IDEOLOGIA DE GÊNERO?


ISTO É BOM OU RUIM?

VOCÊ É CONTRA OU A FAVOR?


Masculino_ou_Feminino_genero_não



SER HOMEM OU SER MULHER

NÃO É UMA SIMPLES QUESTÃO

DE ESCOLHA DE SEU SÍMBOLO SEXUAL PREFERIDO

OU DA APARÊNCIA DE SEU ÓRGÃO

SEXUAL EXTERNO !

TODO O SER PSICOSSOMÁTICO É DIFERENCIADO.


Diferenças_psicosomáticas_do_homem_e_da_mulher


É algo catastrófico o que estamos presenciando em nossa sociedade Ocidental como um todo, a sistemática destruição da família. Os defensores da ideologia de gênero alegam que é algo automático, dizem ser os tempos modernos que estão vindo atona. Muitos dizem que a sociedade está amadurecendo, mas ao estudar afundo sobre este tema, percebemos que não se trata de amadurecimento, e sim, de esfacelamento dos valores da família.

De forma insistente, aqueles que lutam pela destruição da família, dizem que existem vários tipos de famílias, não precisa ser conforme os Cristãos dizem e nem os antigos. Os defensores deste absurdo, dizem que precisamos nos atualizar, e deixar de lado a visão antiga sobre a família. Querem que desde criança a pessoa seja educada com a centralidade do desconhecimento do que de fato é uma família de verdade e o que de fato deve-se viver. Querem que as crianças escolham de quem gostar, o menino gostar de menina ou de menino, a menina gostar de menino ou de menina, ou até mesmo gostar dos dois.


Futuro-sinistro-da-familia


Vejam esse texto:

Está às portas de ser votado o Plano Nacional de Educação. O projeto de lei lança as diretrizes e metas da educação pública para os próximos 10 anos e, não obstante a clara oposição do povo brasileiro a um sistema educacional permissivo e imoral, permanece firme o desejo de alguns grupos políticos em firmar compromisso com a “agenda de gênero”, tão querida pelas organizações internacionais e por “intelectuais” engajados em causas revolucionárias.

Só que a tão falada “identidade de gênero”, embora receba financiamento pesado de fora, não consegue sustentar-se cientificamente. Às vésperas de um evento tão importante para o futuro das crianças e adolescentes do Brasil, é oportuno recordar uma história recente que põe em xeque não só a autenticidade da “agenda de gênero” como a própria honestidade de seus propagadores.

Esta história começa na famosa universidade Johns Hopkins, na cidade de Baltimore, Estados Unidos. É aí que o médico neozelandês John Money e sua equipe se destacam por sua pesquisa nas áreas de sexologia e por cunhar, em seus trabalhos, termos como “papel de gênero” e “identidade de gênero”. A sua teoria é a de que o sexo das pessoas, ao invés de ser dado pela nature [“natureza”], é uma questão de nurture [“educação”]. Assim, uma criança em tenra idade, mesmo com o aparelho genital de um sexo, poderia ser criada e educada como sendo de outro sexo. A biologia seria subvertida pela psicologia, ou, dito em outros termos, o projeto do Criador poderia ser arbitrariamente transformado pelo homem.

Até 1967, as ideias de John Money já eram mundialmente famosas, mas permaneciam no papel. É quando a família Reimer decide recorrer ao renomado médico: um de seus filhos gêmeos, Bruce, teve seu órgão genital cauterizado durante uma circuncisão, e a sua mãe, Janet Reimer – interessada após assistir a um programa de televisão sobre a teoria do dr. Money – decide confiar ao médico o problema de seu filho.

Nas mãos de Money, Bruce, com apenas 22 meses de vida, sofre uma intervenção cirúrgica e passa a chamar-se Brenda. Recebendo acompanhamento constante do doutor, a família Reimer era a cobaia de que Money precisava para provar de vez sua teoria. De fato, o médico neozelandês escreve vários estudos usando o caso Brenda como “prova dramática” de que sua “teoria da neutralidade” estava correta: se era possível educar um menino como menina, homens e mulheres não eram mais dados biológicos, mas meras “aprendizagens sociais”.

No entanto, à medida que Brenda cresce, sua mãe nota algo de muito errado. “Eu via que Brenda não era feliz como garota, não obstante o que eu tentasse fazer por ela ou como eu tentasse educá-la, ela era muito rebelde, era muito masculina e eu não conseguia convencê-la a fazer nada que fosse feminino”, conta Janet Reimer, em um documentário produzido pela BBC. “Brenda não tinha quase nenhum, nenhum amigo enquanto crescia. Todo mundo realmente a matava, chamavam-na de ‘mulher da caverna’. Ela era uma garota muito só” [1].

Aos catorze anos, já longe dos olhos de Money e cada vez mais isolada socialmente, Brenda descobre, de sua mãe, que nascera como homem e tinha sido criada como mulher à força. A partir de então, ela muda seu nome para David e tenta, apesar de tantos percalços, levar uma vida comum, como homem. No entanto, a morte de seu irmão por uma overdose de antidepressivos, em 2002, aliada a um casamento conturbado, culmina em uma tragédia: no dia 4 de maio de 2004, David deixa a casa de seus pais pela última vez, vai a uma mercearia e comete suicídio.

Antes desse fim dramático, David Reimer expôs o seu caso à mídia, a fim de tornar públicas a perversidade das ideias de Money e a farsa de sua “teoria de gênero”. “Era-me dito que eu era uma garota, mas eu não gostava de me vestir como uma garota, eu não gostava de me comportar como uma garota, eu não gostava de agir como uma garota”, confessa David[2]. “Eu não sou um professor de nada, mas você não acorda uma manhã decidindo se é menino ou menina, você apenas sabe”.

