Jesus Ressucitado se encontra com Maria sua Mãe!

Os evangelistas não relatam este encontro, mas também não dizem que ele não tenha acontecido, afinal muitos outros encontros ou aparições também não foram escritos  nos evangelhos como nos diz São João, “Não caberiam nos livros se fossem relatados tudo aquilo que Jesus havia executado neste mundo…”, mas porém só foram relatados os acontecimentos relacionados com a nossa fé.



Depois da deposição de Jesus no sepulcro, Maria é a única que permanece a ter viva a chama da fé, preparando-se para acolher o anúncio jubiloso e surpreendente da ressurreição. A espera vivida no Sábado Santo constitui um dos momentos mais altos da fé da Mãe do Senhor: na obscuridade que envolve o universo, Ela entrega-se plenamente ao Deus da vida e, recordando as palavras do Filho, espera a realização plena das promessas divinas.

Os Evangelhos narram diversas aparições do Ressuscitado, mas não o encontro de Jesus com a sua Mãe. Este silêncio não deve levar a concluir que, depois da Ressurreição, Cristo não tenha aparecido a Maria; convida-nos, ao contrário, a procurar os motivos dessa escolha por parte dos evangelistas. Supondo uma “omissão”, ela poderia ser atribuída ao fato que tudo o que é necessário para o nosso conhecimento salvífico é confiado à palavra de “testemunhas anteriormente designadas por Deus” (At. 10, 41), isto é, aos Apóstolos que “com grande poder” deram testemunho da ressurreição do Senhor Jesus (cf. At. 4,33).

Antes que a eles, o Ressuscitado apareceu a algumas mulheres fiéis, por causa da sua função eclesial: “Ide dizer a Meus irmãos que partam para a Galileia, e lá Me verão” (Mt. 28,10). Se os autores do Novo Testamento não falam do encontro da Mãe com o Filho ressuscitado, isto talvez seja atribuível ao fato que semelhante testemunho poderia ser considerado, por parte daqueles que negavam a ressurreição do Senhor, muito interessado, e portanto não digno de fé.

2. Os Evangelhos, além disso, referem um pequeno número de aparições de Jesus ressuscitado, e não certamente o relatório completo de quanto aconteceu nos 40 dias após a Páscoa. São Paulo recorda uma aparição “a mais de quinhentos irmãos, de uma só vez” (1 Cor. 15, 6). Como justificar que um fato conhecido por muitos não seja referido pelos Evangelistas, apesar do seu caráter excepcional? É sinal evidente de que outras aparições do Ressuscitado, embora estivessem no elenco dos notórios fatos ocorridos, não tenham sido mencionadas. Como poderia a Virgem, presente na primeira comunidade dos discípulos (cf. At. 1, 14), ter sido excluída do número daqueles que se encontraram com o seu divino Filho, ressuscitado dos mortos?

3. É antes legítimo pensar que, de modo semelhante a Mãe tenha sido a primeira pessoa a quem Jesus ressuscitado apareceu. A ausência de Maria do grupo das mulheres que ao alvorecer se dirige ao sepulcro (cf. Mc. 16, 1; Mt. 28, 1), não poderia talvez constituir um indício do fato de Ela já se ter encontrado com Jesus? Esta dedução encontraria confirmação no dado que as primeiras testemunhas da ressurreição, por vontade de Jesus, foram as mulheres, que tinham permanecido fiéis ao pé da Cruz, e portanto mais firmes na fé. Com efeito, a uma delas, Maria de Mágdala, o Ressuscitado, confia a mensagem a ser transmitida aos Apóstolos ( cf. Jo. 20,17-18).

Também este elemento consente talvez pensar em Jesus que aparece em primeiro lugar à sua Mãe, Aquela que permaneceu a mais fiel e, na prova, conservou íntegra a fé. Por fim, o caráter único e especial da presença da Virgem no Calvário e a sua perfeita união com o Filho no sofrimento da Cruz, parecem postular uma sua particularíssima participação no mistério da ressurreição.

