A questão de fé e ciência !


Bento XVI e a teoria da evolução


Evolução.


Augusto Pasquoto

Em abril deste ano de 2007, o Papa Bento XVI lançou na Alemanha o livro Schöpfung und Evolution (Criação e Evolução), onde expõe as suas idéias e as orientações da Igreja sobre a teoria da evolução. O livro causou grande repercussão na imprensa do mundo inteiro, talvez por conta da discussão acalorada que existe atualmente sobre as teorias da  evolução darwinista cega e da evolução planejada (teoria do projeto inteligente).

Durante anos, o cardeal Joseph Ratzinger manifestou-se a respeito da evolução em livros, artigos, conferências e entrevistas. Pesquisando esse acervo de documentos, conseguimos fazer um apanhado das idéias do Papa sobre o assunto, que podem ser assim esquematizadas:


Jesus_é_a_Verdade


1 – A questão de fé e ciência


“Quaisquer que sejam as descobertas das ciências naturais, elas nunca contradirão a fé, já que no final das contas a verdade é uma só”.

Com esse conceito, o Papa reafirma o princípio já enunciado pelo Concílio Vaticano I (1869-1870): “As verdades da fé e as verdades da ciência não podem nunca se contradizer. Ou, explicitando melhor, podemos dizer: “As verdades verdadeiras da fé e as verdades verdadeiras da ciência nunca se contradizem”.

Por que “verdades verdadeiras”? Porque houve “verdades” que não eram verdadeiras. Da parte da ciência temos como exemplo a “verdade” – que durou séculos – segundo a qual a terra era o centro do universo e o sol girava em redor dela e não o contrário. Da parte da fé, acreditou-se – por muitos séculos – que o mundo fora criado em 6 dias e que a terra tinha apenas 6 mil anos, com base em cálculos derivados de uma interpretação ao pé da letra do livro do Gênesis.

O fundamento desse princípio é simples: tanto as verdades da fé como as verdades da ciência têm um único autor – Deus – que nunca se contradiz. Daí resulta uma conclusão importante tanto para o cientista como para o teólogo: ninguém deve ter medo da verdade, porque a verdade é de Deus, ou melhor dizendo, Deus é a verdade. Então, tanto o cientista como o teólogo podem prosseguir tranqüilos nas suas pesquisas, um respeitando o campo do outro, sem nunca ter medo de se “trombarem”.


2 – As competências da ciência e da fé


“Compete às ciências naturais explicar como a árvore da vida em particular continua crescendo, e como novos ramos brotam dela. Esta não é uma questão para a fé”.

Este conceito o Papa expressou-o  no seu livro “No princípio: Uma Compreensão Católica da História da Criação e da Queda”, de 1990, quando ainda era o cardeal Ratzinger. E fez uma distinção importante ao afirmar que não se deve dizer “criação ou evolução” – como se os dois conceitos se excluíssem mutuamente – mas, sim, “criação e evolução”, porque são duas realidades distintas e complementares que não se excluem. A evolução busca entender e descrever os desenvolvimentos biológicos, ao passo que a criação tenta explicar de onde vem o “projeto” do ser humano, a origem e a natureza particular dele. A evolução situa-se no campo da ciência experimental ou empírica; a criação, no campo da filosofia ou da metafísica e da religião.

O papa defende em seu último livro que Deus criou a vida por meio da evolução, e que religião e ciência não devem se enfrentar por esse motivo. A criação de um mundo em evolução não tira nada da causalidade divina, antes pode até manifestar a sua riqueza e força.


3 – Micro-evolução e Macro-evolução


O Papa concorda com os cientistas que admitem que a micro-evolução é uma realidade inquestionável. Mas, tem dúvidas a respeito da macro-evolução.

A micro-evolução refere-se a mudanças desenvolvidas dentro de uma espécie, enquanto que a macro-evolução é a transição de uma espécie para outra, na base de mutação e de seleção natural. Os comentários do Papa a esse respeito datam de 1999, num trabalho entregue à Sorbonne com o título “A Verdade do Cristianismo”. O intelectual católico alemão Alma von Stockhausen, que é o fundador da academia alemã de ciências “Gustav Siewarth” e grande amigo de Ratzinger, afirmou que a opinião do então cardeal era de que a macro-evolução é impossível.

A ciência não consegue explicar exatamente como se dá a transição de uma espécie ou de uma classe de seres vivos para outra. Os elos de ligação que provariam a transição não foram encontrados. Existem, por exemplo, milhões de fósseis de peixes e milhões de fosseis de répteis. Deveria existir também milhões de fósseis de intermediários entre peixes e répteis, mas não existem.