“Não se acorda de manhã decidindo se se é menino ou menina”: essa lição foi aprendida a um alto custo pela família Reimer. É esse o mesmo custo que as famílias brasileiras querem pagar, aceitando que a ideologia de gênero seja implantada em nossas escolas?

Quando se combate a inserção do termo “gênero” no ordenamento jurídico brasileiro, não se está a afirmar uma posição “discriminatória” ou “preconceituosa”, como insinuam alguns grupos. Ao contrário, o que se pretende é que o Brasil seja livre de uma teoria comprovadamente mentirosa e ideológica. Ou queremos, por acaso, copiar os experimentos ridículos de Money e repetir o drama da família Reimer no seio de nossas famílias?

“Você vai sempre encontrar pessoas que vão dizer: bem, o caso do Dave Reimer podia ter tido sucesso. Eu sou a prova viva, e se você não vai tomar minha palavra como testemunho, por eu ter passado por isso, quem mais você vai ouvir?” [3]. Que a alma de David Reimer descanse em paz. E que a sua conturbada vida lembre às pessoas o quanto é terrível subverter o plano do próprio Criador inscrito na natureza humana.



Por Equipe Christo Nihil Praeponere
Referências bibliográficas
The Boy who was Turned into a Girl. BBC: London, 2000. Texto disponível em: http://www.bbc.co.uk/science/horizon/2000/boyturnedgirl.shtml.
Acesso em: 25 mar. 2014.
Dr Money and the Boy with No Penis. BBC: London, 2010. Texto disponível em
http://www.bbc.co.uk/sn/tvradio/programmes/horizon/dr_money_qa.shtml. Acesso em: 25 mar. 2014.
Ibidem

Pope Francis leads a mass of Assumption of Mary from the papal summer residence in Castelgandolfo south of Rome


“A IDEOLOGIA DE GÊNERO É DEMONÍACA”, AFIRMA PAPA


O Papa Francisco segue as pegadas de seu predecessor, o Papa Bento XVI. Ao fim de seu pontificado, o papa emérito falou duas vezes sobre a ideologia de gênero como “uma tendência negativa para a humanidade” e uma “profunda falsidade”, sobre “a qual é um dever dos pastores da Igreja” colocar os fiéis “em alerta”.

Continuava o Papa:

O homem contesta o fato de possuir uma natureza pré-constituída pela sua corporeidade, que caracteriza o ser humano. Nega a sua própria natureza, decidindo que esta não lhe é dada como um fato pré-constituído, mas é ele próprio quem a cria. De acordo com a narração bíblica da criação, pertence à essência da criatura humana ter sido criada por Deus como homem ou como mulher. Esta dualidade é essencial para o ser humano, como Deus o fez. É precisamente esta dualidade como ponto de partida que é contestada. Deixou de ser válido aquilo que se lê na narração da criação: «Ele os criou homem e mulher» (Gn 1, 27). Isto deixou de ser válido, para valer que não foi Ele que os criou homem e mulher; mas teria sido a sociedade a determiná-lo até agora, ao passo que agora somos nós mesmos a decidir sobre isto. Homem e mulher como realidade da criação, como natureza da pessoa humana, já não existem. O homem contesta a sua própria natureza.

Obs. Se o Homem ou a Mulher pudessem ter o poder de decisão sobre a escolha de seu próprio sexo, isto sim seria a confirmação de que é a sociedade quem decide quem eu deveria ser e neste caso a liberdade ou o poder de decidir já seria inválido por se tratar de uma decisão comprometida pela interferência externa e manipulada por ideologia de terceiros. Uma formação contraditória não confiável a respeito da verdade já definida no nascimento de cada um.

O ser humano sempre será mais realizado e mais feliz vivendo a verdade do que sendo enganado pela mentira, chegamos aqui novamente ao ponto de partida e à raiz de todo erro deste mundo de hoje que é a MENTIRA que enganou Eva no paraíso e depois levou Adão ao mesmo erro de não ouvir a verdade Divina e preferir ser enganado pela mentira.

Não existe nada de novo nesta ideologia de gênero e sim é a mesma MENTIRA e ENGODO de sempre que leva o homem à infelicidade e à morte.


Familia_projeto_de_Deus Estatuto_destruição_da_Familia

ESCLARECIMENTO DE PADRE CHRISTIAN SHANKAR

UM GRANDE DEFENSOR E PROMOTOR DA FAMÍLIA BRASILEIRA


.


IDEOLOGIA DE GÊNERO PODERÁ SER IMPLANTADA NAS ESCOLAS – PADRE PAULO RICARDO



Afinal, de onde veio e como foi pensada a

IDEOLOGIA DE GÊNERO

Você PRECISA ENTENDER A ORIGEM DA IDEOLOGIA DE GÊNERO SEM PRECONCEITOS. A verdade está ao seu alcance. Prof. Fernada Takitani – Formada em história pela UEL – Universidade Estadual de Londrina. Pós Graduação lato-sensu em humanidade IICS (Instituição Internacional de Sociais) – SP



Cultura_Morte Fé_ciência Charles+Darwin[1] ITALY-COURT/CRUCIFIX

Uma resposta

  1. Não queremos que nossas famílias sejam desintegradas,por ideologias que confundem nossos filhos,para que sejam mais fáceis de serem manipulados e não entendem o que está nas entrelinhas do assunto.

    Curtir

Deixar um Comentério aqui.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: