Panfletos de Orações ao Divino Pai Eterno.



O DIVINO PAI ETERNO SEMPRE ESTARÁ DE BRAÇOS ABERTOS PRA TE ACOLHER.




A PAZ QUE VOCÊ PROCURA, O DIVINO PAI ETERNO PODE TE DAR!



Panfletos de Orações ao Divino Pai Eterno:













































Promovam Seminários de Vida no Espírito em vossas Paróquias.



“Peço a todos e a cada um que, como parte desta corrente de graça da Renovação Carismática, organizem Seminários de Vida no Espírito Santo em suas paróquias, seminários, escolas a fim de compartilhar o Batismo no Espírito“,

disse Papa Francisco que foi aplaudido ao fazer o pedido inesperado para os Sacerdotes presentes na Basília de São João de Latrão. O pontífice pediu também catequeses que “através do Espírito Santo produzissem a experiência pessoal com Jesus que transforma nossas vidas”.

Papa Francisco fala a padres da RCC.



papa-retiro-padres[1]


O Papa Francisco pediu aos padres reunidos no Terceiro Retiro Mundial para Sacerdotes promovido pela Renovação Carismática, em Roma, que compartilhem a experiência do Batismo no Espírito Santo através de seminários de Vida no Espírito Santo organizados e promovidos em suas Paróquias.

Encontro Internacional para Sacerdotes Organizado pelo International Catholic Charismatic Renewal Services – ICCRS que tem à frente Michelle Moran, o Retiro para Sacerdotes foi uma verdadeira renovação na vida dos padres  presentes e um marco deixado na história do movimento que surgiu no final da década de 60 nos Estados Unidos.


Trecho da palavra do Papa Francisco que contém o texto transcrito acima.



Palavra do Papa Completa.

Papa Francisco. III Retiro mundial de sacerdotes del 12 de junio de 2015



Resumo deste ensinamento na site oficial da RCC.


Francisco e os Carismáticos

Ao voltar do Brasil por ocasião da Jornada Mundial da Juventude o papa respondera a uma questão sobre a RCC levantada por um jornalista. Na ocasião, disse o papa: “eu vou dizer uma coisa: nos anos 1970, início dos 1980, eu não podia nem vê-los [ os carismáticos]. Uma vez, falando sobre eles, disse a seguinte frase: eles confundem uma celebração musical com uma escola de sambaEu me arrependi. Vi que os movimentos bem assessorados trilharam um bom caminho. Agora, vejo que esse movimento faz muito bem à Igreja em geral. Em Buenos Aires, eu fazia uma missa com eles uma vez por ano, na catedral. Vi o bem que eles faziam. Neste momento da Igreja, creio que os movimentos são necessários. Esses movimentos são uma graça para a Igreja. A Renovação Carismática não serve apenas para evitar que alguns sigam os pentecostais. Eles são importantes para a própria Igreja, a Igreja que se renova.

Nosso Post Anterior:

Papa Francisco Responde sobre a RCC.

Os Papas Falam à Renovação Carismática Católica.



papa-francisco-promover_seminario_de_vida_no_Espirito_Santo_nas_Paroquias

papa-francisco-espirito-amor-viver


Os Papas acolhem a RCC



Seminário de Vida no Espírito Santo (SVE’S)

Seminário de Vida no Espírito Santo é uma sequência de pregações e orações cujo centro é o querigma (primeiro anúncio). O objetivo é proporcionar ao participante uma experiência pessoal com Jesus Cristo através do Batismo no Espírito Santo como fora prometido pelo Pai no AT e relembrado por Jesus no NT. Os encontros podem ser semanais, acontecerem dentro de retiros de finais de semana ou  ainda “relâmpagos” quando acontecem dentro de encontros pontuais.

Nossos Post’s sobre esse assunto:

Seminário de vida no Espírito.

Primeira Experiência de Oração – SVE I.

Seminário de Vida no Espírito – SVE I

Efusão no Espírito Santo.

É mesmo necessária uma nova Efusão do Espírito Santo?


SVE-1


Fruto_Espírito Efusão_no_Espirito_2 Batismo_Espírito
Sete_dons

PRESENTEPRAVOCE – MENU DE ENTRADA PARA OS PRINCIPAIS ASSUNTOS.


Dia_pais_banner
Semana_da_família
Oracoes_ao_espirito

Banner-Reaviva-o-meu-Pentecostes-Presentepravoce
escritura_0077_banner[1]
Semana_da_família
biblia-br Bíblia
cropped-presentepravoce_10000000_oito_anos2.jpg
Molduras diversas
Temas_para_Encontro_de_casais
Hit_mais visitados
Temas_sobre_Maria
Dia_pais_banner
Banner_Jesus_misericordioso
Parabolas e reflexoes
Dinamicas_de_grupo
Wallpaper's_papel_de_parede_Cristãos
Mensagens_em_Power_Point
Nossa Apresentação 2027
FESTA JUNINA_banner
corpus_christi
carnaval_com_jesus_eh_outra_coisa
dia das mães
feliz_natal_2016

Salve Pentecostes!



O que significa Pentecostes?



Festa_Pentecostes

PENTECOSTES

É uma palavra que vem do grego e significa “qüinquagésimo”. É o 50° dia depois da Páscoa. É a solenidade da vinda do Espírito Santo. Junto com o Natal e a Páscoa forma o tripé mais importante do Ano Litúrgico. Esse detalhe ajuda a compreender por que Pentecostes pertence ao Ciclo da Páscoa.

Qual é a cor litúrgica de Pentecostes e seu significado?

O vermelho domina essa solenidade, associado ao fogo, símbolo do amor. 0 Espírito Santo é chamado de  “Espírito do amor”.

Como surgiu a festa de Pentecostes?

Antes de ser uma festa dos cristãos, Pentecostes foi festa dos judeus, e sua origem se perde nas sombras do passado. Antes de se chamar assim, tinha outros nomes, e era uma festa agrícola. Em Êxodo 23,14-17 é chamada de festa da Colheita, a festa dos primeiros feixes de trigo colhidos. Em Êxodo 34,22 é chamada de festa das Semanas. Por que “festa das semanas”? A explicação é dada pelo Levítico (23,15-21): calculavam-se 7 semanas a partir do inicio da colheita do trigo. 7 semanas = 49 dias.

Com o tempo, ela perdeu sua ligação com a vida dos agricultores, recebeu o nome grego de Pentecostes e se tornou festa cívico-religiosa. No tempo de Jesus, celebrada 50 dias apos a Páscoa, ela recordava a dia em que Deus entregou as tábuas da Lei a Moises no Monte Sinai. Os Atos dos Apóstolos fazem coincidir a vinda do Espírito Santo com a festa judaica de Pentecostes.

Quem recebeu o Espírito Santo no dia de Pentecostes?

O episodio de Pentecostes é narrado por Lucas em Atos 2,1-11. Sem muita reflexão, seriamos tentados a responder que apenas os Doze apóstolos é que receberam o Espírito Santo. Mas lendo com atenção o contexto desse acontecimento poderemos ter surpresas.

De fato, Lucas disse, antes que viesse o Espírito: “Os apóstolos voltaram para Jerusalém, pois se encontravam no chamado monte das Oliveiras, não muito longe de Jerusalém: uma caminhada de sábado. Entraram na cidade e subiram para a sala de cima, onde costumavam hospedar-se. Ai estavam Pedro e João, Tiago e Andre, Filipe e Tome, Bartolomeu e Mateus, Tiago, filho de Alfeu, Simão Zelote e Judas, filho de Tiago. Todos eles tinham os mesmos sentimentos e eram assíduos na oração, junto com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe  de Jesus, e com os irmãos de Jesus. Nesses dias, ai estava reunido um grupo de mais ou menos cento e vinte pessoas” (Atos 1,12-15a). No dia de Pentecostes, já com Matias substituindo o traidor Judas, Lucas afirma que “todos eles estavam reunidos no mesmo lugar” (2,1). Na fala depois de terem recebido o Espírito Santo, Pedro cita o profeta Joel, que previa a efusão do Espírito sobre todas as pessoas: “Nos últimos dias, diz o Senhor, eu derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os filhos e filhas de vocês vão profetizar, os jovens terão visões e os anciãos terão sonhos. E, naqueles dias, derramarei o meu Espírito também sobre meus servos e servas, e eles profetizarão” (2,17-18; veja Joel 3,1-5). Não se pode, portanto, afirmar que somente os Doze apóstolos é que receberam o Espírito.

0 fenômeno de falar em línguas surgiu em Pentecostes?

O dom de falar línguas estranhas era um fenômeno restrito praticamente às comunidades cristãs de Corinto. Esse dom tem pouco a ver com a Pentecostes de Atos 2,1-11. Lá em Corinto, as pessoas rezavam a Deus em línguas estranhas, todas juntas, sem que alguém compreendesse coisa alguma. Paulo põe ordem nessa “babel”, mandando que orem um por vez, com interprete (1 Coríntios 12-14).

Em Atos as coisas são bem diferentes: “Todos ficaram repletos do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem. Acontece que em Jerusalém moravam judeus devotos de todas as nações do mundo. Quando ouviram  o barulho, todos se reuniram e ficaram confusos, pois cada um ouvia os discípulos falarem na sua própria língua natal. Espantados e surpresos, diziam: ‘Esses homens que estão falando, não são todos Galiléus? Como é que cada um de nós os ouve em nossa própria língua materna? … E cada um de nós em sua própria língua os ouve anunciar as maravilhas de Deus!'” (2,4-8.11).

Lucas montou a cena de Pentecostes sobre o molde da entrega da Lei a Moises, ou seja, sobre o molde do Pentecostes judaico. Compare Atos 2,1-11 com Êxodo 19,1-20,21, e anote as coincidências. Em Êxodo, todo o povo reunido ao redor do monte; em Atos, o mundo inteiro reunido em Jerusalém. No Êxodo, relâmpagos, trovões, nuvem escura etc., símbolos de teofania (= manifestação de Deus); nos Atos, vento forte, línguas como de fogo, símbolos teofânicos (= manifestação do Espírito de Deus).

Qual a mensagem de Pentecostes?

A mensagem vem, sobretudo das leituras dessa solenidade, que são sempre as mesmas: Atos 2,1-11; 1 Coríntios 12,3b-7.12-13; João 20,19-23. Eis alguns temas que deveriam ser aprofundados.

  1. O supremo dom do Pai e de Jesus a humanidade é o Espírito Santo.

  2. Soprando sobre os discípulos, Jesus esta recriando a humanidade mediante o sopro do Espírito.

  3. Recebendo o Espírito de Jesus, os cristãos recebem igualmente a mesma missão.

  4. O Espírito é dado a todos. Ninguém fica sem ele, e ninguém o possui plenamente.

  5. O Espírito leva a humanidade a formar uma só família, no amor, diferentemente de Babel-confusão, em que as pessoas não se entendem.



Batismo_Espírito_Santo_LK Batismo_fogo


Pentecostes_Banner


Espirito_Santo Aliança_eterna
SVE-I http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

Veja também:


Novena do Espírito Santo.


Orações ao Espírito Santo.

Os Dons do Espírito Santo.

Os Frutos do Espírito Santo

Fui um Cara que se perdeu nas Drogas…

O Que é Renovação Carismática Católica?

Vinho, muito vinho, primeiro Milagre de Jesus um presente prá você.

A Missão do Espírito Santo no Mundo de Hoje.



Ajude nosso Ministério a se manter forte.


Ajude-nos_com_orações


Ore por este Ministério!


Nosso Blog já completou seus sete anos de idade e ultrapassou a marca dos 7.500.000 de visualizações por pagina até esta data.

Ultrapassou em muito as nossas expectativas do princípio, mas como todo trabalho e principalmente um Ministério executado mediante uma vocação e um chamado Divinos passamos por momentos difíceis, porém não insuperáveis para aquele que confia na Misericórdia de nosso Deus.


Pedimos as vossas orações, para que Deus derrame sua graça sobre nós e principalmente sobre este Ministério Presentepravoce.

ainda retornaremos, a bateria esgotou …


O Fogo do Espírito Santo.


“Ele vos batizará no

Espírito Santo e em fogo.”

(São Mateus, 3, 11)

Sem Lenha o fogo se apaga; sem difamador acaba-se a briga”. (Pr 26, 20).


Dons do Espírito Santo:


Batismo_fogo

Sem fogo não haveria a gastronomia. Foi só depois de dominar esse elemento da natureza que o Homo sapiens deixou de viver como outros animais, vagando atrás de alimentos crus. Usando o fogo, a humanidade deu um grande passo e aprendeu a cozinhar, mudando a textura dos alimentos, para depender menos dos caprichos da natureza. O antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, que analisou as tribos indígenas brasileiras e registrou suas descobertas em vários livros, chegou à conclusão de que “cozinhar estabelece a diferença entre animais e seres humanos”. Por sua vez, o naturalista britânico Charles Darwin, autor da Teoria da Evolução, disse que “o fogo é provavelmente a maior descoberta da humanidade depois da linguagem”.

Os alimentos crus precisam de cuidados extras e de urgência execução. Há a questão sanitária, pois vários deles têm micro-organismos que precisam ser cozidos para ser eliminados.  E até os ingredientes orgânicos podem ter doenças, pois são cultivados sem os agrotóxicos, que matam as pragas.

Que haja bastante lenha para cozinhar nossos alimentos e bastante conhecimento na Fé da Igreja para que o cristão não seja uma panela de heresias e de morte para si e para os outros!

Cristão cru cheira mal, causa briga, adoece o próximo e é uma praga na comunidade.



CREIO NO ESPÍRITO SANTO

Quando professamos a nossa fé no Credo Apostólico, dizemos “Creio no Espírito Santo”, ou seja, “afirmamos que cremos que o Espírito Santo é Deus vivo capaz e desejoso de adentrar a personalidade humana e transformá-la”.

O Espírito Santo não é uma força impessoal, é a terceira Pessoa da Santíssima Trindade. A Sagrada Escritura o descreve como Deus. Ele possui os atributos de Deus: está presente em toda parte (Sl 139,7-8), conhece todas as coisas (1 Cor 2,10-11) e tem poder infinito ( Lc 1,35). Ele também faz coisas que somente Deus pode fazer: criar (Gn1, 2) e dar vida (Rm 8,2). Ele é igual, em todas as maneiras, as outras Pessoas da Trindade – o Pai e o Filho.

O Espírito Santo é uma Pessoa que interage pessoalmente conosco. Ele se entristece quando pecamos (Ef 4,30). Ele nos ensina (1 Cor 2,13), ora por nós (Rm 8,26), nos guia (Jo 16,13), nos concede dons espirituais (1 Cor 12,11) e nos assegura da nossa salvação (Rm 8,16).

É o Espírito Santo que convence o mundo do pecado, da justiça e do julgamento (Jo 16, 8). O Espírito Santo habita em nós pela nossa obediência (At 5,32). É o Espírito Santo que derrama em nossos corações o amor de Deus (Rm,5,5). A graça para entrar no Reino de Deus provém pelo novo nascimento da àgua e do Espírito (Jo 3,4). É Ele o fator da nossa santa comunhão (2 Cor 13,13). Ele está presente em nosso batismo e na caminhada da nossa santificação (Mt 28,19; 1 Cor 6,11.19; Ef 5,18). Ele deseja transformar-nos para que nos tornemos cada vez mais semelhantes a Jesus Cristo. Vamos cooperar com o Espírito Santo lendo a Palavra de Deus e confiando em Seu poder para obedecer aquilo que aprendemos.

Sem o batismo no fogo do Espírito Santo e sem o Pentecostes não haveria cristãos e nem a Igreja. (Mt 3, 11, Atos, capítulo 2; 1 Cor 12,13).

O fogo Divino queima todas as impurezas e purifica as almas para comunhão e salvação. Na fornalha do Espírito Santo não existe difamador e nem brigas.

É só no fogo do Divino Espírito Santo que somos alimentos bem cozido e saboroso.

Quanto mais fogo do Paráclito em nossa vida, mais delicioso seremos. União, calor humano e alimentos gostosos existem tão somente no forno do Espírito Santo. Nós somos verdadeiros alimentos de paz, amor, fé, justiça e libertação para humanidade.

Pe. Inácio José do Vale

Professor de História da Igreja Instituto de Teologia Bento XVI

EFOR-Escola de Formação de Resende Especialista em Ciência Social da Religião      E-mail: pe.inacio.jose@gmail.com



fogo_pentecostes.jpg

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

(Para acessar os outros Dons click aqui)


Sete_dons

O DOM DA PROFECIA.

Os Dons Extraordinários do Espírito Santo:


O DOM DA PROFECIA



Ensinamento sobre o dom da Profecia

Os grupos de oração carismáticos constituem pequenas comunidades de fé, alimentadas pela palavra, e ao mesmo tempo numa comunhão de amor fraterno, onde a oração brota espontaneamente, através do espírito de abertura; fruto do Espírito Santo.

A oração carismática é essencialmente guiada pelo Espírito Santo. É Ele quem deve agir, inspirar e mover.

Numa oração carismática sempre se manifestará a ação do Espírito Santo através dos seus dons.

Pela Efusão do Espírito Santo recebemos graças divinas, que fazem de nós um povo cristão, profético, ao qual são distribuídos dons e carismas, segundo a vontade de Deus .

Ao falarmos de profecia, vem-nos à ideia:

Os profetas do Antigo Testamento, mas não è disso que vamos falar propriamente. Falando da importância do dom de profecia na reunião de oração, S. Paulo, na primeira Carta aos Coríntios, cap 12, 13 e 14, nos adverte quanto à importância dos dons do Espírito Santo, na vida do crente e na vida da comunidade.

PROCURAI O AMOR. Entretanto, aspirai aos dons do Espírito, principalmente à profecia -(I Corintios 14,1).

Aquele que tem o dom da profecia é alguém que tem intimidade com Deus, pois a profecia é um sinal do amor de Deus, e não um sinal de santidade.

O nosso profetizar é sempre imperfeito e devemos ser sempre ponderados.  A profecia é um dom do Senhor, uma ação de Deus; Deus é amor; O Senhor está mais ansioso para nos falar, do que nós para O ouvir, devemos cooperar o mais possível com o seu amor, o Espírito Santo é quem nos unge, e essa unção é a chave que nos permite  saber que o Senhor quer falar.

São Paulo exortava a comunidade de Coríntio a profetizar, mas com ordem. “A cada um è dada uma manifestação do Espírito, para o proveito comum. A uns è dada, pelo Espírito, a PROFECIA” – Cor 12, 7-10“A uns, Cristo constituiu apóstolos. A outros, PROFETAS. A outros, evangelistas…” – (Ef 4,11) “Temos dons diversos, conforme a graça que nos foi concedida . Aquele que tem o DOM DO PROFECIA, exerça-o conforme a Fé”. – Rom 12,6 A profecia é um dom carismático dado  pelo Espírito Santo a alguns fiéis que conhecem os dons e creem neles, e são sempre para enriquecimento da Comunidade, no nosso caso, o grupo de Oração.

A profecia ocorre em primeiro lugar, pela escuta das palavras do Senhor no nosso intimo e depois pela transmissão dessas palavras na fé, sob unção (Atos 2,14-18)O ideal é que a profecia aconteça de maneira adequada, em voz alta, e clara de modo compassado e humilde, pois é assim que o Espírito atua através de nós. O momento próprio para profetizar depende da estrutura do grupo de oração. O ciclo da oração na renovação carismática: CÂNTICOS – ORAÇÃO de LOUVOR – ORAÇÃO em LINGUÁS: E depois fazer silêncio para ouvir a profecia; a seguir á oração em línguas á o momento de escuta SILENCIO, e o Senhor vem consolar o seu povo; advertir, encorajar, dar a sua paz, dar esperança, força, orientar e curar.

Ninguém pode dizer Senhor a não ser pela ação do Espírito Santo, a ação de Deus está em que, através do seu Espírito, devemo-nos ajudar uns aos outros.

Pelo discernimento sabemos o que é verdadeiro:

A comunidade deve avaliar, discernir se a profecia é realmente do Senhor. A finalidade da profecia é levar as pessoas a uma mudança de vida, foi o que se passou no episódio de Jesus e Samaritana.  Outra regra para o discernimento da profecia é que ela seja julgada à luz dos ensinamentos cristãos e bíblicos.

Por vezes acontece a não PROFECIA.

Ela é composta de uma mensagem piedosa ou um recado que nós próprios queremos dar a alguém; é uma mensagem da nossa imaginação e não do Espirito Santo.  Não é que isso seja uma coisa má, mas devemos evitar; Quando não temos a certeza se é profecia devemos pedir esclarecimento ao Espirito Santo ou pedir ajuda ao irmão que esta ao nosso lado, e se não há certezas é preferível não falar. A verdadeira profecia vem sempre marcada com a luz do Espirito Santo, e onde Ele bate deixa marcas.  Para quem ela é dirigida, apercebem-se que aquelas palavras  foram destinadas para si, normalmente há sempre algum esclarecimento: alegria, esperança, fé conselho, orientação, sobretudo o Senhor fala-nos muito do Seu amor e do Seu perdão, e isso consola-nos muito.

PROFECIA EM LINGUÁS:

A profecia  é um carisma é uma manifestação do Espirito de Deus, O qual reside no nosso coração.  A profecia em línguas não acontece tão frequentemente, esta precisa de interpretação, pois é dirigida por Deus aos homens.

É necessário ouvir com atenção e devoção a profecia em línguas para poder ser interpretada; a interpretação é dada a alguém do grupo com esse carisma, e este com verdade e obediência diz a toda a assembleia as palavras que interpretou. Deus serve-se de nós como filhos, mas também como servos inúteis.

Aqueles que tem desenvolvido este dom, percebem de imediato quando se trata de oração ou de profecia.  Este assunto é um terreno espiritual muito delicado. Precisa, por isso, de um cuidado muito especial para evitar abusos e falhas.

Ensinamento de Emília Morais

http://www.nadateespante.com/products/o-dom-da-profecia/

Frutos_do_Espírito


esprito_santo-mcsc[1]

TÍTULO AUTOR
Catequese com o Papa: o dom da Sabedoria Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Entendimento Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom do Conselho Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Fortaleza Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Ciência Vera Lúcia
Catequese com o Papa: o dom da Piedade Vera Lúcia

http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120


Papa Francisco Abre o 37º Congresso da RCC em Roma.



DISCURSO
Papa Francisco fala aos participantes do
37ª Convocação Nacional da Renovação Carismática Católica
Domingo, 1º de junho de 2014

Boletim da Santa Sé
Tradução: Liliane Borges



papa_da_entrevista_voo_brasil

Papa Francisco Fala no 37º Congresso RCC em Roma.


Queridos irmãos e irmãs !

Eu os agradeço pela acolhida. Certamente alguém falou para os organizadores que eu gosto muito dessa música, “Vive Jesus, o Senhor”. Quando eu celebrava na catedral de Buenos Aires a Missa com a Renovação Carismática, após a consagração, e depois de alguns segundos de adoração em línguas, cantávamos esta canção com tanta alegria e com força, como vocês cantaram hoje. Obrigado! Senti-me em casa!

Agradeço a Renovação no Espírito, o I’CCRS e a Fraternidade Católica,  por este encontro com vocês, que me dá tanta alegria. Agradeço também a presença dos primeiros que tiveram uma forte experiência do poder do Espírito Santo, creio que a Paty esteja aqui… Vocês, Renovação Carismática, receberam um grande presente do Senhor. Vocês nasceram de um desejo do Espírito Santo como “uma corrente de graça” na Igreja e para a Igreja. É isto que os define: “uma corrente de graça”.

O primeiro dom do Espírito Santo, qual é? O dom de si mesmo, que é amor e te faz apaixonar-se por Jesus.  E este amor muda a  vida. Por esta razão, se diz “nascer de novo para a vida no Espírito”. Como Jesus disse a Nicodemos. Vocês  receberam  o grande dom da diversidade dos carismas, a diversidade que leva à harmonia do Espírito Santo, ao serviço da Igreja.

Quando penso em vocês carismáticos, me vem a mesma imagem da Igreja, mas de um modo particular: penso em uma grande orquestra, na qual, cada instrumento é diferente do outro, e também as vozes são diferentes, mas todos são necessários para a harmonia da música. São Paulo nos diz, no capítulo 12 da Primeira Carta aos Coríntios.

Portanto, como é uma orquestra, ninguém na Renovação pode pensar em ser mais importante ou maior que o outro, por favor ! Porque, quando alguém de vocês pensa que é mais importante que o outro, maior que o outro, começa a peste! Ninguém pode dizer: “Eu sou o chefe”. Vocês, como toda a Igreja, tem um só chefe, um só Senhor: o Senhor Jesus. Repitam comigo: Quem é o chefe da Renovação? O Senhor Jesus! Quem é o chefe da Renovação? (Os participantes repetem) O Senhor Jesus! E podemos dizer isso com a potência que nos dá o Espírito Santo, porque ninguém pode dizer: “Jesus é o Senhor”, sem o Espírito Santo.

Como vocês devem saber – porque as notícias correm – nos primeiros anos da Renovação Carismática, em Buenos Aires, eu não amava muito esses carismáticos. E eu dizia a eles: “Parecem uma escola de samba!”.  Eu não partilhava da maneira deles rezarem  e  tantas coisas novas que estavam acontecendo na Igreja. Depois disso, eu comecei a conhecê-los e eu finalmente entendi o bem que a Renovação Carismática faz a Igreja. E essa história, que vai desde “escola de samba” para a frente, termina de uma forma especial: alguns meses antes de participar no Conclave, fui nomeado pela Conferência Episcopal,  o assistente espiritual da Renovação Carismática na Argentina.

A Renovação Carismática é uma grande força no serviço do Evangelho, na alegria do Espírito Santo.Vocês receberam o Espírito Santo que os fez descobrir o amor de Deus por todos os seus filhos e o amor pela Palavra.

Nos primeiros tempos diziam que vocês carismáticos estavam sempre com uma Bíblia, o Novo Testamento … Vocês ainda  fazem isso? [A multidão] Sim! Eu não tenho tanta certeza! Se não, voltem a este primeiro amor, sempre levar no bolso, na bolsa, a Palavra de Deus! E ler um trecho. Sempre com a Palavra de Deus.

Vocês, o povo de Deus, o povo da Renovação Carismática, tenham cuidado para não perder a liberdade que o Espírito Santo vos deu!

O perigo para a Renovação, como costuma dizer sempre, o nosso querido padre Raniero Cantalamessa, é a organização excessiva: o perigo de organização excessiva.

Sim, vocês precisam de organização, mas não percam  a graça de deixar Deus ser Deus! “No entanto, não há maior liberdade do que deixar-se guiar pelo Espírito, renunciando a calcular e controlar tudo, e permitir que Ele nos ilumine, nos guie, nos oriente, nos impulsione para onde Ele quer. Ele sabe o que é necessário em todas as épocas e em todos os momentos. Isso significa ser misteriosamente fecundo!” (Exortação Evangelii Gaudium, 280).

Um outro perigo é o de tornarem-se “controladores” da graça de Deus. Muitas vezes, os responsáveis (eu gosto mais do nome de “servos”) de algum grupo ou algumas comunidades tornam-se, talvez inconscientemente, os administradores da graça, decidindo quem pode receber o oração da efusão no Espírito e quem não pode. Se alguém faz assim, por favor, não façam mais isso, não faça mais isso! Vocês são dispensadores da graça de Deus, e não controladores! Não imponham uma alfândega ao Espírito Santo!

Nos Documentos de Malines, vocês têm um guia, um percurso seguro para não errar o caminho. O primeiro documento é: Orientação teológica e pastoral (1). O segundo é: Renovação Carismática e Ecumenismo, escrito pelo Cardeal Suenes, grande protagonista do Concílio Vaticano II. O terceiro é: Renovação Carismática e serviço ao homem, escrito pelo Cardeal Suenes e por Dom Helder Câmara.

Este é o percurso de vocês: evangelização, ecumenismo espiritual, cuidado com os pobres e necessitados e acolhida dos marginalizados. E tudo isso tendo como base a adoração! O fundamento da Renovação é adorar a Deus!


Me pediram para dizer o que o Papa espera da Renovação.


941342_471701519587558_1461845518_n[1]


A primeira coisa é a conversão ao amor de Jesus que muda a vida e faz do cristão uma testemunha do Amor de Deus. A Igreja espera esse testemunho de vida cristã e o Espírito nos ajuda a viver a coerência do Evangelho para a nossa santidade.

Espero de vocês que partilhem com todos, na Igreja, a graça do Batismo no Espírito Santo (expressão que se lê nos Atos dos Apóstolos).

Espero de vocês uma evangelização com a Palavra de Deus que anuncia que Jesus é vivo e ama a todos os homens.

Que vocês deem um testemunho de ecumenismo espiritual com todos os irmãos e irmãs de outras Igrejas e comunidades cristãs que creem em Jesus como Senhor e Salvador.

Que vocês permaneçam  unidos no amor que o Senhor Jesus  pede a nós e a todos os homens, na oração ao Espírito Santo para chegar a esta unidade, que é necessária para a evangelização, em nome de Jesus. Lembrem-se que a “Renovação Carismática é por sua própria natureza ecumênica … a Renovação Católica se alegra com aquilo que o Espírito Santo realiza em outras Igrejas” (1 Malines 5,3 ).

Aproximem-se dos pobres, dos necessitados, para tocar neles, nas feridas de Jesus. Aproximem-se, por favor! Procurem a unidade na Renovação, porque a unidade vem do Espírito Santo e nasce  da  unidade da Trindade. A divisão,  vem de quem? Do demônio! A divisão vem do demônio. Fujam das lutas internas, por favor! Entre vocês, elas não devem existir!

Quero agradecer ao I’CCRS e a Fraternidade Católica, os dois organismos de Direito Pontifício do Pontifício Conselho para os Leigos, a serviço da Renovação mundial, empenhados em  preparar a reunião mundial de padres e bispos, a ser realizada em junho do próximo ano. Eu sei que decidiram compartilhar também  o mesmo escritório e trabalhar em conjunto, como um sinal de unidade e para gerenciar melhor os seus recursos. Estou muito satisfeito. Eu também quero agradecer-lhes, porque já estão organizando o Grande Jubileu do 2017.

Irmãos e irmãs, recordem: adorar a Deus, o Senhor! Este é o fundamento! Adorar a Deus. Busquem a santidade na nova vida do Espírito Santo. Sejam dispensadores da graça de Deus. Evitem o perigo da excessiva organização.

Saiam pelas ruas para evangelizar, anunciando o Evangelho. Recordem que a Igreja nasceu “em saída”, naquela manhã de Pentecostes. Aproximem-se dos pobres e toquem neles, nas feridas de Jesus. Deixai-vos guiar pelo Espírito Santo, com  liberdade; e por favor, não engaiolem o Espírito Santo! Com liberdade!

Busquem a unidade da Renovação, unidade que vem da Trindade!
E espero todos vocês, carismáticos de todo o  mundo, para celebrar, junto com o Papa, o vosso grande jubileu, em Pentecostes de 2017, na Praça São Pedro! Obrigado!

 

(1) SUENENS, Cardeal e outros – “Orientações teológicas e Pastorais da Renovação Carismática Católica”, Edições Loyola, 1975 (documento de Malines)

Fonte: Blog Canção Nova

http://papa.cancaonova.com/discurso-do-papa-a-renovacao-carismatica-catolica/



DISCURSO ORIGINAL NO YOUTUBE



941342_471701519587558_1461845518_n[1]


FRASES EM DESTAQUE NO TEXTO DO PAPA FRANCISCO

CLICK E AMPLIE




Jesus Jesus

Os Papas Falam à Renovação Carismática Católica.



Oração Pedindo os Dons do Espírito Santo.

 



É Lícito pedir ao Pai os Dons do Espírito Santo?

(Disse Jesus).

E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á.  Pois todo aquele que pede, recebe; aquele que procura, acha; e ao que bater, se lhe abrirá. Se um filho pedir um pão, qual o pai entre vós que lhe dará uma pedra? Se ele pedir um peixe, acaso lhe dará uma serpente? Ou se lhe pedir um ovo, dar-lhe-á porventura um escorpião? Se vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celestial dará o Espírito Santo aos que lho pedirem.

(São Lucas 11, 9 a 13)


Pergunta e Resposta:


Como receber o Espírito Santo na Igreja Católica?

Saiba como! Click na foto:


pentecostes_catolico_recebei_o_espirito_santo


Vinde ó Espírito Criador,

visitai os corações dos teus seguidores, preenchei-os com a Graça do Alto: estes corações que Vós criastes. Sois o Espírito Consolador,

a Dádiva de Deus Todo Poderoso, a Fonte da Água Viva, o Fogo Divino, a Caridade, a Unção Invisível das Almas.

Vinde, então,

com vossos Sete Dons Preciosos, Vós que sois o Dedo de Deus. Vós que sois o conteúdo da Promessa do Pai, Vós que colocais o Verbo do Pai em nossos lábios.

Iluminai os nossos espíritos

com vossa Luz, abrasai os nossos corações com vosso Amor e santificai, em todos os tempos, nossa frágil carne!

Bani de nós o espírito de tentação,

preenchei-nos com vossa Paz Infalível, sede Vós mesmo o nosso guia, de modo que possamos evitar tudo o que possa ser prejudicial à nossa Salvação.

Ensinai-nos a compreender o Pai,

ensinai-nos a compreender o Filho e a Vós mesmo, que sois o Espírito do Pai e do Filho, sede sempre o objeto de nossa Fé!

Por isso seja a Glória,

em todos os tempos, para Deus Pai, para o Filho, ressuscitado de entre os mortos, e para o Espírito Santo. Que assim seja!

 

AMEM


Jesus Jesus


Oração para pedir os dons do Espírito Santo


Vinde Espírito Santo

E dai-nos o Dom da Sabedoria

Para que possamos avaliar todas as coisas à luz do Evangelho  E ler nos acontecimentos da vida os projetos de amor do Pai

Dai-nos o Entendimento

Uma compreensão mais profunda da verdade a fim de anunciar a salvação com maior firmeza e convicção

Dai-nos o Dom do Conselho

Que ilumina a nossa vida e orientai a nossa ação segundo vossa Divina Providência.