Há dois mil anos atrás Cícero já dizia que era impossível formar um só verso de Ênio pescando ao acaso as letras do alfabeto. No entanto, vinte séculos depois Darwin diria que a evolução faz coisas muito mais espantosas. Hoje em dia nós sabemos – o que Darwin não sabia nem poderia saber na sua época – que as mutações são variações do DNA e das 30 milhões de maneiras pelas quais ele se propaga. As mutações acontecem quando as letras que representam os blocos de armar dos cromossomos – os nucleotídeos – são trocadas acidentalmente, ao acaso. Dizer que as trocas ao acaso dessas letras em um réptil, por exemplo, conseguiram mudar o réptil em um mamífero, seria tão incrível como dizer que as trocas ao acaso das letras na Divina Comédia, de Dante, poderiam transformar a Divina Comédia em Os Lusíadas, de Camões.

No seu último livro Criação e Evolução, o Papa afirma que a teoria de Darwin não é completamente comprovada porque “nós não podemos reproduzir 10 mil gerações em laboratório”. Há muitas vozes de cientistas em uníssono com as idéias do Papa. Algumas dessas opiniões já vimos no estudo sobre o evolucionismo darwinista e a teoria do projeto inteligente. Na Internet encontra-se um endereço (www.dissentfromdarwin.org) no qual mais de 700 cientistas – pertencentes às mais afamadas academias de ciências dos EEUU e da Rússia –  assinam uma petição onde exprimem publicamente seu ceticismo com respeito à teoria da evolução de Darwin. Eles depõem:

Não cremos de modo nenhum na hipótese segundo a qual as mutações ao acaso e a seleção natural são capazes de realizar a complexidade da vida biológica. A teoria darwiniana precisa passar por um cuidadoso exame.

Um dos primeiros a assinar a lista, o Dr.David Berlinski, matemático e filósofo da ciência, afirma que “a teoria da evolução de Darwin é o grande elefante branco do pensamento contemporâneo… É massuda, quase completamente inútil e objeto de supersticioso temor reverencial”.

Esse “supersticioso temor reverencial” tem sua origem nos programas de ensino das escolas, nos livros de ciência, nas revistas e nos programas de TV que insistentemente ficam “martelando” que a teoria da evolução de Darwin explica toda a complexidade dos seres vivos, e que todos os cientistas estão de acordo com ela, e que os que não estão de acordo são retrógrados.

Mas, isso não é verdade. Hoje em dia muitos cientistas se dão conta que, depois que foi aberta a “caixa preta de Darwin” – a célula – e descoberta a tremenda complexidade que ela contem, a teoria darwinista que tentava explicar as grandes transformações dos seres vivos através de “numerosas, sucessivas e ligeiras modificações” foi posta em séria dúvida e não é mais assim tão digna de temor reverencial.

O leitor pode encontrar mais sobre micro e macro-evolução no endereço Discovery


4 – Evolução sim, evolucionismo não


“Nós não somos o produto casual e sem sentido da evolução. Cada um de nós é um fruto de um pensamento de Deus. Cada um de nós é querido, cada um é amado, cada um é necessário”.

Esta afirmação o Papa fez na homilia do início do seu pontificado, em 24 de abril de 2005. É uma crítica aos cientistas que tentam baralhar as coisas, saltando do campo científico para o campo da filosofia e da religião. É necessário fazer distinção entre evolução e evolucionismo, que não são a mesma coisa. A evolução pode ser considerada uma teoria científica, baseada em fatos. O evolucionismo, ao contrário, é baseado em conjecturas e invade o campo da filosofia ou da ideologia quando nega o finalismo e admite que tudo é produto do acaso. Os adeptos do evolucionismo afirmam isto sem ter apoio científico, sem nenhuma prova com base em fatos concretos. Por isso é que se diz que é filosofia e não ciência. Tal evolucionismo não é sustentável nem como verdade científica nem como conseqüência necessária da teoria da evolução.

Bento XVI mostra uma grande preocupação com essa filosofia e afirma que o evolucionismo darwinista (como ideologia) promove o positivismo científico, que ensina que só a experiência e o método científico podem produzir certeza e, conseqüentemente, que a religião, se sobreviver, só servirá para uma consolação subjetiva e emocional diante da indiferença fria do universo. Em resposta, o Papa argumenta que o Cristianismo confia em verdades mais profundas, que estão além da simples observação empírica. A principal dessas verdades é que a vida não acontece ao acaso, mas tem propósito. Neste sentido, ele acredita num “projeto inteligente” do Criador.

O Papa disse: “Nós não somos o produto casual e sem sentido da evolução”. Esta afirmação não agrada aos cientistas materialistas e ateus, os quais afirmam com veemência que “nós somos”. No livro Evolution after Darwin, Julian Huxley mostra como o darwinismo se impõe e deve tornar-se o fundamento do relativismo moderno:

No pensamento evolucionista não há lugar para seres sobrenaturais (espirituais) capazes de afetar o curso dos acontecimentos humanos, nem há necessidades deles. A terra não foi criada, formou-se por evolução. O corpo humano, a mente, a alma e tudo o que se produziu, incluindo as leis, a moral, as religiões, os deuses, etc., é inteiramente resultado da evolução, mediante a seleção natural.

