Dinâmica – Como Permanecer Cheio do Espírito Santo.



“Não sejais imprudentes, mas procurai compreender qual seja a vontade de Deus.  Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas ENCHEI-VOS do Espírito.”
Efésios, 5,17-18 – Bíblia Católica Online





Espírito Santo – Dinâmica


Então Jesus SOPROU sobre eles e disse:

“Recebei o Espírito Santo.” (São João 20,22)”


De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e ENCHEU toda a casa onde estavam sentados. Ficaram todos CHEIOS do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.”
Atos dos Apóstolos, 2,1-5


“Mal acabaram de rezar, tremeu o lugar onde estavam reunidos. E todos ficaram CHEIOS do Espírito Santo e anunciaram com intrepidez a Palavra de Deus.”
Atos dos Apóstolos, 4,31


Objetivo:

“Permanecer Cheio do Espírito Santo.”


Participantes: Numero indefinido.
Tempo Estimado: 15 minutos.
Material:
balão (vermelho)

(utilizamos da cor vermelha por ser a cor litúrgica da Festa de Pentecostes, mas poderá ser usado qualquer cor)

Desenvolvimento:

Para falar do Espírito Santo vamos usar um balão porque na leitura acima Jesus se utilizou de um sopro para simbolizar o recebimento do Espírito Santo pelos Apóstolos.

Para que serve um balão? (brincar, enfeitar os aniversários, jogar etc.)

O balão vazio serve para fazer estas coisas que acabamos de falar?  (não)

O que devemos fazer? (devemos encher o balão)

O cristão nasceu para amar, para servir, perdoar etc. e não para ficar vazio jogado num canto qualquer.

Um balão vazio não serve para nada e assim também um cristão vazio não consegue servir para nada.

O que enche este balão e o faz  ficar pronto para ser usado? (o ar)

E o cristão quem o enche e o faz ficar pronto para amar e servir? (É o Espírito Santo)

O que mais se tem nas lojas e supermercados são balões vazios sem utilidade e assim também no mundo o que mais temos são pessoas vazias e sem objetivo de vida porque estão vazias do Espírito Santo.

Para encher o balão precisamos soprar, mas para ficarmos cheios do Espírito Santo quem sopra é Jesus – (S. João 20,22)

22Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.

(neste momento  o catequista deve encher o balão e mandar que os outros encham também)

catequese+038[1]

Nesta versão iremos distribuir balões de cores variadas (ou não) para os participantes, porém previamente iremos furar alguns balões com um furo de agulha, dois ou mais.

Esta informação não deve ser repassada para os participantes que devem encher os balões normalmente todos ao mesmo tempo.

O resultado é lógico: Alguns balões irão se encher normalmente, outros irão se encher mas irão se esvaziar rapidamente ou lentamente de acordo com quantidade de furos e por fim alguns poderão até estourar,  porém isto será um resultado totalmente inesperado para todos e será neste ponto a nossa reflexão.

– O meu balão está se esvaziando alguém poderá dizer.

– Mandar repetir a operação:

– Depois pergunte o resultado?

– O resultado se repetirá e alguém já poderá dizer que seu balão está furado.

– Se não…  Analisar as causas e motivos do esvaziamento… Encontrar a causa…

– Conclusão: Furos no Balão…

– Fazer uma comparação entre as causas do esvaziamento do balão e as causas do esvaziamento do Cristão.

– Quais são as causas que não permitem que o Cristão permaneça cheio do Espírito Santo?

– Pedir sugestões para a platéia…

– Debater sobre as soluções que Deus nos oferece através da Igreja para que possamos reparar esses furos e parar de se esvaziar.



O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)



Sede cheios do Espírito Santo

“Não vos embriagueis com vinho, que é uma fonte de devassidão, mas enchei-vos do Espírito.”
Efésios, 5,18 – Bíblia Católica Online

A palavra de Deus nos convida a buscamos um crescimento espiritual continuo e um aumento do seu poder sobrenatural em nossas vidas diariamente.

A vida de quem serve à Deus deve ser uma novidade no Espírito Santo (Romanos 12,2).

“Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito.”
Romanos, 12,2 – Bíblia Católica Online

Deus não dorme ou fica estaguinado na sua ação.   É por isso que deve partir de nós, essa busca por recebermos cada vez mais de Deus, algo mais profundo, mais forte, mais presente e perene!

Porém, é necessário frisar que a incredulidade, o pecado e o apego às coisas mundanas acabam por nos esvaziar nos impedindo de permanecer cheios do Espírito Santo.

Estes exemplos acima, são como os furos do balão. Por mais que sejam cheios de ar, logo se esvaziarão por estarem com buracos que deixam o ar escapar e da mesma forma o PECADO nos esvazia da graça de Deus.

O mesmo ocorre conosco. Se há furos (brechas), a unção que Deus derrama para nos renovar e nos encher com mais do Seu Espírito, não permanece muito tempo!

Quando conseguimos a vitória contra o pecado em nossas vidas, ou seja, quando aquilo que recebemos permanece para nosso crescimento, outras coisas também ocorrem conosco.

Criamos mais resistência contra o pecado;

Recebemos poder para operar coisas no sobrenatural;

Recebemos uma palavra de poder que gera mudança de vida nos outros ao nosso redor;

Deus se revela num conhecimento bem mais profundo e amoroso.

Para concluir, quando estamos CHEIOS de Deus, do Seu Santo Espírito, haverá transformação de vidas, tanto a de quem está cheio como de quem está próximo.

É bom lembrarmo-nos do texto de São Lucas 5,36-39, ou seja, para ser cheio com algo novo, com uma novidade de Deus, não podemos ficar presos em que vamos receber algo semelhante que um dia recebemos. É um vinho novo, é uma nova unção, é elevar-se no Reino de Deus. Mais autoridade, novos sonhos, projetos, mais conquistas para nosso Deus.

Nunca esteja satisfeito com o que já recebestes de Deus, fique é claro agradecido, mas sempre busque mais Dele que podes ter certeza, Ele tem prazer em nos encher com mais e mais do seu Santo Espírito, nos preparando para combatermos as obras do mal.

Que cada dia mais estejais cheios da graça de Deus que é o seu Espírito.

Amem!


Luz_do_espirito_santo

A LUZ DO ESPÍRITO SANTO

Sentindo o calor da presença do E. S. e sufocando a chama até que ela se apague. 


Conhecendo os sete dons do Espírito

Dinâmica com letras e montagem de quebra-cabeça.


Semeando a cultura de Pentecostes

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Efusão_no_Espirito_1



 

Efeitos da Efusão e do Repouso no Espírito Santo.



Quais são os efeitos da Efusão e do Repouso no Espírito Santo?

Extraído do livro “Efusão e Repouso no Espírito Santo” (3ª Edição) de João Carlos da Silva Dias.


Recebendo_o_Espirito_Santo


Os efeitos da Efusão e do Repouso no Espírito Santo são numerosos e multiformes. A primeira conseqüência da Efusão e do Repouso no Espírito é um crescimento na vida de oração. Graças a um melhor exercício das virtudes teologias da fé, da esperança e da caridade, faz-se a descoberta ou a redescoberta da presença de Deus e do Seu Amor. Isto provoca um estabelecimento ou um retomar da vida de oração pessoal que permite uma melhor percepção e compreensão do mistério Trinitário. A Efusão e o Repouso no Espírito Santo abrem o nosso coração de uma forma sublime para se ter uma relação forte e efetiva com Deus como Pai, com Jesus como Mestre e Senhor e com o Espírito Santo como condutor e guia. Por outras palavras, um crente experimenta a vida Trinitária de Deus nele próprio. Normalmente o que acontece é que o Espírito Santo dá à pessoa uma nova vida em Cristo. Com o poder do Espírito, Jesus torna se o centro de nossa vida e, em conseqüência disso, vivemos uma vida em Jesus, com Jesus e para Jesus. Uma vida Cristo-cêntrica permitir-nos-á crescer em Cristo e tornarmo-nos como Cristo, havendo uma verdadeira transformação pela ação do Espírito, que nos permitirá dizer que “já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2:20). Além disso, num estado de pertença e de identificação maior com Jesus isso permite-nos ser verdadeiros filhos adotivos do Pai (Gl 4:6). Com a Efusão e Repouso no Espírito, dá-se uma autêntica conversão e tornamo-nos mais orantes. Nos testemunhos é freqüente as pessoas dizerem que passaram a ter “fome e sede” de Deus. O Espírito Santo faz elevar o nosso coração para Deus e permite-nos livrarmo-nos da nossa fraqueza na oração.

O Espírito dá Sabedoria para conhecer mais sobre Deus, nós próprios e os outros. O Espírito infunde em nós um grande desejo pela Palavra de Deus, a Sagrada Escritura. Ler a Bíblia passa a ter grande sentido na nossa vida, abrindo a nossa visão ao plano de Deus. Como resultado, encontramos razões, em abundância, para agradecer a Deus e para louvar sempre o Pai e o Filho por todos os acontecimentos na nossa vida. A Efusão do Espírito eleva-nos para um estado espiritual, em que sentimos a nossa vida cristã mais poderosamente, mais eficazmente, sem abdicarmos de nenhum dos seus princípios. O Espírito Santo impele-nos a viver uma vida santa. É a verdadeira vocação cristã. O Espírito, que reside em nós, permite-nos ultrapassar a carne, o mundo e Satanás, pois tendo experimentado a santidade profundamente em nós, irradiaremos para os outros através de palavras e ações. Num crente, o Espírito de Santidade dará poder e luz aos outros. Pela Efusão do Espírito, tornamo-nos mais conscientes da atuação de Satanás e como resistir-lhe. O poder do Espírito dar-nos-á resistência aos ataques dos poderes malignos. O poder do Espírito fortalece-nos para falar sobre Jesus aos outros, de uma forma que faz com que se tornem crentes. Haverá um entusiasmo genuíno pela evangelização. O Espírito, em nós, ajuda-nos a ajudar as obras de evangelização, não apenas dando ofertas monetárias, mas em muito mais.

Um outro fruto da Efusão e do Repouso no Espírito é a descoberta do verdadeiro amor fraterno. Na verdade ao permitir que descubramos o Amor que é a própria vida da Trindade, o Espírito Santo ensina-nos a viver um verdadeiro amor fraterno que é, ao mesmo tempo, o testemunho e o teste de um autêntico amor de Deus. O exercício deste amor fraterno, na comunhão eclesial, ensinamos a amar como Jesus nos ama e concede-nos a alegria de sermos irmãos e irmãs n’Ele para formar o Seu corpo que é a Igreja. Este amor fraterno, dom de Deus, incute-nos o espírito de missão e coloca-nos generosamente ao serviço dos outros. Os grupos de oração tornam-se verdadeiras comunidades de oração, de fé, de esperança e de amor.


Repouso_no_espirito_santo


As pessoas e as famílias reencontram a força para se perdoarem como Jesus nos perdoou, para se reconciliarem como Jesus nos reconciliou com Deus e para deixarem a graça de Deus curar as suas feridas do passado. Alguns grupos caminham por vezes até à vida em comunidade, para um compromisso ainda mais radical ao serviço de Deus e dos homens, experimentando assim uma nova forma de vida comunitária na igreja. Um outro fruto da Efusão e do Repouso no Espírito é aproximar-nos da Igreja e termos uma melhor compreensão do seu mistério profundo. O Espírito Santo não é um espírito de divisão. Pelo contrário, é um espírito de comunhão. Ele suscita uma redescoberta da Igreja, como mistério da comunhão com Deus e como instituição hierarquicamente organizada. Com a Efusão do Espírito, começamos, mais e mais, a apreciar, o poder dos sacramentos e vivemos neles com uma experiência pessoal. Ao redescobrir que a Igreja é tanto carismática como institucional, conseguimos não voltar a julgá-la exteriormente e perceber que ela é, antes de mais, o Corpo de Cristo, sacramento da Sua presença no mundo, e que a hierarquia é um serviço para o seu crescimento no amor. O Espírito permitir-nos-á assim entrar num relacionamento com outros cristãos, tendo uma grande consideração e respeito pela Igreja e suas autoridades. Pela Efusão do Espírito Santo é-nos dado um maior amor filial pela Igreja, uma atenção e docilidade maiores aos seus ensinamentos, uma participação mais assídua à liturgia e aos sacramentos e uma devoção mais autêntica a Maria. Longe de nos afastar da Igreja, um dos frutos da Efusão do Espírito é aproximarmo-nos dela e uma melhor compreensão do seu mistério profundo.

Um outro fruto da Efusão e do Repouso no Espírito é a cura e libertação. No seguimento da Efusão e Repouso no Espírito é possível fazer-se a experiência de uma cura e/ou libertação. Nos testemunhos apresentados (cf. Cap. 10 – Testemunhos de Efusão e do Repouso no Espírito Santo) existem relatos de curas e libertações. Vê-se que à medida que entramos em contacto com o Amor de Deus o Senhor pode operar em nós grandes curas espirituais e físicas. Deus não é apenas o autor do poder, Ele é o poder e por isso tudo pode. Na verdade, a tomada de consciência mais viva da presença de Deus e a entrega total do nosso ser à ação transformadora do Espírito Santo trazem consigo a libertação de certas formas de escravatura/pecado (vícios, violência, alcoolismo, droga, sexualidade desordenada, ciúme, egoísmo, superstição, obsessões de suicídio, etc.) e o desaparecimento progressivo de certos bloqueios (ansiedades, angústias, escrúpulos, inibições, complexos de inferioridade, etc.). Assim podem ocorrer verdadeiras curas interiores e por vezes físicas. E simultaneamente uma paz e uma alegria invadem progressivamente todo o nosso ser. Trata-se de um ponto importante que mostra que a Efusão e o Repouso no Espírito não é uma emoção sentimental ou uma evasão das realidades da vida. A Efusão ajuda-nos a mudar a nossa vida, a abandonar radical ou progressivamente atitudes e hábitos que não são conformes à vontade e ao projeto de Deus para cada um de nós. Um outro fruto da Efusão e do Repouso no Espírito é o crescimento dos frutos, dons e carismas do Espírito. É pelo crescimento dos frutos de santidade que nós sabemos se uma pessoa foi de fato “batizada” pelo Espírito Santo. Aquela libertação das nossas escravidões e bloqueios é acompanhada pelo crescimento dos frutos espirituais: “mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, autodomínio. Contra tais coisas não há lei.” (Gl 5:22-23). Da experiência dos frutos do Espírito, através da Efusão e Repouso no Espírito, tornamo-nos mais alegres, com paz e poder. Até nas alturas de sofrimento e de rejeições, seremos fortalecidos para seguir Jesus de uma forma mais próxima. Este crescimento dos frutos do Espírito em nós é a manifestação do crescimento da nova criatura, do homem novo. Pela ação do Espírito, pelo crescimento da nossa vida teologal, pelo encontro mais assíduo com o Senhor na oração pessoal e comunitária, na leitura das Escrituras e nos sacramentos, nós permanecemos em Deus e Deus permanece em nós e podemos assim dar muitos frutos e frutos duradouros: “Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e Eu nele produz muito fruto; porque sem Mim nada podeis fazer.” (Jo 15:5). Além de nos fortalecer o Espírito também nos dá vários dons e carismas. O Espírito ajuda-nos a formar grupos de oração, a participar nos grupos de oração, a visitar os doentes em casa ou no hospital e a rezar pela sua cura. Através do Espírito, faremos adequadamente o discernimento da nossa vocação na vida e abraçá-la-emos como a vontade de Deus e encontraremos nisso a felicidade.

Extraído do livro “Efusão e Repouso no Espírito Santo” (3ª Edição) de João Carlos da Silva Dias. Encomendas: mirjsd@gmail.com; Tel.: 00351.914137940

Testemunho de conversão: http://www.santidade.net/artigos/jsd_testemunho.pd




Batismo_Espírito_1 Fruto_do_Espirito


Efusão_no_Espirito_1

Queira Receber a Efusão do Espírito!



Vem_Espirito


Este texto foi desdobrado em duas Dinâmicas que estão em outros Post’s distintos e relacionados com o entendimento deste texto.


Tres_garrafas_2

Dinâmica das

três garrafas.


Pipoca_estourando_Efusão

Dinâmica:

A Transformação

do Homem interior.



Fruto_Espírito Recebendo_o_Espirito_Santo Batismo_Espírito
Sete_dons

Dinâmica – Conhecendo os Sete Dons do Espírito Santo.



Conhecer os Sete Dons do Espírito Santo.