Dai-nos o Dom da Fortaleza

Sustentai-nos no meio de tantas dificuldades com vossa coragem para que possamos anunciar o Evangelho.

Dai-nos  o Dom da Ciência

Para distinguir o Único Necessário das coisas meramente importantes.

Dai-nos Piedade

Para reanimar sempre mais nossa íntima comunhão convosco E, finalmente, dai-nos vosso santo Temor.

Para que, conscientes de nossas fragilidades, Reconhecermos a força da vossa graça.

Vinde Espírito Santo

E dai-nos um novo coração.

Amém.

Pe. Joãozinho – Oração inspirada na Carta de João Paulo II aos sacerdotes do mundo inteiro por ocasião da quinta-feira santa de 1998.



Jesus Jesus


Oração para pedir

Os Dons do Espírito Santo

Senhor, enviai Vosso Espírito e tudo será criado e renovareis a Face da Terra!


Senhor, que perscrutais todos os corações e conheceis todos os problemas, Espírito de Luz e de Amor, derramai sobre mim, eu vos suplico, a plenitude de vossos Dons.

Dai-me o Espírito de Sabedoria, que me faz ver as coisas, não de acordo com o julgamento deste mundo, mas de acordo com o Vosso.

Ó Senhor, que eu possa repetir, como Salomão: “Desde a minha infância eu amei a Sabedoria e a escolhi para minha companheira na vida.

Eu a preferi acima de tudo o que é mais esplêndido no mundo, e pensei que as riquezas nada eram comparadas com o preço de tamanha joia.

As coisas boas vieram por intermédio dela, e em todas as minhas dores e sofrimentos, ela sempre foi o meu consolo e a minha alegria”. (Prov. 8).

Dai-me também o Espírito de Inteligência, que me ilumina no conhecimento das Escrituras e das grandes Verdades Eternas.

A Fé e a Humildade são as virtudes que atraem o Espírito de Inteligência para a alma.

A Fé que nos submete para melhor compreendermos; a Humildade prontamente nos faz reconhecer nossa ignorância.

Dai-me o Espírito de Conselho, que ilumina o caminho para os Céus e evita que me perca como um viajante tolo que pega um caminho desconhecido sem um guia.

Dai-me o Espírito de Ciência, que me ensina que a ciência da Salvação é a única necessária, a única sem a qual nenhuma ciência humana se pode realizar.

Dai-me o Espírito de Força, que não me deixa tão fraco após o mínimo esforço, tão débil quando tenho que obedecer ao invés de fazer o que desejo, ou trabalhar quando não tenho o menor desejo de fazê-lo, que me dá força para conquistar a mim mesmo quando a Lei de Deus assim me ordena!

Dai-me o Espírito de Piedade, que dá ao meu coração uma atração filial para com o Pai e que me faz servi-lo com alegria e tranquilidade!

Dai-me o Espírito de Temor, temor filial que, combinado com o respeito e o amor, me faz evitar cuidadosamente tudo aquilo que possa desagradar a Deus, nosso Pai!

Ó Dons Preciosos, cuja excelência aprendi a conhecer, vede como minha alma clama por Vós com confiança e se Vos abre com Amor.

Santos Apóstolos, que no Dia de Pentecostes recebestes os Dons do Espírito Santo, concedei-nos, com algumas das mesmas graças, uma fidelidade similar à que era vossa, de modo que, acreditando naquilo que recebestes e transmitistes, praticando os vossos trabalhos, vivendo e morrendo com a Igreja que vós fundastes, possamos compartilhar convosco, Ó Santos Apóstolos, a regozijadora recompensa dos Céus!

Que assim seja!                                      


Quero ser Batizado

no Espírito Santo?



Ele Vos Batizará com Fogo

E no Espírito Santo!

PEDINDO A LUZ DO ESPÍRITO SANTO


Amado Deus, tu que enviaste o Espírito Santo aos discípulos, dando-lhes coragem para levar a mensagem de Cristo a todos os lugares, iluminando vidas, criando a primeira comunidade cristã, nós te pedimos: concede constantemente o vigor e o poder desse Espírito, para que possamos ser luz e anunciar a tua vontade. Ilumina nosso coração e nossa mente para reconhecermos tua Palavra orientadora em meio a tantas vozes e espíritos que nos iludem. Isto nós pedimos por Jesus Cristo, teu Filho amado, que contigo e com o Espírito Santo vive e reina eternamente. Amém.




Em PPS/PPT – Power Point

As mais conhecidas Orações e

Invocações do Divino Espírito Santo.






Oração Pela Efusão do Espírito Santo

Vem, Espírito Santo, e renova em mim a chama do Teu amor.

Enche-me Senhor de fé, e revela com Tua luz todos os meus pecados e traumas.

Liberta-me, Espírito Santo, e faz de mim uma nova criatura.

Santifica também o meu espírito, renovando todo o meu ser, emoções, mente, ouvidos, olhos, lábios e atos.

Capacita-me a viver a Palavra de Nosso Senhor Jesus Cristo em toda sua profundidade.

E agora, Santo Espírito, dá-me os Teus dons para que eu possa melhor servir o reino de Deus, amando, indistintamente, todos os meus irmãos.

Mas, acima de tudo, derrama o dom do louvor, para que, em tudo e por tudo, eu glorifique o Senhor Nosso Deus. Em nome de Jesus,

Vós que sois o Dedo de Deus. Vós que sois o conteúdo da Promessa do Pai, Vós que colocais o Verbo do Pai em nossos lábios.

AMEM


Extase_cume_da_oracao Oraçoes_para_crianças Sete_dons_espirito_santo Jesus

Sete_Dons

Oração dos sete Dons do Espírito Santo


Divino Espírito Santo, Derrama sobre mim os Teus dons.
Peço os dons: da SABEDORIA, do ENTENDIMENTO, do CONSELHO, da CIÊNCIA, da PIEDADE e do TEMOR de DEUS.

Espírito Santo,
Há tanta coisa que não compreendo,
Há tantas respostas que não tenho,
Há tantas decisões a serem tomadas.

Divino Espírito Santo, amor do Pai e do Filho, Inspira-me sempre o que devo pensar, o que devo dizer, e como devo dizer.
O que devo calar, o que devo escrever, como devo agir.
Inspira-me o que devo fazer para obter a Tua glória e a minha própria santificação.

Divino Espírito Santo, Acende uma luz em minha mente e dá-me discernimento sobre como devo proceder em minha vida.
Dá-me respostas para o momento presente, mas que eu jamais coloque em risco o meu futuro com Deus.

Divino Espírito Santo, Afasta para longe de mim o Inimigo e traze-me a paz.

Divino Espírito Santo, Faze que eu possa irradiar luz, bondade e amor.

Divino Espírito Santo, ilumina-me!
Divino Espírito Santo, santifica-me!
Divino Espírito Santo, conduze-me!
Amém!


POWER POINT SOBRE OS SETE DONS DO ESPÍRITO COM ORAÇÃO PEDINDO CADA DOM.


Oração dos sete Dons do Espírito Santo



Seminário de vida no Espírito.


Primeira Experiência de Oração – SVE I.


fotografia: Sizenando – Vitral Cap. Com. Nova Aliança.

Dercides Pires da Silva

Data de publicação: 12/11/2008.

Considerações iniciais a respeito do Seminário de Vida no Espírito.

Para refletir: Errar menos na vida e acertar mais

Fonte: RCC Brasil.

Calma! Vou explicar o título deste artigo. Sei que você tem um ideal muito cristão: ser perfeito como nosso Pai celestial é perfeito. Sei que você não se contenta em ser meio santo; você deve ser daquelas pessoas decididas, que caminham incansavelmente rumo à santidade. Certamente seus pecados têm diminuído durante as confissões, pois com seu enorme esforço você tem pecado menos. Não!? Os pecados não diminuíram? Ah…! Diminuíram sim; os grandes pelo menos. Mas hoje você confessa muitas coisas que antes não confessaria? Por quê?

Francamente, há dias em que a gente se contentaria até em pecar menos; em errar menos e acertar mais.

Quantos erros!? Quantas opções erradas!? Quantos sobes e desces!? Quantos cais e levantas!? Ufa!

Cair e se levantar, errar e acertar… Isso faz parte da condição humana. Homens e mulheres são assim mesmo. Entretanto, quantos mal entendidos, quantas brigas, quantos ressentimentos, quantas quebras de relacionamentos seriam evitados se homens e mulheres errassem menos e acertassem mais; se optassem pelos melhores caminhos, e não caíssem nas armadilhas do erro.

Usando uma expressão muito em voga na Igreja nas últimas décadas do século passado, podemos indagar: alguém já teve sucesso ao ligar fé e vida? De fato, não é fácil para o homem comum ser santo cotidianamente.

A explicação pode ser encontrada nalguns trechos das cartas de Paulo. Um, é até muito conhecido por quem vai à missa aos domingos:

“Sabemos, de fato, que a lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendido ao pecado. Não entendo, absolutamente, o que faço, pois não faço o que quero; faço o que aborreço. E, se faço o que não quero, reconheço que a lei é boa. Mas, então, não sou eu quem o faço, mas o pecado que em mim habita. Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita o bem, porque o querer o bem está em mim, mas não sou capaz de efetuá-lo. Não faço o bem que quereria, mas o mal que não quero. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu quem faço, mas sim o pecado que em mim habita. Encontro, pois, em mim esta lei: quando quero fazer o bem, o que se me depara é o mal (Rm 7,14-21).

De fato, em sua Carta o Apóstolo põe a descoberto este terrível drama da humanidade: mesmo querendo fazer o bem, consegue fazer o mal, para depois sofrer as agruras de um purgatório emocional interminável que poderá resultar em doenças emocionais.

É ao se ver em tal situação que homens e mulheres de boa mente, seres humanos construtores da paz, se agarram a um fio de esperança pensando: “Quisera, pelo menos, errar menos e acertar mais”.

Outro trecho paulino lança luz nesta realidade, outra vez desnudando a fragilidade humana, mas também indicando uma solução bastante conhecida pelos integrantes da Renovação Carismática:


Dercides Pires da Silva – Goiânia


“Mas o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, pois para ele são loucuras. Nem as pode compreender, porque é pelo Espírito que se devem ponderar. O homem espiritual, ao contrário, julga todas as coisas e não é julgado por ninguém. Por que quem conheceu o pensamento do Senhor, se abalançará a instruí-lo (Is 40,13)? Nós, porém, temos o pensamento de Cristo” (1Cor 2,14-16).

Errar menos e acertar mais, exige do ser humano ser menos “mundo” e mais “céu”; menos “carne” e mais “espírito”. Isso tudo sem sair do mundo.

Certamente você poderá estar se indagando: Como pode se dar isso? A resposta a tal indagação exige tempo e papel. Além disso, é daquelas que se aprende na prática cristã mais genuína que existe e que remonta ao tempo dos Apóstolos: deixar-se conduzir pelo Espírito, como escreveu João Paulo II na Encíclica Redempotoris Missio, 87. Deixar-se conduzir pelo Espírito Santo pode exigir de muitos paciência, oração e meditação da Palavra de Deus.

Também ajuda a errar menos e acertar mais, ter a mente – o pensamento – de Cristo, como dito na passagem da Carta aos Coríntios, acima, e como nos exorta a Epístola aos Romanos:

“Eu vos exorto, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, a oferecerdes vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito” (Rm 12,1-2).

Todavia, irmãs e irmãos, quem de fato ajuda a errar menos e acertar mais na vida cotidiana, quem realmente contribui para que as pessoas façam opções santas e ainda as capacita a adotarem práticas dignas de filhos e filhas de Deus é o Espírito Santo; o Mesmo Espírito que faz o homem e a mulher nascer de novo “da Água e do Espírito”, como disse Jesus a Nicodemos.

A partir deste nascimento espiritual o ser humano recebe o dom da filiação divina com as virtudes necessárias para vencerem a carne e serem, enfim, homens e mulheres “espirituais”, no sentido de não serem mais do mundo, apesar de viverem no mundo; de não colocarem suas cabeças na forma do mundo, mas adotando o pensamento de Cristo. Assim, seguramente, é possível marchar praticando atos e virtudes cristãs no caminho da santidade, imitando Jesus e errando menos e acertando mais, até atingir a estatura do varão perfeito, que é Jesus Cristo.

No meio católico, sacramentalmente, todos já nasceram de novo da Água e do Espírito quando foram batizados. A graça do Batismo, que é o próprio Espírito Santo, já faz de todo católico filho ou filha de Deus, de fato. Entretanto, esta incomensurável graça parece se perder nos incompreensíveis mistérios da alma humana; alma tão cheia de melindres e meandros, mais afeita às dúvidas do que à fé. É exatamente neste ponto que entra o Seminário de Vida no Espírito Santo. Também por um mistério, desta vez da parte de Deus, uma das graças deste Seminário tem sido uma vida nova, no Espírito Santo, que desabrocha depois de aparentemente ter hibernado por anos, décadas até, na alma de católicos não praticantes da virtude da religião. Em poucas palavras é difícil descrever o que se experimenta num Seminário de Vida no Espírito Santo realizado com a metodologia correta: com nove semanas de duração, com pastoreio, com partilhas, com estudos bíblicos, com cada encontro semanal durando pelo menos quatro horas, e, principalmente, com muitas orações e cânticos ungidos e fervorosos, acompanhados de pregações ardorosas e também ungidas.

A opção por fazer o Seminário de Vida no Espírito Santo na forma proposta pela RCCBRASIL não é somente uma novidade, ou uma prática ousada, ou uma forma de preencher calendários; tal opção é, antes de tudo, uma decisão estratégica, pois ela se encontra na bifurcação do bom discipulado que se opõe ao mais ou menos, da conversão profunda que se opõe à superficial, da oportunidade de proporcionar a todos os servos um grande avivamento anual que se alimenta principalmente das semanas preparatórias para o Seminário, mas continua por ele e o ultrapassa acompanhando o pastoreio que segue pelos meses do ano.

Em certos casos, o Seminário de Vida no Espírito Santo beneficia mais os servos do que os próprios evangelizandos, pois nele os obreiros, servos do Senhor, têm oportunidade de unir formação, oração e missão que compõem o tripé do crescimento espiritual, dando a todos a oportunidade de receber de Deus as ferramentas espirituais para ser santos na vida cotidiana, mesmo que seja começando num simples errar menos e acertar mais no lar, no trabalho, na escola, no lazer, nos relacionamentos profissionais e afetivos.

Bom Seminário de Vida no Espírito Santo a todos. Deus os Abençoe. Muito obrigado.

Dercides Pires da Silva


A Partir de agora estaremos disponibilizando temas sobre o SVE I, material escrito, em vídeo e esquemas básicos para ensinos em grupos de oração ou encontros fechados, alguns dos quais já estão disponíveis em outros site’s.   Estaremos apenas organizando de uma forma que outras pessoas também possam se usufruir destes textos e videos para nossa formação pessoal e auxiliar outras pessoas a encontrar-se com Jesus e conhecer melhor o Espírito Santo de Deus.


Seminário de Vida no Espirito
ESTE TEMA
PRÓXIMO
PRÓXIMO


Nossa Senhora Mãe de Jesus e nossa Mãe.


Muitos são os Títulos que identificam a Virgem que foi a escolhida de Deus para ser a Mãe de seu filho Jesus e como verdadeira Mãe do céu e da terra, também é a nossa grande protetora e intercessora junto de Jesus.


(Dinâmica Opcional 1) *


Eis ai a tua Mãe, Eis aí o teu Filho.


Maria é mãe e modelo da Igreja, que acolhe na fé a Palavra divina e se oferece a Deus como ‘terra fecunda’ onde Ele pode continuar a cumprir o seu mistério de salvação

(Papa Bento XVI. Homilia de 1° de Janeiro de 2012. Solenidade da Santíssima Mãe de Deus).

Porta do Céu, Estrela da Manhã, Nova Eva, Virgem Puríssima, Rainha da Paz, Senhora de Pentecostes, Arca da Aliança… Muitos sãos os nomes com os quais podemos chamar a Mãe de Jesus. Por isso ela é, também, a Senhora dos mil nomes. Particularmente, gosto de repetir algo que ouvi certa vez e chamá-la de “a primeira carismática”, pois ela, mais que todos, experimentou plenamente o Espírito Santo em sua vida, que a cumulou de dons e a fez “Cheia de Graça” (Lc 1,28).

Maria é para nós o modelo do cristão. Recorda-nos aquilo para o que fomos feitos. O plano original de Deus para a humanidade. E, ao nos recordarmo-nos nela, ela intercede por nós a fim de que também possamos dizer o nosso “Sim” constante e diário à Vontade do Pai. A propósito, escutamos com muita frequência sobre o Fiat de Maria pronunciado quando da anunciação do anjo e que lemos no Magnificat. Como disse, certa vez, o pregador da Casa Pontifícia, Pe. Raniero Cantalamessa: “Na verdade, Maria nunca disse ‘Fiat’, porque não falava latim, nem sequer grego. O que com toda probabilidade saiu de seus lábios é uma palavra que todos conhecemos e repetimos frequentemente. Disse ‘Amém!’. Esta era a palavra com a qual um hebreu expressava seu consentimento a Deus, a plena adesão a seu plano”¹.

Maria é o Amém do Pai, o puro e incondicional “Sim” à Sua Santa Vontade. E é nesta escola mariana que precisamos aprender como fazer da nossa vida um sim cotidiano. Desde que Jesus deu Maria por mãe a João: “Mulher, eis aí teu filho” (Jo 19,26), fazendo dela a Mãe da Igreja, esta, por sua vez, vem aprendendo e ensinando tal realidade a todos os fiéis, pois deste dia em diante, Nossa Senhora passaria não apenas a olhar por João, mas a partir deste Apóstolo, ela deveria proteger e ensinar a todos os discípulos de Jesus, dentre os quais estamos você e eu.

Não há porque ter restrições a Maria. Uma vez que Deus a constituiu a mãe de Nosso Senhor, é impossível separá-la de Jesus. A vida de Maria só pode ser entendida a partir da vida de Jesus. Do mesmo modo, não se pode separar Maria do Espírito Santo, pois sua vida foi toda repleta e preenchida por Ele. Por tamanha união, ela é a esposa do Espírito Santo. A própria existência do Filho implica uma união da esposa e do esposo para gerá-Lo. Esta união é Maria e o Espírito Santo. União que não há como separar mais um do outro, pois é eterna. O que o Espírito operou em Maria, assim o faz com a Igreja, da qual Nossa Senhora é “espelho”.

Se quisermos ser cheios do Espírito Santo, devemos aprender na escola de Maria. A escola de Pentecostes onde ela é a Mestra e, ademais, juntos com os primeiros discípulos aprendemos a chamá-la de Mãe e Mestra. Se quisermos chegar ao Pai e experimentar o seu amor, devemos nos achegar à Maria. Ela, sobre quem o Pai manifestou o seu amor à humanidade fazendo sair de um ser humano o seu Divino Filho. Finalmente, se quisermos ir a Jesus, precisamos passar por Maria. Assim como ninguém vai ao Pai senão pelo Filho, o meio mais rápido e eficaz de chegar ao Filho é pela Mãe. Isto é uma realidade inegociável: precisamos passar por Maria! Por isso ela é a Porta do Céu. E para irmos ao céu, podemos atravessar pela porta que é a Mãe.

Por ela passam todas as graças do Filho, por ela passaremos todos também quando findar nossa vida. Vemos em tudo isso o poder de sua intercessão e por esta razão intensificamos nossas orações ao pedir para ela rogar por nós: agora e na hora de nossa morte. Amém.

___

Nota:

1 – Pe. Raniero Cantalamessa. Conferência Nacional de Teologia – Pastoral “O Espírito Santo, o Senhor e doador da vida”. 11 de fevereiro de 1998. Acesso emhttp://www.cantalamessa.org/?p=1953.


Maria_mae_do_meu_Senhor Nossa_Senhora_Muitos_titulos

Nossa Senhora Aparecida

Padroeira do Brasil e

Da América Latina.


Poema a Nossa Senhora Aparecida

Uma Linda Homenagem.


Eu_amo_minha_mae_2





Sinais de Pentecostes.


homem_10[1]


No início, Adão era uma estátua de barro, porém Deus soprou sobre ele um espírito de vida e ele se tornou um ser vivo. Muito tempo depois, o Espírito de Deus veio sobre Maria e nela apareceu uma nova vida, a vida do novo Adão; a vida deu um grande salto de qualidade! Mais tarde, o Espírito de Deus veio ao sepulcro de Cristo e o reanimou e fez Jesus retornar à vida.

Mais uma vez, o Espírito veio sobre os apóstolos, em Pentecostes, e encontrou um punhado de homens temerosos, medrosos, inertes como Adão quando era uma estátua de barro e, com suas línguas de fogo, o Espírito fez aparecer a Igreja, corpo vivo de Cristo. Nós, que somos a Igreja, somos corpo vivo de Cristo pelo Espírito Santo.

A cada Eucaristia, o Espírito Santo desce sobre o altar e transforma o pão e o vinho em corpo e sangue vivo de Cristo. E um dia, no fim do mundo, o Espírito virá e dará vida aos nossos corpos mortais e nos fará ressurgir para a vida eterna.



De Saulo a Paulo

Agora vou lhes contar sobre a vida nova que o Espírito Santo me deu.

Até 1975, eu era um frade capuchinho que ensinava História das Origens Cristãs na Universidade de Milão, na Itália. Um dia, comecei a escutar pessoas que falavam de uma nova forma de rezar. Uma senhora, de quem eu era diretor espiritual, voltando de um retiro disse-me: “Encontrei pessoas que rezam de um modo estranho: levantam as mãos, batem palmas, são muito alegres e dizem que entre eles milagres acontecem”. Então eu lhe disse: “Nunca mais irás a essa casa de retiros”.

Esses dos quais aquela senhora falava eram carismáticos. Comecei a observá-los e via que algo daquilo que acontecia entre esses irmãos era exatamente aquilo que lemos nas primeiras comunidades cristãs.

Eu não podia negar que havia algo daqueles primórdios da Igreja, contudo havia fenômenos que me perturbavam, como falar em línguas, abraçar-se, profetizar…

Certo dia, fui quase forçado a um encontro carismático. Lá fui tomado de uma intensa e nova alegria, que não sabia explicar. Sentia-me sacudido. E, confessando as pessoas, percebia nelas um arrependimento novo, profundo. Eu podia ver e até tocar a graça de Deus. Mas continuava como um observador.

Em 1977, ganhei uma passagem para ir aos Estados Unidos, assistir à grande assembléia carismática ecumênica. Dentro de mim, dizia: “Isto vem de Deus, mas não me agrada”. E as 40 mil pessoas presentes ali cantavam: “Jericó deve cair”. Os meus colegas italianos me diziam: “Escuta bem, porque Jericó és tu”. Eles tinham razão, e Jericó caiu.

Depois do encontro fomos a uma comunidade carismática em New Jersey, onde aceitei receber a efusão do Espírito Santo, mas ainda com certa resistência. Um dos sinais do Pentecostes é Deus falar através dos humildes. Quando as pessoas rezavam por mim, todas as palavras proféticas pronunciadas falavam de evangelização, de Paulo que com Barnabé inicia suas viagens apostólicas, e um irmão proclamou: “Tu provarás de uma alegria nova em proclamar minha Palavra”.

Um detalhe importante é que enquanto se reza para que alguém receba a efusão do Espírito, se diz: “Escolhe Jesus como Senhor da tua vida” e, enquanto me diziam estas palavras, levantei os olhos e vi o crucifixo que estava sobre o altar da capela. Era como se Ele me esperasse para me dizer algo muito importante: “Atenção! Raniero, cuidado! Este é o Jesus que tu escolhes como teu Senhor, o Crucificado. Não é um Jesus fácil, sentimental”. Nesse momento, entendi que a RCC não é um fenômeno superficial, mas algo que nos leva diretamente ao coração do Evangelho, à cruz de Cristo.

Comecei a ler o breviário experimentando algo novo. Vocês sabem que um dos frutos mais evidentes do Espírito é abrir a nossa inteligência para entender as Escrituras. Outro sinal da transformação que o Espírito operara em mim era o novo desejo de rezar.

Três meses depois voltei à Itália e os meus irmãos diziam: “Que milagre! Mandamos à América Saulo e nos mandaram de volta Paulo”.

Pouco tempo depois, enquanto rezava com um grupo de oração em Milão, surpreendi-me fazendo a oração: “Senhor, não permita que eu morra como um professor universitário aposentado!” E o Senhor levou a sério minha oração.

Algumas semanas depois, rezando na cela de meu convento, tive a moção interior de visualizar Jesus que retornava do batismo no Jordão e começava a pregar o Reino de Deus, e ao passar por mim Ele dizia: “Se queres me ajudar a proclamar o Reino de Deus, deixa tudo e vem!”

Compreendi que Ele queria dizer: “Deixa tua cátedra na Universidade, tua direção de Departamento e te tornes um pregador itinerante da Palavra de Deus, no estilo de São Francisco de Assis”. E ao final daquela oração o Espírito havia colocado em meu coração um “sim”.

Fui ao meu superior geral dizer-lhe que me sentia chamado pelo Senhor. Ele me pediu para esperar um ano. Depois de um ano, ele disse: “Sim, é vontade de Deus, vá”. Assim, tornei-me pregador.

Foi o Espírito Santo e a experiência carismática que fizeram deste velho professor universitário um pregador do Evangelho.



A Casa Pontifícia


Três meses depois, recebi um telefonema de Roma, do meu superior geral que me dizia que o Santo Padre, João Paulo II, havia me escolhido como pregador da Casa Pontifícia. O Papa, com tudo o que tem para fazer, cada sexta-feira de manhã, durante a Quaresma e o Advento, deixa tudo e vem escutar a pregação de um frade capuchinho. Quantos de nós vão escutar pregações como o Papa? Ele não falta nunca. Certa vez, estando em viagem pela América Central, faltou a duas pregações; na sexta-feira seguinte, foi ao meu encontro e pediu desculpas por ter faltado a duas pregações.

Foi-me dada a oportunidade de fazer ressoar ali, no centro da Igreja, o que o Espírito Santo está fazendo na Igreja. O Senhor escolheu esse pobre frade capuchinho para fazer chegar ao coração da Igreja aquilo que vivemos aqui, esta força, esta esperança, esta certeza de que o Espírito Santo realizou um novo Pentecostes na Igreja.

Um dia, entendi que era hora de falar ao Papa, aos Cardeais, aos Bispos sobre a efusão no Espírito. Entre outras coisas, eu disse: “Alguns dizem que tendo recebido o Espírito Santo na Ordenação, no Batismo, não temos necessidade desta oração pedindo a efusão no Espírito, mas Jesus não poderia responder: “Eu também não estava cheio do Espírito desde o nascimento de Maria, e mesmo assim fui ao Jordão para ser batizado por um leigo que se chamava João Batista?”

No final da pregação, eu tinha um certo temor e veio ao meu encontro um Cardeal que me disse: “Hoje, nesta sala, ouvimos falar o Espírito Santo”.

O Santo Padre também sabe de minha experiência, pois lhe contei pessoalmente. Mesmo assim, já faz mais de 20 anos, e ele não me mandou embora. E aquilo que vocês encontram nos meus livros, quase tudo foi escutado antes pelo Papa.

Quero lhes contar um último detalhe que nos faz conhecer a grande paciência do Santo Padre e o seu imenso amor pela palavra de Deus. Uma vez por ano devo fazer a pregação, na Basílica de São Pedro, com o Papa que preside a celebração. É porém a única vez que não é ele quem prega. Lida a narração da Paixão, é o pregador da Casa Pontifícia quem deve subir ao altar do Papa e pregar. Na primeira vez, os degraus me pareciam mais altos que o monte Evereste. Falando na Basílica, dei-me conta de que deveria falar muito lentamente, porque há uma grande ressonância. Mas, falando lentamente, o tempo passava e ultrapassou em cerca de dez minutos o tempo previsto. Vocês sabem que imediatamente após essa pregação, toda sexta-feira da Paixão, o Papa vai ao Coliseu fazer a via-sacra, e o secretário, naturalmente, estava muito nervoso e olhava o relógio de vez em quando. No dia seguinte, disse às freiras que depois daquela função, o Papa o chamou e, com muita gentileza, disse: “Quando um homem de Deus fala, nunca devemos olhar o relógio”.



Coragem, e ao trabalho!


No dia em que meu superior me permitiu iniciar essa vida nova, no ofício das leituras havia um texto do profeta Ageu: “Coragem, Josué, sumo sacerdote, coragem Zorobabel, coragem todo o povo deste país, e ao trabalho. Coragem porque eu estou convosco, diz o Senhor” (Ag 2,4).

Lida essa passagem, fui à Praça de São Pedro e, olhando para a janela do Papa, comecei a gritar: “Coragem João Paulo II, mesmo se sabemos que és o homem mais corajoso do mundo; coragem Cardeais e Bispos, e ao trabalho, porque eu estou convosco, diz o Senhor”. Isso era fácil, pois não tinha ninguém lá, mas três meses depois eu me encontrava diante do Santo Padre e dos Cardeais e Bispos, e proclamei novamente aquela palavra de Ageu.

Hoje, anuncio estas palavras também a vocês: coragem, povo de Deus, e ao trabalho, à evangelização, à renovação da Igreja, porque eu estou convosco, diz o Senhor!

Frei Raniero Cantalamessa OFM Capuchinho

Goiânia sediará encontro com Frei Raniero Cantalamessa.

“A túnica era sem costura” Homilia da ultima Sexta Feira Santa.

Radicais Tradicionalis criticam a Pregação de Frei Raniero Cantalamessa em Roma.



Pentecostes_Banner


Seminário de Vida no Espirito
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg

O Templo de Deus sois vós.



“Não sabeis que sois o templo de Deus,

e que o Espírito de Deus habita em vós?”

Parte II



2. Os dons do Espírito Santo



O Espírito Santo é Alguém que está continuamente na Igreja, que não intervém só nos momentos mais importantes da vida da Igreja ou das pessoas, que não se revela só em manifestações extraordinárias, mas que habita nas pessoas de forma permanente. A Igreja é como um templo onde mora o Espírito Santo: “Fomos baptizados num só Espírito para sermos um só corpo” (1 Cor. 12, 13). É Ele que constrói assim uma morada pelo Espírito: “Já não sois estrangeiros nem emigrantes, mas concidadãos dos santos, membros da casa de deus, edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus. É nele que toda construção, bem ajustada, cresce para formar um templo santo no Senhor. É nele que também vós sois integrados na construção para formardes uma habitação de Deus pelo Espírito” (Ef. 2, 19-22). A comunidade é o templo do Espírito Santo: “Não sabeis que sois templos de Deus e que o Espírito Santo mora em vós?” (1 Cor. 3, 16; 6,19; 1 Cor. 6, 16). É aqui que entram os dons e os carismas de que fala S. Paulo e que são os elos por onde passa a comunhão ou seja, o Espírito Santo: o dom de governar, de ensinar, de anunciar o Reino, de discernir, de curar, de profetizar.

Quanto a estes dons do Espírito Santo, é preciso concentrar a nossa atenção não nos dons mas no Doador. O grande dom é o Espírito Santo. Os dons e carismas não são mais que o brilho do Espírito Santo, que é o dom por excelência, o dom que encerra todos os dons. Não podemos separar o Espírito Santo dos seus dons, como não podemos separar o carinho ou a ternura de um pai ou de uma mãe do próprio pai ou da própria mãe. Deus suscita não só a fé e os carismas, mas concede ainda o dom por excelência, o próprio Espírito Santo. O Espírito Santo não dá esmolas, dá-se a si mesmo. Os dons são fruto desta presença. Os dons do Espírito Santo são para o doador o que os raios do sol são para o sol: não se identificam com Ele, mas não existem sem Ele.

O valor de uma comunidade cristã não depende de quem a evangeliza mas do Espírito Santo que nela habita. Este Espírito é comunicado a todos os membros da comunidade, embora para uma missão diferente. Um semeia, outro, rega, outro monda e outro colhe. Mas todos são baptizados no mesmo Espírito. Este Espírito revela-se em cada um com serviços, carismas e actividades diferentes, pois é desta colaboração de todos que se faz a comunidade. Uns têm o dom de governar, outros de ensinar, outros de profetizar e outros de curar. É como num corpo vivo, onde cada membro tem uma função própria. Esta função é um dom do Espírito, que é o mesmo em todos. Por isso, esta diversidade em vez de dividir, une. Ela está unida pela raiz: dela nasce algo de novo, um corpo novo, que é a comunidade cristã. Num corpo vivo há membros para respirar, membros para alimentar, membros para mover, membros para pensar, membros para amar, etc. Quem é que pensa dispensar algum destes membros?

É por estes carismas e dons que se vê se o Espírito Santo está vivo nas comunidades. O Espírito Santo desperta em cada um os dons e as qualidades que são necessárias para edificar a comunidade cristã. Todos conhecemos pessoas, umas mais dotadas para dirigir a comunidade, outras para animar a liturgia, outros para colaboração missionaria ou para visitar doentes ou para acolher os que chegam de fora, outros para ajudar quem precisa. São dons que o Espírito Santo distribui por todos, pois todos são necessários para construir uma Igreja viva. É como na construção de uma casa: é preciso um arquitecto, um engenheiro, um mestre-deobras ou pedreiros, pintores, estucadores, electricistas, canalizadores, sem falar nos que fabricam o cimento, as tintas, os azulejos, etc. Na construção da Igreja é a mesma coisa. Os carismas em geral são qualidades que as pessoas têm e que o Espírito do Senhor consagra com a sua graça. Eles são sopros de Deus e esse sopro é a caridade que é a maneira de ser de Deus. Eles são ordenados para o crescimento da comunhão.