Afirmações desse tipo mostram que o evolucionismo pretende ser o dogma fundamental do relativismo moderno. Os que depositam fé nesse dogma podem ser levados a dar declarações despudoradas como esta de Richard Lewontin, um eminente geneticista da Universidade de Harvard e ardoroso defensor do evolucionismo:

Somos forçados, por nossa prévia adesão à concepção materialista do universo, a criar um aparato de investigação e um conjunto de conceitos que produzam explicações materialistas, não importa quão contraditórias, quão enganosas e quão mitificadas para os não iniciados. Além disso, para nós o materialismo é absoluto, não podemos permitir que o “Pé Divino” entre por nossa porta.

Lewontin diz também que o evolucionismo não é propriamente uma ciência, mas uma ideologia, um conjunto de idéias às quais a realidade deve se adaptar. Em outras palavras, a realidade em si não importa, o que importa é a ideologia. O Papa e o magistério da Igreja, pelo contrário, querem que a ciência seja “científica” (empírica) e não ideológica nem filosófica.

O paleontólogo jesuíta Teilhard de Chardin parece também ter se contaminado com o evolucionismo, quando diz que tudo deve girar em torno dele. No seu livro “O Fenômeno Humano” ele faz a pergunta: “A evolução é uma teoria, um sistema, ou uma hipótese?”. E responde:

É muito mais do que isso. É uma condição geral à qual se devem dobrar todas as teorias, todas as hipóteses, todos os sistemas; uma condição à qual (tudo isso) deve prestar satisfação, doravante, para que possa ser tomado em consideração e para que possa ser considerado certo.

Por isso, muitos vêem no evolucionismo (como ideologia) uma das causas do relativismo triunfante dos tempos modernos, segundo o qual não existe nem verdade, nem moral, nem religião, tudo é relativo, tudo em evolução. Tudo gira em redor do evolucionismo que seria, então, o dogma básico. E aí está uma contradição: tudo é relativo, exceto o evolucionismo que é absoluto.


5 – Uma evolução teísta


O católico pode admitir uma “evolução teísta”, isto é, aquela que afirma que a fé e a explicação evolucionista da origem do corpo do homem não estão em conflito, mas que é exigida a intervenção de Deus para explicar a origem do componente espiritual do homem.

A ciência pode investigar legitimamente a origem do corpo do homem como proveniente da evolução de algum animal preexistente. Os católicos são livres para formar as suas próprias opiniões a esse respeito; mas devem ser prudentes e cautelosos, sem confundir fato com conjectura, e devem respeitar o direito da Igreja de definir os assuntos referentes à Revelação. Porém, devem acreditar que a alma humana foi criada imediatamente por Deus, considerando que a alma é uma substância espiritual que não pode provir da matéria por evolução.

Os católicos podem também admitir a idéia do “ancestral comum”, que afirma que todos os seres descendem de um único ser vivo primordial. Bento XVI, quando ainda era o cardeal Ratzinger, presidiu a Comissão Teológica Internacional, que estabeleceu o seguinte: “Uma vez que se demonstrou que todos os organismos na terra são relacionados entre si geneticamente, é virtualmente certo que todos os organismos vivos descendem de um único primeiro organismo”. A origem comum de todos os seres não é problema. O que a Igreja não aceita é a idéia de que todos os seres são produtos de uma criação cega, ao acaso e sem sentido. A Igreja não aceita isto, porque seria o mesmo que admitir o ateísmo.


6 – A predominância do mais forte


Uma ética evolutiva que inevitavelmente toma como seu conceito fundamental o modelo de seletividade, quer dizer, a luta pela sobrevivência, a vitória do mais forte, a adaptação bem sucedida, tem pouco conforto para oferecer

A afirmação acima foi feita pelo Papa em “Verdade e Tolerância”. Como vimos em evolucionismo darwinista, o darwinismo está baseado na lei da seleção natural: quando aparece em algum indivíduo uma mutação vantajosa, os seus descendentes que nascem com essa vantagem são mais fortes e sobrepõem-se aos demais, que tendem a desaparecer do mapa da vida. Sobre essa idéia da predominância do mais forte o Papa faz uma ressalva:

Mesmo quando as pessoas tentam de vários modos tornar essa idéia (do darwinismo) mais atraente, permanece no final das contas uma ética sanguinária… Isso não traz nenhuma ajuda no sentido de se ter uma ética de paz universal, de amor prático ao próximo e da superação necessária de si mesmo, que é o de que nós precisamos.

Alguns historiadores acham que a idéia da predominância do mais forte sugerida pelo darwinismo foi o que influenciou Adolph Hitler na sua demente aventura de tornar o povo alemão o mais forte e o dominador de todos os outros povos (Deutchland über Alles), aventura que culminou na sanguinária segunda guerra mundial.

A teoria do mais forte também levou ao racismo que dominou e ainda domina o modo de pensar e de agir de povos e de muitas pessoas. No livro “Darwin e a evolução”, Gilles Lepouge afirma: “Na verdade, Darwin traz em si boa parte das teorias racistas, se bem que ele tenha sido completamente avesso a qualquer espécie de racismo… O darwinismo, há um século, serve de justificativa teórica a muitos pensamentos racistas e elitistas”.

O próprio primo de Darwin, Galton, que era biólogo, propôs que a sociedade, através da aplicação de métodos científicos, fizesse “com previdência, rapidez e benevolência, aquilo que a natureza faz cega, lenta e impiedosamente”. Ele pretendia, justamente graças ao darwinismo, estender ao homem as leis do reino animal, o que faria da biologia a única verdadeira ciência do homem.

Outra conseqüência do princípio da dominância do mais forte é a teoria da eugenia, que foi bastante difundida no início do século XX. Principalmente na Europa e nos Estados Unidos, a eugenia foi praticada para esterilizar milhares de pessoas loucas, doentes ou indigentes. Ao todo foram 375.000 esterilizações na Alemanha nazista, e – pasmem – 30.000 nos Estados Unidos, entre 1927 e 1972, segundo pesquisa da Fundação F. Engels.

O prêmio Nobel de medicina de 1960, MacFarlane, chegou mesmo a defender a tese de que os progressos da medicina impedem que a natureza selecione as espécies, permitindo a sobrevivência dos fracos. E acusa o espírito democrático de dificultar a eliminação dos inferiores. E conclui que “esta repressão da função de triagem própria da seleção natural deve levar a um acúmulo de indivíduos que podemos chamar inferiores, de acordo com as normas correntes relativas à saúde, inteligência e agressividade”.

A história do século XX mostra que as filosofias baseadas no evolucionismo ideológico, tais como o nazismo, a eugenia, o comunismo, o darwinismo social, causaram os piores e mais desastrados comportamentos humanos em toda a história da humanidade.


7 – Concluindo


A teoria da evolução parece ser um dos temas preferidos de Joseph Ratzinger, desde o tempo em que era cardeal, como também agora como Papa. Ele não vê dificuldade em admitir que a diversidade de vida na terra possa ser explicada pela teoria da evolução darwiniana, ao menos no que se refere à micro-evolução. Mas, a teoria não explica tudo sobre a vida. O espírito humano não pode se originar da matéria por evolução. Por isso, é necessário admitir a intervenção divina.

Essa doutrina é geralmente conhecida como “evolução teísta”. Pode-se dizer que é a teoria seguida por Bento XVI, pois ele admite que a mão de Deus opera através da evolução e, ocasionalmente, em paralelo com a evolução. Por isso, o conceito de criação não se opõe ao de evolução. Ele não se diz diretamente adepto da teoria do Projeto Inteligente – que afirma que algum projetista inteligente age em lugar da evolução – embora mostre simpatia por essa teoria.

Mas, a grande preocupação do Papa está na tentativa de certos cientistas de querer explicar tudo pela evolução, inclusive as questões filosóficas, sociais e religiosas, fazendo da evolução o centro de tudo. Ele vê nisto um grande perigo para a fé e a moral, e insiste na convicção fundamental da fé cristã: “In principio erat Verbum – no começo de todas as coisas está o poder criativo da razão”.

O Papa não deseja repetir o caso de Galileu. Ele quer que tanto o cientista como o teólogo sigam tranqüilamente nas pesquisas, cada um em seu campo específico, sem ter medo um ao outro, pois as verdades (verdadeiras) da ciência e as verdades (verdadeiras) da fé nunca se contradizem. Por outro lado, não quer se render a Auguste Comte, que no século XIX anunciava a chegada de uma “física do homem” que tornaria a religião obsoleta.

Augusto Pasquoto: josemary@terra.com.br

Fonte:  Bendo 16 não é defensor do projeto inteligente, mas tem simpatia …


O Livro da capa Preta . PPT

Confissões de Fé de grandes Cientistas.PPT


Leia a Bíblia NOSSA SENHORA DE FÁTIMA
http://mongefiel.files.wordpress.com/2008/05/dons-do-espirito.jpg?w=130&h=120&h=120 Miguél Arcanjo


2 Respostas

  1. […] A questão de fé e ciência ! […]

    Curtir

Deixar um Comentério aqui.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: