Encontro de Pentecostes em Brasília.



Semana de Pentecostes 2016



pentecostes2016+3[1]


PENTECOSTES/2016 EM BRASILIA/DF

DIAS 08, 12 de Maio 2016

Na Paróquia São Pedro em Taguatinga

e disas 13 a 15 de Maio 2016

No Taguaparque – Pistão Norte

Taguatinga Norte/DF

Com Padre Moacir Anastácio

“QUE QUERES QUE

EU TE FAÇA

QUE EU VEJA SENHOR”




Semana de Pentecostes 2014



Pentecostes com Pe. Moacir Anastácio


PENTECOSTES/2014 EM BRASILIA/DF

DIAS 06, 07 E 08/JUNHO/2014

Na Paróquia São Pedro em Taguatinga

No Taguaparque – Pistão Norte

 Taguatinga Norte/DF

Com Padre Moacir Anastácio

” VINDE E VEDE.”


EM ANÁPOLIS – GOIÁS



Pentecostes_Banner


Semana de Pentecostes 2013


pentecostes20132_993_550[1]

Pentecostes com Pe. Moacir Anastácio


Dia 12 A 16 De Maio de 2013

Na Paróquia São Pedro em Taguatinga

Dia 17 A 19 De Maio de 2013

No Taguaparque

QSD – 25 – Taguatinga Sul – DF

10, 11 e 12 de Junho de 2011

Taguaparque – Pistão Norte – Taguatinga Norte/DF

Com Padre Moacir Anastácio

“VAMOS JUNTOS A PENTECOSTES, POR CRISTO, COM CRISTO E EM CRISTO!!!.”


Em 2011


Pentecostes com Pe. Moacir Anastácio


Dia 05 de Junho de 2011

e 06 a 09 de Junho de 2011

Na Paróquia São Pedro

QSD – 25 – Taguatinga Sul – DF

10, 11 e 12 de Junho de 2011

Taguaparque – Pistão Norte – Taguatinga Norte/DF

Com Padre Moacir Anastácio

“Vós Serei Batizados no Espírito Santo

Daqui a poucos dias.”


Pentecostes 2011

Senhor Jesus Cristo, renova em nossos dias teus milagres; para que possamos ver a força da Tua Misericórdia.  Que a ação do teu Espírito Santo, que modelou os teus discípulos e deu início a Tua Igreja, seja a mesma hoje e sempre.   Renove em nossos dias o vigor de Pentecostes.

Abre os nossos corações para sentir a Tua presença.   Abre a nossa mente para compreender a Tua palavra.   Inunda a nossa alma com a ação do Teu Espírito.Que vejamos Teus milagres, curas, libertações e conversões em nosso meio.   Que a nossa comunidade seja testemunha viva da tua palavra. 

Que Pentecostes seja para nós um novo começo de unidade entre todos aqueles que proclamam Teu nome.   Que a intercessão de tua Mãe, presente naquele santo e extraordinário cenáculo,faça-nos vivenciar um novo Pentecostes.

 

Posse de Dilma Rousseff.

Mesmo com muita chuva aconteceu hoje 1º de janeiro de 2011 a posse da Presidente Dilma Roussef em Brasília.

Veja algumas fotos do evento:

Dilma Sobe a rampa do Palácio do Planalto acompanhada de seu vice Michel Temer.

.

 

Lula Recebe Dilma e Temer para transmissão da Faixa Presidencial

.

 

Dilma discursa ao lado de Michel e sua esposa Marcela.

Marcela Temer acompanhando seu esposo Michel Temer faz Presença marcante no evento chamando a atenção da mídia nacional e muitos comentários nas redes sociais.

https://i1.wp.com/colunistas.ig.com.br/poderonline/files/2010/12/foto1-652x489.jpg
Marcela, Temer e Dilma durante a diplomação da presidenta

Toma posse com Dilma o seu Novo Ministério.

Penúltimo parágrafo!

Considerações sobre a Carta dos Bispos

Aos Presbíteros de maio de 2010

13 a 16 de maio de 2010 foram dias de graça para Brasília e para o Brasil. O XVI Congresso Eucarístico Nacional realizado no coração do Brasil bombardeará o sangue bom para todo o nosso querido Brasil. A ante-sala do Congresso foi a 48ª Assembléia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, que aconteceu também em Brasília. Um dos frutos daquela magna Assembléia foi a belíssima Carta dos Bispos aos Presbíteros. Eu, como sacerdote, gostaria de agradecer aos nossos bispos pela proximidade a todos nós, presbíteros, seus mais imediatos colaboradores, e também a orientação muito oportuna nesses tempos de desconcerto: muito obrigado, senhores bispos!

Efetivamente, os casos vergonhosos, já publicados, envolvendo os ministros do Senhor, têm causado sofrimento ao Povo de Deus. Nós, presbíteros, perdemos um pouco a credibilidade. Esses dias um irmão sacerdote comentava com tristeza que ao sair à rua, uma pessoa de uns 40 anos lhe insultou aos gritos: “–pederasta!”. Quanta indignação! Isso não é justo!

Ao mesmo tempo, paradoxalmente, aumentou a credibilidade dos sacerdotes. Quando as pessoas vêem nas suas paróquias os seus párocos tão entregues à missão evangelizadora; quando vêem que são homens que rezam, que visitam os doentes, que atendem as confissões e lhes celebram a Eucaristia piedosamente; quando o nosso povo vê que o sacerdote ama a sua vocação e promove novas vocações, percebe que essas notícias são exageradas e vendedoras de gato por lebre.

O mais importante é a glória de Deus e o bem das almas!

Nesse panorama, a Carta dos Bispos aos Presbíteros nos oferece um verdadeiro e maravilhoso horizonte de vida e espiritualidade sacerdotais. Trata-se de uma carta em continuidade com os documentos eclesiais sobre o sacerdócio mais conhecidos, como o Decreto Presbyterorum Ordinis do Concilio Vaticano II, a Exortação Apostólica Pastores Dabo Vobis do Papa João Paulo II e o Diretório para o Ministério e a Vida dos Presbíteros da Congregação para o Clero. Depois de ler essa carta, acolhendo-a de coração agradecido aos nossos bispos, chamou-me a atenção especialmente o penúltimo parágrafo por ser tão concreto e tocar, por assim dizer, as questões mais importantes e mais urgentes.

O texto reza assim: “Pedimos que zelem pela comunhão eclesial, alimentando-a com a celebração cotidiana da Eucaristia, com a oração fiel e generosa, de modo especial a Liturgia das Horas, com a busca freqüente do Sacramento da Penitência e a orientação espiritual, com um estilo de vida sóbrio, que tome distância dos apelos do consumismo, da cultura da banalidade, da invasão do secularismo. Recomendamos, também, que tenham um zelo especial na administração dos bens que lhes são confiados, destinados, sobretudo, para o serviço dos mais pobres”.

Gostaria de partilhar com os irmãos sacerdotes algumas das impressões que essas palavras causaram na minha alma sacerdotal. Os temas que saem nesse parágrafo são de tal densidade que valeria a pena estudar cada um deles, meditá-los, e fazer propósitos para pô-los em prática com maior amor:

– comunhão eclesial;

– celebração cotidiana da Eucaristia;

– oração fiel e generosa, de modo especial da Liturgia das Horas;

– confissão freqüente e direção espiritual;

– virtude da pobreza e sobriedade;

– virtude da obediência e responsabilidade pessoal;

– serviço aos pobres.

1 – Comunhão eclesial

Há, efetivamente, muitas palestras sobre fraternidade e sobre comunhão; há muitas reuniões. E isso é bom, mas… O que é, concretamente, essa realidade que chamamos “comunhão eclesial” que é alimentada pela celebração da Eucaristia, da Liturgia das Horas, pelo serviço aos pobres, etc.? Em primeiro lugar, a comunhão é um dom que vem de Deus-comunhão – a Trindade Santíssima. Essa comunhão se deixa participar na terra na communio que é a Igreja. A maneira de cada presbítero viver a comunhão é variada e gradativa: comunhão com Deus, com o Papa, com os bispos em comunhão com o Papa, com os irmãos no presbitério, com todos os demais fiéis, especialmente aqueles que lhe foram confiados.

O sacerdote é um homem que ama Igreja: o presbítero, configurado a Cristo Cabeça, é, em Cristo, esposo da Igreja. O normal é que o esposo ame a sua esposa! Desse amor pela Igreja deve brotar uma união efetiva e afetiva para com o Santo Padre e com os Bispos em comunhão com ele. Outro fruto desse amor por Cristo e pela Igreja é a fraternidade no próprio presbitério e a caridade pastoral que nos leva a cuidar do povo que nos foi confiado. Essa união tem que traduzir-se numa disposição para aceitar com uma obediência amorosa tudo o que a Igreja ensina. Significa formar uma muralha de unidade doutrinal forte, de tal maneira que não fique nenhuma só brecha para o assalto do inimigo nessa cidade de Deus, que é a Igreja. Precisamos estudar, ler, conhecer a fundo o Magistério eclesiástico. Livre-nos Deus de “ser do contra”. Não permitamos nenhuma fissura em questões de fé e de moral. Caso isso acontecesse, teríamos fundadas razões para duvidar das nossas muitas reuniões “cheias de fraternidade”.

Comunhão eclesial significa também obediência ao próprio bispo. Obedecer de verdade! Logicamente, o plano de pastoral pode ser melhorado. Nós somos colaboradores e podemos, e devemos em algumas ocasiões, manifestar as nossas opiniões para melhorar as coisas na Diocese. Façamo-lo com discrição, sem fazer guerra, conversando franca e amigavelmente com o nosso bispo. Caso o bispo ache melhor fazer de outra maneira, contanto que não seja ofensa de Deus, bendita seja o Senhor. Obedeçamos!

Comunhão eclesial é procurar que as nossas comunidades paroquiais sejam presença viva da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, com as características próprias da Igreja particular da qual faz parte. Tudo isso sem nenhuma reserva e em todas as suas expressões: Missas bem celebradas, horários de confissões adaptados às necessidades reais das pessoas (horário de confissão só durante o dia não é adaptado às necessidades daquelas pessoas que trabalham pela manhã e pela tarde!), estudo da Bíblia e do Magistério, reza duma parte do rosário, direção espiritual das pessoas. É preciso acreditar, de verdade, que Deus chama a todas as mulheres e a todos os homens a serem santas e santos e que nós, sacerdotes, chamados também à santidade, somos instrumentos nas mãos de Deus para que ele faça verdadeiras obras de arte das pessoas que estão encomendadas à nossa caridade pastoral. Entre outras coisas, comunhão eclesial é pensar com um coração grande, universal, com um interesse por toda a Igreja. Interessemos-nos também pela Igreja gloriosa, para contarmos com a sua intercessão, e pela Igreja padecente, para ajudá-la em sua purificação. Também nós, Igreja militante, precisamos purificar-nos!

2 – Celebração cotidiana da Eucaristia.

Desde o Concilio Vaticano II, pelo menos, já é comum afirmar que a Eucaristia é a fonte, o centro e a cima da vida espiritual de cada cristão e de cada assembléia que se reúne para louvar ao Pai por Jesus Cristo na unidade do Espírito Santo. Procuremos celebrar a Santa Missa sempre com a alegria da primeira: dignamente, atenciosamente, devotamente! Celebrar a Santa Missa todos os dias não é um dever para nós, é simplesmente o nosso tesouro, o nosso bem, o nosso centro, o nosso tudo. Se não a celebrarmos, acabaremos descentrados.

Com amor generoso e total, não tenhamos reparos em oferecer o melhor que temos ao culto divino, também no que se refere ao exterior, reflexo do interior: igreja e sacristia limpas; paramentos sacerdotais belos e dignos na estética e na limpeza, com a nobre simplicidade que o Concilio pede na liturgia (cfr. SC 34); não nos esqueçamos que “a não ser que se disponha de outro modo, a veste própria do sacerdote celebrante, tanto na Missa como em outras ações sagradas em conexão direta com ela, é a casula ou planeta sobre a alva e a estola” (IGMR, 337). Mais ainda: que os cálices, as patenas, as galhetas, os corporais, os sanguíneos, os manustérgios e tudo o que se refere ao culto eucarístico esteja bem cuidado! Não tenhamos medo: esses detalhes de amor para com o nosso Deus não escandalizam as pessoas mais pobres, que são – geralmente – as mais generosas para com Deus.

A melhor catequese sobre a Missa é própria Missa bem celebrada: as rubricas, os cantos, a concentração, tudo isso transmite uma esfera sagrada que expressa que estamos diante de um mistério transcendente e próximo ao mesmo tempo. Que bom seria se um dos livros da nossa biblioteca sacerdotal fosse a Instrução Geral do Missal Romano lida e relida várias vezes; de fato, o texto oficial da CNBB saiu em 2008.

Um dos frutos do Congresso Eucarístico poderia ser exatamente esse: que as nossas celebrações eucarísticas sejam expressivas, verdadeiramente expressivas, do Mistério de Deus. Como a Eucaristia é o coração da vida espiritual dos fiéis, não nos esqueçamos que nós, sacerdotes, temos certa semelhança com aqueles bons médicos que em cada intervenção nesse órgão tão central vão com cuidado. É melhor seguir a experiência da Igreja e não inventar nem experimentar por nossa conta. Poderia ser fatal!

Não se trata de defender princípios “tradicionalistas”. Tampouco se trata de ser rubricistas e pouco pastorais. A Tradição da Igreja admite progresso no entendimento e na vivência. A tradição litúrgica, salvo o substancial, admite mudança. No século passado, Pio X, Pio XII, João XXIII e Paulo VI foram bem conhecidos por introduzir oportunas reformas na liturgia e, sem dúvida, podem ser introduzidas outras no futuro (nenhum problema!). Graças a Deus, queridos irmãos sacerdotes, na Igreja há quem faz mudanças, os Papas e os bispos juntos com o Papa. Nós, simplesmente, não recebemos esse encargo.

3 – Oração fiel e generosa.

Todos nós recordamos daquelas imagens tão edificantes do queridíssimo João Paulo II na sua capela privada em oração. Uma oração fiel e generosa, principalmente da Liturgia das Horas, mas não só da Liturgia das Horas, é imprescindível. Já sabemos que temos que celebrar todos os dias, integralmente, a Liturgia das Horas: Oficio de Leituras, Laudes, uma Hora Média, Vésperas e Completas. No entanto, precisamos alimentar diariamente a nossa vida espiritual: oração de meditação, uma parte do Rosário, leitura espiritual, exames de consciência, visitas ao Santíssimo, etc. Por quê? Por que Deus nos ama, ele nos chamou e nós o amamos apaixonadamente.

Rezar é fácil! Rezar não é fácil! É fácil porque se trata de falar, dialogar, conversar com o Pai e com o Filho e com o Espírito Santo. Não é fácil por vários motivos. Depois de um dia cheio de tarefas pastorais, estamos cansados; daí a importância de não deixarmos a oração para as últimas horas, mas encher o nosso dia com a oração. Numa sociedade barulhenta, o silêncio resulta incômodo, também para nós; não tenhamos medo ao silêncio da oração no dia-a-dia, nos dias de recolhimento e nos retiros espirituais. Nós não rezamos porque gostamos ou deixamos de gostar, mas porque Deus gosta, porque queremos ser fiéis e sabemos que sozinhos é-nos simplesmente impossível.

Que edificante para o povo ver o seu pároco de joelhos diante do Santíssimo em oração pessoal, não por dois minutinhos, mais por um tempo razoável. O sacerdote é, em Cristo, mediador, não somente durante a celebração eucarística, mas em todos os momentos. Como é importante rezar, ser piedosos e orar muito pelo povo que nos foi confiado. Lembremo-nos do Cura d’Ars rezando durante horas e horas diante de Jesus Sacramentado pela conversão do seu povoado. A graça operou maravilhas em Ars! E pode fazer maravilhas nas nossas paróquias!

4 – Confissão freqüente e direção espiritual

É comum escutarmos que um bom confessor é sempre um bom penitente. E isso é verdade! O fato de um sacerdote confessar-se semanalmente ou quinzenalmente não é nenhum exagero. De fato, o sacerdote, ministro de Cristo, deseja parecer-se cada vez mais com aquele que representa: Jesus Cristo. Com esses vivos desejos, o presbítero percebe a necessidade de contínuas purificações para que todas as suas ações sejam cada vez mais atuações de Jesus Cristo através dele.

O pecado sempre é feio, Deus sempre é belo. Há uma oposição radical entre Deus e o pecado, entre a beleza e a feiúra. Sem dúvida, Deus é Uno, bom, verdadeiro e belo. Todo o nosso ser, templo do Espírito Santo, deve ser cada vez mais à semelhança do Senhor. Deus sempre atua através dos seus sacerdotes, e infalivelmente nos Sacramentos. Mas, é verdade, Deus atua mais através dos sacerdotes mais santos. Quem é “santo santifique-se ainda mais” (Ap 22,11), nos diz o Espírito Santo.

Direção espiritual! Não é coisa só do tempo do Seminário. Não! Como é bom poder contar com outro irmão sacerdote com quem partilhar – com toda sinceridade – o próprio caminho espiritual, os nossos êxitos e fracassos! O diretor espiritual nos dará conselhos, idéias, sugestões, que nos ajudarão a ver aquelas coisas que nós mesmos não conseguimos ver em nós, que nos farão estar sempre na presença de Deus, que nos mostrarão metas a alcançar na vida espiritual. A direção espiritual é uma ajuda eficaz na pastoral e é, simplesmente, uma garantia de fidelidade.

5 – A virtude da pobreza e a sobriedade

Os sacerdotes seculares não fazem votos de pobreza, castidade e obediência, como os religiosos-sacerdotes. Isso não quer dizer que não tenhamos que viver as virtudes da pobreza, da obediência e da castidade, não como votos, mas como virtudes, como qualquer cristão. Ao mesmo tempo, a causa de um novo título, o da ordenação sacerdotal, o presbítero tem que ir adiante nessas virtudes mostrando o caminho ao Povo de Deus. Recordemo-nos que essas virtudes foram vividas perfeitamente por Cristo e que os Apóstolos o imitaram. Portanto, a nossa pobreza sempre é cristológica e apostólica!

O desprendimento, também dos bens materiais, é essencial para que tenhamos um coração realmente entregue a Deus e aos irmãos. Que pena se depois de renunciarmos tantas coisas, ficássemos apegados a uns míseros reais… Que bobagem!

Tenhamos sempre consciência de que nós entregamos tudo a Deus e de que o nosso tesouro é seguir o Cristo pobre, desapegado dos bens dessa terra. Nós somos Cristo que passa pelas ruas das nossas cidade e que vai curando, pregando, expulsando demônios, chamando as pessoas para viver bem perto de Deus. Os bens dessa terra têm que estar ao serviço de Deus. Daí a importância de levar em sério a administração da paróquia de uma maneira bastante profissional, de evitar os gastos desnecessários, de sermos também nós generosos com os mais pobres (nós que tanto falamos do dízimo aos nossos fiéis!). Uma coisinha: a roupa clerical também ajuda a viver a virtude da pobreza, pois dessa maneira evitaremos, por exemplo, a preocupação da moda: um sacerdote que se veste segundo o seu estado sempre está na moda!

6 – A virtude da obediência e a responsabilidade pessoal.

“Prometes respeito e obediência a mim e aos meus sucessores?” Essa foi uma das perguntas que o bispo nos fez no dia da nossa ordenação. E nós respondemos cheios de convicção: “Prometo”. Realmente, seria muito interessante repassar de vez em quanto esses momentos que tanto marcaram a nossa vida. De fato, é exatamente isso que fazemos na quinta-feira santa ao renovar as promessas sacerdotais.

Nós amamos a liberdade, que é “irmã” da responsabilidade. A liberdade é aquela capacidade que Deus nos deu para que façamos o bem de maneira inteligente e sem nenhuma coação. Infelizmente, é possível que também nós, sacerdotes, funcionemos com um conceito de liberdade mundano. A liberdade de eleição é somente um sinal de que há liberdade, mas não é a essência da liberdade, muito menos da liberdade cristã, que leva consigo, necessariamente, a identificação da nossa vontade com a Vontade de Deus. Cristo, totalmente livre, submeteu-se em tudo ao Pai. Esse é o nosso modelo de liberdade, e de obediência!

Uma liberdade concebida dessa maneira nos faz mais verdadeiros, nos faz mais nós mesmos. Anteriormente, falávamos de liberdade como capacidade de fazer o bem de maneira inteligente. Logicamente, liberdade e obediência, na vida do cristão, e em conseqüência do presbítero, precisam estar sempre unidas. Como é importante aprender a obedecer livremente e ser livre obedecendo. Não é um mero jogo de palavras: quando se recebe uma ordem, é mais obediente e mais livre aquela pessoa que é capaz de obedecer da maneira mais perfeita possível. Nesse desejo de obedecer bem, entra em jogo a nossa inteligência e vontade, e a graça de Deus.

Obediência cadavérica? Nem pensar! Obediência de seres vivos, dotados de uma capacidade intelectual e volitiva e elevados pela graça de Deus. Concretamente, obedecer ao Papa e ao bispo diocesano é, para cada um de nós, identificação com Cristo que obedeceu em tudo. Além do mais, é garantia de eficácia apostólica. Se cada um quisesse fazer a sua própria “diocese paroquial”, a pastoral iria a menos e se mostraria – mais cedo ou mais tarde – a deterioração que isso implica para a unidade católica.

7 – Serviço aos pobres.

Pode-se afirmar com toda segurança que nós – Igreja no Brasil – fizemos a opção preferencial pelos pobres. Graças a Deus, pode-se observar nas paróquias diversas atividades em favor dos mais necessitados. É muito edificante ver o sacrifício de muitos sacerdotes para levar adiante tantas iniciativas nesse campo. Em todo o Brasil há uma sensibilidade geral para esse tema. Sem dúvida, tudo isso está profundamente enraizado no Evangelho.

O Papa Bento XVI, no seu Discurso inaugural da V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe, afirmou: “A fé nos liberta do isolamento do eu, porque nos leva à comunhão: o encontro com Deus é, em si mesmo e como tal, encontro com os irmãos, um ato de convocação, de unificação, de responsabilidade para o outro e para com os demais. Neste sentido, a opção preferencial pelos pobres está implícita na fé cristológica naquele Deus que se fez pobre por nós, para enriquecer-nos com sua pobreza (Cf. 2 Cor 8,9)” (DE, nº. 3).

Nós, presbíteros, não podem esquecer-nos, no entanto, que o nosso trabalho a favor dos mais pobres nas suas mais diversas manifestações (há também uma pobreza espiritual que não é boa: pecado, ignorância, falta de educação, etc.) tem que estar banhada dessa característica: pastoral. Explico-me: nós não somos agentes sociais, nós somos pastores do rebanho do Senhor e como tais devemos cuidar das ovelhas. Como bons pastores procuraremos, em primeiro lugar, rezar por todas essas pessoas confiadas ao nosso cuidado, pois, por mais que façamos, sempre há um campo imenso aonde nós não chegamos, mas que a oração abarca. Em segundo lugar, a nossa atividade em favor dos irmãos, não pode se converter em ativismo. Seja a nossa ação fruto da contemplação dos mistérios de Deus. A oração deve ocupar o primeiro lugar!

É importante saber organizar as coisas, para que não estejamos sempre à frente. Como é bonito passar despercebidos! Por outro lado, há tantos leigos que sabem fazer coisas tão bem feitas e que nós não temos nem idéia. É importante que sejamos conscientes dos nossos próprios limites e deixemos que os outros trabalhem na vinha do Senhor, impulsionando-os e apoiando-os, coisa que sempre se agradece ao padre.

Muito obrigado, senhores bispos, por que essa Carta que nos fez pensar, refletir e fazer propósitos para melhorar a nossa vida e ministério sacerdotais santificando-nos nesse trabalho tão santo e divino ao santificar os outros com ele.

Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa

(da Diocese de Anápolis-GO)


Outros temas com

Pe. Françoá Costa.





Marcha Nacional da Cidadania pela Vida.


Tem Anjos Voando neste Lugar !


..

Em Brasília, no próximo Domingo

30 de agosto de 2009 – 15:00 hs

Convidamos a todas as

Famílias Brasilienses a participar da

III

Marcha Nacional da Cidadania pela Vida

Finalizando com um grandioso

Show Com Elba Ramalho.

.

Eixão Sul

Brasília – DF

.


Marcha Nacional da Cidadania pela Vida


.


https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg
PRESENTEPRAVOCE

.


.


https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg
PRESENTEPRAVOCE

.

Tem Anjos Voando neste Lugar !

Se alguém não acreditar é só dar uma olhadinha nas fotos abaixo:

WALLPAPERS

Minhas Fotos

Brasília
Brasília
Brasília
Brasília

header-logo.v1[1]

Outras Fotos

Brasília
Brasília
Brasília
Brasília

header-logo.v1[1]

Logotipo do Flickr. Se clicar nele, você vai para a página inicial

Outras Fotos

Brasília
Brasília
Brasília
Brasília

Logotipo do Flickr. Se clicar nele, você vai para a página inicial

Outras Fotos

Brasília
Brasília
Brasília
Brasília

Logotipo do Flickr. Se clicar nele, você vai para a página inicial

Uma Surpresa apareceu na Foto digital !


Estava indo em direção a Brasília quando resolvi fazer umas fotos do nascer do sol, mas como o carro estava em movimento deixei o acompanhante tirar algumas fotos, ao checar as fotos tive uma grande surpresa ao encontrar uma mensagem direcionada ao mim, de onde jamais pensei que viesse algo desta natureza.

Uma Surpresa e ao mesmo tempo uma fotografia esperada por mim a muito tempo, porque ela serviria exatamente para exemplificar o texto que escolhi como inspiração para este Blog.


Apresentação.

Aconteceu por acaso !

Jesus me ama mesmo ?.

VEJA A FOTO.



Com o carro em movimento próximo à Fábrica da Schincariol em Alexânia, após ter tirado a foto ao lado neste Link, meu filho continuou fotografando o nascer do sol, tirou varias fotos que ficaram todas irreconhecíveis, mas entre elas estava esta foto muito escura com o vulto de alguma coisa, se não prestarmos muita atenção, nem dá para ver do que se trata, mas se observarmos o detalhe, podemos observar que foi fotografado um poste na beira da estrada com uma plaquinha que dizia “JESUS TE AMA”, olhando para as outras fotos que nada se distinguia este poste que passou em alta velocidade até que deixou uma mensagem bastante clara e evidente.



Na verdade, esta plaquinha é a execução de uma ordem Divina ao Profeta (Habacuc 2,2)…

“E o Senhor respondeu-me assim: Escreve esta visão, grava-a em tabuinhas, para que ela possa ser lida facilmente…”


VEJA O DETALHE




Pode parecer que não é nada de extraordinário, apenas uma plaquinha num poste de beira de estrada que ficou registrada em uma foto por acaso, mas a verdade é que a pessoa que colocou esta plaquinha lá, jamais imaginou que isto aconteceria, sua mensagem é para o dia e não para um flash que pisca em um milésimo de segundo, por isso eu considero que está declaração foi direcionada diretamente à minha pessoa e sei que uma mensagem como esta pode salvar muitas vidas, talvez você mesmo precise neste momento desta mensagem de amor para sua vida, já que vivemos tempos difíceis e quem poderia dizer que está a salvo das preocupações diárias.

Eu mesmo sou a pessoa mais necessitada de ter ouvido uma declaração de amor como esta, me lembro da declaração de São Pedro a Jesus, quando Ele lhe perguntou se ele o amava.

Mesmo em nossas dificuldades e incertezas da vida eu respondo a Jesus está sua declaração inesperada, sem que eu lhe tivesse pedido nada, afinal também foi sem meu pedido oficial que Ele entrou em minha vida a partir daquele dia que Ele se entregou para morrer por meus pecados.

Sim, eu lhe respondo com as Mesmas palavras de São Pedro.”

“Senhor, tu sabes que eu te Amo”

“São João”


jesus_esta_com_voce


Semeando a cultura de Pentecostes


Ide e evangelizai a todo mundo Chamados_Comunicar
placa+Jesus+te+ama+na+estrada[1] Ide_ao_Mundo Lançai a palavra

Rosa de Saron em Ceilândia.

rosa-saron-ceilandia.

XIII Louvor a Pentecostes

Rosa de Saron – Acústico e ao Vivo

“Ele nos marcou com o seu selo
e deu aos nossos corações o penhor
do Espírito Santo”  (II Cor 1,22)

.

No dia 24/05, a partir das 18 horas, venha participar do XIII Louvor a Pentecoste.

Um show de evangelização promovido há mais de 12 anos pela equipe de retiro da Paróquia São Marcos e São Lucas.

Nesta edição, contaremos com a participação das bandas Rosa de Saron lançando seu novo CD/DVD Acústico e Aovivo.

Comunidade Shalom, Paulinho Sá! E para ninguém ficar parado, no intervalo dos shows, DJ Jean vai engrandecer ainda mais esta festa! Não dá pra perder, hein!!

Quando:  24 de Maio de 2009

Horário: a partir das 18 horas
Local: Paróquia São Marcos e São Lucas

EQNP 13/09 (Aréa Especial), Setor P Norte, Ceilândia (ao lado do Supermercado Tradição).

Valor do ingresso: R$ 12,00

Pontos de Vendas: Secretaria da Paróquia Marcos e São Lucas, Livraria Virgem do Silêncio, Livraria Ave Maria, Livraria Paulinas, Arte Sacra(taguatinga Shopping) e Livraria Paulus.

Participe e traga sua família!
Informações: 3379-1100 (secretaria da paróquia) / 92748749 ou 9154-4697

Realização Equipe de Retiro

.

click no Banner

para ver os clips do Cd Acústico.

.

Foto Codimuc

Foto Codimuc

Trailer – Rosa de Saron

.

ROSA DE SARON EM

GOIÂNIA

Dia 16 de Maio de 2009

ANÁPOLIS

Dia 17 de Maio de 2009

O Espírito Repousará Sobre Ti

.

Cristo Deputado em Brasília ?

“Jesus Cristo”, ou melhor dizendo, ator que representava Jesus Cristo na Via-Sacra em Planaltina – Df, assumiu vaga de Deputado na Câmara de deputados em Brasília e promete não decepcionar seus fiéis, ou seja, seus eleitores e companheiros de caminhada.

Começou dando demonstrações de renuncia às burguesias da Câmara, prometendo abrir mão dos salários extras.

.

PAIXÃO DE CRISTO EM PLANALTINA - BRASÍLIA

PAIXÃO DE CRISTO EM PLANALTINA - BRASÍLIA

.

Aproveitamos a oportunidade para convidar a todos os habitantes da região que venham conhecer e participar desta Via-Sacra realizada na Semana Santa, em 2008, mais de 140.000 pessoas estiveram conosco e este ano queremos atingir um número bem maior de espectadores.

Este ano venha ver a Via Sacra Em Planaltina.

Veja : EM 2008 140 MIL FIÉIS COMPARECEM À ENCENAÇÃO DA PAIXÃO DE CRISTO NO MORRO DA CAPELINHA EM PLANALTINA …

.

https://i2.wp.com/www.clicabrasilia.com.br/fotos/20070407/07cid3f3.jpg

.

Via-sacra de Planaltina

Fonte da Matéria: http://www.df.pps.org.br/portal/showData/143331#

13/02/2009

Jesus vai pregar na Câmara Legislativa

Cláudio Abrantes

Cláudio Abrantes

Cláudio Abrantes assume cadeira de deputado no DF

Por: Correio Braziliense

Lilian Tahan

Entre os 24 deputados distritais da Câmara Legislativa, um é professor, outro é policial, tem promotor de Justiça, bispo que entrou para política, presidente de cooperativa, empresário, jornalista. A partir da próxima terça-feira, Cristo vai se unir ao grupo. O sósia mais conhecido de Jesus em Brasília, que durante uma década foi o ator principal da paixão e morte de Cristo na encenação de Planaltina virou deputado. Cláudio Cristo, como é conhecido na cidade onde mora, desceu do morro, largou a cruz e vai pregar em outros ares.

Deputado Cláudio Abrantes

Deputado Cláudio Abrantes

Deputado quer ser reconhecido como Cláudio Abrantes.

(Foto: Carlos Gandra/CLDF)

O primeiro sermão já está ensaiado. No ato de sua posse, Cristo vai subir ao plenário para anunciar que abre mão dos 14º e 15º salários, que os parlamentares ganham no fim do ano. Alguns poucos rejeitam o benefício. “Acho mais ético”, explica o cover de Jesus. O que fez reforçar a convicção do Cristo de Planaltina é a eterna vigilância dos seguidores desde que Cláudio começou a desempenhar o papel do Salvador. “Assim que uns vizinhos souberam do mandato, vieram me perguntar se eu aceitaria ganhar os salários-extras porque Cristo certamente abriria mão”, conta o ator.

Cláudio é segundo suplente do PPS na Câmara Legislativa. Com a saída do deputado Alírio Neto para chefiar a Secretaria de Justiça e Cidadania, o protagonista da paixão e morte de Jesus ocupará a vaga do ex-presidente da Casa. Será a estreia de Cristo do Morro da Capelinha na política local. A aproximação com expoentes do PPS em Brasília em 2003 e a visibilidade que as apresentações religiosas deram a Cláudio despertaram no ator o desejo de concorrer para deputado distrital. Em 2006, ele recebeu 4.350 votos tornando-se segundo suplente da legenda. O primeiro suplente da sigla, Bispo Renato, também carrega no nome a vinculação com os assuntos religiosos.

Foto: Denise Benevides

O Cristo do espetáculo mais aguardado durante a Semana Santa em Brasília atuou fazendo o papel principal no Morro da Capelinha até 2003. Depois tornou-se o diretor da encenação e ainda permanece no grupo que todos os anos se apresenta em Planaltina. Mesmo afastado do palco, o ator nunca cortou os cabelos, marca que o remete à figura divina. “Acho legal manter o cabelo comprido porque até hoje as pessoas ainda ligam o personagem a mim, além disso a minha mulher prefere assim”, explica Cláudio Cristo, expondo seu lado mais humano.

Quando Cláudio optou pela carreira pública, pretendia separar os assuntos religiosos da política. Durante a campanha, o candidato usou o sobrenome Abrantes, mas o registro de cartório não se sobrepõe à força do Cristo. Na cerimônia de posse do secretário Alírio no início da tarde de ontem, tanto o ex-presidente da Câmara, quanto o próprio governador José Roberto Arruda (DEM) se referiram ao novo deputado pela alcunha santa. “Tô saindo da Câmara, mas deixo Cristo em meu lugar”, apresentou Alírio. Arruda completou: “Esse cabeludo aí, que ficou conhecido por ser o Cristo é gente finíssima”.

Diante da boa imagem que a via-crúcis emprestou a Cláudio Cristo, ele se rendeu ao estigma de imitar Jesus. “Sei que a minha responsabilidade vai ser muito maior pelo que eu represento, mas já me acostumei a essa pressão”, diz, com o semblante de quem sabe que deixou a cruz de madeira para prosseguir com a outra, mais discreta, porém não mais leve, a dos olhares que seguirão atentos à conduta do Jesus de Planaltina.

Via-Sacra em Planaltina-GO

Via Sacra Em Planaltina.

Via-Sacra em Planaltina-GO

37 anos de tradição e o maior público do País, este ano pode ultrapassar 200.000 espectadores.

O evento foi reconhecido como um Patrimônio Artístico “Imatérial”, em consideração por tantos anos de execusão e grande participação Pública.

Não perca os  momentos que marcaram a Paixão de Cristo por amor a cada um de nós.

.

Grande espetáculo

em 2009

.

Nesta sexta Feira Santa

No morro da Capelinha

Click na Foto e veja o local

No Google

.

 

Morro da Capelinha - Palácio - Planaltina - DF / GO

Morro da Capelinha - Palácio - Planaltina - DF / GO

.

 

Palácio De Pilatos - Planaltina - Via Sacra

Palácio De Pilatos - Planaltina - Via Sacra

.

.

VIA SACRA PLANALTINA 2008

.

(parte 01)

.

.

(parte 02)

.

.

(parte 03)

.

.

VIA SACRA PLANALTINA 2008

(parte 04)

.

.

(parte 05)

.

.

VIA SACRA PLANALTINA 2008

(Final)

.

.

Click no Banner e check a programação para 2011 em Planaltina DF.

+

Via Sacra em Planaltina Goiás - 2009

Sonho de Dom Bosco.

.

Vitral onde mostra-se o sonho profético de Dom Bosco.

Uma grande Barca em alto mar, onde o Papa a comandava (símbolo da Igreja Católica), estava em meio a um combate entre outras barcas ao redor, repletas de vândalos com armas e tochas em punho, ávidos em destruir esta barca (símbolo da heresia e dos inimgos da Igreja que tentam destruí-la).

Parecia estar tudo perdido; olhou o Papa para o horizonte, e ele avistou duas colunas, bem firmes e sólidas, onde estavam Jesus Eucarístico e Maria Santíssima. A primeira coluna, a maior e mais alta, onde estava a Sagrada Hóstia, pendia um estandarte onde estava escrito: Salus CredentiumAuxilium Christianorum (Auxiliadora dos cristãos). (Salvação dos crentes). A segunda, menor que a primeira, com a Virgem Maria, pendia também outro estandarte, onde estava escrito:

Neste tempo, o Papa é atingido uma vez, e os Cardeais tentam ajudá-lo a levantá-lo. Quando conseguem, o Papa é atingido uma segunda vez e morre. Houve uma grande alegria entre os inimigos, mas imediatamente outro Papa assume o posto, e os inimigos começam a tremer.

Assim, o novo Papa guia a grande Nau até as duas colunas, e a ancora firmemente nestas duas colunas. Depois disto, os inimigos partem em retirada, uns colidem com outros, outros se destroem. Após tudo isto, há uma grande calmaria no mar.
Desta visão, Dom Bosco interroga Dom Rua (que estaria à frente da obra salesiana, depois de Dom Bosco) o que parecia a ele esta visão. Assim disse Dom Rua:

“Parece-me que a nau do Papa seja a Igreja, da qual ele é o chefe: os navios, os homens, o mar são este mundo. Aqueles que defendem o grande navio são os bons afeiçoados à Santa Sé, os outros são os seus inimigos que com toda sorte de armas tentam aniquilá-la. As duas colunas de salvação me parece que sejam a devoção a Maria Santíssima e ao Santíssimo Sacramento da Eucaristia.”

Dom Bosco disse depois: “Disseste bem. É preciso somente corrigir uma expressão. As naus dos inimigos são as perseguições [à Igreja]. Preparam-se gravíssimos sofrimentos para a Igreja. O que até agora aconteceu é quase nada comparado com aquilo que deve acontecer. Os seus inimigos são figurados pelos navios que tentam afundar, se o pudessem, a nau capitania. Só restam dois meios para salvar-se entre tantas desordens: a devoção a Maria Santíssima e a freqüência à Comunhão, empregando todos os meios e fazendo de nossa melhor maneira para praticá-los e os fazer praticar, em toda parte, e por todos.”

Disto, podemos discorrer dos seguintes tópicos da resposta de Dom Bosco: a frequência à Comunhão e a devoção a Maria Santíssima.

…..

Muitos dos sonhos proféticos de Dom Bosco se aplicam a esta época em que vivemos porque vemos claramente como a Igreja está sendo atacada em seus princípios mais elementares.   A Igreja nunca foi inimiga do homem ou da humanidade, apesar da afirmação dos ateus que a Igreja atrasou o progresso da humanidade, se considerarmos as crises  no clima, as tssunamis e o aquecimento global, sem nos referirmos as crises econômicas e a fome de milhares enquanto outros milhares sofrem de obesidade mórbida.    Se este é o resultado do progresso que nos promete inundações e efeito estufa nos cozinhando em banho-maria e nos matando aos poucos, realmente poderemos dizer que este progresso não foi bem vindo apesar de não querermos largá-lo de maneira alguma.

A verdade é que muitos não querem a fé e a tratam como uma inimiga.    Jesus mandou que levássemos o seu evangelho a todo o mundo, que anunciássemos a todas as nações, e todos aqueles que o aceitassem seriam salvos, mas Jesus jamais nos obrigou a segui-lo e portanto quem não quiser ser salvo e preferir sua vida “Sem Deus”, tem todo o direito de escolher as trevas e a destruição que o mundo ateu nos promete para breve.

Os frutos do Cristianismo neste mundo são evidentes e poderíamos afirmar com toda certeza de que a sociedade sem estes princípios Cristãos tornaria a ser tribos de animais lutando entre si até a morte, como acontecia no passado e ainda acontece até hoje em várias partes do mundo.

Os princípios Cristãos impedem o homem de tomar iniciativas que prejudiquem a vida humana em particular que prejudicariam toda a sociedade, mas existe uma tendência em desvalorizar a vida do outro e não o acolher como semelhante se contrapondo diretamente com o segundo mandamento que Jesus no deu “Amai-vos uns aos outros como Eu vos Amei…”.

Já limitaram o sentido da palavra AMOR em apenas sexo “um desejo passageiro”, “Não um sentimento eterno”, agora tentam apagar o nome de Jesus de uma história que foi testemunhada por muitos olhos, que viram um homem retornar dos mortos “sozinho”, sendo que havia morrido sem nenhuma gota de sangue em seu corpo.

Este Homem está vivo e não morrerá jamais, foi Ele quem iniciou o Cristianismo na face da terra como um semeador que semeava em terra boa, estas sementes  nasceram, cresceram se desenvolveram e  deram muito fruto, agora é chegado o tempo em que Ele retornará para buscar os frutos da sua semeadura.

Na visão profética de Dom Bosco, foram destacados dois pilares básicos de nossa fé; a Eucaristia e a Virgem Maria, e são justamente estes dois símbolos de nossa fé que mais são atacados nos dias de hoje, os homens sem fé denigrem a imagem da mãe de Jesus de todas as maneiras possíveis, tudo isso para levar os homens a menosprezá-la julgando-a como uma simples pecadora igual a todos nós e assim sem qualidades ou méritos que possam ser seguidos pelos filhos de Deus.

Estava lendo alguns textos sobre Maria na Internet sobre o Advento e o tempo de Natal, me surpreendi com a quantidade de textos que falam contra a virgindade de Maria, fiquei então pensando, porque os ateus e pecadores se preocupam tanto com este fato “DE QUE MARIA É VIRGEM DE FATO”, e ficam tentando provar que a Igreja inventou tudo isso sobre ela, mas o máximo que conseguem fazer é escrever estórias sem fundamento e sem comprovação “HISTÓRICA”, mas que muitos acabam duvidando da fé que possuíam.

Neste Natal, a revista Playboy resolveu atacar em cheio a Santidade de nossa Mãe Maria Santíssima, usando da igualdade do nome de uma  “modelo feminina” compararam sua beleza física com a beleza infinita de uma mulher que foi escolhida por Deus para ser a mãe de seu próprio filho, fato este que jamais se repetirá e nenhuma outra mulher neste mundo poderá receber esta mesma graça que Maria já recebeu.

Ela é o maior exemplo de Beleza, de Amor, de Mãe, de Fidelidade, de Lealdade, de Perseverança, de Santidade e muito mais que seja possível enumerar aqui, algo que não poderá ser equiparado por ninguém neste mundo.   Isto é claro, não deve ser motivo de ciúmes, inveja ou ódio, mas deve ser um exemplo a ser seguido não somente pelas mulheres, mas também por nós homens de Deus que buscamos a Salvação.

São João escreveu no Apocalipse Cap 12 vers. 13

13. O Dragão, vendo que fora precipitado na terra, perseguiu a Mulher que dera à luz o Menino. 15. A Serpente vomitou contra a Mulher um rio de água, para fazê-la submergir. 17. Este, então, se irritou contra a Mulher e foi fazer guerra ao resto de sua descendência, aos que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus.

Tudo o que acontece hoje já havia sido anunciado por Deus, para que realmente saibamos que Ele está conosco e nos dará a vitória.