Corpus Christi em Power Point.


Uma pequena apresentação sobre a história e o significado do dia de Corpus Christi.



2. Mistério que muito mais do que para ser entendido, é para ser vivido e celebrado como uma festa especial ao Sacramento da Eucaristia, Sacrifício e Refeição

3. “Isto é o meu corpo (apontando para o pão), e isto é o meu sangue (apontando para o vinho), fazei isto em memória de mim”.

4. Segundo Santo Agostinho, é um memorial de imenso benefício para os fiéis, deixado nas formas visíveis do pão e do vinho.

5. Como na Semana Santa não vivemos grandes manifestações de alegria, – é tempo de silêncio e recolhimento – para prestar um ato público e solene de fé e adoração a Jesus na Eucaristia, a Igreja instituiu esta solenidade para se comemorar a Instituição da Eucaristia que foi na quinta-feira santa, a 60 dias após a Páscoa.

6. É um dia santo de guarda, isto é, para os católicos, é obrigatório participar da Santa Missa neste dia, pois é dia de preceito como são os Domingos…

7. A origem desta Solenidade remonta ao século XIII, destacando e/ou fortalecendo a devoção ao Santíssimo Sacramento, diante da necessidade de levar os fiéis a sentirem melhor a presença de Cristo.

8. A Festa de Corpus Christi foi instituída pelo Papa Urbano IV com a bula Transiturus de hoc mundo de 11 de agosto de 1264,

9. para ser celebrada na quinta-feira após a Festa da Santíssima Trindade, que acontece no domingo depois de Pentecostes, sendo decretada em 1269 e aderida plenamente ao longo do tempo…

10. Observe que depois de é o tempo mais propício para estarmos abastecidos das graças e do júbilo do Espírito Santo, e assim podermos celebrar melhor e com mais alegria a Festa do Esposo divino que habita entre nós!

11. Conta a história, que existia um sacerdote chamado Pedro de Praga, que vivia angustiado por dúvidas sobre a presença de Cristo na Eucaristia.

12. Decidiu então ir em peregrinação ao túmulo dos apóstolos Pedro e Paulo em Roma, para pedir o dom da fé.

13. Ao passar por Bolsena, na Itália, enquanto celebrava a Santa Missa, foi novamente acometido da dúvida.

14. Na hora da Consagração veio-lhe a resposta em forma de milagre: a hóstia branca transformou-se em carne viva, respingando sangue, manchando seu corpo, os sanguíneos e as toalhas do altar sem no entanto manchar as mãos do sacerdote, pois, a parte da hóstia que estava entre seus dedos, conservou as mesmas características.

15. O Papa Urbano IV, pediu que os objetos fossem levado para Orviedo em uma grande procissão, e foi nesse momento que a festa de Corpus Christi foi decretada.

16. A instituição desta festa tem também fundamento no segredo das visões da freira belga agostiniana Juliana de Mont Cornillon, que teve revelações do céu, demonstrando desejo de que o mistério da Eucaristia fosse celebrado com mais destaque.

17. Sendo desta forma, entre heresias e também uma certa devoção popular, somado com revelações, acabou sendo celebrado pela primeira vez em Liége, na Bélgica, como resposta de fé e de culto às doutrinas heréticas e também como coroação de um movimento de grande devoção ao augusto sacramento do altar… Escultura Anjo Dourado em Liège – Bélgica

18. Os tapetes de rua são uma tradição e manifestação artística popular realizada por fiéis da Igreja Católica, confeccionados para a passagem da procissão de Corpus Christi.

19. A tradição da confecção do tapete surgiu em Portugal e veio para o Brasil com os colonizadores, começando pela cidade de Ouro Preto em Minas Gerais.

20. Os desenhos utilizados são variados, mas enfocam principalmente o tema Eucaristia.

21. No Brasil essa tradição está sendo ampliada, atingindo inclusive comunidades, bairros e até colégios, e são utilizados diversos tipos de materiais, tais como papel, serragem colorida, isopor, pó de café, farinha, areia, flores, folhas, tampinhas de garrafas, e outros acessórios.

22. Algumas cidades são famosas, como por exemplo Ouro Preto-MG, onde teve seu início, também Matão-SP, São José do Rio Preto-SP, ainda Castelo-ES, Rodeio-SC, Cabo Frio-RJ, entre outras.

23. De qualquer forma, podemos dizer que é um espetáculo que reúne fé, tradição, arte e beleza, mas não podemos perder de vista que ao participar da Eucaristia neste dia, enfeitar ruas e praças, e ao acompanhar a procissão,

24. estamos mostrando com este gesto que cremos de fato que JESUS ESTÁ PARA SEMPRE PRESENTE NO NOSSO MEIO, E SENDO ASSIM, SOMOS MISSIONÁRIOS, POIS DAMOS UM GRANDE TESTEMUNHO PÚBLICO DE FÉ…

25. Daí, nunca criticar, muito menos é para se avaliar os enfeites, porque para Deus o que interessa é o amor que se coloca em cada gesto, por isso, se puder seria bom ajudar, e ainda, lembrar que Jesus vai passar pelas ruas da nossa cidade, pelas nossas casas, pela nossa vida, pelo nosso serviço, e quer abençoar a todos(as)…

26. Com a Instituição da Eucaristia o povo é alimentado com o próprio Corpo de Cristo!

27. Eucaristia é o alimento que sacia toda a nossa fome e sede de amor, felicidade, segurança, esperança e vida eterna, e principalmente é o alívio, ou melhor, o repouso para todos os nossos cansaços, durezas e sofrimentos da vida…

28. Quem comer deste pão viverá eternamente – Jo 6, 51. Receber Jesus na Eucaristia não se resume em “apenas” comungar… Mas em uma manifestação e demonstração concreta de Fé e Amor a Deus.

29. Sendo assim, não esquecer de sempre agradecer, e muito mais neste dia, pelo infinito amor de Jesus pelo dom inefável da Eucaristia!

30. OBRIGADO, SENHOR Autor: jose antonio http://www.powermensagens.com/power-point-religiosas/corpus_christi

Resumo e reformatação: Presentepravoce 06/2015

Musica = Tema JMJ – Jesus Cristo – Tu és a minha vida

– Jesus Christi – You are my life .

31. quarta-feira, 27 de maio de 2015 9:32:11

Link’s para outras Mensagens


Corpus_christi_2016


Pentecostes_2015 trindade-lk Eucaristia_corpo_vivo_de_Cristo
Corpo_de_Cristo_lk2 wall_corpuschristi1024

Sinais de Pentecostes.


homem_10[1]


No início, Adão era uma estátua de barro, porém Deus soprou sobre ele um espírito de vida e ele se tornou um ser vivo. Muito tempo depois, o Espírito de Deus veio sobre Maria e nela apareceu uma nova vida, a vida do novo Adão; a vida deu um grande salto de qualidade! Mais tarde, o Espírito de Deus veio ao sepulcro de Cristo e o reanimou e fez Jesus retornar à vida.

Mais uma vez, o Espírito veio sobre os apóstolos, em Pentecostes, e encontrou um punhado de homens temerosos, medrosos, inertes como Adão quando era uma estátua de barro e, com suas línguas de fogo, o Espírito fez aparecer a Igreja, corpo vivo de Cristo. Nós, que somos a Igreja, somos corpo vivo de Cristo pelo Espírito Santo.

A cada Eucaristia, o Espírito Santo desce sobre o altar e transforma o pão e o vinho em corpo e sangue vivo de Cristo. E um dia, no fim do mundo, o Espírito virá e dará vida aos nossos corpos mortais e nos fará ressurgir para a vida eterna.



De Saulo a Paulo

Agora vou lhes contar sobre a vida nova que o Espírito Santo me deu.

Até 1975, eu era um frade capuchinho que ensinava História das Origens Cristãs na Universidade de Milão, na Itália. Um dia, comecei a escutar pessoas que falavam de uma nova forma de rezar. Uma senhora, de quem eu era diretor espiritual, voltando de um retiro disse-me: “Encontrei pessoas que rezam de um modo estranho: levantam as mãos, batem palmas, são muito alegres e dizem que entre eles milagres acontecem”. Então eu lhe disse: “Nunca mais irás a essa casa de retiros”.

Esses dos quais aquela senhora falava eram carismáticos. Comecei a observá-los e via que algo daquilo que acontecia entre esses irmãos era exatamente aquilo que lemos nas primeiras comunidades cristãs.

Eu não podia negar que havia algo daqueles primórdios da Igreja, contudo havia fenômenos que me perturbavam, como falar em línguas, abraçar-se, profetizar…

Certo dia, fui quase forçado a um encontro carismático. Lá fui tomado de uma intensa e nova alegria, que não sabia explicar. Sentia-me sacudido. E, confessando as pessoas, percebia nelas um arrependimento novo, profundo. Eu podia ver e até tocar a graça de Deus. Mas continuava como um observador.

Em 1977, ganhei uma passagem para ir aos Estados Unidos, assistir à grande assembléia carismática ecumênica. Dentro de mim, dizia: “Isto vem de Deus, mas não me agrada”. E as 40 mil pessoas presentes ali cantavam: “Jericó deve cair”. Os meus colegas italianos me diziam: “Escuta bem, porque Jericó és tu”. Eles tinham razão, e Jericó caiu.

Depois do encontro fomos a uma comunidade carismática em New Jersey, onde aceitei receber a efusão do Espírito Santo, mas ainda com certa resistência. Um dos sinais do Pentecostes é Deus falar através dos humildes. Quando as pessoas rezavam por mim, todas as palavras proféticas pronunciadas falavam de evangelização, de Paulo que com Barnabé inicia suas viagens apostólicas, e um irmão proclamou: “Tu provarás de uma alegria nova em proclamar minha Palavra”.

Um detalhe importante é que enquanto se reza para que alguém receba a efusão do Espírito, se diz: “Escolhe Jesus como Senhor da tua vida” e, enquanto me diziam estas palavras, levantei os olhos e vi o crucifixo que estava sobre o altar da capela. Era como se Ele me esperasse para me dizer algo muito importante: “Atenção! Raniero, cuidado! Este é o Jesus que tu escolhes como teu Senhor, o Crucificado. Não é um Jesus fácil, sentimental”. Nesse momento, entendi que a RCC não é um fenômeno superficial, mas algo que nos leva diretamente ao coração do Evangelho, à cruz de Cristo.

Comecei a ler o breviário experimentando algo novo. Vocês sabem que um dos frutos mais evidentes do Espírito é abrir a nossa inteligência para entender as Escrituras. Outro sinal da transformação que o Espírito operara em mim era o novo desejo de rezar.

Três meses depois voltei à Itália e os meus irmãos diziam: “Que milagre! Mandamos à América Saulo e nos mandaram de volta Paulo”.

Pouco tempo depois, enquanto rezava com um grupo de oração em Milão, surpreendi-me fazendo a oração: “Senhor, não permita que eu morra como um professor universitário aposentado!” E o Senhor levou a sério minha oração.

Algumas semanas depois, rezando na cela de meu convento, tive a moção interior de visualizar Jesus que retornava do batismo no Jordão e começava a pregar o Reino de Deus, e ao passar por mim Ele dizia: “Se queres me ajudar a proclamar o Reino de Deus, deixa tudo e vem!”

Compreendi que Ele queria dizer: “Deixa tua cátedra na Universidade, tua direção de Departamento e te tornes um pregador itinerante da Palavra de Deus, no estilo de São Francisco de Assis”. E ao final daquela oração o Espírito havia colocado em meu coração um “sim”.

Fui ao meu superior geral dizer-lhe que me sentia chamado pelo Senhor. Ele me pediu para esperar um ano. Depois de um ano, ele disse: “Sim, é vontade de Deus, vá”. Assim, tornei-me pregador.

Foi o Espírito Santo e a experiência carismática que fizeram deste velho professor universitário um pregador do Evangelho.



A Casa Pontifícia


Três meses depois, recebi um telefonema de Roma, do meu superior geral que me dizia que o Santo Padre, João Paulo II, havia me escolhido como pregador da Casa Pontifícia. O Papa, com tudo o que tem para fazer, cada sexta-feira de manhã, durante a Quaresma e o Advento, deixa tudo e vem escutar a pregação de um frade capuchinho. Quantos de nós vão escutar pregações como o Papa? Ele não falta nunca. Certa vez, estando em viagem pela América Central, faltou a duas pregações; na sexta-feira seguinte, foi ao meu encontro e pediu desculpas por ter faltado a duas pregações.

Foi-me dada a oportunidade de fazer ressoar ali, no centro da Igreja, o que o Espírito Santo está fazendo na Igreja. O Senhor escolheu esse pobre frade capuchinho para fazer chegar ao coração da Igreja aquilo que vivemos aqui, esta força, esta esperança, esta certeza de que o Espírito Santo realizou um novo Pentecostes na Igreja.

Um dia, entendi que era hora de falar ao Papa, aos Cardeais, aos Bispos sobre a efusão no Espírito. Entre outras coisas, eu disse: “Alguns dizem que tendo recebido o Espírito Santo na Ordenação, no Batismo, não temos necessidade desta oração pedindo a efusão no Espírito, mas Jesus não poderia responder: “Eu também não estava cheio do Espírito desde o nascimento de Maria, e mesmo assim fui ao Jordão para ser batizado por um leigo que se chamava João Batista?”

No final da pregação, eu tinha um certo temor e veio ao meu encontro um Cardeal que me disse: “Hoje, nesta sala, ouvimos falar o Espírito Santo”.

O Santo Padre também sabe de minha experiência, pois lhe contei pessoalmente. Mesmo assim, já faz mais de 20 anos, e ele não me mandou embora. E aquilo que vocês encontram nos meus livros, quase tudo foi escutado antes pelo Papa.

Quero lhes contar um último detalhe que nos faz conhecer a grande paciência do Santo Padre e o seu imenso amor pela palavra de Deus. Uma vez por ano devo fazer a pregação, na Basílica de São Pedro, com o Papa que preside a celebração. É porém a única vez que não é ele quem prega. Lida a narração da Paixão, é o pregador da Casa Pontifícia quem deve subir ao altar do Papa e pregar. Na primeira vez, os degraus me pareciam mais altos que o monte Evereste. Falando na Basílica, dei-me conta de que deveria falar muito lentamente, porque há uma grande ressonância. Mas, falando lentamente, o tempo passava e ultrapassou em cerca de dez minutos o tempo previsto. Vocês sabem que imediatamente após essa pregação, toda sexta-feira da Paixão, o Papa vai ao Coliseu fazer a via-sacra, e o secretário, naturalmente, estava muito nervoso e olhava o relógio de vez em quando. No dia seguinte, disse às freiras que depois daquela função, o Papa o chamou e, com muita gentileza, disse: “Quando um homem de Deus fala, nunca devemos olhar o relógio”.



Coragem, e ao trabalho!


No dia em que meu superior me permitiu iniciar essa vida nova, no ofício das leituras havia um texto do profeta Ageu: “Coragem, Josué, sumo sacerdote, coragem Zorobabel, coragem todo o povo deste país, e ao trabalho. Coragem porque eu estou convosco, diz o Senhor” (Ag 2,4).

Lida essa passagem, fui à Praça de São Pedro e, olhando para a janela do Papa, comecei a gritar: “Coragem João Paulo II, mesmo se sabemos que és o homem mais corajoso do mundo; coragem Cardeais e Bispos, e ao trabalho, porque eu estou convosco, diz o Senhor”. Isso era fácil, pois não tinha ninguém lá, mas três meses depois eu me encontrava diante do Santo Padre e dos Cardeais e Bispos, e proclamei novamente aquela palavra de Ageu.

Hoje, anuncio estas palavras também a vocês: coragem, povo de Deus, e ao trabalho, à evangelização, à renovação da Igreja, porque eu estou convosco, diz o Senhor!

Frei Raniero Cantalamessa OFM Capuchinho

Goiânia sediará encontro com Frei Raniero Cantalamessa.

“A túnica era sem costura” Homilia da ultima Sexta Feira Santa.

Radicais Tradicionalis criticam a Pregação de Frei Raniero Cantalamessa em Roma.



Pentecostes_Banner


Seminário de Vida no Espirito
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

Homilia do Papa na abertura solene do Ano Paulino.

Queridos irmãos e irmãs,

Estamos reunidos diante do túmulo de São Paulo, que nasceu há dois mil anos em Tarso de Cilícia, na atual Turquia. Quem era esse Paulo? No templo de Jerusalém, frente à multidão agitada que queria matá-lo, ele se apresenta com estas palavras: «Eu sou judeu, nascido em Tarso de Cilícia, mas educado nesta cidade, instruído aos pés de Gamaliel na exata observância da Lei de nossos pais; estava cheio de zelo por Deus». No final de seu caminho, ele dirá de si: «Eu fui constituído arauto e apóstolo, mestre dos gentios, apóstolo e pregador de Jesus Cristo»; assim ele caracteriza a si mesmo em uma visão retrospectiva do percurso de sua vida. Mas com isso, o olhar não se dirige ao passado. «Mestre dos gentios» – esta palavra se abre para o futuro, para todos os povos e todas as gerações. Paulo não é para nós uma figura do passado, que recordamos com veneração. Ele é também nosso mestre, apóstolo e anunciador de Jesus Cristo também para nós.

Portanto, estamos reunidos não para refletir sobre uma história passada, irrevogavelmente superada. Paulo quer falar conosco hoje. Por isso eu quis convocar este especial «Ano Paulino»; para escutá-lo e aprender agora dele, como nosso mestre, na fé e na verdade, na qual estão radicadas as razões da unidade entre os discípulos de Cristo. Nesta perspectiva eu quis acender, para este bi-milênio do nascimento do Apóstolo, uma especial «chama paulina», que permanecerá acesa durante todo o ano, em um círio especial colocado no pórtico da basílica. Para solenizar este acontecimento, inaugurei também a chamada «Porta Paulina», através da qual entrei na basílica acompanhado pelo patriarca de Constantinopla, o cardeal arcipreste e por outras autoridades religiosas.

É para mim motivo de uma íntima alegria que a abertura do Ano Paulino assuma um particular caráter ecumênico pela presença de numerosos delegados e representantes de outras igrejas e comunidades eclesiais, que acolho com o coração aberto. Saúdo em primeiro lugar Sua Santidade o patriarca Bartolomeu I e os membros da delegação que o acompanha, assim como o nutrido grupo de leigos de várias partes do mundo que vieram a Roma para viver com ele e com todos nós estes momentos de oração e de reflexão. Saúdo os Delegados Fraternos das Igrejas que têm um vínculo particular com o apóstolo Paulo – Jerusalém, Antioquia, Chipre, Grécia – e que formam o ambiente geográfico da vida do Apóstolo antes de sua chegada a Roma. Saúdo cordialmente os Irmãos das diversas Igrejas e Comunidades eclesiais do Oriente e do Ocidente: junto a todos vós eu quis fazer parte deste início solene do ano dedicado ao Apóstolo dos Gentios.

Estamos, então, reunidos para interrogar-nos sobre o grande Apóstolo dos gentios. Nós não nos perguntamos somente «Quem era Paulo?». Nós nos perguntamos sobretudo: «Quem é Paulo? O que ele me diz?». Nesta hora do início do Ano Paulino que estamos inaugurando, quero escolher do rico testemunho do Novo Testamento três textos nos quais aparece sua fisionomia interior, o específico de seu caráter. Na Carta aos Gálatas, ele nos doou uma profissão de fé muito profissional, na qual ele abre seu coração frente aos leitores de todos os tempos e revela qual é a fonte mais íntima de sua vida: «Vivo na fé do Filho de Deus que me amou e se entregou por mim». Tudo aquilo que Paulo faz parte deste centro. Sua fé é a experiência do ser amado por Jesus Cristo de maneira totalmente pessoal; é a consciência do fato de que Cristo enfrentou a morte não por algo anônimo, mas por amor a ele – Paulo – e que, como resultado, Ele o ama ainda, Cristo se doou por ele. Sua fé é o ser alcançado pelo amor de Jesus Cristo, um amor que o perturba até o mais íntimo e o transforma. Sua fé não é uma teoria, uma opinião sobre Deus ou sobre o mundo. Sua fé é o impacto do amor de Deus sobre seu coração. E assim, esta mesma fé é amor por Jesus Cristo.

Por muitos, Paulo é apresentado como um homem combativo que sabe usar a espada da palavra. De fato, sobre seu caminho de apóstolo não faltaram as disputas. Ele não buscou uma harmonia superficial. Em sua primeira carta, aquela dirigida aos tessalonicenses, o mesmo diz: «tivemos a valentia de pregar-vos o Evangelho de Deus entre freqüentes lutas… Nunca nos apresentamos, bem o sabeis, com palavras aduladoras, nem com pretextos de cobiça…». A verdade era para ele grande demais para estar disposto a sacrificá-la em vista de um êxito exterior. A verdade que havia experimentado no encontro com o Ressuscitado fazia a luta, a perseguição e o sofrimento valerem a pena para ele. Mas o que o motivava no mais profundo era o ser amado por Jesus Cristo e o desejo de transmitir a outros esse amor. Paulo era alguém capaz de amar, e todo seu atuar e sofrer se explicam a partir deste centro. Os conceitos fundados em seu anúncio se compreendem unicamente com base nisso. Tomemos somente uma de suas palavras-chaves: a liberdade. A experiência do ser amado até o final por Cristo lhe havia aberto os olhos sobre a verdade e sobre o caminho da existência humana – essa experiência abraçava tudo. Paulo era livre como homem amado por Deus que, em virtude de Deus, tinha a capacidade de amar junto com Ele. Este amor é agora a «lei» de sua vida e justamente assim é a liberdade de sua vida. Ele fala e atua movido pela responsabilidade do amor; ele é livre, e dado que é alguém que ama, ele vive totalmente na responsabilidade desse amor e não toma a liberdade como pretexto para o arbítrio e o egoísmo. No mesmo espírito, Agostinho formulou a frase depois famosa: «Ama e faze o que queres». Quem ama a Cristo como Paulo o amou, pode verdadeiramente fazer o que quer, porque seu amor está unido à vontade de Cristo, e por isso, à vontade de Deus; porque a vontade está ancorada na verdade e porque sua vontade não é mais que simplesmente sua vontade, árbitro de seu eu autônomo, mas está integrada à liberdade de Deus e dela recebe o caminho a ser percorrido.

Na busca da fisionomia interior de São Paulo, quero, em segundo lugar, recordar a palavra que Cristo ressuscitado lhe dirige no caminho de Damasco. Antes o Senhor lhe pergunta: «Saulo, Saulo, por que me persegues?». Ele responde: «Quem és, Senhor?». E lhe é dada a resposta: «Eu sou Jesus, a quem tu persegues». Perseguindo a Igreja, Paulo persegue o próprio Jesus. «Tu me persegues». Jesus se identifica com a Igreja em um só sujeito. Nesta exclamação do ressuscitado, que transformou a vida de Saulo, no fundo está contida toda a doutrina sobre a Igreja como Corpo de Cristo. Cristo não se retirou no céu, deixando sobre a terra uma seqüela de seguidores que levam sua causa adiante. A Igreja não é uma associação que quer promover uma certa causa. Nela não se trata de uma causa. Nela se trata da pessoa de Jesus Cristo, que também como Ressuscitado permaneceu «carne». Ele tem carne e ossos», afirma o Ressuscitado em Lucas, frente aos discípulos que o haviam considerado um fantasma. Ele tem um corpo. Está pessoalmente presente na Igreja, «Cabeça e Corpo» formam um único sujeito, diria Agostinho. «Não sabeis que vossos corpos são membros de Cristo?», escreve Paulo aos Coríntios. E acrescenta que como, segundo o Livro do Gênesis, o homem e a mulher se tornam uma só carne, assim Cristo com os seus se torna um só espírito, um único sujeito no mundo novo da ressurreição. Em tudo isso, visualiza-se o mistério eucarístico, no qual Cristo doa continuamente seu Corpo e faz de nós seu Corpo: «o pão que partimos não é comunhão com o corpo de Cristo? Porque ainda sendo muitos, somos um só pão e um só corpo, pois todos participamos de um só pão». Com estas palavras se dirige a nós, neste momento, não só Paulo, mas o próprio Senhor: Como haveis podido lacerar meu Corpo? Frente ao rosto de Cristo, esta palavra se converte ao mesmo tempo em uma petição urgente: volta a unir-nos depois de todas as divisões; faz que hoje se torne novamente realidade: há um só pão; portanto, nós, apesar de sermos muitos, somos um só corpo. Para Paulo, a palavra «Igreja» como Corpo de Cristo não é uma comparação qualquer. Vai muito mais além de uma comparação. «Por que me persegues? Continuamente, Cristo nos atrai para seu Copo, edifica seu Corpo a partir do centro eucarístico, que para Paulo é o centro da existência cristã, em virtude do qual todos, como também cada indivíduo, podemos experimentar de maneira totalmente pessoal: Ele me amou e se entregou por mim.

Quero concluir com uma palavra tardia de São Paulo, uma exortação a Timóteo desde a prisão, frente à morte. «Suporta comigo os sofrimentos pelo Evangelho», diz o Apóstolo a seu discípulo. Esta palavra, que está no final dos caminhos percorridos pelo apóstolo como um testamento, leva-nos para trás, ao começo de sua missão. Depois do seu encontro com o ressuscitado, Paulo se encontrava cego em seu quarto em Damasco; Ananias recebeu a tarefa de ir até o perseguidor temido e impor-lhe as mãos, para que recuperasse a vista. À objeção de Ananias que este Saulo era um perseguidor perigoso dos cristãos, é dada a resposta: «Este homem deve levar meu nome aos gentios, aos reis e aos filhos de Israel. Eu lhe mostrarei tudo o que terá de padecer por meu nome». A missão do anúncio e o chamado ao sofrimento por Cristo estão inseparavelmente unidos. O chamado a ser o mestre dos povos é ao mesmo tempo e intrinsecamente um chamado ao sofrimento na comunhão com Cristo, que nos redimiu mediante sua Paixão. Em um mundo no qual a mentira é potente, a verdade se paga com o sofrimento. Quem quer evitar o sofrimento, afastá-lo de si, tem afastada a própria vida e sua grandeza; não pode ser servidor da verdade e, assim, servidor da fé. Não há amor sem sofrimento, sem o sofrimento da renúncia de si mesmos, da transformação e purificação do eu pela verdadeira liberdade. Onde não há nada que valha que se sofra por isso, também a própria vida perde seu valor. A eucaristia – o centro de nosso ser cristão – se funda no sacrifício de Jesus por nós, nasceu do sofrimento do amor que na cruz encontrou seu cume. Nós vivemos desse amor que doa. Isso nos dá a valentia e a força de sofrer com Cristo e por Ele, dessa forma, sabendo que justamente assim nossa vida se torna grande, madura e verdadeira. À luz de todas as cartas de São Paulo, vemos como em seu caminho de mestre dos povos se cumpriu a profecia de Ananias na hora do chamado: «Eu lhe mostrarei tudo o que terá de padecer por meu nome». Seu sofrimento o torna confiável como mestre de verdade, que não busca seu próprio proveito, a própria glória, o prazer pessoal, mas se empenha por Aquele que nos amou e se entregou por todos nós.

Nesta hora na qual agradecemos o Senhor porque chamou Paulo, tornando-o luz dos povos e mestre de todos nós, oramos: Dai-nos também hoje o testemunho da ressurreição, tocai-nos com vosso amor e fazei-nos capazes de levar a luz do Evangelho em nosso tempo. São Paulo, rogai por nós. Amém.

[Tradução: Élison Santos. Revisão: Aline Banchieri]

© Innovative Media, Inc.

A reprodução dos serviços de Zenit requer a permissão expressa do editor.

ZP08062709 – 27-06-2008
Permalink: http://www.zenit.org/

Festa dos Santos Pedro e Paulo.

Jesus pensou e quis uma só Igreja, não uma multipliciade de Igrejas independentes ou, pior, em luta umas contra as outras. «Minha», além de singular, é também um adjetivo possessivo. Jesus reconhece portanto a Igreja como «SUA»; disse «a minha Igreja» como um homem diria: «a minha esposa», ou «o meu corpo». Identifica-se com ela, não se envergonha dela.

Pregador do Papa: Festa dos Santos Pedro e Paulo.

Meditação do padre Raniero Cantalamessa

ROMA, sexta-feira, 27 de junho de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos o comentário do Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap., pregador da Casa Pontifícia, sobre a liturgia do próximo domingo.

* * *

29 de Junho: Festa dos Santos Pedro e Paulo

Atos 12, 1-11; 2 Timóteo 4, 6-8.17-18; Mateus 16, 13-19

Tu És Pedro !

O Evangelho de hoje é o Evangelho da entrega das chaves a Pedro. Sobre isso, a tradição católica sempre foi baseada em fundar a autoridade do Papa sobre toda a Igreja. Alguém poderia dizer: mas o que tem a ver o Papa com tudo isto? Eis a resposta da teologia católica. Se Pedro deve funcionar como «fundamento» e «rocha» da Igreja, continuando a existir a Igreja deve continuar a existir também o fundamento. É impensável que as prerrogativas quase solenes («a ti darei as chaves do reino dos céus») se referissem somente aos primeiros vinte ou trinta anos da vida da Igreja e que elas seriam cessadas com a morte do apóstolo. O papel de Pedro se prolonga portanto em seus sucessores.

Por todo o primeiro milênio, este ofício de Pedro foi reconhecido universalmente por todas as Igrejas, ainda que interpretado de forma diversa no Oriente e no Ocidente. Os problemas e as divisões nasceram com o milênio há pouco terminado. E hoje também nós, católicos, admitimos que não são nascidos todos por culpa dos outros, dos considerados «cismáticos»: antes os orientais, depois os protestantes. A primazia instituída por Cristo, como todas as coisas humanas, foi exercitada ora bem ora menos bem. Ao poder espiritual se mesclou, pouco a pouco, um poder político e terreno, e com isso os abusos. O próprio Papa João Paulo II, na carta sobre o ecumenismo, Ut unum sint, indicou a possibilidade de rever as formas concretas com as quais é exercida a primazia do Papa, de modo a tornar novamente possível em torno a isso a concórdia de todas as Igrejas. Como católicos, não podemos não desejar que se prossiga com sempre maior coragem e humildade sobre esta estrada da conversão e da reconciliação, de modo a incrementar a colegialidade desejada pelo Concílio.

Aquilo que não podemos desejar é que o próprio ministério de Pedro, como sinal e fator da unidade da Igreja, seja menor. Seria uma forma de nos privar de um dos dons mais preciosos que Cristo deu à sua Igreja, além de contradizer sua vontade precisa. Pensar que basta à Igreja ter a Bíblia e o Espírito Santo com o qual interpretá-la, para poder viver e difundir o Evangelho, é como dizer que bastaria aos fundadores dos Estados Unidos escrever a constituição americana e mostrar em si mesmos o espírito com o qual devia ser interpretada, sem prever algum governo para o país. Existiria ainda os Estados Unidos?

Uma coisa que podemos fazer já e todos para aplainar a estrada para a reconciliação entre as Igrejas é começar a reconciliar-nos com anossa Igreja. «Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja»: Jesus disse a «minha» Igreja, no singular, não as «minhas» Igrejas. Ele pensou e quis uma só Igreja, não uma multipliciade de Igrejas independentes ou, pior, em luta umas contra as outras. «Minha», além de singular, é também um adjetivo possessivo. Jesus reconhece portanto a Igreja como «sua»; disse «a minha Igreja» como um homem diria: «a minha esposa», ou «o meu corpo». Identifica-se com ela, não se envergonha dela. Sobre os lábios de Jesus a palavra «Igreja» não tem nenhum daqueles significados negativos que acrescentamos.

Isto é, naquela expressão de Cristo, um forte chamado a todos os crentes a reconciliarem-se com a Igreja. Renegar a Igreja é como renegar a própria mãe. «Não pode ter Deus por pai – dizia São Cipriano – quem não tem a Igreja por mãe». Seria um belo fruto da festa dos santos apóstolos Pedro e Paulo se começássemos a dizer também nós, da Igreja Católica à qual pertencemos: «aminhaIgreja!»

[Traduzido do italiano por José Caetano]

© Innovative Media, Inc.

A reprodução dos serviços de Zenit requer a permissão expressa do editor


ZP08062709 – 27-06-2008 

Permalink: http://www.zenit.org/article-18881?l=portuguese



FRANCISCO E CLARA

Corpus Cristhi – Solenidade do Corpo de Deus.


http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/eucaristia.jpg?w=130&h=120 http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/03/eucaristia.jpg?w=130&h=120

Ao se aproximar as festividades de Corpus Christi, devemos lançar uma pergunta a todos os fiéis Católicos de todas as partes:

Por que existe esta comemoração?

A resposta é bem simples, mas pouco conhecida, a festa comemora A Presença Real de Cristo na Eucaristia, confirmada através das visões da freira Juliana de Mont Cornillon, introduzida na Igreja pelo Papa Urbano IV.

Um dos milagres mais belos que confirmam esta presença real é o aconteceu em Lânciano.



Ocorreu que em Lanciano, na Igreja de São Legoziano, anexa ao Mosteiro onde viviam monges da Ordem de São Basílio, durante a Celebração da Santa Missa, após a pronuncia das palavras da Consagração, as oferendas de pão e vinho, se tornaram verdadeiramente, Corpo e Sangue de Cristo.

Devemos entender bem, que em nossas missas atuais, quando Comungamos Corpo e Sangue, devemos ter um coração aberto e ignorar os sentidos da visão e do paladar pois continuamos a ver apenas pão e vinho.   É exatamente por isto que nossos irmãos protestantes não tratam da consagração da mesma forma que nós, eles não conseguem enxergar Cristo, deixam-se enganar pelos próprios sentidos ao invés de se ater aos olhos da fé. Lembrem-se, eles não tem a autoridade para a verdadeira consagração, esta é dada somente os padres, bispos, cardeais, ao papa em fim ao Clero católico.

Deus Pai quis, com este milagre, atestar que Cristo se faz presente na Consagração, para que não restassem dúvidas. Quis também demonstrar a importância dos Sacerdotes e do grande Ministério que exercem, quis demonstrar a todos os sacerdotes, através daquele monge, que Ele estaria e estará sempre consagrando através de suas mãos, mesmo que eles próprios duvidem.

Para aqueles que ainda não conhecem o milagre ocorreu no seguinte contexto:

No monastério, dentre todos os monges estava um que notadamente era conhecedor do mundo. Verificava-se que ele conhecia mais a cultura secular que as coisas de Deus.

Pois bem, foi então que, em certa manhã, celebrando a Santa Missa e sentindo-se profundamente confuso com a dúvida a respeito da veracidade do ato da Consagração, ao proferir as palavras viu as espécies se converterem em real Carne e real Sangue, vivos!

Confuso pelo Milagre e dominado pelo êxtase olhou para os presentes e disse: “Ó bem-aventuradas testemunhas diante de quem, para confundir a minha incredulidade, o Santo Deus quis desvendar-se neste Santíssimo Sacramento e tornar-se visível aos vossos olhos.

Vinde, irmãos, e admirai o nosso Deus que se aproximou de nós. Eis aqui a Carne e o Sangue do nosso Cristo muito amado!”

Cabe lembrar que o monge, mesmo parcialmente dominado pelas coisas mundanas nunca se afastou de Deus ou da vontade de procurar Deus, pedia sempre que fosse arrancada a dúvida de seu coração.

Foi neste clima que se proclamou verdadeira a Festa de Corpus Christi, Festa do Corpo e Sangue de Cristo que quis se aproximar ainda mais de nós. Claro que os céticos dirão que muitas dúvidas pairam, a uma conceituada sociedade de céticos tem em seu site algumas alegações como por exemplo, não retornaram a examinar, não se pode comprovar que ninguém adulterou o material ou que ele seja o mesmo por todos estes anos.

Para estes homens sem fé, devemos dizer que: não nos importa. Mesmo que este Milagre não tivesse ocorrido, nós já teríamos a certeza de que se trata de Cristo Vivo na Eucaristia. O Milagre só veio para retirar de nós o véu corpóreo que nos impedia de enxergar a realidade do Mistério, veio para que fosse possível fazer com que todos tivessem a certeza de que durante a Missa se faz presente e todos nós comungamos, consumimos Cristo Eucarístico.

É exatamente por isto que devemos manter nossos corações fiéis ao respeito à Eucaristia, ao Altar onde é celebrada, e as tradições. Durante a consagração Cristo se aproxima e assume, e repete as mesmas palavras que pronunciou durante a Santa Ceia, tornando pão e vinho em Seu Corpo e Seu Sangue.

Neste magnífico momento o que você faz? Você o trata com o devido respeito ou está conversando? Ajoelha-se ou recusa prostrar-se diante daquele que,de joelhos, suou sangue por você?!



Mais do que ruas enfeitadas para a passagem de Cristo, vamos fazer desta festa, não dá próxima, mas desta festa, o momento de nossa entrega. Sem vergonhas, sem impedimentos, sem barreiras, sem comodismos. Vamos nos entregar a Adoração à presença real de Cristo, já demonstrada em Lanciano, aos mistérios que Deus nos permitiu participar. Não sejamos enganados pelos nossos sentidos, vamos adorar ao Senhor com todas as nossas forças e com todo o nosso entendimento!

A Paz de Jesus e o Amor de Maria a todos.

Prof. Rubens Monteiro
Webmaster – www.pelafe.net



http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg



Maio, Mês das Mães e Mês de Maria Santíssima.


Devoção do Mês de Maio


Terceiro Dia

Oração Preparatória



Maio

Abri, Senhor, os nossos lábios, para que dignamente louvemos o Vosso Santo Nome, na veneração da Santíssima Virgem Maria. Purificai nossos corações de todos os pensamentos perversos, vãos e inúteis. Iluminai o nosso entendimento, inflamai a nossa vontade, para que possamos fazer a nossa oração com verdadeira humildade, firme confiança e fervorosa devoção e mereçamos ser atendidos e bem despachados perante o Augusto Trono da Vossa Divina Majestade. Por Jesus Cristo Nosso Senhor.
Amém.



Oração de Oferecimento



Virgem Santíssima, gloriosa Mãe de Deus, ó Maria! Eis-nos diante de Vós novamente reunidos para manifestar-Vos a nossa veneração e o nosso amor. Alegramo-nos pela alta dignidade e glória a Vós concedida pelo Deus todo-poderoso. Louvamos e bendizemos ao Senhor, por nos ter dado a Vós por Mãe, por ter adornado do mais perfeito amor o Vosso Puríssimo e Sagrado Coração.

Consagramos a Vós, Virgem Santíssima, todos os dias deste mês e especialmente o dia de hoje. Hoje e sempre Vos escolhemos por nossa protetora e intercessora junto a Jesus, Vosso Filho. A Vós consagramos nosso coração, nosso corpo e nossa alma. Em Vossas mãos entregamos todas as nossas esperanças e consolações, todas as nossas aflições e tribulações. A Vós recomendamos a nossa vida inteira e em particular os últimos instantes dela. Mostrai ser nossa Mãe! Ao Vosso patrocínio recomendamos a Santa Igreja Católica, especialmente o Papa Bento XVI, todos os bispos, o clero secular e regular, e as benditas almas do purgatório.

Compraza-se o Vosso carinhoso Coração nos nossos cânticos e piedosas orações. Juntamo-las neste mês às orações de todos os fiéis e aos louvores que os Anjos no Céu oferecem a Vós, sua amabilíssima Rainha. Alcançai-nos a graça, a maior de todas, de sermos fiéis a Vós e a Vosso Filho até a morte, para que possamos louvar e amar convosco no Céu a Jesus, Vosso Filho e a Santíssima Trindade, por todos os séculos dos séculos.
Amém.


Mae_grande_valor


Terceiro dia

A Imaculada Conceição da Santíssima Virgem


1. Consideremos a graça concedida a Maria na concepção. Por um privilégio só a ela concedido, foi preservada do pecado original, de que todos nascem manchados. A qualidade de Mãe de Deus, para a qual Maria estava destinada, exigia tão gloriosa prerrogativa. Aquela que devia dar ao mundo o Deus de toda a santidade, que era destinada a esmagar a cabeça da serpente infernal, não devia ser nem por um só momento escrava do demônio, inimiga de Deus e filha da perdição. Por isso, Deus devia abrir uma exceção da regra geral e não permitir que o pecado original manchasse a alma daquela que mais tarde devia ser a Mãe de Jesus.
Maria Santíssima foi concebida e nasceu santa e pura e sem mancha do pecado original.

2. A Santíssima Virgem era Mãe de Deus, elevada pois à mais alta dignidade, que uma criatura pode galgar, mas a prerrogativa da Imaculada Conceição, a isenção do pecado original, parecia-lhe – conforme dizem os santos doutores – mais preciosa do que todas as outras dignidades e grandezas. Teria preferido à própria maternidade divina a graça de ser livre do pecado original. A mais elevada dignidade não lhe parecia uma compensação digna pela desgraça de estar, embora por pouco tempo, em estado de pecado.
Aprendamos da nossa venerável Mãe a temer e aborrecer o pecado mais do que todas as outras desgraças.

3. Quanto fez Maria para conservar esta graça! Conquanto isenta não só do pecado original, mas também da inclinação para o mal, passava contudo uma vida laboriosa e mortificada, para evitar a mínima tentação exterior. Amava a vida penitente e solitária, rezava e trabalhava. Que exemplo para nós! Tomamos também as precauções necessárias para evitar os pecados? Nascemos com o pecado original, sentimos o estímulo das nossas paixões, temos uma inclinação violenta para o mal e, apesar de tudo isso, não fazemos os necessários esforços para evitar as ocasiões próximas do pecado.
Quanta leviandade!
Recorramos a Maria para que ela nos inspire um horror do pecado e nos alcance a força moral para resistir às tentações.
Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós!

Rezemos 3 Ave-Marias para obter um grande horror do pecado.


Nossa Senhora


Orações finais


Ladainha de Nossa Senhora

Senhor, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Jesus Cristo, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Senhor, tende piedade de nós.
Jesus Cristo ouvi-nos,
Jesus Cristo ouvi-nos,
Jesus Cristo atendei-nos,
Jesus Cristo atendei-nos,
Deus Pai dos Céus, tende piedade de nós.
Deus Filho Redentor do mundo, tende piedade de nós.
Deus Espírito Santo, tende piedade de nós.
Santíssima Trindade, que sois um só Deus, tende piedade de nós.
Santa Maria, rogai por nós.
Santa Mãe de Deus, rogai por nós.
Santa Virgem das virgens, rogai por nós.
Mãe de Jesus Cristo, rogai por nós.
Mãe da divina graça, rogai por nós.
Mãe puríssima, rogai por nós.
Mãe castíssima, rogai por nós.
Mãe imaculada, rogai por nós.
Mãe intacta, rogai por nós.
Mãe amável, rogai por nós.
Mãe admirável, rogai por nós.
Mãe do bom conselho, rogai por nós.
Mãe do Criador, rogai por nós.
Mãe do Salvador, rogai por nós.
Virgem prudentíssima, rogai por nós.
Virgem venerável, rogai por nós.
Virgem louvável, rogai por nós.
Virgem poderosa, rogai por nós.
Virgem benigna, rogai por nós.
Virgem fiel, rogai por nós.
Espelho da justiça, rogai por nós.
Sede da sabedoria, rogai por nós.
Causa da nossa alegria, rogai por nós.
Vaso espiritual, rogai por nós.
Vaso honorífico, rogai por nós.
Vaso insigne de devoção, rogai por nós.
Rosa mística, rogai por nós.
Torre de Davi, rogai por nós.
Torre de marfim, rogai por nós.
Casa de ouro, rogai por nós.
Arca da aliança, rogai por nós.
Porta do Céu, rogai por nós.
Estrela da manhã, rogai por nós.
Saúde dos enfermos, rogai por nós.
Refúgio dos pecadores, rogai por nós.
Consoladora dos aflitos, rogai por nós.
Auxílio dos cristãos, rogai por nós.
Rainha dos Anjos, rogai por nós.
Rainha dos patriarcas, rogai por nós.
Rainha dos profetas, rogai por nós.
Rainha dos apóstolos, rogai por nós.
Rainha dos mártires, rogai por nós.
Rainha dos confessores, rogai por nós.
Rainha das virgens, rogai por nós.
Rainha de todos os santos, rogai por nós.
Rainha concebida sem pecado, rogai por nós.
Rainha do Santo Rosário, rogai por nós.
Rainha da Paz, rogai por nós.
Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo, perdoai-nos Senhor.
Cordeiro de Deus, que tirais o pecado do mundo, ouvi-nos, Senhor,
Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós.

V. Rogai por nós, Santa Mãe de Deus,
R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.
Amém.

Oremos
Senhor Deus, nós Vos suplicamos que concedais a Vossos servos gozar uma perpétua saúde do corpo e da alma, e que pela intercessão gloriosa da bem-aventurada sempre Virgem Maria sejamos livres da presente tristeza e gozemos a eterna alegria. Por Jesus Cristo, Nosso Senhor.
Amém.


Salve Rainha… 


Consagração a Maria Santíssima

Santa Maria, Mãe de Deus e Virgem, eu, Vosso indigno servo, escolho a Vós hoje por minha mãe, protetora e advogada, e em prova da minha devoção me ofereço todo a Vós.
Em Vós, depois de Jesus, ponho toda a minha esperança. Vós sois a Virgem poderosa, o Auxílio dos Cristãos, o Refúgio dos pecadores, e nunca se ouviu dizer que algum daqueles que pediram o Vosso auxílio fosse por Vós desamparado. A Vós, por isso, neste dia, com toda a confiança me entrego.
Aceitai-me, Senhora amabilíssima, para sempre, no número dos Vossos servos. Sede minha protetora durante toda a minha vida, e quando chegar a minha última hora, assisti-me piedosamente na agonia e deixai-me morrer em paz nos Vossos braços, ó clemente, ó piedosa, ó doce Virgem Maria!

Amém.


Devoções - LeiaMe!







Comunidade Católica Nova Aliança – 18 anos


DIOCESE DE ANÁPOLIS PARABENIZA CCNA

UM SOPRO VIVIFICADOR DO ESPÍRITO SANTO

Janeiro 2006

A Comunidade Nova Aliança, de Anápolis – GO, celebra jubilosamente a festa dos quinze anos da fundação. A existência desta comunidade é fruto da Renovação Carismática Católica, que se fez presente com seu dinamismo espiritual e evangelizador na nossa Diocese. É o Espírito Santo que se faz presente e conduz a Igreja, com seu sopro vivificador, suscitando em cada época formas de vida e de apostolado apropriadas para os desafios de cada tempo e cultura.

O Concílio Vaticano II, concluído há 40 anos, ao definir a Igreja como “Povo de Deus” e “Corpo Místico de Cristo”, dedicou uma atenção especial aos leigos. Dizia, pois, assim: “O apostolado dos leigos é participação na própria missão salvífica da Igreja. A este apostolado todos são destinados pelo próprio Senhor através do batismo e da confirmação. (…) A todos os leigos, portanto, incumbe o preclaro ônus de trabalhar para que o plano divino de salvação atinja sempre mais a todos os homens de todos os tempos” (LG, 83, 85).

Não há dúvida de que a nossa época é uma época dos leigos: movimentos, pastorais, novas comunidades de vida e de aliança, novas formas de consagração. Colocam-se ao lado dos bispos e sacerdotes na sua missão evangelizadora, ao lado das antigas e sempre válidas formas de vida consagrada. Constituem, porém, uma surpreendente e dinâmica novidade. São jovens que se sentem atingidos pela maravilha do seguimento de Jesus Cristo e do desejo ardente de fazer o seu Nome conhecido no mundo de hoje. São pessoas que conservam o seu caráter de leigos, mas sentem-se profundamente comprometidos com a missão da Igreja.

Com satisfação constata-se, presente entre eles, um desejo de ser Igreja e de caminhar em harmonia com a Igreja. De fato, este traço é um de tantos que são necessários para se reconhecer a validade e a autenticidade de um carisma.

A Comunidade Nova Aliança faz um caminho sereno e sério de crescimento, de formação e de apostolado. É uma força missionária no cenário pastoral da Diocese de Anápolis, aberta às necessidades de evangelização, de testemunho e de caridade.

Deus seja generoso e faça muitas maravilhas a favor do seu povo por meio desta Comunidade. Conceda a esses jovens a graça de perseverança, profunda formação evangélica e eclesial, um amor recíproco. Suscite, entre os jovens o desejo de ser leigo na Igreja na busca de uma proximidade maior com Jesus Cristo e no esforço criativo de sempre estar em missão.

Parabéns! Sigam felizes em frente! Sejam audazes em assumir tarefas evangelizadoras que lhes forem confiadas.

Com minha afetuosa bênção,


Dom João Wilk, OFMConv.
Bispo Diocesano

TEXTO ORIGINAL NA PAGINA OFICIAL DA DIOCESE DE ANÁPOLIS – GOIAS

http://www.diocesedeanapolis.org.br/magisterio/bispo/novaalianca.php

CLICK AQUI


https://i0.wp.com/amadeo.blog.com/repository/1406626/3159815.105.p.tn.jpg

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/phn-placa.jpg?w=130&h=120

https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/agenda.jpg?w=130&h=120


//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/paixao-de-jesus.jpg
https://presentepravoce.files.wordpress.com/2008/05/terco.jpg