Pe. A. Torres Neiva C. S. Sp.

http://www.pneuma-rc.pt/


Leia Também os complementos:

1. Todo o cristão é chamado à perfeição da santidade!

2. Os dons do Espírito Santo

3. Os frutos do Espírito Santo

4. O grande dom é o próprio Espírito Santo

Outros temas relacionados


Semeando a cultura de Pentecostes


Permanecendo Cheios do Espírito Santo.



 DERRAMAREI

 do meu Espírito

sobre todo ser vivo:

Atos dos Apóstolos, 2, 17a

tacas_champanhe[1].


ENCHEI-VOS DO ESPÍRITO DE DEUS !


Este texto é uma sequencia de:

Batismo no Espírito Santo ?

O Sacramento do Batismo nos torna filhos de Deus e membros da Igreja, isto significa sermos herdeiros de Deus e Co-herdeiros com Cristo dos benefícios das promessas do Pai, poderíamos dizer que um filho recém nascido nada possui se nem ao menos sabe falar ainda como poderia tomar posse ou usufruir de sua filiação Divina uma vez que nem conhece os seus direitos “nem os deveres” de filho de Deus.

Com o nascimento nos tornamos semelhantes a Jesus, porém somente com o tempo e o aprendizado estas feições vão tomando as características concretas de um Filho de Deus autêntico, é nesta caminhada que mais precisamos do auxílio de nossos Pais, pois qualquer criança abandonada no mundo certamente morreria logo após o nascimento, sendo assim, Jesus nos enviou seu Próprio Espírito para nos conduzir e guiar nesta caminhada tão difícil rumo à Santidade que é o aperfeiçoamento de nossas características Divinas.

É portanto necessário permanecer na Igreja e nas promessas de Deus para podermos realmente viver aquilo que nos foi proposto no Batismo.

Isto seria semelhante a termos recebido um cheque de um milhão de reais assinado por Deus, porém ter um cheque assinado e preenchido com um milhão de reais não quer dizer que você tenha um milhão de reais, só quer dizer que lá no banco tem um milhão que será seu se você for lá buscá-lo, o Batismo no Espírito Santo então seria o exato momento em que você recebe do banco este dinheiro que lhe pertence.   Não é mais apenas uma promessa ou algo que irá acontecer no futuro, mas algo concreto em suas mãos naquele exato instante.

O Sacramento da Confirmação ou Crisma, tem todos os elementos que configuram o Batismo no Espírito Santo, porém a Igreja não o define como sendo exatamente o que está descrito na Bíblia, o Crisma segue os Atos dos Apóstolos descrito no (Cap. 8,15) que após o Pentecostes ou a primeira experiência do Batismo no Espírito Santo, tornou-se a maneira comum de se confirmar a fé e o Batismo daqueles que estavam realmente vivendo as palavras de Jesus na Igreja.



São Paulo em muitas ocasiões nos exorta a permanecer em oração buscando sempre estar cheios do Espírito Santo como um Pentecostes permanente, nos Atos dos Apóstolos também mostra que depois do primeiro Pentecostes em muitas outras ocasiões aquele fato se repetiu, quando unidos em oração pediram para se encher novamente com a presença de Deus, portanto também se tornou uma prática da Igreja momentos de oração e de louvor onde se invocava a presença do Espírito Santo visando buscar novamente uma nova imersão naquele grande amor do Pai.  Isto nunca foi considerado uma repetição do Sacramento nem um segundo ou até mesmo um outro oitavo Sacramento e sim apenas uma permanência no mesmo Sacramento.

Podemos comparar este fato com aquele milhão que você recebeu no Banco, certamente andando pelo mundo com um milhão de reais no bolso, você provavelmente gastaria alguma coisa, talvez até perdesse algumas notinhas de Real por aí, este momento de oração para se manter cheio do Espírito Santo seria como se aquele cheque que você recebeu continuasse tendo o mesmo valor, e toda  vez que você voltasse ao Banco receberia todo aquele dinheiro novamente, é isto que nós cremos e era isto que os Apóstolos buscavam e recebiam naquelas reuniões de oração, não somente se completavam como transbordavam do Espírito de Deus, Jesus exemplificava isto dizendo que, quanto mais nós repartíssemos, mais teríamos para repartir, portanto não distribuir seu milhão, não iria economizá-lo, porque você sempre receberia o dobro daquilo que distribuiu.


  • Dai, e dar-se-vos-á. Colocar-vos-ão no regaço medida boa, cheia, recalcada e transbordante, porque, com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também.

(São Lucas 6,38)



Recebestes de graça, de graça dai!


Assim também a Parábola do filho Pródigo nos diz a mesma coisa, aquele filho saiu pelo mundo e gastou todo o seu dinheiro, mas quando voltou para a fonte que era a casa do Pai, recebeu tudo de volta.

Tudo o quê ?

Ele já não havia gasto toda a sua parte da herança ?

Permanecei em Mim e eu permanecerei em vós …

Enchei-vos do Espírito Santo …

Se vivemos pelo Espírito, andemos também de acordo com o Espírito. (Gálatas 5,25)

Buscai as coisas lá do alto,

Vemos através destes textos acima que era muito mais do que normal esta exortação de permanecer sempre buscando a plenitude da graça de Deus ou se manter sempre cheio do Espírito Santo, Batizado, coberto, Purificado, lavado, mergulhado, plenamente submerso, repleto e acima de tudo Fonte desta mesma graça.

Enquanto que no Batismo de João, o Batizado saia da água para uma nova vida, no Batismo no Espírito Santo a proposta seria uma permanência continua na submersão desta água viva que é o Espírito Santo de Deus, portanto um Batismo permanente, porque Ele não nos sufoca ou afoga tirando a nossa vida e sim nos dá uma vida plena em abundância, mas já que o cotidiano não nos permite esta continuidade, convém sempre que possível voltarmos ao mergulho no Amor de Deus para recuperarmos a plenitude.  Os Sacramentos, as reuniões em comum “Missas”, as orações e outras atividades são instrumentos para podemos alcançar esta plenitude.


Por favor não leve esta foto ao pé da letra é apenas figuração.


Seria mais ou menos isso, mas não dentro d’água e sim envolto completamente pelo Espírito Santo de Deus.

Batismo como o primeiro Sacramento.



http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120 http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/frutos-do-espirito.jpg?w=130&h=120 //mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

Inicia-se o Ano da Fé.

Neste próximo dia 11 de Outubro a Igreja iniciará o Ano da Fé.



O Papa Bento XVI celebrará o 50º aniversário do Concílio Vaticano II, uma ruptura histórica em dois mil anos de cristianismo, e tentará dar um novo impulso à Igreja com o lançamento do Ano da Fé.

Para comemorar o Concílio inaugurado em 11 de outubro de 1962, o Papa convocou dois eventos: um sínodo de bispos sobre a “nova evangelização”, que será inaugurado no domingo, e a proclamação de um “Ano da Fé”.

Bento XVI insistiu na continuidade da Igreja pós-Concílio em harmonia com a tradição, insistindo que “a liturgia não pode ser modificada apenas pela comunidade ou especialistas e sim deve ser fiel às formas da Igreja universal”.

Segundo os estudiosos, para o Papa alemão, o Concílio Vaticano II sofreu inúmeros desvios e não deu todos os frutos que deveria, mas continua sendo para a Igreja Católica o principal acontecimento das últimas décadas.

O 21º Concílio da história católica permitiu a abertura de uma instituição imóvel em relação às realidades do mundo e permitiu um “aggiornamento” (“modernização”) sem precedentes da Igreja, segundo o termo escolhido pela pessoa que o convocou, João XXIII.Dirigido pelo chamado “Papa Bom” e depois por Paulo VI, o Concílio trouxe consigo várias mudanças, entre elas a missa em idiomas vernáculos, a liberdade religiosa, a colaboração com outros credos cristãos e o respeito absoluto de outras religiões.

A CNBB Esclarece como se deve Utilizar as Palmas na Santa Missa.



Palmas na missa: sim ou não?

(Por Pe Rafael Fornasier – Julho de 2010)

Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida,  Bioética e a Família, da CNBB. 



Podemos Bater Palmas Na Missa ! < outro Post

A questão do respeito à liturgia da Igreja tem atualmente suscitado vários debates sobre temas como procissão, adoração ao Santíssimo Sacramento, cantos, missas tridentinas, manifestação de carismas extraordinários etc. Obviamente que tais temas não estão todos no mesmo nível ou no mesmo grau de valor, quando se refere a uma maior ou menor adequação às normas litúrgicas da Igreja. É o caso do questionamento que se pode levantar sobre BATER PALMAS durante a celebração da missa.

Antes de se tentar fazer brevemente aqui algumas considerações no tocante ao respeito da liturgia da Igreja, o que se pode dizer sobre as palmas em si?

Já há muito que, em tantas culturas – por que não dizer em todas, mesmo se com maior ou menor freqüência – se expressa os afetos com as palmas. Para manifestar entusiasmo e motivação ou para entusiasmar e motivar, as palmas são usadas de forma rítmica ou não.

Grandes aclamações de personalidades públicas, apresentações artísticas ou o simples fato de reconhecer algo bem feito, são acompanhados de palmas como sinal de ovação, reverência ou reconhecimento.

O ritmo de cantos e danças muitas vezes se inicia com palmas ou as gera. E até mesmo uma boa e sã gargalhada às vezes é completada com palmas, na exteriorização corporal das emoções. Este gesto que consiste em bater uma mão contra a outra, produzindo um som não é tão anódino quanto parece. Ademais, muito se poderia discorrer sobre quanto significado há as mãos. No contexto bíblico, deparar-se-á com um grande número de expressões que empreguem a “mão”, muitas vezes personificada, a fim de designar a intenção mais profunda do próprio sujeito agente. Assim as mãos são levantadas para exprimir a atitude de oração (cf. 2Mac 3,20; 1Tm 2,8) Encontrar-se-ão as palmas de aclamação a um rei (cf. 2R 11,11); o profeta bate palmas enquanto profetiza (cf. Ez 21,19); há também as palmas de censura e reprovação dos atos (cf. Ez 6,10; Lm 2,15); e até Deus bate palmas (cf. Ez 21,22)! Num hino de louvor, a natureza é convidada a exultar de alegria com as palmas (cf. Is 55,12; Sal 97,8), antropomorfismo que revela suas verossímeis raízes na liturgia do povo. Diz o salmo 46 (tradução da Bíblia Ave Maria): Ao mestre de canto. Salmo dos filhos de Coré. Povos, aplaudi com as mãos, aclamai a Deus com vozes alegres, porque o Senhor é o Altíssimo, o temível, o grande Rei do universo. Ele submeteu a nós as nações, colocou os povos sob nossos pés, escolheu uma terra para nossa herança, a glória de Jacó, seu amado. Subiu Deus por entre aclamações, o Senhor, ao som das trombetas. Cantai à glória de Deus, cantai; cantai à glória de nosso rei, cantai. Porque Deus é o rei do universo; entoai-lhe, pois, um hino! Deus reina sobre as nações, Deus está em seu trono sagrado. Reuniram-se os príncipes dos povos ao povo do Deus de Abraão, pois a Deus pertencem os grandes da terra, a ele, o soberanamente grande. Portanto, isto deixa entrever uma liturgia celebrada alegremente pelo povo de Israel, com instrumentos, ritmos, aclamações, na qual o corpo também está bastante envolvido. Tal fato se confirma em outros textos bíblicos (cf. 1Cr 16, 42; 1Cr 23,5; 2 Cr 7, 6; 2Cr 30,21; ). Seria fastidioso citar aqui todos os textos que mencionam os músicos, os corais, os instrumentos e os cânticos, através dos quais a alegria da música hebraica se traduz, dando lugar também aos afetos e sentimentos de todos os tipos e assumindo os gestos corporais.

Significativo é o texto de 2S 6,5: “Davi e toda a casa de Israel dançavam com todo o entusiasmo diante do Senhor, e cantavam acompanhados de harpas e de cítaras, de tamborins, de sistros e de címbalos”.   Seria difícil não imaginar o uso das palmas em tais celebrações.

Certamente que a liturgia da Igreja não é a mesma da época de Davi e do povo de Israel. Contudo, a liturgia da Igreja assumiu muitos traços das celebrações hebraicas, mantendo com estas uma grande semelhança nos primeiros séculos. Na época apostólica, para a celebração litúrgica, “se fala também de louvor de Deus, e oração de intercessão. Aqui se vê a continuidade com a tradição sinagogal que, no culto sabatino, faz uso das berakot (= orações de bênçãos) no contexto da leitura da Palavra de Deus e da sua explicação; Jesus era habituado a frequentar esta liturgia na sinagoga em dia de sábado (Lc 4,16-21)”

1. O questionamento, que se fará necessário, concerne não somente a história da liturgia, mas também a história da música sacra. Pois assim como a liturgia cristã teve suas influências sinagogais e seu desenvolvimento no encontro com outras culturas, assim também a música se desenvolverá e passará por diferentes estilos ao longo da história do culto cristão. Talvez, em certos momentos da história, um determinado estilo musical tenha sido mais valorizado na liturgia do que outros. Porém, na Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium, percebe-se que, ainda que o canto gregoriano tenha uma grande estima, não há nenhum estilo musical concreto que possa ser mais sacro do que outros, aprovando e aceitando “no culto divino todas as formas autênticas de arte, desde que dotadas das qualidades requeridas” (SC 112).

Ainda que haja palmas para diferentes situações, como já foi acima mostrado, é no âmbito da música litúrgica que justamente elas poderão assumir uma razão de ser e um sentido, os quais não ofendem a liturgia da Igreja em suas rubricas, e menos ainda o centro do mistério celebrado. Ademais isto também não significa que se estaria a forçar uma introdução das palmas no rito romano ou que se precisaria de uma autorização expressa, haja vista que os documentos da Igreja já dão uma margem para tanto.



Como se justificaria isto?

Já no início da parte da SC que trata da música (cf. 112) percebemos esta abertura a uma forma musical que, por seus aspectos culturais que englobam o ritmo e os gestos corporais, seria propensa a admitir as palmas em certas partes da celebração da missa, ato litúrgico por excelência. Quando o documento Musicam Sacram, de 1965, trata da participação do povo na liturgia ele diz o seguinte no n. 15: Esta participação:

a)     Deve ser antes de tudo interior; quer dizer que, por meio dela, os fiéis se unem em espírito ao que pronunciam ou escutam e cooperam com a graça divina.

b) Mas a participação deve ser também exterior; quer dizer que a participação interior deve expressar-se por meio de gestos e atitudes corporais, pelas respostas e pelo canto. Eduquem-se também os fiéis no sentido de se unirem

1 – GIGLIONI, Paolo, Introduzione alla liturgia, cap. 4, in Congregação para o Clero – Smart CD (BibliotecaLiturgia) 2001. Tradução nossa. interiormente ao que cantam os ministros ou o coro, de modo que elevem os seus espíritos para Deus, enquanto os escutam

2 .  Seria um erro pensar que dentre estes gestos corporais estariam as palmas, particularmente em certas culturas, nas quais os gestos assumem um papel relevante? Parece que a CNBB entende que não. Para uma cultura mestiça como a do povo brasileiro, repleta de elementos indígenas, europeus e africanos, o texto de um estudo da CNBB (n. 79) admite palmas como fazendo parte da liturgia. Por exemplo, para as aclamações, como participação do povo, devem ser incentivadas e mais variadas, através do canto, das palmas ou dos vivas

3 .  Ou ainda, para a acolhida inicial, “oportunamente, gestos da assembléia poderão intervir, por exemplo, acolher-se mutuamente através de saudações aos vizinhos, bater palmas, dar vivas em honra ao Cristo Ressuscitado, a Nossa Senhora, ao Padroeiro(a), em dia de festa etc.”

4 . Poder-se-ia objetar afirmando que os textos não tratam da música. Todavia, quando se procura interpretar o que o texto da SC diz nos números 118 e 119, deduz-se que haveria possibilidade de um acompanhamento do canto com as palmas. No n. 118, o Concílio afirma que se deve promover “muito o canto popular religioso, para que os fiéis possam cantar tanto nos exercícios piedosos e sagrados como nas próprias ações litúrgicas, segundo o que as rubricas determinam”. Entenda-se o canto popular religioso como aquele que assume os traços da música popular de um país, com seus ritmos, harmonias e melodias característicos.

Ora, em várias tradições populares da música brasileira e de tantos países, encontra-se o acompanhamento das palmas.

O número seguinte do documento acrescenta: “há povos com tradição musical própria, a qual tem excepcional importância na sua vida religiosa e social. Estime-se como se deve e dê-se-lhe o lugar que lhe compete, tanto na educação do sentido religioso desses povos como na adaptação do culto à sua índole, segundo os art. 39 e 40”. Portanto, o ensinamento conciliar já previa e incluía as diferentes tradições musicais – reconhecidas pelas autoridades eclesiásticas territoriais competentes – que certamente englobam variadas formas de expressões corporais. Por outro lado, há uma grande necessidade de formação litúrgica, a fim de evitar os excessos, como por exemplo, as palmas em momentos indevidos ou o incentivo exagerado às mesmas. Uma boa formação litúrgica atentará para o bom senso, à harmonia, à sobriedade e ao decoro, de tal forma que as manifestações exteriores na participação da celebração da missa não sobrepujem a adesão e a atenção interiores requeridas como primordiais.  Desde modo, conhecendo bem as características dos cantos que acompanham as distintas partes da celebração eucarística, evitar-se-á, por exemplo, palmas acompanhando o canto de comunhão, cuja índole é mais meditativa. Mesmo com a aprovação da CNBB, também as aclamações com palmas devem ser empregadas com parcimônia. Melhor seria reservá-las para os domingos “festivos”, solenidades ou nos momentos de grandes encontros de uma diocese. Assim como os músicos recebem uma formação musical no tangente à unidade e harmonia do conjunto, toda a assembléia também pode e deve estar atenta à este aspecto no tocante às palmas. Normalmente, um instrumento de ritmo tem seus momentos fortes e fracos,

2 Ver também n. 30 da SC.

3 Cf. CNBB, Animação Litúrgica no Brasil, estudos n. 79, 1984, n. 209.

4 Ibid., n. 244. assim como os outros instrumentos. Todos assumem uma justa medida de intensidade e volume que é prevista pela partitura. Isto também faz parte da harmonia e da estética musical.  Quando se trata de palmas, que compõem o conjunto celebrativo-musical, o discurso é  análogo. Portanto, será de grande proveito para a beleza da celebração litúrgica uma educação quanto ao emprego das palmas. Será, algumas vezes, uma situação de crescimento mútuo,  haja vista que se um irmão ou irmã está batendo palmas exageradamente, de modo descompassado ou em momentos inoportunos, uma gentil correção será oportuna.

Por fim, resta lembrar que as palmas não são obrigatórias e por isso nunca devem ser impostas a ninguém. O acolhimento de uma comunidade velará para que todos se sintam à  vontade e não em situações desconfortáveis durante as celebrações. A caridade manifestada no acolhimento e no desejo de fazer os outros participarem ativamente da celebração, deve caminhar junto com a necessidade de acolher o mistério vivido e celebrado através do culto oferto na e pela Igreja.

Pe Rafael C. Fornasier

Obs. do Blog. Padre Rafael finaliza este texto dizendo que as Palmas apesar de poderem fazer parte do culto litúrgico não devem ser impostas obrigatoriamente ao povo, isto porque quando este texto foi escrito não havia ainda o costume de se usarem palmas na Santa Missa, mas com o tempo o povo foi se acostumando e aceitando este fato sem nenhuma opressão e agora movimentos anti-vaticano II querem retroceder o espaço que a Liturgia avançou nestes anos todos pós Conciliar e atacam radicalmente a abertura que se deu à inculturação do canto litúrgico com o ato de cadenciar o rítimo com palmas, o que facilita em muito a participação do publico na execução de uma musica em louvou a Deus.  Eu aproveitaria aqui esta frase anterior de Pe. Rafael dizendo que: assim como não podemos obrigar os tradicionalistas a baterem palmas em suas celebrações, esperamos também que eles não imponham a sua vontade sobre os demais Católicos proibindo-os de se alegrarem nas celebrações e principalmente impedindo-os de baterem palmas com justificativas infundadas de que isto tornaria a Santa Missa um culto pagão ou simplesmente se assemelhariam à um culto evangélico.   Lamentavelmente eu gostaria de dizer ainda que:  Não é porque evangélicos batem palmas em seus cultos que nós Católicos estaríamos impedidos de bater palmas em nossas Missas e assim como existe esta diferenciação em nossas celebrações, no meio evangélico também existem cultos em que é expressamente proibido bater palmas e só é permitido que se toque um piano como acompanhamento musical, sendo assim, se bater palmas é ser protestante, aquele que não bate palma se assemelha aos protestantes tradicionais que proíbem o povo de bater palmas ou tocar qualquer instrumento musical no culto e o seu discurso é exatamente o mesmo que dos Tridentinos Católicos.

[1] Giglioni, Paolo, Introduzione alla liturgia, cap. 4, in Congregação para o Clero – Smart CD (Biblioteca-Liturgia) 2001. Tradução nossa.

[2] Ver também n. 30 da SC.

[3] Cf. CNBB, Animação Litúrgica no Brasil, estudos n. 79, 1984, n. 209.



Amar é a primeira e a ultima opção.

Ao corrigir o irmão, a primeira regra é o amor.

Comentário do Pe. Cantalamessa sobre a liturgia dominical.

XXIII Domingo do Tempo Comum

Ezequiel 33, 7-9; Romanos 13, 8-10; Mateus 18, 15-20

Se teu irmão chegar a pecar…

No Evangelho deste domingo lemos: «Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: ‘Se teu irmão chegar a pecar, vai e repreendê-o, a sós tu e ele. Se te escutar, terás ganhado um irmão’». Jesus fala de toda culpa; não restringe ao campo apenas do que se comete contra nós. Neste último caso, de fato, é praticamente impossível distinguir se o que nos move é o zelo pela verdade ou nosso amor próprio ferido. Em todo caso, seria mais uma autodefesa que uma correção fraterna. Quando a falta é contra nós, o primeiro dever não é a correção, mas o perdão.

Por que Jesus diz: «repreende-o a sós»? Antes de tudo, por respeito ao bom nome do irmão, à sua dignidade. O pior seria pretender corrigir um homem na presença da sua esposa, ou uma mulher na presença do seu marido; um pai diante de seus filhos, um professor na presença dos seus alunos, um superior diante dos seus subordinados. Isto é, na presença das pessoas cujo respeito e estima para alguém importa mais. O assunto se converte imediatamente em um processo público. Será muito difícil que a pessoa aceite de bom grado a correção.

Ele diz «a sós tu e ele» também para dar à pessoa a possibilidade de defender-se e explicar sua própria ação com toda liberdade. Muitas vezes, com efeito, aquilo que para um observador externo parece uma culpa, na intenção de quem a cometeu não o é. Uma explicação sincera dissipa muitos mal-entendidos. Mas isso deixa de ser possível quando o tema é conhecido por muitos.

Quando por qualquer motivo não é possível corrigir fraternalmente, a sós, na presença da pessoa que errou, há algo que se deve evitar absolutamente: a divulgação, sem necessidade, da culpa do irmão, falar mal dele ou inclusive caluniá-lo, dando por provado aquilo que não o é ou exagerando a culpa. «Não faleis mal uns dos outros», diz a Escritura (Tiago 4, 11). A fofoca não é menos mal ou menos grave só porque agora é chamada de «gossip».

Uma vez uma mulher foi se confessar com São Felipe Néri, acusando-o de ter falado mal de algumas pessoas. O santo a absolveu, mas lhe pôs uma estranha penitência. Disse-lhe que fosse para casa, pegasse uma galinha e voltasse onde ele estava, depenando-a pouco a pouco ao longo do caminho. Quando esteve novamente diante dele, ele lhe disse: «Agora volta para casa e recolhe uma por uma das penas que deixaste cair quando vinhas para cá». A mulher lhe mostrou a impossibilidade: o vento as havia dispersado. Aí é onde queria chegar São Felipe. «Vês – disse-lhe – que é impossível recolher as penas uma vez que o vento as levou? Da mesma forma é impossível retirar murmurações e calúnias, uma vez que saíram da boca.»

Voltando ao tema da correção, deve-se dizer que nem sempre depende de nós o bom resultado ao fazer uma correção (apesar de nossas melhores disposições, o outro pode não aceitar, obstinar-se); contudo, depende sempre e exclusivamente de nós o bom resultado… ao receber uma correção. De fato, a pessoa que «cometeu a culpa» bem poderá ser eu e quem corrige ser o outro: o marido, a mulher, o amigo, o irmão de comunidade ou o padre superior.

Em resumo, não existe só a correção ativa, mas também a passiva; não só o dever de corrigir, mas também o dever de deixar-se corrigir. Mais ainda: aqui é onde se vê se alguém amadureceu o bastante como para corrigir os demais. Quem quer corrigir o outro deve estar disposto também a deixar-se corrigir. Quando vês alguém receber uma observação e responder com simplicidade: «Tens razão, obrigado por ter me dito isso!», admira-o: estás diante de um autêntico homem ou de uma autêntica mulher.

https://i0.wp.com/sp8.fotolog.com/photo/24/22/13/cheetosya/1293721914154_f.jpg

O ensinamento de Cristo sobre a correção fraterna deveria ser lido sempre junto ao que Ele disse em outra ocasião: «Como olhas o cisco no olho do teu irmão e não vês a trave que há em teu? Como podes dizer a teu irmão: ‘Irmão, deixa que tire o cisco que há em teu olho’, não vendo tu mesmo a trave que há no teu?» (Lc 6, 41s.).

O que Jesus nos ensinou sobre a correção pode ser também muito útil quanto à educação dos filhos. A correção é um dos deveres fundamentais do progenitor: «Que filho há a quem seu pai não corrige?» (Hb 12, 7); e também: «Endereça a planta enquanto está terna, se não queres que cresça irremediavelmente torcida». A renúncia total a toda forma de correção é um dos piores serviços que se pode fazer aos filhos e hoje infelizmente isso é freqüentíssimo.

Só se deve evitar que a própria correção se transforme em um ato de acusação ou em uma crítica. Ao corrigir, deve-se circunscrever a reprovação ao erro cometido, não generalizá-la, rejeitando toda a pessoa e sua conduta. Mais ainda: aproveitar a correção para pôr em primeiro plano todo o bem que se reconhece no jovem e o muito que se espera dele, de maneira que a correção se apresente mais como um estímulo que como uma desqualificação. Este era o método que São João Bosco usava com seus jovens.

Não é fácil, em casos individuais, compreender se é melhor corrigir ou deixar passar, falar ou calar. Por isso, é importante levar em conta a regra de ouro, válida para todos os casos, que o Apóstolo dá na segunda leitura: «Com ninguém tenhais outra dívida que a do amor mútuo… O amor não faz mal ao próximo». Agostinho sintetizou tudo isso na máxima «Ama e faze o que queres». É preciso garantir antes de tudo que haja no coração uma disposição fundamental de acolhida para da pessoa. Depois, o que se decida fazer, seja corrigir ou calar, estará bem, porque o amor «jamais causa dano a ninguém».


Fonte: Notícias RTP.PT – Portugal.

http://tv1.rtp.pt/noticias/?t=Pregador-oficial-do-Papa-Bento-XVI-pede-desculpas.rtp&article=333432&visual=3&layout=10&tm=7


Jesus é Misericordioso

Bento XVI restaura a comunhão de joelhos.



Diante de 70 mil pessoas, o papa Bento XVI fez história domingo durante a celebração de uma missa em Brindisi, cidade situada na região sudoeste da Itália. No momento da comunhão, o pontífice restaurou o costume de entregar a hóstia consagrada aos fiéis ajoelhados. Apenas os diáconos puderam comungar de pé, diante do líder da Igreja. O gesto, de forte apelo simbólico, resgatou uma tradição abandonada havia 43 anos, quando a reforma litúrgica definida pelo Concílio Vaticano II determinou que os peregrinos receberiam a hóstia de pé e nas mãos. A partir de agora, todos os católicos escolhidos pela Santa Sé para a comunhão com o papa terão de se ajoelhar diante de um reclinatório e receber a eucaristia diretamente na boca.

Bento XVI já havia feito o mesmo na missa de 22 de maio, celebrada na Igreja de São João Latrão, em Roma. Como o número de fiéis presentes era menor, a atitude teve pouca ou quase nenhuma repercussão. ‘‘Nós, os cristãos, nos ajoelhamos diante do Santíssimo Sacramento (a hóstia) porque, nele, sabemos e acreditamos estar na presença do único e verdadeiro Deus’’, afirmou o papa, naquela ocasião. ‘‘Estou convencido da urgência de dar novamente a hóstia diretamente na boca aos fiéis, sem que a toquem, e de voltar à genuflexão no momento da comunhão como sinal de respeito’’, acrescentou.

A assessoria de imprensa da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirmou ao Correio que ainda não recebeu qualquer comunicado do Vaticano sobre a inclusão dos 125 milhões de brasileiros católicos na mudança litúrgica. ‘‘Resta saber se essa é uma norma ou uma orientação do Santo Padre’’, declarou a entidade. Ainda que a determinação valha apenas para fiéis que comungarem diretamente das mãos do pontífice, ela reforça a tendência de Bento XVI em recuperar partes mais tradicionalistas do ritual, que caíram em desuso com o tempo.

Em três anos de pontificado, o papa manteve-se fiel ao antigo cargo de prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé: condenou o casamento homossexual e o aborto e exigiu que as pesquisas genéticas respeitem a vida. Mas a medida mais surpreendente até então foi o relançamento da missa em latim, com base no rito tridentino (em que o sacerdote fica de costas para os fiéis e faz a celebração no idioma milenar). Em vigor desde 14 de setembro, a norma foi bem recebida pela área mais conservadora da Igreja Católica.

Fonte: Biblia Católica On Line

18 junho 2008 Autor: Bíblia Católica | Postado em: Igreja

Fonte: Diário de Natal

Poste Anterior:


Há “coisas antigas e coisas novas” que pertencem ao mesmo tesouro da Igreja de sempre .

Antes de meditar nos temas

É Bom meditar em VALOR !





O segredo das Línguas estranhas.


Como a limitação humana pode conhecer toda linguagem que já exixtiu neste mundo ?


São Marcos

        15. E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura. 16. Quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. 17. Estes milagres acompanharão os que crerem: expulsarão os demônios em meu nome, falarão novas línguas, 18. manusearão serpentes e, se beberem algum veneno mortal, não lhes fará mal; imporão as mãos aos enfermos e eles ficarão curados.  19. Depois que o Senhor Jesus lhes falou, foi levado ao céu e está sentado à direita de Deus. 20. Os discípulos partiram e pregaram por toda parte. O Senhor cooperava com eles e confirmava a sua palavra com os milagres que a acompanhavam.

(São Marcos, 16, 15 a 20)


E Jesus se elevando para o céu

à vista de todos disse:


7…..

        7. Não vos pertence a vós saber os tempos nem os momentos que o Pai fixou em seu poder, 8.  mas descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria e até os confins do mundo.

(Atos 2, 7-8)



ESTUDOS CIENTÍFICOS

Estas foram as últimas palavras pronunciadas por Jesus ao se despedir de seus Discípulos deixando em suas mãos estas recomendações para continuar a sua obra neste mundo.

Jesus já não estaria mais presente entre nós, mas enviaria o Espírito Santo dentro de poucos dias, para lhes dar poder e ousadia em tudo que deveriam realizar.

Jesus já não poderia mais realizar tudo aquilo que realizava, indo às multidões, curando, ressuscitando mortos, perdoando os pecados e levando o evangelho do Reino de Deus aos pequeninos, mas como antes, os discípulos sozinhos nem sempre alcançavam o objetivo proposto por Jesus e acabavam dormindo, barrados pela tempestade ou até mesmo fracassando, Jesus então usa da palavra para lhes confirmar que além daquelas coisas que Ele costumava fazer, outras coisas bem maiores do que aquelas eles deveriam realizar desde que realmente acreditassem n’Ele de todo coração. Claramente podemos entender que estas palavras foram ditas antes do dia de Pentecostes como uma previsão do que viria após o cumprimento da Promessa do Pai.

Gostaria de falar hoje apenas de uma destas coisas que aconteceriam e que não faziam o menor sentido para aqueles que estavam ouvindo Jesus naquele exato momento.

Falareis novas Línguas…

Você bem sabe o quanto é difícil estudar uma outra língua no mundo de hoje, imagine o quanto era mais difícil ainda falar uma outra língua diferente naquela época, já que não existiam escolas e nem profesores, poucos eram os mestres e muito tempo deveria ser dedicado para que alguém aprendesse falar outra língua com fluência. Se nos referissemos àqueles homens “rudes” que seguiam Jesus então, que na sua grande maioria eram apenas pescadores e não homens cultos e de boa formação acadêmica, se bem que Jesus também chamou pessoas deste nível, mas que não ouviram o seu chamado, logo, quem deveria falar aos estrangeiros seria mesmo os pescadores que mal sabiam falar sua própria língua.

A proposta do Pai era levar o evangelho a todo ser vivo, sair das fronteiras de Israel, já que a promessa da “NOVA ALIANÇA” se estenderia não somente aos Judeus, mas englobava como um enxerto à videira as outras nações que antes eram consideradas como “Excluídas” e como filhos pródigos sem direito aos Dons Divinos.

Para executar este plano, os discípulos de Jesus deveriam sair de Jerusalém e testemunhar às nações que não lhes entenderiam, já que falavam aramaico e não a linguagem natural de outros povos, isto seria uma grande barreira, pior do que a tempestade que Jesus acalmou, mas para este problema Jesus já tinha a solução e já comunicava aos Discípulos que eles iriam FALAR NOVAS LÍNGUAS.

Como ? e Por que ?

O Porque deve ter ficado claro nesta abertura acima, uma vez que era a vontade de Deus que a mensagem de Jesus se espalhasse pela Terra e a todas as nações e línguas sem acepção de nenhuma delas até alcançar a todo ser humano que vive sobre a Terra, certamente para se chegar a esse objetivo, deveríamos falar a língua daquelas nações para onde iríamos pregar e ensinar a palavra de Deus.

Nenhum deles, porém, poderia imaginar como isto iria acontecer, no entanto ninguém ousou interpelar Jesus com a pergunta duvidosa semelhante aquela de Nicodemos, “como pode um homem velho entrar no seio de sua mãe e nascer de novo?”, também ninguém ousou dizer o que São Tomé disse a São Pedro “Eu só acredito Vendo!”, ou talvés com uma nova indagação, “só quero saber como !”. Se eu nunca fui a uma escola, não sei ler, nem escrever, muito menos falarei uma língua diferente da minha! Até mesmo para este texto Deus já tinha dado uma resposta no passado, quando o Profeta Jeremias se justificou dizendo ser apenas uma criança que nem sabia falar, Deus lhe respondeu prontamente dizendo: “Não digas isto, porquanto irás procurar todos aqueles aos quais te enviar, e a eles dirás o que eu te ordenar.”.

Podemos também incluir o Profeta Ezequiel como um bom exemplo, pois o mesmo ficou totalmente mudo logo após ouvir o chamado do Senhor, se você hoje conhece a mensagem de Ezequiel, foi porque contornando a sua mudez ele escrevia tudo que via e toda a vontade de Deus para o povo de Israel.

Em obediência a Jesus todos ficaram no Cenáculo em Jerusalém esperando o cumprimento das promessas Divinas, promessas que foram feitas mais de 500 anos antes, e sabe-se lá por quanto tempo ainda teriam que esperar ?

Lá estavam todos reunidos no Cenáculo, esperando algo que nem imaginavam, enquanto a cidade se enchia de Judeus provenientes de varias regiões proximas a Israel que vinham cumprir seus preceitos religiosos perante Deus no lugar onde se deveria adorar e fazer as suas ofertas como convinha a todos aqueles que amavam o Senhor.

Portanto eram pessoas fiéis e dispostas a observar a vontade de Deus que se achegavam das extremidades da terra para o centro onde estava o Senhor todo Poderoso.

Quando chegou o dia exato da principal festa dos Judeus, momento em que todos já estavam reunidos em torno do “CENTRO” veio o vento impetuoso e as chamas que repousaram sobre aqueles que estavam em oração esperando o cumprimento das promessas, o resultado foi um despertar e o aparecimento deste falar em Línguas diferentes e que todos movidos por um impulso interior começaram a pregar e anunciar o evangelho em diversas línguas diferentes que foram enumeradas por São Pedro nos Atos dos Apóstolos 2, 8 a 12.



Este foi o primeiro passo da Igreja após o retorno de Jesus para o céu, claramente um primeiro passo dado na direção de se alcançar pessoas que não estavam ali onde Jesus viveu, alcançar pessoas que Jesus não havia alcançado com seus milagres e levar enfim a palavra de Deus a todos os cantos da terra, já que o principal impecilho “a linguagem” não existia mais, porque Deus lhes deu um Dom que economizou anos de escola e em um só momento conquistou mais de cinco mil pessoas de diversas nações e lugares diferentes que já se tornaram uma “espécie” de semente lançada ao vento que iriam produzir fruto bem distante daquele lugar que até aquele dia era o centro do universo.

Passado aquele primeiro momento, porém, podemos perceber que estes mesmos discípulos não se afastaram muito deste centro e permaneciam ali mesmo pregando e ensinado os próprios Judeus, muitos dos quais haviam conhecido Jesus enquanto estava vivo. Alguns até achavam que só deveriam levar a salvação somente a seu próprio povo, mas mesmo assim a Igreja crescia e se desenvolvia se espalhando entre o povo, era uma nova maneira de se viver na presença de Deus.

Mas, e o Dom de Línguas ?

Me perdoem, mas eu não me esqueci deste detalhe, afinal é o tema que estamos falando, muitas pessoas defendem que este Dom só teria se manifestado no dia de Pentecostes, outros dizem que Deus usou este Dom somente nos primeiros dias e nunca mais Ele teria ocorrido na Igreja, mas a verdade é que de tão normal que ele se tornou no princípio, que não precisava ficar se referindo a algo que acontecia rotineiramente no meio do povo Cristão, podemos comprovar isto quando São Pedro visita Cornélio em Atos 10, 46 e lá acontece o mesmo que aconteceu em Pentecostes com um homem que não era Judeu, tanto é, que isto foi motivo de espanto entre os “CIRCUNCISOS” vendo que o Espírito Santo “TAMBÉM” havia se manifestado em não Judeus ou pagãos como se dizia, já que não faziam parte do povo escolhido de Deus como aquela mulher Samaritana.

Quando São Paulo chegou a Éfeso pela primeira véz, encontrou doze homens já batizados com o batismo de São João e indagou deles sobre o Espírito Santo, do qual responderam que nada sabiam, ao serem batizados por São Paulo começaram a falar em Línguas e profetizar como os outros anteriormente, e estes homens nunca tinham ouvido falar sobre este assunto antes.

São Paulo dedicou três capitulos de sua primeira carta aos Corítios 12, 13 e 14 esclarecendo diversos assuntos sobre o uso de um Dom chamado Línguas e claramente durante todos estes anos era mais do que normal pessoas serem batizadas e receberem imediatamente o Dom de Línguas.

No entanto, São Paulo deixa bem claro que falar em Línguas não significa nada se nós não amarmos o nosso irmão como Jesus nos amou, porque Dom é um instrumento de uso imediato e passageiro e que na verdade não passa de algo terreno para uso terreno em edificação de uma comunidade, fora desse objetivo não teria nenhum valor ou função para o ser humano ou para Deus.

Nossos irmãos em Corítios cometiam diversos erros em relação ao uso do Dom de Línguas, por isso São Paulo lhes escreveu para corrigir os desvios e abusos que lá aconteciam.

Hoje podemos dizer que estamos sujeitos aos mesmos problemas que os Coríntios estavam; duvidar da veracidade do Dom, desenvolver falsos dons imitando o Dom verdadeiro, deixar o inimigo nos enganar com falsos Dons de Línguas, valorizar um Dom acima de outro Dom, expor o Dom de Línguas em locais impróprios, usar o Dom de Línguas sem nenhum objetivo e etc.

São Paulo começa nos revelando que os Dons são reais e verdadeiros e que somente o Espírito Santo pode nos dar, não nos pertence e nem servirá para nossa glória pessoal a não ser para a edificação da Igreja que não nos pertence e ainda deixa bem claro que quando a Igreja já estiver edificada de nada mais servirão, logo, enquanto a Igreja estiver na sua caminhada neste mundo os Dons continuam mais que necessários até que venha o grande Dia do Senhor e Ele arrebate a sua Imaculada Esposa “A Santa Igreja” para os Céus.

Na teoria é isto, na prática as coisas mudam de figura, porque precisamos aperfeiçoar a nossa maneira de agir e usar os Dons do Espírito Santo, para isso é que existe o Magistério e nossos pastores para auxiliar a Igreja a vivenciar estas maravilhas de Deus.

Li a poucos dias alguém dizendo que; enquanto o Papa não proibir o uso do Dom de Línguas, a RCC pode achar que esta certo fazer o que faz, mas ele não é obrigado a aceitar este Dom em sua vida e nem manifestar algo que não acredita, sendo assim ele não poderia contestar algo que o Magistério não contesta oficialmente mas se reserva o direito de ter a sua opinião particular sobre o assunto.

Esclarecendo o que ele disse na verdade, apesar da Igreja não ter se manifestado oficialmente contra o uso dos Dons Espírituais ele se reserva no direito de não aceitar estes Dons em sua vida, mas por respeito à autoridade do Papa se limitará em dizer que esta é uma opinião particular.

Eu vejo que a resistência e a insistência de varias alas da Igreja contra os Dons Espírituais diminue a cada dia, pois como poderemos combater algo que esteja escrito nas escrituras sagradas e aprovadas pelo Magistério da Igreja no passado como verdadeiramente inspiradas pelo Espírito Santo, nos resta apenas corrigir os erros e atitudes improprias daqueles que abusam por falta de conhecimento e ou por orgulho próprio mesmo, cometendo um grande pecado contra o Espírito Santo.

Como poderia eu dizer que a RCC é perfeita, primeiro seria uma grande mentira, depois a RCC só tem 42 anos de existência em que se redescobriu estes Dons que sempre estiveram presentes na Igreja e sempre à nossa disposição, mas que, por ignorância foram ficando desconhecidos e quase esquecidos, salvo que O Magistério Santo, preservou este conhecimento bem guardado nas escrituras sagradas e hoje podemos voltar a ser como os primeiros Cristãos foram, quando estavam totalmente apaixonados por Jesus e cheios do Espírito de Deus.

Dom de Línguas é apenas um detalhe desta história, um detalhe muito evidente que desafia o nosso orgulho intelectual, nosso conhecimento e a nossa sabedoria humana, no entanto, revela a sabedoria Divina, o pensamento íntimo do Pai na sua simplicidade de estar falando com um filho totalmente dependente de sua vontade.

Quem gostaria de perder um jogo de xadrês, ou uma partida de futebol? ninguém, não é mesmo? Mas, é o que acontece quando deixamos o Dom de línguas agir em nossos lábios e nossos corações, já que nosso intelecto não dirigi as palavras apesar de poder controla-las quando quiser, porém só farão efeito na Igreja as palavras não controladas que fluem de nossos lábios com o nosso consentimento e sem a nossa interferência. É complicado dizer isto e não ter uma fórmula para dizer como isso acontece, já que cada pessoa deverá aprender que somente ela pode abrir ou fechar a porta do seu coração e da mesma forma deixar fluir de seus lâbios uma mensagem Divina sem incluir as suas próprias palavras misturadas com as do Pai.

Somente a prática pode purificar nossos erros e nos dar o discernimento daquilo que realmente vem do Pai e não do homem, se impedirmos os Dons de Deus de se manifestarem em nosso meio, porque não os entendemos bem ou porque é melhor ficar com o que é sólido do que com é suspeito, jamais iremos aperfeiçoar o nosso discernimento e jamais poderemos dizer que sabemos com certeza que o mal não esteja nos vendendo gato por lebre ou nos oferecendo a morte em nome da sabedoria.

Vou terminar este texto com um conselho de São Paulo:

Aspirai aos dons superiores. E agora, ainda vou indicar-vos o caminho mais excelente de todos.

(I Coríntios 12,31)

Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.

(I Coríntios 13,1)

Assim, pois, irmãos, aspirai ao dom de profetizar; porém, não impeçais falar em línguas.

(I Coríntios 14,39)

http://www.katolik.pl/index1.php?st=artykuly&id=1502 – POLONES – PADRE PIO

Atos 1, 5 a 9



http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120
//mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/pentecostes-ico.jpg” contém erros e não pode ser exibida.

As duas faces do amor.

Amor Eros e ágape

Destaque do texto:

“… O amor sofre de uma separação nefasta não só na mentalidade do mundo secularizado, mas também, do lado oposto, entre os crentes e, em particular, entre as almas consagradas. Poderíamos formular a situação, simplificando ao máximo, assim: temos no mundo um eros sem ágape; e entre os crentes, temos frequentemente um ágape sem eros.”

Frei Raniero Cantalamessa
Pregador da Casa Pontifícia

25-03-2011- Primeira Pregação da Quaresma



1. As duas faces do amor


Com as prédicas desta Quaresma, eu gostaria de continuar o esforço, iniciado no Advento, de trazer uma pequena contribuição à reevangelização do Ocidente secularizado, que constitui nesta hora a preocupação principal de toda a Igreja e, em particular, do Santo Padre Bento XVI.

Há um âmbito em que a secularização age de maneira especialmente difusa e nefasta, e é o âmbito do amor. A secularização do amor consiste em separar o amor humano de Deus, em todas as formas desse amor, reduzindo-o a algo meramente “profano”, onde Deus sobra e até incomoda.

Mas o amor não é um assunto importante apenas para a evangelização, ou seja, para as relações com o mundo. Ele importa, antes de todo o mais, para a própria vida interna da Igreja, para a santificação dos seus membros. É nesta perspectiva que se situa a encíclica Deus caritas est, do Papa Bento XVI, e é nela que nós também nos colocamos para estas reflexões.

O amor sofre de uma separação nefasta não só na mentalidade do mundo secularizado, mas também, do lado oposto, entre os crentes e, em particular, entre as almas consagradas. Poderíamos formular a situação, simplificando ao máximo, assim: temos no mundo um eros sem ágape; e entre os crentes, temos frequentemente um ágape sem eros.

O eros sem ágape é um amor romântico, mas comumente passional, até violento. Um amor de conquista, que reduz fatalmente o outro a objeto do próprio prazer e ignora toda dimensão de sacrifício, de fidelidade e de doação de si. Não é preciso insistir na descrição desse amor, porque se trata de uma realidade que temos todo dia diante dos nossos olhos, propagandeada com estrondo pelos romances, filmes, novelas, internet, revistas. É o que a linguagem comum entende, hoje, com a palavra “amor”.

Para nós é mais útil entender o que significa ágape sem eros. Na música, existe uma diferenciação que pode nos ajudar a ter uma ideia: a diferença entre o jazz quente e o jazz frio. Eu li certa vez essa caracterização dos dois gêneros, mas sei que não é a única possível. O jazz quente (hot) é o jazz apaixonado, ardente, expressivo, feito de ímpetos, de sentimentos e, portanto, de improvisações originais. O jazz frio (cool) é o profissional: os sentimentos se tornam repetitivos, o estro é substituído pela técnica, a espontaneidade pelo virtuosismo.

Com base nessa distinção, o ágape sem eros é um “amor frio”, um amar parcial, sem a participação do ser inteiro, mais por imposição da vontade do que por ímpeto íntimo do coração. Um entrar num cenário predefinido, em vez de criar um próprio, realmente irrepetível, como irrepetível é cada ser humano perante Deus. Os atos de amor voltados para Deus parecem aqueles de namorados desinspirados, que escrevem à amada cartas copiadas de modelos prontos.

Se o amor mundano é um corpo sem alma, o amor religioso praticado assim é uma alma sem corpo. O ser humano não é um anjo, um espírito puro; é alma e corpo substancialmente unidos: tudo o que ele faz, amar inclusive, tem que refletir essa estrutura. Se o componente humano ligado ao tempo e à corporeidade é sistematicamente negado ou reprimido, a saída será dúplice: ou seguir adiante aos arrastos, por senso de dever, por defesa da própria imagem, ou ir atrás de compensações mais ou menos lícitas, chegando até os dolorosíssimos casos que estão afligindo atualmente a Igreja. No fundo de muitos desvios morais de almas consagradas, não é possível ignorá-lo: há uma concepção distorcida e retorcida do amor.

Temos, então, um duplo motivo e uma dupla urgência de redescobrir o amor na sua unidade original. O amor verdadeiro e integral é uma pérola encerrada entre duas conchas que são o eros e o ágape. Não podem ser separadas, essas duas dimensões do amor, sem destruí-lo, como o hidrogênio e o oxigênio não podem ser separados sem se privarem da água.



2. A tese da incompatibilidade entre os dois amores


A reconciliação mais importante entre as duas dimensões do amor é prática. É aquela que acontece na vida das pessoas, mas, para ser possível, ela precisa começar pela reconciliação entre o eros e o ágape inclusive teoricamente, na doutrina. Isto nos permitirá conhecer finalmente o que é que se entende por estes dois termos tão comumente usados e subentendidos.

A importância da questão nasce do fato de existir uma obra que popularizou em todo o mundo cristão a tese oposta da inconciliabilidade das duas formas de amor. É o livro do teólogo luterano sueco Anders Nygren, intitulado Eros e Ágape. Podemos resumir o pensamento dele nestes termos: eros e ágape designam dois movimentos opostos. O primeiro indica ascensão e subida do homem para Deus e para o divino como próprio bem e própria origem; o outro, o ágape, indica a descida de Deus até o homem com a encarnação e a cruz de Cristo, e, portanto, a salvação oferecida ao homem sem mérito nem resposta de sua parte, a não ser a fé e somente a fé. O Novo Testamento fez uma escolha precisa, usando, para exprimir o amor, o termo ágape, e refutando sistematicamente o termo eros.

Foi São Paulo quem recolheu e formulou com mais pureza essa doutrina do amor. Depois dele, ainda segundo a tese de Nygren, essa antítese radical se perdeu para dar lugar a tentativas de síntese. Assim que o cristianismo entra em contato cultural com o mundo grego e a visão platônica, já com Orígenes, há uma reavaliação do eros, como movimento ascensional da alma rumo ao bem e ao divino, como atração universal exercitada pela beleza e pelo divino. Nesta linha, o Pseudo Dionísio Areopagita escreverá que “Deus é eros” [1], substituindo com este termo o ágape da célebre frase de João (I Jo, 4,10).

No ocidente, uma síntese análoga foi feita por Agostinho com a doutrina da caritas, entendida como doutrina do amor descendente e gratuito de Deus pelo homem (ninguém falou da “graça” com mais força do que ele), mas também como anseio do homem pelo bem e por Deus. É dele a afirmação: “Fizeste-nos, Senhor, para ti, e inquieto está o nosso coração até descansar em ti” [2]. Também é dele a imagem do amor como um peso que atrai a alma, como por força de gravidade, para Deus, como ao lugar do próprio repouso e prazer [3]. Tudo isso, para Nygren, insere um elemento do amor de si, do próprio bem, e, portanto, de egoísmo, que destrói a pura gratuidade da graça; é uma recaída na ilusão pagã de fazer a salvação consistir numa ascensão a Deus, em vez de na gratuita e imotivada descida de Deus até nós.

Prisioneiros desta impossível síntese entre eros e ágape, entre amor de Deus e amor de si, são, para Nygren, São Bernardo, quando define o grau supremo do amor de Deus como um “amar a Deus por si mesmo” e um “amar a si mesmo por Deus” [4]; São Boaventura, com seu ascensional Itinerário da mente para Deus; e São Tomás de Aquino, que define o amor de Deus infuso no coração do batizado (cf. Rom, 5,5) como “o amor com que Deus nos ama e nos faz amá-lo” (amor quo ipse nos diligit et quo ipse nos dilectores sui facit) [5]. Isto viria a significar que o homem, amado por Deus, pode, por sua vez, amar a Deus, dar-lhe algo de seu, o que destruiria a absoluta gratuidade do amor de Deus. No plano existencial, ainda de acordo com Nygren, o mesmo desvio acontece na mística católica. O amor dos místicos, com a sua fortíssima carga de eros, nada é, para ele, senão amor sensual sublimado, uma tentativa de estabelecer com Deus uma relação de presunçosa reciprocidade em amor.

Quem rompeu a ambiguidade e devolveu à luz a pura antítese paulina, segundo o autor, foi Lutero. Fundamentando a justificação apenas na fé, ele não excluiu a caridade do momento-base da vida cristã, como o acusa a teologia católica; antes, libertou a caridade, o ágape, do elemento espúrio do eros. À fórmula do “somente a fé”, com exclusão das obras, corresponderia, em Lutero, a fórmula do “somente o ágape”, com exclusão do eros.

Não me cabe estabelecer se o autor interpretou corretamente neste ponto o pensamento de Lutero, que, deve-se dizer, nunca pôs o problema em termos de contraste entre eros e ágape como fez com fé e obras. É significativo, no entanto, que Karl Barth, num capítulo da sua Dogmática Eclesial, também chegue ao mesmo resultado que Nygren de um contraste insanável entre eros e ágape. “Onde entra em cena o amor cristão”, escreve ele, “começa de súbito o conflito com o outro amor, e este conflito não tem mais fim” [6]. Eu digo que se isto não é luteranismo, é sem dúvida teologia dialética, teologia do “aut-aut”, da antítese, não da síntese.

O contragolpe desta operação é a radical mundanização e secularização do eros. Enquanto certa teologia retirava o eros do ágape, a cultura secular era bem feliz, por sua vez, ao retirar o ágape do eros, ou seja, ao retirar do amor humano toda referência a Deus e à graça. Freud apresentou para isto uma justificativa teórica, reduzindo o amor a eros e o eros a libido, uma mera pulsão sexual que luta contra toda repressão e inibição. É o estágio a que se reduz hoje o amor em muitas manifestações da vida e da cultura, principalmente no mundo do espetáculo.

Dois anos atrás eu estava em Madri. Os jornais só faziam falar de uma certa mostra de arte na cidade, intitulada As lágrimas do eros. Era uma mostra de obras artísticas de cunho erótico – quadros, desenhos, esculturas – que pretendiam pôr em foco o inseparável vínculo que existe, na experiência do homem moderno, entre eros e thanatos, entre amor e morte. À mesma constatação se chega quando se lê a coletânea de poesias As flores do mal, de Baudelaire, ou Uma temporada no inferno, de Rimbaud. O amor que por natureza deveria levar à vida acaba ao invés levando à morte.



3. Retorno à síntese


Se não podemos mudar de uma vez a ideia de amor que o mundo possui, podemos, sim, corrigir a visão teológica, que, sem querer, a favorece e legitima. É o que fez de maneira exemplar o papa Bento XVI com a encíclica Deus caritas est. Ele reafirma a síntese católica tradicional expressando-a com os termos modernos. “Eros e ágape”, lemos ali, “amor ascendente e amor descendente, não se deixam jamais separar de todo um do outro […]. A fé bíblica não constrói um mundo paralelo ou um mundo contraposto ao original fenômeno humano que é o amor, mas aceita o homem todo, intervindo na sua procura pelo amor para purificá-la, destruindo, em paralelo, novas dimensões suas” (7-8). Eros e ágape estão unidos à própria fonte do amor, que é Deus: “Ele ama”, segue o texto da encíclica, “e este seu amor pode ser qualificado certamente como eros, que, no entanto, é também e totalmente ágape” (9).

Entende-se o acolhimento insolitamente favorável que este documento pontifício encontrou mesmo nos ambientes leigos mais abertos e responsáveis. Dá esperança ao mundo. Corrige a imagem de uma fé que toca o mundo em tangente, sem penetrá-lo, com a imagem evangélica da levedura que faz a massa fermentar; substitui a ideia de um reino de Deus que veio julgar o mundo pela de um reino de Deus que veio salvar o mundo, começando pelo eros que é a sua força dominante.

À visão tradicional, própria tanto da teologia católica como da ortodoxa, pode-se dar, creio eu, uma confirmação também do ponto de vista da exegese. Quem sustenta a tese da incompatibilidade entre eros e ágape se baseia no fato de o Novo Testamento evitar com esmero – e, ao parecer, propositalmente – o termo eros, usando em seu lugar sempre e somente ágape (a não ser por algum raro emprego do termo philia, que indica um amor de amizade).

O fato é verdadeiro, mas não são verdadeiras as conclusões que dele se tiram. Supõe-se que os autores do NT estivessem a par tanto do sentido que o termo eros tinha na linguagem comum (o eros assim chamado “vulgar”) como do sentido elevado e filosófico que tinha, por exemplo, em Platão, o chamado eros “nobre”. Na aceitação popular, eros indicava mais ou menos o que indica hoje quando se fala de erotismo ou de filmes eróticos: a satisfação do instinto sexual, um degradar-se mais do que elevar-se. Na aceitação nobre, indicava um amor pela beleza, a força que mantém o mundo e que impulsiona todos os seres à unidade, aquele movimento de ascensão rumo ao divino que os teólogos dialéticos reputam incompatível com o movimento de descida do divino até o homem.

É difícil defender que os autores do NT, dirigindo-se a pessoas simples e de nenhuma cultura, pretendessem lhes falar do eros de Platão. Eles evitaram o termo eros pelo mesmo motivo que o pregador de hoje evita o termo erótico, ou, se o emprega, é somente em sentido negativo. O motivo é que, tanto naquele tempo como agora, a palavra evoca o amor na sua expressão mais egoísta e sensual [7]. A desconfiança dos primeiros cristãos quanto ao eros se agravava ainda pelo papel que ele desempenhava nos desenfreados cultos dionisíacos.

Tão logo o cristianismo entra em contato e diálogo com a cultura grega daquele tempo, cai por terra de imediato, como já vimos, toda preclusão quanto ao eros. Ele é usado com frequência, nos autores gregos, como sinônimo de ágape, e empregado para indicar o amor de Deus pelo homem, como também o amor do homem por Deus, o amor pelas virtudes e por tudo o que é belo. Basta, para nos convencermos disso, uma simples olhada no Léxico Patrístico Grego, de Lampe [8]. O sistema de Nygren e Barth, portanto, foi construído sobre uma falsa aplicação do assim chamado argumento “ex silentio”.



4. Um eros para os consagrados


O resgate do eros ajuda acima de tudo os enamorados humanos e os esposos cristãos, mostrando a beleza e a dignidade do amor que os une. Ajuda os jovens a experimentar o fascínio do outro sexo não como coisa turva, a ser vivida às costas de Deus, mas, ao contrário, como um dom do Criador para a sua alegria, desde que vivido na ordem querida por Ele. Na sua encíclica, o papa acena ainda para esta função positiva do eros sobre o amor humano quando fala do caminho de purificação do eros, que leva da atração momentânea ao “para sempre” do matrimônio (4-5).

Mas o resgate do eros deve ajudar também a nós, consagrados, homens e mulheres. Eu acenei no início ao perigo que as almas religiosas correm de um amor frio, que não desce da mente para o coração. Um sol de inverno, que ilumina, mas não aquece. Se eros significa ímpeto, desejo, atração, não devemos ter medo dos sentimentos, nem muito menos desprezá-los e reprimi-los. Quando se trata do amor de Deus, escreveu Guilherme de Saint Thierry, o sentimento de afeto (affectio) é também graça; a natureza não pode infundir um sentimento assim [9].

Os salmos estão cheios desse anseio do coração por Deus: “A ti, Senhor, eu elevo a minh’alma…”. “A minh’alma tem sede de Deus, do Deus vivente”. “Preste atenção”, diz o autor da Nuvem do não conhecimento, “a este maravilhoso trabalho da graça na tua alma. Ele não é senão impulso imprevisto, que surge sem aviso e aponta diretamente para Deus, como uma centelha que se desencarcera do fogo… Golpeie essa nuvem do não conhecimento com a flecha afiada do desejo de amor e não esmoreça, ocorra o que ocorrer” [10]. É suficiente, para tanto, um pensamento, um movimento do coração, uma jaculatória.

Mas tudo isso não nos é bastante e Deus o sabe melhor que nós. Somos criaturas, vivemos no tempo e num corpo; precisamos de uma tela na qual projetar o nosso amor que não seja apenas “a nuvem do não conhecimento”, o véu de escuridão por trás do qual se oculta o Deus que ninguém nunca viu e que habita numa luz inacessível…

A resposta que se dá a esta interrogação nós conhecemos bem: por isso mesmo Deus nos deu o próximo para amarmos. “Ninguém jamais viu a Deus; se amarmos uns aos outros, Deus permanece em nós e o seu amor se torna perfeito em nós. Quem não ama o próprio irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (1 Jo 4, 12-20). Mas devemos ficar atentos para não saltar uma fase decisiva: antes do irmão que vemos, há outro que também vemos e tocamos: o Deus feito carne, Jesus Cristo! Entre Deus e o próximo existe o Verbo feito carne, que reuniu os dois extremos numa só pessoa. É nele que o próprio amor ao próximo encontra o seu fundamento: “Foi a mim que o fizestes”.

O que significa tudo isto pelo amor de Deus? Que o objeto primário no nosso eros, da nossa busca, desejo, atração, paixão, deve ser o Cristo. “Ao Salvador é pré-ordenado o amor humano desde o princípio, como ao seu modelo e fim, como uma urna tão grande e tão ampla que pudesse acolher a Deus […] O desejo da alma é unicamente de Cristo. Aqui é o lugar do seu repouso, porque só Ele é o bem, a verdade e tudo quanto inspira amor”. Não quer dizer restringir o horizonte do amor cristão de Deus a Cristo; quer dizer amar a Deus do jeito que Ele quer ser amado. “O Pai vos ama porque vós me amais” (Jo 16, 27). Não se trata de um amor mediato, quase por procuração, por meio do qual quem ama Jesus “é como se” amasse o Pai. Não. Jesus é um mediador imediato; amando a Ele, amamos, ipso facto, o Pai. “Quem me vê, vê o Pai”; quem me ama, ama o Pai.

É verdade que nem mesmo a Cristo se vê, mas ele existe. Ressuscitou, vive, está conosco, de modo mais real do que o mais apaixonado esposo está com a esposa. Eis o ponto crucial: pensar em Cristo não como uma pessoa do passado, mas como o Senhor ressuscitado e vivente, com quem eu posso falar, a quem eu posso beijar se quiser, certo de que o meu beijo não termina na estampa ou no lenho de um crucifixo, mas num rosto e em lábios de carne viva (ainda que espiritualizada), felizes de receber o meu beijo.

A beleza e a plenitude da vida consagrada depende da qualidade do nosso amor por Cristo. É só o que pode nos defender dos altos e baixos do coração. Jesus é o homem perfeito; nele se encontram, em grau infinitamente superior, todas aquelas qualidades e atenções que um homem procura numa mulher e uma mulher no homem. O amor dele não nos elimina necessariamente a sedução das criaturas e, em particular, a atração do outro sexo (ela faz parte da nossa natureza, que Ele criou e não quer destruir). Mas nos dá a força para vencer essas atrações com uma atração mais forte. “Casto”, escreve São João Clímaco, “é quem afasta o eros com o Eros” [11].

Será que tudo isso destrói a gratuidade do ágape, pretendendo dar a Deus alguma coisa em troca do seu coração? Anula a graça? De jeito nenhum. Antes, a exalta. O que, afinal, neste mundo, damos a Deus se não o que recebemos dele? “Nós amamos porque Ele nos amou primeiro” (1 Jo 4, 19). O amor que damos a Cristo é o seu próprio amor por nós, que devolvemos a Ele, como o eco nos devolve a nossa voz.

Onde está então a novidade e a beleza deste amor que chamamos eros? O eco reenvia para Deus o seu próprio amor, mas enriquecido, colorido e perfumado com a nossa liberdade. E é tudo o que Ele quer. A nossa liberdade lhe paga tudo. E não só isto, mas, coisa inaudita, escreve Cabasilas, “recebendo de nós o dom do amor em troca de tudo o que Ele nos deu, Ele ainda se reputa nosso devedor” [12]. A tese que contrapõe eros e ágape se baseia em outra conhecida contraposição: a contraposição entre graça e liberdade, e, mais ainda, na negação da liberdade no homem decaído.

Eu procurei imaginar, Veneráveis padres e irmãos, o que diria Cristo ressuscitado se, como fazia na vida terrena, quando entrava aos sábados numa sinagoga, viesse agora sentar-se aqui, no meu lugar, e nos explicasse em pessoa qual é o amor que Ele deseja de nós. Quero compartilhar com vocês, com simplicidade, o que eu penso que Ele diria. Pode nos servir para o nosso exame de consciência sobre o amor:

O amor ardente:

É me colocares sempre em primeiro lugar.
É procurares me alegrar em todo momento.
É confrontares teus desejos com o meu desejo.
É viveres como meu amigo, confidente, esposo, e seres feliz assim.
É te inquietares ao pensamento de ficar um pouco longe de mim.
É seres repleto de felicidade quando estou contigo.
É estares disposto a grandes sacrifícios para nunca me perder.
É preferires viver pobre e desconhecido comigo a rico e famoso sem mim.
É falares comigo como ao amigo mais amado em todo momento possível.
É te confiares a mim olhando para o teu futuro.
É desejares perder-te em mim como meta do teu existir.

Se vocês acharem, como eu acho, que estamos muito longe dessa situação, não nos desencorajemos. Temos alguém que pode nos ajudar a chegar lá se pedirmos sua ajuda. Repitamos com fé ao Espírito Santo: Veni, Sancte Spiritus, reple tuorum corda fidelium et tui amoris in eis ignem accende: Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.

***
Notas: 
[1] Pseudo Dionísio Areopagita, Os nomes divinos, IV,12 (PG, 3, 709 em diante.)
[2] S. Agostinho, Confissões I, 1.
[3] Comentário ao evangelho de João, 26, 4-5.
[4] Cf. S. Bernardo, De diligendo Deo, IX,26 –X,27.
[5] S. Tomás de Aquino, Comentário à Carta aos Romanos, cap. V, liç.1, n. 392-293; cf. S. Agostinho, Comentário à Primeira Carta de João, 9, 9.
[6] K. Barth, Dogmática eclesial, IV, 2, 832-852.
[7] O sentido que os primeiros cristãos davam à palavra eros se deduz do famoso texto de S. Inácio de Antioquia,  Carta aos Romanos, 7,2: “O meu amor (eros) foi crucificado e não há em mim fogo de paixão…não me atraem o nutrir corrupção e os prazeres desta vida”. “O meu eros” não indica aqui Jesus crucificado, mas “o amor de mim mesmo” , o apego aos prazeres terrenos, na linha do paulino “Fui crucificado com Cristo, não sou mais eu que vivo” (Gal 2, 19 s.).
[8] Cf. G.W.H. Lampe,  A Patristic Greek Lexicon, Oxford 1961, pp.550.
[9] Guilherme de St. Thierry, Meditações, XII, 29 (SCh  324, p. 210).
[10] Anônimo, A nuvem do nao conhecimento, trad. Italiana, Ed. Áncora, Milão, 1981, pp. 136.140.
[11] S. João Clímaco, A escada do paraíso, XV,98 (PG 88,880).
[12] N. Cabasilas, Vida em Cristo, VI, 4.

FELIZ DIA DOS NAMORADOS.

Experimente clicar nestes Link’s Abaixo.


NAMORO

FRANCISCO E CLARA
O Cristo Disfarçado