Um autor do século quinto, Sedúlio, afirma que Cristo Se mostrou no esplendor da vida ressuscitada, antes de tudo, à própria Mãe. Com efeito, Aquela que na anunciação tinha sido a via do Seu ingresso no mundo, era chamada a difundir a maravilhosa notícia da ressurreição, para se fazer anunciadora da Sua vinda gloriosa. Inundada assim pela glória do Ressuscitado, Ela antecipa o “resplendor” da Igreja (cf. Sedúlio, Carmen Pascale, 5, 357-364, CSEL 10, 140 s.).

4. Sendo imagem e modelo da Igreja, que espera o Ressuscitado e que no grupo dos discípulos O encontra durante as aparições pascais, parece razoável pensar que Maria tenha tido um contato pessoal com o Filho ressuscitado, para gozar também ela da plenitude da alegria pascal.

Presente no Calvário durante a Sexta-Feira Santa (cf. Jo. 19, 25) e no cenáculo, no Pentecostes (cf. At. 1, 14), a Virgem Santíssima foi provavelmente testemunha privilegiada da ressurreição de Cristo, completando desse modo a sua participação em todos os momentos essenciais do Mistério pascal. Acolhendo Jesus ressuscitado, Maria é além disso sinal e antecipação da humanidade, que espera obter a sua plena realização mediante a ressurreição dentre os mortos.

No tempo pascal a comunidade cristã, ao dirigir-se à Mãe do Senhor, convida-a a alegrar-se: “Regina caeli, laetare. Aleluja!”, “Rainha do céu, alegra-te. Aleluia!”. Recorda assim a alegria de Maria pela ressurreição de Jesus, prolongando no tempo o “alegra-te” que lhe fora dirigido pelo Anjo na anunciação, para que se tornasse “causa de júbilo” para a humanidade inteira.


Maria & Cristo. PPT

Jesus & Maria. Post


Fonte : L’Osservatore Romano, ed. port. n.21, 24/05/1997, pag. 12(240)

DO Livro: A VIRGEM MARIA – 58 CATEQUESES DO PAPA JOÃO PAULO II- EDITORA CLÉOFAS  – http://www.cleofas.com.br


 


Semeando a cultura de Pentecostes



About these ads

8 Respostas

  1. Senhor, se for pecado me perdoe, mais nao consigo odiar sua mae, muito pelo contrario…

    Curtir

  2. pergunto ainda, pra onde iam as almas antes de martim lutéro se rebelar contra os ensinamentos da igreja catolica e inventar essas religioes??????.

    Curtir

  3. A verdade é que esse aí que relata que é balela odeia sua mae, porem nao acredito que um cristo que perdoou um ladrao, odiasse sua mae, deixa esse idiota ir para os templos dar dinheiro a pastor e ao inve´s de olhar para uma semelhança do pai, olhar oara um pecador ou seja um monte de carne podre, que so ta la pregando por causa do DÍZIMI. Ou nao????.

    Curtir

  4. BALELAS E MAIS BALELAS CATOLICAS….COMO DISSERAM AI….NÃO HA FUNDAMENTOS BIBLICOS PARA TAL ENCONTRO….TUDO POSTADO AQUI NÃO PASSA DE HERESIA

    Curtir

    • Como Balela?

      A Bíblia relata em diversos lugares que Jesus encontrou com seus Discípulos inclusive até mandou São Tomé colocar o dedo nas suas chagas para comprovar que Ele era um corpo vivo e não um fantasma, logicamente Maria sua Mãe também estava ali junto com os Discípulos já que também estava em Pentecostes, logo quem inventa mentiras a respeito da Bíblia é quem tira textos de lá fora do contexto, excluído o versículo anterior que garante a presença da Mãe de Jesus no recinto.

      Só lhe digo uma cisa, não adianta retirar Maria da história se não você acabaria por retirar Jesus também da história já que Ele é seu filho e um filho não existiria sem uma Mãe.

      Paz de Cristo

      Sizenando

      Curtir

  5. eu gosto muito de ver jesus e maria juntos

    Curtir

  6. eu adoro as fotos de jesus como e bonito,

    Curtir

  7. não é lindo Jesus Cristo com sua mãe Maria de Nazaré???

    Curtir

Deixar um Comentério aqui.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 69.475 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: