíveis aos olhos que nos oprimem e convencem que jamais seremos capazes de voar ou nos libertar desta estaca de madeira.

Mas hoje podemos identificar a voz do Senhor nos dando a ordem de voar, significando que não existem mais correntes, amarras, âncoras, estacas de madeira, fios de aço ou de seda que nos amarram e prendem, seja materialmente ou espiritualmente já que Jesus morreu por nossos pecados e nos libertou. Creia nesta verdade e não se prenda mais por achar que você é incapaz ou porque não é digno de receber a graça de Deus.

A palavra de Deus afirma que Jesus morreu por todos aqueles que o aceitarem de coração e não apenas por aqueles 12 discípulos que o seguiam e que até obras maiores do que as que Ele fez seriamos capazes de realizar.

O que nos impediria então de realizar estas grandes obras?

O que nos impediria de arrancar esta mísera estaca de madeira e nos libertar?

Você não é uma pessoa qualquer…

Você é filho do Deus todo poderoso…

Você é herdeiro do Pai de todas as graças e poderes… Você está LIVRE, não existem mais amarras inquebráveis, não existem mais muros que nos dividem, não existem mais abismos  que nos separam, porque Cristo é a nossa Paz e a nossa reconciliação.


“Lembrai-vos de que naquele tempo estáveis sem Cristo, sem direito da cidadania em Israel, alheios às alianças, sem esperança da promessa e sem Deus, neste mundo. Agora, porém, graças a Jesus Cristo, vós que antes estáveis longe, vos tornastes presentes, pelo sangue de Cristo. Porque é ele a nossa paz, ele que de dois povos fez um só, destruindo o muro de inimizade que os separava,* abolindo na própria carne a Lei, os preceitos e as prescrições. Desse modo, ele queria fazer em si mesmo dos dois povos uma única humanidade nova pelo restabelecimento da paz,* e reconciliá-los ambos com Deus, reunidos num só corpo pela virtude da cruz, aniquilando nela a inimizade.”  Efésios, 2, 12-16


“A Renovação da Águia”

Uma metáfora que nos ajuda a se libertar de velhos costumes decadentes e receber uma roupagem nova e revigorada.





media 6 – até 27/08/19

 

Resposta da Igreja sobre feitiçarias e bruxarias.


Ultimamente tenho recebido neste Blog muitos comentários e Span’s sobre feitiços & bruxarias e correntes poderosas, principalmente no Post de pedidos de orações onde as pessoas estão carentes de uma solução para seus problemas pessoais e buscam uma resposta através de um pedido de oração.

Estes comentários entram como uma resposta MILAGROSA e um pronto atendimento de suas necessidades realizados por pessoas “ENTRE ASPAS” “PODEROSAS” e que são capazes de resolver qualquer problema através de magia e ou feitiço.   Na verdade estes textos não passam de mentiras e textos padrão traduzidos do inglês que são usados como iscas para atrair clientes para os pseudos “magos poderosos” que estão afim mesmo é de arrancar o seu dinheiro.

Sabemos que só Deus é capaz de fazer o impossível e quando Ele concede seus Dons aos Homens é para que sejam usados em benefício da COMUNIDADE “Igreja, Família e Sociedade”, esta ação deve ser gratuita (I Cor 13 e 14), pois tudo o que vem de Deus é gratuito e deve ser redistribuído gratuitamente aos demais membros da comunidade, o que Deus espera de nós é apenas o nosso reconhecimento e agradecimento.

Eu simplesmente apagava estes comentários e Span’s. mas como continuam chegando em grande numero, decidi deixar aqui neste post uma resposta que encontrei no site (CATOLICISMO) para que os fieis Católicos saibam sobre este assunto e fujam destas armadilhas do inimigo de Cristo.

Leiam abaixo:



Pergunta – Às vezes se vêem na rua, e até junto às portas de casas, oferendas de centros de macumbas — velas, charutos, pinga, galinhas mortas, etc. O Sr. poderia explicar o que a Igreja Católica ensina sobre feitiços, bruxedos, etc, e também o que se deve fazer diante de tais coisas?

Resposta – Com vivo interesse pelos meus caros leitores de Catolicismo, dou uma breve orientação sobre esse assunto preocupante. Tanto mais que, como é público e notório, a macumba, a umbanda, o candomblé, e também o espiritismo — qual mortífera lepra — estão disseminados por todo Brasil.     A Terra de Santa Cruz!…

Em primeiro lugar exporei resumidamente o que a Santa Igreja ensina sobre a ação dos demônios, e depois darei alguns conselhos práticos sobre como agir.

Os demônios existem?

A respeito da existência dos demônios, há dois modos opostos, ambos errados, de ver o problema. Alguns acham que o diabo não existe, e é perda de tempo preocupar-se com ele; segundo estes, o que se deve fazer é ignorar o assunto. Outros, pelo contrário, acham que o demônio realmente existe, mas exageram seu poder.

Na realidade, a Igreja ensina que o demônio é um anjo que se revoltou contra Deus, e por isso foi punido, sendo lançado no inferno. Portanto, é um anjo decaído, que mantém, entretanto, os poderes e as limitações da sua natureza angélica. Sendo criatura, seu poder é limitado, e por isso é falso dizer que ele pode tudo. Não pode!

Somente com a permissão de Deus, é que satanás pode fazer mal às criaturas. Agora uma pergunta: por que permite Deus que o demônio atormente o homem? Por duas razões: primeiramente, para santificá-lo por meio de provações. Em segundo lugar, para castigá-lo por causa de seus pecados.

Mas devemos ter confiança em Deus, e a absoluta certeza de que Ele jamais permitirá que as tentações sejam superiores às nossas forças. É o que nos assegura o Espírito Santo no salmo 90: “Porque pusestes o Altíssimo por teu refúgio, o mal não virá sobre ti nem o flagelo se aproximará de tua casa. Não temerás os sustos noturnos nem a seta que voa em plena luz, ou o inimigo que ronda nas trevas e o demônio que assalta em pleno dia. Porque a seus anjos Ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos…”

Macumbeiros e congêneres fazem pacto com satanás

No entanto, existem casos em que a pessoa que recorre ao diabo faz um pacto com ele, torna-se instrumento do maligno em benefício próprio ou de terceiros. É o caso de Simão Mago, narrado nos Atos dos Apóstolos (8, 9-25). É o que lemos na história de São Cipriano, feiticeiro convertido que mereceu a auréola do martírio, e de Santa Justina. O demônio, que está sempre à procura de uma oportunidade para prejudicar os homens, aproveita imediatamente tal situação. Assim, desde que Deus o permita, o espírito do mal passa a atender às solicitações que lhe são feitas e a obter, para os que a ele recorrem, bens materiais, prestígio, relações sentimentais, etc, e inclusive prejuízo para outras pessoas.

Em todas essas formas de falsa religiosidade –macumba, umbanda, candomblé, espiritismo — a invocação do demônio é constante. Portanto, as pessoas que recorrem a essas práticas abjetas podem ter certeza de que é ao próprio diabo que estão recorrendo, embora o façam sob outras denominações, muitas vezes iludidas.

Assim, podemos concluir que macumbeiros, pais de santo e congêneres realmente têm pacto com o maligno e podem fazer-nos grande mal.

Como evitar a ação do demônio

Isto posto, passo a dar alguns conselhos de ordem prática.

A primeira preocupação que devemos nutrir, para evitar a ação do demônio, é estarmos sempre na graça de Deus. Para isso, devemos a qualquer preço banir de nossa vida o pecado mortal, sendo constantes na oração e fortes na vigilância.

Assim sendo, recomendo a todos que se confiem, juntamente com suas famílias, à proteção do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria. Recomendo também, insistemente, introduzir nos hábitos familiares a reza do terço, pois esta é das devoções que mais agradam à Mãe de Deus e que mais desarticulam a ação dos demônios. Outras práticas piedosas muito recomendáveis são a recitação de jaculatórias a Nossa Senhora, a São Miguel Arcanjo e aos Santos Anjos da Guarda, e o uso constante da Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças.

Somando-se à oração e à vigilância, é fundamental a freqüência aos sacramentos, sobretudo a Confissão e a Comunhão. Nosso Senhor Jesus Cristo é o EXORCISTA invencível!

Outro costume muito recomendável — eu diria até indispensável — é ter sempre em casa um recipiente digno abastecido de água benta. Então, diariamente aspergir algumas gotas em todos os cômodos da casa, inclusive no quintal, e discretamente nos terrenos vizinhos, aproveitando a ocasião para fazer o sinal da cruz com a água benta, passando-a devotamente na fronte.

O que fazer contra feitiço

Além disso, reafirmo, atilada vigilância! Havia um sacerdote exorcista em Cotia, próximo a São Paulo, (Deus o chamou a Si recentemente), que recomendava muito cuidado com feitiços em travesseiros, pois macumbeiros costumam fazer introduzi-los sem que a pessoa visada perceba, valendo-se de domésticas, faxineiras ou até mesmo de algum parente malévolo ou ignorante.

Caso apareça feitiço ou algo semelhante em casa, a recomendação é não tocar nem ficar olhando despreocupadamente. Antes de tudo, é preciso calma e confiança na proteção de Nossa Senhora, pois o gênio do mal nada pode diante dEla, que sempre lhe esmaga a cabeça. Conforme já recomendamos, repetir jaculatórias a Nossa Senhora, a São Miguel Arcanjo e ao Santo Anjo da Guarda. Jogar água benta em cima, e em seguida pôr fogo, com o auxílio de gasolina ou álcool.

Por fim, deve-se energicamente repelir toda e qualquer forma de superstição, toda curiosidade tendenciosa em relação ao “mundo do além”, e jamais cair na tentação de entrar num centro espírita, num terreiro de umbanda, de macumba, etc, para consultar um pai de santo, ou seja, o demônio. “Ab insidiis diaboli, libera nos Domine“! Das ciladas do diabo, livrai-nos, Senhor!

***

Texo retirado do Site Catolicismo:

http://www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=E4BA3342-3048-560B-1CD7141960475253&mes=Dezembro1996


.


https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg
Polêmica_Paulo Goulart alimente-se-de-oracao-e1374576742834-1024x1024[1]