A Dinâmica leva em consideração que os participantes não conheçam os sete Dons do Espírito, ou que pelo menos os conheçam parcialmente, se conhecerem também não terá problema nenhum em executá-la.

Por não conhecerem o nome dos sete dons do Espírito, a movimentação e o esforço para descobrir cada nome na dinâmica levará a uma memorização de cada um dos dons.


Fundamentado no texto:

(Isaías, 11,2-3 )

“2. Sobre ele repousará o Espírito do Senhor, Espírito de sabedoria e de entendimento, Espírito de prudência e de coragem, Espírito de ciência e de temor ao Senhor. 3. (Sua alegria se encontrará no temor ao Senhor.) Ele não julgará pelas aparências, e não decidirá pelo que ouvir dizer;” 
Isaías, 11,2-3 – Bíblia Católica Online


Sete_dons_espirito_santo

1. Material necessário:


Indicações: Para grupos de Jovens, crianças, adultos, catequese, encontros fechados e grupos abertos.

Objetivo: Apresentar e memorizar os Sete Dons do Espírito Santo de uma maneira descontraída e animada, como recreação, complemento de palestra anterior ou posterior sobre o tema.

Descrição:

Escreva os nomes dos sete Dons em uma cartolina com letras grandes e depois recorte cada letra em separado.

Temor de Deus (11) – Piedade (7) -Fortaleza (9) – Ciência (7) – Conselho (8) -Entendimento  (12)  –  Sabedoria   (9)

Total = (63) letras

Obs: Podem ser letras diferentes e cores diferentes, se as cores e letras ficarem trocadas nas palavras não terá importância, mas se quiser facilitar a dinâmica escreva cada palavra em uma cor diferente.


Temos um total de 63 letras logo o Grupo pode ser entre 30 e 70 pessoas, caso o grupo for menor cada um poderá pegar duas letras e se for maior alguns terão que ficar sem nada.

Misture bem e embaralhe as letras:

Opção 1: Entregue uma letra a cada um dos participantes.

Opção 2: Mande que cada um busque uma letra dentro de uma caixa ou saco fechado.

Quando todos estiverem com as letras na mão ainda não saberão do que se trata, é neste momento que alguém poderá fazer uma introdução sobre o tema, desde que não toque no nome dos sete Dons deixando para completar a reflexão apos a dinâmica.


Dinâmica:


Como cada um tem uma letra na mão sem nenhuma conexão uma com a outra, você pedirá para que formem sete grupos e que cada grupo deverá formar uma palavra que contenha o nome de um dos sete dons do Espírito Santo.

Obs. Geralmente alguém saberá pelo menos uma palavra e quando forem formando as palavras se tornará mais fácil para os restantes.

Facilitador: em caso de não saberem nada sobre o tema o líder poderá dar dicas para auxiliar a solução, de preferência deixar quebrar um pouco a cabeça desde que não exceda 00:05 mm para não dispersar o grupo e perder o foco.

DICAS: Facilitador: Palavras Cruzadas:

Obs: Se você tiver um mural ou um quadro negro, pode montar uma moldura com a palavra “Espírito Santo” na horizontal e “Sete Dons” na vertical deixando os espaços demarcados para o encaixe das palavras encontradas pelos participantes.

(*)(conforme amostra abaixo)

Objetivo: Entrosar o grupo, provocar comunicação, despertar liderança e etc.

Juiz: O coordenador ou responsável pela dinâmica deverá julgar se a palavra está correta.

Prêmio: Oferecer um prêmio ao grupo que formar a primeira palavra.

Prenda: O ultimo a formar a palavra pagará uma prenda.

Apresentação: Pode se colar a palavra em um quadro ou segura-la nas mãos enquanto o grupo se apresenta e fala.

Objetivo 2: Cada grupo que formar uma palavra receberá um pequeno texto sobre o seu Dom e alguém do grupo deverá ler e ou também se possível explicar o que leu.


Conclusão:

O apresentador da Dinâmica deve finalizar o tema com a conclusão da reflexão sobre o tema apresentado.

Palavras cruzadas:

Sete_Dons

Veja texto em outro Post ou Power point em anexo.


.

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Luz_do_espirito_santo Balao_Espírito_Santo


Dinâmica – Ver a Luz e sentir o Calor da chama do Espírito Santo.

DINÂMICA PARA FALAR SOBRE O ESPÍRITO SANTO



O Espírito Santo é a luz do Senhor


Vamos celebrar a Festa de Pentecostes. E falar sobre o Espírito Santo para as pessoas que ainda não têm maturidade na fé é sempre difícil, uma vez que é algo que se sente, não que se vê. Reconhecer a ação do Espírito Santo é uma experiência sensitiva, espiritual, para a qual as palavras são insuficientes.

Mas, podemos aplicar uma dinâmica que ajude os catequizandos a compreenderem de que forma o Espírito Santo age no coração das pessoas.


Luz_do_espirito_santo

1. Material necessário:


Vela_no_tuboUma vela

(pode ser uma velinha votiva)

Um pratinho

(para colocar a vela)


Um tubo redondo com 10 a 12 cm de diâmetro e 20 cm de altura, aberto nas duas pontas (pode ser um pedaço – 20 cm – de cano de água de 4 polegadas)

Um pedaço de cartão grosso ou madeira, maior que a boca do tubo.

No dia do Encontro:
Preparar o local de modo que as cadeiras fiquem em círculo, em volta de uma mesa. Depois da acolhida e da oração inicial, fazer a leitura do Evangelho de João 20, 19-22. Pedir aos catequizandos que reflitam sobre o que Jesus faz. Jesus soprou o Espírito Santo sobre os apóstolos e os enviou ao mundo para que? Essa ordem de Jesus foi apenas para aqueles que lá estavam? O Espírito Santo foi dado somente a eles? Mostrar que todos recebem o Espírito Santo pelo Batismo e pela Crisma.
Questionar: Se todos recebem o Espírito Santo, por que há pessoas que não vivem conforme o Espírito.


Dinâmica:


  1. Pedir a atenção de todos e mostrar a vela que está sobre a mesa. Dizer que essa vela acesa simboliza o Espírito Santo no coração das pessoas. Acender a vela e pedir que um de cada vez se aproxime e coloque a mão próxima da vela. Depois que todos fizeram a experiência, perguntar o que sentiram: calor, ardência. Comparar isso com o que sente aquele que tem o Espírito no coração e também o que sentem as outras pessoas que se aproximam deste, pois quem tem o Espírito no coração é acolhedor e solidário.
  2. Colocar a vela debaixo do tubo deixando a ponta de cima aberta. Pedir que um de cada vez se aproxime, encoste a mão no tubo, chegando próximo e olhando dentro. Depois que todos fizeram isso, perguntar se a vela ainda está acesa, se eles estão vendo ou se sentiram o calor da vela. Mostrar que a barreira que foi colocada impediu que a chama fosse vista ou seu calor fosse sentido. Comparar com aqueles que tendo o Espírito no coração, apesar de nutri-lo com orações (continuar ligado a Deus) não se abrem para as outras pessoas, mantendo o coração fechado. Mostrar que apesar da chama não se apagar, ela já não é mais tão forte, está fraca, sem calor.
  3. Tampar a parte de cima do tubo por alguns instantes, até que o ar que havia dentro dele seja consumido e a vela se apague. Enquanto isso questionar o que acontece com as pessoas que receberam o Espírito Santo, mas não manteve nem mesmo o contato com Deus. Destampar e deixar que cada um possa verificar que a vela se apagou. Comparar com as pessoas que se afastam de Deus e por isso não alimentam o Espírito que está no seu coração.

Explicar que o Espírito não foi embora, está lá, mas já não consegue aquecer o coração dessas pessoas. No entanto, se elas se aproximarem de Deus e das outras pessoas que estão repletas do Espírito, essa chama vai se acender novamente.

Conclusão:

Ler o texto do Pentecostes, Ato dos Apóstolos 2, 1-6, e mostrar que aqueles que recebem o Espírito Santo de Jesus devem ir ao mundo, às outras pessoas e dar testemunho do seu amor.


 

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120 Sete_dons

É mesmo necessária uma nova Efusão do Espírito Santo?



Porque razão há necessidade de uma Efusão do Espírito Santo se já somos batizados ou crismados?

Muitos cristãos, especialmente os católicos, pensam que o Espírito Santo foi, sobretudo dado nos Sacramentos, especialmente no Batismo e no Crisma ou Confirmação e, por isso, questionam-se muitas vezes, sobre qual é a necessidade da Efusão do Espírito Santo se o mesmo Espírito Santo já nos foi dado.



Derramarei_o_Espirito_Santo


Na verdade pelo Batismo, morrendo e ressuscitando com Cristo, nós nos tornamos filhos de Deus, somos marcados com o selo do Espírito Santo e chamados a partilhar a vida divina. Pela Confirmação nós recebemos os dons do Espírito Santo para crescermos nesta vida divina, para nos tornarmos conformes à imagem de Cristo, sermos missionários ao serviço do Evangelho, na Igreja.

O que acontece é que há uma diferença entre esta Infusão do Espírito e a Efusão do Espírito. Pelos sacramentos é-nos garantida a graça do Espírito. Mas o Espírito é livre e não opera apenas naquele momento que recebemos os sacramentos pela primeira vez.

A Efusão é uma manifestação do Espírito que está dentro de nós. O Espírito entra em nós através da infusão, do Batismo e também do Crisma, da Eucaristia, da Confissão, e dos outros sacramentos. Isto é através dos sacramentos há uma infusão do Espírito Santo. O Espírito entra dentro de nós e quando impomos as mãos a uma pessoa para a Efusão do Espírito, o Espírito já está dentro dela e manifesta-se. Ele cria dentro dela uma nova efusão do Seu poder, que se irradia no seu espírito e vai lavando, purificando, curando, transformando e renovando totalmente a vida dessa pessoa.


Corasao_Templo_do_Espírito


Quando Preparamos pessoas adultas para o receber o Sacramento do batismo elas entendem bem e compreendem o verdadeiro valor do Sacramento do Batismo, mas, de um modo geral o Batismo é ministrado em crianças na faixa etária de um mês a dois anos de idade. Nessa altura as crianças não sabiam quem era o Espírito Santo nem possuíam a necessária compreensão sobre o valor e utilidade do Batismo na sua vida. Por essa razão são os pais e os padrinhos que fazem a profissão de fé e assumem, perante Deus e a Igreja, a responsabilidade de transmitirem aos filhos e afilhados ao longo dos anos, em união com a catequese paroquial, os ensinamentos, deveres e obrigações oriundos dos Sacramentos. Embora se espere que lhes seja dada a experiência do Espírito no seu crescimento cristão, muitos não são educados nesta experiência do Espírito Santo. Depois quando alguns deles fazem o Crisma na sua adolescência e quando se espera que o sacramento da confirmação seja uma experiência de Efusão do Espírito Santo, tornando os crentes verdadeiros soldados de Cristo, tal como é prática hoje, também permanece muitas vezes como apenas um ritual, sem qualquer preparação e experiência profunda do Espírito Santo. E assim muitos cristãos prosseguem as suas orações e práticas religiosas, através de rituais e símbolos, sem conhecer a verdadeira unção e ação do Espírito Santo que recebem. A Efusão do Espírito vem “acordar” o nosso Batismo, o nosso Crisma. Em muitos batizados a Graça quase se extinguiu. “Deus estava lá e eu não sabia” (Gn 28,16). A Efusão vem realizar a promessa: “Se alguém Me ama, revelar-Me-ei a ele, Meu Pai amá-lo-á, Nós viremos a ele e faremos nele a Nossa morada” (S. Jo 14,21-23). O Espírito foi-nos dado no nosso Batismo, mas, ao longo do tempo, a fonte das Águas Vivas tornou-se salobra e deixou de jorrar, ou o poço ficou fundo e nós deixamos de saber tirar a água, ou a corda ficou demasiado curta para que o nosso balde possa descer até à água (S. Jo 4,11). No deserto do nosso coração está uma nascente escondida (S. João 7,38), mas nós esquecemos o caminho até ela. É então que a Efusão do Espírito Santo intervém para aqueles que sentem esse apelo e recebem essa graça. E com a Efusão um fogo nasceu das brasas que julgávamos apagadas. A mecha estava lá mas coberta por uma boa camada de cinza. O Espírito na Efusão liberta o Seu poder, vem derramar o Amor no nosso coração e revelar-nos Jesus como único Senhor e Salvador.

Nos encontros carismáticos de preparação para a Efusão do Espírito Santo (SVE I) os participantes são conduzidos, através de catequeses e ensinamentos simples (O Querigma), a um compromisso adulto e consciente para aceitar Jesus Cristo como o seu único Senhor e Salvador, após um arrependimento contrito e completo dos seus pecados. Depois, no dia da Efusão, após uma fervorosa oração de súplica, numa atmosfera impregnada de oração, e pela imposição das mãos, o Espírito Santo, que neles está adormecido, é despertado:

“Por isso recomendo-te que reacendas o dom de Deus que se encontra em ti, pela imposição das minhas mãos, pois Deus não nos concedeu um espírito de timidez, mas de fortaleza, de amor e de autodomínio” (2 Tm 1,6-7).

O que se verifica é que antes da Efusão a pessoa estava a fazia uma resistência enorme às manifestações do Espírito Santo. Tinha o Espírito como que amarrado, fechado, sem poder soltar-se.


Libertando_Espírito


Com a Efusão e naquele ambiente de oração profunda, a pessoa pode abrir-se e deixar-se conduzir pelo Espírito Santo, ou seja, deixar que Ele se manifeste e liberte o Seu poder. A partir daquela altura a pessoa, se liberta inteiramente ao conseguir se abandonar e entregar completamente ao Senhor, já não oferece resistência à manifestação do Espírito e por isso começa a manifestar-se nela aquilo que o Espírito vai operando dentro de si. Daí que uma Efusão do Espírito seja uma renovação de todos os compromissos que se fizeram quando se receberam os vários sacramentos e a libertação da totalidade do Espírito Santo e graça recebidos. É por esta razão que, embora não seja outro sacramento, muitas pessoas têm experiências maiores com a recepção da Efusão do Espírito Santo do que com a recepção dos Sacramentos. Por incrível que pareça a sua experiência de Deus, durante a Efusão do Espírito é, em geral, maior que a experiência que tiveram na sua primeira comunhão, na profissão de fé ou mesmo no Crisma.

É verdade que todo o cristão batizado tem o Espírito Santo mas nem todos estão cheios do Espírito, daí que devamos ser “batizados” no Espírito Santo periodicamente. Todo o Católico deve portanto ter esta experiência da Efusão do Espírito Santo. Em resumo, uma pessoa primeiro deve-se preparar e desejar encher-se do Espírito Santo a fim de ter o Espírito dentro dela, para que no momento da Efusão, a pessoa se abra completamente e deixe que o Espírito, que já no seu interior, se manifeste e liberte o Seu poder. Penso que se no dia do Crisma houvesse também este ambiente forte de oração haveria também muitas Efusões nesse sacramento à semelhança do que acontece nos grupos carismáticos.



Extração do livro “Efusão e Repouso no Espírito Santo” (3ª Edição) de João Carlos da Silva Dias. Encomendas: mirjsd@gmail.com; Portugal: Tel.: 00351.914137940



Fruto_Espírito Efusão_no_Espirito_2 Batismo_Espírito
Sete_dons


Dinâmica – O Espírito Santo sopra onde quer.



O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)


Balao_Espírito_Santo




Espírito Santo – Dinâmica

Então Jesus soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo.” (São João 20,22)

Objetivo: Reconhecer que somos

“Templos do Espírito Santo.”


Material: balão (vermelho)

(utilizamos da cor vermelha por ser a cor litúrgica da Festa de Pentecostes)

Desenvolvimento:

Para falar do Espírito Santo vamos usar um balão.

Para que serve um balão? (brincar, enfeitar os aniversários, jogar etc.)

O balão vazio serve para fazer estas coisas que acabamos de falar?  (não)

O que devemos fazer? (devemos encher o balão)

O cristão nasceu para amar, para servir, perdoar etc. e não para ficar vazio.

Um cristão vazio não consegue servir.

O que enche este balão e o faz  ficar pronto para ser usado? (o ar)

E o cristão quem o enche e o faz ficar pronto para amar e servir? (É o Espírito Santo)

Para encher o balão precisamos soprar, mas para ficarmos cheios do Espírito Santo quem sopra é Jesus – (S. João 20,22)

22Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.

(neste momento  o catequista deve encher o balão)

catequese+038[1]

O balão está cheio, mas não vejo o ar que está dentro dele?

O Espírito Santo também não o vemos, mas Ele está em nós e apenas o sentimos como o ar.

(Soltar o balão cheio sem amarrar)

Quem está movimentando o balão? (o ar que sai de dentro e empurra para frente). O Cristão também deve ser impulsionado pelo Espírito Santo.

Quando eu soltei o balão eu consegui determinar a direção do balão? (não) O balão foi para onde ele quis. O Espírito Santo também sopra para onde quer.



catequese+040[1]


O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito.” 

(São João 3,8)

O Espírito Santo também desenvolve muitos dons: em algumas crianças dá o dom de cantar, a outras dá o dom de falar da palavra, a outras dá o dom de desenhar e fazer belos cartazes para enfeitar a igreja, a outras crianças o Espírito Santo dá o dom de orar (falar sobre os dons que o Espírito Santo nos dá e como podemos colocá-los  a serviço de  Deus e do próximo). Tudo isso é o Espírito Santo que faz em nosso coração, para que possamos servir ao Senhor e aos irmãos.

(Ao final escolher uma música animada do Espírito Santo para que as crianças possam fazer um louvor)


(Esta dinâmica foi retirada do livro Querigma para crianças – Projeto Talita Cumi- Hyde Flávia)


Con


 OUTRAS DINÂMICAS SOBRE O ESPÍRITO SANTO.


Luz_do_espirito_santo

A LUZ DO ESPÍRITO SANTO

Sentindo o calor da presença do E. S. e sufocando a chama até que ela se apague. 


Conhecendo os sete dons do Espírito

Dinâmica com letras e montagem de quebra-cabeça.


Semeando a cultura de Pentecostes

Fruto_do_Espirito Oração_ao_espirito_santo
Espirito_Santo Efusão_no_Espirito_1



 

Queira receber a Efusão do Espírito Santo.


“Aspirai aos dons espirituais”

monsenhor Jonas Abib


Aspirais_aos_Dons_Espirituais


Ser instrumento do Espírito Santo não é resultado da nossa perfeição nem da nossa santidade. Pelo contrário! Nosso caminho de santificação, de perfeição, passa, necessariamente, pela efusão do Espírito Santo, pois não é possível apenas com nosso esforço. Certamente, podemos colaborar, cooperar, deixar-nos trabalhar pelo Senhor, mas é Ele quem faz tudo.

Nossa conversão verdadeira acontece quando somos recriados no Espírito Santo. A partir daí, tomamos gosto pela oração, pela escuta da Palavra de Deus, e começamos a participar realmente da Missa e dos sacramentos, a trabalhar na Igreja, cooperando com o Senhor.

Desse modo, não podemos, por nós mesmos, conceder nem privar os outros da graça que recebemos gratuitamente. “Quem crê em mim, do seu seio, do seu interior, jorrarão rios de água viva.” Basta isso.

Quando recebi a efusão do Espírito Santo, tudo durou um dia só. Padre Haroldo J. Rahm, SJ, passou pelo nosso seminário e concedeu um dia de retiro aos seminaristas. Ele falou sobre os dons, os carismas do Espírito Santo, sobre a Renovação Carismática. Na época, não entendi o que significava efusão do Espírito, dons nem carismas na perspectiva da Renovação Carismática. Sabia o que eram os carismas, os dons, mas não da maneira como estava acontecendo: as pessoas sendo curadas, orando em línguas. A confusão tomou conta de minha cabeça. Não entendi nada.

“Tudo começa pela efusão do Espírito”, disse monsenhor Jonas Abib


Efusão_no_Espirito_2


No entanto, o Senhor semeou, no meu coração, um desejo muito grande. Nem sabia que graça era aquela que receberia, mas a queria muito. Quando o padre Haroldo impôs as mãos sobre mim e fez uma oração breve, não senti nada, pareceu-me que nada havia acontecido. Mas, à noite, sozinho no pátio do seminário, comecei a orar como nunca havia orado na minha vida.

Tudo começou a mudar, foi o surgimento do olho-d’água. Era aquela a efusão no Espírito Santo, do jeito que Jesus falou: “Do seu interior correrão rios de água viva”. Sabemos que um rio de água viva nasce de um olho-d’água, não há outra forma. Foi assim na minha vida; será assim na sua.

Depois de três meses, fui fazer uma experiência de oração com padre Haroldo e levei três jovens comigo; foi então que, ouvindo as palestras sobre efusão do Espírito e os dons, comecei a entender o que estava acontecendo comigo. Nos três meses anteriores, Deus me deu a graça de experimentar muitas coisas novas. Meu sacramento e minha vida mudaram e tornou-se mais verdadeiro o arrependimento dos meus pecados.

Ali, na experiência de oração, fui encontrar a explicação daquilo que, pela graça de Deus, estava vivendo.

Você quer ou não ser transformado pelo Espírito Santo? Não sei o grau de sua aridez, de suas dificuldades espirituais, só sei que chegou a hora: o Senhor quer que você mergulhe na graça da efusão do Espírito Santo.

Vamos dizer ao Senhor: Senhor Jesus, quero receber a efusão do Espírito Santo, como diz a Tua Palavra: “Sereis batizados”. Quero ver-me banhado no Teu Espírito, possuído, até as últimas fibras do meu ser, pelo Espírito Santo de Deus. Vem, Espírito!

“Sim, Jesus, dá-me Teu Espírito. Plenifica-me, Senhor. Derrama sobre mim o Teu Consolador. Senhor, concede-me a graça. Peço que manem de mim rios de água viva, que se realize em mim a promessa: ‘Vós sereis batizados no Espírito Santo’. Realiza a Palavra, Senhor Jesus:

‘Do seu interior correrão rios de água viva’. Realiza a Palavra: ‘Descerá sobre vós o Espírito Santo. Recebereis força, poder e sereis minhas testemunhas até os confins da terra.’”

Vem, Espírito Santo, porque eu preciso de Ti agora. Cobre cada um dos meus (nomeie cada pessoa que você deseje abençoar) e o conduz a Tua Igreja. Vem, Espírito Santo, derrama-Te sobre nós. Jesus, Tu és o batizador; batiza-nos no Espírito Santo. Precisamos desta graça. Cumpra-se, Senhor, a Tua Palavra. Amém!


aspirai-aos-dons-espirituais-catolico-mons-jonas-abib-11334-MLB20042481474_022014-O[1] aspirai-aos-dons-espirituais-catolico-mons-jonas-abib-11319-MLB20042483519_022014-O[1]

Artigo do livro:

“Aspirai aos dons espirituais”,

monsenhor Jonas Abib.


Tres_garrafas_2

Dinâmica das

três garrafas.


Pipoca_estourando_Efusão

Dinâmica:

A Transformação

do Homem interior.



Fruto_Espírito Efusão_no_Espirito_2 Batismo_Espírito
Sete_dons

Efusão significa um novo Derramamento do Espírito.


EXPLICANDO O ACONTECIMENTO DE UMA FORMA MAIS DINÂMICA.


Derrama_Espirito


A palavra Batizar significa mergulhar.

A palavra Efusão significa Derramar.

Em ambos os casos configura-se a ação do Espírito Santo na pessoa como se fosse uma água viva que molha todo o corpo conforme a simbologia usada por Jesus em (São João 7,38).

“Quem crê em mim, como diz a Escritura: Do seu interior manarão rios de água viva. (Zc 14,8; Is 58,11).

O Batismo recebido por Jesus das mãos de São João Batista era um mergulho nas águas do Rio Jordão que molhava todo o corpo, a pessoa deveria ficar totalmente submersa por alguns instantes representando assim uma morte e um reviver imediato ao sair da água. Uma morte para o pecado do homem velho e o renascimento de um novo homem comprometido com a santidade.

A Igreja Católica hoje usa o método da “EFUSÃO” para o Sacramento do Batismo.   Ou seja, usa um derramamento de água sobre a fronte da pessoa, principalmente pelo fato de estarmos Batizando crianças que correriam riscos desnecessários ao serem mergulhadas em um rio como Jesus foi.  Também foi desta forma que Deus cumpriu a sua promessa em Pentecostes.  Ele derramou chamas de fogo que repousaram sobre cada um dos apóstolos que estavam presentes no Cenáculo, assim também usamos apenas um derramamento para efetuar o Batismo e para se referir ao Batismo no Espírito que foi na verdade um derramamento e não um mergulho propriamente dito.

De uma forma ou de outra o que importa mesmo é receber a água viva do Batismo como algo que nos molhando ou nos encharcando provoca um mesmo efeito espiritual tirando de nós toda sujeira da alma e do espírito como a equivalência de um banho e uma limpeza de tudo que poderia impedir a ação de Deus em nossas vidas, inclusive e principalmente o pecado que não é uma sujeira que está grudada na pele exterior do corpo e sim uma sujeira que gruda na nossa alma, sendo que o lavar desta água externa é apenas um reflexo da verdadeira “ÁGUA VIVA” que jorra internamente no ser humano dentro de seu coração lavando-o de toda sujeira do pecado.


Efusão_no_Espirito_1


A Efusão externa é visivelmente apenas um derramamento de água sobre a pessoa, mas a efusão interna é um derramamento espiritual que impregna toda sua alma de uma forma equivalente ao molhar do corpo externo.

A Palavra de Deus vai muito além de uma ação visível e exterior no corpo humano, pois Deus declara na profecia que vai penetrar e introduzir seu Espírito dentro de nossos corações.   Ele diz que “TODOS” o conhecerão porque este Espírito que nos penetra irá nos revelar a pessoa de CRISTO nos levando ao conhecimento do Deus verdadeiro.   Este “CONHECIMENTO DO SENHOR”, não se trata de “SABEDORIA humana”, história ou conteúdo de memórias e dados de aprendizado, mas se trata de uma “INTIMIDADE PESSOAL”,   Você tem muitos amigos e sempre terá um amigo que é mais chegado no qual você confia de forma a ser capaz de partilhar os seus segredos mais íntimos.   Se perguntamos o “POR QUE?” que somos capazes de partilhar segredos  com nosso melhor amigo e não somos capazes de contar nada sobre nós à uma pessoa desconhecida a resposta será simplesmente porque “CONFIAMOS NELE” e confiamos porque conhecemos.    Assim também acontece com o conhecimento do Senhor expresso na profecia de (Jeremias 31) “Porque todos me conhecerão…”, nada mais é que uma apresentação de Jesus à pessoa que recebe o Espírito Santo, assim, aquele Jesus que parecia tão distante de nós de repente num piscar de olhos se torna o nosso melhor amigo ao qual seremos capazes de “CONFIAR” ao ponto de lhe contar os nossos maiores segredos e depositar até mesmo as nossas vidas em suas mãos como São Pedro foi capaz de se lançar-se ao mar e caminhar em direção a Cristo.    Quando “CONHECEMOS” E “CONFIAMOS” em alguém a este ponto somos capazes de abrir as portas de nossa casa para que Ele entre, não só a porta da sala de visitas, mas também aquela porta que vive trancada do porão onde você esconde todas as suas coisas velhas e tranqueiras inúteis e os segredos que você esconde de todas as visitas “DESCONHECIDAS”.

Muitas vezes chamamos este acontecimento de uma “EXPERIÊNCIA PESSOAL COM JESUS”, ou seja, você “CONHECEU JESUS PESSOALMENTE” a ponto de lhe confiar todos os seus segredos e abrir-lhe todas as portas de sua casa, quem não “CONHECEU E NÃO CONFIA EM JESUS A ESTE PONTO” não sabe o que é verdadeiramente uma “EFUSÃO NO ESPÍRITO” e por isso dizemos que todos precisam ter esta experiência pessoal com Jesus, PORQUE ELA É PESSOAL E INTRANSFERÍVEL.

Em uma outra Profecia Deus nos diz que:

“A Terra se encherá do conhecimento do Senhor assim como as águas cobrem o fundo do mar…”   (Isaías 11,9) e (Habacuc, 2,14)

O Sentido e tradução desta Profecia é que o Pai declara que seu Amor é tão imenso que será capaz de abraçar a todos os homens de uma só vez e fazer com que eles permaneçam sobre suas asas como a galinha acolhe todos os seus pintinhos para protegê-los do mal.  Este amor é o Espírito Santo Derramado sobre nós “a Igreja viva”, “INFUNDIDO” sobre nós o que abrange todo nosso ser como se estivéssemos totalmente mergulhados neste “MAR” DE água viva e não apenas um rio ou um copo d’água que nos molha, pois as águas vivas que o Pai derrama sobre nós são comparadas ao oceano que ocupa todo o planeta (Como o dilúvio de Noé) e o mais importante disso é que no fundo do mar permaneceremos sempre cheios deste Espírito. Eternamente e não apenas nos molhando agora e nos secando logo em seguida com uma toalha.


Saindo_na_chuva_para_se_molhar_3


Existe um ditado popular que diz:

“Quem sai na chuva é porque quer se molhar…”

Também é correto afirmar o contrário:

“Quem não quer se molhar não deve sair na chuva e nem mergulhar em uma piscina…”

Queremos dizer que em comparação com a chuva que cai do céu, a GRAÇA do ESPÍRITO SANTO também está caindo como jamais caiu antes nesta terra.    Assim como o Espírito Santo foi derramado sobre os Apóstolos em Pentecostes assim também Ele está sendo derramado sobre todos nós hoje, a unica diferença é que os Apóstolos foram para a chuva para se molhar e não levaram nenhum guarda chuva porque queriam ficar totalmente encharcados do Espírito Santo, olharam para o céu e pediram com o peito aberto:

“Senhor Envia tua chuva agora, tua chuva de graças e a chuva da água viva do Teu Espírito…”

“Eu quero saciar a minha sede de Ti Senhor…”

“Senhor, Envia teu Espírito agora…”

“Senhor, cumpra tua promessa em meu coração…”

“Senhor, eu quero estar cheio do teu Espírito…”

“Senhor, eu quero te conhecer, crer e confiar em ti de todo meu coração…”

“Senhor, eu abro as portas da minha casa e do meu coração para que você possa entrar e fazer a tua morada em meu ser…”

Nós estamos acostumados a sair de casa e olhar para o céu, se estiver nublado já é o suficiente para levarmos o guarda chuva para não correr o risco de nos molharmos.   Conheço muitas pessoas que fazem o mesmo quando vão ao encontro de Jesus assim como Nicodemos, sim muitas pessoas resistem a participar de um encontro fechado e quando vão chegam lá bem protegidas com medo de se molhar e o nosso trabalho mais difícil é mesmo quebrar esta proteção para que eles molhem pelo menos um pouquinho.

“Pedi e se vos dará. Buscai e achareis. Batei e vos será aberto.  Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, abrir-se-á.”   (S. Mateus, 7,8)

Não pedimos e por isso não recebemos, não aguardamos e por isso não experimentamos, não cremos e por isso não vemos a glória de Deus brilhar como Moisés viu.


Nao_cai_no_pecado


É correto dizer que para não cair em pecado, basta se afastar das tentações e também é correto dizer que se nos afastarmos de Deus e não tivermos a coragem de rasgar os nossos corações e entrar nesta chuva de peito aberto certamente iremos permanecer bem enxutos, porém totalmente vazios da graça de Deus.

É preciso que tenhamos a coragem de fazer o mesmo que os Apóstolos fizeram:

Permaneceram em Jerusalém até que Jesus cumpriu a Promessa de enviar seu Espírito Santo, caso contrário jamais receberemos esta água viva em nossos corações e jamais conheceremos o Senhor como Ele realmente É.


Vem_Espirito


Este texto foi desdobrado em duas Dinâmicas que estão em outros Post’s distintos e relacionados com o entendimento deste texto.


Tres_garrafas_2

Dinâmica das

três garrafas.


Pipoca_estourando_Efusão

Dinâmica:

A Transformação

do Homem interior.



Fruto_Espírito Recebendo_o_Espirito_Santo Batismo_Espírito
Sete_dons

Dom da Piedade.


Dons do Espírito Santo:


Dom da Piedade

Com Papa Francisco


Dom_da_Piedade

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje queremos nos concentrar em um dom do Espírito Santo que tantas vezes é mal entendido ou considerado de modo superficial, e em vez disso toca no coração a nossa identidade e a nossa vida cristã: trata-se do dom da Piedade.

É preciso esclarecer logo que este dom não se identifica com ter compaixão de alguém, ter piedade do próximo, mas indica a nossa pertença a Deus e a nossa ligação profunda com Ele, uma ligação que dá sentido a toda a nossa vida e que nos mantém sadios, em comunhão com Ele, mesmo nos momentos mais difíceis e conturbados.

1. Esta ligação com o Senhor não deve ser entendida como um dever ou uma imposição. É uma ligação que vem de dentro. Trata-se de uma relação vivida com coração: é a nossa amizade com Deus, dada a nós por Jesus, uma amizade que muda a nossa vida e nos enche de entusiasmo, de alegria. Por isso, o dom da piedade suscita em nós antes de tudo a gratidão e o louvor. É este, na verdade, o motivo e o sentido mais autêntico do nosso culto e da nossa adoração. Quando o Espírito Santo nos faz perceber a presença do Senhor e todo o seu amor por nós, aquece-nos o coração e nos move quase naturalmente à oração e à celebração. Piedade, então, é sinônimo de autêntico espírito religioso, de intimidade filial com Deus, daquela capacidade de rezar a Ele com amor e simplicidade que é própria das pessoas humildes de coração.

2. Se o dom da piedade nos faz crescer na relação e na comunhão com Deus e nos leva a viver como seus filhos, ao mesmo tempo nos ajuda a dirigir este amor também para os outros e a reconhecê-los como irmãos. E então sim seremos movidos por sentimentos de piedade – não de pietismo! – nos confrontos com quem está próximo a nós e com aqueles que encontramos todos os dias. Por que digo não de pietismo? Porque alguns pensam que ter piedade é fechar os olhos, fazer uma cara de imagem, fazer de conta que é um santo. No dialeto piemontês se diz ‘fare la “mugna quacia”’. Este não é o dom da piedade. O dom da piedade significa ser realmente capaz de alegar-se com quem está na alegria, de chorar com quem chora, de estar próximo a quem está sozinho ou angustiado, de corrigir quem está no erro, de consolar quem está aflito, de acolher e socorrer quem está precisando. Há uma relação muito estreita entre o dom da piedade e a mansidão. O dom da piedade que nos dá o Espírito Santo nos faz mansos, nos faz tranquilos, pacientes, em paz com Deus, a serviço dos outros com mansidão.

Queridos amigos, na Carta aos Romanos o apóstolo Paulo afirma: “Todos aqueles que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. Porquanto não recebestes um espírito de escravidão para viverdes ainda no temor, mas recebestes o espírito de adoção pelo qual clamamos: Aba! Pai” (Rm 8,14-15). Peçamos ao Senhor que o dom do seu Espírito possa vencer o nosso temor, as nossas incertezas, também o nosso espírito inquieto, impaciente, e possa nos tornar testemunhas alegres de Deus e do seu amor, adorando o Senhor em verdade e também no serviço ao próximo com mansidão e com sorriso que sempre o Espírito Santo nos dá na alegria. Que o Espírito Santo dê a todos nós este dom da piedade.

Quarta-feira, 04 de Junho de 2014

Papa Francisco

200px-FirmaPapaFrancisco.svg

 

 


Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
Dom Fortaleza Sete_dons
Botao_tema_anterior Botao_tema_abertura Botao_tema_proximo

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

Dom da Ciência.


Dons do Espírito Santo:


O Dom da Ciência

Com Papa Francisco   


Dom_da_Ciencia

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje gostaria de destacar outro dom do Espírito Santo, o dom da ciência. Quando se fala de ciência, o pensamento vai imediatamente à capacidade do homem de conhecer sempre melhor a realidade que o cerca e de descobrir as leis que regulam a natureza e o universo. A ciência que vem do Espírito Santo, porém, não se limita ao conhecimento humano: é um dom especial, que nos leva a entender, através da criação, a grandeza e o amor de Deus e a sua relação profunda com cada criatura.

1. Quando os nossos olhos são iluminados pelo Espírito, abrem-se à contemplação de Deus, na beleza da natureza e na grandiosidade do cosmo, e nos levam a descobrir como cada coisa nos fala Dele e do seu amor. Tudo isto suscita em nós grande admiração e um profundo sentido de gratidão! É a sensação que experimentamos também quando admiramos uma obra de arte ou qualquer outra maravilha que seja fruto da invenção e da criatividade do homem: diante de tudo isso, o Espírito nos leva a louvar o Senhor do fundo do nosso coração e a reconhecer, em tudo aquilo que temos e somos, um dom inestimável de Deus e um sinal do seu infinito amor por nós.

2. No primeiro capítulo do Gênesis, propriamente no início de toda a Bíblia, coloca-se em evidência que Deus se alegra com a sua criação, destacando repetidamente a beleza e a bondade de cada coisa. Ao término de cada dia, está escrito: “Deus viu que era coisa boa” (1, 12. 18. 21. 25): se Deus vê que a criação é uma coisa boa, é uma coisa bela, também nós devemos assumir esta atitude e ver que a criação é coisa boa e bela. Eis o dom da ciência que nos faz ver esta beleza, portanto louvamos a Deus agradecendo-lhe por ter nos dado tanta beleza. E quando Deus terminou de criar o homem não disse “viu que era coisa boa”, mas disse que era “muito boa” (v. 31). Aos olhos de Deus nós somos a coisa mais bela, grande, boa da criação: mesmo os anjos estão abaixo de nós, nós somos mais que os anjos, como ouvimos no livro dos Salmos. O Senhor nos quer bem! Devemos agradecer a Ele por isto. O dom da ciência nos coloca em profunda sintonia com o Criador e nos faz participar da clareza do seu olhar e do seu juízo. É nesta perspectiva que conseguimos entender no homem e na mulher o vértice da criação, como cumprimento de um projeto de amor que está impresso em cada um de nós e que nos faz reconhecer como irmãos e irmãs.

3. Tudo isto é motivo de serenidade e de paz e faz do cristão um testemunho alegre de Deus, nos passos de São Francisco de Assis e de tantos santos que souberam louvar e cantar o seu amor através da contemplação da criação. Ao mesmo tempo, porém, o dom da ciência nos ajuda a não cair em algumas atitudes excessivas ou erradas. A primeira é constituída pelo risco de nos considerarmos donos da criação. A criação não é uma propriedade, na qual podemos mandar de acordo com a nossa vontade; nem, tão pouco, é uma propriedade somente de alguns, de poucos: a criação é um presente, é um presente maravilhoso de Deus que nos deu para que cuidemos dela e a utilizemos em benefício de todos, sempre com grande respeito e gratidão. A segunda atitude errada é representada pela tentação de nos pararmos nas criaturas, como se estas pudessem oferecer a resposta a todas as nossas expectativas. Com o dom da ciência, o Espírito nos ajuda a não cair neste erro.

Mas gostaria de retornar ao primeiro caminho errado: dominar a criação em vez de protegê-la. Devemos proteger a criação porque é um presente que o Senhor nos deu, é um presente de Deus para nós; nós somos guardiães da criação. Quando nós exploramos a criação, destruímos o sinal do amor de Deus. Destruir a criação é dizer a Deus: “não gosto”. E isto não é bom: eis o pecado.

A proteção da criação é justamente a proteção do presente de Deus e é dizer a Deus: “obrigado, eu sou o guardião da criação, mas para fazê-la progredir, nunca para destruir o teu presente”. Esta deve ser a nossa atitude diante da criação: protegê-la, porque se nós destruímos a criação, a criação nos destruirá! Não se esqueçam disso. Uma vez eu estava no campo e ouvi um dito de uma pessoa simples, que gostava tanto das flores e cuidava delas. Disse-me: “Devemos proteger estas coisas belas que Deus nos deu; a criação é para nós a fim de que nós a aproveitemos bem; não explorar, mas protegê-la, porque Deus perdoa sempre, nós homens perdoamos algumas vezes, mas a criação não perdoa jamais e se você não a protege ela te destruirá”.

Isto deve nos fazer pensar e pedir ao Espírito Santo o dom, o dom da ciência para entender bem que a criação é o mais belo presente de Deus. Ele fez tantas coisas boas para a melhor coisa que é a pessoa humana.

Quarta-feira, 21 de maio de 2014

Papa Francisco

200px-FirmaPapaFrancisco.svg

 

 


Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
Sete_dons Sete_dons Dom_do_conselho
Botao_tema_anterior Botao_tema_abertura Botao_tema_proximo

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

Os Sete Dons do Espírito Santo.



Os Dons do Espírito Santo:


Os Sete Dons Ordinários

E os Dons Extraordinários


Sete_dons



(Para acessar os outros Dons click aqui)



O Dom do Espírito Santo.

Oração Pedindo os Dons do Espírito Santo.

Vem Espírito Santo, Vem !!!

Dons Ordinários

1 – Dom da Sabedoria.

2- O Dom do Entendimento.

3 – Dom da Ciência.

4 – Dom da Conselho.

5 – Dom da Fortaleza.

6 – Dom da Piedade.

7 -Dom do Temor de Deus.


Sete_dons Dom_da_Sabedoria
Dom_da_Ciencia Dom_do_conselho Dom Fortaleza
Dom_da_Piedade Dom_do_temor_do_senhor

Dons Extraordinários:

O Dom do Espírito Santo.

Glossolalia, Xenoglossia ou Dom de Línguas estranhas.

O Dom da Profecia.

O Dom de Ciência e Sabedoria.

Dom de Cura e Libertação.


Recebendo_o_Espirito_Santo Dom_Linguas_estranhas Interpretação_LÍNGUAS
Dom_profecia Dom_da_Ciencia
Dom_Cura_libertação
Repouso_no_Espírito_2 Dom_Fé_Milagres Dom_Discernimento

Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

TÍTULO AUTOR
Catequese com o Papa: o dom da Sabedoria Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Entendimento Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Conselho Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Fortaleza Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Ciência Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Piedade Vera Lúcia


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
Sete_dons
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito


O Fogo do Espírito Santo.


“Ele vos batizará no

Espírito Santo e em fogo.”

(São Mateus, 3, 11)

Sem Lenha o fogo se apaga; sem difamador acaba-se a briga”. (Pr 26, 20).


Dons do Espírito Santo:


Batismo_fogo

Sem fogo não haveria a gastronomia. Foi só depois de dominar esse elemento da natureza que o Homo sapiens deixou de viver como outros animais, vagando atrás de alimentos crus. Usando o fogo, a humanidade deu um grande passo e aprendeu a cozinhar, mudando a textura dos alimentos, para depender menos dos caprichos da natureza. O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, que analisou as tribos indígenas brasileiras e registrou suas descobertas em vários livros, chegou à conclusão de que “cozinhar estabelece a diferença entre animais e seres humanos”. Por sua vez, o naturalista britânico Charles Darwin, autor da Teoria da Evolução, disse que “o fogo é provavelmente a maior descoberta da humanidade depois da linguagem”.

Os alimentos crus precisam de cuidados extras e de urgência execução. Há a questão sanitária, pois vários deles têm micro-organismos que precisam ser cozidos para ser eliminados.  E até os ingredientes orgânicos podem ter doenças, pois são cultivados sem os agrotóxicos, que matam as pragas.

Que haja bastante lenha para cozinhar nossos alimentos e bastante conhecimento na Fé da Igreja para que o cristão não seja uma panela de heresias e de morte para si e para os outros!

Cristão cru cheira mal, causa briga, adoece o próximo e é uma praga na comunidade.



CREIO NO ESPÍRITO SANTO

Quando professamos a nossa fé no Credo Apostólico, dizemos “Creio no Espírito Santo”, ou seja, “afirmamos que cremos que o Espírito Santo é Deus vivo capaz e desejoso de adentrar a personalidade humana e transformá-la”.

O Espírito Santo não é uma força impessoal, é a terceira Pessoa da Santíssima Trindade. A Sagrada Escritura o descreve como Deus. Ele possui os atributos de Deus: está presente em toda parte (Sl 139,7-8), conhece todas as coisas (1 Cor 2,10-11) e tem poder infinito ( Lc 1,35). Ele também faz coisas que somente Deus pode fazer: criar (Gn1, 2) e dar vida (Rm 8,2). Ele é igual, em todas as maneiras, as outras Pessoas da Trindade – o Pai e o Filho.

O Espírito Santo é uma Pessoa que interage pessoalmente conosco. Ele se entristece quando pecamos (Ef 4,30). Ele nos ensina (1 Cor 2,13), ora por nós (Rm 8,26), nos guia (Jo 16,13), nos concede dons espirituais (1 Cor 12,11) e nos assegura da nossa salvação (Rm 8,16).

É o Espírito Santo que convence o mundo do pecado, da justiça e do julgamento (Jo 16, 8). O Espírito Santo habita em nós pela nossa obediência (At 5,32). É o Espírito Santo que derrama em nossos corações o amor de Deus (Rm,5,5). A graça para entrar no Reino de Deus provém pelo novo nascimento da àgua e do Espírito (Jo 3,4). É Ele o fator da nossa santa comunhão (2 Cor 13,13). Ele está presente em nosso batismo e na caminhada da nossa santificação (Mt 28,19; 1 Cor 6,11.19; Ef 5,18). Ele deseja transformar-nos para que nos tornemos cada vez mais semelhantes a Jesus Cristo. Vamos cooperar com o Espírito Santo lendo a Palavra de Deus e confiando em Seu poder para obedecer aquilo que aprendemos.

Sem o batismo no fogo do Espírito Santo e sem o Pentecostes não haveria cristãos e nem a Igreja. (Mt 3, 11, Atos, capítulo 2; 1 Cor 12,13).

O fogo Divino queima todas as impurezas e purifica as almas para comunhão e salvação. Na fornalha do Espírito Santo não existe difamador e nem brigas.

É só no fogo do Divino Espírito Santo que somos alimentos bem cozido e saboroso.

Quanto mais fogo do Paráclito em nossa vida, mais delicioso seremos. União, calor humano e alimentos gostosos existem tão somente no forno do Espírito Santo. Nós somos verdadeiros alimentos de paz, amor, fé, justiça e libertação para humanidade.

Pe. Inácio José do Vale

Professor de História da Igreja Instituto de Teologia Bento XVI

EFOR-Escola de Formação de Resende Especialista em Ciência Social da Religião      E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com



fogo_pentecostes.jpg

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

Vem Espírito Santo em Auxílio à Nossa Fraqueza.



“Recebemos o Espírito de adoção pelo qual

Clamamos: Aba! Pai! “

13. De fato, se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras da carne, vivereis, 14. pois todos os que são conduzidos pelo Espírito de Deus são filhos de Deus. 15. Porquanto não recebestes um espírito de escravidão para viverdes ainda no temor, mas recebestes o espírito de adoção pelo qual clamamos: Aba! Pai! 16. O Espírito mesmo dá testemunho ao nosso espírito de que somos filhos de Deus. 26. Outrossim, o Espírito vem em auxílio à nossa fraqueza; porque não sabemos o que devemos pedir, nem orar como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inefáveis.

(Romanos 8, …)


 OS DONS ORDINÁRIOS


Dom_da_Sabedoria

Bíblia_entendimento

Dom_da_Ciencia

Dom_do_conselho

Dom Fortaleza

Dom_da_Piedade

Dom_do_temor_do_senhor


Jesus Jesus

Oração para pedir os dons do Espírito Santo


Jesus Jesus


esprito_santo-mcsc[1]

TÍTULO AUTOR
Catequese com o Papa: o dom da Sabedoria Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Entendimento Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Conselho Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Fortaleza Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Ciência Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Piedade Vera Lúcia

 


Quero ser Batizado

no Espírito Santo?


Ele Vos Batizará com Fogo 



Em PPS/PPT – Power Point

As mais conhecidas Orações e

Invocações do Divino Espírito Santo.





 

O Dom do Espírito Santo.


Recebendo_o_Espirito_Santo



O Espírito Santo, sendo único, com uma única maneira de ser e indivisível, distribui a graça a cada um conforme lhe apraz. E assim como a árvore ressequida, ao receber água, produz novos rebentos, assim também a alma pecadora, ao receber do Espírito Santo o dom do arrependimento, produz frutos de justiça. O Espírito tem um só e o mesmo modo de ser; mas, por vontade de Deus e pelos méritos de Cristo, produz efeitos diversos. Serve-se da língua de uns para comunicar o dom da sabedoria; ilumina a inteligência de outros com o dom da profecia. A este dá o poder de expulsar os demônios; àquele concede o dom de interpretar as Sagradas Escrituras.

A uns fortalece na temperança, a outros ensina a misericórdia; a estes inspira a prática do jejum e como suportar as austeridades da vida ascética; e àqueles o domínio das tendências carnais; a outros ainda prepara para o martírio. Enfim, manifesta-se de modo diferente em cada um, mas permanece sempre igual a si mesmo, como está escrito: A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum”(I Cor 12,5).O ensinamento de São Cirilo de Jerusalém abre nosso coração para acolher o dom do Espírito Santo na Solenidade de Pentecostes, com a qual se celebra o grande dom do Cristo Ressuscitado.

A Igreja de Cristo nasceu do Seu mistério de Morte e Ressurreição e foi ungida com o dom do alto, Espírito da Verdade, que a conduz pelos caminhos da história. Em todas as épocas da história, o mesmo Espírito Santo a faz descobrir o modo adequado para evangelizar, levando a Boa Nova até os confins da terra. E Ele a sustenta por meio da grande diversidade de dons e ministérios, concedidos em abundância segundo a medida do próprio amor de Deus. Na Solenidade de Pentecostes, somos todos convidados a reconhecer em todas as pessoas, como fruto dos sacramentos da iniciação cristã, Batismo, Crisma e Eucaristia, a beleza do jardim de Deus, que são as Comunidades Cristãs. Há muita santidade, há muito bem plantado bem perto de nós e é urgente abrir os olhos. Olhar com benevolência a própria história, a Igreja e o Mundo, dá muito mais trabalho do que apontar os erros. O Espírito nos revele o bem! Mas nada existe de bom e de puro, de inspirado ou verdadeiro que não proceda da ação do Espírito Santo. Olhando ao nosso redor, descobriremos o bem que é feito, inclusive por pessoas de quem humanamente pouco se poderia esperar. É Ele que espalha o bem, suscita o perdão, incentiva a busca da verdade, mesmo quando nos sentimos esmagados pelo mal.

O Espírito é dado, mas a recepção da graça depende da abertura de quem a acolhe. Por isso pedimos a abertura do coração e da mente. “Vem, Espírito Santo! Visita a alma dos teus!” Ele é o doce hóspede da alma, discreto e silencioso, que só entra quando Lhe são dadas as boas-vindas! Nenhuma casa e nenhum coração rejeitem Sua visita! A Ele suplicamos: “Enche o coração dos vossos fiéis!” Só o Espírito Santo pode preencher o vazio dos corações e fazer transbordar o amor, para com este amor comunicarmos o Evangelho aos outros.

A Solenidade de Pentecostes é, com frequência, chamada de “inauguração da Igreja”. Com o mesmo ardor dos Apóstolos, nossa Igreja de Belém pede hoje a renovação das disposições missionárias. Estamos em tempo de “Igreja de Belém em missão” e os sucessivos retiros paroquiais serão o envio de homens e mulheres aos quais se confia a nova Evangelização, especialmente nas visitas às casas. Cada homem e cada mulher, ao professarem a fé em Cristo, sintam a certeza da presença d’Aquele que prometeu estar conosco até o fim dos tempos. Sintam-se enviados pelo Pastor visível da Igreja de Belém. A todas as pessoas e famílias que forem visitadas, o convite é que abram, mais ainda: escancarem as portas para Cristo. Não tenham medo d’Ele!

Das comunidades cristãs se espalhe o fermento de uma sociedade diferente, num período em que muitas pessoas estão sofrendo na pele e inclusive pagando com a vida um novo relacionamento com a terra. Foram cinco as mortes recentes por questões fundiárias. O Espírito Santo suscite perdão no coração das pessoas que sofrem pela morte de seus familiares e amigos. Ele mesmo mude pela raiz a cabeça e o coração dos que cometeram tais crimes. É ainda ao Espírito Santo que suplicamos as luzes para que as autoridades encarregadas de apurar e punir tais crimes estejam mais atentas aos fatos. O Espírito dê de novo entranhas de misericórdia a todos, para a cura do tecido social.

Que cada cristão e cada presbítero, revestido do amor decidido e irreversível, deixe que este mesmo Espírito abra portas dos corações. Aos criminosos de todos os lados chegue o convite à reconciliação. “Vem, Espírito Santo”!

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém – PA


Dom_Taveira_0282

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém – PA

Apóstolos da Efusão do espírito Santo



Jesus Jesus

Oração ao Espírito Santo


Jesus Jesus

O DOM DE CIÊNCIA E SABEDORIA.

Dons Extraordinários do Espírito Santo:


O Dom da Ciência e Sabedoria


Ciencia_sabedoria

“A um é dada pelo Espírito uma Palavra de Sabedoria; a outro, uma palavra de Ciência, por esse mesmo Espírito.” (ICor 12,8)

Os dons de Ciência e Sabedoria são dons de revelação.De forma sobrenatural, fazem conhecer coisas ou situações ocultas no coração do ser humano.

O dom da palavra de ciência é a capacidade sobrenatural que propicia uma visão além da esfera material. É a penetração na ciência de Deus (Ef 3.3). Mesmo que muitos confundam a sabedoria e o conhecimento (ciência), há uma diferença entre as duas: sabedoria – é o conhecimento em ação; ciência – é o conhecimento em si. Mas de acordo com a Bíblia a sabedoria e a ciência devem andar juntas (Ef 1.17-19).

Este carisma não diz respeito a bagagem cultural que adquirimos através do estudo e onde aplicamos a nossa inteligência e a nossa vontade. Não se trata também do conhecimento de Deus e das realidades divinas, adquirido mediante o estudo da filosofia e da teologia. Este dom não se adquire através de especulações intelectuais. O que, porém, é verdadeiro, é que ele alcança a inteligência, graças à revelação por parte do Espírito Santo. São Paulo chama-o “linguagem” ou “palavra da ciência”. Em grego encontramos o vocábulo “logos”, que não significa necessariamente emissão de som ou fenômeno vocal mas, antes, pensamento. Por linguagem da ciência entendemos, portanto, um conhecimento intelectual, mas não necessariamente expresso por palavras. No nosso caso, este conhecimento alcançou a nossa mente, não através das vias normais do raciocínio ou da percepção, mas mediante uma revelação. Podemos, pois definir o dom da linguagem da ciência como uma revelação sobrenatural relativa a situações, fatos, eventos passados, presentes, ou futuros, não conhecidos por meios humanos. Podemos considerar este dom como um fragmento da onisciência de Deus, revelado à nossa inteligência e concernente a um fato determinado.

Poderíamos, ainda, chamá-lo de diagnóstico que Deus faz de um fato, de um problema, de um estado de espírito, de uma situação e cujo resultado é comunicado à nossa mente. Esse dom torna-nos capazes de compreender o profundo significado sa Sagrada Escritura, através de uma iluminação sobrenatural sobre os pensamentos de Deus, contidos nas palavras inspiradas. Esse dom faz com que a nossa inteligência penetre nas verdades divinas sem que empreguemos o esforço do raciocínio.

Podemos identificar esse dom, quando ao profeta Natan foi revelado o pecado de Davi com Bersabéia e ao profeta Eliseu foi mostrado, através de uma visão, o lugar onde se encontravam os inimigos, podendo assim salvar o povo de Deus. Ananias também teve uma visão que lhe adiantou a conversão de Saulo.

Também Jesus exerceu esse dom. Revelou os pecados do paralítico e a vida passada da mulher samaritana. Viu Natanael debaixo da figueira, a traição de Judas, a negação de Pedro e a fuga dos apóstolos na hora da paixão.

A palavra de sabedoria é a manifestação sobrenatural da sabedoria de Deus. Não se trata do resultado de qualquer esforço humano em se conhecer a sabedoria divina (1Co 2.4,6), nem tão pouco de nosso crescimento espiritual. É um dom de Deus. É  senão a aplicação prática e o reto uso do dom de ciência. O dom da ciência apresenta-nos um panorama da situação e com o dom da sabedoria o Senhor nos revela qual deve ser o nosso comportamento em cada situação.

O dom da ciência é mera informação sobrenatural; o dom da sabedoria incentiva o desenvolvimento prático que se deve seguir. Com o dom da ciência o Espírito Santo nos faz ver, com o dom da sabedoria ele nos leva a agir.

É dom de Deus, não se trata portanto da sabedoria humana, fruto da inteligência e da experiência. É manifestação do Espírito; por isso não é habilidade humana nem sagacidade, esperteza ou diplomacia.

Notemos que existe também uma diferença entre o dom da linguagem da sabedoria e o dom comum da sabedoria. Este último é o dom que nos faz encarar e apreciar a deus da maneira mais objetiva possível, ou em outras palavras: faz despertarem nós o gosto pelas coisas de Deus. A linguagem da sabedoria por sua vez, é um dom de Espírito que nos mostra o modo de agir para mantermos em dia o plano de Deus, conhecido mediante o dom da ciência.

É o dom que nos faz dar respostas acertadas em caso de sermos levados aos tribunais. Em tais situações não devemos preocupar-nos com o que haveremos de dizer porque o Espírito falará por nós (Mt 10,19). É este o dom que devemos usar quando temos decisões difíceis para tomar e problemas árduos para resolver. O rei Salomão foi agraciado com esse dom quando teve de julgar qual das mulheres era a mãe da criança. É o dom negado aos soberbos e reservado aos humildes: “louvo-te e agradeço-te, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelastes aos simples” (Lc 10,21). “Arruinarei a sabedoria dos sábios, e frustrareis a inteligência dos inteligentes (1Cor 1,19). Os soberbos chefes do Sinédrio “não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito com que Estevão falava”(At 6,8)

Os que receberam este dom não significa que são mais sábios que os outros. Jesus prometeu aos seus discípulos: “boca e sabedoria a que não poderão resistir, nem contradizer todos quantos se vos opuserem” (Lc 21.15)

OBRIGADO SENHOR PELOS TEUS DONS. QUE O NOSSO CORAÇÃO SENHOR SEJA CHEIO DOS TEUS DONS E CARISMAS, CHEIO DOS DONS DE CIÊNCIA E SABEDORIA. ENCHE-NOS SENHOR COM OS DONS DO TEU ESPÍRITO SANTO.

AMÉM!


Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

TÍTULO AUTOR
Catequese com o Papa: o dom da Sabedoria Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Entendimento Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Conselho Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Fortaleza Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Ciência Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Piedade Vera Lúcia

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito Seminário de Vida no Espirito

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

Um Novo Pentecostes.



  • 1. Permaneçam Em Jerusalém Porque dentro de poucos dias Eu vos enviarei O Espírito Santo. Cumprindo assim … Atos 1, 4
  • 2. Atos, 1, 14 Todos eles perseveravam unanimemente na oração, juntamente com as mulheres, entre elas Maria, mãe de Jesus, e os irmãos dele. Ao todo eram umas 120 pessoas …
  • 3. Chegando o dia de Pentecostes, estavam todos reunidos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um ruído, como se soprasse um vento impetuoso, e encheu toda a casa onde estavam sentados.
  • 4. Estavam, pois, todos atônitos e, sem saber o que pensar, perguntavam uns aos outros: O que significam estas coisas? Outros, porém, escarnecendo, diziam: Estão todos embriagados de vinho doce.
  • 5. Pedro então, pondo-se de pé em companhia dos Onze, com voz forte lhes disse: Estes homens não estão embriagados, como vós pensais. Mas cumpre-se o que foi dito pelo profeta Joel:, Acontecerá nos últimos dias – É Deus quem fala -, Que derramarei do meu Espírito sobre todo ser vivo:
  • 6. Naquele Dia se cumpriu a promessa do Pai feita através dos Profetas no passado. Nenhuma daquelas 120 pessoas havia previsto o que lhes aconteceria naquele momento,
  • 7. mas aceitaram o PRESENTE de Deus como crianças com o coração totalmente aberto
  • 8. São Pedro declarou a todos que as promessas de Deus e de Jesus acabaram de ser totalmente cumpridas naquele momento. Disse Mais: Arrependei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o DOM do Espírito Santo. Pois a promessa também é para vós, para vossos filhos e para todos os que ouvirem de longe o apelo do Senhor, nosso Deus.
  • 9. O que teríamos mais a dizer sobre estes acontecimentos que já não teriam sido narrados por varias testemunhas que lá estavam, apenas que com o passar dos anos este verdadeiro Pentecostes foi ficando tão esquecido que as pessoas nem conheciam este anúncio básico feito por São Pedro… Pois a promessa é para vós … Para Vossos filhos e filhas … Convertei-vos e sejais Batizados em nome de Jesus e Recebereis o Dom do Espírito Santo. Eu vos Batizo com água para Remissão dos pecados, mas JESUS vos batizará com o Fogo e o Poder do Espírito Santo de Deus conforme Deus nos prometeu nas Sagradas Escrituras.
  • 10. Saulo não foi discípulo de Jesus, não esteve presente em Pentecostes e não foi Batizado no Espírito Santo naquele dia… Como um bom Fariseu ele foi o primeiro que se colocou a serviço dos Romanos para dizimar com o Cristianismo que se espalhava por todo o Israel.
  • 11. Paulo escreve aos Coríntios … A respeito dos dons espirituais, irmãos, não quero que vivais na ignorância. Capítulo 12, 1 Não sabeis que sois o templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Capítulo 3, 16 Estas cartas confirmam exatamente que os fatos narrados sobre Pentecostes e as palavras proclamadas por São Pedro aconteceram de forma permanente e eterno, mas no entanto nem todos possuem o conhecimento pleno sobre esta verdade.
  • 12. O século XX foi considerado o século do “ESPÍRITO SANTO”, quando a Igreja redescobriu a força e o poder do Espírito Santo em seu interior. Será que neste século XXI ainda existirá alguém que não conheça estas verdades ? Acontecerá nos últimos dias – é Deus quem fala -, que derramarei do meu Espírito sobre todo ser vivo: profetizarão os vossos filhos e as vossas filhas. Os vossos jovens terão visões, e os vossos anciãos sonharão. …?
  • 13. Estes fatos comprovam que Jesus Cumpriu sua Palavra, Ele enviou mesmo o Espírito Santo e todos o receberam. Quem não recebeu porque não estava lá iria receber assim que se entregasse a Jesus de todo coração como Saulo. Este foi o primeiro passo Da Igreja, mas não foi o último e como antes continuamos necessitados do Espírito Santo em nós…
  • 14. Presentepravoce.wordpress.com.br quinta-feira, 22 de maio de 2014quinta-feira, 22 de maio de 2014 07:51:29 PM07:51:29 PM


Jesus Jesus


Pentecostes_Banner


Jesus Jesus


Ele Vos Batizará com Fogo e no Espírito Santo!

 




Jesus vós Batizará no Espírito Santo e com fogo…


Jesus_batiza_no_Espírito_Santo


Quem Batiza no Espírito Santo ?





São João Batista, o Evangelista, Também conhecido como a voz que clama no deserto, ele que era primo de Jesus filho de Isabel. Foi escolhido por Deus para ser o precursor do Messias, por isso batizava as pessoas no rio Jordão em remissão dos pecados, ficando assim preparados para receber O Cristo.

Batismo de Jesus por São João

Jesus sendo filho de Deus não precisaria ser Batizado, já que Ele é um com o Pai, mas quis ser batizado por João como testemunho para os outros. João não o conhecia, porém naquele momento em que mergulhou Jesus nas águas do rio Jordão, viu o céu se abrir e uma linda pomba branca descer sobre Ele. Momento este que o Pai já lhe havia descrito dizendo: sobre quem ele visse descer esta pomba branca, este seria O Cristo o seu próprio filho muito amado.

João tinha muitos seguidores fieis e naquele momento em que reconheceu Jesus, mandou imediatamente que eles o seguissem, pois afirmou ele: Este é o Cordeiro esperado, O Cristo, Verdadeiro Filho de Deus, aquele que deveria vir após mim. Eu vos Batizo com água para remissão dos vossos pecados, mas Ele vos Batizará com fogo e no poder do Espírito Santo de Deus e nem sou digno de desatar-lhe as sandálias.

Este Batismo do Espírito anunciado por São João Batista e que seus discípulos seguiram Jesus em busca Dele, não ocorreu de imediato, Jesus no entanto, preparou seus discípulos durante três anos para recebê-lo. Apesar de ter falado várias vezes sobre isto, Ele sempre marcava uma data no futuro para Batizá-los, até que falando em tom de despedida: “convém a vós que Eu vá para o Pai, porque se Eu não for o Paráclito não virá até vós, mas, se Eu for, Eu mesmo o enviarei.” As ultimas palavras de Jesus neste mundo quando já subia para o céu foram justamente estas, falando sobre o recebimento da promessa do Pai, “Esperem em Jerusalém até que do alto sejais revestidos com poder.

E os discípulos juntamente com Maria mãe de Jesus obedeceram estas palavras e permaneceram em Jerusalém todos unidos em oração até o dia de Pentecostes.

Sequencia de acontecimentos para se entender corretamente o que de fato aconteceu em Pentecostes precisamos de respostas à diversas perguntas.

Perguntas a serem respondidas em outros Post’s:



O que foi a

Antiga Aliança?


Porque se diz Nova

E eterna Aliança?


O que é a

Promessa do Pai ?


O que

é  Batismo?


Que seria ser Batizado no Espírito Santo?


Quem Batiza

No Espírito Santo ?

texto acima


Existe um

8º Sacramento?


A  R.C.C.

Batiza no Espírito Santo?

texto acima


Enchei-vos do Espírito Santo !


Dinâmica – Guiados pelo Espírito Santo.


Batismo no

Espírito Santo ?


As Promessas se cumprem em Jesus.


O que é Efusão no Espírito?

Com Frei Raniero Cantalamessa.

Como se preparar para a

Efusão no Espírito?

Como Receber

O Batismo No Espírito Santo?

É correto pedir

O Batismo No Espírito Santo?


Como

Permanecer

Cheio Do

Espírito Santo?


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg

Quais são os Frutos

Do Espírito Santo?


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg

O Bom Fruto

Do Espírito Santo.


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

Quais são os Dons

Do Espírito Santo?


O que é o Ministério do Espírito?.

Os Carismas se manifestam

na vida dos Santos ?.

Os Santos e os Carísmas.



Dom de Linguas: Pe Jonas


.


Seminário de Vida no Espirito

TEMA ANTERIOR

ESTE TEMA

PRÓXIMO TEMA


Novena do Espírito Santo.


Imagem: Descida do Espírito Santo em Pentecostes.


PREPARAÇÃO PARA PENTECOSTES

10 dias de reflexões em preparação para Pentecostes

Oração Preparatória para todos os dias:

Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis, e acendei neles o fogo do vosso amor.

V. Enviai o vosso Espírito e tudo será criado.

R. E renovareis a face da terra.

Oremos: Ó Deus, que instruís os corações de Vossos fiéis com a Luz do Espírito Santo, fazei que saibamos apreciar retamente todas as coisas, segundo o mesmo Espírito, e possamos gozar sempre de sua consolação.

Por Cristo, Senhor Nosso.

Amém.


Primeiro dia

O Espírito Santo é Deus


1º Ponto: E Deus de toda a majestade.

E eu sou uma miserável criatura e entretanto, ó infinta bondade,… esse Deus tão grande, esse divino Consolador humilha-se até descer em minha alma. Ainda mais: quantas vezes a sua misericordiosa caridade não o levou, por assim dizer, a bater à porta do meu coração para pedir-lhe hospedagem! E eu serei tão indiferente que não o convide?… E não imitarei os discípulos de Nosso Senhor Jesus Cristo e sua divina Mãe que, depois da ascensão do Salvador, se recolheram ao Cenáculo para aí esperar o Espírito Santo que lhes prometera! Eis, minha alma!… Viva confiança e ardente desejo! Repitamos muitas vezes: Vinde, Espírito Santo!

2o. Ponto: Eu convido o Espírito Santo… mas tenho-lhe preparado uma morada?… Onde está o trono do meu Rei? Onde o templo de meu Deus? Meu coração está pronto? Tudo nele se acha bem ordenado?… Ah! é mister dispô-lo nestes dias a receber a divina luz que vem do alto… esta luz é uma ação celeste, sobrenatural, divina; exige disposições adequadas aos seus efeitos. Elevemos, pois, nossos corações ao céu… Ao céu nossos pensamentos e afetos… Fujamos à dissipação das criaturas, se quisermos realmente unir-nos ao Criador… Recolhimento, silêncio, oração, guarda dos sentidos, mortificação… Eis de que modo podemos dispor-nos a tão grande graça…

3o. Ponto: Quanto precisamos receber um raio desta divina luz!… Pois, donde vêm tantas quedas?… Será da falta de luz que nos ilumine, ou de nossa cegueira?… Donde tantos pecados?… Por quê tão pouco amor para com Aquele a quem devemos amar sobre todas as coisas?… É porque esta divina luz não ilumina as nossas almas? Ah!… fechemos os olhos às vaidades da terra, para abri-los à divina luz do Espírito Santo!… Felizes de nós se um dos seus raios chegar até o nosso coração!… Vinde, Espírito Santo, dizei a este abismo de misérias e de trevas: -“Faça-se a luz!” E logo ela descerá sobre nós.

Primeiro Exame:

Sobre o Recolhimento

1- Não sou eu do número destes cristãos dissipados ou negligentes, que quase nunca entram em si mesmos, para ver o estado de sua alma e escutar a voz da consciência?…

2- Nada tenho que reformar a respeito das conversações inúteis e visitas em que se perde o espírito de piedade?…

3- Quando na oração ou noutros exercícios de piedade, Deus me envia alguma luz interior ou um bom sentimento, não me distraio logo ocupando-me com coisas diferentes?…

PROPÓSITO: Entremos em nós mesmos!…
Estamos bem com Deus?… Podemos ficar satisfeitos com o nosso modo de viver?…
Foi depois de um salutar exame sobre si mesmo que o filho pródigo voltou a seu pai… No meio de nossas ocupações, esforcemo-nos para elevar nosso pensamento a Deus…

Jaculatória:
Vinde, Espírito Santo, e mandai do Céu um raio de vossa luz!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


PENTECOSTES É UM

PRESENTE DE DEUS PARA NÓS !


Segundo Dia

HUMILDADE


1º. Ponto: Sou pobre…

Talvez não me faltem os bens terrenos, porém, quão passageiros são… de que me servirão eles no fim da minha vida?.. Oh! os verdadeiros bens são os da alma, os da eternidade… e esses eu não possuo!… Onde estão minhas virtudes, minha piedade, minhas boas obras?… Que proveito tenho tirado da graça de Deus?… Ai de mim!… Talvez o pecado mortal já me reduziu à maior miséria. Desabusemo-nos e não temamos fazer ao Dispensador de todos os bens a humilde confissão de nossa extrema indigência. – “Ego vir videns paupertatem meam”. – Longe de nós o orgulho!

2º. Ponto: Apressemo-nos em sair desta deplorável indigência. Eis que chega o Dispensador das graças, das virtudes e de todos os bens celestes. “Dator múnerum”, num instante Ele pode transformar a nossa indigência em grande riqueza. SEus tesouros são inesgotáveis, sua liberalidade infinita. Se permanecemos em nossa pobreza, será por negligência e tibieza nossa.

3o. Ponto: Não somente sou pobre, como também cego. Que deplorável estado!… Entretanto é real. Dentro de mim quantas trevas para tudo o que diz respeito ao bem de minha alma e ao importante negócio de minha salvação. Ter para com Deus um coração frio e gelado, não é prova evidente que vivo sem conhecer a esse Deus, tão digno de ser amado sobre todas as coisas?…
Esquecer-me de meus deveres para com meu Criador, até cometer o pecado mortal, não é prova de que nunca conheci bem a deformidade, a malícia e a torpeza do pecado?… Se uma vez me tivesse compenetrado desta grande e terrível verdade: “Há um inferno e um inferno eterno”, me haveria exposto ao perigo de perder a graça de meu Deus e com ela a eterna felicidade?…
Quantos motivos para levantar meus olhos ao Espírito de Luz e exclamar com o cego do Evangelho: “Senhor, fazei que eu veja”, ‘Domine, fac ut videam!’ e com o Rei Davi: “Ó Meu Deus, dai à minha alma luz e inteligência!”…

Segundo Exame:

1. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – Os afetos desregrados

1- Não tenho demasiado apego ao dinheiro? Minhas despesas são sempre necessárias, úteis, razoáveis?…

2- Não procuro demasiada satisfação de meus sentidos e de minha moleza?…

3- Não sou escravo do amor próprio, da vaidade, da minha estima pessoal, ao passo que desaprovo e censuro meu próximo?…

PROPÓSITO: A fim de arrancar as afeições desordenadas que nascem da avareza, da sensualidade e do orgulho, farei algum ato de mortificação, de caridade.

Jaculatória:
Purificai minha alma, ela está manchada; regai-a, está árida; curai-a, está ferida.

para complementar a novena


PENTECOSTES

Os Frutos do Espírito Santo


Terceiro Dia

DOAÇÃO


1º. Ponto: Dando-me ao serviço de Deus, eu quisera sentir somente doçura e consolações. Que cegueira!… Ignoro eu que esta vida não é para gozar-se… Agora é o tempo do combate e da prova…

Pois bem: consola-te, minha alma; podes, sim, procurar consolações. Mas não as peças ao mundo. Suas promessas são falazes e suas consolações torpes e passageiras. O demônio e o pecado também nos apresentam sua taça de prazeres, mas um veneno sutil está escondido no fundo do cálice, exteriormente tão delicioso… Quantas lágrimas eternas a ilusão de um instante nos fará derramar!… Só o Espírito Santo pode dar-nos verdadeiras consolações, e as dá àqueles que renunciam com generosidade aos prazeres e aos gozos que lhe oferecem o mundo e o pecado… Não aspiremos mais tão falsas consolações; não nos deixemos seduzir por enganadoras promessas!

2o. Ponto: Muitos são os que querem entrar em meu coração para nele estabelecer morada: o demônio, o vício, o mundo e o Espírito Santo.
Todos dizem: “Filho, dá-me teu coração!” Quem terá minha preferência?… Não há que hesitar… Ah! ó divino Espírito Santo, vós sereis o hóspede amável, o hóspede caro ao meu coração… Os outros, para serem recebidos, fazem mil promessas lisonjeiras; mas apenas entram num coração, se transformam em cruéis tiranos para torturá-lo com angústias, remorsos e temores. Já não temos feito a triste experiência?
Ah! longe tudo quanto não é de Deus; ao Espírito Santo ofereçamos nossos pobres corações para que neles estabeleça sua morada.

Ó Deus de minha alma, vós sois a minha herança para sempre!

3o. Ponto: Quanto é doce e suave nos calores do verão, o sopro ligeiro da brisa!…
Eis a fraca imagem do que experimenta a alma quando o Espírito Santo se digna visitá-la com esse sopro divino que a Sagrada Escritura chama de murmúrio dum brando zéfiro. Mas talvez nada compreendamos dessas delícias espirituais. Talvez mesmo pareçam quimeras!
Pois bem!… Façamos hoje o que fazem as almas santas que as têm experimentado. Pensmos seriamente na recepção que desejamos fazer ao Espírito Santo. Talvez chegue hoje o momento em que compreendamos e sintamos quanto o Senhor é amável!…

Terceiro Exame:

2. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A preguiça

1- Ao acordar-me pela manhã ou durante a noite, sou pontual em elevar meu coração a Deus por meio de alguma oração?…

2- Sou exato no fazer minhas coisas espirituais?…

3- Quando sou mais fortemente tentado, ou quando tenho a desgraça de cair no pecado, não desanimo e não deixo meus deveres de piedade, aos quais deveria recorrer com mais rigor?…

PROPÓSITO: Nas principais orações do dia, renovarei a intenção reta e pura de fazer em tudo a vontade de Deus, e lembrar-me-ei amiúde de sua presença.

Jaculatória: Senhor, para vós, em vossa presença e por vós!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


PENTECOSTES

Os Dons do Espírito Santo.


Quarto Dia

SOFRIMENTO


1o. Ponto: É impossível que eu não tenha algum sofrimento ou alguma cruz… pois quem neste mundo não sofre?… Bastam a dependência que constrange minha liberdade, a sujeição e as fadigas de meu emprego, as solicitudes inerentes a meu estado… para que me ache em contínuo penar. Quantas vezes suspiro por algum alívio!… Mas não há outro mais salutar para mim do que oferecer ao Espírito Santo essas penas inseparáveis da vida, declarando-lhe que as suporto de bom grado por serem de sua vontade.
Acostumemo-nos a renovar amiúde esta intenção, e dentre em pouco veremos a verdade da divina palavra: “Meu jugo é suave e meu peso é leve.”

2o. Ponto: As tentações: Ah! entre tantos motivos de sofrimento, é esse sem dúvida, o que mais nos aflige… Mas, que fazer?… Haverá alguém sobre a terra que seja isento de tentações e livre desses combates interiores que se dão entre a carne e o espírito?… Os maiores Santos foram tentados. Longe de perdermos no meio dessas provas a paz da alma, devemos, pelo contrário, opôr-lhes generosa resistência.
Se a tentação for demasiado violenta, se nosso coração se sentir como que abrasado nas chamas infernais, ah! sem tardar brademos ao Espírito Santo!… Sua virtude divina apagará qualquer chama impura: e o fogo sagrado do divino amor extinguirá o da concupiscência.
Abrasai, Senhor, nossos corações no fogo do vosso Santo Espírito, a fim de que num corpo casto e com um coração puro possamos vos servir e agradar.

3o. Ponto: O Espírito Santo é o Deus de Consolação. Ele consola os que choram, e é por isso chamado Paráclito ou Consolador…
Ah! donde vem que no meio das lágrimas que derramo cada dia ainda não senti os efeitos desse bálsamo divino?…
A que atribuir isso?… Nas minhas penas e lágrimas voltei meu coração para o Espírito Santo Consolador?… Quando me achei sob o peso da aflição, foi a ele e não às criaturas, que pedi alívio e consolo?… Ainda mais: Qual foi a causa das minhas lágrimas?… Tudo, exceto os meus pecados. Comecemos, pois, por chorar nossas faltas e veremos que nada há mais doce que a compunção. Só para aqueles que derramam essas lágrimas é que o Espírito Santo quer ser o Deus de consolação. Felizes os que choram, porque serão consolados!

Quarto Exame:

3. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – O respeito humano

1- Não tenho deixado de pedir conselho por receio de que me julguem ignorante ou escrupuloso?…

2- Não adiei a confissão, ou mudei de confessor, só para evitar a vergonha de confessar minhas reincidências nas mesmas faltas?…

3- Com receio de censuras ou por condescendência, não omiti certas boas obras, ou não me deixei arrastar ao mal?

PROPÓSITO: Farei conhecer ao meu diretor espiritual tudo o que faço, quer de bom, quer de mal. Ao menos todos os meses dar-lhe-ei conta de minha consciência. Em tudo pedir-lhe-ei conselho, sabendo que ele é para mim o representante de Deus; confiar-me-ei inteiramente à sua direção.

Jaculatória:
Restituí-me a alegria que dá a vossa assistência salutar e fortificai-me com vosso Espírito!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Vós Sereis Batizados no

Espírito Santo

Dentro de Poucos Dias…


Quinto Dia

A  LUZ  E  AS  TREVAS


1o. Ponto: O Espírito Santo é Deus, logo é luz. Os pecados pelo contrário são trevas. Ora a luz e as trevas não podem permanecer juntos. Nestes dias peçamos ao Espírito Santo que desça sobre nós. Mas não está meu coração envolto nas espessas trevas dos afetos desordenados e das más inclinações?…

Ah! se por desgraça essas trevas reinam em minha alma, é mister, primeiramente, dissipá-las pelo arrependimento, por uma boa confissão e pela mortificação dos sentidos. Doutro modo o Espírito Santo não escutaria minha oração; como poderia ele habitar na sombria morada do pecado?

2o. Ponto: Que felicidade, se no grande dia de Pentecostes eu me achasse cheio do Espírito Divino, cheio de luzes na inteligência, cheio de fervor na vontade! Ó dia ditoso!… Ó admirável mudança!… Não serei mais o que até agora fui! Mas seria possível que, desprezando tão maravilhosa transformação, eu preferisse continuar nos meus maus hábitos, nos criminosos afetos do meu coração…
Meu Deus, preservai-me de semelhante cegueira! ó minha alma, recorra à oração, peça instantemente ao Senhor como Davi: “Dai-me, ó Deus, um coração puro e renovai a retidão do meu espírito!”

3o. Ponto: Quem poderá esperar a plenitude dos dons do Espírito Santo?… Os corações que lhe forem fiéis… Os corações fiéis ao Espírito Santo são os que se conformam aos ensinos da fé, os que são dóceis às divinas inspirações, que cumprem fielmente as promessas feitas no batismo, isto é, que renunciam ao mundo, que nada têm de comum com o príncipe das trevas…
Que reflexões me sugerem estas obrigações… Acho em mim esses três caracteres da fidelidade ao Espírito Santo?…

Quinto Exame:

4. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A inconstância

1- Não costumo deixar, sem motivo plausível, os exercícios de piedade que adotei?…

2- Sou fiel às promessas que tão repetidamente faço a Deus, particularmente nas minhas confissões?…

3- Conheço a causa desta inconstância?… Será o meu gênio?… a minha negligência no desempenho dos meus deveres de piedade?… um vil respeito humano?… Não basta prometer a Deus; é preciso ainda desprezar os juízos humanos para não nos envergonharmos diante das criaturas da mudança que resolvemos fazer no nosso modo de viver…

PROPÓSITO: Serei mais vigilante na guarda dos meus sentidos: da vista, dos meus ouvidos, e sobretudo da língua. A grande liberdade dos olhares e das conversações foi-me muitas vezes origem de tentações e de pecados. De manhã à noite rezarei uma Ave-Maria em louvor do Coração Imaculado da Santíssima Virgem, para que ela me alcance o precioso dom da pureza.

Jaculatória:
Concedei-me, ó meu Deus, um coração puro e um espírito reto!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Pentecostes

A Festa do Espírito Santo.


Sexto Dia

O Socorro do Espírito Santo


1o. Ponto: Examinemos até que ponto necessitamos do socorro do Espírito Santo. É de fé que sem o seu divino auxílio não podemos pronunciar o nome de Jesus de um modo meritório. Um cadáver seria mais capaz de agir, ver, sentir e andar sem o auxílio de sua alma, do que uma alma fazer qualquer boa ação sem o socorro do Espírito Santo.

Confessemos, pois, humildemente a esse Espírito divino, a extrema necessidade que dele temos, e que a nossa fraqueza nos sirva de incentivo para preparar-lhe sempre melhor o nosso coração. Lembremo-nos portanto que precisamos de sua assistência para essa preparação. Invoquemos o Espírito Santo com toda confiança, persuadidos de que, se nada faltar da nossa parte, Ele estará pronto a auxiliar-nos com sua graça.
O Concílio de Trento diz que “Deus não manda coisa impossível, mas quando manda admoesta para que façais o que podeis e peçais o que não podeis, e ajuda para que possais tudo fazer”.

2o. Ponto: Um corpo sem alma nada pode fazer: corrompe-se e exala infecção; do mesmo modo, sem o Espírito Santo minha alma é incapaz de qualquer bem e capaz de todo o mal. Ela cai na tentação, obstina-se no pecado e, enfim, se condena… Eu creio e confesso esta verdade… Como é que ainda sou indiferente, sem desejos, sem orações para implorar a assistência do Espírito Santo e preparar minha alma para sua vinda?

3o. Ponto: Mas se esse divino Espírito me assistir, tudo poderei, sim, tudo absolutamente. Poderei resistir às mais violentas tentações; poderei viver sempre inocente, praticar as mais heroicas virtudes, enfim, tornar-me santo. “Tudo posso naquele que me fortalece” – não somente posso, mas faço tudo com facilidade… Ó minha alma, haverá censuras com que se possam condenar tuas passadas desconfianças quando dizias: “Não me é possível viver sempre assim! Não me é possível viver sem prazeres!…” Que poderás temer agora que possuis o Espírito Santo? Qualquer temor ou desconfiança ser-lhe-ia injúria.

Sexto Exame:

5. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A obstinação

1- Não vivo na obstinação?… isto é, não persevero n’algum pecado ou na ocasião próxima de cometê-lo?…

2- Depois de ter a desgraça de cair em pecado, não adio a confessá-lo por negligência ou vergonha?… Pela razão que custa tanto confessar-se dum só pecado como de muitos, não tenho multiplicado o número de minhas quedas, como se cada pecado não fosse uma ofensa de Deus e não devesse ser expiado nesta ou na outra vida?…

3- Teria eu chegado ao ponto de cometer o pecado sem receio e até mesmo a gloriar-me de tê-lo cometido, e a induzir os outros a dizer o mesmo? Minha fatal cegueira ter-me-ia deixado adormecer em paz no pecado, sem cuidar que em semelhante estado tenho a Deus por inimigo?

PROPÓSITO: Vou determinar a assentar por escrito que gênero de vida devo adotar, ou as resoluções que quero tomar segundo as inspirações do Espírito Santo, e a aprovação do diretor espiritual.

Jaculatória:
Vinde, Pai dos pobres; vinde, Dispensador dos bens celestes; vinde, Luz dos corações!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Pentecostes

A Antiga Aliança…


Sétimo Dia

Devo ser totalmente Fiel a Deus


1o. Ponto: Eu deveria ter conservado a pureza e a inocência batismal.

Que felicidade seria então a minha!… Mas ah!… só Deus conhece o número de pecados com que tão indignamente manchei minha alma. Quantas lágrimas não deveria eu derramar por ter perdido a bela inocência!… Entretanto em minhas mãos está recuperar a minha primitiva pureza… Ó Espírito Santo, fonte d’água puríssima, vem lavar as manchas do pecado! Misturada às minhas lágrimas, esta água divina será para mim um banho salutar.”

2o. Ponto: Queixo-me sempre de não sentir atrativo pela Santa Comunhão nem pela leitura dos livros de piedade; de não ter lágrimas para chorar meus pecados, como eu desejo; em sima, de ser duro como um rochedo… seco como a areia do deserto, e como a terra desolada pelos ardores do Sol. Se assim é, por que não me exponho ao Espírito Santo essas necessidades de minha alma?…


Não é Ele a chuva benfazeja que refresca e orvalha os corações?… Digamos-lhe sem cessar: “Vinde, Espírito Santo, minha alma está como uma terra sem água…” Por que não lhe pedimos mais inclinação pelas coisas de Deus?… Todavia não devemos fazer-lhe este pedido só por amor às consolações, mas sim para podermos com seu socorro produzir abundantes frutos de salvação…

3o. Ponto: O Espírito Santo é também um bálsamo que cura as feridas. Ah! se eu pudesse ver o lastimoso estado de minha alma, quantas chagas descobriria nela, muitas feitas pelo pecado mortal… e outras muitíssimas pelo pecado venial, estas menores e menos profundas, porém muito mais numerosas… Não estou eu todo coberto de feridas, como o pobre viajante do Evangelho assaltado pelos ladrões?… Que hei de fazer, senão prostrar-me humildemente ante o Espírito Santo, como fazem à porta dos templos esses infelizes roídos de úlceras, implorando a assistência das almas compassivas; e mostrar com profundo sentimento de dor e confusão as chagas de minha alma a este caridoso médico. Ele compadecer-se-á de meu estado lastimável, e sua virtude poderosa derramará sobre mim um bálsamo salutar.

Sétimo Exame:

6. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A tibieza

1- Nunca deixo minhas orações da manhã e da noite e faço sempre esses exercícios com diligência e atenção?…

2- Assisto ao Santo Sacrifício da Missa quando mo permitem meus deveres de estado?… Achando-me na Igreja, não falto à modéstia e ao respeito? Não tenho escandalizado ao próximo com meu ar dissipado?… Preenchendo meus exercícios de piedade, sou verdadeiramente recolhido em meu interior?…

3- Não me acostumei a aproximar-me dos Sacramentos com tibieza, aborrecimento ou respeito humano?… Antes da confissão, sou diligente em excitar-me à dor de meus pecados pela consideração dos motivos sobrenaturais da bondade de Deus, da minha ingratidão para com Ele?…

PROPÓSITO: Farei uma pequena penitência cada vez que tiver omitido por negligência qualquer dos meus exercícios de piedade.

Jaculatória:
Divino Espírito Santo, purificai minha alma, regai-a, curai-a!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Pentecostes

A PROMESSA DA NOVA ALIANÇA


Oitavo Dia

Ser Docil é um bom sinal


1o. Ponto: A docilidade é um sinal de predestinação. Pelo contrário, é indício de obstinação no mal, como os réprobos, não querer escutar os avisos e conselhos daqueles que são animados dum zelo prudente, e não se deixam dirigir por aqueles a quem Deus confiou esta missão. Temos nós o sincero desejo de ser dirigidos em tudo o que diz respeito à nossa salvação?… Damos o respeito devido à santidade da casa de Deus?… Demo-nos a conhecer plena e inteiramente ao nosso diretor espiritual?… Somos sensíveis às inspirações da graça e aos bons exemplos?… Se, pelo contrário, encontrarmos resistência em nossa alma, trabalhemos por torná-la dócil à ação da graça e repitamos amiúde esta oração do sábio: “Senhor, dai ao vosso servo um coração dócil”.

2o. Ponto: Nestes dias é que o céu abrasa a terra no fogo do divino amor. O mundo cristão está como engolfado nas chamas da caridade que o Espírito Santo derrama nos corações dos fiéis: seríamos nós tão insensíveis, que no meio deste grande incêndio ficássemos, senão frios, ao menos indiferentes ao serviço do Senhor? Assim acontecerá se não prepararmos nossa alma… Ora, como a lenha verde não se pode queimar se não perder a umidade, é mister também arrancar do nosso coração todos os afetos terrestres e desordenados, que só servem para apagar o fogo do divino amor. Por isso preparem-nos: o Senhor vai chegar! Imitemos os Santos nos quais admiramos os efeitos desse foto sagrado.

3o. Ponto: O mais deplorável engano em que posso cair é o de errar na escolha de um estado de vida…
Dele depende minha salvação eterna… Praza a Deus que nas minhas resoluções sobre o futuro, eu já não me tenha afastado do caminho que a Providência me indicou, guiando-me pelos caprichos de minha vontade, pelos desejos da ambição, ou por qualquer outro mau conselho… É sobretudo neste ponto que eu devo protestar ao Espírito Santo não querer outro guia, a não ser Ele. Vou implorar instantemente nestes dias de graças, o socorro de suas luzes, pedindo-lhe que me indique o caminho que devo trilhar. Mas Ele exige que eu humildemente peça os avisos e as luzes dos que me dirigem.

Oitavo Exame:

7. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A presunção

1- Não me acontece que, contando com minhas forças, eu me exponho à ocasião do pecado, sem temer nem sua funesta influência, nem minha própria fraqueza?…

2- Toda minha virtude não consiste só em certas práticas exteriores de devoção, como se minha salvação dependesse unicamente delas sem que eu me corrija de meus defeitos, arranque os maus hábitos e vença as paixões?…

3- Presumindo demais da paciência e misericórdia de Deus, não tenho recaído nos mesmos pecados sem temer que a medida já esteja cheia e que, cansado com minhas ingratidões, o Senhor me abandone?…

PROPÓSITO: Que fazer quando temos a desgraça de cair no pecado mortal?… Humilhar-nos logo perante Deus, fazer um sincero ato de contrição e ir confessar-nos o mais breve possível, a fim de não permanecermos neste estado de morte, em perigo de perdição eterna.

Jaculatória:
Fazei, Senhor, que eu vos tema, se ainda não sei amar.

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Pentecostes

Batismo no Espírito Santo?


Nono Dia

Ser Docil é um bom sinal


1o. Ponto: Entre os sete dons que o Espírito Santo concede aos seus servos, três sobretudo lhes são mais necessários: o primeiro é o dom da força: “Sede fortes no combate!” eis o grito de guerra que todos os dias se repete. E o nosso divino Mestre nos ensina que, para ganhar o Céu, é necessário não só a força como também a ‘violência’. Devo pois, resistir com a coragem de leão aos assaltos que me dá o inimigo da salvação. É este o caráter que me distingue? Não; a mais fraca tentação me abala… a menor palavra me faz recuar… e pôr-me fora de combate. Eu que deveria ser inabalável como o cedro, seu como o caniço que um leve sopro dobra e quebra… Humilhemo-nos, vendo tanta fraqueza, e peçamos o dom da força tão necessário para permanecermos firmes no meio de tantos perigos… Lembremo-nos também que a fonte dessa fraqueza é a presunção que nos impele a afrontar os perigos.

2o. Ponto: O segundo dom de que muito precisamos é o dom da piedade. Esta virtude se pratica para com Deus e para com os pais.
Todos os dias digo a Deus: “Pai Nosso”. Se Deus é meu Pai, onde está o meu amor filial para com ele? Não sou eu o outro filho pródigo?… Oh! se assim for, lança-te nos braços de tão bom Pai e diga-lhe com o mais vivo arrependimento: “Meu Pai, pequei contra o céu e contra vós; não sou digno de ser chamado vosso filho”. E dirigindo-te depois ao Espírito Santo, suplica-lhe que te torne doravante digno filho de um Pai tão bom.

3o. Ponto: O terceiro dom é o dom do temor de Deus. Temor de Deus é observar seus mandamentos. Eis a verdadeira grandeza, a verdadeira sabedoria… Se eu temer a Deus não temerei mais os homens… Bem-aventurada a alma que teme o Senhor! Supliquemos ao Espírito Santo que nos conceda este tão precioso dom; e para alcançá-lo recorramos à intercessão da Santíssima Virgem: ela é a Mãe do belo amor e a Mãe do temor de Deus.

Nono Exame:

8. Obstáculo aos Dons do Espírito Santo – A fonte dos pecados

Qual é a fonte mais ordinária dos meus pecados? Sou tão pouco senhor de mim que ainda me deixo dominar pela ira e pelo ressentimento, dando aos outros ocasião de fazer o mesmo? Tenho ainda viva em mim a concupiscência, que me custa demais privar-me de prazeres permitidos, e abster-me dos proibidos?

PROPÓSITO: Estou resolvido a corrigir-me dos numerosos pecados, que demasiada liberdade nas palavras me faz cometer contra a verdade, a caridade e a pureza. E como remédio eficaz para em pouco tempo arrancar os meus maus hábitos, farei uma pequena penitência cada vez que cair em alguma falta sobre estes três pontos.

Jaculatória:
Virgem incomparável, a mais doce das criaturas, alcança-me o perdão dos meus pecados e as virtudes da doçura e da
castidade!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Vós Sereis Batizados no Espírito Santo Dentro de Poucos Dias…


Décimo Dia

Ganhar a Salvação


1o. Ponto: Se eu não salvar a minha alma, tudo o mais de nada me servirá. A nobreza de origem… as riquezas… os talentos, tudo isto não terá valor algum… Com efeito, se eu me condenar, de que me servirá ter ocupado alta posição na sociedade?… Ter nadado na opulência e nos prazeres, para depois ser cruciado nas chamas eternas?… Brilhar pelo saber e gênio e depois perder a imortal coroa?…

É tempo agora de pensar seriamente nestas verdades e, seguindo as inspirações do Espírito Santo, ordenar o importante negócio da minha salvação… Protestar-lhe mais por obras do que por palavras, que minha vontade firme e sincera é salvar minha alma a todo custo.
Ó meu Deus, abençoai, fortalecei e aperfeiçoai em mim estes propósitos até agora tão fracos e lânguidos.

2o. Ponto: Tenho compreendido bem o sentido destas palavras: “Salvar minha alma?” Salvar-se é merecer e ganhar uma felicidade sem medida e sem fim… Serei eu tão insensato que prefira satisfações momentâneas e vis prazeres a uma felicidade eterna?… Oh! Deus sabe e eu também o que tenho feito até agora. Ó minha alma, não tarde em fazer com o Espírito Santo um contrato tão vantajoso… Ele nos promete a eterna felicidade se por seu amor sacrificarmos generosamente os prazeres lícitos desta vida passageira.

3o. Ponto: Não devo mais hesitar. Se eu quiser ganhar o Paraíso, é mister comprá-lo pela prática das virtudes cristãs, sobretudo da paciência e da mortificação. Pretenderia eu alcançar isso por menor preço do que Jesus Cristo? Ora, foi mister que Cristo sofresse, para entrar na sua glória… Não basta pois pedir apenas ao Espírito Santo a graça de chegar a esse reino de glória e felicidade… É preciso preparar-se por uma vida cheia de virtudes e méritos. E desde que tenho a certeza de que a graça de Deus não há de faltar, quero trabalhar com coragem e nada negligenciar, para que estes dias de preparação e meditação dos mistérios de Pentecostes sejam para mim o princípio duma nova vida…

Décimo Exame:

Sobre a Perseverança

1- Por quanto tempo fui fiel às boas resoluções que tenho tomado?

2- Que meios emprega o demônio para me fazer recair nas mesmas faltas?

3- Qual é a causa mais ordinária das minhas quedas?… Não seria a omissão voluntária duma prática de piedade bem começada e logo depois deixada por indiferença?… Não seria a facilidade com a qual escuto as sugestões do demônio e das paixões?… Uma faísca basta para causar um grande incêndio.

PROPÓSITO: Vou tomar nota das boas resoluções que o Espírito Santo me inspirou nesta novena, suplicando-lhe que me ajude com sua graça a observá-las fielmente, a fim de que Ele opere em minha alma a mesma mudança que operou nos Apóstolos, isto é, uma transformação total, generosa e permanente. Implorarei também a poderosa intercessão da Santíssima Virgem, que a Igreja chama templo do Espírito Santo, e ao receber a santa Comunhão no dia de Pentecostes, lembrar-me-ei que foi no Cenáculo onde Jesus instituiu a Santíssima Eucaristia que os Apóstolos, juntamente com Maria Santíssima, receberam o Espírito Santo com a abundância de seus dons.

Jaculatória:
Vinde, ó divina Luz: enchei o coração dos vossos fiéis!

Orações ao Espírito Santo.

para complementar a novena


Orações ao

Espírito Santo.


O Que é RCC

Renovação Carismática Catolica?


 [ 1o. dia2o. dia3o. dia4o. dia5o. dia6o. dia7o. dia8o. dia9o. dia10o. dia ]

Batismo no Espírito Santo ?


O Batismo “Sacramento

é o mesmo

Batismo no Espírito Santo ?

Batismo é um substantivo derivado do verbo Batizar, significando o ato de Batizar.

Leonardo da Vinci 016.jpg

Pintura de Leonardo Da Vinci.

Batizar originalmente é derivado da palavra Grega “βαπτίζω” que significa; “imergir”, “banhar”, “lavar”, “derramar”, “cobrir” ou “tingir”.

Esta era a forma que São João Baptista executava o Batismo em seus seguidores, eram totalmente submerssos em água, simbolizando a morte de um homem pecador e o resurgir de um novo homem saindo da água, é o nascimento de uma nova criatura, um homem totalmente arrependido, lavado e purificado de seus erros e pecados anteriores.

Batizar então, é um verbo muito comum e utilizado em muitos casos que não são inteiramente ligados a qualquer tipo de religião, mesmo a religião  tendo denominando um Sacramento pelo nome de “Batismo”, isto não impede que a palavra que lhe deu origem continue tendo o mesmo significado anterior e sendo usada para definir outras coisas fora da religião.

Não podemos confundir, porém, a utilização de uma palavra erroneamente dizendo uma coisa quando se queria dizer uma outra coisa ou entendê-la como apenas um de seus significados básicos.

Para a Igreja Católica, o ato de se Batizar como São João Baptista fazia, tornou-se um Sacramento da Igreja, justamente aquele que integra a pessoa humana dentro da igreja ou que transforma um simples ser humano em um filho de Deus e portanto herdeiro de tesouros incauculáveis que uma simples criatura humana não teria o direito de receber.

Este é o Sacramento pelo qual nos tornamos parte da Família Divina e portanto a Igreja não poderia deixar de oferecer o Batismo também a nossos filhos, mesmo quando ainda criancianhas, para que não percam esta grande graça de Deus.    Sendo também concedido a todos aqueles que mesmo depois de adultos desejam espontâneamente se integrar à Igreja de Jesus.

No entando, quando Jesus sai do Rio Jordão, já Batizado e portanto um novo homem, João manda que seus discípulos o sigam para receberem algo muito melhor do que aquilo que Ele já havia lhes dado, e demonstrou isto dizendo, “Jesus é aquele que Batiza com o Espírito Santo…”, todos já haviam sido Batizados nas águas do Rio Jordão mas foram juntos com Jesus buscando esta graça que João havia anunciado.

Se Eles já haviam sido Batizados porque deveriam ser Batizados novamente ?

Que outro Batismo seria este ?

Será que Eles sabiam realmente o que significava esta frase dita por São João Baptista ?

Naqueles dias muito pouco se falava do Espírito Santo, menos ainda sobre dons do Espírito Santo, portanto era um território totalmente desconhecido para eles, como também para muitos de nós ainda hoje.

Jesus_Batismo_João_Batista

O Céu se abre e uma voz Ploclama - Eis O Meu Filho Muito Amado.

Hoje a Igreja assumiu o Batismo de João como um único Sacramento, estando totalmente de acôrdo com a palavra de Deus que diz existir um só Deus, uma só fé e um só Batismo. Sendo portanto, ministrado uma única vez para cada pessoa em particular, porque uma vez filho de Deus seremos filhos de Deus para sempre, mesmo no caso do filho pródigo que estava longe da casa do Pai, ao voltar recebeu de volta a sua dignidade de filho que havia deixado quando partiu.

Jesus então possuia algo a ser oferecido que João Baptista não podia oferecer, este algo, denominado “Batismo no Espírito Santo“, não seria um novo Batismo de nascimento nas águas do Rio Jordão, mas um mergulho total e incondicional na precença do Espírito Santo de Deus, mergulho este que, conforme a explicação de São Paulo, seria pleno, total e PERMANENTE, não como um submarino que navega por baixo do nível do mar sem que a água penetre em seu interior, a proposta de Jesus é exatamente o oposto disto, este Espírito Santo seria como uma fonte que jorraria água viva para a vida eterna (João 7, 38) a partir de dentro do coração humano, logo o interior do submarino deveria também estar cheio da água do mar e não apenas cheio de água e sim se tornando uma fonte que transbordaria para fora de si mesmo a graça infinita do amor de Deus.

Quando Jesus fala com Nicodemos, Ele diz que: quem não renascer da água e do Espírito não poderá entrar no Reino de Deus. O que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do Espírito é Espírito. Neste caso Jesus está afirmando que o Batismo de João é necessário, mas o Batismo que somente Ele daria, seria impressindível, porque trazia a promessa deste mundo e também as promessas da eterna aliança que prossegue mesmo depois de nossa morte para este mundo, porém vivos no reino eterno de Deus.

Jesus se referiu diversas vezes ao fato da execução do Batismo no Espírito Santo, explicou detalhes deste acontecimento e como e porque Ele deveria ocorrer, mas ao mesmo tempo condicionou este acontecimento com a obrigatoriedade de seu retorno ao Pai, fato este que muito entristeceu seus dicípulos, mas que Jesus os consolou dizendo; O Espírito Santo Paráclito que viria, seria como a sua propria presença no meio de deles, os auxiliando em todas as suas fraquezas, exatamente lhes dando o poder para realizar as obras que Ele havia ordenado que fizessem.

Após o Sepultamento de Jesus, alguns de seus discípulos retornaram para seus lares e comentavam pelo caminho que aquilo que eles esperavam de Jesus acabou não acontecendo, já que Ele havia morrido sem consumar as promessas do Pai, mas a quem eles disseram estas palavras de desânimo ?  Disseram isso ao próprio Jesus que caminhava ao lado deles, já ressucitado e mais uma vez mostrando que cumpriu sua promessa de ressurgir e levaria à consumação todas as promessas do Pai.

Sendo assim os discípulos de Jesus ficaram no templo em Jerusalém aguardando que este tão falado Batismo no Espírito Santo acontecese realmente, Atos Cap. 2 narra os eventos que marcaram o dia de Pentecostes como o dia em que Deus cumpriu enfim sua promessa e assinou a nova e eterna aliança feita com todos aqueles que creram e aceitaram as suas palavras.

pentecostes_det_Jean_Restout

pentecostes_det_Jean_Restout.jpg

Depois de três anos e meio aqueles discípulos de João puderam experimentar o que significava este Batismo no Espírito Santo que eles tanto buscaram em Jesus e isto aconteceu de repente num vento impetuoso e algumas chamas de fogo que repousaram sobre eles, fato que mudou para sempre suas vidas e a história da humanidade também.

Podemos responder agora, que os fatos que aconteceram dentro do templo em Jerulalém, foi realmente um mergulho, um Batismo sim, não nas águas do Rio Jordão, mas um mergulho nas profundezas do imenso Oceano do Amor de Deus, tão profundo que transformou completamente toda a maneira de pensar e agir daqueles homens que se tornaram as primeiras testemunhas de algo que não seria apenas para eles, mas para toda criatura que habita a face da terra, cabendo sim a eles a difusão desta maravilha entre os demais filhos de Deus espalhados pelo mundo inteiro, que como eles, também deveriam receber esta mesma promessa em suas vidas.

Jesus Batizou no Espírito Santo todos aqueles que lá estavam naquele dia, muitos outros foram Batizados depois e continuaram sendo Batizados até o dia de hoje, porque esta promessa ainda não fora totalmente cumprida, mas será, antes que Jesus volte para Reinar soberanemente sobre todas as coisas, porque todos poderão fazer sua propria escolha, se querem ficar com Jesus para sempre ou se preferirão a ausência dele para sempre.

Hoje chegou a sua vez, o seu dia, pode até ser agora, como disse Jesus à Samaritana, Se soubesses quem é o que te pede, “Dá-me de beber“, certamente me pedirias, tu mesma, e Eu lhe daria a água viva …’. E ela lhe pediu;Senhor, dá-me dessa água…”. E Jesus lhe deu, porque basta lhe pedir de todo corãção e Ele lhe concederá.

Por outro lado são muitas as pessoas que agem como os Discípulos de Emaus, acham que perderam seu tempo seguindo Jesus e que afinal de contas Ele morreu e nada aconteceu de diferente em suas vidas, pode também até não ser agora que Ele agirá em sua vida, mas eu posso lhe garantir que um dia de repente um vento impetuoso invadirá seu coração e realizará nele estas maravilhas, desde que  seu coração esteja sedento e aberto à ação do Espírito Santo.

Finalizando:

O Batismo no Espirito Santo oferecido por Jesus não é o mesmo Batismo de João Baptista e portanto não seria o primeiro Sacramento oferecido pela Igreja Católica que nos transforma em filhos e herdeiros da promessa do Pai, é sim a confirmação deste mesmo Sacramento, só que a partir da primeira manifestação de Pentecostes, os Apóstolos passaram a agir como está descrito em Atos 8,15 a 17 e esta ação se tornou então o Sacramento da Crisma e não foi identificado como “Batismo no Espírito Santo” e sim como a Confirmação do Batismo inicial, como descrito no v. 16, posteriormente esta ação foi unificada em apenas um ato Sacramental.

Um resumo daquilo que São Pedro Declarou logo a seguir do momento de Pentecostes:


O que os vossos olhos contemplam neste exato momento é o cumprimento da Promessa de Deus anunciada pelos profetas e confirmada pessoalmente por Jesus, isto que vedes acontecer agora conosco é o mesmo que Deus tem preparado para todos aqueles que crerem e aceitarem de todo coração este presente de Deus, você poderá recebé-lo agora, hoje, amanhã ou até o fim dos tempos, pois a promessa é para vós e para vossos filhos e antes que venha o grande dia do Senhor Deus terá derramado do seu Espírito sobre todo ser vivo em toda a face da terra.

Maria e os Discipulos recebendo o Espírito.

O que aconteceu em Pentecostes para Maria Mãe de Jesus e os Apóstolos foi o primeiro Batismo no Espírito, mas não seria o ultimo, porque ele foi prometido para todas as pessoas incluindo eu e você e como não estavamos lá naquele dia certamente ele virá até nós hoje onde estivermos, mesmo que seja nos consfins do mundo.


Na sequencia

Saiba como permanecer

Cheio Do Espírto Santo de Deus !

Enchei-vos do Espírito Santo !

Batismo

Como o primeiro Sacramento


Semeando a cultura de Pentecostes



!


O Livro da Capa Preta

Power Point – PPT

A Sabedoria esatá acima da Inteligência – Post


Batismo do Senhor Jesus.



«Ele me consagrou com a unção»

Jesus recebeu o Espírito da promessa no momento do seu Batismo é o que nos testemunha São João Batista:

Frei Raniero Cantalamessa =>

Outros textos.

Isaías 42, 1-4.6-7; Atos 10, 34-38; Mateus 3, 13-17





O próprio Jesus deu uma explicação do que lhe aconteceu no batismo no Jordão. Ao voltar, na sinagoga de Nazaré aplicou a si mesmo as palavras de Isaías: «O Espírito do Senhor está sobre mim: me consagrou com a unção…». O mesmo termo de unção é utilizado por Pedro na segunda leitura, falando do batismo de Jesus: «Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder».




O BATISMO DE JESUS

BUSCANDO NOVAS ÁGUAS

  • SLAIDS em .PPT

  • LITURGIA DOMINICAL


Trata-se de um conceito fundamental para a fé cristã. Basta dizer que o nome Messias em hebreu e Christos em grego significam exatamente isso: Ungido. Nós mesmos, diziam os antigos Padres, recebemos o nome de cristãos porque fomos ungidos à imitação de Cristo, o Ungido por excelência. A palavra «ungido», em nossa linguagem, tem muitos significados, não totalmente positivo. Na Antigüidade, a unção era um elemento importante da vida. Ungiam-se com óleo os atletas para estarem soltos e ágeis nas corridas, e se ungiam com óleo perfumado homens e mulheres para ter o rosto belo e resplandecente. Atualmente, com estes mesmos objetivos, existe à disposição uma infinidade de produtos e cremes em grande parte derivados de diferentes tipos de óleos.

Em Israel o rito tinha um significado religioso. Ungiam-se os reis, os sacerdotes e os profetas com um ungüento perfumado e este era o sinal de que estavam consagrados ao serviço divino. Em Cristo, todas estas unções simbólicas se tornam realidade. No batismo no Jordão, Ele é consagrado rei, profeta e sacerdote eterno por Deus Pai. Não com um óleo físico, mas com o óleo espiritual que é o Espírito Santo, «o óleo da alegria», como o define um salmo. Isso explica por que a Igreja dá tanta importância à unção com o santo crisma. Existe um rito de unção no batismo, na confirmação e na ordenação sacerdotal; existe uma unção dos enfermos (antigamente chamado de «extrema-unção»).

É porque através destes ritos se participa na unção de Cristo, isto é, em sua plenitude de Espírito Santo. Uma pessoa é literalmente «cristã», isto é, ungida, consagrada, pessoa chamada – diz Paulo –

«a difundir no mundo o bom odor de Cristo».

Procuremos ver o que tudo isso diz aos homens de hoje. Atualmente, está na moda falar de aromaterapia. Trata-se do emprego de óleos essenciais (ou seja, os que exalam perfume) para a manutenção da saúde ou para a terapia de alguns transtornos. A internet está cheia de anúncios de aromaterapia. Não se contenta em promover com eles o bem-estar físico. Existem também «perfumes da alma», por exemplo «o perfume da paz interior».

Não corresponde a mim emitir um juízo sobre esta medicina alternativa. Contudo, vejo que os médicos convidam a desconfiar desta prática que não está cientificamente provada e que inclusive implica, em alguns casos, contra-indicações. O que desejo expressar é que existe uma aromaterapia segura, infalível, que exclui toda contra-indicação: a que está feita à base do aroma especial, do ungüento perfumado, que é o Espírito Santo!

Esta aromaterapia feita de Espírito Santo cura as doenças da alma e às vezes, se Deus quer, também as do corpo. Há um canto spiritual afro-americano no qual não se faz mais que repetir continuamente estas poucas palavras: «Há um bálsamo em Gilead que cura as almas feridas» (There is a balm in Gilead / to make the wounded whole…). Gilead, ou Galaad, é uma localidade famosa no Antigo Testamento por seus perfumes e ungüentos (Jr 8, 22). O canto prossegue dizendo: «Às vezes me sinto desanimado e penso que tudo é em vão, mas então o Espírito Santo reaviva a minha alma» (Sometimes I feel discouraged and think my work’s in vain but then the Holy Spirit revives my soul again). Gilead é para nós a Igreja, e o bálsamo que cura é o Espírito Santo. Ele é o rastro de perfume que Jesus deixou ao passar por esta terra.

O Espírito Santo é especialista nas doenças do matrimônio. O matrimônio consiste em dar-se um ao outro: é o sacramento de tornar-se dom. E o Espírito Santo é o dom feito pessoa: a doação do Pai ao Filho e do Filho ao Pai. Onde Ele chega, renasce a capacidade de tornar-se dom e, com ela, a alegria e a beleza de viver juntos.

O filósofo Heidegger lançou um juízo alarmado sobre o futuro da sociedade humana: «Só um deus pode nos salvar», disse. Pois eu digo que este Deus que pode nos salvar existe: é o Espírito Santo. Nossa sociedade precisa de doses massivas de Espírito Santo.

[Tradução: Élison Santos. Revisão: Aline Banchieri]

Texto Retirado da Pagina WEB.


OUTROS TEMAS RELACIONADOS


Natal

Os Sacramentos de Iniciação Cristã Batismo – Crisma e Eucaristia


Batismo Sacramento

O Sacramento do Batismo (Post).

O Batismo de Jesus (PPTx)